SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
E. E. Antonio Pinto Pereira – Prof. Thiago Borges
ESPECTROSCOPIA
      Em Química e Física o
    termo espectroscopia é a
designação para toda técnica de
 levantamento de dados físico-
        químicos através
da transmissão, absorção ou refl
    exão da energia radiante
   incidente em uma amostra.
TIPOS DE ESPECTROSCOPIA
•   Absorção
•   Fluorescência
•   Raio X
•   Chama
•   Ultravioleta
•   Infravermelho
•   Raman
•   Anti stokes
•   Ressonância Magnética Nuclear
•   Fotoemissão Mossbauer
RAIOS CATÓDICOS
               Raios
catódicos são feixes de elétrons pro
  duzidos quando uma diferença de
potencialelevada é establecida entre
dois eletrodos localizados no interior
      de um recipiente fechado
contendo gás rarefeito. Uma vez que
 os elétrons têm carga negativa, os
   raios catódicos vão do eletrodo
negativo - o cátodo - para o eletrodo
          positivo - o ânodo.
ELÉTRONS
        É uma partícula
   subatômica que circunda
o núcleo atômico, identificada
  em 1897 pelo inglês John
Joseph Thomson. Subatómica
    e de carga negativa, é o
 responsável pela criação de
     campos magnéticos e
           elétricos.
RAIOS BETAS

A radiação beta possui carga negativa, se
assemelha aos elétrons. As partículas beta são
mais penetrantes e menos energéticas que as
partículas alfa, conseguem atravessar o papel
alumínio, mas são barradas por madeira. É válido
lembrar que apenas os raios alfa e beta possuem
carga positiva e negativa respectivamente.
RAIOS BETAS

Os raios Alfa, Beta e Gama são invisíveis
aos olhos humanos, mas existem na forma
de radiações. Entende-se por
radioatividade a capacidade que alguns
elementos fisicamente instáveis possuem
de emitir energia sob forma de partículas
ou radiação eletromagnética.
RADIAÇÃO TÉRMICA

A radiação é a emissão de energia por uma fonte
na forma de ondas eletromagnéticas ou
partículas de alta energia. A radiação de calor é
a transferência de calor por meio de raios
infravermelhos. O calor pode passar através do
vácuo, viajando à mesma velocidade da luz
( 299 792 458 m/s), pode ser refletido e
refratado e não afeta o meio por onde passa.
EXEMPLOS
• O calor do Sol percorre milhões de
  quilômetros até chegar à Terra. Essa
  propagação não se dá por condução nem por
  convecção. Nesse trajeto, o calor propaga-se
  no vazio por radiação, isto é, através de
  ondas. Estas ondas eletromagnéticas
  propagam-se à velocidade da luz. A
  superfície do Sol está extraordinariamente
  quente e nós sentimos na pele parte desse
  calor quando nos expomos à sua luz. No
  entanto, o espaço entre a Terra e a estrela
  permanecem incrivelmente frios.
• Podemos perceber a radiação em outras
  situações. Sente-se o calor que vem de
  um forno aceso ao se aproximar dele e
  antes de o tocar. De fato, todos os objetos
  irradiam calor em todos os momentos.
  Quando a temperatura de um corpo é
  constante, é porque existe um equilíbrio
  entre o calor recebido e o calor cedido
  por: condução, convecção ou radiação
RAIO X

O raio X é um tipo
de radiação
eletromagnética
com frequências
superiores às
radiações
ultravioletas, ou
seja, maiores que
1018 Hz
Os raios X são obtidos
através de um aparelho
chamado de Tubo de
Coolidge. Esse é um tubo
oco, evacuado e que
contém um cátodo em
seu interior
Quando esse cátodo é
aquecido por uma corrente
elétrica, que é fornecida por
um gerador, ele emite grande
quantidade de elétrons que são
fortemente atraídos pelo
ânodo, chegando a este com
grande energia cinética.
Quando eles se chocam com o
ânodo, transferem energia
para os elétrons que estão nos
átomos dos ânodos. Os
elétrons com energia são
acelerados e então emitem
ondas eletromagnéticas que
são os raios X
A Descoberta do raio X e a primeira
radiografia da história ocorreram em 1895,
pelo físico alemão Wilheelm Conrad
Rontgen, fato esse que lhe rendeu o prêmio
Nobel de física em 1901.

