SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Baixar para ler offline
ANELÍDEOS
3ºANO
Enza Rigon
Kauane Santi
Luana Parcianello
Schaiana Saggiorato
CARACTERISTICAS GERAIS
 São triblásticos;
 Celomados, com o corpo segmentado (em anéis ou metâmeros),
com repetição externa e interna desses anéis (metameria);
 Cutícula externa pode apresentar pequenos “pelos” duros (as
cerdas), de quitina que funcionam como âncoras e dão apoio ao
animal;
 Nos poliquetas essas cerdas são numerosas e desenvolvidas e
estão implantados em expansões laterais, os parapódios,
funcionando como “patas rudimentares”;
 As sanguessugas possuem ventosas de fixação na região anterior
e posterior do corpo; como as ventosas anteriores sugam o
sangue de vertebrados aquáticos.
ANATOMIA
 O filo annelida é constituído por organismos que apresentam
corpo mais ou menos cilíndrico e alongado. A grande diferença
entre os vermes anelídeos e os outros vermes estudados é a
organização, do corpo nos primeiros, em segmentos ou anéis,
que se repetem no sentido do comprimento do animal.
 Cada um dos segmentos ou anéis que constituem o corpo dos
anelídeos é chamado metâmero. A metamerização geralmente se
evidencia tanto nos aspectos internos como externos, incluindo
músculos, nervos, sistemas circulatórios, excretor e reprodutor.
CLASSIFICAÇÃO
CLASSE OLIGOCHAETA
São anelídeos com poucas cerdas em casa segmento, como as minhocas
terrestres. Ex= minhocas
CLASSE POLICHAETA
São exclusivamente marinhos. Possuem muitas cerdas em cada segmento,
que podem formar apêndices locomotores chamados parapódios. Alguns
poliquetas revestem seus tuneis com uma camada calcária, chamada
tibículas.
CLASSE HIRUDINA OU
AQUETA
Animais distribuídos por
ambiente marinhos e de
água doce. Caracterizam-
se pela ausência de cerda.
Ex= sanguessugas
SISTEMAS
 SISTEMA DIGESTIVO
É completo, com forma tubular, com boca e ânus e a digestão é do tipo
extracelular. É bastante especializado, pois existe uma grande variedade de
dietas. Presença de estruturas que aumentam a superfície de absorção do
intestino: os cecos intestinais e o tissofole.
 SISTEMA RESPIRATÓRIO
Nas minhocas e na maioria das sanguessugas, os gases entram e saem
pela pele e são transportados pelo sangue (respiração cutânea indireta).
Algumas sanguessugas e as formas maiores de poliquetas respiram por
brânquias – dobras da pele em forma de fios ou lâminas, ricas em vasos
sanguíneos, que proporcionam ao animal grande superfície de contato
em uma pequena região do corpo. Desse modo, o resto do corpo não
precisa realizar respiração cutânea e o animal pode alojar-se em um
tubo, como fazem muitos poliquetas, que deixam apenas as brânquias
expostas.
 SISTEMA CIRCULATÓRIO
Circulação fechada. O sangue é impulsionado pelos corações e
circula sempre no interior de vasos sanguíneos. No sangue há
hemoglobina que transporta o oxigênio.
 SISTEMA EXCRETOR
Em cada segmento do corpo há um par de tubos abertos nas
extremidades, os nefrídeos ou metanefrideos (nefro= rim), que
retiram excretas do celoma por uma abertura ciliada, o nefróstoma.
Essas excretas são eliminadas pelos nefridióporos na superfície do
corpo.
 SISTEMA REPRODUTOR
Minhocas e sanguessugas são hermafroditas, com desenvolvimento direto. A
maioria das poliquetas apresenta sexos separados e desenvolvimento indireto,
com formação de uma larva ciliada (trocófora).
Nas minhocas ocorre fecundação recíproca: dois indivíduos unem-se e cada um
transfere espermatozóides para uma bolsa (receptáculo seminal) do outro. Os
ovos desenvolvem-se em um casulo, secretado por uma estrutura glandular
formada pelo tegumento de alguns anéis (clitelo).
 SISTEMA NERVOSO
O sistema nervoso é centralizado, do tipo ganglionado. Há um par
de gânglios cerebróides localizados sobre a faringe, de cada um dos
quais parte um cordão nervoso longitudinal e ventral. Em cada anel
há um par de gânglios dos quais partem nervos que se dirigem para
os órgãos e para a superfície do corpo.
LOCOMOÇÃO
 Em toda extensão do corpo, a maioria dos anelídeos apresenta
cerdas, expansões que se projetam externamente à cutícula, que
se comportam como apêndices de locomoção ou de fixação ao
substrato sobre o qual o animal de encontra apoiado
HABITAT E MODO DE VIDA
 A maioria das minhocas (oligoquetos) vive em terra úmida e
algumas são dulcícolas. Os poliquetos são vermes marinhos,
vivendo enterrados na areia das praias. Os hirudíneos são,
principalmente, dulcícolas, existindo espécies marinhas e
aquelas que habitam terra úmida. Podem ser de vida livre ou
simbiontes (alguns são ectoparasitas hematófagos)
ALIMENTAÇÃO
 As minhocas se alimentam de organismos animais mortos e
diversos tipos de vegetação (plantas e folhas). Durante o
movimento, elas ingerem terra, aproveitando todo material
orgânico e eliminando a terra.
 Os poliquetos, espécies que vivem rastejando pelo fundo do
oceano à procura de animais dos quais possam se alimentar,
enquanto que outras se mantêm enterradas nas praias e se
alimentam de larvas e de outros pequenos organismos.
 Conhecidos como sanguessugas, alimentam-se do sangue de
animais vertebrados.
IMPORTÂNCIA ECOLOGICA
As minhocas vivem no solo, especialmente em áreas com cobertura
vegetal, matéria orgânica abundante e muita umidade. São
conhecidas pela sua importância no solo, pois cavam túneis e
galerias, que permitem a penetração do ar e da água no solo,
facilitando o desenvolvimento das raízes das plantas. Além de
ingerirem material orgânico do solo e eliminarem fezes,
contribuindo para a fertilidade da terra, com a produção do húmus.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Zoo 2 de anelídeos a equinodermos
Zoo 2   de anelídeos a equinodermosZoo 2   de anelídeos a equinodermos
Zoo 2 de anelídeos a equinodermosaulasdotubao
 
