REGISTRO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES
ASSUNTO: Correntes Filosóficas
TEMA: Racionalismo Crítico - Kant
COMPONENTE CURRICUL...
RELATÓRIO DE CONCLUSÃO
1- Justificativa
O presente relatório trata da influência exercida pela filosofia kantiana na atual...
3- Desenvolvimento
Para o desenvolvimento desse trabalho foram utilizadas fontes de pesquisa as quais
possibilitou o levan...
Racionalistas Empiristas
A única fonte de conhecimento A única fonte de conhecimento
verdadeiro é a razão. Verdadeiro é a ...
predicado que aquilo que já está no sujeito mesmo, de tal forma que os
juízos em questão consistem apenas em um processo d...
O que é Transcendente em Kant? É o que está além do nosso
conhecimento, não podendo entrar na formação de juízos sintético...
Desse movimento histórico têm resultado, inegavelmente, importantes benefícios para a
humanidade, nos setores político, so...
PLATAFORMA FREIRE– CAMPUS VI – CAETITÉ
SÍNTESE TEORIA RACIONALISMO CRÍTICO
CAETITÉ– BA
2010
UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA – UNEB
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS – DCH
PLATAFORMA FREIRE– CAMPUS VI – CAETITÉ
SÍNTE...
wwww. webartigos.com//... RACIONALISMO... KANTIANO/pagina1.html -<
acesso em 29/11/2010>
www.mundodosfilosofos.com.br/posk...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Complementar filosofia

305 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
305
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Complementar filosofia

  1. 1. REGISTRO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASSUNTO: Correntes Filosóficas TEMA: Racionalismo Crítico - Kant COMPONENTE CURRICULAR: Filosofia ACADÊMICAS: Eunice Bastos de Souza Iris Fabyanna Maria das Neves Marleide de Carvalho Silva de Moura Regina Maria PROFESSOR/FORMADOR: Manoel Raimundo Alves PERÍODO DE EXECUÇÃO: 28/11/2010 a 10/12/2010 ATIVIDADES EM GRUPO: • 29/11/2010-Pesquisa acerca do tema • 02/12/2010-Leitura e discussão de textos complementares • 03/12/2010-Registro das ideias principais • 06/12/2010-Elaboração de síntese • 08/12/2010-Elaboração de relatório ASSINATURAS: ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ Responsável: __________________________________________________________
  2. 2. RELATÓRIO DE CONCLUSÃO 1- Justificativa O presente relatório trata da influência exercida pela filosofia kantiana na atualidade a partir da chamada crise da Modernidade. Tem o intuito de expor as descrições dos conceitos utilizados por Kant incidindo especialmente na sua concepção do criticismo e do transcendentalismo. Esta análise é feita a partir do pensamento filosófico kantiano no qual instaura perguntas sobre as condições de possibilidade do conhecimento em geral. Para kant o conhecimento é possível porque o homem possui faculdades que o tornam possíveis. Com isso, o filósofo passa a investigar a razão e seus limites, ao invés de investigar como deve ser o mundo para que se possa conhecê-lo, como a filosofia havia feito até então. 2- Objetivos • Explicitar a finalidade da análise kantiana do conhecimento. • Compreender o papel da sensibilidade e do entendimento no processo de conhecimento. • Mostrar por que razão não é possível conhecer realidades não empíricas. • Compreender que o racionalismo kantiano não admite a possibilidade de um conhecimento puramente racional.
