SlideShare uma empresa Scribd logo

Relatorio social adoção

1 de 4
Baixar para ler offline
Ação Social xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
CGC. xxxxxxx/xxxx-xx
Rua Tijolinhos Dourado, nº466 - Neverland
CEP. Xxxxx-xxx Tel.xxx.xxxx.xxxx
Relatório Social
Identificação
Nome: John Doe
Data Nascimento: xx/xx/1999
Naturalidade: Maranhão
Filiação: Branca de Neve
Documentação: RCN. Nº xxxxx, Lv.xx-Z, Fls.xxxx
Responsável: Branca de Neve
Vínculo com a criança: Genitora
Identidade:
Data de Nascimento:
Profissão:
Endereço:
Procedência: Conselho Tutelar de Neverland
Caso: Data de Entrada: xx/xx/xxxx
Motivo do Abrigamento: Negligência
Justificativa: Reavaliação das Medidas de Abrigo
Sumário Social
Relatório referente à criança/adolescente John Doe. Através deste,
objetivamos informar aspectos significativos referentes ao adolescente John
Doe, 12 anos de idade, filho de Branca de Neve, sendo sua data de
abrigamento no dia XX/XX/XX conforme determinação do Conselho Tutelar de
Neverland .
Durante trabalho social, refletindo com o adolescente sobre sua trajetória
de vida, John relatou desconhecer seu genitor sem nem ao menos, saber seu
nome. Sobre sua genitora, o adolescente revelou ter tido pouco contato com
ela. Disse que “sua mãe é dona Cinderela”.O adolescente acrescentou que
residia no Maranhão e que “desde pequeno” fazia pequenos serviços para seus
próprios gastos(roupas,lanches e drogas). Disse que a Sra. Cinderela é boa e a
considera como mãe. Disse saber que tem irmãos, porém desconhece os
mesmos. John disse ter sido matriculado na rede de ensino público, todavia
apresenta baixa escolaridade. O adolescente acrescentou que no Maranhão
tinha “amigos” e com o grupo saia e fazia pequenos furtos, também junto ao
grupo chegou a experimentar drogas. John ressaltou que passava grande parte
do dia na rua chegando a dormir fora de casa. O adolescente expôs que “se
sente grande” e durante reflexão percebemos que se comporta como se
tivesse mais idade. John aparenta que em companhia da Sra.Cinderela vivia
sem respeitar regras e limites. O adolescente enfatizou que a Sra. Princesa,
filha de Sra. Cinderela, a quem chama de tia, foi até o Maranhão e após
conversa, decidiram que ele deveria “passar uns dias com a Sra. Princesa .
Concluiu que, logo que chegou ao Rio de Janeiro foi matriculado na rede de
ensino público,porém não freqüentou as aulas. Com espaço de tempo fez
novos amigos , passou a fazer “biscates”, ficando maior parte do tempo na rua,
retornando a situação de risco social. Percebemos que o adolescente sente
“saudades” da família acima citada. Quando solicitado, mostra-se participativo.
Entendemos a necessidade que o adolescente tem de viver em família, todavia
é importante valorizar que essa família seja embasada em regras e limites.
Em trabalho técnico social, realizamos contato telefônico com a Sra.
Princesa. Disse que é filha da Sra. Cinderela e que sua mãe “criou” a mãe de
John, e referindo-se a mãe do adolescente em pauta, Sra. Branca de Neve,
disse que a mesma “não tem juízo. Destacou que a Sra. Branca de Neve, tem
outros filhos de companheiros diferentes e que no momento sabe apenas que
continua a morar no Maranhão, porém não sabe precisar o local. Sobre o
adolescente, disse que a sua mãe assim como ajudou a Sra. Branca de Neve,
“ficou” com John, e que o menino é carismático e muito prestativo, mas que
conforme foi crescendo passou a não mais respeitar a sua mãe. A Sra.
Princesa enfatizou que entendendo a situação de sua mãe, Sra. Cinderela, foi
até o Maranhão e com ciência do Conselho Tutelar daquela localidade, trouxe
John para o Neverland acreditando que poderia estudar e viver uma vida
regrada.A Sra.Princesa reconhece que seu tempo é ínfimo para atender as
necessidades de um adolescente e que John também em sua companhia
continuava a viver de forma desregrada.Revelou que reside no R1 neste
Estado e que naquela comunidade, John estava se envolvendo com más
amizades, ficando vulnerável a atos ilícitos. Disse que matriculou o adolescente
na rede de ensino público, porém o menino não freqüentava as aulas. A Sra.
Princesa comprometeu-se em comparecer no Abrigo a fim de firmarmos
melhor contato objetivando buscarmos orientação junto ao Conselho Tutelar
de Lugar Nenhum-MA e Conselho Tutelar de Neverland, uma vez que, junto a
cidade de origem do adolescente, solicitou autorização para John viajar sob
sua responsabilidade para esta Cidade.
Nesta Instituição, John recebeu visita da Sra. Princesa uma vez, e
enquanto abrigado, participa das atividades de rotina da casa assim como de
festas , passeios e eventos sociais e religiosos da comunidade. Recebe apoio
sócio educativo e religioso, assim como acompanhamento médico quando
necessário. No cotidiano, John demonstra afetividade para com o grupo assim
como com os funcionários. Solicitamos documentação escolar à Sra. Princesa
a fim de efetivarmos sua matricula na rede de ensino público.
A nosso ver, entendemos que esse caso requer atenção especial
uma vez que a família de origem do adolescente reside em outro Estado.
Ressaltamos o desejo que o menino tem de conviver em família, porém
enfatizamos a importância de melhor aprofundamento do caso a fim de
conhecermos melhor a história de vida de John objetivando os
encaminhamentos legais que venham garantir ao adolescente
desenvolvimento pleno.
Sendo assim encaminhamos o caso à X promotoria de Justiça
Regional da Infância e Juventude da Capital de Neverland para decisão e
apreciação.
Neverland, xx de xxxxxxxx de 2111.
________________________________
Mary Richmond
Assistente Social
CRESS 00001 / 0 Região

