Curso Raciocínio Analítico p/ Concurso TCU

2.692 visualizações

Publicada em

Aula demonstrativa do Curso de Raciocínio Analítico para Concurso TCU 2015.

Confira o curso completo no site: https://www.estrategiaconcursos.com.br/curso/raciocinio-analitico-p-tcu-2015-auditoria-governamental-e-tecnologia-da-informacao-7164/

Publicada em: Governo e ONGs
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.692
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
45
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
169
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Curso Raciocínio Analítico p/ Concurso TCU

  1. 1. Aula 00 Raciocínio Analítico p/ TCU-2015 - Auditoria Governamental e Tecnologia da Informação Professor: Arthur Lima 00000000000 - DEMO
  2. 2. AULA 00 (demonstrativa) SUMÁRIO PÁGINA 1. Apresentação 01 2. Edital e cronograma do curso 02 3. Introdução ao Raciocínio Analítico 04 4. Lista das questões apresentadas na aula 20 5. Gabarito 24 1. APRESENTAÇÃO Seja bem-vindo a este curso de RACIOCÍNIO ANALÍTICO, voltado à sua preparação para o próximo concurso do TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO (TCU), para o cargo de Auditor Federal de Controle Externo – Auditoria Governamental e Auditoria de Tecnologia da Informação. Este curso é baseado no edital publicado em 09/06/2015, cujas provas serão aplicadas pelo CESPE em 16/08/2015. Neste curso você terá: - 6 aulas escritas (em formato PDF), onde apresento toda a teoria necessária para cobrir o edital, bem como resolvo cerca de 250 questões. - 8 blocos de aulas em vídeo (aproximadamente 20-30 minutos cada), onde também apresento os aspectos teóricos e resolvo alguns exercícios introdutórios. - fórum de dúvidas, onde você pode entrar em contato direto comigo diariamente. Sou Engenheiro Aeronáutico pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), e trabalhei por 5 anos no mercado de aviação, até ingressar no cargo de Auditor- Fiscal da Receita Federal do Brasil; e sou professor no Estratégia desde o primeiro ano do site (2011). Caso você queira tirar alguma dúvida comigo antes de adquirir o curso, escreva para ProfessorArthurLima@hotmail.com ou me procure no Facebook (facebook.com/ProfessorArthurLima). 00000000000 00000000000 - DEMO
  3. 3. 2. EDITAL E CRONOGRAMA DO CURSO Como você deve ter visto em nossa video-aula demonstrativa, a matéria Raciocínio Analítico é uma das grandes novidades do edital do TCU 2015, não podendo ser confundida com o tradicional “raciocínio lógico” tão cobrado em provas anteriores do CESPE. Até o presente momento, ela só havia sido cobrada no concurso para Fiscal do ICMS/SP em 2013, com o nome de Raciocínio Crítico. No Brasil essa disciplina também costuma ser cobrada na prova da ANPAD, que é um exame prestado por aquelas pessoas que pretendem fazer pós-graduações e especializações na área de administração. Ela também é cobrada na prova para admissão no curso de especialização em administração da FGV, denominado CEAG. No exterior, essa disciplina é bastante cobrada na prova conhecida como GMAT, que é um teste que mede a proficiência em lógica, sendo normalmente exigido para que você possa concorrer a uma vaga em um curso de MBA nas principais universidades americanas. Até onde tenho conhecimento, o CESPE nunca cobrou essa disciplina em concursos públicos. Por este motivo, nossa preparação tomará como base esses diversos exames que eu citei. Veremos todos os aspectos teóricos necessários, e resolveremos questões da ANPAD, da FGV/CEAG, do GMAT e da prova do ICMS/SP. Além disso, vou disponibilizar na parte final do curso um simulado com questões inéditas criadas por mim no formato tradicional do CESPE, isto é: itens de Certo ou Errado, com um alto nível de dificuldade. Assim, entendo que você fará uma preparação bastante completa, que te auxiliará a resolver as questões de Raciocínio Analítico da sua prova com rapidez e segurança, garantindo uns pontinhos adicionais que podem fazer diferença na sua classificação final. Veja abaixo o conteúdo previsto no edital do TCU para essa disciplina: RACIOCÍNIO ANALÍTICO: 1 Raciocínio analítico e a argumentação. 1.1 O uso do senso crítico na argumentação. 1.2 Tipos de Argumentos: argumentos falaciosos e apelativos. 1.3 Comunicação eficiente de argumentos. A seguir você pode ver o cronograma de aulas previsto para esse nosso curso: 00000000000 00000000000 - DEMO
