Registros bíblicos, históricos e mitológicos do vinho

244 visualizações

Publicada em

Oi, o meu nome é Ettore Reginaldo Tedeschi e, além de empresário na área de mineração, sou um admirador de um bom vinho. Vamos falar sobre o assunto?!

Segundo o Velho Testamento, nos relatos bíblicos em Gênesis, Noé levou sementes de uva em sua arca, pensando em plantá-las após o dilúvio. Vem daí o primeiro registro da produção de vinho, bem como do estado embriagado após o seu consumo. Já a mitologia grega remete ao deus Dionísio, também conhecido como Baco, a produção do primeiro vinho. Em homenagem ao fato, os gregos criaram os populares Festivais de dionísio, em Atenas, festa que celebra o dilúvio enviado por Zeus, como punição dos pecados dos homens e o fato de Orestheus ter sobrevivido e semeado a primeira videira.

Mas o que diz a história? Segundo descobertas arqueológicas, o vinho é uma das bebidas mais antigas da história da humanidade, como apontam vestígios entre 7000-5000 a.C. O registro, na primeira forma de sociedade, na Idade da Pedra, em Catal Hüyük sinaliza a produção e o consumo de vinho - ou, ao menos, uma bebida à base do fruto da videira.

O cultivo de videiras percorreu pela Turquia, Síria, Byblos, Líbano, Jordânia, Irã, antiga Pérsia, e no sul da Mesopotânia (atualmente território iraquiano), enquanto registros históricos responsabilizam os fenícios como distribuidores de espécies que posteriormente dariam origem às uvas brancas por toda a Europa. Sabe-se também que o cultivo de videiras chegou ao Egito pelas águas do Rio Nilo.

O monopólio da Igreja Católica fez com que a produção do vinho entrasse em declínio na Era medieval. No entanto, no século XII, o consumo da bebida ressurgiu por membros do clero e soberanos, principalmente às margens de rios como o Reno, Garonne e Loire, considerando a logística no transporte da bebida.

Mas foi somente ao fim do Século XVIII que o vinho ganhou a sua primeira rolha de proteção. O responsável por isso foi D. Pierra Pérignon, criador da champanha e membro da abadia de Hautvillers. No entanto, cabe ao ano de 1775 o marco da história dos vinhos, pois foi quando se descobriu que as uvas antes consideradas podres determinavam o sabor doce e um aroma mais agradável.

Assim como fez com a maioria de produtos, a Revolução Industrial tornou mecânica a produção do vinho, diminuindo a sua qualidade outrora artesanal, durante o século XVIII. Somente no século XX a bebida retomou o paladar e o aroma com a evolução da vitivinicultura e os avanços da tecnologia. Cita-se como principais fatores o cruzamento genético das cepas das uvas e a formação de leveduras transgênicas - bem como a preocupação com a produção mecanizada sob medida para agradar variados paladares - para a produção de vinhos com aroma e sabor em alta qualidade.

Publicada em: Alimentos
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
244
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Registros bíblicos, históricos e mitológicos do vinho

  1. 1. Ettore Reginaldo Tedeschi Registros bíblicos, históricos e mitológicos do vinho
  2. 2. Oi, o meu nome é Ettore Reginaldo Tedeschi e, além de empresário na área de mineração, sou um admirador de um bom vinho. Vamos falar sobre o assunto?! Segundo o Velho Testamento, nos relatos bíblicos em Gênesis, Noé levou sementes de uva em sua arca, pensando em plantá-las após o dilúvio. Vem daí o primeiro registro da produção de vinho, bem como do estado embriagado após o seu consumo.
  3. 3. Já a mitologia grega remete ao deus Dionísio, também conhecido como Baco, a produção do primeiro vinho. Em homenagem ao fato, os gregos criaram os populares Festivais de dionísio, em Atenas, festa que celebra o dilúvio enviado por Zeus, como punição dos pecados dos homens e o fato de Orestheus ter sobrevivido e semeado a primeira videira.
  4. 4. O cultivo de videiras percorreu pela Turquia, Síria, Byblos, Líbano, Jordânia, Irã, antiga Pérsia, e no sul da Mesopotânia (atualmente território iraquiano), enquanto registros históricos responsabilizam os fenícios como distribuidores de espécies que posteriormente dariam origem às uvas brancas por toda a Europa. Sabe-se também que o cultivo de videiras chegou ao Egito pelas águas do Rio Nilo.
  5. 5. O monopólio da Igreja Católica fez com que a produção do vinho entrasse em declínio na Era medieval. No entanto, no século XII, o consumo da bebida ressurgiu por membros do clero e soberanos, principalmente às margens de rios como o Reno, Garonne e Loire, considerando a logística no transporte da bebida.
  6. 6. Mas foi somente ao fim do Século XVIII que o vinho ganhou a sua primeira rolha de proteção. O responsável por isso foi D. Pierra Pérignon, criador da champanha e membro da abadia de Hautvillers. No entanto, cabe ao ano de 1775 o marco da história dos vinhos, pois foi quando se descobriu que as uvas antes consideradas podres determinavam o sabor doce e um aroma mais agradável.
  7. 7. Assim como fez com a maioria de produtos, a Revolução Industrial tornou mecânica a produção do vinho, diminuindo a sua qualidade outrora artesanal, durante o século XVIII. Somente no século XX a bebida retomou o paladar e o aroma com a evolução da vitivinicultura e os avanços da tecnologia.
  8. 8. Cita-se como principais fatores o cruzamento genético das cepas das uvas e a formação de leveduras transgênicas - bem como a preocupação com a produção mecanizada sob medida para agradar variados paladares - para a produção de vinhos com aroma e sabor em alta qualidade.

×