Recomendados

Oficina de serviço social elaboração de relatórios e laudos.
Oficina de serviço social   elaboração de relatórios e laudos.Oficina de serviço social   elaboração de relatórios e laudos.
Oficina de serviço social elaboração de relatórios e laudos.Rosane Domingues
 
COMO FAZER RELATÓRIOS
COMO FAZER RELATÓRIOSCOMO FAZER RELATÓRIOS
COMO FAZER RELATÓRIOSDaiane Daine
 
08 plano de acompanhamento familiar - folha de acoes - exemplos
08   plano de acompanhamento familiar - folha de acoes - exemplos08   plano de acompanhamento familiar - folha de acoes - exemplos
08 plano de acompanhamento familiar - folha de acoes - exemplosJanaina Anjos
 
Suas 13 estudos de caso para debate
Suas  13 estudos de caso para debateSuas  13 estudos de caso para debate
Suas 13 estudos de caso para debateRosane Domingues
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeto de intervenção estagio ii -
Projeto de intervenção   estagio ii -Projeto de intervenção   estagio ii -
Projeto de intervenção estagio ii -Alexsandra Veras
 
12. PROJETO DE INTERVENÇÃO - ESTAGIO SERVIÇO SOCIAL- UNIP.docx
12. PROJETO DE INTERVENÇÃO - ESTAGIO SERVIÇO SOCIAL- UNIP.docx12. PROJETO DE INTERVENÇÃO - ESTAGIO SERVIÇO SOCIAL- UNIP.docx
12. PROJETO DE INTERVENÇÃO - ESTAGIO SERVIÇO SOCIAL- UNIP.docxDENISSONLIMA1
 
