SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
Plano Anual de Física para o Ensino Médio


            DISCIPLINA                         SEGMENTO                            PROFESSOR
               Física                         Ensino Médio                       Eric Novais Silva


                                              JUSTIFICATIVA
A Física é uma disciplina pura e aplicada, na qual está presente em nosso cotidiano, ou seja, faz parte de
nossa vida, de forma clara, transparente, evidente mostrando sua face equacional e dedutiva. A Física
pode ser mostrada de duas formas, o que chamamos de Física Teórica (explicação dos fenômenos através
de algoritmos matemáticos, tabelas e gráficos) e a Física Experimental (explicação do fenômeno físico
através da parte prática). A Física deve contribuir para a formação de sua cultura científica efetiva que
permita ao individuo a interpretação de fatos, fenômenos e processos naturais, que possam ser
elaborados através de modelos, onde estes podem ser construídos a partir da necessidade explicativa de
evidencias, em relação direta com os fenômenos macroscópicos que se quer explicar.


                                               OBJETIVOS
Representação e      Símbolos, códigos e nomenclaturas de ciências e tecnologia
Comunicação                 Reconhecer e saber utilizar corretamente símbolos, códigos e nomenclaturas
                            de grandezas da física; por exemplo: nas informações em embalagens de
                            produtos reconhecerem símbolos de massa ou volume; nas previsões
                            climáticas identificar temperaturas, pressão, índices pluviométricos; no
                            volume de auto-falantes reconhecer a intensidade sonora (dB); em estradas
                            ou aparelhos velocidades (m/s, km/h, rpm); em aparelhos elétricos códigos
                            como W, V ou A; em tabelas de alimentos valires calóricos.
                            Conhecer as unidades e as relações entre as unidades de uma mesma
                            grandeza física para fazer traduções entre elas e utilizá-las adequadamente.
                            Por exemplo, identificar que uma caixa-d’água de 2m³ é uma caixa de 2000 L
                            ou que uma tonelada é uma unidade mais apropriada para expressar o
                            carregamento de um navio do que um milhão de gramas.

                     Articulação dos símbolos e códigos de ciência e tecnologia
                              Ler e interpretar corretamente tabelas, gráficos, esquemas e diagramas
                              apresentados em textos. Por exemplo: interpretar um gráfico de crescimento
                              ou da variação de temperatura ambiente; compreender o esquema de uma
                              montagem elétrica; ler um medidor de água ou de energia elétrica;
                              interpretar um mapa meteorológico ou uma fotografia de radiação
                              infravermelha a partir da leitura de suas legendas.
                              Construir sentenças ou esquemas para a resolução de problemas; construir
                              tabelas e transformá-las em gráfico, para, por exemplo, descrever o consumo
                              de energia elétrica de uma residência ou o gasto de combustível de um
                              automóvel em função do tempo ou a posição relativa do Sol ao longo do dia
ou do ano.
        Compreender que tabelas, gráficos e expressões matemáticas podem ser
        diferentes formas de representações de uma mesma relação, com
        potencialidades e limitações próprias para ser capaz de escolher e fazer uso
        da linguagem mais apropriada em cada situação além de compreender que o
        consumo mensal de energia elétrica de uma residência ao longo do ano pode
        ser apresentado em uma tabela que organiza os dados ou em um gráfico que
        permite analisar melhor as tendências de consumo.

Análise e interpretação de textos e outras comunicações de ciência e tecnologia
        Ler e interpretar informações apresentadas em diferentes linguagens e
        representações (técnicas), como um manual de instalação de um
        equipamento, características de aparelhos eletrodomésticos ou esquemas de
        montagens de móveis.
        Acompanhar o noticiário relativo à ciência em jornais, revistas e notícias
        veiculadas pela mídia, identificando a questão em discussão e interpretando,
        com objetividade, seus significados e suas implicações para participar do que
        se passa à sua volta. Por exemplo, no noticiário sobre telefonia celular,
        identificar que essa questão envolve conhecimentos sobre radiações, suas
        faixas de frequência, processos de transmissão, além de incertezas quanto a
        seus possíveis efeitos sobre o ambiente e a saúde.

Elaboração de comunicações
        Descrever relatos de fenômenos ou acontecimentos que envolvam
        conhecimentos físicos como relatos de viagens, visitas ou entrevistas,
        apresentando com clareza e objetividade suas considerações e fazendo uso
        apropriado da linguagem da física. Por exemplo, elaborar o relatório da
        visita a uma usina de produção de energia ou algo do gênero, destacando a
        sua capacidade de geração de energia, o processo de produção e seus
        impactos locais sociais e ambientais.
        Elaborar relatórios analíticos, apresentando e discutindo dados e resultados,
        seja de experimentos, seja de avaliações críticas de situações, fazendo uso,
        sempre que necessário da linguagem física apropriada. Por exemplo,
        elaborar um relatório de pesquisa sobre vantagens e desvantagens do uso
        do gás como combustível automotivo, dimensionando a eficiência dos
        processos e os custos de operação envolvidos.
        Expressar-se de forma correta e clara em correspondência para os meios de
        comunicação ou via internet, apresentando pontos de vista, solicitando
        informações ou esclarecimentos técnico-científico. Por exemplo, escrever
        uma carta solicitando informações técnicas sobre aparelhos eletrônicos ou
        enviar um e-mail solicitando informações a um especialista em energia solar,
        explicando claramente suas dúvidas.

Discussão e argumentação de temas de interesse de ciência e tecnologia
        Compreender e emitir juízos próprios sobre notícias com temas relativos à
        ciência e à tecnologia, veiculadas pelas diferentes mídias, de forma analítica e
        crítica, posicionando-se com argumentação clara. Por exemplo, enviar um e-
        mail contra-argumentando uma notícia sobre as vantagens da expansão da
        geração termoelétrica brasileira.
        Argumentar claramente sobre seus pontos de vista, apresentando razões e
        justificativas claras e consistentes, como ao escrever uma carta solicitando
        ressarcimento dos gastos efetuados nos consertos de eletrodomésticos que
        se danificaram em consequência da interrupção do fornecimento de energia
elétrica, apresentando justificativas consistentes.
Investigação e   Estratégias para enfrentamento de situações-problema
compreensão              Reconhecer, frente a uma situação ou problema concreto, a natureza dos
                         fenômenos envolvidos, situando-os no conjunto de fenômeno da física, e
                         identificar as grandezas relevantes em cada caso. Assim, diante de um
                         fenômeno envolvendo calor, identificar fontes, processos envolvidos e seus
                         efeitos, reconhecendo variações de temperatura como indicadores
                         relevantes.

