Memorial do Convento - Cap. xxi

21.554 visualizações

Publicada em

João Castelo

Publicada em: Educação
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
21.554
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6.081
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
96
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Memorial do Convento - Cap. xxi

  1. 1. Memoria do ConventoDe José Saramago
  2. 2. No capítulo anterior:Viagem de Baltasar e Blimunda até MonteJunto, para examinarem a máquina voadora.Caderno de Apoio ao ExamePorto Editora
  3. 3. Personagens:o D. João V
  4. 4. Capítulo XXIo Encomenda de D. João V aoarquiteto Ludovice paraconstruir uma basílica comoa de S. Pedro na corteportuguesa. Porém,Ludovice desencoraja o Reie convence-o a construir umconvento maior em Mafra.o Conversa de D. João V como guarda-livros sobre asfinanças portuguesas epreparativos para o aumentoda construção do conventoem Mafra.
  5. 5. Capítulo XXIo Procura de maistrabalhadores para ocumprimento da vontadereal e, com medo da morte,o rei establece a data desagração do obra para 22de outubro de 1730, dia doquadragésimo primeiroanoversário do rei.o Chegada de um maiornúmero de trabalhadores aMafra (500).
  6. 6. “Quando D. Maria Bárbara leva por suas próprias mãos uma das estatuazinhasque ornamentam a cimalha, a corte aplaude. Quando por suas mãos própriascolocar D. José a cruz cimeira do zimbório, pouco falta para que se ajoelhemtodos quantos estão, que este infante é que é o herdeiro.”Pág. 381“No dia seguinte, D. João V mandou chamar o arquitecto de Mafra, um tal JoãoFrederico Ludovice, que é alemão escrito à portuguesa, e disse-lhe sem outrosrodeios, É minha vontade que seja construída na corte uma igreja como a de S.Pedro de Roma, e, tendo assim dito, olhou severamente o artista.”Pág. 382
  7. 7. “Enfim o rei bate na testa, resplandece-lhe a fronte, rodeia-a o nimbo dainspiração, E se aumentássemos para duzentos frades o convento deMafra, quem diz duzentos, diz quinhentos, diz mil, estou que seria uma acção denão menor grandeza que a basílica que não pode haver.”Pág. 385

×