OFICINA DE SERVIÇO SOCIAL - ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS E LAUDOS.
OFICINA DE SERVIÇO SOCIAL - ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS E LAUDOS.OFICINA DE SERVIÇO SOCIAL - ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS E LAUDOS.
OFICINA DE SERVIÇO SOCIAL - ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS E LAUDOS.Rosane Domingues
 
Oficio da escola
Oficio da escolaOficio da escola
Oficio da escolafasifo
 
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIALOS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIALConceição Amorim
 
2º ofício de solicitação de estagiário para consolidação de leis
2º ofício de solicitação de estagiário para consolidação de leis2º ofício de solicitação de estagiário para consolidação de leis
2º ofício de solicitação de estagiário para consolidação de leisHeloisa Cerri
 
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptxAGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptxDamsioCear
 
Relatorio das Ações realizadas na Assistência Social no mês de Abril de 2018
Relatorio das Ações realizadas na Assistência Social no mês de Abril de 2018Relatorio das Ações realizadas na Assistência Social no mês de Abril de 2018
Relatorio das Ações realizadas na Assistência Social no mês de Abril de 2018Geraldina Braga
 
RELATÓRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL DE JUNHO DE 2018
RELATÓRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL DE JUNHO DE 2018RELATÓRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL DE JUNHO DE 2018
RELATÓRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL DE JUNHO DE 2018Geraldina Braga
 
Oficina de Serviço Social - Elaboração de Estudos e Parecer Social
Oficina de Serviço Social - Elaboração de Estudos e Parecer SocialOficina de Serviço Social - Elaboração de Estudos e Parecer Social
Oficina de Serviço Social - Elaboração de Estudos e Parecer SocialRosane Domingues
 

Mais procurados (20)

18 de maio
18 de maio18 de maio
18 de maio
 
Relatório final de estágio
Relatório final de estágio Relatório final de estágio
Relatório final de estágio
 
Projeto de intervenção estagio ii -
Projeto de intervenção   estagio ii -Projeto de intervenção   estagio ii -
Projeto de intervenção estagio ii -
 
O estudo social
O estudo socialO estudo social
O estudo social
 
12. PROJETO DE INTERVENÇÃO - ESTAGIO SERVIÇO SOCIAL- UNIP.docx
12. PROJETO DE INTERVENÇÃO - ESTAGIO SERVIÇO SOCIAL- UNIP.docx12. PROJETO DE INTERVENÇÃO - ESTAGIO SERVIÇO SOCIAL- UNIP.docx
12. PROJETO DE INTERVENÇÃO - ESTAGIO SERVIÇO SOCIAL- UNIP.docx
 
OFICINA DE SERVIÇO SOCIAL - ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS E LAUDOS.
OFICINA DE SERVIÇO SOCIAL - ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS E LAUDOS.OFICINA DE SERVIÇO SOCIAL - ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS E LAUDOS.
OFICINA DE SERVIÇO SOCIAL - ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS E LAUDOS.
 
Oficio modelo convite
Oficio modelo   conviteOficio modelo   convite
Oficio modelo convite
 
Estudo social e parecer social
Estudo social e parecer socialEstudo social e parecer social
Estudo social e parecer social
 
Oficio da escola
Oficio da escolaOficio da escola
Oficio da escola
 
Ficha anamnese idoso ok
Ficha anamnese idoso okFicha anamnese idoso ok
Ficha anamnese idoso ok
 
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIALOS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
 
Oficio
Oficio Oficio
Oficio
 
Modelo de requerimento de desligamento de associado
Modelo de requerimento de desligamento de associadoModelo de requerimento de desligamento de associado
Modelo de requerimento de desligamento de associado
 
2º ofício de solicitação de estagiário para consolidação de leis
2º ofício de solicitação de estagiário para consolidação de leis2º ofício de solicitação de estagiário para consolidação de leis
2º ofício de solicitação de estagiário para consolidação de leis
 
