Livro negocie o que você vê - padrões harmônicos

994 visualizações

Publicada em

forex

Publicada em: Diversão e humor
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
994
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
99
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Livro negocie o que você vê - padrões harmônicos

  1. 1. Negocie O Que Você Vê Como lucrar com o Reconhecimento de Padrões LARRY PESAVENTO LESLIE JOUFLAS
  2. 2. C_ Copyright 2007 por Larry Pesavento e Jouflas Leslie. Todos os direitos reservados. Publicado por John Wiley & Sons, Inc., New Jersey, New Hoboken Publicado simultaneamente no Canadá. Wiley Logo Bicentenário: Richard J. Pacifico Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida, armazenada em um sistema de recuperação, ou transmitida sob qualquer forma ou por qualquer meio, eletrônico, mecânico, fotocópia, gravação, digitalização ou de outra forma, exceto conforme permitido nos termos do Artigo 107 ou 108 do Ato de Direitos Autorais dos Estados, sem qualquer autorização prévia por escrito do editor, ou através de autorização de pagamento da taxa por cópia adequadas ao Copyright Clearance Center Inc., 222 Rosewood Drive, Danvers, MA 01923, (978) 750-8400, fax (978) 646-8600, ou na web em www.copyright.com. Pedidos à Editora para a permissão deve ser endereçada ao Departamento de Permissões, John Wiley & Sons, Inc., 111 River Street, Hoboken, NJ 07030, (201) 748-6011, fax (201) 748-6008, ou online em http : / www.wiley.com / go / permissões. Limite de responsabilidade / Isenção de Garantia: Enquanto o editor e autor tiverem usado seus melhores esforços na preparação deste livro, eles não fazem quaisquer representações ou garantias com relação à exatidão ou completude do conteúdo deste livro e se isentam especificamente de quaisquer garantias de comerciabilidade ou adequação a um propósito particular. Nenhuma garantia pode ser criada ou estendida por representantes de vendas ou vendas de material escrito. Os conselhos e as estratégias contidas neste documento podem não ser adequados para sua situação. Você deve consultar com um trader adequado quando necessário. Nem a editora nem o autor será responsável por qualquer perda de lucro ou quaisquer outros danos comerciais, incluindo mas não limitado a danos especiais, acidentais, conseqüenciais ou outros. Para informações gerais sobre nossos outros produtos e serviços ou de suporte técnico, favor entrar em contato com nosso Departamento de Atendimento ao Cliente nos Estados Unidos no número (800) 762-2974, fora dos Estados Unidos em (317) 572-3993 ou fax (317) 572-4002. Wiley também publica seus livros em uma variedade de formatos eletrônicos. Alguns tipos de conteúdo que aparecem na impressão podem não estar disponíveis em livros eletrônicos. Para obter maiores informações sobre os produtos Wiley, visite nosso site em www.wiley.com. Biblioteca de Dados de Catalogação na Publicação: Pesavento, Larry. Comércio que você vê: como lucrar com o reconhecimento de padrões / Larry Pesavento, Jouflas Leslie. p. cm. - (Wiley série de negociação) Inclui índice. ISBN 978-0-470-10676-1 (pano) 1. Especulação. 2. Ações. 3. Análise de investimentos. 4. Números de Fibonacci. Jouflas I., Leslie, 1957 - II. Título. HG6041.P382 2008 332.63_228-DC22 2007034476 Impresso nos Estados Unidos da América 10 9 8 7 6 5 4 3 2 1
  3. 3. Conteúdo Prefácio Agradecimentos Sobre os Autores PRIMEIRA PARTE Introdução à negociação com Reconhecimento de padrões CAPÍTULO 1 Abertura de pensamentos Como Usar Este Livro Sucesso ou fracasso na negociação Passos a serem dados para um trade bem sucedido CAPÍTULO 2 Geometria dos padrões e Razões de Fibonacci História da Geometria nos Mercados Razões de Fibonacci Aplicando as razões de Fibonacci Resumo CAPÍTULO 3 Números Harmônicos e como usá-los Onde o termo Números Harmônicos se originaram Definindo um número harmônico Vibrações em oscilações de preço Repetição em oscilações de preço Encontrando Números harmônicos Números Harmônicos encontrado em outros mercados SEGUNDA PARTE Os padrões de preços e como operá-los CAPÍTULO 4 O padrão AB=CD História da Padrão AB=CD Descrição do padrão AB=CD Estrutura do padrão AB=CD Características importantes do Padrão AB=CD Variações da perna CD Tendência e períodos de tempo Psicologia do padrão AB = CD Negociando o padrão AB = CD
  4. 4. CAPÍTULO 5 O padrão Gartley "222" História do padrão Gartley "222" Descrição do Padrão Gartley "222" Estrutura padrão Gartley "222" Características importantes do padrão Gartley "222" Psicologia do padrão Gartley "222" Negociação do padrão Gartley "222" CAPÍTULO 6 Padrão Borboleta (borboleta) História do Padrão Borboleta Descrição do Padrão Borboleta Estrutura do padrão Borboleta Características importantes do padrão Borboleta Psicologia do padrão Borboleta Negociação do padrão Borboleta CAPÍTULO 7 O Padrão das três unidades História do padrão das Três Unidades Descrição do padrão das três Unidades Estrutura do padrão das três unidades Características importantes do padrão das Três Unidades Psicologia do Padrão das Três Unidades Negociação do Padrão das Três Unidades CAPÍTULO 8 Retrações e Período de tempo múltiplos Retrações de Fibonacci Estrutura padrão da retração de Fibonacci Negociação do padrão da retração de Fibonacci Setups de retração de preços de abertura Setup de mercado para a negociação de retração de preço de abertura Setup de negociação de retração de preço de abertura Prazos múltiplos CAPÍTULO 9 Padrões clássicos de análise técnica Uma Breve História da Análise Técnica Fundamentos Básicos da Análise Técnica Fundo Duplo Padrões de topo Padrão Head and Shoulders (cabeça-ombro) Padrões de rompimento de topos e fundos CAPÍTULO 10 Aprendendo a reconhecer dias de tendência Identificar um dia de tendência Padrões encontrados nos dias de tendência Relações de Fibonacci em dias de tendência Controle de Risco em um dia de tendência Negociação de um dia de tendência
  5. 5. TERCEIRA PARTE Elementos essenciais da negociação CAPÍTULO 11 Gestão de Trade Pensando em Probabilidades Os sinais de alerta e sinais de confirmação Controle financeiro CAPÍTULO 12 Usando as opções com as razões e padrões de Fibonacci Opções de Compra e Venda Definidas Fatores que influenciam o preço de uma opção Controlando o Risco com Opções Exemplos de Uso de Opções com padrões de extensão CAPÍTULO 13 Criando um Plano de Negociação Plano de Trading (negociação) Diário Trading como um trade Planos Desastrosos Resumo CAPÍTULO 14 Rotinas Diárias Preparação do trade (negóciação) Preparação mental Preparação Física
  6. 6. Prefácio "Negociação é uma jornada, não um destino." Várias centenas de anos atrás, a análise técnica começou sua jornada para ajudar os investidores e traders a determinar, com razoável probabilidade, a que direção podem levar os preços. A Análise técnica permite que os investidores e traders identifiquem os momentos de oportunidade de lucro nos mercados. Assim, o fazem através da identificação e quantificação de padrões específicos que formam e repetem-se com regularidade suficiente para que os seus métodos e estratégias possam ser desenvolvidas e implementadas com sucesso. Negocie o que você vê: Como lucrar com Reconhecimento de padrões se concentra nos padrões de trades com uma estrutura de raiz subjacente com base em simples formas geométricas e as razões de Fibonacci. Os padrões são facilmente identificáveis uma vez que o trader tenha passado algum tempo a observar e aprender as estruturas básicas. Cada um desses padrões podem ser quantificados e uma boa estratégia de gestão de dinheiro aplicada. Escrever um livro sobre o reconhecimento de padrões baseados em padrões geométricos e proporções de Fibonacci exige reconhecer os primeiros estudiosos de geometria, incluindo Pitágoras, Arquimedes e, claro, o grande matemático Leonardo di Pisa (mais conhecido como Fibonacci). Esses grandes estudiosos todos viajaram ao Egito durante a sua vida e estudaram as Grandes Pirâmides. Pitágoras, o pai da geometria moderna, era obcecado pela matemática das pirâmides. A massa real da estrutura não era tão importante para ele como o fato de que todos os ângulos de todos os lados estavam dentro de 0,01 por cento. Parte do mistério da Grande Pirâmide é como a matemática se relaciona com a proporção áurea, que é também referida como a proporção divina, ou 0,618. Não foi há muitos anos que um livro desta natureza, com base na análise técnica, não teria sido levado a sério por muitos. Começamos com uma olhada em um momento em que a análise técnica começou a enraizar-se na comunidade acadêmica.
  7. 7. VALIDAÇÃO DA COMUNIDADE CIENTÍFICA Durante anos, a análise técnica era evitada por muitos profissionais de Wall Street, encarada como um passo acima da leitura de folhas de chá. Um ponto de virada ocorreu em 17 de abril de 2000, quando um artigo escrito por Dr. Andrew W. Lo, do Massachusetts Institute of Technology (MIT) foi publicado na BusinessWeek. O título do artigo era "Essa alquimia cederá ouro puro". O artigo fundamentava e constatava que realmente há uma vantagem na análise técnica, afinal. Isto, naturalmente, não foi surpresa para qualquer técnico de mercado que tinha tido sucesso usando reconhecimento de padrões. O artigo, entretanto, trazia uma análise técnica da idade da alquimia para o reino da academia. A Princeton University Press publicou um livro do Dr. Lo e Craig A. MacKinlay, Uma Caminhada em Wall Street não aleatória, que analisou como os padrões trabalham e como eles se repetem. Esta poderia ser uma das razões que o público financeiro está agora exposto a tantos padrões gráficos na imprensa financeira e na televisão. Muito antes do livro de Lo e MacKinlay ter sido publicado, haviam muitos grandes analistas técnicos, a quem hoje temos uma dívida de gratidão. Alguns desses analistas técnicos que contribuíram trabalho inovador são HM Gartley, Garrett, William Edwards e McGhee, Tubbs Frank, Schabacker RW, Dunnigan William, Ralph Elliott, John Murphy, Raschke Linda, John Hill, Gilmore Bryce, Charles Lindsay, e Richard Wyckoff. Pedimos desculpas se involuntariamente omitimos os nomes famosos. O que este livro ensina é uma abordagem simples e pragmática para reconhecimento de padrões. Ele foi projetado para ser prático e focar nos novos estudantes da análise técnica, bem como os traders experientes. O lema pelo qual negociamos é "Negocie o que você vê, não o que você acredita." Um técnico de verdade está interessado apenas em barras de preços e a somatória dos preços dessas barras – a única verdade na negociação. Os traders devem aprender a acreditar no que o mercado está dizendo a eles com base no preço. Isto é melhor realizado com o estudo do comportamento dos preços através de reconhecimento de padrões. RESUMO DO LIVRO. Este livro foi escrito para dar ao leitor uma visão abrangente dos padrões específicos apresentados. Nós usamos uma variedade de ações e mercados nos exemplos gráficos ao longo do livro para ilustrar o que esses padrões específicos fazem em todos os mercados, e em todos os prazos. Nós apresentamos padrões derivados de alguns dos clássicos padrões de análise técnica, bem como a geometria e os padrões baseados em Fibonacci. Aqui está um resumo de cada capítulo: Capítulo 1: Abertura de pensamentos – Nós apresentamos ao leitor algumas de nossas observações sobre o que é necessário para usar com sucesso as informações contidas neste livro. Nós também oferecemos nossos conhecimentos depois de lidar com centenas de traders sobre o que pode levar um trader a ser bem sucedido e também o que leva ao fracasso. Capítulo 2: Geometria dos mercados e relações de Fibonacci - Este capítulo trata da geometria simples dos mercados e como o eixo x e o eixo y fornecem apenas outra
  8. 8. forma de ilustrar triângulos. Nós abrangemos também a história das relações de Fibonacci e apresentamos aquelas que aplicamos em nossos trades. Capítulo 3: Números Harmônicos e Como Usá-los - Este capítulo mostra que todos os mercados financeiros têm o que chamamos de movimentos harmônicos e repetitivos que são inerentes a cada mercado específico. Este capítulo começa a delinear a estrutura básica de cada padrão. Capítulo 4: O Padrão AB=CD - O padrão AB=CD é um dos mais simples para se identificar em qualquer mercado, em qualquer tempo, e é a base de vários outros padrões apresentados. Capítulo 5: O Padrão Gartley "222" derivado do trabalho Gartley na década de 30, este padrão é um padrão de retração clássico. Capítulo 6: O padrão Borboleta (borboleta) – O padrão borboleta é visto em pontos extremos de reversão nos topos e fundos, é ideal para operações de opções e permite entradas de baixo risco. Capítulo 7: Padrão de Três Unidades - Esse padrão pode indicar tanto um importante ponto de reversão ou de uma correção mais complexa em uma tendência. É muito fácil de ser visto em um gráfico de preços, quando se forma. Capítulo 8: Retrações e Gráficos de períodos múltiplos - Cobrimos padrões de retração simples, com proporções de Fibonacci que usamos para entrar na direção de uma tendência. Também observamos como combinar vários prazos. Capítulo 9: Padrões de Análise Técnica Clássica - Padrões como Head and Shoulders (cabeça-ombro), topos e fundos duplos, e rompimentos de topos e fundos são discutidos com proporções de Fibonacci. Capítulo 10: Aprendendo a Reconhecer Dias de Tendência - Este capítulo poderia pagar o livro muitas vezes. Ela ensina aos traders como identificar as condições de tendências e oferece técnicas para entrar na direção da tendência. Também mostramos como usar relações de Fibonacci como suporte e resistência em tendências. Nós enfatizamos a importância de ficar fora dos trades contra tendências quando uma forte tendência está em andamento. Capítulo 11: Gestão de Trades - O segredo para a gestão de trades está em compreender que o risco é o elemento mais importante na negociação. Observamos os tamanhos de posição e métodos para determinar o risco total. Este capítulo abrange os sinais de alerta que usamos e os sinais de confirmação do trade ou para a desistência de um trade. Capítulo 12: Usando as opções com os padrões das razões de Fibonacci - As opções estão disponíveis em quase todos os veículos comerciais líquidos. O reconhecimento de padrões, porque é um indicador importante, é aplicável às opções. Nós apresentamos algumas estratégias de opção básica que minimizem o risco e ermitam grandes lucros.