                 Interações, relações e funções; invariantes e transformações
                         Reconhecer a relação entre diferentes grandezas ou relações de causa-efeito
                         para ser capaz de estabelecer previsões. Assim, conhecer a relação entre
                         potência, voltagem e corrente para estimar a segurança do uso de
                         equipamentos elétricos ou a relação entre força e aceleração para prever a
                         distância percorrida por um carro após ser freado.
                         Identificar regularidades, associando fenômenos que ocorrem em situações
                         semelhantes para utilizar as leis que expressam essas regularidades na
                         análise e nas previsões de situações do dia-a-dia. Por exemplo, compreender
                         que variações de correntes elétricas estão associadas ao surgimento de
                         campos magnéticos pode possibilitar, eventualmente, identificar possíveis
                         causas de distorção das imagens de tevê ou causas de mau funcionamento de
                         um motor.
                         Reconhecer a existência de invariantes que impõe condições sobre o que
                         pode e o que não pode acontecer em processos naturais, para fazer uso
                         desses invariantes na análise de situações cotidianas. Assim, a conservação
                         da quantidade de movimento pode ser utilizada para prever possíveis
                         resultados do choque entre dois carros, a trajetória de uma bola após ter
                         batido na parede, o movimento dos planetas e suas velocidades ao redor do
                         Sol ou o equilíbrio de motos e bicicletas.
                         Identificar transformações de energia e a conservação que dá sentido a essas
                         transformações, quantificando-as quando necessário. Identificar também
                         formas de dissipação de energia e as limitações quanto aos tipos de
                         transformações possíveis impostas pela existência na natureza de processos
                         irreversíveis. Por exemplo, avaliar o trabalho necessário para erguer um
                         objeto ou empurrar um caixote, a potência de que o motor de um carro
                         precisa para súber uma ladeira ou a quantidade de calorias para exercício de
                         atividades esportivas.
                         Reconhecer a conservação de determinadas grandezas, como massa, carga
                         elétrica, corrente, etc., utilizando essa noção de conservação na análise de
                         situações dadas. Por exemplo, reconhecer a relação entre a vazão de entrada
                         e de saída de um sistema hidráulico ou da corrente elétrica que entra e a que
                         sai de um resistor.

                 Medidas, quantificações, grandezas e escalas
                       Fazer uso de forma e instrumentos de medidas apropriados para estabelecer
                       comparações quantitativas. Por exemplo, escolher a forma adequada para
                       medir a quantidade de água presente em um corpo ou a quantidade de
                       alimento em uma embalagem. Ou escolher a melhor forma para medir o
                       comprimento de uma sala ou a distância percorrida em uma trajeto longo.
                       Fazer estimativas de ordens de grandezas para poder fazer previsões. Por
                       exemplo, estimar o volume de água de um tanque ou de uma piscina e o
                       tempo necessário para esvaziá-la.
                       Compreender a necessidade de fazer uso de escalas apropriadas para ser
capaz de construir gráficos ou representações como a planta de uma casa ou
                          o mapa de uma cidade.

                   Modelos explicativos e representativos
                           Conhecer modelos físicos microscópicos para adquirir uma compreensão
                           mais profunda dos fenômenos e utilizá-los na análise de situações-problema.
                           Por exemplo, utilizar modelos microscópicos do calor para explicar as
                           propriedades térmicas dos materiais ou modelos da constituição da matéria
                           para explicar a absorção de luz e as cores dos objetos.
                           Interpretar e fazer uso de modelos explicativos reconhecendo suas condições
                           de aplicação. Por exemplo, compreender que o funcionamento de um
                           termômetro clínico pode ser explicado em termos macroscópicos pela
                           dilatação térmica do mercúrio, enquanto apenas o modelo microscópico da
                           matéria permite compreender o fenômeno da evaporação de um líquido.
                           Adquirir uma compreensão cósmica o Universo, das teorias relativas ao seu
                           surgimento e à sua evolução, assim como do surgimento da vida, de forma a
                           poder situar a Terra, a vida e o ser humano em suas dimensões espaciais e
                           temporais do Universo.
                           Na utilização de um conceito ou de uma unidade de grandeza reconhecer ao
                           mesmo tempo a sua generalidade e o se significado específico em cada
                           ciência. Por exemplo, energia, caloria ou equilíbrio são conceitos com
                           significados diferentes, embora correspondentes, em física, química ou
                           biologia.
                           Reconhecer na análise de um mesmo fenômeno as características de cada
                           ciência, de maneira a adquirir uma visão mais articulada dos fenômenos. Por
                           exemplo, no ciclo da água compreender que a física revela os aspectos das
                           transformações de estado e processos de circulação, enquanto a química
                           trata das diferentes reações e do papel das soluções, e a biologia analisa a
                           influencia nas cadeias alimentares e o uso do solo.
Contextualização   Ciência e tecnologia na história
sociocultural              Compreender a construção do conhecimento físico como um processo
                           histórico, em estreita relação com as condições sociais, políticas e
                           econômicas de uma determinada época. Compreender, por exemplo, a
                           transformação da visão de mundo geocêntrica para a heliocêntrica,
                           relacionando-a às transformações sociais que lhe são contemporâneas,
                           identificando as resistências, dificuldades e repercussões que acompanham
                           essa mudança.
                           Compreender o desenvolvimento histórico dos modelos físicos para
                           dimensionar corretamente os modelos atuais, sem dogmatismo ou certezas
                           definidas.
                           Compreender o desenvolvimento histórico da tecnologia nos mais diversos
                           campos e suas consequência para o cotidiano e as relações sociais de cada
                           época, identificando como seus avanços foram modificando as condições de
                           vida e criando novas necessidades. Esses conhecimentos são essenciais para
                           dimensionar corretamente o desenvolvimento tecnológico atual por meio de
                           suas vantagens e de seus condicionantes. Reconhecer, por exemplo, o
                           desenvolvimento de motores, ao domínio da aerodinâmica e á conquista do
                           espaço, identificando a evolução que vem permitindo ao ser humano
                           deslocar-se de um ponto a outro do globo terrestre em intervalos de tempo
                           cada vez mais curtos e identificando também os problemas decorrentes
                           dessa evolução.
                           Perceber o papel desempenhado pelo conhecimento físico no
                           desenvolvimento da tecnologia e a complexa relação entre ciência e
tecnologia ao longo da história. Muitas vezes, a tecnologia foi percebida pelo
       desenvolvimento da física, como no caso da fabricação de laser, ou em
       outras, foi a tecnologia que atendeu o conhecimento científico, como no caso
       das máquinas térmicas.