  Vale lembrar que, assim como outras coisas, esse
  raio possui ações benéficas e maléficas. A
  exposição demorada desse raio no corpo humano
  pode causar sérios danos à saúde como, por
  exemplo, lesões cancerígenas, morte de
  células, leucemia, entre outros

Os raios X propagam-se com a velocidade da luz
( 299 792 458 m/s), e, como qualquer outra onda
eletromagnética, esses raios estão sempre
sujeitos aos fenômenos da
refração, reflexão, difração, polarização e
interferência.
RADIOATIVIDADE
A radioatividade é definida como a
capacidade que alguns elementos
fisicamente instáveis possuem de
emitir energia sob forma de
partículas ou radiação
eletromagnética
A radioatividade foi descoberta no século XIX. Até
esse momento predominava a ideia de que os
átomos eram as menores partículas da matéria.
Com a descoberta da radiação, os cientistas
constataram a existência de partículas ainda
menores que o átomo, tais como:
próton, nêutron, elétron
Os efeitos da radiação
podem ser em longo
prazo, curto prazo ou
apresentar problemas aos
descendentes da pessoa
infectada (filhos, netos). O
indivíduo que recebe a
radiação sofre alteração
genética, que pode ser
transmitida na gestação.       O urânio-235, o césio-137, o cobalto-
Os raios afetam os átomos      60, o tório-232 são exemplos de
que estão presentes nas        elementos fisicamente instáveis
                               ou radioativos. Eles estão em constante
células, provocando
                               e lenta desintegração, liberando
alterações em sua
                               energia através de ondas
estrutura. O resultado?        eletromagnéticas (raios gamas) ou
Graves problemas de saúde      partículas subatômicas com altas
como a perda das               velocidades (partículas alfa, beta e
propriedades                   nêutrons). Esses
características dos            elementos, portanto, emitem radiação
músculos e da capacidade       constantemente
de efetuar as sínteses
necessárias à
sobrevivência.
ÁTOMO DE RUTHERFORD
Conceito do modelo atômico
de Rutherford:

Um átomo é composto por
um pequeno núcleo
carregado positivamente e
rodeado por uma grande
eletrosfera, que é uma região
envolta do núcleo que
contém elétrons. No núcleo
está concentrada a carga
positiva e a maior parte da
massa do átomo.
O átomo proposto por
Rutherford é o que mais se
aproxima do modelo atômico
utilizado atualmente.
Os elétrons estão distribuídos
                                   ÁTOMO DE BOHR
em camadas ao redor do
núcleo. Admite-se a existência
de 7 camadas
eletrônicas, designadas pelas
letras
maiúsculas: K, L, M, N, O, P e Q
. À medida que as camadas se
afastam do núcleo, aumenta a
energia dos elétrons nelas
localizados.
As camadas da eletrosfera
representam os níveis de
energia da eletrosfera.
Assim, as camadas
K, L, M, N, O, P e Q constituem
os 1º, 2º, 3º, 4º, 5º, 6º e 7º níveis
de energia, respectivamente.
O modelo atômico de Bohr
lembra a órbita de um planeta
Joseph John Thomson

                      Jean Perrin
A mente
que se
abre a uma
nova idéia
jamais
voltará ao
seu
tamanho
original.
Albert
Einstein
Sem VOCÊS a aula
não SERIA a mesma.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Energia mecânica
Energia mecânicaEnergia mecânica
Energia mecânica
 
Ondas Eletromagnéticas 9ºano
Ondas Eletromagnéticas 9ºanoOndas Eletromagnéticas 9ºano
Ondas Eletromagnéticas 9ºano
 
FÍSICA DAS RADIAÇÕES
FÍSICA DAS RADIAÇÕESFÍSICA DAS RADIAÇÕES
FÍSICA DAS RADIAÇÕES
 
As Estrelas
As EstrelasAs Estrelas
As Estrelas
 
Energias
EnergiasEnergias
Energias
 
Cicuito elétrico
Cicuito elétricoCicuito elétrico
Cicuito elétrico
 
A RadiaçãO Na Medicina
A RadiaçãO Na MedicinaA RadiaçãO Na Medicina
A RadiaçãO Na Medicina
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
 