  9. 9. Capítulo 13: Construindo um Plano de Trading – Assim que os leitores tenham estudado os padrões, eles podem passar para um plano de negociação. Este capítulo fornece uma base sólida para construir um plano que pode ser expandida com o ganho de experiência trader. Mais de meio século de experiência comercial foi usado para descrever a formulação de um plano de negociação. Capítulo 14: Rotinas Diárias - Rotinas e rituais são uma parte necessária da profissão de trader. A diferença entre os traders bem sucedidos e os traders não bem sucedidos está no processo do pensamento e da preparação. O trader bem sucedido faz as mesmas coisas todos os dias para se preparar para a negociação. Este capítulo fornece sugestões para rotinas diárias. O apêndice inclui as nossas listas de livros recomendados, revistas e recursos de web sites. Como um trader usando reconhecimento de padrões, é seu trabalho aprender esses padrões repetitivos e descobrir as razões de preços subjacentes que levam a uma natureza preditiva. Nós esperamos que você encontre neste livro um guia valioso e referências à medida que você progride. Desejamos-lhe uma jornada de negociação longa e próspera.
  10. 10. Agradecimentos. Gostaríamos de agradecer a Robin Farina e Rich Crane por sua paciência, tempo e ajuda com este livro. Gostaríamos também de agradecer aos nossos amigos John Arrington e Howard Arrington na Ensign Software; todos os exemplos gráfico neste livro foram gerados a partir de seu software, que é amigável para a nossa metodologia Gostaríamos de agradecer a Shelli Simon por seus esforços e tempo. Graças a John Hill do Futuro Verdade por sua disposição de compartilhar algumas das informações obtidas e algumas das obras raras mencionadas. Obrigado ao Marcos Douglas e Raschke Linda por suas análises e comentários. Obrigado a Jon e Liz Maresca por seu apoio em tudo. Um agradecimento especial para Gary Porter, que pacientemente leu cada palavra e capítulo como se fosse um aluno desta metodologia. Seus comentários e idéias são muito apreciados. Um muito obrigado a todos aqueles da John Wiley & Sons, Inc., que nos deram a oportunidade de escrever este livro. Obrigado, Emilie Herman, por todo o seu tempo, que é muito apreciado. Seria impossível listar todos os grandes mestres que passaram por aquela grande sala de trades, mas alguns dos mais importantes para nós ter seus nomes mencionados no livro, bem como os que ainda estão conosco. As contribuições dos mencionados neste livro não podem ser subestimadas no desenvolvimento da técnica de análise de especulação de mercados. AGRADECIMENTO ESPECIAL E GRATIDÃO Gostariamos de agradecer em especial a Larry Pesavento. Você me ensinou a ver o mundo fascinante e harmônico das relações de Fibonacci nos mercados. Obrigado por me inspirar e me ajudar a desenvolver o meu entusiasmo em uma metodologia de negociação contínua. Obrigado por me iniciar nessa jornada. Agradeço especialmente à minha mãe, minha família e meu pai, meus irmãos Marty e Todd por todo o seu apoio ao longo da minha carreira comercial. Estou especialmente grato a Gary, meu marido, por seu interminável apoio. Leslie Jouflas Sobre os autores Larry Pesavento está registrado na Commodity Futures Trading Commission, National Futures Association, e Securities and Exchange Commission, e é um ex-membro da Chicago Mercantile Exchange (1981-1983). Ele tem bacharelado em Química Farmacêutica (Indiana State University, 1963) e MBA em Finanças pela Indiana State University (1970). Livros que ele escreveu sobre o tema da negociação incluem: Astro- ciclos: O Ponto de Vista dos traders (Traders Press, 1987); Planetário Harmônicos de mercados especulativos (traders Press, 1990); Vibrações Harmônicas: A Metamorfose da tradicional Teoria do Ciclo de Astro-Harmônicos (Traders Press, 1990); Relações de Fibonacci com Reconhecimento de Padrões (Traders Press, 1997); Padrões rentáveis para Comércio de ações (Traders Press, 1999), Princípio do preço de abertura, com Peggy MacKay (Traders Press, 2000); pensamentos privados a partir de um Diário do trader, com Peggy MacKay (Traders Press, 2002), Fundamentos da Negociação: It's Not What You Think (Não é o que você pensa), É como você pensa,
  11. 11. com Leslie Jouflas (Traders Press, 2006). Larry pode ser contatado em larry@tradingtutor.com. Leslie Jouflas começou a negociar em 1996 e deixou uma carreira de 17 anos em uma companhia aérea em 2000 para seguir uma carreira comercial em tempo integral. Ela estudou as metodologias de negociação, inclusive as Ondas de Elliott, as estratégias de opções, a negociação dinâmica, a análise técnica clássica, e as razões e padrões de Fibonacci. Depois de negociar ações e opções sobre ações, agora negocia futuros e commodities, com destaque para o S & P 500. Ela gerencia contas privadas, bem como o comércio de sua conta particular. Leslie tem escrito diversos artigos para publicações como o Jornal do trader, trader ativo e Análise Tecnica de Ações e Commodities. É co-autora de Fundamentos da Negociação: It's Not What You Think, é como você pensa (Traders Press, 2006). Leslie ministra oficinas e está disponível para palestras. Ela também treina professores e alunos na negócio de reconhecimento de padrões, com ênfase na melhoria e aperfeiçoamento de competências de execução. Leslie pode ser contatada em ljouflas@msn.com ou www.tradingliveonline.com.
  12. 12. PARTE 1 Introdução à negociação com o Reconhecimento de Padrões
  13. 13. CAPÍTULO 1 Pensamentos de Abertura Tivemos a oportunidade de entrar em contato com muitos traders ao longo dos anos. Alguns estão apenas entrando neste campo, enquanto outros são experientes profissionais de sucesso. Nós pensamos que seria útil para o leitor deste livro ouvir nossos comentários e observações sobre o porquê alguns traders são bem sucedidos e porque alguns falham na negociação. Enquanto você lê este livro e estudar a metodologia, esperamos que estas idéias o ajudem a mantê-lo em um caminho para o sucesso na negociação. Negociação requer muito trabalho e perseverança. Às vezes pode ser um processo de dois passos à frente e três passos para trás. Uma vez que você encontrar uma abordagem consistente e bem sucedida, no entanto, não há nada como o trade de comércio. Neste primeiro capítulo abordamos o que é a melhor maneira de usar este livro. Damos aos nossos pensamentos sobre o porquê traders sucesso ou fracasso na negociação, e oferecer sugestões para os traders podem tomar ações para negociação de sucesso. COMO USAR ESTE LIVRO Você vai ver que à medida que você progride através deste livro, nós apresentamos muitos padrões gráficos específicos e incluímos sugestões de como inserir e gerenciar esses setups (configurações). Gostaríamos de sugerir que você comece por mantê-lo simples e estude alguns padrões a cada dia. Sugerimos também que você trabalhe com os padrões na ordem em que são apresentadas. Comece com o básico de geometria (Capítulo 2) e harmônicos (Capítulo 3), antes de passar para as formações de padrões. Isso irá ajudá-lo a construir uma base sólida e compreensão do que estamos ensinando. Nós incluímos muitos exemplos de trades em cada capítulo. Depois de ter uma formação básica nas estruturas padrões, você estará pronto para estudar a forma como esses padrões são negociados, e começar a pensar em termos de aplicação destes padrões em sua negociação. Recomendamos sempre aos traders fazer alguma forma de comércio de papel ou de negociação simulada antes de realizar trades reais. Aprender como os mercados funcionam é adquirido através do tempo e experiência. Isso é inestimável para o trader ou investidor. Determinar em qual tipo de ambiente de negociação está, assim como um ambiente de tendência versus intervalo, é importante. Reconhecer a simetria sutil em todos os mercados é uma condição indispensável para um trader de reconhecimento de padrões, isto é feito de apenas uma maneira: A prática, prática e mais prática. A única maneira que as informações contidas neste livro podem ser usadas para fazer dinheiro é entender cada padrão e aplicar os princípios de negociação de rumores. Para ajudar cada trader fazer isso, oferecemos orientações sobre o desenvolvimento de um plano de negociação, que abrange o reconhecimento de padrões, pensando em termos de probabilidades, a gerência de dinheiro, avaliação de riscos e técnicas para entrar e sair de trades. Outros temas incluem a criação de negociação como um trade e se preparar para o inesperado. Tratar o negócio como qualquer outra coisa além de um trade é um erro. Mesmo que o negociador não esteja negociando o tempo inteiro, atividades comerciais devem ser tratadas e criadas como um segundo trade. Uma nota sobre alguns dos gráficos em todo o livro: Muitos dos exemplos gráfico são da S&P 500 E-mini contratos. Este é um mercado extremamente popular para os traders e muito propício para os padrões apresentados neste livro. Você vai encontrar alguns desses gráficos rotulados como "ES", que é o símbolo de raiz para o S&P 500, enquanto outros são identificados como S&P500.
