Uma abelha na chuva

2.090 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Uma abelha na chuva

  1. 1. UMA ABELHA NA CHUVACARLOS DE OLIVEIRA
  2. 2. FICHA TÉCNICAAutor: Carlos de OliveiraTítulo: Uma abelha na chuvaEditora: Assírio & AlvimAno de publicação: agosto de 2003
  3. 3. Biografia do AutorCarlos Alberto Serras de Oliveira, nasceu no Brasil, noano de 1921. Filho de Pai e Mãe de nacionalidadePortuguesa, aos dois anos de idade veio do Brasil paraPortugal, mais exatamente para Cantanhede, onde viviao seu avô. Aos quatro anos mudou-se com os seus paispara Febres, onde o seu pai exercia a carreira demedicina.Em 1933 muda-se para Coimbra, onde permanecedurante quinze anos, a fim de prosseguir os estudos. Em1941 ingressa na Faculdade de Letras da Universidadede Coimbra, onde estabelece amizade com JoaquimNamorado, João Cochofel e Fernando Namora. Em 1947licencia-se em Ciências Histórico-Filosóficas,instalando-se definitivamente em Lisboa. No anoseguinte, volta a Coimbra e à Gândara. Em 1949 casa-secom Ângela, jovem madeirense que conhecera nosbancos da Faculdade, sua companheira e futuracolaboradora permanente. Publicou livros como :Casa naDuna (1943) , Uma Abelha na chuva (1953), Alcateia(1944), Pequenos Burgueses (1948).
  4. 4. Resumo da ObraEste livro relata a história de uma sociedade antiga.Álvaro Silvestre comerciante e lavrador em Montouro,(concelho de Corgos), casado com Maria Dos Prazeres.Maria Dos Prazeres era filha de um fidalgo, descendente deum coudel-mor, de um guerreiro das Linhas de Elvas e primoda Bispo missionário de Cochim. Seu pai negociou o seucasamento com a família Silvestre quando ela completoudezoito anos devido a miséria e a desgraça em que viviam.Álvaro Silvestre possuía terras deixadas pelo seu pai, agoracom cinquenta anos e decide assumir todos os seus errosperante a sociedade. Álvaro dirige-se ao jornal de Corgos,onde faz as suas declarações e pede para que estas saiam naprimeira página em letras bem grandes e visíveis, mas a suaesposa impediu-o de tal loucura afirmando que ele sofre dedistúrbios mentais.Maria dos Prazeres odeia o seu marido, não sente qualqueramor ou carinho por ele. Leopoldino irmão de Álvaro, vivia emÁfrica e este era o grande amor de Maria.Maria, durante a noite, sonhava com Leopoldino e com o seucocheiro, o ruivo. Numa noite, como era habitual, Álvarobebera muito até cair para o lado. Ofendera a sua esposa, eesta pusera-o a dormir no escritório.
  5. 5. Resumo da ObraÁlvaro levantou-se de madrugada cheio de dores no corpo edecide ir passear pelos campos. Quando saiu de casa ouviu nopalheiro o riso de uma mulher, leve e cauteloso. E foiinvestigar.Aproximou se do palheiro, para tentar ouvir o que se passava ládentro. No palheiro encontrava-se o seu cocheiro, o ruivo, eClara filha de um comerciante e lavrador. Os dois jovensfaziam planos para o futuro, a rapariga encontrava-se grávidamas seu pai não permitia tal namoro ou tal gravidez, porque seupai queria que ela casasse com um fidalgo. O ruivo comentavatambém a maneira como a patroa (Maria dos Prazeres)o olhava parecendo que o queria comer.Álvaro ao ouvir tudo isto, só conseguia pensar numa maneira dese vingar do cocheiro, então decidira contar tudo o que ouviraao pai da rapariga.Dirigiu-se a loja do pai da rapariga e contou-lhe sobre agravidez da sua filha com o seu cocheiro. O pai da rapariga,sem pensar duas vezes decide matar o cocheiro e assim o fez.Clara, quando se apercebe do crime que o pai cometeu,entrega-o à polícia, mas o desgosto da podre rapariga eratanto que ela acabou por se suicidar atirando-se para dentrode um poço.

×