Situação de aprendizagem machado de assis

1.252 visualizações

Publicada em

Situação de Aprendizagem a partir do capítulo 14 - O primeiro beijo, de Memórias Póstumas de Brás Cubas, Machado de Assis

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.252
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
45
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • A disciplinaridade delimita áreas de competência que permitem focalizar a atenção sobre um objeto de estudo. Porém, a hiperespecialização torna o homem fragmentado. A busca por um ser humano integral leva à transdisciplinaridade (Interação com as disciplinas, complementaridade)
  • Situação de aprendizagem machado de assis

    1. 1. Situação de Aprendizagem9. AnoCapítulo XIV - O primeiro beijo
    2. 2. CursoLíngua Portuguesa nos anos finais do Ensino FundamentalSituação de Aprendizagem: Atividades de leitura e escrita combase no Capítulo XIV - O primeiro beijo, de Memórias Póstumas deBrás Cubas, de Machado de AssisProfessoras Autoras: Daniela, Elizangela, Érica, Fernanda,Margarete, Valéria, Zuleica
    3. 3. Sumário Introdução sobre a Prática de Leitura Habilidades a serem exploradas antes da leitura integral do texto Levantamento do conhecimento prévio sobre o assunto Antecipação do tema ou idéia principal a partir dos elementos paratextuais Antecipação do tema ou idéia principal a partir do exame de imagens Explicitação das expectativas de leitura a parir da análise dos índices anteriores Habilidades a serem exploradas durante a leitura integral do texto Confirmação ou retificação das antecipações ou expectativas de sentido criadas antesda leitura Localização do tema ou da idéia principal Esclarecimento de palavras desconhecidas a partir de inferência ou consulta adicionário Identificação das pistas linguísticas responsáveis por introduzir no texto a posição doautor Habilidades a serem exploradas após a leitura integral do texto Busca de informações complementares por meio de consulta a Internet e outrasfontes Construção da síntese semântica do texto Troca de impressões a respeito dos textos lidos, fornecendo indicações parasustentação de sua leitura e acolhendo outras posições Avaliação crítica do texto Considerações Finais Referências Bibliográficas
    4. 4. Introdução sobre a Prática de Leitura ... o cidadão, para exercer plenamente suacidadania, precisa apossar-se da linguagemliterária, alfabetizar-se nela, tornar-se seuusuário competente, mesmo que nunca váescrever um livro: mas porque precisa lermuitos. ( LAJOLO, 2000 , p. 106)
    5. 5. Introdução sobre a Prática de Leitura ... na medida em que a linguagem é umaconstrução da cultura, para que ocorra ainteração entre o leitor e o texto, e para queessa interação constitua o que se costumaconsiderar uma experiência poética, épreciso que o leitor tenha possibilidade depercepção e reconhecimento – mesmo queinconscientes – dos elementos de linguagemque o texto manipula.(LAJOLO, 2000, p. 45)
    6. 6. Introdução sobre a Prática de Leitura Ler é sempre colocar questões a um texto: é um atovoluntário que evocamos previamente. É por isso que um textopode ser compreendido de diversas maneiras. Pretender queexista uma única forma “correta” de interpretar um poema, umromance ou qualquer outro texto, é impedir que o leitor coloqueas questões que deseja, que são cabíveis para ele; é, portanto,anular a construção de sua própria compreensão(BARBOSA,1994, P. 118).