  14. 14. Sucesso ou fracasso na negociação É responsabilidade de cada trader desenvolver a técnica e a disciplina necessárias para o sucesso comercial. Nós não encontramos e não sei de um santo Graal dos trades ou um método de negociação fácil. Em muitos livros comerciais clássicos, como lucros na Bolsa de Valores (Profits in the Stock Market), por HM Gartley (1935), existem observações sobre o que representa uma negociação de sucesso versus insucesso. Curiosamente, não vimos muitas mudanças ao longo de décadas nesta área. Parece ser os mesmos aspectos que constantemente afligem os traders. Há, no entanto, muitas ações que o trader individual pode implementar para ter sucesso. Negociação é como qualquer outra profissão; primeiro aluno aprende o básico, e depois se expande para áreas escolhidas mais sofisticadas e à fundo. Não há profissionais qualificados em qualquer campo que não tenham atingido um nível de especialização sem trabalho árduo e experiência substancial. Qualquer campo trader exige um compromisso e vontade de passar tanto por sucessos como fracassos. As falhas podem ser os maiores mestres. Estude as falhas para se tornar um melhor trader. A perseverança será a chave para uma carreira de sucesso comercial. Desenvolver uma mentalidade que favorece a negociação será essencial para o sucesso de um trader. Isto implica em pensar em termos de probabilidades, e aceitando o fato de que as perdas são tanto uma parte da negociação como o ganho.Este é um processo para se aprender. Estes conceitos devem ser internalizados para que se tornem uma parte do que você faz a cada dia sem o pensamento consciente. Larry Schneider, diretor de desenvolvimentos de trades para o Grupo Zaner, e corretores de futuros e commodities, afirma que muitas vezes em demasiado tempo está focado em aprender o método ou o sistema no início. Esta abordagem é contrária às medidas que devem ser feitas para atender o sucesso na negociação. Em sua visão e experiência, com foco na aprendizagem de uma primeira abordagem mental seria mais benéfico para os traders inexperientes. Ele diz que é imperativo para que os traders entendam que há uma curva de aprendizado e dinheiro pode ser perdido se os traders não tomarem medidas para proteger seu capital. Cada trader tem de passar essencialmente a mesma curva de aprendizado, ninguém parece estar isento dessa obrigação. Schneider sugere, a partir de sua experiência de 34 anos no mercado de futuros, que os traders comecem pequenos, talvez com mini contratos disponíveis, enquanto eles estão aprendendo. Se os traders tiverem tempo para investigar a abordagem mental terão de executar seu plano, eles vão estar muito à frente do jogo. Seu conselho é a abordagem de negociação do lado mental em primeiro lugar, então, desenvolver a sua metodologia de negociação e planejamento. Porque os traders prosperam Trabalhamos com, treinamos e monitoramos muitos traders. Vemos e experienciamos uma grande gama de coisas que podem acontecer na negociação. Aqui estão algumas das razões que nos faz sentir que os traders prosperam: - Sólidos conhecimentos e compreensão dos mercados que estão negociando; - Perícia técnica sobre a forma de negociar seus mercados; - Um método de negociação de rumores com uma margem comprovada; - Um plano de negociação com base na metodologia; - Capital suficiente; - Pensar em termos de probabilidades, em vez de dar ênfase no resultado de qualquer trade; - Boa gestão do dinheiro; adesão às regras de gestão do dinheiro;
  15. 15. - Ter mentores ou procurar especialistas e colegas para ganhar conhecimento de negociação; - Avaliação de risco em primeiro lugar, os lucros em segundo; - O emprego de um conjunto de regras de negociação; - Uma base de rotinas diárias, incluindo a preparação mental; - O uso de stop-loss de proteção; - Manutenção de um elevado nível de confiança e uma atitude positiva; - Compromisso com o processo de negociação; - Perseverança; - Tomar 100 por cento de responsabilidade para coisa e tudo o que acontece na sua negociação; - Ter o hábito de esquecer a sua última operação, ganhar ou perder, e passar para a próxima. Porque os traders fracassam Por outro lado, também vemos razões pelas quais os traders fracassam. Gostaríamos de compartilhar com você estas observações na esperança que você possa aprender com esses erros e evitar alguns desses problemas. Um provérbio antigo: "O homem inteligente aprende com seus erros, o sábio aprende com os erros dos outros." Falta de conhecimento; traders entram no trade constantemente sem uma sólida compreensão do que o trade da especulação envolve. A falta de capital; pequenas contas normalmente perdem dinheiro. Aqueles poucos com contas menores que conseguem prosperar eventualmente permanecem até entenderem como alavancagem pode ser amigo ou inimigo. Não ter nenhum método de negociação, eles usam uma tentativa intuitiva sem planejamento. Nenhum plano de negociação. A falha em aplicar um sistema de gestão sólida do dinheiro. Não procuram ajuda de especialistas ou mentores, não querendo investir em uma educação de negociação. Falta de compreensão dos riscos inerentes presentes na negociação. Desconsideração da preparação mental necessária para o sucesso da negociação. Falta de aplicação de regras de negociação. Alterar um plano de negociação de rumores; entradas precoces, saídas precoces, stopos móveis, não entrar no setup da negociação. Trades aleatórios, que significa comercializar qualquer coisa de seu plano de trades o que geralmente é baseado em emoções. A incapacidade de desenvolver a disciplina necessária para negociar com sucesso. Não aprender com os erros anteriores. Falta de compromisso com o processo de negociação. Falha no uso de ordens de stop-loss, que é o caminho número um para transformar uma pequena perda em uma grande perda. Culpar os resultados nas fontes externas e não ter 100 por cento de responsabilidade para cada aspecto de sua negociação.
  16. 16. MEDIDAS A TOMAR PARA NEGOCIAÇÃO COM SUCESSO Um item muito importante a se manter em mente enquanto aprende a negociar: Cada ação que você toma repetidamente vai se tornar um hábito. Os hábitos que você formar irão conduzir a qualquer sucesso ou fracasso. Hábitos em si são neutros, não umse sabe se eles têm um efeito positivo ou negativo. No entanto, os resultados dos hábitos terão um resultado positivo ou negativo na sua negociação. Portanto, é no melhor interesse de cada trader se esforçar para formar os melhores hábitos que irão garantir o sucesso. Os traders querem lutar por um ponto na sua negociação, onde eles estão apenas fazendo as ações necessárias. Eles devem ter um alto nível de confiança que, com o tempo, a margem (ganho) em sua negociação terá uma expectativa positiva. Esta ação será desenvolvida por meio de testes e implementação de uma estratégia comercial específica. Esperamos que os itens listados o ajudem a determinar qual direção você está tomando. Se você é um trader experiente e que tem hábitos já formados que não estão produzindo os resultados desejados, reserve um tempo para avaliar o seu trade e começar a formar novos hábitos que você irá obter os resultados que deseja em negócio. O capítulo 13 apresenta um gráfico intitulado "Vinte exemplos de trades" (Figura 13.2), concebido para ajudar os traders a introduzir hábitos de comércio. Ele se concentra em fazer a mesma ação positiva através de uma série de operações para criar novos hábitos e observar como a margem de negociação é utilizada. Hábitos positivos irão produzir resultados positivos. Hábitos negativos produzem resultados negativos e serão auto-destrutivos. Pode ser útil fazer uma lista de todos os hábitos negativos que estão presentes na sua negociação, e uma lista separada de hábitos positivos para substituir aqueles. Um exemplo de um hábito negativo pode ser que o trader sempre saia de um trade antes que o objetivo do lucro seja alcançado. O novo hábito positivo fará o trader realizar o objetivo de lucro. Outro exemplo pode ser que o trader entre cedo demais antes que um padrão seja concluído. O novo hábito positivo fará o trader entrar no ponto de entrada correto. Uma vez que os traders entendem e sabem o qual é a sua margem de lucro, eles vão começar a ver a importância da constante execução de seu plano. Eles vão ver se há uma gap entre onde estão e onde querem estar. Este é um ponto em que o trader pode então executar os passos necessários para fechar essa gap. Por outro lado, preste atenção a seus hábitos positivos. As ações que você está fazendo certo em sua negociação podem ser desenvolvidas com força. Desenvolver sistemas de apoio para ajudar a inserir novos hábitos positivos. Um sistema de apoio pode estar usando um sistema de parceria com um outro trader. Não é mau trade ter responsabilidade com alguém que pode ajudar a mantê-lo no caminho de seus objetivos, mas no longo prazo, cada ação é de sua responsabilidade. Aqui está uma lista que você pode usar para ajudar a desenvolver o seu plano pessoal de ação para atingir o nível de sucesso na negociação que você quer: - Criar hábitos positivos. - Substituir hábitos negativos por hábitos positivos. - Assumir 100 por cento da responsabilidade para cada resultado. - Criar um sistema de apoio para ajudar a mantê-lo no caminho de seus objetivos. - Tomar uma atitude proativa para fazer mudanças na sua negociação. Comece com uma lista de ações que você precisa fazer para alcançar seus objetivos. Acredite em si mesmo, saiba que você é um trader bem sucedido. Ao estudar os padrões de negociação neste livro, esperamos que os itens acima o ajudem a se desenvolver como um trader bem sucedido.
  17. 17. CAPÍTULO 2 Geometria dos padrões e das relações de Fibonacci Todos os padrões apresentados neste livro são baseadas em geometria, a estrutura de cada padrão é geométrica. À medida que percorremos cada capítulo de padrão, discutimos e apresentamos a estrutura de cada padrão de modo que você vai aprender e entender como cada padrão é formado. Primeiro, porém, este capítulo apresenta uma visão geral e breve história da geometria nos mercados. Esperamos poder dar-lhe a importância que a geometria desempenha no mercado e, especialmente, nos padrões apresentados neste livro. Nós lhe daremos uma olhada nos estudos de alguns velhos e famosos estudiosos que foram pioneiros neste aspecto do estudo de mercado, tais como WD Gann, Bayer George, e Bryce Gilmore, autor de The Geometry of Markets. A figura 2.1 dá uma idéia clara do que estamos nos referindo em todo o livro, quando falamos de um triângulo ou padrão geométrico simétrico. Ela mostra um triângulo perfeito, que foi formado pelo preço, criando uma oportunidade de negociação. A figura 2.2, ao contrário, mostra um padrão assimétrico geométrico, e geralmente queremos filtrar esses padrões e olhar para aquelas com a melhor simetria. Este exemplo mostra uma expansão extrema neste mercado, que foi de tendências. Observe as barras de longo alcance, significando um preço de amplitude para o período de tempo, este é um sinal de alerta e é discutido em detalhes no Capítulo 11. Figura 2.1 Exemplo forma de triângulo simétrico formado pelo preço. Mais um exemplo mostra dois triângulos simétricos, veja a Figura 2.3, que são a base para o padrão AB=CD (abordados no Capítulo 4). Repetidamente ao longo do livro destacamos a simetria, e depois de estudar os padrões, você vai sair com um bom entendimento deste princípio.
  18. 18. Figura 2.2 Exemplo de triângulo assimétrico. História da geometria nos mercados A história da análise técnica e sua relação com a geometria começou em 1930 com a obra de WD Gann. Gann tornou-se famoso pelo uso de ângulos de Gann, que são encontrados em muitos pacotes de software gráfico. Esses ângulos foram especialmente bem conhecido pela linha de 45 graus e sua quadrado de 9 gráficos, que, basicamente, divide um círculo em 12 seções de 30 graus. Na verdade, essa foi uma maneira de usar números harmônicos (ver Capítulo 3 sobre os números harmônicos), mas se chegou de forma muito diferente de como nós os discutimos neste livro. Sempre houve muita especulação em torno da vida e obra de Gann após sua morte em 1950. Há histórias de que ele fez mais de 55 milhões de dinheiroes negociando, embora a sobrevivência de seus quatro filhos atestou que não foi esse o caso e que ele devia 250.000 dinheiroes ao Estado, que em 1950 era ainda um montante considerável. Em 1930, um trader de nome George Bayer introduziu a série de soma total de Fibonacci para os traders. Ele escreveu vários livros, um em especial, chamado The Egg of Columbus (o ovo de Colombo), já foi colocado à venda em meados de 1980 por US $ 25.000. Extremamente raro e com menos de 100 páginas, o livro foi difícil para a maioria dos leitores entender. Nele Bayer descreve a progressão da série de Fibonacci usando diagramas de aves, peixes e mamíferos como um tipo de código místico. O código era evidente para quem está familiarizado com a série somatória de Fibonacci, mas muito difícil para quem não está familiarizado com ele. Ele pode ter tentado alertar seus leitores para os fortes laços numéricos que ligavam os números de Fibonacci e a astronomia.
