Black Friday 2016

130 visualizações

Publicada em

Estudo da Esentia mostra o resultado da Black Friday 2016 e algumas tendências para o próximo ano.

Publicada em: Dados e análise
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
130
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
42
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Black Friday 2016

  1. 1. BLACK FRIDAY 2016
  2. 2. Brasil: Cenário Econômico
  3. 3. BRASIL: CENÁRIO ECONÔMICO Com a atual situação econômica do Brasil, os brasileiros estão cada vez mais buscando por opções de economia. Buscas pelo critério de preço aumentaram 60%, do início de 2014 até o início de 2016, o que mostra uma preocupação crescente com os gastos. A retração econômica refletiu no bolso dos consumidores, causando impacto em varios setores, como o varejo e o setor de bens de consumo. Os consumidores passaram a pesquisar mais preços, em busca de melhores ofertas, além de evitarem fazer compras por impulso. Setores inovadores como o da Economia Colaborativa cresceram consideravelmente, mostrando mais consciência no consumo. Em 2016 o fluxo de pessoas no varejo apresentou queda, com números abaixo dos registrados em 2015 (variação percentual referente ao mês anterior): Contudo, olhando somente para 2016, o quarto trimeste do ano mostra um aumento promissor, que pode ser resultado das grandes promoções e descontos que acontecem nos últimos meses do ano. -7.10% -4.80% 2% 5.90% 0.50% 1.50% -6.20% -4.70% 10.10% 5.50% 45.30%2015 -8.60% 0.20% -1% 5.50% 5% -3.90% -10% -1.10% 8.70% 2016 fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez
  4. 4. Ascenção do e-commerce
  5. 5. ASCENSÃO DO E-COMMERCE Em contraste com o varejo físico, lojas on-line apresentam um significativo aumento nas vendas em 2016. No total do e-commerce, houve um crescimento nominal de 8% no primeiro semestre de 2016, em comparação com o mesmo período do ano anterior. Tal número é superior aos 4% de crescimento nominal registrados na média total do varejo, também no primeiro semestre de 2016.
  6. 6. ASCENSÃO DO E-COMMERCE O faturamento total do e-commerce também aumenta a cada ano, conforme mostrado no gráfico a seguir. O Ticket médio no e-commerce vem aumentando nos últimos anos. Vale lembrar que um dos motivos deste aumento é a alta nos preços dos produtos. De 2012 para 2016, o aumento no faturamento foi de 120%. Para o fim de 2016, é esperado um faturamento de R$ 44,6 bi. O aumento de 2012 para 2016 foi de R$ 61 (17%). Observando os números, pode-se dizer que o e- commerce se tornou uma alternativa fundamental para o consumidor economizar na hora da compra, principalmente por ser um meio onde a comparação de preços pode ser feita mais facilmente do que no comércio físico.
  7. 7. M-commerce
  8. 8. M-COMMERCE Tendência apontada em 2015, o m-commerce cresce consideravelmente em 2016, praticamente dobrando número que indica o percentual de vendas on-line feitas via mobile. Em 2016, até junho, o percentual de vendas via mobile era de 23%.
  9. 9. Black Friday 2016 Resultados
  10. 10. BLACK FRIDAY 2016 Data supera expectativas, mesmo com consumidores enfrentando a crise econômica. No infográfico “Black Friday 2016 – Expectativas”, feito pela Esentia, vimos que, mesmo com a crise Econômica existente no país atualmente, os consumidores aguardavam a data ansiosamente, com o intuito de aproveitar os descontos e antecipar as compras de Natal. No final de semana da Black Friday (25/11 – 27/11), as vendas no comércio de rua e em shoppings aumentaram 11% em relação à 2015 (9%). No geral, a intenção de compra na data aumentou 4% de 2015 para 2016, e o número de pedidos em 2016 cresceu 5%.
  11. 11. BLACK FRIDAY 2016
  12. 12. BLACK FRIDAY 2016 Quanto ao faturamento, os números mostram que o consumidor não deixou de comprar por conta da crise - apenas está mais cauteloso. Em 2015, a expectativa era um faturamento de R$ 1,7 bi em vendas totais, e o número consolidado surpreendeu: R$ 1,6 bi em vendas somente on-line. Em 2016 o faturamento estimado era de R$ 2,1 bi online, e o real foi maior do que esperado: R$ 1,9 bi em vendas on-line, somente na sexta-feira (sem somar as quatro horas de quinta-feira (24), quando os principais e-commerces iniciaram suas promoções). A data está cada vez mais consolidada no calendário de datas de compras do varejo brasileiro. Prova disto foi o crescimento do número de e-consumidores ativos, que subiu 17% (1,955 mi). Destes, 281.264 são novos usuários, que fizeram sua primeira compra na internet.
  13. 13. BLACK FRIDAY 2016 Black Friday ajuda os varejistas na crise mas, por outro lado, consumidor pesquisa mais. Para os varejistas, as vendas na data, on-line, representam 7 sextas- feiras comuns. Os preços no e-commerce subiram 6% em Agosto de 2016, em comparação com o ano anterior. O setor apresentava deflação desde 2012, mas reverteu a tendência em meados de 2015, muito pela influência do aumento do câmbio que afeta, principalmente, produtos eletrônicos. As pesquisas pelo termo, no Brasil, iniciaram no dia 4 de outubro. O pico de pesquisas ocorreu na própria Black Friday (25/11).