Ciência e tecnologia na cultura contemporânea
        Compreender a física como parte integrante da cultura contemporânea,
        identificando sua presença em diferentes âmbitos e setores, como nas
        manifestações artísticas ou literárias, em peças de teatro, letras de música,
        etc., estando atento à contribuição da ciência para a cultura humana.
        Promover e interagir com meios culturais e de difusão científica por meio de
        visitas a museus científicos ou tecnológicos, planetários, exposições, etc.,
        para incluir a devida dimensão da física e da ciência na apropriação dos
        espaços de expressão contemporâneos.
        Compreender formas pelas quais a física e a tecnologia influenciam nossa
        interpretação do mundo atual, condicionando maneira de pensar e interagir.
        Por exemplo, como a relatividade ou as idéias quânticas povoam o imaginário
        e a cultura contemporânea, conduzindo á extrapolação de seus conceitos
        para diversas áreas, como para a economia ou a biologia.

Ciência e tecnologia na atualidade
        Acompanhar o desenvolvimento tecnológico contemporâneo; por exemplo:
        estabelecendo contato com os avanços das novas tecnologias na medicina
        por meio de tomografias ou diferentes formas de diagnósticos; na agricultura
        nas novas formas de conservação de alimentos com o uso das radiações; na
        área de comunicação com os microprocessadores, CDs, DVDs, telefonia
        celular, tevê a cabo.

Ciência e tecnologia, ética e cidadania
        Compreender a responsabilidade social que decorre da aquisição de
        conhecimento, sentindo-se mobilizado para diferentes ações, seja na defesa
        da qualidade de vida e da qualidade das infra-estruturas coletivas, seja na
        defesa de seus direitos como consumidor.
        Promover situações que contribuam para a melhoria das condições de vida
        da cidade onde vive ou da preservação responsável do ambiente,
        conhecendo as estruturas de abastecimento de água e eletricidade de sua
        comunidade e dos problemas delas decorrentes, sabendo posicionar-se,
        argumentar e emitir juízos de valor.
        Reconhecer que, se a tecnologia melhora a qualidade de vida do ser humano,
        ela também pode ter efeitos que precisam ser ponderados quanto a um
        posicionamento responsável. Por exemplo, o uso de radiações ionizantes
        apresenta benefícios e riscos para a vida humana.
        Reconhecer em situações concretas a relação entre física e ética, seja na
        definição de procedimentos para a melhoria das condições de vida, seja em
        questões como do desarmamento nuclear ou em mobilizações pela paz
        mundial.
        Reconhecer que a utilização dos produtos da ciência e da tecnologia nem
        sempre é democrática, tomando consciência das desigualdades e da
        necessidade de soluções de baixo custo, como para ampliar o acesso à
        eletricidade.
CONTEÚDOS ESTRUTURANTES
Em busca de construir um ensino de Física centrado em conteúdos e metodologias capazes de possibilitar
aos estudantes uma reflexão sobre o Mundo das ciências sob a perspectiva de que esta não é somente
fruto da pura racionalidade cientifica, a Física deve educar para cidadania contribuindo para o
desenvolvimento de um sujeito critico. Para atender esta proposta a Física foi dividida em três conteúdos
estruturantes: MOVIMENTO (Trajetórias, Gravitação Universal e descrição clássica dos movimentos:
Inércia e Momentum), TERMODINÂMICA (Lei Zero da termodinâmica, Modelos de Calor, Vapor e
Movimento, Verso e reverso: a ordem do Universo, Pressão e Volume) e ELETROMAGNETISMO (Dualidade
Onda Partícula da Luz, a Natureza da Luz e suas Propriedades, Carga Elétrica, Geração mais transformação
igual à Conservação de Energia e Campos Eletromagnéticos), onde os conteúdos específicos por serie são
os seguintes:

1º ANO
         Introdução à Física
         Cinemática escalar
             o Introdução ao estudo dos movimentos
             o Estudo do movimento uniforme
             o Movimento uniformemente variado
             o Movimento vertical
             o Gráficos do MU e do MUV
         Cinemática vetorial
             o Vetores
             o Velocidade e aceleração vetorial
             o Lançamento horizontal e obliquo
             o Movimentos circulares
         Dinâmica
             o Os principio fundamentais da dinâmica
             o Força de atrito
             o Forças em trajetórias curvilíneas
         Os princípios da conservação
             o Trabalho
             o Energia
             o Impulso e quantidade de movimento
         Gravitação universal
         Hidrostática
             o Sistemas de forças aplicadas em um ponto material. Equilíbrio de um ponto material
             o Equilíbrio dos corpos extensos
             o Hidrostática
             o Hidrodinâmica

2º ANO
         Introdução à termologia
         A temperatura e seus efeitos
             o Termometria
             o Dilatação térmica de sólidos e líquidos
         A energia térmica em trânsito
             o Calorimetria
             o Mudanças de fase
             o Os diagramas de fases
             o Propagação de calor
         Estudo dos gases e termodinâmica
             o Estudo dos gases
             o As leis da termodinâmica
Óptica geométrica
            o Introdução à óptica geométrica
            o Reflexão da luz. Espelhos planos
            o Espelhos esféricos
            o Refração luminosa
            o Lentes esféricas delgadas
            o Instrumentos ópticos
         Ondas
            o Movimento harmônico simples
            o Ondas
            o Interferência de ondas
            o As ondas sonoras

3º ANO
         Conceitos básicos
         Cinemática escalar
         Cinemática vetorial
         Dinâmica
         Estática
         Hidrostática
         Termologia
         Óptica geométrica
         Ondulatória
         Eletrostática
         Eletrodinâmica
         Eletromagnetismo
         Física moderna


                                             METODOLOGIA
As aulas de Física em sala de aula serão expositivas e alguns experimentos simples serão feitos no
Laboratório. Uso de textos científicos para que os alunos conheçam outros ramos da Física e uso de Data
Show nas salas de aulas.


