Memorial do Convento - Cap. xiii

10.478 visualizações

Publicada em

João Castelo

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.478
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
82
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Memorial do Convento - Cap. xiii

  1. 1. Memoria do ConventoDe José Saramago
  2. 2. No capítulo anterior:Bênção da primeira pedra da basílica de Mafra.Regresso de Baltazar e Blimunda a São Sebastiãoda Pedreira.Caderno de Apoio ao ExamePorto Editora
  3. 3. Personagens: Baltazar Sete-Sóis Blimunda Sete-Luas Padre Bartolomeu
  4. 4. Capítulo XIIIo Baltazar e Blimundaregressam à quinta, apedido do padreBartolomeu, para reconstruira passarola que seencontrava danificada.o Chegada do padre àquinta, e recordação aBlimunda que serãonecessárias, pelomenos, duas mil vontadespara a passarola voar (tendoela apenas recolhido cercade trinta).o Conselho do Padre para queBlimunda aproveite aprocissão do Corpo de Deuspara a recolha vontades.
  5. 5. Capítulo XIIIo Baltazar e Blimundatrabalham na máquinadurante o inverno e aprimavera, e chegada, porvárias vezes, do padre comesferas de âmbar.o Perda da capacidadevisionária de Blimunda, coma chegada da lua nova.o Saída da procissão (8 dejunho de 1719) – só no diaseguinte, com a mudançada lua, Blimunda recupera oseu poder.
  6. 6. “É tempo de lua nova, Blimunda não tem por agora mais olhos que os de toda agente, tanto lhe faria jejuar como comer, e isto lhe dá paz e alegria, deixar que asvontades façam o que quiserem, ficar no corpo ou partir, seja este o meudescanso, mas derepente perturba-se por causa de um pensamento que veio e atrspassou, Que outra nuvem fechada veria eu no Corpo de Deus, no seu carnalcorpo, em voz baixa o disse a Baltazer, e ele respondeu, tambémsegredando, Havia de ser tal,ela só, que levantaria a passarola e Blimundaacrescentou, Quem sabe se tudo o qur vemos não é a nuvem fechada de Deus.”Pág. 200

×