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptxAGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
 
Acolhimento no SCFV
Acolhimento no SCFVAcolhimento no SCFV
Acolhimento no SCFV
 
Relatorio das Ações realizadas na Assistência Social no mês de Abril de 2018
Relatorio das Ações realizadas na Assistência Social no mês de Abril de 2018Relatorio das Ações realizadas na Assistência Social no mês de Abril de 2018
Relatorio das Ações realizadas na Assistência Social no mês de Abril de 2018
 
18 de Maio
18 de Maio 18 de Maio
18 de Maio
 
RELATÓRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL DE JUNHO DE 2018
RELATÓRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL DE JUNHO DE 2018RELATÓRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL DE JUNHO DE 2018
RELATÓRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL DE JUNHO DE 2018
 
Oficina de Serviço Social - Elaboração de Estudos e Parecer Social
Oficina de Serviço Social - Elaboração de Estudos e Parecer SocialOficina de Serviço Social - Elaboração de Estudos e Parecer Social
Oficina de Serviço Social - Elaboração de Estudos e Parecer Social
 

Destaque

Formulario ingresso scfv
Formulario ingresso scfvFormulario ingresso scfv
Formulario ingresso scfvNandaTome
 
ABORDAGEM SOCIAL DAS DEFICIÊNCIAS
ABORDAGEM SOCIAL DAS DEFICIÊNCIASABORDAGEM SOCIAL DAS DEFICIÊNCIAS
ABORDAGEM SOCIAL DAS DEFICIÊNCIASBárbara Delpretto
 
A Importância da Psicologia Jurídica Para O Direito
A Importância da Psicologia Jurídica Para O DireitoA Importância da Psicologia Jurídica Para O Direito
A Importância da Psicologia Jurídica Para O DireitoThiago Véras
 
A atuação do psicólogo jurídico artigo - por camila carvalho
A atuação do psicólogo jurídico   artigo - por camila carvalhoA atuação do psicólogo jurídico   artigo - por camila carvalho
A atuação do psicólogo jurídico artigo - por camila carvalhoSirlene Guimarães
 
Parecer Jurídico nas Licitações: Limites, abrangências e responsabilidades
Parecer Jurídico nas Licitações: Limites,  abrangências e responsabilidadesParecer Jurídico nas Licitações: Limites,  abrangências e responsabilidades
Parecer Jurídico nas Licitações: Limites, abrangências e responsabilidadesEditora Fórum
 
Bacharelado em direito psicologia juridica 1 semestre
Bacharelado em direito  psicologia juridica 1 semestreBacharelado em direito  psicologia juridica 1 semestre
Bacharelado em direito psicologia juridica 1 semestreWillian Pereira
 
Anamnese Psicopedagogica
Anamnese Psicopedagogica Anamnese Psicopedagogica
Anamnese Psicopedagogica Sinara Duarte
 
Projeto ViolêNcia Contra CriançA E Adolescente
Projeto ViolêNcia Contra CriançA E AdolescenteProjeto ViolêNcia Contra CriançA E Adolescente
Projeto ViolêNcia Contra CriançA E Adolescenteguest11c19
 

Destaque (13)

Formulario ingresso scfv
Formulario ingresso scfvFormulario ingresso scfv
Formulario ingresso scfv
 
ABORDAGEM SOCIAL DAS DEFICIÊNCIAS
ABORDAGEM SOCIAL DAS DEFICIÊNCIASABORDAGEM SOCIAL DAS DEFICIÊNCIAS
ABORDAGEM SOCIAL DAS DEFICIÊNCIAS
 
Abordagem social
Abordagem socialAbordagem social
Abordagem social
 
A Importância da Psicologia Jurídica Para O Direito
A Importância da Psicologia Jurídica Para O DireitoA Importância da Psicologia Jurídica Para O Direito
A Importância da Psicologia Jurídica Para O Direito
 