                                                AVALIAÇÃO
O aluno na disciplina de Física será avaliado de forma individualizada, ou seja, fará avaliações individuais
para engrandecer o seu conhecimento na disciplina. O aluno fará uma avaliação sem consulta marcada
pelo Colégio com valor 10,0 (dez) e assim bem como a sua recuperação com o mesmo valor. Os outros
20,0 (vinte) pontos serão ministrados na forma de trabalhos, pesquisa em Internet, listas de exercícios,
Semana Cultural, uso do livro didático (interpretação e elaboração de síntese dos textos), participação nos
projetos e aulas práticas bem como em outras avaliações individuais.


                                    REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
BONJORNO, José Roberto [et al]. Terceirão física: teoria e cadernos de atividades. São Paulo: FTD, 2009.
BONJORNO, José Roberto. RAMOS, Clinton Márcio. Física – História e Cotidiano: volumes 1, 2 e 3. São
Paulo: FTD, 2003.
GASPAR, Alberto. Física, volume único. São Paulo: Ática, 2005.
JÚNIOR, Francisco Ramalho. FERRARO, Nicolau Gilberto. SOARES, Paulo Antônio de Toledo. Os
fundamentos da física. Volumes 1, 2 e 3. São Paulo: Moderna, 2007.
LUZ, Antônio Máximo Ribeiro da. ÁLVARES, Beatriz Alvarenga. Física: volumes 1, 2 e 3. São Paulo: Scipione,
2005.
SAMPAIO, José Luiz. CALÇADA, Caio Sérgio. Universo da física: volumes 1, 2 e 3. São Paulo: Atual, 2005.
SANT’ANNA [et al] Conexões com a Física: volumes 1, 2 e 3. São Paulo: Moderna, 2010.
TORRES, Carlos Magno A. FERRARO, Nicolau Gilberto. SOARES, Paulo Antonio de Toledo. Física – Ciência e
Tecnologia: volumes 1, 2 e 3. São Paulo: Moderna, 2010.




                                                                         Brumado, 09 de fevereiro de 2012.




                                                 Diretora




                                        Coordenadora Pedagógica




                                          Professor da Disciplina

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Aula de Eletricidade 9º Ano (FÍSICA - Ensino Fundamental EF)
Aula de Eletricidade 9º Ano (FÍSICA - Ensino Fundamental EF) Aula de Eletricidade 9º Ano (FÍSICA - Ensino Fundamental EF)
Aula de Eletricidade 9º Ano (FÍSICA - Ensino Fundamental EF)
 
Termodinâmica
TermodinâmicaTermodinâmica
Termodinâmica
 
Eletrodinâmica
EletrodinâmicaEletrodinâmica
Eletrodinâmica
 
Aula 11 associação de resistores
Aula 11   associação de resistoresAula 11   associação de resistores
Aula 11 associação de resistores
 
Campo elétrico
Campo elétricoCampo elétrico
Campo elétrico
 
Máquinas térmicas
Máquinas térmicasMáquinas térmicas
Máquinas térmicas
 
Magnetismo
MagnetismoMagnetismo
Magnetismo
 
Aula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódicaAula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódica
 
Temperatura e Calor
Temperatura e Calor Temperatura e Calor
Temperatura e Calor
 
Física (calorimetria)
Física (calorimetria)Física (calorimetria)
Física (calorimetria)
 
O que é a Física?
O que é a Física?O que é a Física?
O que é a Física?
 
Aula 1 velocidade média
Aula 1  velocidade médiaAula 1  velocidade média
Aula 1 velocidade média
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
 
Movimento Circular Uniforme
Movimento Circular UniformeMovimento Circular Uniforme
Movimento Circular Uniforme
 
Introdução a Física
Introdução a FísicaIntrodução a Física
Introdução a Física
 
Estrutura da matéria prof Ivanise Meyer
Estrutura da matéria  prof Ivanise MeyerEstrutura da matéria  prof Ivanise Meyer
Estrutura da matéria prof Ivanise Meyer
 
Sistema Internacional de Unidades
Sistema Internacional de UnidadesSistema Internacional de Unidades
Sistema Internacional de Unidades
 
TERMOLOGIA
TERMOLOGIATERMOLOGIA
TERMOLOGIA
 
Energia Cinética e Potencial
Energia Cinética e PotencialEnergia Cinética e Potencial
Energia Cinética e Potencial
 
Transmissão de calor
Transmissão de calorTransmissão de calor
Transmissão de calor
 

Semelhante a Plano anual de física para o ensino médio

8º a.ciências cida-pdf
8º a.ciências cida-pdf8º a.ciências cida-pdf
8º a.ciências cida-pdfFatima Moraes
 
Planificação_FQ_9º_ano_2021_2022.pdf
Planificação_FQ_9º_ano_2021_2022.pdfPlanificação_FQ_9º_ano_2021_2022.pdf
Planificação_FQ_9º_ano_2021_2022.pdfFilipeJooPintoDaCost
 
Ciencias da-natureza-e-suas-tecnologias
Ciencias da-natureza-e-suas-tecnologiasCiencias da-natureza-e-suas-tecnologias
Ciencias da-natureza-e-suas-tecnologiasVanessa Silva
 
Plano Anual de Física - 3º ano.rtf.doc.docx
Plano Anual de Física - 3º ano.rtf.doc.docxPlano Anual de Física - 3º ano.rtf.doc.docx
Plano Anual de Física - 3º ano.rtf.doc.docxmarjorieramalho
 
Programa da 10a classe.docx
Programa da 10a classe.docxPrograma da 10a classe.docx
Programa da 10a classe.docxAnelia6
 
Plano anual de Física com Atividades e Jogos.pdf
Plano anual de Física com Atividades e Jogos.pdfPlano anual de Física com Atividades e Jogos.pdf
Plano anual de Física com Atividades e Jogos.pdfcliente1inanu
 