Filo anellida
Filo anellidaFilo anellida
Filo anellidaGunScript
 
Nematelmintos, Anelideos, Artropes, Equinodermo
Nematelmintos, Anelideos, Artropes, EquinodermoNematelmintos, Anelideos, Artropes, Equinodermo
Nematelmintos, Anelideos, Artropes, EquinodermoLaguat
 
Filo anelídeos 01 características e anatomia
Filo anelídeos 01   características e anatomiaFilo anelídeos 01   características e anatomia
Filo anelídeos 01 características e anatomiaprestao
 
Aula Anelídeos 2º Ensino Médio Prof. Rosalia
Aula Anelídeos 2º Ensino Médio Prof. RosaliaAula Anelídeos 2º Ensino Médio Prof. Rosalia
Aula Anelídeos 2º Ensino Médio Prof. RosaliaRosalia Azambuja
 
Anelídeos - 2º Ano Ensino Médio - Biologia
Anelídeos - 2º Ano Ensino Médio - BiologiaAnelídeos - 2º Ano Ensino Médio - Biologia
Anelídeos - 2º Ano Ensino Médio - BiologiaAntonio Pinto Pereira
 
Anelideos
AnelideosAnelideos
Anelideosletyap
 
Moluscos e anelídeos
Moluscos e anelídeosMoluscos e anelídeos
Moluscos e anelídeossegundoanoc
 
7º ano cap 16 anelideos
7º ano cap 16   anelideos7º ano cap 16   anelideos
7º ano cap 16 anelideosISJ
 
Seminário sobre Os Anelídeos
Seminário sobre Os Anelídeos Seminário sobre Os Anelídeos
Seminário sobre Os Anelídeos Simone Costa
 

Mais procurados (20)

Zoo 2 de anelídeos a equinodermos
Zoo 2   de anelídeos a equinodermosZoo 2   de anelídeos a equinodermos
Zoo 2 de anelídeos a equinodermos
 
Anelídeos
AnelídeosAnelídeos
Anelídeos
 
Filo anellida
Filo anellidaFilo anellida
Filo anellida
 
Nematelmintos, Anelideos, Artropes, Equinodermo
Nematelmintos, Anelideos, Artropes, EquinodermoNematelmintos, Anelideos, Artropes, Equinodermo
Nematelmintos, Anelideos, Artropes, Equinodermo
 
Anelídeos
AnelídeosAnelídeos
Anelídeos
 
Anelídeos
AnelídeosAnelídeos
Anelídeos
 
Filo anelídeos 01 características e anatomia
Filo anelídeos 01   características e anatomiaFilo anelídeos 01   características e anatomia
Filo anelídeos 01 características e anatomia
 