    7. 7.  Objetivos Desenvolver habilidades de leitura de textos narrativos; Despertar a sensibilidade para o texto literário; Desenvolver as habilidades de interpretação, escrita e produção detexto. Duração das atividades3 a 6 aulas Estratégias e recursos da aula Atividades de discussão (oralmente) que enfoquem as habilidadesde inferência do tema a partir da leitura do título do texto e deimagens relacionadas ao tema (primeiro beijo); Atividades de leitura, focalizando o texto selecionado; Atividades de interpretação e estudo do texto, focalizando o autor,o gênero, o discurso e a linguagem. Atividades de produção, focalizando as habilidades escritorasSituação de Aprendizagem
    8. 8. Primeira aula – Despertando interesse pelo tema.O professor fará uma discussão com os alunos sobreo tema “Primeiro Beijo”, trabalhando as habilidadesseguintes: conhecimento prévio antecipação do tema ou ideia principalHabilidades a serem exploradas antesda leitura integral do texto
    9. 9. Habilidades a serem exploradas antesda leitura integral do texto Levantamento do conhecimento prévio sobre beijo Leitura de imagens
    10. 10. Habilidades a serem exploradas antesda leitura integral do texto Levantamento do conhecimento prévio sobre beijo Leitura de imagens
    11. 11. Habilidades a serem exploradas antesda leitura integral do texto Levantamento do conhecimento prévio sobre beijo Leitura de imagens
    12. 12. Habilidades a serem exploradas antesda leitura integral do texto Antecipação do tema ou ideia principal a partir doselementos paratextuais. Antecipação do tema ou ideia principal a partir doexame de imagensApresentar uma cópia do texto abaixo para os alunos.CAPÍTULO XIV / O PRIMEIRO BEIJO(Este trecho do texto foi retirado do livro Memórias Póstumas de BrásCubas, de Machado de Assis) QUESTÕES:1. A partir das imagens e do título do texto que vamos ler, o que vocêsesperam encontrar?2. Qual tema vocês esperam encontrar na leitura?
    13. 13. Habilidades a serem exploradas antesda leitura integral do texto Explicitação das expectativas de leitura apartir da análise dos índices anteriores Questões para motivar a leitura: Vocês conhecem o autor Machado de Assis? O que vocês sabem sobre a época em que olivro foi publicado (1881)? Você sabe como era o namoro e o beijo naquelaépoca? Como deve ser o primeiro beijo, na sua opinião?
    14. 14. Memórias Póstumas de Brás Cubas – Machado de AssisCAPÍTULO 14 - O Primeiro BeijoTinha dezessete anos; pungia-me um buçozinho que eu forcejava por trazer a bigode. Os olhos, vivos eresolutos, eram a minha feição verdadeiramente máscula. Como ostentasse certa arrogância, não sedistinguia bem se era uma criança com fumos de homem, se um homem com ares de menino. Ao cabo,era um lindo garção, lindo e audaz, que entrava na vida de botas e esporas, chicote na mão e sanguenas veias, cavalgando um corcel nervoso, rijo, veloz, como o corcel das antigas baladas, que oromantismo foi buscar ao castelo medieval, para dar com eles nas ruas do nosso século. O pior é que oestafaram a tal ponto, que foi preciso deitá-lo à margem, onde o realismo o veio achar, comido delazeira e vermes, e, por compaixão, o transportou para os seus livros.Sim, eu era esse garção bonito, airoso, abastado; e facilmente se imagina que mais de uma damainclinou diante de mim a fronte pensativa, ou levantou para mim os olhos cobiçosos. De todas porém aque me cativou logo foi uma... uma... não sei se diga; este livro é casto, ao menos na intenção; naintenção é castíssimo. Mas vá lá; ou se há de dizer tudo ou nada. A que me cativou foi uma damaespanhola. Marcela, a "linda Marcela", como lhe chamavam os rapazes do tempo. E tinham razão osrapazes. Era filha de um hortelão das Astúrias; disse-mo ela mesma, num dia de sinceridade, porque aopinião aceita é que nascera de um letrado de Madrid, vítima da invasão francesa, ferido, encarcerado,espingardeado, quando ela tinha apenas doze anos.Cosas de España. Quem quer que fosse, porém, o pai, letrado ou hortelão, a verdade é que Marcelanão possuía a inocência rústica, e mal chegava a entender a moral do código. Era boa moça, lépida,sem escrúpulos, um pouco tolhida pela austeridade do tempo, que lhe não permitia arrastar pelas ruas