A atuação do psicólogo jurídico artigo - por camila carvalho
A atuação do psicólogo jurídico   artigo - por camila carvalhoA atuação do psicólogo jurídico   artigo - por camila carvalho
A atuação do psicólogo jurídico artigo - por camila carvalho
 
Parecer Jurídico nas Licitações: Limites, abrangências e responsabilidades
Parecer Jurídico nas Licitações: Limites,  abrangências e responsabilidadesParecer Jurídico nas Licitações: Limites,  abrangências e responsabilidades
Parecer Jurídico nas Licitações: Limites, abrangências e responsabilidades
 
Bacharelado em direito psicologia juridica 1 semestre
Bacharelado em direito  psicologia juridica 1 semestreBacharelado em direito  psicologia juridica 1 semestre
Bacharelado em direito psicologia juridica 1 semestre
 
Visita domiciliar
Visita domiciliarVisita domiciliar
Visita domiciliar
 
Anamnese Psicopedagogica
Anamnese Psicopedagogica Anamnese Psicopedagogica
Anamnese Psicopedagogica
 
Art3rev2
Art3rev2Art3rev2
Art3rev2
 
Parecer jurídico -
Parecer jurídico - Parecer jurídico -
Parecer jurídico -
 
Modelo de relatório
Modelo de relatórioModelo de relatório
Modelo de relatório
 
Projeto ViolêNcia Contra CriançA E Adolescente
Projeto ViolêNcia Contra CriançA E AdolescenteProjeto ViolêNcia Contra CriançA E Adolescente
Projeto ViolêNcia Contra CriançA E Adolescente
 

Semelhante a Relatorio social adoção

A escola e a violência à criança e ao adolescente
A escola e a violência à criança e ao adolescenteA escola e a violência à criança e ao adolescente
A escola e a violência à criança e ao adolescenteDaiane Andrade
 
Suicídio na adolescência
Suicídio na adolescência Suicídio na adolescência
Suicídio na adolescência Duda Grabin
 
Prostituição infantil
Prostituição infantilProstituição infantil
Prostituição infantilnany1523
 
Jornal do pai
Jornal do paiJornal do pai
Jornal do paigapski
 
Jornal do pai
Jornal do paiJornal do pai
Jornal do paigapski
 
Predadores Sexuais
Predadores SexuaisPredadores Sexuais
Predadores SexuaisMichele Pó
 
Predadores Sexuais
Predadores SexuaisPredadores Sexuais
Predadores SexuaisMichele Pó
 
Predadores Sexuais
Predadores SexuaisPredadores Sexuais
Predadores SexuaisMichele Pó
 
Predadores Sexuais
Predadores SexuaisPredadores Sexuais
Predadores SexuaisMichele Pó
 
EJA - PONTOS E CONTRA PONTOS
EJA - PONTOS E CONTRA PONTOSEJA - PONTOS E CONTRA PONTOS
EJA - PONTOS E CONTRA PONTOSAparecida Barbosa
 
Revista nova vida:mas que uma ajuda, uma prática do bem!
Revista nova vida:mas que uma ajuda, uma prática do bem!Revista nova vida:mas que uma ajuda, uma prática do bem!
Revista nova vida:mas que uma ajuda, uma prática do bem!neyrislane
 
Revista nova vida:mas que uma ajuda, uma aprática do bem
Revista nova vida:mas que uma ajuda, uma aprática do bemRevista nova vida:mas que uma ajuda, uma aprática do bem
Revista nova vida:mas que uma ajuda, uma aprática do bemsouzaabs
 
Segurança na Internet (folheto) - 2012/2013 - Azeitão
Segurança na Internet (folheto) - 2012/2013 - Azeitão Segurança na Internet (folheto) - 2012/2013 - Azeitão
Segurança na Internet (folheto) - 2012/2013 - Azeitão Gisélia Piteira
 