Física
FísicaFísica
Físicaescdpi
 
Caderno ativ auto_reguladas-alunos-3ªsérie-1ºbim2014
Caderno ativ auto_reguladas-alunos-3ªsérie-1ºbim2014Caderno ativ auto_reguladas-alunos-3ªsérie-1ºbim2014
Caderno ativ auto_reguladas-alunos-3ªsérie-1ºbim2014prangel251
 
Plano 3° bimestre 2° ano.
Plano 3° bimestre 2° ano.Plano 3° bimestre 2° ano.
Plano 3° bimestre 2° ano.JORGAOJJ
 
Aula do Aprender Sempre A energia na natureza.pptx
Aula do Aprender Sempre A energia na natureza.pptxAula do Aprender Sempre A energia na natureza.pptx
Aula do Aprender Sempre A energia na natureza.pptxNataliaCardoso40
 
2º a.física marcio-pdf
2º a.física marcio-pdf2º a.física marcio-pdf
2º a.física marcio-pdfFatima Moraes
 
ENSINO MÉDIO - FÍSICA - REORGANIZAÇÃO CURRICULAR.pdf
ENSINO MÉDIO - FÍSICA - REORGANIZAÇÃO CURRICULAR.pdfENSINO MÉDIO - FÍSICA - REORGANIZAÇÃO CURRICULAR.pdf
ENSINO MÉDIO - FÍSICA - REORGANIZAÇÃO CURRICULAR.pdfmeioambientegaranhun
 
BNCC por objeto do conhecimento 1.pdf
BNCC por objeto do conhecimento 1.pdfBNCC por objeto do conhecimento 1.pdf
BNCC por objeto do conhecimento 1.pdfTioLeoOliveira
 
Organizador_Curricular_FGB_FISICA.pdf
Organizador_Curricular_FGB_FISICA.pdfOrganizador_Curricular_FGB_FISICA.pdf
Organizador_Curricular_FGB_FISICA.pdfWstallonySilvoneide
 

Semelhante a Plano anual de física para o ensino médio (20)

8º a.ciências cida-pdf
8º a.ciências cida-pdf8º a.ciências cida-pdf
8º a.ciências cida-pdf
 
Planificação_FQ_9º_ano_2021_2022.pdf
Planificação_FQ_9º_ano_2021_2022.pdfPlanificação_FQ_9º_ano_2021_2022.pdf
Planificação_FQ_9º_ano_2021_2022.pdf
 
FQ 9.pdf
FQ 9.pdfFQ 9.pdf
FQ 9.pdf
 
Ciencias da-natureza-e-suas-tecnologias
Ciencias da-natureza-e-suas-tecnologiasCiencias da-natureza-e-suas-tecnologias
Ciencias da-natureza-e-suas-tecnologias
 
Plano Anual de Física - 3º ano.rtf.doc.docx
Plano Anual de Física - 3º ano.rtf.doc.docxPlano Anual de Física - 3º ano.rtf.doc.docx
Plano Anual de Física - 3º ano.rtf.doc.docx
 
exp9_planificacao_2019_2020.pdf
exp9_planificacao_2019_2020.pdfexp9_planificacao_2019_2020.pdf
exp9_planificacao_2019_2020.pdf
 
Programa da 10a classe.docx
Programa da 10a classe.docxPrograma da 10a classe.docx
Programa da 10a classe.docx
 
03fisqui9.pdf
03fisqui9.pdf03fisqui9.pdf
03fisqui9.pdf
 
PLAN_FQ_11.pdf
PLAN_FQ_11.pdfPLAN_FQ_11.pdf
PLAN_FQ_11.pdf
 
Plano anual de Física com Atividades e Jogos.pdf
Plano anual de Física com Atividades e Jogos.pdfPlano anual de Física com Atividades e Jogos.pdf
Plano anual de Física com Atividades e Jogos.pdf
 
684 4188-2-pb
684 4188-2-pb684 4188-2-pb
684 4188-2-pb
 
Física
FísicaFísica
Física
 
Caderno ativ auto_reguladas-alunos-3ªsérie-1ºbim2014
Caderno ativ auto_reguladas-alunos-3ªsérie-1ºbim2014Caderno ativ auto_reguladas-alunos-3ªsérie-1ºbim2014
Caderno ativ auto_reguladas-alunos-3ªsérie-1ºbim2014
 
Plano 3° bimestre 2° ano.
Plano 3° bimestre 2° ano.Plano 3° bimestre 2° ano.
Plano 3° bimestre 2° ano.
 
Aula do Aprender Sempre A energia na natureza.pptx
Aula do Aprender Sempre A energia na natureza.pptxAula do Aprender Sempre A energia na natureza.pptx
Aula do Aprender Sempre A energia na natureza.pptx
 
Teste transformador
Teste transformadorTeste transformador
Teste transformador
 
2º a.física marcio-pdf
2º a.física marcio-pdf2º a.física marcio-pdf
2º a.física marcio-pdf
 
ENSINO MÉDIO - FÍSICA - REORGANIZAÇÃO CURRICULAR.pdf
ENSINO MÉDIO - FÍSICA - REORGANIZAÇÃO CURRICULAR.pdfENSINO MÉDIO - FÍSICA - REORGANIZAÇÃO CURRICULAR.pdf
ENSINO MÉDIO - FÍSICA - REORGANIZAÇÃO CURRICULAR.pdf
 
BNCC por objeto do conhecimento 1.pdf
BNCC por objeto do conhecimento 1.pdfBNCC por objeto do conhecimento 1.pdf
BNCC por objeto do conhecimento 1.pdf
 
Organizador_Curricular_FGB_FISICA.pdf
Organizador_Curricular_FGB_FISICA.pdfOrganizador_Curricular_FGB_FISICA.pdf
Organizador_Curricular_FGB_FISICA.pdf
 