  4. 4. Data Número da Aula 15/06 Aula 00 – demonstrativa 22/06 Aula 01 - Noções de lógica formal (proposicional) 29/06 Aula 02 - Raciocínio analítico e a argumentação. O uso do senso crítico na argumentação. Tipos de Argumentos: argumentos falaciosos e apelativos. Comunicação eficiente de argumentos. 06/07 Aula 03 - Continuação (raciocínio analítico) 13/07 Aula 04 - Bateria de questões de raciocínio analítico 20/07 Aula 05 - Simulado de questões padrão CESPE 22/07 Aula 06 - Resumo teórico Sem mais, vamos ao curso. Observação importante: este curso é protegido por direitos autorais (copyright), nos termos da Lei 9.610/98, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais e dá outras providências. Grupos de rateio e pirataria são clandestinos, violam a lei e prejudicam os professores que elaboram o cursos. Valorize o trabalho de nossa equipe adquirindo os cursos honestamente através do site Estratégia Concursos ;-) 00000000000 00000000000 - DEMO
  5. 5. 3. INTRODUÇÃO AO RACIOCÍNIO ANALÍTICO Para te dar uma visão geral sobre o que é o Raciocínio Analítico e o que iremos trabalhar ao longo deste curso, vamos partir do seguinte argumento, dito por um amigo nosso chamado João: Beber leite causa câncer. Afinal, todas as pessoas com câncer que eu conheço bebiam leite. Além disso, uma médica bastante conhecida parou de ingerir este alimento para evitar a doença. É bom lembrar também que o número de casos de câncer tem aumentado, assim como o consumo de laticínios. Em primeiro lugar, qual é a conclusão apresentada por João nesse argumento? E quais são as premissas nas quais João se baseia para chegar na conclusão? Esse é um ponto bastante abordado em questões de raciocínio analítico. Basicamente, você precisa saber reconhecer a estrutura do argumento, identificando tanto as premissas como as conclusões. Neste caso acima, poderíamos estruturar o argumento de forma resumida assim: Premissa 1: todas as pessoas com câncer que eu conheço bebiam leite Premissa 2: uma médica bastante conhecida parou de ingerir este alimento para evitar a doença Premissa 3: o número de casos de câncer tem aumentado, assim como o consumo de laticínios Conclusão: beber leite causa câncer Repare que a conclusão do argumento estava logo no seu início! Ao longo desse curso, veremos algumas técnicas para identificar a conclusão, pois ela também pode estar no fim do argumento ou mesmo no meio dele. Uma vez estruturado o argumento, podemos passar a analisá-lo. Em nosso estudo, não vamos dizer de maneira absoluta que esse argumento é válido (ou seja, 00000000000 00000000000 - DEMO
  6. 6. que a sua conclusão decorre logicamente das suas premissas) ou inválido (isto é, que a conclusão apontada não deriva necessariamente das premissas utilizadas para suportá-la). Este tipo de análise faz parte da “lógica formal”, também conhecida como “lógica de proposições” (e bastante cobrada em concursos públicos!). Ao estudar Raciocínio Analítico, estamos no campo da “lógica informal”, que é menos rigorosa / extremista. De qualquer forma, a uma primeira vista podemos fazer um julgamento preliminar desse argumento. Acredito que, quando você leu, o seu senso crítico não deve ter deixado que você ficasse inteiramente convencido da ideia que estava sendo defendida por João. Isto porque, de fato, essa fala apresenta alguns erros de argumentação que nós vamos aprender a identificar e mesmo a corrigir. Alguns desses erros são as conhecidas falácias. Para ilustrar, observe atentamente a primeira premissa, que repito abaixo: Premissa 1: todas as pessoas com câncer que eu conheço bebiam leite Será que o João conhece uma quantidade significativa de pessoas com câncer? Ou será que ele está generalizando a partir de uma ou duas pessoas com câncer que ele conheça? Neste último caso, ele estaria incorrendo em um tipo clássico de erro de argumentação, que consiste justamente nessa generalização indevida: observa-se um determinado fenômeno em um grupo bastante reduzido e extrapola-se a conclusão para todo um universo de indivíduos. Tenho certeza que você já se deparou com algo assim em algum momento! Além de saber reconhecer a estrutura do argumento e saber identificar falhas de argumentação, é muito comum serem fornecidas informações ou hipóteses adicionais para que você avalie qual a consequência delas sobre o argumento original. Para ilustrar, suponha que a seguinte informação adicional é fornecida: Premissa adicional: João conhece 100 pessoas com câncer. Qual é a consequência dessa informação adicional para o argumento de João? Você consegue perceber que ela reforça o argumento, isto é, aumenta a 00000000000 00000000000 - DEMO