  19. 19. Ao contrário dos filhos de Gann, a filha de Bayer afirmou que seu pai tinha tido uma vida muito bem sucedida do trade de especulação. Cada ano ele iria pegar seu carro ferroviário privado de sua casa em Carmel, Califórnia, e viajar para o Chicago Board of Trade para comerciar de grãos. Um único interesse comum que Gann e Bayer compartilhava como especulador do mercado foi um estudo adicional da astrologia nos mercados, então referidos como ciclos astrais. Apesar de não cobrir o assunto de ciclos astrais neste livro, vale a pena mencionar um artigo de Lisa Burrell na Harvard Business Review de novembro de 2006, que cita uma pesquisa por Ilia D. Dichev e D. Troy Janes em preços de ações durante o ciclo de 28,5 dias entre uma lua nova e a lua cheia. O artigo diz que o ciclo pode ter uma aplicação na previsão de preços das ações. Isso não é de todo surpreendente, dado o fato de que os mercados são abastecidos pela energia dos participantes no mercado. Alterações no humor e o comportamento das pessoas em torno de ciclos lunares têm sido bem documentados ao longo dos anos, e estes também podem ser encontradas nas mudanças de comportamento dos preços nos mercados. Mesmo o legendário do século XX, financista J. Pierpont Morgan, foi citado como dizendo, "Milionários não usam astrologia, mas bilionários usam." Por muitos anos ele empregou uma astróloga financeira em tempo integral chamada Evangeline Adams. Arch Crawford é provavelmente o mais conhecido dos astrólogos de mercado contemporâneo e produziu algumas das previsões mais precisas do mercado, publicado em seu boletim The Crawford Perspectives (as perspectivas de Crawford). Crawford é um técnico de mercado bem conhecido e respeitado hoje na area do comércio. Outro trader pioneiro e importante na utilização de geometria nos mercados foi William Garrett. Em 1972 seu livro Torque Analysis of Stock Market Cycles (Análise de torque de Mercado de Capitais Ciclicos) foi publicado (está agora disponível através de traders de Imprensa). Neste livro Garrett descreve a progressão de uma tabela de preços. Na página 89, ele explica como é dissecada em triângulos que levam através de uma progressão normal de expansões. Essas expansões formam um círculo, o que leva à quadratura do círculo (a unificação das duas formas, tornando-os iguais na área ou perímetro), formando uma elipse. Isto é feito através da progressão dos números de Fibonacci: 0,618-1,618. 1,618-2,618. Pi, 3,14, que é a razão entre a circunferência de um círculo para seu diâmetro. Nós asseguramos que os padrões que apresentamos neste livro não são tão complicados como isso possa parecer. Vários técnicos de mercado têm feito um estudo da vida dos mercados por meio do uso da geometria. Por causa de suas descobertas e desenvolvimentos, agora temos os padrões neste livro enraizada na geometria, geometria sagrada, e a aplicação das relações de Fibonacci. Deve-se notar aqui que a base da geometria sagrada não é um de natureza religiosa, mas sim um composto das razões, raízes quadradas, e recíprocos dos números de 1 a 5. Relações de Fibonacci O que são relações de Fibonacci, e de onde elas vêm? Vamos começar com o que elas são; vamos voltar aos tempos antigos para responder a esta pergunta. Pitágoras (c. 580-500 aC) é considerado o pai da geometria moderna. Ele também foi um grande filósofo da Grécia antiga e fundador da Irmandade Pitagórica. Ele e seus alunos acreditaram e ensinaram que a realidade é matemática na natureza. Eles acreditavam que os números e proporções eram harmônicos e que tudo estava relacionado com Geometria das razões de Padrões e Fibonacci.
  20. 20. Figura 2.3 Exemplo de dois triângulos simétricos formando um padrão AB=CD. No entanto, o sistema matemático que usamos hoje ainda está muitos séculos de distância e não foi utilizado por Pitágoras e seus alunos, então eles foram limitados em provar suas teorias. Essa crença na proporção e harmonia tem sido intrinsecamente ligada ao longo da história em que é referido como o equilíbrio. Outros termos para isso incluem proporção divina, seção áurea e razão de ouro. Estes referem-se a phi, que é o termo matemático para descrever a proporção do todo para suas partes, que é considerada a proporção perfeita. Estes e muitos outros ensinamentos de Pitágoras foram transmitidos através dos séculos. É ainda alega-se que os maçons eram uma ramificação da escola secreta de Pitágoras. Se conseguirmos mudar a linha do tempo para cerca de 300 AC, isso foi quando um dos últimos grandes filósofos gregos antigos, Euclides, viveu. Ele foi o primeiro a expressar de forma coerente o equilíbrio como uma relação matemática. Figura 2.4 é uma ilustração dessa proporção. A linha AB representa o todo. A proporção de AB para AC será a mesma que a razão de AC para CB. Este calcula a uma proporção de 1,618-1, que também pode ser referido como phi, a proporção áurea. A relação e as proporções áureas estão á vista na natureza, música, arte, ciência, e cosmos. A Grande Pirâmide de Gizé, uma das sete maravilhas do mundo, está estruturada com essas proporções. Outros exemplos incluem o Parthenon e as obras de grandes artistas como Leonardo da Vinci, Rembrandt, o artista do século XIX Inglês JMW Turner, para citar alguns. Estes são apenas alguns exemplos. Se você mergulhar em livros de história da arte você vai encontrar uma infinidade de artistas
  21. 21. que empregavam essas proporções na busca de equilíbrio e harmonia, algumas de forma consciente e outros intuitivamente. Na natureza, essas proporções são infinitas. Elas vivem e crescem em torno de nós em todos os cantos do mundo. Muitas espécies de flores, girassóis, rosas, margaridas, são todos fantásticos imbuídos destas proporções. As conchas, abacaxi, e até mesmo os nossos rostos, corpos e membros são proporcionais à média áurea. Se você medir a distância do cotovelo até a ponta dos dedos, a distância entre a ponta do dedo no seu pulso, e depois do pulso ao cotovelo, essas proporções seriam um reflexo da proporção áurea ilustrada na Figura 2.4. No cosmos existem muitos exemplos dessas proporções. Planetas se movem em forma elíptica, e suas órbitas coincidem com a expansão da série somatória de Fibonacci. Um exemplo é a órbita da Terra em relação ao ciclo de Vênus e Urano. Estas órbitas planetárias possuem a relação de Fibonacci única de 0.618, leva 225 dias para Vênus e Urano fazer um ciclo completo do conjunto de articulação. Se pegarmos 365 dias (ciclo da Terra) e multiplicá-lo por 0.618, teremos 225. Existem muitos relacionamentos que repetem estes mesmos tipos de ciclos, muito numerosos para serem listados aqui. Em nossa linha de tempo que agora avançar para Pisa, Itália, no século XII dC, que Leonardo de Pisa (ca. 1170-1240) nasceu. Ele foi criado em tempos de um interesse reavivado em educação, especialmente nas ciências grega e filosofias. À Leonardo foi dado o apelido de "Fibonacci" póstumamente, possivelmente derivado do nome de seu pai, Bonacci. De qualquer forma, hoje seu nome é sinônimo com a famosa seqüência de Fibonacci. Leonardo Inicialmente estudou matemática com um sistema derivado de algarismos romanos. Ele iria em breve fazer uma enorme contribuição para a evolução da matemática que continua conosco até hoje. Ele teria aprendido o sistema Oriental (indiano) de se utilizar nove algarismos e estudou intensivamente com os matemáticos em diversos países do Mediterrâneo. Sabe-se que Leonardo viajou para o Egito e estudou as proporções das pirâmides, incluindo Giza. Deve ter sido de grande interesse para ele descobrir que as dimensões desta grande pirâmide contém as razões de Fibonacci ou áurea. Fora destes estudos, ele escreveu um livro chamado Liber abaci (Book of Calculations). Este livro apresenta ao mundo, embora uma cópia de cada vez, o sistema de meio de nove algarismos. Ele expandiu seu impressionante conhecimento matemático e, finalmente, este é o que tem siADotado e aplicado como o padrão do sistema matemático que nós usamos atualmente. Todos os cálculos antes deste revolucionário sistema foram feitas laboriosamente com um ábaco. Erros, claro, eram difíceis de controlar, porque a pessoa tinha que começar de novo a cada vez. Seus novos símbolos matemáticos abriram as portas para simplificar o que tinha sido a complicada matemática dos cálculos de multiplicação e divisão, para não falar de problemas matemáticos além destas. Eles também permitiram um comércio maior, com estes novos símbolos matemáticos que permitem aos traders enriquecer os seus trades. O comércio na época estava à beira de florescimento na Europa. Os números de Fibonacci surgiram a partir de um problema com coelhos que Leonardo resolveu, o que levou à descoberta da série de Fibonacci. Em seu livro Liber abaci, um problema é resolvido sobre quantos coelhos seriam produzidos no prazo de um ano, começando-se com dois coelhos. A resposta é o que nós conhecemos hoje como a série de Fibonacci: 1, 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, 34, 55, 89, 144, 233, 377, 610, 987, 1.597, 2.584, 4.181, 6.765, 10.946. . . A seqüência prossegue até o infinito. Cada número é a soma dos dois números anteriores, tais como: 1 + 1 = 2, 1 + 2 = 3, 2 + 3 = 5, 3 + 5 = 8.
  22. 22. Muitas coisas são fascinantes sobre essa seqüência, mas em especial é a relação que ele tem na média áurea. Se você pegar dois números a partir do oitavo da sequência e dividir o menor pelo maior, você terá 0,618. Aqui estão três exemplos: 1. 89 ÷ 144 = 0,618 2. 987 ÷ 1597 = 0,618 3. 6765 ÷ 10.946 = 0,618 Se você dividir um número maior pelo menor após o oitavo da sequência chegará a 1.618, que é uma das razões de extensão que você vai ver através dos exemplos gráficos no final do livro. Por exemplo: 377 ÷ 233 = 1,618 Levou muitos anos para a contribuição de Leonardo tomar posse e alterar o comércio, que era a sua visão, e impulsionar o mundo da matemática para a frente. É duvidoso que sua visão poderia ter incluído, ou que ele poderia ter conhecido essa seqüência incrível que séculos mais tarde, seria aplicada à arte da especulação e mercados comerciais. Na próxima seção deste capítulo vamos dar uma olhada nas taxas específicas de Fibonacci que usamos diariamente em nossos padrões de gráfico. Aplicando a relação de Fibonacci Existem muitas razões de Fibonacci como você pode notar olhando para a seqüência de Fibonacci. Nós nos concentramos em apenas alguns de nossos parceiros comerciais. Nos capítulos seguintes, você vai encontrar muitos exemplos de gráficos usando estas relações. Estes são as principais relações de Fibonacci que usamos nas estruturas padrão gráfico: 0,618 _- 0,786 – raiz quadrada de 0,618 1.000 1,272 - raiz quadrada de 1,618 1.618 Nós observamos e usamos ocasionalmente algumas relações secundárias, e estas são: 0,382, utilizado principalmente em condições de tendências 0,500, utilizado principalmente em condições de tendências 0,707 usado com padrões AB = CD que completa entre 0,618 e 0,786 0,886 raiz quadrada de 0,786; usado com padrões AB = CD completando abaixo de 0,786 2,000 utilizada em mercados em expansão, além de 1,272 e 1,618 - números de extensão Ver Figura 2.5 para um exemplo gráfico de como as relações de Fibonacci se aplicam com uma ferramenta de retração de Fibonacci. Neste exemplo, mostramos a 0,382, 0,500, 0,618, 0,786, 1,000, 1,272 e 1,618. Essa é uma configuração padrão, utilizando uma ferramenta de retração de Fibonacci encontrada em muitos pacotes de software, e geralmente é a configuração padrão que usamos. Agora podemos dar uma olhada em como essas relações de Fibonacci são colocadas sobre uma tabela de preços reais na Figura 2.6. Você pode ver como o preço reagiu em cada nível da relação de Fibonacci. Este é um swing de baixo para cima, e o ponto X é a baixa do swing. Neste exemplo, o preço foi encontrado no suporte quase exatamente no nível de 0,618. Isso
  23. 23. significa que o preço baixo retraiu do alto do swing no ponto A para o nível 0,618 de preços. Isso é cerca de dois terços do comprimento do movimento total. Figura 2.5 Exemplo de relações de Fibonacci usado. Figura 2.6 Exemplo de relações de Fibonacci aplicado a uma tabela de preços. Uma retração de 0,382 é aproximadamente um terço do comprimento total da variação, e o nível de 0,500 é metade da variação. O nível de 0,786 é de aproximadamente três quartos da comprimento da variação total.