Interação da Radiação com a Matéria II
Interação da Radiação com a Matéria IIInteração da Radiação com a Matéria II
Interação da Radiação com a Matéria II
 
Slides de radiação
Slides de radiaçãoSlides de radiação
Slides de radiação
 
Radiações eletromagnéticas e suas aplicações
Radiações eletromagnéticas e suas aplicaçõesRadiações eletromagnéticas e suas aplicações
Radiações eletromagnéticas e suas aplicações
 
Eletromagnetismo
EletromagnetismoEletromagnetismo
Eletromagnetismo
 
Aula 3 - Transformação de energia
Aula 3 - Transformação de energiaAula 3 - Transformação de energia
Aula 3 - Transformação de energia
 
Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.
Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.
Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.
 
A origem do universo
A origem do universoA origem do universo
A origem do universo
 
Evolução estelar
Evolução estelarEvolução estelar
Evolução estelar
 
Fontes de Energia [8 ano]
Fontes de Energia [8 ano] Fontes de Energia [8 ano]
Fontes de Energia [8 ano]
 
Magnetismo
MagnetismoMagnetismo
Magnetismo
 
Energia Fontes E Formas De Energia
Energia   Fontes E Formas De EnergiaEnergia   Fontes E Formas De Energia
Energia Fontes E Formas De Energia
 

Semelhante a Aula de Física Espectroscopia 3º ano EM Thiago Borges APP

Física atômica
Física atômicaFísica atômica
Física atômicaPedr457
 
Emiko okuno efeitos biologicos acidente_goiania
Emiko okuno efeitos biologicos acidente_goianiaEmiko okuno efeitos biologicos acidente_goiania
Emiko okuno efeitos biologicos acidente_goianiaBruna Amaral
 
Radioatividade para blog
Radioatividade para blogRadioatividade para blog
Radioatividade para blogGlaucia Perez
 
FISICA AULA 2 NTRODUCAO WLGLIMA.pptx
FISICA AULA 2 NTRODUCAO WLGLIMA.pptxFISICA AULA 2 NTRODUCAO WLGLIMA.pptx
FISICA AULA 2 NTRODUCAO WLGLIMA.pptxWashington Luiz Lima
 
Slides sobre Biofísica contendo a matéria de um semestre.pptx
Slides sobre Biofísica contendo a matéria de um semestre.pptxSlides sobre Biofísica contendo a matéria de um semestre.pptx
Slides sobre Biofísica contendo a matéria de um semestre.pptxPitterLima1
 
Noções de radiologia aplicada à odontologia
Noções de radiologia aplicada à odontologiaNoções de radiologia aplicada à odontologia
Noções de radiologia aplicada à odontologiaAndressa Duarte Burmann
 
Princípios de física radiológica
Princípios de física radiológicaPrincípios de física radiológica
Princípios de física radiológicagrtalves
 
FÍSICA RADIOLÓGICA 2016- GRUPO IRRADIAR
FÍSICA RADIOLÓGICA 2016- GRUPO IRRADIARFÍSICA RADIOLÓGICA 2016- GRUPO IRRADIAR
FÍSICA RADIOLÓGICA 2016- GRUPO IRRADIARCURSO TÉCNICO CEPRAMED
 
Aula biofísica da Radioatividade
Aula biofísica da RadioatividadeAula biofísica da Radioatividade
Aula biofísica da RadioatividadeLar D
 
Apresentação2.pptx FISICA DAS RADIAÇÕES 222
Apresentação2.pptx FISICA DAS RADIAÇÕES 222Apresentação2.pptx FISICA DAS RADIAÇÕES 222
Apresentação2.pptx FISICA DAS RADIAÇÕES 222marioaraujorosas1
 
Seminário Introdução à Física Nuclear
Seminário Introdução à Física NuclearSeminário Introdução à Física Nuclear
Seminário Introdução à Física NuclearRenato Bafi
 