  7. 7. chance de que a conclusão apresentada por João seja verdadeira? Afinal, ele conhece uma quantidade bem razoável de pessoas com câncer, e se todas elas tomavam leite, pode ser que realmente haja alguma relação entre tomar leite e ter câncer! Esqueça a premissa adicional que forneci acima e, no lugar dela, imagine que tenha sido fornecida a seguinte: Premissa adicional: a médica referida por João é pediatra, só tendo estudado oncologia brevemente durante a faculdade, há 20 anos. Repare que, caso essa premissa adicional seja verdadeira, o argumento fica enfraquecido. Afinal, aparentemente essa médica não possui tanto conhecimento assim sobre câncer (e há boa chance que o que ela aprendeu há 20 anos já não seja mais verdade, uma vez que a ciência está sempre em evolução). Agora vamos trabalhar com a seguinte informação adicional: Premissa adicional: as regiões do país onde o aumento do consumo de laticínios tem sido maior nos últimos anos também são as regiões que têm registrado os maiores aumentos na incidência de câncer. Repare que, caso essa informação seja verdadeira, ela reforça a conclusão de João. Cuidado com um aspecto: “reforçar a conclusão” não significa que necessariamente a conclusão de João seja correta, mas apenas significa que essa premissa adicional eleva a probabilidade de que a conclusão apresentada por João seja realmente verdadeira. Afinal, essa informação sugere que realmente exista alguma relação entre o consumo de leite e a incidência de câncer. Para finalizar, imagine que tivesse sido fornecida a seguinte informação: Premissa adicional: todos os conhecidos de João bebem leite. 00000000000 00000000000 - DEMO
  8. 8. Ora, se todas as pessoas que João conhece bebem leite, é obvio que todas as pessoas com câncer que ele conhece também bebem leite. Da mesma forma, todos os conhecidos dele que não possuem essa doença também bebem leite. Note que, caso essa premissa adicional seja realmente verdadeira, o argumento de João fica seriamente abalado, afinal ela faz com que a premissa 1 perca toda a sua força. Assim, imagine que uma questão de prova perguntasse o seguinte: Qual das informações abaixo, se for verdadeira, mais enfraquece o argumento apresentado? a) João conhece 100 pessoas com câncer. b) a médica referida por João é pediatra, só tendo estudado oncologia brevemente durante a faculdade há 20 anos. c) as regiões do país onde o aumento do consumo de laticínios tem sido maior nos últimos anos também são as regiões que têm registrado os maiores aumentos na incidência de câncer. d) todos os conhecidos de João bebem leite. Repare que duas das alternativas de resposta não enfraquecem o argumento, mas sim o reforçam: A e C. As outras duas alternativas enfraquecem o argumento, como vimos acima. Mas preste atenção na pergunta feita no enunciado: nós devemos marcar aquela informação que MAIS enfraquece o argumento. Com base na análise que fizemos acima, creio que você não tenha dificuldade de marcar a alternativa D. Afinal, na alternativa B, o mero fato de a médica ter estudado oncologia por um curto período e há muito tempo atrás não invalida totalmente a opinião dela, embora realmente enfraqueça um pouco a argumentação de João. Vamos colocar essa questão no “formato CESPE” para você treinar mais um pouco? Observe abaixo: 00000000000 00000000000 - DEMO
  9. 9. 1. PROF. ARTHUR LIMA – QUESTÃO INÉDITA – 2015) Com base no argumento abaixo, proferido por João, e nos conceitos de raciocínio analítico, julgue os itens a seguir. “Beber leite causa câncer. Afinal, todas as pessoas com câncer que eu conheço bebiam leite. Além disso, uma médica bastante conhecida parou de ingerir este alimento para evitar a doença. É bom lembrar também que o número de casos de câncer tem aumentado, assim como o consumo de laticínios.” ( ) O argumento acima conclui que há uma tendência crescente na quantidade de casos de câncer. ( ) Admitindo-se que João conhece 100 pessoas com câncer, o argumento resta enfraquecido. ( ) Sendo verdade que a médica referida por João é pediatra e só estudou oncologia brevemente durante a faculdade há 20 anos, o argumento é reforçado. ( ) Caso as regiões do país onde o aumento do consumo de laticínios tem sido maior nos últimos anos também sejam as regiões que têm registrado os maiores aumentos na incidência de câncer, há maior chance de que a conclusão de João mereça fé. ( ) A informação adicional de que todos os conhecidos de João bebem leite prejudica a obtenção da conclusão por ele proferida. RESOLUÇÃO: Vamos analisar cada item separadamente. ( ) O argumento acima conclui que há uma tendência crescente na quantidade de casos de câncer. Poderíamos estruturar o argumento de João assim: Premissa 1: todas as pessoas com câncer que eu conheço bebiam leite 00000000000 00000000000 - DEMO