  24. 24. Queremos ressaltar aqui que nem sempre se tem um perfeito suporte ou resistência em uma proporção de Fibonacci, como você verá nos muitos exemplos gráficos neste livro. Nós usamos sempre as relações em combinação com os diversos padrões gráficos e também com as atuais condições de mercado, ou seja, um ambiente de negociação (contraindo) versus um ambiente de tendência (em expansão). O método que utiliza triângulos geométricos é simples naquele que estamos olhando para os pontos que se conectam a partir de altos e baixos e vice-versa. Triângulos que estão contraindo-se estão se contraindo pelo número de 0,618 e 0,786. Triângulos que são iguais são as que têm pernas AB = CD (veja o capítulo 4 sobre o padrão de CD = AB). Os triângulos que estão em expansão estão se expandindo para as proporções 1,272 e 1,618. Padrões que têm de ser forçados geralmente estão na categoria assimétricos e devem ser evitados. Existem muitas oportunidades com os padrões simétricos bem- formados, e o trader deve concentrar-se neles. Volte a figura 2.3. Como acontece com qualquer método de negociação, todas as operações são apenas uma probabilidade e nunca uma certeza. O que você vai observar quando você estudar e aprender esses padrões é que algumas ações e os mercados tendem a repetir uma relação de Fibonacci mais do que outros. Como exemplo, você pode perceber que uma determinada ação tende ao trade do 0,786 com mais freqüência do que o 0,618. Ou você pode perceber um dos números secundários mais frequentemente em um estoque ou de mercado, tais como a 0,707. Será útil notar essas observações quando você vê-las. RESUMO Como você pode ver em uma revisão deste capítulo, a geometria e os padrões de preços que se formam são intercambiáveis. A geometria é um importante alicerce para cada padrão apresentado neste livro. Os padrões são todos os triângulos de vários graus e tamanhos, e algumas demos nomes inteligentes, como o Gartley "222" de padrões (Capítulo 5) ou o padrão Borboleta (Capítulo 6). Os princípios básicos permanecem os mesmos: Estes padrões são geométricos, que se repetem e podem ser quantificados. À medida que você estudar e adquirir experiência, você vai treinar o olho para os simétricos versus os assimétricos. Como aqueles de nós que estudamos e agora aplicamos esses princípios que aprendemos, esses padrões baseados em geometria estiveram sempre na tabela de preços, e era uma questão de alguém nos ensinar a vê-los. Nossa esperança é que muitos de vocês lendo este livro e que nunca olhou para um gráfico de preços, a partir dessa perspectiva será considerado como éramos quando pela primeira vez lemos sobre esses fenômenos.
  25. 25. CAPÍTULO 3 Números Harmônicos e Como Usá-los Aprender o que os números harmônicos são e como usá-los será a chave para a compreensão total do comportamento do mercado e dos padrões que apresentamos neste livro. Números harmônicos são fascinantes oscilações vibratórias que ocorrem em cada mercado e em cada ação individual. Cada mercado é composto de energia que é alimentada pelos participantes do mercado. Este, por sua vez cria oscilações de preço que são mensuráveis e repetitivas. Este capítulo aborda o que os números harmônicos são e como eles estão na raiz das estruturas de padrão básico apresentado neste livro. Nós demos uma olhada no termo números harmônicos no que se refere às oscilações dos preços, e analisamos como você pode aplicar números harmônicos em sua negociação para as entradas, saídas, e posicionamentos de stop. Onde o termo números harmônicos se originou Embora os números harmônicos sejam inerentes aos mercados e ações individuais o tempo todo, o termo específico veio de Jim Twentyman. Twentyman, que era um corretor no Conti Commodity Trading Office em Westwood, na Califórnia, estudou extensivamente WD Gann e é considerado um especialista em Gann. Ele trabalhou por mais de um ano na década de 1970 em uma livraria chamada Centro de Investimento, que estava localizada próxima da Conti Commodity Trading Office. A livraria tinha uma ampla biblioteca de mais de 5.000 livros de investimento. Isso deu a Twentyman uma oportunidade de estudar todas as obras de Gann, incluindo os livros de astrologia em que Gann havia trabalhado. O conhecimento dos números da geometria sagrada de Twentyman evoluiu a partir desses estudos. Ele trabalhou com um dos conceitos de Gann da quadratura do preço e do tempo juntos. Ao utilizar o quadrado de 9 algarismos de Gann (que era um círculo de 360 graus, dividido em 12 segmentos de 30 graus) e os números da série de Fibonacci, ele descobriu que agora são conhecidos como números harmônicos. Estes são os números que se repetem em todos os mercados em todos os prazos. Definição de um número harmônico Vamos começar com uma definição da palavra harmônico no que se refere à física: Har-mon-ico - Física - Qualquer componente de uma oscilação periódica cuja freqüência é um múltiplo inteiro da frequência fundamental. Ao estudar os mercados ou ações individuais, você vai ver que eles fazem apenas uma de três coisas em determinado momento: 1. Mover para cima. 2. Mover para baixo. 3. Mover para os lados. Os mercados estão sempre em processo de expansão ou retração. Geralmente, os mercados passam mais tempo retraindo-se - negociando em um intervalo, negociando lateralmente, formando áreas de suporte e resistência - do que em uma tendência. Consulte a Figura 3.1 para um exemplo de um mercado de negociação lateral. Uma tendência que pode ser definida como altos e baixos maior para uma tendência de alta, baixa e altas e baixas mais baixas para uma tendência de baixa. Veja a Figura 3.2 para um exemplo de uma tendência de baixa e Figura 3.3 para um exemplo de uma tendência de alta. Quando os mercados estão em uma escala que estão retraindo-se e quando eles estão em uma tendência que está se expandindo. Aqui é
  26. 26. onde nós gostaríamos que você pensar em termos de vibrações, repetições e variações. Figura 3.1 Exemplo de um mercado de lado: futuros do Dow gráfico de 60 minutos. Vibrações em oscilações de preços Vibrações nos mercados podem ser pensadas como ondas sonoras. O som mais alto, mais longe ele vai viajar. Eventualmente, o som vai perder o impulso à medida que viaja, e o momento vai se dissipar. A mesma analogia pode ser usada para descrever um objeto que está sendo arremessado. Quanto maior for o objeto e maior a distância que ele seja lançado, maior a vibração que é criada quando ele se encontra com uma superfície. O movimento do preço é muito semelhante a isto. Como exemplo, uma divulgação de um relatório econômico ou notícia relacionada pode impulsionar os preços subitamente para cima ou para baixo. Figura 3.4 mostra um exemplo de um impulso de preços ou de expansão após o lançamento de um relatório econômico. Choques, tais como desastres naturais, desvalorizações da moeda, e as guerras são eventos extremos que terá maiores efeitos da vibração sobre os mercados. Figura 3.2 Exemplo de uma tendência: os futuros do óleo cru.
  27. 27. Figura 3.3 Exemplo de uma tendência de alta: Dow futuros. Figura 3.4 futuros do Dow gráfico de 5 minutos mostrando a expansão da área na sequência de um relatório econômico.
  28. 28. Quando os preços já estiverem dentro de um intervalo de tempo, é uma questão de tempo antes que eles se afastam desse intervalo. Muitas vezes, os preços vão afastar- se do intervalo com urgência, sob a forma de uma tendência. (Veja o Capítulo 10 sobre tendências.) A figura 3.5 é um exemplo de uma variação que se formou e quando o preço partiu para o lado de baixo fora da variação do intervalo, o fez de forma decisiva, que ficou evidente nas longa barras. Usando o comportamento dos preços da Figura 3.5 como exemplo, o preço retraia à medida em que faz a variação e expande à medida que batia no suporte, mas depois iniciou a tendência. O que podemos dizer é que as vibrações fortes podem igualar uma tendência, enquanto vibrações medias e fracas farão um intervalo. A faixa de negociação também pode ser pensada como uma energia armazenada. Eventualmente, esta energia terá de ser lançada em uma direção ou outra. As vibrações mais leves e mais fracas normalmente não terão força suficiente para sustentar uma tendência. É possível ver uma maior volatilidade que cria fortes vibrações ou oscilações de preço. O mercado negociará nos dois sentidos à medida que os traders batalhem até que haja um lado vencedor. Uma vez que o vencedor tenha tomado o controle (para cima ou para baixo), o preço pode ter movimentos vibratórios muito fortes (como uma mudança de tendência) em uma direção que o lado perdedor liquidará posições e novos participantes na direção da tendência entrarão. A Figura 3.6 mostra oscilações dramáticas no gráfico semanal de futuros do ouro. Considerando que cada movimento de 1 ponto em ouro equivale a US $ 100 por contrato, esses movimentos são significativos. Figura 3.5 S & P E mini-gráfico de 15 minutos. Preço afasta-se da faixa de negociação, sob a forma de uma tendência. *Texto dentro da figura: “Preços variam dentro de uma amplitude várias vezes antes de romper para baixo”
  29. 29. Figura 3.6 O gráfico doss futuros do ouro semanal mostrando fortes oscilações na guerra dos preços. Os participantes no mercado atribuem diferentes graus de significado emocional para o preço que se move para cima e para baixo. Como exemplo, se um lado, participam em grande número no lado longo do mercado (compra agressiva), criariam um movimento forte tendência de alta ou vibração no preço (Figura 3.3). O oposto seria verdadeiro para um movimento forte tendência de baixa (Figura 3.2). Repetição em oscilações de preços Usando os padrões apresentados neste livro, descobrimos que as oscilações ou movimentos no preço são o que chamamos de harmônicos. São oscilações de preços que são semelhantes em tamanho, são repetitivos, e são encontrados em todos os prazos. A figura 3.7 mostra um gráfico de 60 minutos do Dow futuros. À primeira vista, esse movimento de preço pode parecer caótico na natureza: movimentos altistas e baixistas aleatórios. Na verdade, muitos traders não considerariam negociar um gráfico com essa aparência. Se olharmos para o gráfico de preços e escolher os movimentos repetitivos, nós imediatamente iríamos impor a ordem sobre o caos. Referindo-se a Figura 3.8, o que temos feito é usar uma ferramenta de desenho de linha no programa; duplicamos a linha e a jogamos dentro das variações. Nós não mudamos ou alteramos o tamanho da linha original, nós simplesmente a mudamos à cada movimento repetitivo.
  30. 30. Figura 3.7 Gráfico de 60 minutos do futuros do Dow mostrando oscilações aparentemente aleatórias. Figura 3.8 Gráfico de 60 minutos futuros do Dow. Exemplo de aplicação de linhas clonadas para encontrar as oscilações harmônicas. O que você vê na figura 3.8 são oscilações harmônicas do gráfico de 60 minutos do Dow futuros. Isso ilustra claramente a repetição, que está presente neste mercado neste período.
  31. 31. Vejamos mais alguns gráficos que ilustram essas repetições. A figura 3.9 é um gráfico de 15 minutos da IBM. Este gráfico mostra retomadas (altas) repetitivas. Os dois movimentos formam um padrão AB=CD, que é o primeiro padrão que vamos apresentar (ver Capítulo 4, "Padrão AB = CD"). Você pode começar a ter uma noção da importância destes movimentos harmônicos e do papel que eles vão desempenhar na aprendizagem e os padrões de trades neste livro. O próximo exemplo é a Figura 3.10, um gráfico de 30 minutos do Google. Ele mostra oscilações repetitivas ou harmônicas que oscilam tanto para cima como para baixo. Se você estudar o gráfico, você vai notar um conjunto de harmônicas menores que formam a segunda fase ascendente no gráfico. Novamente, essas oscilações estão formando um outro padrão neste livro, um padrão de venda Gartley. (Veja o Capítulo 5, "O 'Padrão Gartley '222 "). Mais adiante neste capítulo, vamos mostrar a você, usando o S&P 500 E-mini, variações de um número harmônico utilizando múltiplos desse número e as razões de Fibonacci. O gráfico de 60 minutos do índice S&P 500 E-mini na figura 3.11 mostra as oscilações harmônicas em termos de pontos, assim como a extensão da oscilação. Os períodos de alta estão a 2 pontos uns dos outros e as oscilações baixistas estão a 1 ponto. Figura 3.9 Gráfico de 15 minutos IBM mostrando oscilações harmônicas formando um padrão AB = CD.
  32. 32. Figura 3.10 Gráfico do Google de 30 minutos mostrando oscilações harmônicas formando em ambas as direções. Figura 3.11 Gráfico de 60 minutos S&P 500 E mini - mostrando as oscilações harmônicas em termos de movimentos de ponto.