    15. 15. os seus estouvamentos e berlindas; luxuosa, impaciente, amiga de dinheiro e de rapazes. Naquele ano,ela morria de amores por um certo Xavier, sujeito abastado e tísico, - uma pérola.Via-a, pela primeira vez, no Rossio Grande, na noite das luminárias, logo que constou a declaração daindependência, uma festa de primavera, um amanhecer da alma pública. Eramos dois rapazes, o povoe eu; vínhamos da infância, com todos os arrebatamentos da juventude. Via-a sair de uma cadeirinha,airosa e vistosa, um corpo esbelto, ondulante, um desgarre, alguma coisa que nunca achara nasmulheres puras. - Segue-me, disse ela ao pajem. E eu seguia-a, tão pajem como o outro, como se aordem me fosse dada, deixei-me ir namorado, vibrante, cheio das primeiras auroras. A meio caminho,chamaram-lhe "linda Marcela", lembrou-me que ouvira tal nome a meu tio João, e fiquei, confesso quefiquei tonto.Três dias depois perguntou-me meu tio, em segredo, se queria ir a uma ceia de moças, nos Cajueiros.Fomos; era em casa de Marcela. O Xavier, com todos os seus tubérculos, presidia ao banquetenoturno, em que eu pouco ou nada comi, porque só tinha olhos para a dona da casa. Que gentil queestava a espanhola! Havia mais uma meia dúzia de mulheres, - todas de partido -, e bonitas, cheias degraça, mas a espanhola... O entusiasmo, alguns goles de vinho, o gênio imperioso, estouvado, tudoisso me levou a fazer uma coisa única; à saída, à porta da rua, disse a meu tio que esperasse uminstante, e tornei a subir as escadas.Memórias Póstumas de Brás Cubas – Machado de AssisCAPÍTULO 14 - O Primeiro Beijo (continuação)
    16. 16. - Esqueceu alguma coisa? perguntou Marcela de pé no patamar.- O lenço.Ela ia abrir-me caminho para tornar à sala; eu segurei-lhe nas mãos, puxei-a para mim, e dei-lhe umbeijo. Não sei se ela disse alguma coisa, se gritou, se chamou alguém; não sei nada; sei que descioutra vez as escadas, veloz como um tufão, e incerto como um ébrio.Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/bv000215.pdf Acesso em 16.06.2013.Memórias Póstumas de Brás Cubas – Machado de AssisCAPÍTULO 14 - O Primeiro Beijo (continuação)
    17. 17. Habilidades a serem exploradas durantea leitura integral do texto Confirmação ou retificação das antecipaçõesou expectativas de sentido criadas antes daleitura. Durante a leitura compartilhada, o professordeve: Realizar pausas para confirmar ou retificar asexpectativas explicitadas pelos alunos antes da leitura. Esclarecer palavras desconhecidas, desenvolvendo nosalunos habilidades de inferência ou de consulta adicionário.
    18. 18. Habilidades a serem exploradas durantea leitura integral do texto Localização do tema ou da idéia principal Qual é o tema do texto? Em que passagem do texto isso ficaevidente? O que o primeiro beijo representou para avida do narrador-personagem?
    19. 19. Habilidades a serem exploradas durantea leitura integral do texto Esclarecimento de palavras desconhecidas a partir deinferência ou consulta a dicionárioDurante a leitura deve-se pedir para que os alunos deduzam ossignificados das palavras a partir do contexto.Em uma primeira aproximação devemos procurar entender otexto globalmente. A mediação de um leitor mais experientedeve suprir as falhas de compreensão durante a leituracompartilhada.A busca das palavras desconhecidas em dicionário poderá serrealizada após a leitura, como forma de fixação de novovocabulário.
    20. 20. Habilidades a serem exploradas durantea leitura integral do texto Identificação das pistas linguísticas responsáveispor introduzir no texto a posição do autorPara ajudar os alunos a desenvolver essapercepção, pedir para que analisem, durante aleitura, o discurso do autor: sua subjetividade, suaconcepção de mundo,seus preconceitos, sua ironia,o uso que faz de estereótipos sociais e culturais,como constrói representações sociais e políticas etc.
    21. 21. Habilidades a serem exploradas apósa leitura integral do texto Busca de informações complementares por meio deconsulta a Internet e outras fontes (sugestões): Pesquisar sobre o autor, a obra e o contexto de publicação. Pesquisar outros textos do mesmo autor para contextualizaro estilo de escrita de Machado de Assis. Pesquisar outros romances para sistematizar característicasdo gênero. Pesquisar outros textos literários e/ou não literários queabordam o mesmo tema.