  10. 10. Premissa 2: uma médica bastante conhecida parou de ingerir este alimento para evitar a doença Premissa 3: o número de casos de câncer tem aumentado, assim como o consumo de laticínios Conclusão: beber leite causa câncer Repare que, de fato, as 3 frases que eu chamei de premissas apresentam ideias que buscam corroborar / reforçar a ideia prevista na frase que eu chamei de conclusão. Assim, a conclusão não é que o número de casos de câncer tem aumentado. Item ERRADO. ( ) Admitindo-se que João conhece 100 pessoas com câncer, o argumento resta enfraquecido. Qual é a consequência dessa informação adicional (João conhecer 100 pessoas com câncer) para o argumento? Repare que ela reforça (e não enfraquece) o argumento, isto é, aumenta a chance de que a conclusão apresentada por João seja verdadeira. Afinal, ele conhece uma quantidade bem razoável de pessoas com câncer, e se todas elas tomavam leite, pode ser que realmente haja alguma relação entre tomar leite e ter câncer! Item ERRADO. ( ) Sendo verdade que a médica referida por João é pediatra e só estudou oncologia brevemente durante a faculdade há 20 anos, o argumento é reforçado. Veja que este item está nos fornecendo uma premissa adicional, que pode ser escrita assim: Premissa adicional: a médica referida por João é pediatra, só tendo estudado oncologia brevemente durante a faculdade, há 20 anos. 00000000000 00000000000 - DEMO
  11. 11. Repare que, caso essa premissa adicional seja verdadeira, o argumento fica enfraquecido. Afinal, aparentemente essa médica não possui tanto conhecimento assim sobre câncer (e há boa chance que o que ela aprendeu há 20 anos já não seja mais verdade, uma vez que a ciência está sempre em evolução). Item ERRADO. ( ) Caso as regiões do país onde o aumento do consumo de laticínios tem sido maior nos últimos anos também sejam as regiões que têm registrado os maiores aumentos na incidência de câncer, há maior chance de que a conclusão de João mereça fé. Neste item foi fornecida a seguinte informação adicional: Premissa adicional: as regiões do país onde o aumento do consumo de laticínios tem sido maior nos últimos anos também são as regiões que têm registrado os maiores aumentos na incidência de câncer. Repare que, caso essa informação seja verdadeira, ela reforça a conclusão de João, fazendo com que o argumento tenha maior credibilidade. Cuidado com esse aspecto: “reforçar a conclusão” não significa que necessariamente a conclusão de João seja correta, mas apenas significa que essa premissa adicional eleva a probabilidade de que a conclusão apresentada por João seja realmente verdadeira. Afinal, essa informação sugere que realmente exista alguma relação entre o consumo de leite e a incidência de câncer. Item CORRETO. ( ) A informação adicional de que todos os conhecidos de João bebem leite prejudica a obtenção da conclusão por ele proferida. Ora, se todas as pessoas que João conhece bebem leite, é obvio que todas as pessoas com câncer que ele conhece também bebem leite. Da mesma forma, todos os conhecidos dele que não possuem essa doença também bebem leite. 00000000000 00000000000 - DEMO
  12. 12. Note que, caso a informação adicional deste item seja realmente verdadeira, o argumento de João fica seriamente abalado, afinal ela faz com que a premissa 1 perca toda a sua força. Isso prejudica a obtenção da conclusão fornecida. Item CORRETO. Resposta: E E E C C Vejamos mais algumas questões da ANPAD, FGV/CEAG, GMAT e ICMS/SP para você ter uma ideia melhor dos assuntos que trabalharemos ao longo do curso. É natural que você tenha alguma dificuldade ao resolver essas questões nesse momento, afinal ainda não trabalhamos os aspectos teóricos! 2. FGV – CEAGSP – 2012) É comum, em pesquisas de marketing, serem elaborados experimentos para mensurar a influência de determinados tratamentos (como, por exemplo, o efeito de um comercial) sobre variáveis de interesse (como, por exemplo, atitudes de consumidores). Em um desses experimentos, exibiu-se um vídeo contendo opiniões contrárias sobre o aborto para uma amostra de 500 indivíduos e, ao final, pediu-se que cada um deles respondesse a um questionário. Outros 500 questionários foram preenchidos por uma amostra de pessoas que não viram o vídeo. Depois de analisados os dados coletados, constatou-se que respondentes do gênero feminino e de baixa escolaridade que tinham visto o vídeo declararam-se fortemente contra o aborto, e que pessoas com elevado nível de escolaridade declararam-se a favor do aborto, independentemente de ter visto o vídeo. Os pesquisadores explicaram os resultados afirmando que, em relação aos homens, as mulheres, por se identificarem mais fortemente com a experiência da gravidez e com a ideia da maternidade, são mais sensíveis aos estímulos do vídeo e, por isso, tiveram sua atitude influenciada contra o aborto. Se verdadeira, qual das afirmações abaixo mais enfraquece a explicação oferecida pelos pesquisadores na última frase do texto? A) Não havia, nas amostras, pessoas com elevado nível de escolaridade que declararam ser contra o aborto. 00000000000 00000000000 - DEMO