Gravidez na adolescência Gravidez e agora!
Gravidez na adolescência   Gravidez e agora!Gravidez na adolescência   Gravidez e agora!
Gravidez na adolescência Gravidez e agora!Teresa Monteiro
 
Eloá Prado - Maio Laranja - 8º Ano - Bartolomeu
Eloá Prado - Maio Laranja - 8º Ano - BartolomeuEloá Prado - Maio Laranja - 8º Ano - Bartolomeu
Eloá Prado - Maio Laranja - 8º Ano - BartolomeuPaulo Sérgio
 

Semelhante a Relatorio social adoção (20)

Amaz geral domingo15
Amaz geral domingo15Amaz geral domingo15
Amaz geral domingo15
 
A escola e a violência à criança e ao adolescente
A escola e a violência à criança e ao adolescenteA escola e a violência à criança e ao adolescente
A escola e a violência à criança e ao adolescente
 
Exploração infantil
Exploração infantilExploração infantil
Exploração infantil
 
Suicídio na adolescência
Suicídio na adolescência Suicídio na adolescência
Suicídio na adolescência
 
Prostituição infantil
Prostituição infantilProstituição infantil
Prostituição infantil
 
DW Debate:Abuso sexual de Menores em Angola
DW Debate:Abuso sexual de Menores em AngolaDW Debate:Abuso sexual de Menores em Angola
DW Debate:Abuso sexual de Menores em Angola
 
Palavra jovem n 03 2013
Palavra jovem n 03 2013Palavra jovem n 03 2013
Palavra jovem n 03 2013
 
Jornal do pai
Jornal do paiJornal do pai
Jornal do pai
 
Jornal do pai
Jornal do paiJornal do pai
Jornal do pai
 
Predadores Sexuais
Predadores SexuaisPredadores Sexuais
Predadores Sexuais
 
Predadores Sexuais
Predadores SexuaisPredadores Sexuais
Predadores Sexuais
 
Predadores Sexuais
Predadores SexuaisPredadores Sexuais
Predadores Sexuais
 
Predadores Sexuais
Predadores SexuaisPredadores Sexuais
Predadores Sexuais
 
EJA - PONTOS E CONTRA PONTOS
EJA - PONTOS E CONTRA PONTOSEJA - PONTOS E CONTRA PONTOS
EJA - PONTOS E CONTRA PONTOS
 
Revista nova vida:mas que uma ajuda, uma prática do bem!
Revista nova vida:mas que uma ajuda, uma prática do bem!Revista nova vida:mas que uma ajuda, uma prática do bem!
Revista nova vida:mas que uma ajuda, uma prática do bem!
 
Revista nova vida:mas que uma ajuda, uma aprática do bem
Revista nova vida:mas que uma ajuda, uma aprática do bemRevista nova vida:mas que uma ajuda, uma aprática do bem
Revista nova vida:mas que uma ajuda, uma aprática do bem
 
Jornal digital 4723 sex-31072015
Jornal digital 4723 sex-31072015Jornal digital 4723 sex-31072015
Jornal digital 4723 sex-31072015
 
Segurança na Internet (folheto) - 2012/2013 - Azeitão
Segurança na Internet (folheto) - 2012/2013 - Azeitão Segurança na Internet (folheto) - 2012/2013 - Azeitão
Segurança na Internet (folheto) - 2012/2013 - Azeitão
 
Gravidez na adolescência Gravidez e agora!
Gravidez na adolescência   Gravidez e agora!Gravidez na adolescência   Gravidez e agora!
Gravidez na adolescência Gravidez e agora!
 