    22. 22. Habilidades a serem exploradas apósa leitura integral do texto Busca de informações complementares por meio deconsulta a Internet e outras fontesPesquisar o site:http://www.comelliphilatelist.com/artigos3.asp?id=262para conhecer mais sobre os locais citados no texto:CAJUEIROS (rua dos) – Recebeu esse nome porque tinhauma saída particular para a antiga rua Princesa dos Cajueiros(atual Barão de São Felix). Foi aberta em 1809 nos terrenosde Emerenciana Isabel Dantas e Castro e do brigadeiroDomingos José Pereira. Em 30.10.1948, através do Decreto187, teve o nome alterado para rua Alfredo Dolabela Portela,industrial e empreiteiro do Governo republicano, que faleceuem 13.11.1940.
    23. 23. Habilidades a serem exploradas apósa leitura integral do texto Busca de informações complementares por meio de consulta a Internet eoutras fontesPesquisar o site:http://oriodeantigamente.blogspot.com.br/search/label/PRA%C3%87AS%20E%20AVENIDAS%20DO%20RJ para conhecer mais sobre os locais citados no texto:A atual Praça Tiradentes teve origem, nos idos do Séc. XVII, no desmembramentodo então chamado Campo de São Domingos. Em 1690 chamava-se Rocio Grande, emclara alusão ao Largo do Rocio lisboeta; mais tarde, passou a Campo dos Ciganos,devido à chegada, de Portugal, de um grupo desses nômades, e que ali montaram, poralgum tempo, suas barracas. A partir de 1747, com a construção da Capela de NªSª daLampadosa, passou a ser conhecida como Campo da Lampadosa. Em 1808, passou aser o Campo do Polé, graças à instalação, no local, de um pelourinho. Em 1821, passoua ser chamada Praça da Constituição; D. Pedro, assumindo o posto de PríncipeRegente, jurou fidelidade à Constituição Portuguesa de uma das varandas do RealTeatro São João que ficava onde, hoje, encontra-se o Teatro João Caetano. Finalmente,em 1890, ao aproximar-se o centenário da morte de Joaquim José da Silva Xavier,passou a ter o nome de Praça Tiradentes, pela proximidade do local onde seacredita ter sido enforcado o protomártir da Independência.No centro da praça, o monumento a Pedro I, mandado erigir por Pedro II, foiinaugurado em 1862. Apresenta o Imperador a cavalo, fardado de general,segurando com a mão esquerda as rédeas, enquanto com a direita exibe aConstituição de 1824.(Há quem acredite tratar-se das cartas recebidas às margens doIpiranga.)
    24. 24. Habilidades a serem exploradas apósa leitura integral do texto Busca de informações complementares por meio de consulta a Internet e outrasfontes
    25. 25. Habilidades a serem exploradas apósa leitura integral do texto Busca de informações complementares por meio de consulta a Internet e outrasfontes
    26. 26. Habilidades a serem exploradas apósa leitura integral do texto Atividade de Leitura ComplementarLeia o texto Meu primeiro beijo, de Antonio Barreto.(BARRETO, Antonio. Meu primeiro beijo. Balada do primeiro amor. SãoPaulo: FTD, 1977. p. 134-6.)Após a leitura responda:a) Em que momento aconteceu o primeiro beijo da personagem?Explique as diferenças em relação ao texto de Machado de Assis.b) Como foi o primeiro beijo para personagem? Explique asdiferenças em relação ao texto de Machado de Assis.c) Qual o foco narrativo do texto? Justifique com um trecho do texto.
    27. 27. Habilidades a serem exploradas depoisda leitura integral do texto Identificar referências a outros textos buscandoinformações adicionais se necessário. Compare a sociedade retratada na obra de Machado deAssis com a sociedade contemporânea. Compare os textos dos dois autores, Machado de Assis eAntonio Barreto, e responda: quais sentimentos ousensações são relacionadas à experiência do primeirobeijo?