  33. 33. Figura 3.12 Gráfico de 60 minutos de futuros do trigo mostrando a repetição, vibração e harmônicos menores dentro de um harmônico maior. Também é interessante notar que cada um dos movimentos corretivos na Figura 3.11 referem-se a uma retração de 0,618. Eles retrocedem 0,618 do movimento alto a baixo. Você quer aprender a identificar várias áreas de suporte e resistência usando números harmônicos, relações de Fibonacci e padrões. Às vezes você pode ter várias proporções de Fibonacci, um nível de preços com um padrão de preenchimento e, provavelmente, se você estudar também os harmônicos você os encontrará presentes também. A figura 3.12 mostra um exemplo de números que incluem a vibração harmônica e repetição fácil de identificar. As linhas tracejadas neste gráfico de futuros de trigo mostram os harmônicos menores dentro do harmônico maior. Não é raro ver este acontecimento, onde um movimento é dividido em duas ou mais oscilações harmônicas que compõem o harmônico maior. Encontrando Números Harmônicos Encontrar os números harmônicos ou vibratórios em uma bolsa ou mercado não é difícil. Você quer encontrar as oscilações comuns usando extensão, ou em termos de pontos, que se repetem várias vezes. Você está olhando para a repetição mais comum do mercado. Se você negocia um período específico, tais como o gráfico de 5 -, 15 - ou 30 minutos (não importa que tempo que você utilize), você quer olhar para a repetição naquele gráfico. Usando um gráfico de 30 minutos como exemplo, a maneira mais fácil de encontrar os números harmônicos é procurar e marcar (como com uma ferramenta de desenho de linha) as movimentações mais comuns ou repetitivas. O gráfico também pode ser impresso e as oscilações desenhadas à mão. Nós percebemos que fazer um pouco deste trabalho com a mão causa uma melhor ligação com o cérebro e ajuda a treinar o olho para identificar estas oscilações. No gráfico de 30 minutos da moeda euro, há uma oscilação comum (número harmônico) de cerca de 70 pips (pip, ou ponto de interesse dos preços, refere-se à menor unidade de
  34. 34. movimento de preços. Na moeda de um euro pip é igual a $ 12,50). Na Figura 3.13, as linhas verticais representam cada 70 pips (as setas no gráfico indicam se a linha está mostrando uma recuperação ou desaceleração). Você pode ver que algumas dessas variações são quase exatas e outros são apenas um pouco fora da marca, mas ainda perto de 70 pips harmônicos nesse mercado. Tenha em mente que as oscilações de preço não serão sempre o número exato. Pense nestes números como áreas ou zonas que você assiste para o preço a se mover naquela direção. Figura 3.13 As linhas verticais representam um movimento de 70 pips em futuros de moeda do euro no gráfico de 30 minuto. Se você estudar pelo menos 100 amostras deste movimento especial na moeda euro, você vai descobrir que os movimentos serão relacionados para este número de 70 pips harmônicos com os números de expansão ou retração de 0,618, 0,786, 1,272 ou 1,618. Encontrar uma metade destes harmônicos, de 35 pips, no euro não é nada incomum, assim como metade dos harmônicos são facilmente encontrados na tabela de trigo (Figura 3.12). Números Harmônicos no S & P 500 Estes são os números harmônicos que nós usamos para o mercado S&P 500: 5,4 pontos – um primário harmônico neste mercado. 6,85 pontos - derivados de 5,4 × 1,272. 8,7 pontos - derivados de 1,618 × 5.4. Além disso, então olhe para múltiplos, tais como 10,8 e número harmônico maiores: 10,8 pontos derivados de 5,4 × 2 (dois harmônicos). 16,2 pontos derivados de 5,4 × 3 (três harmônicos). 21,6 pontos derivados de 5,4 × 4 (quatro harmônicos).
  35. 35. Como você pode imaginar, os harmônicos menores são de retração e os harmônicos maiores são de expansão. Preços acima do harmônico 10,8 geralmente são um modo de tendência e pode se expandir em uma base intraday (dentro do dia) para a faixa 16,2-21,6 ou mais. Quando o mercado está em tendência (ver Capítulo 10 sobre a identificação das tendências para o mercado S&P 500), a correção será na escala de 1,75 ponto a 5 pontos, como uma regra geral. Uma das retrações comum que vemos nestes dias de tendência é a de 3,5 pontos, que é de 0,618 o número de 5,4 harmônicos. Nos dias de tendência muito forte, vemos a correção de 1,75 ponto a 2,5 pontos, que estão relacionados com a raiz quadrada de 5,4 e 3,5; a raiz quadrada de 5,4 é 2,32, e a raiz quadrada de 3,5 é 1,87. Você quer estar ciente dos números harmônicos que se referem ao tipo de pregão que se tem – retração ou expansão (movimento de alta ou baixa). A figura 3.14 mostra um excelente exemplo das oscilações comuns usando números harmônicos onde vemos um gráfico de 5 minutos do S&P 500. Você pode facilmente identificar como cada movimento aconteceu dentro dos intervalos harmônicos e a repetição que ocorreu. Se você olhar para a área da linha tracejada na figura 3.14, você vai notar como a primeira perna de alta desse movimento fez uma movimentação de 5.5 pontos, o que foi seguido por uma oscilação de 4,5 ponto. O total da perna foi de 8,5 pontos, com a mínima em 1422 e máxima em 1.430,50. Figura 3.14 S&P 500 harmônicos E-mini em ação. Oscilações harmônicas em uma gráfico de 5 minutos. Outro exemplo dos harmônicos no S&P 500 é mostrado na Figura 3.15. Neste exemplo, vemos uma grande variedade de números harmônicos, durante um período curto de dois dias. Vemos um movimento corretivo até que formar um padrão AB = CD de venda. (Veja o Capítulo 4, "O padrão AB = CD") Quando vemos este tipo de padrão usando os números harmônicos, também queremos combinar proporções de
  36. 36. Fibonacci para nos ajudar a encontrar novas áreas de suporte ou resistência, neste caso de resistência. O padrão corretivo foi completado muito perto do número harmônico 16,2 (1,25 pontos), ao nível 0,618, como pode ser visto na Figura 3.16. Ao combinar esses dois níveis de resistência, os números harmônicos e o nível da retração de Fibonacci de 0,618, podemos então determinar o ponto de entrada e impedir a colocação deste tipo de setup. Vale a pena repetir que não estamos tentando encontrar números exatos harmônicos para entrar no trade. Estamos trabalhando com escalas, zonas de preço, e as áreas comuns de suporte ou resistência. Usamos os números harmônicos como uma ferramenta em conjunto com os padrões e as relações de Fibonacci. Quando usar Expansões dos Números Harmônicos Desde que os números harmônicos são repetitivos e fazem parte das vibrações nos mercados, e nós sabemos que os preços não vão ficar em um intervalo para sempre, então temos de olhar para acontecimentos quando vemos expansão e depois olhar para os números múltiplos de harmônicos. Figura 3.15 uma vasta gama de números harmônicos, durante um período de dois dias.
  37. 37. Figura 3.16 Gráfico de 15 minutos combinando as relações de Fibonacci com os números harmônico no S&P 500 E-mini. A experiência prática tem mostrado que uma vez que o mercado vai além do seu número harmônico primário, o mercado de ações pode ver um múltiplo de duas a três vezes esse número harmônico e às vezes mais. Isso está relacionado a um conceito que Gann trabalhou, o qual foi o conceito de overbalancing (desbalanceamento). Quando ambos, preço e tempo, excedem as correções normais, a principal tendência muito provavelmente mudou. Isso pode ser visto em um gráfico de curto prazo e, em seguida, nos gráficos de prazo maiores à medida que o preço continua a inverter. Usando a regra de 3 por cento para encontrar um número Harmônicos e Aplicações Práticas Outro método para encontrar os números harmônicos em uma ação ou mercado é a utilização de 3 por cento do valor da ação, produto ou moeda. Se usarmos a IBM como exemplo (ver Figura 3.17), o primeiro movimento mostra uma alta de 99,48 dinheiroes. Os 3 por cento harmônicos seriam de aproximadamente US $ 2,98 (isso pode ser arredondado para cima ou para baixo alguns centavos). O mercado retraiu aproximadamente metade desse harmônico, ou US $ 1,52. Nós podemos usar $ 2,98 para colocar uma ordem stop loss se comprar o pullback (recuo do preço). Inversamente, os 2,98 dinheiroes também podem ser usados para colocar uma ordem stop loss.
  38. 38. Figura 3.17 Utilizando números harmônicos para colocar ordens de stop-loss e iniciar operações em um gráfico IBM de 60 minutos. A área marcada na Figura 3.17 # 2 tem uma série de harmônicos com 3 por cento de $ 100,44 por ação, ou aproximadamente US$ 3,00. Teríamos então que procurar um recuo de cerca de US$ 3,00 por ação. Esta área pode ser utilizada como objetivo de lucro para a venda curta nos movimentos de alta. A figura 3.17 também mostra um padrão AB=CD (ver Capítulo 4, "O padrão AB=CD") que se formou na área do número harmônico. Novamente, isso combina dois elementos: os números harmônicos e um padrão. O trader, se inicia um trade a longo prazo, pode então usar o harmônico de 3,00 dinheiroes para colocar uma ordem de stop-loss (stop de perda). Vamos rever as diferentes aplicações dos números harmônicos na Figura 3.17: - Se o trader tivesse entrado em um pequeno trade perto das máximas do movimento, uma ordem stoploss poderia ser colocada um pouco além dos US$ 3,00 harmônicos por ação (3 por cento). - A projeção para baixo das máximas, utilizando o número harmônico, pode ser usada para realizar lucros a partir de um trade de venda de curto prazo. - Um trade de longo prazo poderia ser iniciado após a conclusão do modelo AB = CD, que é também o harmônico $ 3,00. - Uma ordem de stop-loss pode ser colocada em trades de longo prazo, neste exemplo usando o harmônico de $ 3,00. Utilizar números harmônicos como uma diretriz deve ajudá-lo de várias maneiras: - Eles podem ajudar você a entender o ritmo e as oscilações de preço de um determinado mercado - Eles devem ajudá-lo na colocação de stop-loss, reduzindo o risco de um trade para um nível administrável e dentro das normas específicas de gestão de dinheiro. (Veja o Capítulo 11, "Gestão de Comércio.")
  39. 39. - Você está ciente das combinações e diferente elementos para os setups de trade, tais como números harmônicos, relações de Fibonacci e padrões para iniciar os setups de trades e objetivos tendo lucro. Finalmente, os números harmônicos são parte integrante da formação de muitos padrões apresentados neste livro. NÚMEROS HARMÔNICOS encontrado em outros mercados Aqui estão alguns dos números harmônicos encontrados em outros mercados: Mercado de bonds (Building Object Network Databases) – 20. O petróleo bruto-44 e 88. Dow Jones-35, 105 e 70. Euro - 35 e 70. Ouro 11 e 17. Prata -18, 36 e 12. Trigo-11 e 17. Soja-18 e 36. Use múltiplos destes números em mercados fortes. Lembre-se que diferentes variações destes números serão encontradas dependendo se o mercado está se contraindo ou se expandindo. O harmônico para um gráfico de 5 minutos pode variar ao contrário de um gráfico de 30 minutos. Eles estarão relacionados, porém, em percentuais. O harmônico em um menor lapso de tempo, como um gráfico de 5 minutos pode ser um meio ou 0,618 por cento do maior número harmônico. A única maneira de aprender é observar os números por si mesmo. Se diariamente você estava para acompanhar as oscilações em qualquer mercado em 5 -, 15 - ou um gráfico de 30 minutos e mantém um registro, você deve então começar a ver as repetições que ocorrem com freqüência. Se você fez isso durante um período de 30 dias, você irá ver quase todo tipo de padrão que ocorrer dentro desse período de tempo: para cima, para baixo e lateralmente, contração e expansão. Você também vê a teoria de números harmônicos se desdobrar e a relação que têm com a série de Fibonacci. A geometria básica, relações de Fibonacci, e os números harmônicos, como você verá, são os alicerces para os padrões apresentados nos Capítulos 4 a 10.