Plano anual de física para o ensino médio

  • 1. Plano Anual de Física para o Ensino Médio DISCIPLINA SEGMENTO PROFESSOR Física Ensino Médio Eric Novais Silva JUSTIFICATIVA A Física é uma disciplina pura e aplicada, na qual está presente em nosso cotidiano, ou seja, faz parte de nossa vida, de forma clara, transparente, evidente mostrando sua face equacional e dedutiva. A Física pode ser mostrada de duas formas, o que chamamos de Física Teórica (explicação dos fenômenos através de algoritmos matemáticos, tabelas e gráficos) e a Física Experimental (explicação do fenômeno físico através da parte prática). A Física deve contribuir para a formação de sua cultura científica efetiva que permita ao individuo a interpretação de fatos, fenômenos e processos naturais, que possam ser elaborados através de modelos, onde estes podem ser construídos a partir da necessidade explicativa de evidencias, em relação direta com os fenômenos macroscópicos que se quer explicar. OBJETIVOS Representação e Símbolos, códigos e nomenclaturas de ciências e tecnologia Comunicação Reconhecer e saber utilizar corretamente símbolos, códigos e nomenclaturas de grandezas da física; por exemplo: nas informações em embalagens de produtos reconhecerem símbolos de massa ou volume; nas previsões climáticas identificar temperaturas, pressão, índices pluviométricos; no volume de auto-falantes reconhecer a intensidade sonora (dB); em estradas ou aparelhos velocidades (m/s, km/h, rpm); em aparelhos elétricos códigos como W, V ou A; em tabelas de alimentos valires calóricos. Conhecer as unidades e as relações entre as unidades de uma mesma grandeza física para fazer traduções entre elas e utilizá-las adequadamente. Por exemplo, identificar que uma caixa-d’água de 2m³ é uma caixa de 2000 L ou que uma tonelada é uma unidade mais apropriada para expressar o carregamento de um navio do que um milhão de gramas. Articulação dos símbolos e códigos de ciência e tecnologia Ler e interpretar corretamente tabelas, gráficos, esquemas e diagramas apresentados em textos. Por exemplo: interpretar um gráfico de crescimento ou da variação de temperatura ambiente; compreender o esquema de uma montagem elétrica; ler um medidor de água ou de energia elétrica; interpretar um mapa meteorológico ou uma fotografia de radiação infravermelha a partir da leitura de suas legendas. Construir sentenças ou esquemas para a resolução de problemas; construir tabelas e transformá-las em gráfico, para, por exemplo, descrever o consumo de energia elétrica de uma residência ou o gasto de combustível de um automóvel em função do tempo ou a posição relativa do Sol ao longo do dia
  • 2. ou do ano. Compreender que tabelas, gráficos e expressões matemáticas podem ser diferentes formas de representações de uma mesma relação, com potencialidades e limitações próprias para ser capaz de escolher e fazer uso da linguagem mais apropriada em cada situação além de compreender que o consumo mensal de energia elétrica de uma residência ao longo do ano pode ser apresentado em uma tabela que organiza os dados ou em um gráfico que permite analisar melhor as tendências de consumo. Análise e interpretação de textos e outras comunicações de ciência e tecnologia Ler e interpretar informações apresentadas em diferentes linguagens e representações (técnicas), como um manual de instalação de um equipamento, características de aparelhos eletrodomésticos ou esquemas de montagens de móveis. Acompanhar o noticiário relativo à ciência em jornais, revistas e notícias veiculadas pela mídia, identificando a questão em discussão e interpretando, com objetividade, seus significados e suas implicações para participar do que se passa à sua volta. Por exemplo, no noticiário sobre telefonia celular, identificar que essa questão envolve conhecimentos sobre radiações, suas faixas de frequência, processos de transmissão, além de incertezas quanto a seus possíveis efeitos sobre o ambiente e a saúde. Elaboração de comunicações Descrever relatos de fenômenos ou acontecimentos que envolvam conhecimentos físicos como relatos de viagens, visitas ou entrevistas, apresentando com clareza e objetividade suas considerações e fazendo uso apropriado da linguagem da física. Por exemplo, elaborar o relatório da visita a uma usina de produção de energia ou algo do gênero, destacando a sua capacidade de geração de energia, o processo de produção e seus impactos locais sociais e ambientais. Elaborar relatórios analíticos, apresentando e discutindo dados e resultados, seja de experimentos, seja de avaliações críticas de situações, fazendo uso, sempre que necessário da linguagem física apropriada. Por exemplo, elaborar um relatório de pesquisa sobre vantagens e desvantagens do uso do gás como combustível automotivo, dimensionando a eficiência dos processos e os custos de operação envolvidos. Expressar-se de forma correta e clara em correspondência para os meios de comunicação ou via internet, apresentando pontos de vista, solicitando informações ou esclarecimentos técnico-científico. Por exemplo, escrever uma carta solicitando informações técnicas sobre aparelhos eletrônicos ou enviar um e-mail solicitando informações a um especialista em energia solar, explicando claramente suas dúvidas. Discussão e argumentação de temas de interesse de ciência e tecnologia Compreender e emitir juízos próprios sobre notícias com temas relativos à ciência e à tecnologia, veiculadas pelas diferentes mídias, de forma analítica e crítica, posicionando-se com argumentação clara. Por exemplo, enviar um e- mail contra-argumentando uma notícia sobre as vantagens da expansão da geração termoelétrica brasileira. Argumentar claramente sobre seus pontos de vista, apresentando razões e justificativas claras e consistentes, como ao escrever uma carta solicitando ressarcimento dos gastos efetuados nos consertos de eletrodomésticos que se danificaram em consequência da interrupção do fornecimento de energia
