Memorial do Convento - Cap. iv

5.181 visualizações

Publicada em

João Condeço

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.181
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4.222
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Memorial do Convento - Cap. iv

  1. 1. Capítulo IVMemorial do Convento
  2. 2. Resumo Neste capítulo ficamos a conhecer BaltasarMateus, o Sete Sóis, de 26 anos, que perdeu amão esquerda na guerra em Jerez de losCaballeros, na qual se decidiria quem se sentariano trono de Espanha (Carlos austríaco ou Felipefrancês), sendo, consecutivamente, expulso doexército. Baltazar pedia esmola em Évora para pagar aoferreiro e ao seleiro pelo espigão e pelo ganchopara substituir a sua mão esquerda e com osquais matou um de dois assaltantes e o arrastoupara fora da estrada.
  3. 3. Resumo (Continuação) Neste capítulo acompanhamos esta personagemna sua viagem desde Évora até Lisboa (apesarde Baltasar não saber se ficará por lá ou seseguirá caminho para Mafra onde vivem os seuspais que não sabem se ele está morto ou vivopor não receberem notícias). Em Lisboa, Baltasar conhece João Elvas, quetambém frequentou a guerra, e com o qual,juntamente com outros mendigos, passa a noitedebaixo de um telheiro. Antes de adormeceremtodos partilham histórias de crimes queocorreram em Lisboa comparando-os com os daguerra.
  4. 4. Resumo (Continuação) Neste capítulo tomamos conhecimento do estadodo país na altura, mais propriamente do exércitoque roubava os lavradores e se recusava a lutar.
  5. 5. Citações “A tropa andava descalça e rota, roubava oslavradores, recusava-se a ir à batalha e tantodesertava para o inimigo como debandava paraas suas terras…” (Página 36) “Não tem ninguém à sua espera em Lisboa, e emMafra, donde partiu anos atrás para assentarpraça na infantaria de sua majestade, se pai emãe se lembram dele, julgam-no vivo porque nãotêm notícias de que esteja morto, ou mortoporque as não têm de que seja vivo.” (Página 36)

×