Evolução dos Modelos Atômicos
Evolução dos Modelos AtômicosEvolução dos Modelos Atômicos
Evolução dos Modelos AtômicosPaulo Cavallari
 

Semelhante a Aula de Física Espectroscopia 3º ano EM Thiago Borges APP (20)

Física atômica
Física atômicaFísica atômica
Física atômica
 
Emiko okuno efeitos biologicos acidente_goiania
Emiko okuno efeitos biologicos acidente_goianiaEmiko okuno efeitos biologicos acidente_goiania
Emiko okuno efeitos biologicos acidente_goiania
 
Radioatividade para blog
Radioatividade para blogRadioatividade para blog
Radioatividade para blog
 
FISICA AULA 2 NTRODUCAO WLGLIMA.pptx
FISICA AULA 2 NTRODUCAO WLGLIMA.pptxFISICA AULA 2 NTRODUCAO WLGLIMA.pptx
FISICA AULA 2 NTRODUCAO WLGLIMA.pptx
 
Física Nuclear
Física NuclearFísica Nuclear
Física Nuclear
 
Slides sobre Biofísica contendo a matéria de um semestre.pptx
Slides sobre Biofísica contendo a matéria de um semestre.pptxSlides sobre Biofísica contendo a matéria de um semestre.pptx
Slides sobre Biofísica contendo a matéria de um semestre.pptx
 
Estrutura atomica 2012
Estrutura atomica 2012Estrutura atomica 2012
Estrutura atomica 2012
 
Noções de radiologia aplicada à odontologia
Noções de radiologia aplicada à odontologiaNoções de radiologia aplicada à odontologia
Noções de radiologia aplicada à odontologia
 
Princípios de física radiológica
Princípios de física radiológicaPrincípios de física radiológica
Princípios de física radiológica
 
Modelos atômicos jaque
Modelos atômicos jaqueModelos atômicos jaque
Modelos atômicos jaque
 
FÍSICA RADIOLÓGICA 2016- GRUPO IRRADIAR
FÍSICA RADIOLÓGICA 2016- GRUPO IRRADIARFÍSICA RADIOLÓGICA 2016- GRUPO IRRADIAR
FÍSICA RADIOLÓGICA 2016- GRUPO IRRADIAR
 
Energia nuclear 2012
Energia nuclear 2012Energia nuclear 2012
Energia nuclear 2012
 
Radioatividade - profª Nília
Radioatividade - profª NíliaRadioatividade - profª Nília
Radioatividade - profª Nília
 
Aula biofísica da Radioatividade
Aula biofísica da RadioatividadeAula biofísica da Radioatividade
Aula biofísica da Radioatividade
 
FÓTONS.PROD.RX.pdf
FÓTONS.PROD.RX.pdfFÓTONS.PROD.RX.pdf
FÓTONS.PROD.RX.pdf
 
Atomistica Adnaldo.ppt
Atomistica Adnaldo.pptAtomistica Adnaldo.ppt
Atomistica Adnaldo.ppt
 
Apresentação2.pptx FISICA DAS RADIAÇÕES 222
Apresentação2.pptx FISICA DAS RADIAÇÕES 222Apresentação2.pptx FISICA DAS RADIAÇÕES 222
Apresentação2.pptx FISICA DAS RADIAÇÕES 222
 
Seminário Introdução à Física Nuclear
Seminário Introdução à Física NuclearSeminário Introdução à Física Nuclear
Seminário Introdução à Física Nuclear
 
Evolução dos Modelos Atômicos
Evolução dos Modelos AtômicosEvolução dos Modelos Atômicos
Evolução dos Modelos Atômicos
 
História da Radioatividade
História da RadioatividadeHistória da Radioatividade
História da Radioatividade
 

Mais de Antonio Pinto Pereira

Anelídeos - 2º Ano Ensino Médio - Biologia
Anelídeos - 2º Ano Ensino Médio - BiologiaAnelídeos - 2º Ano Ensino Médio - Biologia
Anelídeos - 2º Ano Ensino Médio - BiologiaAntonio Pinto Pereira
 