  40. 40. PARTE 2 Os padrões de preços e como operá-los
  41. 41. CAPITULO 4 O padrão AB = CD Tem sido dito muitas vezes que, nos trades, estudar, e aprender métodos comerciais são simples. O padrão AB=CD é um dos padrões mais básicos e simples das técnicas de análise. Se o operador vai levar algum tempo para aprender esse padrão e suas variações, será tempo bem gasto. Nós ensinamos esse padrão aqui tanto na estrutura como do ponto de vista comercial usando exemplos gráficos reais. Nos próximos capítulos vamos mostrar como este padrão simples também é formado dentro de outros padrões, como o Gartley "222", padrão borboleta, o padrão de três unidades, e alguns dos clássicos padrões de análise técnica. HISTÓRIA DO PADRÃO AB=CD Em 1935 foi publicado um livro para venda a investidores a um preço incrível de $ 1.500. Esse livro era Profits in the Stock Market (Lucros na Bolsa de Valores) de H.M. Gartley. Na página 249, sob o título "Uso prático da Linha de Tendência", Gartley descreve um padrão gráfico que hoje chamamos de AB = CD. (Veja Figura 4.1). Figura 4.1 Gráfico com iIlustração das Linhas Paralelas de tendência encontrado no livro de HM Gartley, Os Lucros na Bolsa de Valores (1935). Cortesia de publicação Gann Lambert. Edifício dos correios Box 0, Pomeroy, WA 99347. www.wdgann.com. Este padrão já apareceu em outro trabalho, um por Frank Tubbs. Tubbs ofereceu um curso por correspondência em 1950 chamado "The Frank Tubbs Stock Market Course (Curso de mercado de ações de Frank Tubbs). Este curso foi baseado no padrão que Gartley tinha explicado em seu livro de 1935. Tubbs usava muitas cartas de 1920 e 1930 na sua descrição do padrão e progrediu com o trabalho em 1950, validando este modelo clássico. Charles Lindsay também usou esse padrão em seu livro Trident:
  42. 42. Uma Estratégia de Negociação, escrito em 1976. Lindsay identificou tendências como micro, pequena, média e grande. Ele ilustrou que as oscilações de preços paralelos foram evidentes em todos os gráficos e em todos os prazos. O sistema descrito é idêntico ao padrão de Gartley. Lindsay rotulou seu padrão como P1 P2, P3, P4, e, que nada mais eram do que A, B, C e D. Lindsay pegou o padrão AB = CD e o transformou em uma fórmula que daria ao padrão um objetivo em D (P4), então a fórmula seria: P4 = P2 + P3 P1 Isto é equivalente a: D = B + C A Ele então apareceu com uma fórmula que dizia que P3 deve ser uma relação de 0,625 de P1 para P2. Isso equivale a um retrocesso 0,618 pela perna BC da movimentação AB. (Veja a figura 4.2.) Ele considerou 25 por cento do P1, ou da primeira perna como um fator de risco. Figura 4.2 Gráfico diário Merck (MRK) mostrando o padrão AB=CD com retração 0,618 da perna AB. Isso é semelhante à retração de Lindsay 0,625 do P1 para P2.
  43. 43. Descrição do padrão AB = CD A descrição de Gartley do padrão AB=CD ilustrou como o mercado aceleraria em tendência de alta e depois iria se retrair. Iria, então, acelerar para outra tendência de alta, em seguida, fazer outra correção, formando um canal paralelo de alta. Foi a partir dessa descrição que o Padrão AB=CD atingiu o seu apelido, o relâmpago. (Veja Figura 4.1). Gartley gastou várias páginas com essas linhas de tendência e as linhas paralelas como sinais excelente quando utilizado em conjunto com outras ferramentas de trabalho. Ele também aplicou essas linhas com as relações de preço. Ele usou principalmente proporções de um terço e metade para retrações. A estrutura do padrão AB = CD O padrão AB=CD é encontrado em todos os mercados e todos os prazos. Este padrão é a base para os padrões de compra e venda de Gartley (discutido no Capítulo 5). Também é parte integrante do modelo borboleta (Capítulo 6) e também faz parte do padrão de Três Unidades (capítulo 7). O padrão é um movimento medido onde a perna CD é semelhante ao comprimento da perna AB. Deve-se notar, porém, que a perna CD pode se estender e nem sempre será exatamente igual ao da perna AB, o que é discutido em "características importantes do padrão AB = CD" posteriormente neste capítulo. A figura 4.3 mostra o formato da base AB = CD nos padrões de compra e venda. Há três pernas que forma esse padrão. (Veja a figura 4.4.) A primeira etapa do padrão é chamado AB. Após a conclusão da primeira etapa, um retrocesso ou correção que ocorre normalmente irá encontrar apoio ou resistência em um destes níveis de Fibonacci: 0,382, 0,50, 0,618 ou 0,786. Esta correção ou retração é chamada BC e é a segunda etapa do padrão. (Nota: Frequentemente mercados em tendência geralmente têm apenas uma retração ao nível de 0,382 ver o gráfico em "Alta e Gráficos de prazo" seção mais adiante neste capítulo para ver um exemplo de uma retração no nível de 0,382.) Figura 4.3 a estrutura básica do padrão AB = CD, ilustrando o "raio" da forma dos padrões de compra e venda.
  44. 44. Figura 4.3b Gráfico de padrões AB =CD de compra e venda do mercado S&P E mini-preço. Figura 4.4 Gráfico diário Merck (MRK) mostrando o padrão AB = CD concluído. Este padrão completo leva às retrações do movimento AD de quase todo o nível principal de Fibonacci que utilizamos. Quando o preço continua na mesma direção da perna AB, a perna CD começa a se formar. Uma vez que identificamos a perna CD se formando, podemos projetar o padrão de realização potencial e planejar uma estratégia de negociação. Com a forma da perna CD completa, nós monitoramos a etapa final para todos os sinais de alerta que nos orientaria para uma mudança nas condições do mercado que possam nos sinalizar ficar de fora do trade ou aguardar futuras confirmações antes de se entrar no trade. O capítulo 11, "Gestão de Trade", explica isto em mais detalhe. Uma vez que o preço seja superior a B, podemos fazer uma suposição de que o preço vai chegar a concluir o padrão no ponto D.
  45. 45. Ao estudar esse padrão, é importante saber o que invalida o padrão. Aqui estão três itens que podem invalidar o padrão AB = CD: 1. BC não pode exceder a perna AB, ou seja, a retração de AB não pode exceder 1,00. 2. BC pode ser uma retração 1,00 da perna AB; este é um modelo raro e um duplo topo ou fundo, mas é um padrão válido. 3. D deve ser superior a B para que o padrão esteja completo no ponto D e ser um padrão AB = CD válido. Veja a figura 4.5 como um exemplo. Figura 4.5 gráfico de euros diário. Uma vez que o preço é maior que B, assumimos que o padrão será concluído no ponto D. Características importantes do padrão AB=CD Cerca de 40 por cento do tempo, o padrão AB = CD será perfeitamente simétrico, ou seja, AB é igual a CD. Os outros 60 por cento do tempo, variações do padrão estarão presentes. O que isto significa é que, após a perna AB ter se formado e a perna de retração BC foi concluída, a perna CD será diferente da perna AB. As duas pernas podem ou não ser perfeitamente simétricas.
  46. 46. Algumas das maneiras que a perna CD pode variar da perna AB incluem: - A perna CD é uma extensão da AB em qualquer ponto entre 1,27 a 2,00 (ou superior). Ver Figura 4.6 como exemplo. - A perna CD tem uma inclinação ou ângulo de inclinação maior do que AB. À primeira vista, essa variação pode fazer o trader achar que o padrão não é negociável. O segredo reside em identificar a perna BC. A coisa mais importante é observar a ação do preço após a formação do ponto C. Muitos dos exemplos que você verá neste capítulo irão mostrar que a perna CD determina a relação com a perna AB. Figura 4.6 Gráfico diário de títulos de 30 anos mostrando o padrão AB=CD com a perna CD estendendo- se 1,27 da perna AB. VARIAÇÕES DA PERNA CD Estes fenômenos da perna CD podem ser descritos de quatro maneiras: 1. Se após o ponto C ocorreu uma gap existente na direção do ponto D, isto geralmente indica que a perna CD será muito maior do que a perna AB - 1,272, 1,618, ou mais. Ver Figura 4.7 como exemplo. 2. Uma barra de grande amplitude (o dobro do tamanho normal) no ponto C é outra indicação de que a perna CD pode tornar-se prolongada. Veja na figura 4.8 como um exemplo. 3. Idealmente, os movimentos AB = CD são simétricos em preço e prazo. Por exemplo, se a perna AB é de seis barras de alta, então a perna CD terá seis barras de alta. Ver Figura 4.9 como exemplo.
  47. 47. 4. Como ilustrado na Figura 4.10, o tempo para formação das duas pernas é simétrica. Esta frase seguinte é muito importante: Se a perna CD é formada em apenas algumas barras, isto indica fortemente que a perna CD vai ser uma expansão da perna AB. Veja a Figura 4.11 para um exemplo disso. Como exemplo deste princípio, imagine ter dois automóveis Ferrari na pista, um com diesel e outro com gasolina de alta tecnologia. Figura 4.7 Clássico padrão AB=CD de EOG Resources (EOG), gráfico diário, com gap a partir do ponto C e forte inclinação ao ponto D o que sugere que a perna CD irá se estender. Figura 4.8 Todos os sinais de alerta estão presentes no gráfico de 120 minutos dos futuros do Nasdaq. (Os sinais de alerta são discutidos no Capítulo 11.) Observe as longas barras à medida que a perna CD está apenas começando a ir para baixo. Isto dá ao trader uma indicação de que a perna CD pode ser uma extensão de 1,272, 1,618, ou superior da perna AB.
  48. 48. Figura 4.9 gráfico diário da moeda Euro mostrando padrão AB=CD com seis barras muito simétrico na perna AB e seis barras na perna CD. Figura 4.10 Google (GOOG) gráfico de 5 minutos, mostrando que tempo também é um elemento na simetria dos padrões.
  49. 49. Figura 4.11 Uma barra muito longa no ponto de retração C neste gráfico Intel (INTC) diário indica que a perna CD será uma expansão da perna AB. Seria fácil entender a Ferrari alimentada com gasolina de alta tecnologia para obter a linha de chegada em primeiro lugar. Observe a perna CD, porque se ela começar rápida, esta é a Ferrari indo mais rápida ainda. GRÁFICOS DE INCLINAÇÕES E PRAZOS O quadro de movimento de inclinação ou tempo da perna BC também pode ser útil na determinação do padrão. As pernas BC geralmente corrigem ao nível de uma das relações de Fibonacci: 0,382, 0,50, 0,618 ou 0,786. A inclinação da perna BC é geralmente uma boa indicação do que a próxima perna CD será. Por exemplo, suponha que a perna AB levou 15 barras para alcançar o ponto B, e agora a perna BC tomou 8 barras, mas retraiu apenas 0,382 por cento da perna AB. Este é um sinal do mercado absorvendo uma grande quantidade de venda a um preço alto, é uma retração rasa, e o preço não tem sido capaz de retrair a 0,50, 0,618 ou 0,786 por cento. Nós supomos que os preços iriam subir muito mais e, possivelmente, muito rapidamente uma vez que a venda diminui. No entanto, se o mercado retrai a 0,618, 0,786, a perna CD irá, muito provavelmente, ser um movimento normal, igual a AB = CD. Para mensurar a extensão da perna CD, pegue a diferença entre A e B e multiplique por 1,272 e 1,618, em seguida, adicione o valor resultante na mínima (ou subtraia da alta) de C. As etapas na Figura 4.12 para encontrar a projeção 1,618 seria calculado assim:
  50. 50. B = 1274 - A = 1256 = 18 pontos 18 pontos × 1,618 = 29,12 Adicionar esta a mínima de C: 1.266,25 + 29,12 = 1.295,37 (Se encontrar 1,272 ou qualquer outro número de extensão, basta usar esse número em lugar de 1,618). O número de barras no padrão AB = CD normalmente varia entre cinco e oito barras. Quando a perna CD ultrapassa oito barras em um movimento para cima ou para baixo, a probabilidade é de uma extensão de preço onde CD será 1,272, 1,618, ou mais do movimento do AB. Os exemplos neste capítulo dão um bom ponto de referência para o estudo desses tipos de padrões. O leitor deve ter em mente que esses padrões são apenas probabilidades, não são certezas, e tentar usar esses padrões, sem uma sólida compreensão deles e uma boa estratégia de gestão de dinheiro é equivalente ao suicídio comercial. Figura 4.12 Neste gráfico de 30 minutos S&P E-mini, a extensão de 1,618 pode ser projetada, tomando a diferença entre a máxima e a mínima da perna AB, multiplicando-se por 1.618, e adicioná-lo à mínima (ou subtraindo-o da máxima) de C.
