Propaganda 02

486 visualizações

Publicada em

Montei u

Publicada em: Educação, Negócios, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
486
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Propaganda 02

  1. 1. FERNANDO CARDOSO A HOMOAFETIVIDADE E O CRISTIANISMO Série Mensagens de Inclusão 1ª edição São Paulo Edição do Autor 2010
  2. 2. Copyrith © 2010, Fernando Cardoso Editor Fernando Cardoso Formatação e Diagramação Fernando Cardoso Revisão ortográfica Fernando Cardoso ____________________________________________________________ Cardoso, Fernando A homoafetividade e o Cristianismo / Fernando Cardoso – São Paulo: Clube de Autores, 2010. 89p. Série: (Mensagens de Inclusão) 1. Cristianismo 2. Homoafetividade. I. Fernando Cardoso. II. Título CDD: 230 ____________________________________________________________ Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. Nenhuma parte deste livro, sem autorização prévia por escrito do Autor poderá ser reduzida ou transmitida sejam quais forem os meios empregados: eletrônicos, mecânicos, fotográficos, gravação ou quaisquer outros.
  3. 3. Agradecimentos Ao meu melhor amigo e companheiro, o Senhor Jesus Cristo, que me chamou para servi-Lo, mesmo sem merecer. Aos meus pais que me ensinaram o Caminho em que eu deveria andar. Apesar dos obstáculos da vida, eu cresci e não me desviei da estrada estreita rumo ao céu. Aos pensadores e teólogos iluminados aos quais recorri para aprofundar-me no tema: José Antônio Trasferetti, Troy Perry, Otto Maduro, Márcio Retamero, Daniel Helminiak, Pedro Apolinário, Yvette Bertha Dube, Luis Corrêa Lima e Alexandre Feitosa, ICM, Luiz Gustavo, Eduardo Perez Neto e Karl Barth. E, principalmente, ao Pr. Victor Orellana, pela crítica honesta e por abrir-me os olhos a muitas coisas em que eu não atribuía significados. Aos meus irmãos de sangue pela proteção, segurança e amor que me transmitem e aos irmãos de coração pela amizade, apoio pessoal e moral. E, mais uma vez ao Vinícius de Souza pela ajuda constante. Aos leitores que fazem de meus livros, uma oportunidade de re-encontro com Deus de volta ao “primeiro amor”.
  4. 4. Introdução Este livro foi elaborado por meio de textos e reflexões minhas ao longo do tempo, enquanto escritor inclusivo. Mensagens de Inclusão aos que se sentem “excluídos” da sociedade e também do amor de Cristo. Contudo, apesar de retratar o assunto “Homoafetividade”, as mensagens contidas nesta obra se aplicam a todas as minorias que durante muito tempo encontravam-se perdidas. Mas saiba você que Cristo está deixando as noventa e nove ovelhas para trás, para ir a sua busca. Ao longo da escrita decidi ater-me em um dos campos da homossexualidade – a homoafetividade – a qual dou significado mais amplo que o próprio sentido da palavra: homo-convivência, homo-partilha, homo- cuidado, homo-ternura, homo-realização como ser humano integral. A meu ver, tal termo se adequada melhor ao representar os homossexuais perante o mundo do Cristianismo por ser as emoções e afetos mais importantes na vida de muitos homossexuais que as demais dimensões. Ademais, o que a comunidade científica chama de orientação sexual deveria ser antes chamada de “orientação afetiva”.
  5. 5. Durante a análise do Cristianismo, abordaremos principalmente, a conciliação entre os homossexuais e a religião, a teologia que inclui e a frequência à igreja, pontos tão importantes para se poder exercer plenamente a fé e aprender mais do amor do Criador. A Igreja de Cristo, o sonho de Deus, tem o propósito de nos elevar à perfeição da imagem e semelhança do Criador exatamente igual ao momento inicial, ou seja, antes da queda do homem. Para tanto, devemos amar ao próximo como Deus nos amou. Ele nos amou primeiro, desta maneira, apenas devemos retribuir Àquele imenso amor. A segregação feita de acordo com a idade, religião, origem étnica, raça, orientação sexual ou deficiência deve ser eliminada da sociedade eclesial. “Trata-se de um comportamento equivocado que pode inclusive matar. O preconceito quando é agressivo mata. Mata mais do que balas e tiros, porque fere a alma”, afirma o teólogo José Antônio Trasferetti1. A Teologia Inclusiva parte do ponto de estudo cristológico (estudo sobre Cristo) e soteriológico (a salvação do mundo por Cristo), e visa assumir uma perspectiva cristã acolhendo a todos (sem exceção) e convidando-os a aproximar-se de Cristo a fim de 1 Doutor em Teologia e Filosofia, Diretor da Faculdade de Filosofia da PUC-Campinas.
  6. 6. libertar o ser humano do isolamento social, das correntes do pecado e, consequentemente, da morte. Contudo, a Inclusão não deve significar a tolerância com o erro, justificar o relativismo tão propagado pelo pós-modernismo e, principalmente, aceitar o comodismo moral. Mas deve manter-se firme na batalha contra os enganos do inimigo que tenta sutilmente enganar até mesmo os próprios escolhidos. O apelo à mudança de vida, à conversão individual e coletiva deve nortear o processo de evangelização inclusivo a fim de assegurar os comportamentos e ações morais dos que aceita o convite de Cristo à uma vida plena eternal. A inclusão dos que vivem à margem da sociedade – excluídos pelo moderno farisaísmo emergente –, deve servir de base para o resgate de almas para Cristo. Por meio do Evangelho Cristão e do poder guiador do Espírito Santo, as pessoas podem obter o discernimento para a realização de obras que venham a testificar de Cristo ao mundo. Líderes inclusivos devem fazer das estruturas e edifícios erguidos sob placas religiosas, verdadeiras casas de adoração, de reverência e submissão, com base nas mensagens inclusivas de Jesus, para a transformação de vidas. Fernando Cardoso Autor
  7. 7. SUMÁRIO 1 – Teologia Inclusiva: desmitificando a homoafetividade, 8 2 – A Condenação à homoafetividade: o impasse entre a Bíblia e a Hermenêutica, 13 3 – A homoafetividade versus o Fundamentalismo Cristão: uma cultura secular, 17 4 - A tradição histórica e cristã da exclusão às minorias, 23 5 – A homoafetividade e a religião: é possível conciliar?, 28 6 – A Bíblia não condena a homoafetividade, 33 7 – O tema “homoafetividade” diante da fé cega e da fé racional, 37 8 – A suposta “cura” da homoafetividade sob o contexto bíblico, 43 9 – Somos o que somos pela Graça de Deus, 49 10 – Recapitulando o Evangelho Inclusivo, 53 11 – Pais de filhos homossexuais e o conflito com o Cristianismo, 58 12 – A importância da frequência à Igreja pelos homossexuais, 62 13 – Desvendando a ligação entre o “eunuco” e a homoafetividade, 70 14 – A homoafetividade e a possessão demoníaca, 74 15 – Responsabilidade moral: a mensagem final, 81

×