Higiene e Segurança no Trabalho - Técnico em RH
Higiene e Segurança no Trabalho - Técnico em RHHigiene e Segurança no Trabalho - Técnico em RH
Higiene e Segurança no Trabalho - Técnico em RHAntonio Pinto Pereira
 
Divisão do estado de Mato Grosso do Sul
Divisão do estado de Mato Grosso do SulDivisão do estado de Mato Grosso do Sul
Divisão do estado de Mato Grosso do SulAntonio Pinto Pereira
 
Darwin - 3º Ano E. M. - Biologia - APP
Darwin - 3º Ano E. M. - Biologia - APPDarwin - 3º Ano E. M. - Biologia - APP
Darwin - 3º Ano E. M. - Biologia - APPAntonio Pinto Pereira
 
Reino animalia - Biologia - 2º Ano E. M. - APP - Jardim
Reino animalia - Biologia - 2º Ano E. M. - APP - JardimReino animalia - Biologia - 2º Ano E. M. - APP - Jardim
Reino animalia - Biologia - 2º Ano E. M. - APP - JardimAntonio Pinto Pereira
 
Pontos e linhas - Arte - Escola APP - 3º Ano EF
Pontos e linhas - Arte - Escola APP - 3º Ano EFPontos e linhas - Arte - Escola APP - 3º Ano EF
Pontos e linhas - Arte - Escola APP - 3º Ano EFAntonio Pinto Pereira
 

Mais de Antonio Pinto Pereira (20)

Bibliotecas pelo Mundo - Histórico
Bibliotecas pelo Mundo - HistóricoBibliotecas pelo Mundo - Histórico
Bibliotecas pelo Mundo - Histórico
 
Jardim MS - Sua História
Jardim MS - Sua HistóriaJardim MS - Sua História
Jardim MS - Sua História
 
Janjão o Grandão - Bullying
Janjão o Grandão - BullyingJanjão o Grandão - Bullying
Janjão o Grandão - Bullying
 
Manual de Conduta Hoteleira
Manual de Conduta HoteleiraManual de Conduta Hoteleira
Manual de Conduta Hoteleira
 
Divisão celular I
Divisão celular IDivisão celular I
Divisão celular I
 
Lei de Coulomb - 3º Ano EM
Lei de Coulomb - 3º Ano EMLei de Coulomb - 3º Ano EM
Lei de Coulomb - 3º Ano EM
 
Ondas e sua caracterização
Ondas e sua caracterizaçãoOndas e sua caracterização
Ondas e sua caracterização
 
O átomo e sua estrutura -
O átomo e sua estrutura - O átomo e sua estrutura -
O átomo e sua estrutura -
 
Anelídeos - 2º Ano Ensino Médio - Biologia
Anelídeos - 2º Ano Ensino Médio - BiologiaAnelídeos - 2º Ano Ensino Médio - Biologia
Anelídeos - 2º Ano Ensino Médio - Biologia
 
Higiene e Segurança no Trabalho - Técnico em RH
Higiene e Segurança no Trabalho - Técnico em RHHigiene e Segurança no Trabalho - Técnico em RH
Higiene e Segurança no Trabalho - Técnico em RH
 
Divisão do estado de Mato Grosso do Sul
Divisão do estado de Mato Grosso do SulDivisão do estado de Mato Grosso do Sul
Divisão do estado de Mato Grosso do Sul
 
Planejamento em RH - Técnico em RH
Planejamento em RH - Técnico em RHPlanejamento em RH - Técnico em RH
Planejamento em RH - Técnico em RH
 
Reino Animalia
Reino Animalia Reino Animalia
Reino Animalia
 
Foclore brasileiro - 3º Ano EF
Foclore brasileiro - 3º Ano EFFoclore brasileiro - 3º Ano EF
Foclore brasileiro - 3º Ano EF
 
Darwin - 3º Ano E. M. - Biologia - APP
Darwin - 3º Ano E. M. - Biologia - APPDarwin - 3º Ano E. M. - Biologia - APP
Darwin - 3º Ano E. M. - Biologia - APP
 
Reino animalia - Biologia - 2º Ano E. M. - APP - Jardim
Reino animalia - Biologia - 2º Ano E. M. - APP - JardimReino animalia - Biologia - 2º Ano E. M. - APP - Jardim
Reino animalia - Biologia - 2º Ano E. M. - APP - Jardim
 
Traffic signs in english
Traffic signs in englishTraffic signs in english
Traffic signs in english
 
Arte Grega - 6º Ano E.F.
Arte Grega - 6º Ano E.F. Arte Grega - 6º Ano E.F.
Arte Grega - 6º Ano E.F.
 