  51. 51. PSICOLOGIA DO PADRÃO AB=CD A psicologia clássica também faz as pernas do modelo AB = CD. Existem dois mecanismos que fazem o mercado se mover para cima e para baixo, mais compradores ou mais vendedores, este é o barômetro da ganância final. Partindo de que o medo é a mais forte emoção além da ganância, os mercados tendem a cair mais rapidamente do que subir. O preço da ação em qualquer mercado ativo pode ser dividido em três etapas: 1. Movimentos ascendentes 2. Movimentos descendentes. 3. Movimentos laterais O padrão AB=CD contém todos esses três movimentos de uma forma geométrica simples. Seu valor comercial advém do seu caráter repetitivo. Mede o entusiasmo da compra ao clímax da venda. Usando um padrão AB = CD de venda como um exemplo (consulte a Figura 4.5), à medida que o preço começa a subir na perna AB é despertado o interesse daqueles que querem entrar mais cedo. Isto poderia ser uma compra precoce a partir de fontes de dinheiro grande, como fundos mútuos, de pensões, e assim por diante. Como o preço continua a subir, os especuladores podem perceber e subir a bordo, provocando a subida de preço maior na perna AB. Na parte superior da perna AB, os investidores individuais (o público em geral) podem começar a comprar, pois não querem perder o movimento. Podem haver algumas notícias sobre as ações individuais ou de mercado, chamando ainda mais a atenção para o aumento de preço. É geralmente o caso onde ocorre o final da primeira perna. Uma vez concluída a primeira perna, algumas realizações de lucros ocorrem e o preço começa a cair. Aqueles que compraram perto do topo da perna estão agora em uma perda, e algum medo começa a se instalar, o que pode aumentar as vendas. À medida que o preço retrai em direção às retrações de Fibonacci, aqueles que podem ter perdido o primeiro movimento ascendente começam a se preparar para entrar. Os investidores institucionais podem aumentar suas posições, e os especuladores também pode intervir para comprar mais baixo, oferecendo suporte aos preços. Os subsídios de venda, e o preço encontram suporte à medida que mais compradores novos entram na ação ou mercado e o preço começa a retomar o seu lugar (perna CD). Neste ponto, alguns investidores que escaparam da perda de comprar perto do topo da perna AB podem vender à medida que o preço se aproxima do seu ponto de equilíbrio sobre as retrações de back-up da perna BC. Alguns que perderam a oportunidade de sair com um lucro próximo à parte superior da perna AB agora têm lucros, pois o preço está próximo aqueles níveis novamente. A perna CD agora começa a repetir o ciclo dos compradores, e à medida que o preço sobe mais, aqueles que perceberam que venderam muito cedo poderão voltar no trade. Uma nova onda de compra (ou venda), então, empurrará o preço através do ponto B para completar o padrão em D.
  52. 52. NEGOCIANDO O PADRÃO AB=CD O padrão AB = CD pode ser encontrado e negociado em qualquer tempo. Vamos mostrar-lhe exemplos de como nos aproximamos deste padrão de comércio, incluindo exemplos de trades vencedores e perdedores. Aqui nós mostramos exemplos de gráficos de trades e de gestão de trades que poderiam ser aplicados a todos os trades, em última análise, cabe ao trader individual utilizar de um plano bem pensado e estudado. (Veja o Capítulo 13, "Construindo um plano de negociação."). Nós usamos dois contratos nos trades de mercado de futuros e comodities para ilustrar exemplos de dimensionamento em duas partes, e também apresentamos um exemplo de gestão de trade alternativo utilizando uma saída. Os exemplos de ações usam 200 ações para ilustrar a escala em duas partes. Setup de negociação (regra de negociação) # 1: Padrão de venda AB = CD Mercado: S&P 500 E-mini Contratos: 2 No trade mostrado na Figura 4.13, o mercado S&P E-mini completa uma figura perfeita de padrão AB = CD de venda. A ordem limite seria usada nesta entrada em cerca de 1286 para curto período, logo abaixo do ponto de conclusão em D. Uma vez que a ordem seja executada, uma ordem de compra de stop-loss é colocada 5 pontos acima da entrada. Neste caso, a ordem de compra de stop-loss seria colocada em 1291. A primeira saída está na retração 0,618 do movimento AD. Nós encobrimos a ordem de saída, ou seja, colocamos ordens logo acima ou abaixo da saída real, assim como fazemos nas ordens de entrada, por volta de 0,50-1 ponto de distância para tentar garantir um preenchimento. A ordem de saída seria colocada em 1.279,50, um pouco acima da retração 0,618. Ocasionalmente, o mercado pode negociar apenas no, mas não através do preço, e caberá ao trader individual lidar com estas situações. Nós preferimos sair se o preço atinge o estabelecido, mesmo que isso signifique lucro um pouco menor. Nós não queremos que um trade lucrativo se transforme em prejuízo. Trade de Risco-Livre Uma vez um lucro seja realizado na primeira parte, a ordem de stop-loss é, então, movida para o ponto de equilíbrio. Esta realiza duas coisas muito importantes: 1. Reduz o risco no trade. 2. Estabelece lucros. Neste ponto, no trade, temos um lucro de 6,5 ponto e nossa parada foi deslocado para o ponto de equilíbrio. Nosso segundo objetivo de lucro fica no nível da retração de 0,786 da movimentação A-D. Nós colocamos uma ordem limite para sair do segundo contrato em 1.277,25, um pouco acima do nível de retração de 0,786. Uma vez que o segundo objetivo de lucro foi alcançado, então removemos nossa ordem de stop-loss. O lucro do segundo contrato vai de 8,75 pontos para um lucro total de 15,25 pontos. Suplente de Gestão de Trade Como mencionado anteriormente, existem muitas maneiras de gerir trades. Neste exemplo em particular, um trader pode optar por sair dos dois contratos, no objetivo de lucro inicial de 0,618. Neste caso, o trader teria marcado +13 pontos. Em termos de 5 pontos sendo arriscado inicialmente para um total de 10 pontos de risco, isto é perfeitamente aceitável na gestão do trade. Se o trade havia sido stopado (abortado) depois que o lucro do primeiro objetivo foi alcançado, então, o trader teria marcado 6,5 pontos no trade. Descobrimos que o melhor é ter lucros, quando possível, e não se preocupar com o que o mercado faz
  53. 53. depois de ter atingido os seus objetivos de lucro. Tenha sempre em mente que você está negociando para obter lucros. Em nossa negociação que usamos dois métodos para sair de nossos trades. Qual método utilizar depende das condições do mercado atual. Figura 4.13 Esta é uma imagem perfeita S&P-mini de day trade do padrão AB = CD de venda. O mercado vira para baixo quase que exatamente no final do ponto D (gráfico de 15 minutos). Setup de negociação # 2: Padrão de compra AB = CD Mercado: S&P 500 E-mini Contratos: 2 O setup do mercado S&P E mini mostrado na Figura 4.14 é um bom exemplo de porque nós queremos reposicionar as ordens para tentar garantir um preenchimento de lucro. Este trade tem uma entrada em 1232. Uma vez que a ordem é dada, um stop de venda inicial de 5 pontos é colocada. O primeiro objetivo é facilmente alcançado em duas barras de tempo. No gráfico você pode ver a barra longa a partir do ponto de entrada, o que dá uma indicação de que o preço vai buscar a retração 0,618. Uma vez que o lucro do primeiro objetivo é atingido, o stop será movido para o breakeven (ponto de equilíbrio) para proteger os lucros e nos colocar em um trade livre de risco. O segundo objetivo é o lucro na retração 0,786. Uma vez que o lucro do segundo objetivo é atingido, a ordem stoploss é cancelada e o trade é encerrado. Este trade particular teria rendido ao trader 19 pontos.
  54. 54. Figura 4.14 S&P E mini - gráfico de 15 minutos mostrando um padrão de compra AB = CD movendo a ordem acima do ponto de conclusão real definitivamente nos ajudou a entrar no trade. Suplente de Gestão de Trade Uma saída total no nível de 0,618 teria sido uma forma perfeitamente aceitável para administrar este trade. Isso teria dado ao trader um lucro líquido de 16 pontos. Setup de negociação # 3: Padrão de compra AB = CD de 60 minutos sem sucesso Mercado: Ações Wal-Mart (WMT) Ações: 200 Um exemplo de uma falha no padrão AB = CD é mostrado na Figura 4.15. Conforme observado no gráfico, existem gaps e uma perna CD íngremes até o ponto de conclusão. Mais cedo ou mais tarde, os traders vão encontrar-se em uma situação de gap aberta contra a sua posição. Normalmente, a primeira perda é a melhor perda e um trader deve sempre usar as ordens stop-loss. Esta é uma saída de sorte com a colocação de stop. No caso de uma posição aberta com gap para baixo, então uma ordem de stop pode ser colocada logo abaixo da mínima do dia para garantir nenhuma perda adicional e então, o trade pode ser encerrado no primeiro rali. (Consulte a Figura 4.15 para o posicionamento de stop-loss deste trade.) Um stop-loss de $ 2,00 teria sido usada, e o trader teria sido stopado com uma perda de US$ 400 em 200 ações. O uso de ordens stop-loss é essencial no trade e na boa gestão do dinheiro. Nós nunca sabemos que trade vai ganhar ou perder, e controlar o risco é o que nos permite passar para o próximo.
  55. 55. Figura 4.15 Este padrão de compra AB=CD (gráfico de 60 minutos) de ações do Wal-Mart (WMT) ilustra um ponto muito importante: sempre use ordens de stop-loss.
  56. 56. CAPÍTULO 5 O Padrão Gartley “222” O padrão Gartley “222” é certamente um dos padrões de retração clássico. Ele oferece ao trader uma entrada antecipada com risco mínimo para uma inversão da tendência de longo prazo. Para os traders que utilizam day-trade, o padrão pode ser utilizado efetivamente para comprar e vender testes de máximas e mínimas em uma base intradiária. Gartley nos diz para comprar ou vender o primeiro padrão AB = CD em um novo mercado de touro (quando está em alta), e é isso que esse padrão pode conseguir, juntamente com as entradas em uma tendência já estabelecida. Uma grande reviravolta pode não seguir com esse padrão, mas mesmo assim o trader ainda pode obter lucros com habilidades de controle do trade (supondo que o padrão não é um padrão com falha). História do padrão Gartley “222” O padrão Gartley “222” tem esse nome por causa do número da página onde é encontrado no livro Profits in the Stock Market (lucros na bolsa de valores) de HM Gartley. Desde então, vários livros foram escritos descrevendo o padrão Gartley “222” e gráficos de software o aplicam. O Ensign Software foi o primeiro a fornecer matematicamente o padrão em seu software gráfico para ser usado em quaisquer ações, commodities, ou mercado de futuros. Das quase 500 páginas no livro de H.M. Gartley, nenhuma é mais importante do que as páginas 221 e 222. Este é o lugar onde o autor descreveu esse padrão específico com mais detalhes do que qualquer dos outros padrões em seu livro. Gartley refere-se a ela como uma das melhores oportunidades de negociação. A parte mais reveladora do padrão Gartley fica um pouco escondida na página 222 na Figura 27, que é aqui reproduzida como Figura 5.1. O maior desafio com estas duas páginas estava na tentativa de se interpretar a descrição deste padrão, já que não é tão clara quanto se poderia esperar. Gartley não da uma explicação deste padrão, como a usamos hoje. A grande questão que vem à mente é a discrepância entre os dois padrões na Figura 27 no livro de Gartley. O diagrama A mostra uma retração simples em uma tendência de baixa, mas se você olhar atentamente para o diagrama rotulado B, isso mostra uma correção mais complexa em tendência de alta. Diagramas A e B, ambos usam a adição de A, B, C que foram mostradas no gráfico de Linhas Paralelas de Tendência de Gartley (consulte a Figura 4.1).
  57. 57. Figura 5.1 - Reprodução da Figura 27 do livro Lucros na Bolsa de Valores de HM Gartley. Fonte: H.M. Gartley, Lucros na Bolsa de Valores (Pomeroy, WA: Gann Lambert-Publishing, 1935). Estas diferenças distintas entre as correções simples e complexas levaram ao padrão Gartley “222” que hoje conhecemos. Isto forneceu uma imagem clara sobre o que o padrão realmente era; perceber as diferenÀ€8r

×