  14. 14. BLACK FRIDAY 2016 Reclamações diminuem e consumidor se mostra mais atento. 2016 apresentou queda de 30% no número de reclamações e, no total, a data de promoções fechou com 2.912 queixas registradas. Nas últimas edições, a chamada “maquiagem de preços” foi campeã de reclamações. Porém, em 2016, por conta da crise, varejistas já abaixaram os preços meses antes com o intuito de manter as vendas e, consequentemente, em 2016 as promoções na Black Friday foram menos agressivas. Buscando fugir da “Black Fraude” os consumidores pesquisaram mais em 2016: consulta à reputação das lojas cresceu 26% em 2016.
  15. 15. Tendências 2017 Natal Mais Cedo
  16. 16. Natal mais cedo Novamente, consumidores aproveitam os descontos da Black Friday para antecipar as compras de Natal. 47% dos consumidores planejavam antecipar as compras de Natal na Black Friday 2016. Além disso, a intenção de presentear no Natal caiu 12% de 2015 para 2016. Dado o atual cenário econômico, a tendência é que este número continue a apresentar queda – pelo menos até que a situação econômica melhore. Por outro lado, o ticket médio para o Natal de 2016 deve ser R$ 96,78 maior: de R$ 138,47 em 2015, para R$ 235,25 em 2016. Tal fato pode ser consequência do aumento de preços no varejo como um todo e do aumento da taxa de câmbio.
  17. 17. Tendências 2017 Explosão das PMEs
  18. 18. Explosão das PMEs Participação de pequenas e médias empresas cresce a cada ano. Em 2015, a participação de pequenos negócios (que faturam abaixo de R$ 3,6 milhões por ano) na Black Friday representava 78,9%. Dentro do universo pesquisado, 48% das empresas respondentes afirmaram ter apenas lojas no e- commerce, e 51% afirmaram ter também lojas físicas, além de lojas on-line.
  19. 19. Explosão das PMEs Das pequenas empresas, 56% responderam que já participaram de outras edições da Black Friday, e, conforme mostra a série histórica, a participação na data cresce a cada ano. Os maiores problemas enfrentados, segundo as empresas, estavam relacionados à infraestrutura (trafego do site e entrega dos produtos). Ainda assim, apenas 3% das respondentes em 2015 afirmaram que não participariam da data em 2016, o que confirma que, cada vez mais, a data contará com a participação das PMEs.
  20. 20. Tendências 2017 Chatbots
  21. 21. Chatbots “Humanização” das ferramentas de atendimento ao consumidor se mostra eficiente. Em 2015, empresas brasileiras perderam cerca de U$ 217 bilhões no varejo como um todo, devido à mau atendimento: os clientes acabaram migrando para outras empresas. Em busca de um atendimento melhor e mais personalizado – algo que faz o consumidor se sentir único – algumas empresas utilizaram na Black Friday uma nova ferramenta que vem ganhando espaço no e-commerce: os Chatbots. Utilizando os chats das próprias redes sociais, as empresas colocam robôs de bate-papo que respondem usuários com frases automáticas para resolver problemas rápidos. Ao lado, alguns números registrados pelo chatbot das Casas Bahia, que mostram o sucesso da ferramenta, e seu grande potencial como uma tendência.
  22. 22. Conclusões
  23. 23. Conclusões • Devido ao cenário econômico do país, os brasileiros não deixaram de comprar, mas estão mais cautelosos com seu bolso. Prova disso foi o aumento de 60% das buscas pelo critério “preço”, do início de 2014 ao início de 2016; • O fluxo no varejo caiu, e, em contrapartida, o e-commerce cresce consideravelmente a cada ano. De 2012 à 2015, o crescimento foi de 39,5 milhões em pedidos, e R$ 18,8 bilhões em faturamento. O esperado para 2016 é 106,5 milhões de pedidos, com um faturamento total de R$ 44,6 bilhões; • Consequência da busca por mobilidade e conveniência, o m-commerce também cresce mais a cada ano. De 2012 até junho de 2016, o crescimento foi de 20,5%; • No geral, a edição de 2016 da Black Friday surpreendeu. A intenção de compra foi 4% maior em relação à 2015, e a data de compras fechou com 2,23 milhões de pedidos este ano; • Era esperado R$ 2,1 bilhões em vendas on-line no final de semana da promoção. Foram vendidos R$ 1,9 bilhões, somente na sexta feira, superando as expectativas; • O número de e-consumidores ativos cresceu 17% em 2016; • Os preços no e-commerce apresentaram aumento de 6% e, em contrapartida, o consumidor passou a pesquisar mais. Reclamações cairam 30% e a consulta à reputação das lojas aumentou 26% em 2016;
  24. 24. Conclusões • Novamente, o consumidor prefere antecipar as compras do Natal, aproveitando os descontos da Black Friday. A intenção de presentear alguém no Natal caiu 12% este ano; • PMEs ganham cada vez mais espaço na Black Friday, buscando atrair consumidores, vender mais e posicionar suas marcas no mercado. A participação de pequenas e médias empresas na data de descontos cresceu 32,9% de 2012 à 2015; • Novidade do e-commerce, os Chatbots começam a aparecer na Black Friday, facilitando a operação das empresas - que recebem muitos pedidos e precisam processá-los de forma rapida – e fornecendo um atendimento rápido e mais personalizado ao consumidor.

×