  3. 3. 3- Desenvolvimento Para o desenvolvimento desse trabalho foram utilizadas fontes de pesquisa as quais possibilitou o levantamento de informações acerca do tema. Dessa forma a organização e sistematização das ideias foram feitas mediante leituras e discussões ao passo em que se identificavam os pontos relevantes. Sendo assim, optou-se por pinçar aspectos que melhor atendessem aos objetivos propostos. Síntese Teoria Racionalismo Crítico O filósofo alemão Immanuel Kant responde à questão de como é possível o conhecimento afirmando o papel constitutivo de mundo pelo sujeito transcendental, isto é, o sujeito que possui as condições de possibilidade da experiência. O que equivale a responder: "O conhecimento é possível porque o homem possui faculdades que o tornam possíveis". Com isso, o filósofo passa a investigar a razão e seus limites, ao invés de investigar como deve ser o mundo para que se possa conhecê-lo, como a filosofia havia feito até então. Ao racionalismo opõe-se o empirismo, que sustenta que todo conhecimento vem, e precisa ser testado, pela experiência sensível. A filosofia de Kant vai tocar em todas essas correntes, como veremos abaixo. E para tentar compreendê-la vamos necessitar primeiro aclarar uma complicada nomenclatura que classifica as proposições, ou juízos; de outro modo não será possível compreender o pensamento do filósofo, porque o que ele faz de importante é precisamente renomear e reclassificar certos conceitos relativos às proposições metafísicas, mediante uma visão e uma teoria, inteiramente novas, do conhecimento.  No tempo de Kant, a filosofia era dominada por duas correntes:
  4. 4. Racionalistas Empiristas A única fonte de conhecimento A única fonte de conhecimento verdadeiro é a razão. Verdadeiro é a experiência. Proposições ou juízos. Toda proposição ou juízo consiste num sujeito lógico do qual se diz algo, e um predicado, que é aquilo que se diz desse sujeito. Kant, como os filósofos aristotélicos, diferenciava modos de pensar –, ou seja, as proposições ou juízos – em analíticos e sintéticos. Tipos de Juízos: Racionalistas Empiristas Juízos Sintéticos: Juízos Analíticos: São puramente explicativos, O predicado acrescenta sendo que o objeto não acrescenta alguma coisa não nada ao conteúdo já conhecido. expressa pelo sujeito Sintéticos: (do objeto) O predicado destes juízos acrescenta um conhecimento novo ao sujeito. a priori: (do sujeito) Existem estruturas, ou condições de possibilidade no sujeito que conhece que o condicionam a este dado tipo de conhecimento, mas garantem a sua universalidade. Os juízos analíticos são o resultado de se tomar parte do sujeito como predicado, sem referência imediata à experiência. Leibniz os chamou "Verdades de razão"; todos os juízos analíticos são a priori, porque a ligação, o nexo, neles, é percebido sem apelo à experiência. Os juízos analíticos são sempre verdadeiros, visto que não dizem mais como
  5. 5. predicado que aquilo que já está no sujeito mesmo, de tal forma que os juízos em questão consistem apenas em um processo de análise. Assim, nos juízos analíticos, dentro do conceito do sujeito tem que estar os seus próprios predicados. Uma proposição analítica é uma na qual o predicado está contido no sujeito como na afirmação: "A casa verde é casa". São universais, porque o que dizem é independente de tempo e lugar, e são necessários porque não podem ser de outro modo; distinguem-se do conhecimento empírico pela universalidade e necessidade.. São, pois, como dito acima, a priori, "sem apelo à experiência", razão pura, que não tem sua origem na experiência. Conforme o exemplo, uma casa é uma casa, mesmo que não exista nenhuma casa no mundo. Os juízos sintéticos, diferentemente, são aqueles em que não se pode chegar à verdade por pura análise de suas proposições. Os juízos sintéticos, as proposições sintéticas, são resultado de se "juntar" (síntese) os fatos, ou dados, da experiência. Ainda de acordo com os aristotélicos, todos os juízos sintéticos são a posteriori, porque eles são dependentes da experiência. As proposições ou juízos sintéticos unem o conceito expresso pelo predicado ao conceito do sujeito, e nos informa alguma coisa de novo. Na proposição "A casa é verde", preciso ver a casa para confirmar que é, de fato, verde (No caso "A casa verde é verde", um juízo analítico, eu não precisaria da experiência para saber que a casa é verde porque isto já está expresso no próprio sujeito "casa verde"). Os juízos sintéticos são feitos com fundamento na experiência, na percepção sensível. Nos juízos sintéticos, o conceito do predicado não está contido no conceito do sujeito. Todas as proposições resultantes da experiência do mundo são sintéticas. O que é Transcendental em Kant? Transcendental são as condições de possibilidade do conhecimento humano, ou seja, as formas (do sujeito) que modelam a matéria (proveniente do objeto).