  • 3. elétrica, apresentando justificativas consistentes. Investigação e Estratégias para enfrentamento de situações-problema compreensão Reconhecer, frente a uma situação ou problema concreto, a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os no conjunto de fenômeno da física, e identificar as grandezas relevantes em cada caso. Assim, diante de um fenômeno envolvendo calor, identificar fontes, processos envolvidos e seus efeitos, reconhecendo variações de temperatura como indicadores relevantes. Interações, relações e funções; invariantes e transformações Reconhecer a relação entre diferentes grandezas ou relações de causa-efeito para ser capaz de estabelecer previsões. Assim, conhecer a relação entre potência, voltagem e corrente para estimar a segurança do uso de equipamentos elétricos ou a relação entre força e aceleração para prever a distância percorrida por um carro após ser freado. Identificar regularidades, associando fenômenos que ocorrem em situações semelhantes para utilizar as leis que expressam essas regularidades na análise e nas previsões de situações do dia-a-dia. Por exemplo, compreender que variações de correntes elétricas estão associadas ao surgimento de campos magnéticos pode possibilitar, eventualmente, identificar possíveis causas de distorção das imagens de tevê ou causas de mau funcionamento de um motor. Reconhecer a existência de invariantes que impõe condições sobre o que pode e o que não pode acontecer em processos naturais, para fazer uso desses invariantes na análise de situações cotidianas. Assim, a conservação da quantidade de movimento pode ser utilizada para prever possíveis resultados do choque entre dois carros, a trajetória de uma bola após ter batido na parede, o movimento dos planetas e suas velocidades ao redor do Sol ou o equilíbrio de motos e bicicletas. Identificar transformações de energia e a conservação que dá sentido a essas transformações, quantificando-as quando necessário. Identificar também formas de dissipação de energia e as limitações quanto aos tipos de transformações possíveis impostas pela existência na natureza de processos irreversíveis. Por exemplo, avaliar o trabalho necessário para erguer um objeto ou empurrar um caixote, a potência de que o motor de um carro precisa para súber uma ladeira ou a quantidade de calorias para exercício de atividades esportivas. Reconhecer a conservação de determinadas grandezas, como massa, carga elétrica, corrente, etc., utilizando essa noção de conservação na análise de situações dadas. Por exemplo, reconhecer a relação entre a vazão de entrada e de saída de um sistema hidráulico ou da corrente elétrica que entra e a que sai de um resistor. Medidas, quantificações, grandezas e escalas Fazer uso de forma e instrumentos de medidas apropriados para estabelecer comparações quantitativas. Por exemplo, escolher a forma adequada para medir a quantidade de água presente em um corpo ou a quantidade de alimento em uma embalagem. Ou escolher a melhor forma para medir o comprimento de uma sala ou a distância percorrida em uma trajeto longo. Fazer estimativas de ordens de grandezas para poder fazer previsões. Por exemplo, estimar o volume de água de um tanque ou de uma piscina e o tempo necessário para esvaziá-la. Compreender a necessidade de fazer uso de escalas apropriadas para ser
  • 4. capaz de construir gráficos ou representações como a planta de uma casa ou o mapa de uma cidade. Modelos explicativos e representativos Conhecer modelos físicos microscópicos para adquirir uma compreensão mais profunda dos fenômenos e utilizá-los na análise de situações-problema. Por exemplo, utilizar modelos microscópicos do calor para explicar as propriedades térmicas dos materiais ou modelos da constituição da matéria para explicar a absorção de luz e as cores dos objetos. Interpretar e fazer uso de modelos explicativos reconhecendo suas condições de aplicação. Por exemplo, compreender que o funcionamento de um termômetro clínico pode ser explicado em termos macroscópicos pela dilatação térmica do mercúrio, enquanto apenas o modelo microscópico da matéria permite compreender o fenômeno da evaporação de um líquido. Adquirir uma compreensão cósmica o Universo, das teorias relativas ao seu surgimento e à sua evolução, assim como do surgimento da vida, de forma a poder situar a Terra, a vida e o ser humano em suas dimensões espaciais e temporais do Universo. Na utilização de um conceito ou de uma unidade de grandeza reconhecer ao mesmo tempo a sua generalidade e o se significado específico em cada ciência. Por exemplo, energia, caloria ou equilíbrio são conceitos com significados diferentes, embora correspondentes, em física, química ou biologia. Reconhecer na análise de um mesmo fenômeno as características de cada ciência, de maneira a adquirir uma visão mais articulada dos fenômenos. Por exemplo, no ciclo da água compreender que a física revela os aspectos das transformações de estado e processos de circulação, enquanto a química trata das diferentes reações e do papel das soluções, e a biologia analisa a influencia nas cadeias alimentares e o uso do solo. Contextualização Ciência e tecnologia na história sociocultural Compreender a construção do conhecimento físico como um processo histórico, em estreita relação com as condições sociais, políticas e econômicas de uma determinada época. Compreender, por exemplo, a transformação da visão de mundo geocêntrica para a heliocêntrica, relacionando-a às transformações sociais que lhe são contemporâneas, identificando as resistências, dificuldades e repercussões que acompanham essa mudança. Compreender o desenvolvimento histórico dos modelos físicos para dimensionar corretamente os modelos atuais, sem dogmatismo ou certezas definidas. Compreender o desenvolvimento histórico da tecnologia nos mais diversos campos e suas consequência para o cotidiano e as relações sociais de cada época, identificando como seus avanços foram modificando as condições de vida e criando novas necessidades. Esses conhecimentos são essenciais para dimensionar corretamente o desenvolvimento tecnológico atual por meio de suas vantagens e de seus condicionantes. Reconhecer, por exemplo, o desenvolvimento de motores, ao domínio da aerodinâmica e á conquista do espaço, identificando a evolução que vem permitindo ao ser humano deslocar-se de um ponto a outro do globo terrestre em intervalos de tempo cada vez mais curtos e identificando também os problemas decorrentes dessa evolução. Perceber o papel desempenhado pelo conhecimento físico no desenvolvimento da tecnologia e a complexa relação entre ciência e