  13. 13. B) A amostra de 500 pessoas que viram o vídeo era composta predominantemente por mulheres. C) A proporção de homens e mulheres, bem como de pessoas de alta e baixa escolaridade, entre as duas amostras, era diferente. D) A atitude perante o aborto é determinada única e exclusivamente pela escolaridade, não pelo gênero. E) Não há qualquer relação de dependência entre gênero e nível de escolaridade. RESOLUÇÃO: O argumento dos pesquisadores pode ser esquematizado assim: Premissa1: Mulheres de baixa escolaridade que viram o vídeo declararam-se fortemente contra o aborto Premissa2: Pessoas de alta escolaridade declararam-se a favor do aborto Conclusão: Em relação aos homens, as mulheres tiveram sua atitude influenciada contra o aborto Observe que a premissa 2 dá margem para entendermos que homens E MULHERES de alta escolaridade são favoráveis ao aborto, tendo ou não visto o vídeo. Nada sabemos sobre os homens de baixa escolaridade. Vejamos qual das afirmativas auxilia a derrubar a conclusão acima: A) Não havia, nas amostras, pessoas com elevado nível de escolaridade que declararam ser contra o aborto. Esta afirmativa foge da questão central, que é verificar se as MULHERES são ou não influenciadas pelo vídeo. B) A amostra de 500 pessoas que viram o vídeo era composta predominantemente por mulheres. Se isso fosse verdade, a conclusão ainda poderia estar correta, pois não seria possível efetuar a comparação entre homens e mulheres de modo a refutar/enfraquecer a conclusão. C) A proporção de homens e mulheres, bem como de pessoas de alta e baixa escolaridade, entre as duas amostras, era diferente. 00000000000 00000000000 - DEMO
  14. 14. Idem ao anterior. Isto tornaria ainda mais difícil chegar a qualquer conclusão. A conclusão dada poderia ainda estar correta. D) A atitude perante o aborto é determinada única e exclusivamente pela escolaridade, não pelo gênero. Este é o nosso gabarito. Se for verdade que a atitude perante o aborto depende só da escolaridade, enfraqueceríamos substancialmente a conclusão de que as mulheres tiveram a sua atitude influenciada. O correto seria dizer “As pessoas de baixa escolaridade tiveram a sua atitude influenciada contra o aborto”. E) Não há qualquer relação de dependência entre gênero e nível de escolaridade. Mais uma alternativa que não ataca o ponto central, que é determinar se o gênero influencia a posição em relação ao aborto. Resposta: D 3. ANPAD – 2006) Um instituto de pesquisa entrevistou 2.800 pessoas para traçar um perfil da automedicação no Brasil e descobriu que o hábito é cultivado por 58% da população. Na maioria dos casos, o brasileiro recorre à automedicação para tratar-se dos sintomas da gripe, de dores e de problemas intestinais. Metade das pessoas que se automedicam usam remédios já receitados por médicos em ocasiões anteriores, e as demais seguem conselhos de farmacêuticos ou de amigos. A automedicação é mais freqüente em pessoas de até 34 anos: 60% das pessoas nessa faixa etária o fazem, ao passo que, entre as pessoas com mais de 45 anos, esse percentual cai para 45%. Quanto mais alta a classe social, mais difundida é a automedicação, chegando a 61% entre os mais ricos e a 54% entre os mais pobres. Qual conclusão é melhor sustentada pelo texto acima? A) Quanto mais elevado o nível educacional da população, maior o índice de pessoas que utilizam remédios por sua própria conta. B) 50% de todas as pessoas que se automedicam acreditam que, ao fazê-lo, provavelmente estarão obedecendo a alguma prescrição médica. C) Os mais pobres se automedicam menos do que os ricos porque sua disponibilidade de recursos é menor. 00000000000 00000000000 - DEMO
  15. 15. D) Gripe, dores e problemas intestinais constituem os problemas de saúde mais freqüentes entre as pessoas que se automedicam. E) Uma pesquisa com 2.800 pessoas não pode representar os hábitos dos brasileiros em relação à automedicação. RESOLUÇÃO: A) Quanto mais elevado o nível educacional da população, maior o índice de pessoas que utilizam remédios por sua própria conta. ERRADO. O texto diz que quanto mais alta a CLASSE SOCIAL ou quanto menor a IDADE, maior o índice de automedicação. Não foi tratado a respeito do nível educacional. B) 50% de todas as pessoas que se automedicam acreditam que, ao fazê-lo, provavelmente estarão obedecendo a alguma prescrição médica. CORRETO. O texto diz que metade (50%) das pessoas que se automedicam o fazem com base em prescrições médicas anteriores. Isto não significam que elas estão obedecendo alguma prescrição médica relacionada com a doença que elas efetivamente têm no momento da automedicação, mas é razoável supor que elas acreditam estar se automedicando corretamente, seguindo a prescrição que seria dada caso se consultassem novamente com um médico. C) Os mais pobres se automedicam menos do que os ricos porque sua disponibilidade de recursos é menor. ERRADO. O texto apenas constata o fato de que os mais pobres se automedicam menos. Ele não atribui nenhuma explicação a este fato. D) Gripe, dores e problemas intestinais constituem os problemas de saúde mais freqüentes entre as pessoas que se automedicam. As pessoas se automedicam para combater sintomas que elas atribuem a essas 3 doenças (gripe, dores e problemas intestinais). Isto não significa que elas realmente tenham esses problemas de saúde. E) Uma pesquisa com 2.800 pessoas não pode representar os hábitos dos brasileiros em relação à automedicação. 00000000000 00000000000 - DEMO