Eloá Prado - Maio Laranja - 8º Ano - Bartolomeu
Eloá Prado - Maio Laranja - 8º Ano - BartolomeuEloá Prado - Maio Laranja - 8º Ano - Bartolomeu
Eloá Prado - Maio Laranja - 8º Ano - Bartolomeu
 

Mais de Diario de Assistente Social (12)

Assistencia estudantil carlos daniel
Assistencia estudantil carlos danielAssistencia estudantil carlos daniel
Assistencia estudantil carlos daniel
 
Assistencia estudantil
Assistencia estudantilAssistencia estudantil
Assistencia estudantil
 
Legislacao e resolucoes_as
Legislacao e resolucoes_asLegislacao e resolucoes_as
Legislacao e resolucoes_as
 
400 questões conhecimentos específicos (1)
400 questões conhecimentos específicos (1)400 questões conhecimentos específicos (1)
400 questões conhecimentos específicos (1)
 
O estatuto do idoso comentado
O estatuto do idoso comentadoO estatuto do idoso comentado
O estatuto do idoso comentado
 
COdigo de ética do Assistente social
COdigo de ética do Assistente socialCOdigo de ética do Assistente social
COdigo de ética do Assistente social
 
O atendimento de cea no creas
O atendimento de cea no creasO atendimento de cea no creas
O atendimento de cea no creas
 
As nas varas de familia
As nas varas de familiaAs nas varas de familia
As nas varas de familia
 
Yazbek maria-carmelita.-estado-e-políticas-sociais
Yazbek maria-carmelita.-estado-e-políticas-sociaisYazbek maria-carmelita.-estado-e-políticas-sociais
Yazbek maria-carmelita.-estado-e-políticas-sociais
 
Apostila de questãƒ_es_do_suas_2_(1)-1
Apostila de questãƒ_es_do_suas_2_(1)-1Apostila de questãƒ_es_do_suas_2_(1)-1
Apostila de questãƒ_es_do_suas_2_(1)-1
 
Apostila sus para concursos
Apostila   sus para concursosApostila   sus para concursos
Apostila sus para concursos
 
Dicionario de Assistente social
Dicionario de Assistente socialDicionario de Assistente social
Dicionario de Assistente social
 