Mundo da arte - 5º Ano
Mundo da arte - 5º AnoMundo da arte - 5º Ano
Mundo da arte - 5º Ano
 
Pontos e linhas - Arte - Escola APP - 3º Ano EF
Pontos e linhas - Arte - Escola APP - 3º Ano EFPontos e linhas - Arte - Escola APP - 3º Ano EF
Pontos e linhas - Arte - Escola APP - 3º Ano EF
 

Último

Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxLuisCarlosAlves10
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturagomescostamma
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.pptDaniloConceiodaSilva
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 

Último (20)

Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 

Aula de Física Espectroscopia 3º ano EM Thiago Borges APP

  • 1. E. E. Antonio Pinto Pereira – Prof. Thiago Borges
  • 2. ESPECTROSCOPIA Em Química e Física o termo espectroscopia é a designação para toda técnica de levantamento de dados físico- químicos através da transmissão, absorção ou refl exão da energia radiante incidente em uma amostra.
  • 3.
  • 4. TIPOS DE ESPECTROSCOPIA • Absorção • Fluorescência • Raio X • Chama • Ultravioleta • Infravermelho • Raman • Anti stokes • Ressonância Magnética Nuclear • Fotoemissão Mossbauer
  • 5. RAIOS CATÓDICOS Raios catódicos são feixes de elétrons pro duzidos quando uma diferença de potencialelevada é establecida entre dois eletrodos localizados no interior de um recipiente fechado contendo gás rarefeito. Uma vez que os elétrons têm carga negativa, os raios catódicos vão do eletrodo negativo - o cátodo - para o eletrodo positivo - o ânodo.
  • 6.
  • 7. ELÉTRONS É uma partícula subatômica que circunda o núcleo atômico, identificada em 1897 pelo inglês John Joseph Thomson. Subatómica e de carga negativa, é o responsável pela criação de campos magnéticos e elétricos.
  • 8.
  • 9.
  • 10. RAIOS BETAS A radiação beta possui carga negativa, se assemelha aos elétrons. As partículas beta são mais penetrantes e menos energéticas que as partículas alfa, conseguem atravessar o papel alumínio, mas são barradas por madeira. É válido lembrar que apenas os raios alfa e beta possuem carga positiva e negativa respectivamente.
  • 11.
  • 12. RAIOS BETAS Os raios Alfa, Beta e Gama são invisíveis aos olhos humanos, mas existem na forma de radiações. Entende-se por radioatividade a capacidade que alguns elementos fisicamente instáveis possuem de emitir energia sob forma de partículas ou radiação eletromagnética.
  • 13. RADIAÇÃO TÉRMICA A radiação é a emissão de energia por uma fonte na forma de ondas eletromagnéticas ou partículas de alta energia. A radiação de calor é a transferência de calor por meio de raios infravermelhos. O calor pode passar através do vácuo, viajando à mesma velocidade da luz ( 299 792 458 m/s), pode ser refletido e refratado e não afeta o meio por onde passa.
  • 14. EXEMPLOS • O calor do Sol percorre milhões de quilômetros até chegar à Terra. Essa propagação não se dá por condução nem por convecção. Nesse trajeto, o calor propaga-se no vazio por radiação, isto é, através de ondas. Estas ondas eletromagnéticas propagam-se à velocidade da luz. A superfície do Sol está extraordinariamente quente e nós sentimos na pele parte desse calor quando nos expomos à sua luz. No entanto, o espaço entre a Terra e a estrela permanecem incrivelmente frios.
  • 15. • Podemos perceber a radiação em outras situações. Sente-se o calor que vem de um forno aceso ao se aproximar dele e antes de o tocar. De fato, todos os objetos irradiam calor em todos os momentos. Quando a temperatura de um corpo é constante, é porque existe um equilíbrio entre o calor recebido e o calor cedido por: condução, convecção ou radiação
  • 16. RAIO X O raio X é um tipo de radiação eletromagnética com frequências superiores às radiações ultravioletas, ou seja, maiores que 1018 Hz