  16. 16. ERRADO. Não foi fornecida nenhuma informação que permitisse supor que a amostra utilizada (2800 pessoas) é insuficiente para avaliar os hábitos dos brasileiros. Resposta: B 4. GMAT) Nos últimos anos vários marceneiros tem sido aclamados como artistas. Mas, como mobílias devem ser úteis, marceneiros devem exercer seu ofício com olhos voltados para a utilidade prática do produto. Por este motivo, marcenaria não é arte. Qual das seguintes alternativas é uma premissa que suporta a obtenção da conclusão acima a partir do motivo mencionado naquela conclusão? a) Algumas mobílias são feitas para ser colocadas em museus, onde não serão usadas por ninguém. b) Alguns marceneiros são mais preocupados do que outros com a utilidade prática dos produtos que fabricam. c) Marceneiros deveriam se concentrar mais na utilidade prática dos seus produtos do que eles tem feito atualmente. d) Um objeto não é um objeto de arte se o seu criador preocupa-se com a utilidade prática. e) Artistas não estão preocupados com o valor monetário dos seus produtos. RESOLUÇÃO: Temos aqui o seguinte argumento: Premissa: Como mobílias devem ser úteis, marceneiros devem exercer seu ofício com olhos voltados para a utilidade prática do produto. Conclusão: Por este motivo, marcenaria não é arte. É solicitada a premissa subjacente que permitiu que o argumento saltasse da premissa explicitada para a conclusão obtida. Observe que a alternativa D fornece a ligação entre a premissa e a conclusão. Considerando-a, teríamos o seguinte argumento: Premissa 1: Como mobílias devem ser úteis, marceneiros devem exercer seu ofício com olhos voltados para a utilidade prática do produto. 00000000000 00000000000 - DEMO
  17. 17. Premissa 2: Um objeto não é um objeto de arte se o seu criador preocupa-se com a utilidade prática. Conclusão: Por este motivo, marcenaria não é arte. A premissa 2 mostra que o fato de os marceneiros se preocuparem com a utilidade prática (como afirmado na premissa 1) faz com que seus objetos não sejam objetos de arte, permitindo afirmar a conclusão “marcenaria não é arte”. As demais opções de resposta não fornecem elementos para afirmarmos que a marcenaria não é arte. Vejamos: a) Algumas mobílias são feitas para ser colocadas em museus, onde não serão usadas por ninguém. Aqui temos a sugestão de que algumas mobílias poderiam ser obras de arte (por ficarem em museus), e não o contrário. b) Alguns marceneiros são mais preocupados do que outros com a utilidade prática dos produtos que fabricam. O fato de alguns serem mais preocupados com a utilidade não implica que a marcenaria, como um todo, não é arte. c) Marceneiros deveriam se concentrar mais na utilidade prática dos seus produtos do que eles tem feito atualmente. Mais uma informação que não permite inferir que a marcenaria não seja arte. e) Artistas não estão preocupados com o valor monetário dos seus produtos. As questões financeiras não foram tratadas por este argumento. Resposta: D 5. FCC – ICMS/SP – 2013) Há 2 anos, a Universidade Delta implantou um processo em que os alunos da graduação realizam uma avaliação da qualidade didática de todos os seus professores ao final do semestre letivo. Os professores mal avaliados pelos alunos em três semestres consecutivos são demitidos da instituição. Desde 00000000000 00000000000 - DEMO
  18. 18. então, as notas dos alunos têm aumentado: a média das notas atuais é 70% maior do que a média de 2 anos atrás. A causa mais provável para o aumento de 70% nas notas é (A) a melhoria da qualidade dos alunos que entraram na Universidade Delta nos últimos 2 anos, atraídos pelo processo de avaliação dos docentes. (B) a demissão dos professores mal avaliados, que são substituídos por professores mais jovens, com mais energia para motivar os alunos para o estudo. (C) o aumento da cola durante as avaliações, fenômeno que tem sido observado, nos últimos anos, nas principais instituições educacionais brasileiras. (D) uma diminuição no nível de dificuldade das avaliações elaboradas pelos professores, receosos de serem mal avaliados pelos alunos caso sejam exigentes. (E) a melhoria da qualidade das aulas em geral, o que garante que os alunos aprendam os conteúdos de maneira mais profunda, elevando a média das avaliações. RESOLUÇÃO: Antes de avaliar as alternativas, repare que um aumento de 70% significa que, se a nota média dos alunos anteriormente era 6 (em 10 pontos), após o aumento a nota média passou a ser 10 (nota máxima!). Isto é, estamos diante de um aumento muito expressivo das notas. (A) a melhoria da qualidade dos alunos que entraram na Universidade Delta nos últimos 2 anos, atraídos