  6. 6. O que é Transcendente em Kant? É o que está além do nosso conhecimento, não podendo entrar na formação de juízos sintéticos a priori: sujeito + objeto. Pela consideração do espaço e do tempo, o conhecimento da sensível torna-se científico, ou seja, universal (válido sempre e para todos) e extensivo (acrescenta algo novo ao que já se sabe) Assim, apreendemos duas coisas: primeiro, o conhecimento só é possível se os objetos da experiência forem dados no espaço e no tempo; e, segundo, espaço e tempo são propriedades subjetivas, isto é, atributos do sujeito e não do mundo (da coisa-em-si). Espaço é a forma do sentido externo; e tempo, do sentido interno. Isto é, os objetos externos se apresentam em uma forma espacial; e os internos, em uma forma temporal. Em geral, Kant acredita que a tarefa de mostrar como juízos sintéticos podem ser feitos a priori é a primeira tarefa da Metafísica. Ele sustentou que os grandes metafísicos do passado falharam em fazer isto. Intuição intelectual é uma ficção. Nenhuma inferência além da experiência, na intuição intelectual, se justifica. Análises de conceitos não irão produzir verdades além de puras tautologias, quando o que, de fato, conduz a um conhecimento novo são as verdades sintéticas, por via da intuição sensível. • Em seu sentido mais amplo e comum, racionalismo é o ato de pensar, raciocinar, fazer uso da razão, faculdade que distingue o homem dos outros animais que lhe são inferiores na escala evolutiva. Ainda em sentido lato, pode ser definido como a crença na razão e na evidência das demonstrações. • É por isto que a filosofia não progrediu de modo seguro desde os gregos até Kant: 1. Os racionalistas não podem afirmar nada de novo. 2. Os Empiristas não podem afirmar qualquer coisa de modo universal.
  7. 7. Desse movimento histórico têm resultado, inegavelmente, importantes benefícios para a humanidade, nos setores político, social, científico, espiritualista, literário e cultural. No entanto, para que ele se tornasse árvore robusta e frondosa e produzisse semelhantes frutos, necessário foi, realmente, que deitasse raízes em idades remotas e ainda enfrentasse os vendavais dos tempos. Após Kant... Muitos pensadores continuaram se debruçando sobre o problema do conhecimento e chegando a posições diversas do apriorismo de Kantiano. Como em tantos outros campos da Filosofia, a questão do conhecimento é assunto que escapa a uma palavra final e definitiva. 4-Cronograma ATIVIDADE DATA HORAS Pesquisa 29/11/2010 3 h Leitura e discussão 02/12/2010 3h Registro das ideias principais 03/12/2010 2h Síntese 06/12/2010 3h Relatório de Conclusão 08/12/2010 4h 5 – Conclusão Dessa forma, pode-se concluir sumariamente, que as teorias desenvolvidas por Kant influenciou toda a filosofia subsequente tornando-o um dos grandes filósofos de todos os tempos. A sua contribuição para a epistemologia (teoria do conhecimento), é notável e não pode ser esquecida. Em sua filosofia, somaram-se os novos rumos que haviam começado com o racionalismo e o Empirismo. Ele iniciou uma nova era no desenvolvimento do pensamento filosófico. Pode-se dizer que a obra de Kant constitui, ao mesmo tempo, o ponto de convergência do pensamento filosófico anterior e a fonte da qual brota a maior parte das reflexões dos séculos XIX e XX. Com sua teoria do conhecimento, Kant encerra um período que tinha começado com Descartes e abre um novo período para a filosofia, que é o período do desenvolvimento do Idealismo Transcendental, nome pelo qual ficou conhecida sua filosofia. UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA – UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS – DCH
  8. 8. PLATAFORMA FREIRE– CAMPUS VI – CAETITÉ SÍNTESE TEORIA RACIONALISMO CRÍTICO CAETITÉ– BA 2010
  9. 9. UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA – UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS – DCH PLATAFORMA FREIRE– CAMPUS VI – CAETITÉ SÍNTESE TEORIA RACIONALISMO CRÍTICO Trabalho apresentado ao professor Manoel Raimundo Alves para avaliação de atividade complementar da disciplina Filosofia do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas – Plataforma Freire – pelos alunos: (Eunice Bastos de Souza, Iris Fabyanna, Maria das Neves, Marleide de Carvalho Silva de Moura, Regina Maria) CAETITÉ– BA 2010 6 - Referências bibliográficas
  10. 10. wwww. webartigos.com//... RACIONALISMO... KANTIANO/pagina1.html -< acesso em 29/11/2010> www.mundodosfilosofos.com.br/poskant.htm < acesso em 29/11/2010> ww.webartigos.com/...RACIONALISMO...KANTIANO/pagina1.html - < acesso em 29/11/2010> GARDNER, H. A Nova Ciência da Mente; trad. Cláudia M. Caon. - São Paulo: Edusp, 1995.

×