História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar

10.859 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
2 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.859
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
40
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
192
Comentários
2
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar

  1. 1. A História de uma gato chamado Zorbas, ele era grande, gordo e preto. E de uma gaivota de penas cor de prata chamada Kengah.
  2. 2. Certo dia as gaivotas preparavam-se para iniciar o seu voo, rumo a todos os portos, mas Kengah enquanto procurava alimento foi apanha por uma maré de petróleo.
  3. 3. Kengah teve muitas dificuldades em levantar voo para encontrar ajuda, pois tinha o corpo cheio de petróleo, esta lá conseguiu voar até cair na varanda de Zorbas. Antes de morrer Kengah pôs um ovo, e nesse mesmo momento pediu a Zorbas que lhe prometesse que não comia o ovo, cuidava da gaivota bebe e a ensinará a voar.
  4. 4. Zorbas é um gato de cumprir tudo aquilo que promete , como todos os gatos do porto de Hamburgo, então este e os seus amigos, Secretário, Colonello, Sabetudo e Barvento lá fazem o prometido.
  5. 5. Deram o nome de Ditosa a gaivota bebé. Conseguiram cumprir as duas primeiras promessas, agora vinha o mais difícil.
  6. 6. Ensiná-la a voar. Em dezassete tentativas de a por a voar ela caiu sempre. Os gatos pensaram que como Ditosa tinha vivido tanto tempo com eles tinha perdido as capacidades de voar. Ao que Sabetudo contrariou dizendo que respeitando as regras aerodinâmicas era possível voar.
  7. 7. Eles decidiram que sozinhos não conseguiriam ensinar Ditosa a voar, então pensaram em vários Humanos que os pudesse ajudar, até que decidiram que iriam pedir ajuda ao Humano da Gata Bubulina.
  8. 8. Com está ajuda preciosa lá conseguiram cumprir a ultima promessa de ensinar Ditosa a voar. No fim Ditosa percebeu que só voaria quem se atrevesse realmente a faze-lo.

×