  • 17. Os raios X são obtidos através de um aparelho chamado de Tubo de Coolidge. Esse é um tubo oco, evacuado e que contém um cátodo em seu interior
  • 18. Quando esse cátodo é aquecido por uma corrente elétrica, que é fornecida por um gerador, ele emite grande quantidade de elétrons que são fortemente atraídos pelo ânodo, chegando a este com grande energia cinética. Quando eles se chocam com o ânodo, transferem energia para os elétrons que estão nos átomos dos ânodos. Os elétrons com energia são acelerados e então emitem ondas eletromagnéticas que são os raios X
  • 19. A Descoberta do raio X e a primeira radiografia da história ocorreram em 1895, pelo físico alemão Wilheelm Conrad Rontgen, fato esse que lhe rendeu o prêmio Nobel de física em 1901. Vale lembrar que, assim como outras coisas, esse raio possui ações benéficas e maléficas. A exposição demorada desse raio no corpo humano pode causar sérios danos à saúde como, por exemplo, lesões cancerígenas, morte de células, leucemia, entre outros Os raios X propagam-se com a velocidade da luz ( 299 792 458 m/s), e, como qualquer outra onda eletromagnética, esses raios estão sempre sujeitos aos fenômenos da refração, reflexão, difração, polarização e interferência.
  • 21. A radioatividade é definida como a capacidade que alguns elementos fisicamente instáveis possuem de emitir energia sob forma de partículas ou radiação eletromagnética
  • 22. A radioatividade foi descoberta no século XIX. Até esse momento predominava a ideia de que os átomos eram as menores partículas da matéria. Com a descoberta da radiação, os cientistas constataram a existência de partículas ainda menores que o átomo, tais como: próton, nêutron, elétron
  • 23. Os efeitos da radiação podem ser em longo prazo, curto prazo ou apresentar problemas aos descendentes da pessoa infectada (filhos, netos). O indivíduo que recebe a radiação sofre alteração genética, que pode ser transmitida na gestação. O urânio-235, o césio-137, o cobalto- Os raios afetam os átomos 60, o tório-232 são exemplos de que estão presentes nas elementos fisicamente instáveis ou radioativos. Eles estão em constante células, provocando e lenta desintegração, liberando alterações em sua energia através de ondas estrutura. O resultado? eletromagnéticas (raios gamas) ou Graves problemas de saúde partículas subatômicas com altas como a perda das velocidades (partículas alfa, beta e propriedades nêutrons). Esses características dos elementos, portanto, emitem radiação músculos e da capacidade constantemente de efetuar as sínteses necessárias à sobrevivência.
  • 24. ÁTOMO DE RUTHERFORD Conceito do modelo atômico de Rutherford: Um átomo é composto por um pequeno núcleo carregado positivamente e rodeado por uma grande eletrosfera, que é uma região envolta do núcleo que contém elétrons. No núcleo está concentrada a carga positiva e a maior parte da massa do átomo. O átomo proposto por Rutherford é o que mais se aproxima do modelo atômico utilizado atualmente.
  • 25. Os elétrons estão distribuídos ÁTOMO DE BOHR em camadas ao redor do núcleo. Admite-se a existência de 7 camadas eletrônicas, designadas pelas letras maiúsculas: K, L, M, N, O, P e Q . À medida que as camadas se afastam do núcleo, aumenta a energia dos elétrons nelas localizados. As camadas da eletrosfera representam os níveis de energia da eletrosfera. Assim, as camadas K, L, M, N, O, P e Q constituem os 1º, 2º, 3º, 4º, 5º, 6º e 7º níveis de energia, respectivamente. O modelo atômico de Bohr lembra a órbita de um planeta
  • 26. Joseph John Thomson Jean Perrin
  • 27. A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original. Albert Einstein
  • 28. Sem VOCÊS a aula não SERIA a mesma.