pelo processo de avaliação dos docentes. ERRADO. Pode até ser que alunos melhores tenham sido atraídos pelo processo mais rigoroso de avaliação dos docentes, mas é improvável que isto justifique um aumento tão grande nas notas. Seriam necessários alunos MUITO melhores. (B) a demissão dos professores mal avaliados, que são substituídos por professores mais jovens, com mais energia para motivar os alunos para o estudo. ERRADO. Note que a medida foi implementada há apenas 4 semestres (2 anos), e são necessários pelo menos 3 semestres completos para que os professores mal avaliados começassem a ser demitidos. Isto é, é improvável acreditar que os efeitos da substituição de professores estivessem sendo sentidos de maneira tão intensa em tão pouco tempo. 00000000000 00000000000 - DEMO
  19. 19. (C) o aumento da cola durante as avaliações, fenômeno que tem sido observado, nos últimos anos, nas principais instituições educacionais brasileiras. ERRADO. Se de fato houve aumento da cola, é provável que isso tenha influenciado um aumento das notas, mas um aumento tão expressivo como o citado no item A (de 6 para 10 pontos) exigiria um aumento massivo da cola. (D) uma diminuição no nível de dificuldade das avaliações elaboradas pelos professores, receosos de serem mal avaliados pelos alunos caso sejam exigentes. CORRETO. É possível acreditar que uma redução na dificuldade das provas seja capaz de gerar um aumento expressivo nas notas dos alunos. Basta cobrar os tópicos mais básicos e/ou mais intuitivos de cada disciplina. Esta tese é mais crível que as demais. (E) a melhoria da qualidade das aulas em geral, o que garante que os alunos aprendam os conteúdos de maneira mais profunda, elevando a média das avaliações. ERRADO. Ainda que os professores, com medo da demissão, tenham melhorado a qualidade de suas aulas, é improvável que esta melhoria de qualidade seja responsável por uma variação tão expressiva nas notas. Resposta: D Estes são breves exemplos do que iremos trabalhar ao longo das aulas do nosso curso de Raciocínio Analítico. Vamos explorar bastante TODOS os aspectos exigidos pelo seu edital, como o uso do senso crítico na argumentação, o reconhecimento de erros de argumentação, como as falácias e os argumentos apelativos, e assim por diante. Fico por aqui desejando-lhe muita força e dedicação nessa reta final! Essa aula demonstrativa foi curtinha, mas as demais serão bem maiores (em torno de 100 páginas cada), afinal precisaremos enfrentar toda a teoria e resolver 250 questões de Raciocínio Analítico! 00000000000 00000000000 - DEMO
  20. 20. Saudações, Prof. Arthur Lima – www.facebook.com/ProfessorArthurLima DICA: conheça os meus cursos de Questões Comentadas de Matemática Financeira e de Noções de Estatística para o TCU em: https://www.estrategiaconcursos.com.br/cursosPorProfessor/arthur-lima-3215/ 00000000000 00000000000 - DEMO
  21. 21. 4. LISTA DE QUESTÕES APRESENTADAS NA AULA 1. PROF. ARTHUR LIMA – QUESTÃO INÉDITA – 2015) Com base no argumento abaixo, proferido por João, e nos conceitos de raciocínio analítico, julgue os itens a seguir. “Beber leite causa câncer. Afinal, todas as pessoas com câncer que eu conheço bebiam leite. Além disso, uma médica bastante conhecida parou de ingerir este alimento para evitar a doença. É bom lembrar também que o número de casos de câncer tem aumentado, assim como o consumo de laticínios.” ( ) O argumento acima conclui que há uma tendência crescente na quantidade de casos de câncer. ( ) Admitindo-se que João conhece 100 pessoas com câncer, o argumento resta enfraquecido. ( ) Sendo verdade que a médica referida por João é pediatra e só estudou oncologia brevemente durante a faculdade há 20 anos, o argumento é reforçado. ( ) Caso as regiões do país onde o aumento do consumo de laticínios tem sido maior nos últimos anos também sejam as regiões que têm registrado os maiores aumentos na incidência de câncer, há maior chance de que a conclusão de João mereça fé. ( ) A informação adicional de que todos os conhecidos de João bebem leite prejudica a obtenção da conclusão por ele proferida. 2. FGV – CEAGSP – 2012) É comum, em pesquisas de marketing, serem elaborados experimentos para mensurar a influência de determinados tratamentos (como, por exemplo, o efeito de um comercial) sobre variáveis de interesse (como, por exemplo, atitudes de consumidores). Em um desses experimentos, exibiu-se um vídeo contendo opiniões contrárias sobre o aborto para uma amostra de 500 indivíduos e, ao final, pediu-se que cada um deles respondesse a um questionário. Outros 500 questionários foram preenchidos por uma amostra de pessoas que não viram o vídeo. Depois de analisados os dados coletados, constatou-se que respondentes do gênero feminino e de baixa escolaridade que tinham visto o vídeo 00000000000 00000000000 - DEMO