  • 5. tecnologia ao longo da história. Muitas vezes, a tecnologia foi percebida pelo desenvolvimento da física, como no caso da fabricação de laser, ou em outras, foi a tecnologia que atendeu o conhecimento científico, como no caso das máquinas térmicas. Ciência e tecnologia na cultura contemporânea Compreender a física como parte integrante da cultura contemporânea, identificando sua presença em diferentes âmbitos e setores, como nas manifestações artísticas ou literárias, em peças de teatro, letras de música, etc., estando atento à contribuição da ciência para a cultura humana. Promover e interagir com meios culturais e de difusão científica por meio de visitas a museus científicos ou tecnológicos, planetários, exposições, etc., para incluir a devida dimensão da física e da ciência na apropriação dos espaços de expressão contemporâneos. Compreender formas pelas quais a física e a tecnologia influenciam nossa interpretação do mundo atual, condicionando maneira de pensar e interagir. Por exemplo, como a relatividade ou as idéias quânticas povoam o imaginário e a cultura contemporânea, conduzindo á extrapolação de seus conceitos para diversas áreas, como para a economia ou a biologia. Ciência e tecnologia na atualidade Acompanhar o desenvolvimento tecnológico contemporâneo; por exemplo: estabelecendo contato com os avanços das novas tecnologias na medicina por meio de tomografias ou diferentes formas de diagnósticos; na agricultura nas novas formas de conservação de alimentos com o uso das radiações; na área de comunicação com os microprocessadores, CDs, DVDs, telefonia celular, tevê a cabo. Ciência e tecnologia, ética e cidadania Compreender a responsabilidade social que decorre da aquisição de conhecimento, sentindo-se mobilizado para diferentes ações, seja na defesa da qualidade de vida e da qualidade das infra-estruturas coletivas, seja na defesa de seus direitos como consumidor. Promover situações que contribuam para a melhoria das condições de vida da cidade onde vive ou da preservação responsável do ambiente, conhecendo as estruturas de abastecimento de água e eletricidade de sua comunidade e dos problemas delas decorrentes, sabendo posicionar-se, argumentar e emitir juízos de valor. Reconhecer que, se a tecnologia melhora a qualidade de vida do ser humano, ela também pode ter efeitos que precisam ser ponderados quanto a um posicionamento responsável. Por exemplo, o uso de radiações ionizantes apresenta benefícios e riscos para a vida humana. Reconhecer em situações concretas a relação entre física e ética, seja na definição de procedimentos para a melhoria das condições de vida, seja em questões como do desarmamento nuclear ou em mobilizações pela paz mundial. Reconhecer que a utilização dos produtos da ciência e da tecnologia nem sempre é democrática, tomando consciência das desigualdades e da necessidade de soluções de baixo custo, como para ampliar o acesso à eletricidade.
  • 6. CONTEÚDOS ESTRUTURANTES Em busca de construir um ensino de Física centrado em conteúdos e metodologias capazes de possibilitar aos estudantes uma reflexão sobre o Mundo das ciências sob a perspectiva de que esta não é somente fruto da pura racionalidade cientifica, a Física deve educar para cidadania contribuindo para o desenvolvimento de um sujeito critico. Para atender esta proposta a Física foi dividida em três conteúdos estruturantes: MOVIMENTO (Trajetórias, Gravitação Universal e descrição clássica dos movimentos: Inércia e Momentum), TERMODINÂMICA (Lei Zero da termodinâmica, Modelos de Calor, Vapor e Movimento, Verso e reverso: a ordem do Universo, Pressão e Volume) e ELETROMAGNETISMO (Dualidade Onda Partícula da Luz, a Natureza da Luz e suas Propriedades, Carga Elétrica, Geração mais transformação igual à Conservação de Energia e Campos Eletromagnéticos), onde os conteúdos específicos por serie são os seguintes: 1º ANO Introdução à Física Cinemática escalar o Introdução ao estudo dos movimentos o Estudo do movimento uniforme o Movimento uniformemente variado o Movimento vertical o Gráficos do MU e do MUV Cinemática vetorial o Vetores o Velocidade e aceleração vetorial o Lançamento horizontal e obliquo o Movimentos circulares Dinâmica o Os principio fundamentais da dinâmica o Força de atrito o Forças em trajetórias curvilíneas Os princípios da conservação o Trabalho o Energia o Impulso e quantidade de movimento Gravitação universal Hidrostática o Sistemas de forças aplicadas em um ponto material. Equilíbrio de um ponto material o Equilíbrio dos corpos extensos o Hidrostática o Hidrodinâmica 2º ANO Introdução à termologia A temperatura e seus efeitos o Termometria o Dilatação térmica de sólidos e líquidos A energia térmica em trânsito o Calorimetria o Mudanças de fase o Os diagramas de fases o Propagação de calor Estudo dos gases e termodinâmica o Estudo dos gases o As leis da termodinâmica
  • 7. Óptica geométrica o Introdução à óptica geométrica o Reflexão da luz. Espelhos planos o Espelhos esféricos o Refração luminosa o Lentes esféricas delgadas o Instrumentos ópticos Ondas o Movimento harmônico simples o Ondas o Interferência de ondas o As ondas sonoras 3º ANO Conceitos básicos Cinemática escalar Cinemática vetorial Dinâmica Estática Hidrostática Termologia Óptica geométrica Ondulatória Eletrostática Eletrodinâmica Eletromagnetismo Física moderna METODOLOGIA As aulas de Física em sala de aula serão expositivas e alguns experimentos simples serão feitos no Laboratório. Uso de textos científicos para que os alunos conheçam outros ramos da Física e uso de Data Show nas salas de aulas. AVALIAÇÃO O aluno na disciplina de Física será avaliado de forma individualizada, ou seja, fará avaliações individuais para engrandecer o seu conhecimento na disciplina. O aluno fará uma avaliação sem consulta marcada pelo Colégio com valor 10,0 (dez) e assim bem como a sua recuperação com o mesmo valor. Os outros 20,0 (vinte) pontos serão ministrados na forma de trabalhos, pesquisa em Internet, listas de exercícios, Semana Cultural, uso do livro didático (interpretação e elaboração de síntese dos textos), participação nos projetos e aulas práticas bem como em outras avaliações individuais. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BONJORNO, José Roberto [et al]. Terceirão física: teoria e cadernos de atividades. São Paulo: FTD, 2009. BONJORNO, José Roberto. RAMOS, Clinton Márcio. Física – História e Cotidiano: volumes 1, 2 e 3. São Paulo: FTD, 2003. GASPAR, Alberto. Física, volume único. São Paulo: Ática, 2005. JÚNIOR, Francisco Ramalho. FERRARO, Nicolau Gilberto. SOARES, Paulo Antônio de Toledo. Os fundamentos da física. Volumes 1, 2 e 3. São Paulo: Moderna, 2007.
  • 8. LUZ, Antônio Máximo Ribeiro da. ÁLVARES, Beatriz Alvarenga. Física: volumes 1, 2 e 3. São Paulo: Scipione, 2005. SAMPAIO, José Luiz. CALÇADA, Caio Sérgio. Universo da física: volumes 1, 2 e 3. São Paulo: Atual, 2005. SANT’ANNA [et al] Conexões com a Física: volumes 1, 2 e 3. São Paulo: Moderna, 2010. TORRES, Carlos Magno A. FERRARO, Nicolau Gilberto. SOARES, Paulo Antonio de Toledo. Física – Ciência e Tecnologia: volumes 1, 2 e 3. São Paulo: Moderna, 2010. Brumado, 09 de fevereiro de 2012. Diretora Coordenadora Pedagógica Professor da Disciplina