    28. 28. Habilidades a serem exploradas depoisda leitura integral do texto Troca de impressões a respeito dos textos lidos,fornecendo indicações para sustentação de sualeitura e acolhendo outras posições. Comparando os dois textos responda: O que representou para cada personagem aexperiência do primeiro beijo descrita em cadatexto? Como a linguagem foi empregada pelosautores?
    29. 29. Habilidades a serem exploradas depoisda leitura integral do texto Avaliação crítica do textoCada leitor deve ser estimulado a posicionar-se frente ao queleu, mas isso pressupõe deslocar-se do ponto de vistapessoal para ir ao encontro do ponto de vista do outro.Questões:1. O que você pensa sobre os textos?2. O que cada texto revela sobre o beijo (no séc. XIX eatualmente)?3. Como você avalia a atitude do narrador-personagem nomomento em que beija Marcela e no momento do beijo nahistória de A.Barreto?4. Eles revelam sentimentos em relação ao beijo? Quais?
    30. 30. Habilidades a serem exploradas depoisda leitura integral do texto Avaliação(Habilidade: Identificar marcas do foco narrativo numenunciado de narrativa literária.)Questões:1. Quem é o narrador da história?2. Como se classifica esse tipo de narrador?3. Identifique um trecho que comprove suaresposta.
    31. 31. Habilidades a serem exploradas depoisda leitura integral do texto Avaliação(Habilidade: Reconhecer o efeito de sentido decorrente daescolha de uma determinada palavra ou expressão.)Questão:Explique os sentidos que a palavra independênciaadquire no início do quarto parágrafo.(Resp.: Independência do Brasil / independência do narrador-personagem: “Éramos dous rapazes, o povo e eu vínhamos dainfância, com todos os arrebatamentos da juventude”)
    32. 32. Habilidades a serem exploradas depoisda leitura integral do texto Avaliação(Habilidade: Identificar o efeito de sentido produzido em um textoliterário, pelo uso intencional de pontuação expressiva.)Questão:Analise o uso das reticências no trecho: “De todas porém aque me cativou logo foi uma... uma... não sei se diga; estelivro é casto, ao menos na intenção é castíssimo.” Pode-sedizer que o efeito de sentido criado pelo autor é:a) demonstrar que não lembrava quem era a moçab) expressar dúvida sobre quem era a moçac) expressar hesitação quanto ao uso de uma palavra que nãofosse castad) expressar uma certeza sobre quem era a moça
    33. 33. Habilidades a serem exploradas depoisda leitura integral do texto Avaliação da habilidade de escritaApós os discentes lerem e analisarem os dois textospedir para que produzam um texto narrativoexplorando o tema “Meu Primeiro Beijo”.OBS.: Orientá-los sobre os elementos e osmomentos da narrativa.
    34. 34. CONSIDERAÇÕES FINAIS“Só assim a alfabetização cobra sentido. É aconsequência de uma reflexão que o homemcomeça a fazer sobre sua própria capacidade derefletir. Sobre sua posição no mundo. Sobre o mundomesmo. Sobre o seu trabalho. Sobre seu poder detransformar o mundo. Sobre o encontro dasconsciências. (...) nos parece válido o trabalho daalfabetização, em que a palavra seja entendida pelohomem na sua justa significação: como uma força detransformação do mundo.”(Paulo Freire, 1975, p. 142)
    35. 35. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASBARBOSA, J. J. Alfabetização e leitura. 2. ed. São Paulo: Cortez,1994.BARRETO, Antonio. Meu primeiro beijo. Balada do primeiro amor.São Paulo: FTD, 1977. p. 134-6.FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. 5.ed. Rio deJaneiro: Paz e Terra,1975.LAJOLO, M. Do mundo da leitura para a leitura do mundo. 5.ed.São Paulo: Ática, 2000.ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social.São Paulo: Parábola Editorial, 2009.SÃO PAULO (Cidade) Secretaria Municipal de Educação. Diretoriade Orientação Técnica. Referencial de expectativas para odesenvolvimento da competência leitora e escritora nociclo II do Ensino Fundamental. São Paulo: SME/DOT 2006.

    ×