  22. 22. declararam-se fortemente contra o aborto, e que pessoas com elevado nível de escolaridade declararam-se a favor do aborto, independentemente de ter visto o vídeo. Os pesquisadores explicaram os resultados afirmando que, em relação aos homens, as mulheres, por se identificarem mais fortemente com a experiência da gravidez e com a ideia da maternidade, são mais sensíveis aos estímulos do vídeo e, por isso, tiveram sua atitude influenciada contra o aborto. Se verdadeira, qual das afirmações abaixo mais enfraquece a explicação oferecida pelos pesquisadores na última frase do texto? A) Não havia, nas amostras, pessoas com elevado nível de escolaridade que declararam ser contra o aborto. B) A amostra de 500 pessoas que viram o vídeo era composta predominantemente por mulheres. C) A proporção de homens e mulheres, bem como de pessoas de alta e baixa escolaridade, entre as duas amostras, era diferente. D) A atitude perante o aborto é determinada única e exclusivamente pela escolaridade, não pelo gênero. E) Não há qualquer relação de dependência entre gênero e nível de escolaridade. 3. ANPAD – 2006) Um instituto de pesquisa entrevistou 2.800 pessoas para traçar um perfil da automedicação no Brasil e descobriu que o hábito é cultivado por 58% da população. Na maioria dos casos, o brasileiro recorre à automedicação para tratar-se dos sintomas da gripe, de dores e de problemas intestinais. Metade das pessoas que se automedicam usam remédios já receitados por médicos em ocasiões anteriores, e as demais seguem conselhos de farmacêuticos ou de amigos. A automedicação é mais freqüente em pessoas de até 34 anos: 60% das pessoas nessa faixa etária o fazem, ao passo que, entre as pessoas com mais de 45 anos, esse percentual cai para 45%. Quanto mais alta a classe social, mais difundida é a automedicação, chegando a 61% entre os mais ricos e a 54% entre os mais pobres. Qual conclusão é melhor sustentada pelo texto acima? 00000000000 00000000000 - DEMO
  23. 23. A) Quanto mais elevado o nível educacional da população, maior o índice de pessoas que utilizam remédios por sua própria conta. B) 50% de todas as pessoas que se automedicam acreditam que, ao fazê-lo, provavelmente estarão obedecendo a alguma prescrição médica. C) Os mais pobres se automedicam menos do que os ricos porque sua disponibilidade de recursos é menor. D) Gripe, dores e problemas intestinais constituem os problemas de saúde mais freqüentes entre as pessoas que se automedicam. E) Uma pesquisa com 2.800 pessoas não pode representar os hábitos dos brasileiros em relação à automedicação. 4. GMAT) Nos últimos anos vários marceneiros tem sido aclamados como artistas. Mas, como mobílias devem ser úteis, marceneiros devem exercer seu ofício com olhos voltados para a utilidade prática do produto. Por este motivo, marcenaria não é arte. Qual das seguintes alternativas é uma premissa que suporta a obtenção da conclusão acima a partir do motivo mencionado naquela conclusão? a) Algumas mobílias são feitas para ser colocadas em museus, onde não serão usadas por ninguém. b) Alguns marceneiros são mais preocupados do que outros com a utilidade prática dos produtos que fabricam. c) Marceneiros deveriam se concentrar mais na utilidade prática dos seus produtos do que eles tem feito atualmente. d) Um objeto não é um objeto de arte se o seu criador preocupa-se com a utilidade prática. e) Artistas não estão preocupados com o valor monetário dos seus produtos. 5. FCC – ICMS/SP – 2013) Há 2 anos, a Universidade Delta implantou um processo em que os alunos da graduação realizam uma avaliação da qualidade didática de todos os seus professores ao final do semestre letivo. Os professores mal avaliados pelos alunos em três semestres consecutivos são demitidos da instituição. Desde então, as notas dos alunos têm aumentado: a média das notas atuais é 70% maior do que a média de 2 anos atrás. 00000000000 00000000000 - DEMO
  24. 24. A causa mais provável para o aumento de 70% nas notas é (A) a melhoria da qualidade dos alunos que entraram na Universidade Delta nos últimos 2 anos, atraídos pelo processo de avaliação dos docentes. (B) a demissão dos professores mal avaliados, que são substituídos por professores mais jovens, com mais energia para motivar os alunos para o estudo. (C) o aumento da cola durante as avaliações, fenômeno que tem sido observado, nos últimos anos, nas principais instituições educacionais brasileiras. (D) uma diminuição no nível de dificuldade das avaliações elaboradas pelos professores, receosos de serem mal avaliados pelos alunos caso sejam exigentes. (E) a melhoria da qualidade das aulas em geral, o que garante que os alunos aprendam os conteúdos de maneira mais profunda, elevando a média das avaliações. 00000000000 00000000000 - DEMO
  25. 25. 5. GABARITO 1 EEECC 2 D 3 B 4 D 5 D 00000000000 00000000000 - DEMO

×