Relatorio social adoção

  • 1. Ação Social xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx CGC. xxxxxxx/xxxx-xx Rua Tijolinhos Dourado, nº466 - Neverland CEP. Xxxxx-xxx Tel.xxx.xxxx.xxxx Relatório Social Identificação Nome: John Doe Data Nascimento: xx/xx/1999 Naturalidade: Maranhão Filiação: Branca de Neve Documentação: RCN. Nº xxxxx, Lv.xx-Z, Fls.xxxx Responsável: Branca de Neve Vínculo com a criança: Genitora Identidade: Data de Nascimento: Profissão: Endereço: Procedência: Conselho Tutelar de Neverland Caso: Data de Entrada: xx/xx/xxxx Motivo do Abrigamento: Negligência Justificativa: Reavaliação das Medidas de Abrigo
  • 2. Sumário Social Relatório referente à criança/adolescente John Doe. Através deste, objetivamos informar aspectos significativos referentes ao adolescente John Doe, 12 anos de idade, filho de Branca de Neve, sendo sua data de abrigamento no dia XX/XX/XX conforme determinação do Conselho Tutelar de Neverland . Durante trabalho social, refletindo com o adolescente sobre sua trajetória de vida, John relatou desconhecer seu genitor sem nem ao menos, saber seu nome. Sobre sua genitora, o adolescente revelou ter tido pouco contato com ela. Disse que “sua mãe é dona Cinderela”.O adolescente acrescentou que residia no Maranhão e que “desde pequeno” fazia pequenos serviços para seus próprios gastos(roupas,lanches e drogas). Disse que a Sra. Cinderela é boa e a considera como mãe. Disse saber que tem irmãos, porém desconhece os mesmos. John disse ter sido matriculado na rede de ensino público, todavia apresenta baixa escolaridade. O adolescente acrescentou que no Maranhão tinha “amigos” e com o grupo saia e fazia pequenos furtos, também junto ao grupo chegou a experimentar drogas. John ressaltou que passava grande parte do dia na rua chegando a dormir fora de casa. O adolescente expôs que “se sente grande” e durante reflexão percebemos que se comporta como se tivesse mais idade. John aparenta que em companhia da Sra.Cinderela vivia sem respeitar regras e limites. O adolescente enfatizou que a Sra. Princesa, filha de Sra. Cinderela, a quem chama de tia, foi até o Maranhão e após conversa, decidiram que ele deveria “passar uns dias com a Sra. Princesa . Concluiu que, logo que chegou ao Rio de Janeiro foi matriculado na rede de ensino público,porém não freqüentou as aulas. Com espaço de tempo fez novos amigos , passou a fazer “biscates”, ficando maior parte do tempo na rua, retornando a situação de risco social. Percebemos que o adolescente sente “saudades” da família acima citada. Quando solicitado, mostra-se participativo.
  • 3. Entendemos a necessidade que o adolescente tem de viver em família, todavia é importante valorizar que essa família seja embasada em regras e limites. Em trabalho técnico social, realizamos contato telefônico com a Sra. Princesa. Disse que é filha da Sra. Cinderela e que sua mãe “criou” a mãe de John, e referindo-se a mãe do adolescente em pauta, Sra. Branca de Neve, disse que a mesma “não tem juízo. Destacou que a Sra. Branca de Neve, tem outros filhos de companheiros diferentes e que no momento sabe apenas que continua a morar no Maranhão, porém não sabe precisar o local. Sobre o adolescente, disse que a sua mãe assim como ajudou a Sra. Branca de Neve, “ficou” com John, e que o menino é carismático e muito prestativo, mas que conforme foi crescendo passou a não mais respeitar a sua mãe. A Sra. Princesa enfatizou que entendendo a situação de sua mãe, Sra. Cinderela, foi até o Maranhão e com ciência do Conselho Tutelar daquela localidade, trouxe John para o Neverland acreditando que poderia estudar e viver uma vida regrada.A Sra.Princesa reconhece que seu tempo é ínfimo para atender as necessidades de um adolescente e que John também em sua companhia continuava a viver de forma desregrada.Revelou que reside no R1 neste Estado e que naquela comunidade, John estava se envolvendo com más amizades, ficando vulnerável a atos ilícitos. Disse que matriculou o adolescente na rede de ensino público, porém o menino não freqüentava as aulas. A Sra. Princesa comprometeu-se em comparecer no Abrigo a fim de firmarmos melhor contato objetivando buscarmos orientação junto ao Conselho Tutelar de Lugar Nenhum-MA e Conselho Tutelar de Neverland, uma vez que, junto a cidade de origem do adolescente, solicitou autorização para John viajar sob sua responsabilidade para esta Cidade. Nesta Instituição, John recebeu visita da Sra. Princesa uma vez, e enquanto abrigado, participa das atividades de rotina da casa assim como de festas , passeios e eventos sociais e religiosos da comunidade. Recebe apoio sócio educativo e religioso, assim como acompanhamento médico quando necessário. No cotidiano, John demonstra afetividade para com o grupo assim como com os funcionários. Solicitamos documentação escolar à Sra. Princesa a fim de efetivarmos sua matricula na rede de ensino público.
  • 4. A nosso ver, entendemos que esse caso requer atenção especial uma vez que a família de origem do adolescente reside em outro Estado. Ressaltamos o desejo que o menino tem de conviver em família, porém enfatizamos a importância de melhor aprofundamento do caso a fim de conhecermos melhor a história de vida de John objetivando os encaminhamentos legais que venham garantir ao adolescente desenvolvimento pleno. Sendo assim encaminhamos o caso à X promotoria de Justiça Regional da Infância e Juventude da Capital de Neverland para decisão e apreciação. Neverland, xx de xxxxxxxx de 2111. ________________________________ Mary Richmond Assistente Social CRESS 00001 / 0 Região