Anelideos
AnelideosAnelideos
Anelideos
 
Anelídeos
AnelídeosAnelídeos
Anelídeos
 
Aula Anelídeos 2º Ensino Médio Prof. Rosalia
Aula Anelídeos 2º Ensino Médio Prof. RosaliaAula Anelídeos 2º Ensino Médio Prof. Rosalia
Aula Anelídeos 2º Ensino Médio Prof. Rosalia
 
Annelida
AnnelidaAnnelida
Annelida
 
Anelídeos - 2º Ano Ensino Médio - Biologia
Anelídeos - 2º Ano Ensino Médio - BiologiaAnelídeos - 2º Ano Ensino Médio - Biologia
Anelídeos - 2º Ano Ensino Médio - Biologia
 
Anelideos
AnelideosAnelideos
Anelideos
 
Filo Mollusca
Filo MolluscaFilo Mollusca
Filo Mollusca
 
Moluscos e anelídeos
Moluscos e anelídeosMoluscos e anelídeos
Moluscos e anelídeos
 
Aula 7 anelideos
Aula 7 anelideosAula 7 anelideos
Aula 7 anelideos
 
Nematódeos
NematódeosNematódeos
Nematódeos
 
slide sobre os anelídeos
slide sobre os anelídeos slide sobre os anelídeos
slide sobre os anelídeos
 
7º ano cap 16 anelideos
7º ano cap 16   anelideos7º ano cap 16   anelideos
7º ano cap 16 anelideos
 
Seminário sobre Os Anelídeos
Seminário sobre Os Anelídeos Seminário sobre Os Anelídeos
Seminário sobre Os Anelídeos
 

Semelhante a Anelídeos (20)

Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago SouzaTrabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
 
Anelideos
AnelideosAnelideos
Anelideos
 
APOSTILA ZOOLOGIA PARTE 2
APOSTILA ZOOLOGIA PARTE 2APOSTILA ZOOLOGIA PARTE 2
APOSTILA ZOOLOGIA PARTE 2
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 
Biologia - Moluscos e Anelídeos
Biologia - Moluscos e AnelídeosBiologia - Moluscos e Anelídeos
Biologia - Moluscos e Anelídeos
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 
Filo artropoda
Filo artropodaFilo artropoda
Filo artropoda
 
Anelideos
AnelideosAnelideos
Anelideos
 
Anelideos
AnelideosAnelideos
Anelideos
 
Anelídeos
AnelídeosAnelídeos
Anelídeos
 
Anelídeos
AnelídeosAnelídeos
Anelídeos
 
Filo_Annelida_Geral.pdf
Filo_Annelida_Geral.pdfFilo_Annelida_Geral.pdf
Filo_Annelida_Geral.pdf
 
Artópodes e Equinodermos
Artópodes e EquinodermosArtópodes e Equinodermos
Artópodes e Equinodermos
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 
Trabalho procordados
Trabalho   procordadosTrabalho   procordados
Trabalho procordados
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Reino Animal
Reino AnimalReino Animal
Reino Animal
 
Ecdizoários
EcdizoáriosEcdizoários
Ecdizoários
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
Introducao
IntroducaoIntroducao
Introducao
 

Último

Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 

Último (20)

Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 

Anelídeos

  • 1. ANELÍDEOS 3ºANO Enza Rigon Kauane Santi Luana Parcianello Schaiana Saggiorato
  • 2. CARACTERISTICAS GERAIS  São triblásticos;  Celomados, com o corpo segmentado (em anéis ou metâmeros), com repetição externa e interna desses anéis (metameria);  Cutícula externa pode apresentar pequenos “pelos” duros (as cerdas), de quitina que funcionam como âncoras e dão apoio ao animal;  Nos poliquetas essas cerdas são numerosas e desenvolvidas e estão implantados em expansões laterais, os parapódios, funcionando como “patas rudimentares”;  As sanguessugas possuem ventosas de fixação na região anterior e posterior do corpo; como as ventosas anteriores sugam o sangue de vertebrados aquáticos.
  • 3. ANATOMIA  O filo annelida é constituído por organismos que apresentam corpo mais ou menos cilíndrico e alongado. A grande diferença entre os vermes anelídeos e os outros vermes estudados é a organização, do corpo nos primeiros, em segmentos ou anéis, que se repetem no sentido do comprimento do animal.  Cada um dos segmentos ou anéis que constituem o corpo dos anelídeos é chamado metâmero. A metamerização geralmente se evidencia tanto nos aspectos internos como externos, incluindo músculos, nervos, sistemas circulatórios, excretor e reprodutor.
  • 4. CLASSIFICAÇÃO CLASSE OLIGOCHAETA São anelídeos com poucas cerdas em casa segmento, como as minhocas terrestres. Ex= minhocas CLASSE POLICHAETA São exclusivamente marinhos. Possuem muitas cerdas em cada segmento, que podem formar apêndices locomotores chamados parapódios. Alguns poliquetas revestem seus tuneis com uma camada calcária, chamada tibículas. CLASSE HIRUDINA OU AQUETA Animais distribuídos por ambiente marinhos e de água doce. Caracterizam- se pela ausência de cerda. Ex= sanguessugas
  • 5. SISTEMAS  SISTEMA DIGESTIVO É completo, com forma tubular, com boca e ânus e a digestão é do tipo extracelular. É bastante especializado, pois existe uma grande variedade de dietas. Presença de estruturas que aumentam a superfície de absorção do intestino: os cecos intestinais e o tissofole.
  • 6.  SISTEMA RESPIRATÓRIO Nas minhocas e na maioria das sanguessugas, os gases entram e saem pela pele e são transportados pelo sangue (respiração cutânea indireta). Algumas sanguessugas e as formas maiores de poliquetas respiram por brânquias – dobras da pele em forma de fios ou lâminas, ricas em vasos sanguíneos, que proporcionam ao animal grande superfície de contato em uma pequena região do corpo. Desse modo, o resto do corpo não precisa realizar respiração cutânea e o animal pode alojar-se em um tubo, como fazem muitos poliquetas, que deixam apenas as brânquias expostas.
  • 7.  SISTEMA CIRCULATÓRIO Circulação fechada. O sangue é impulsionado pelos corações e circula sempre no interior de vasos sanguíneos. No sangue há hemoglobina que transporta o oxigênio.
  • 8.  SISTEMA EXCRETOR Em cada segmento do corpo há um par de tubos abertos nas extremidades, os nefrídeos ou metanefrideos (nefro= rim), que retiram excretas do celoma por uma abertura ciliada, o nefróstoma. Essas excretas são eliminadas pelos nefridióporos na superfície do corpo.
  • 9.  SISTEMA REPRODUTOR Minhocas e sanguessugas são hermafroditas, com desenvolvimento direto. A maioria das poliquetas apresenta sexos separados e desenvolvimento indireto, com formação de uma larva ciliada (trocófora). Nas minhocas ocorre fecundação recíproca: dois indivíduos unem-se e cada um transfere espermatozóides para uma bolsa (receptáculo seminal) do outro. Os ovos desenvolvem-se em um casulo, secretado por uma estrutura glandular formada pelo tegumento de alguns anéis (clitelo).
  • 10.  SISTEMA NERVOSO O sistema nervoso é centralizado, do tipo ganglionado. Há um par de gânglios cerebróides localizados sobre a faringe, de cada um dos quais parte um cordão nervoso longitudinal e ventral. Em cada anel há um par de gânglios dos quais partem nervos que se dirigem para os órgãos e para a superfície do corpo.
  • 11. LOCOMOÇÃO  Em toda extensão do corpo, a maioria dos anelídeos apresenta cerdas, expansões que se projetam externamente à cutícula, que se comportam como apêndices de locomoção ou de fixação ao substrato sobre o qual o animal de encontra apoiado
  • 12. HABITAT E MODO DE VIDA  A maioria das minhocas (oligoquetos) vive em terra úmida e algumas são dulcícolas. Os poliquetos são vermes marinhos, vivendo enterrados na areia das praias. Os hirudíneos são, principalmente, dulcícolas, existindo espécies marinhas e aquelas que habitam terra úmida. Podem ser de vida livre ou simbiontes (alguns são ectoparasitas hematófagos)
  • 13. ALIMENTAÇÃO  As minhocas se alimentam de organismos animais mortos e diversos tipos de vegetação (plantas e folhas). Durante o movimento, elas ingerem terra, aproveitando todo material orgânico e eliminando a terra.  Os poliquetos, espécies que vivem rastejando pelo fundo do oceano à procura de animais dos quais possam se alimentar, enquanto que outras se mantêm enterradas nas praias e se alimentam de larvas e de outros pequenos organismos.  Conhecidos como sanguessugas, alimentam-se do sangue de animais vertebrados.
  • 14. IMPORTÂNCIA ECOLOGICA As minhocas vivem no solo, especialmente em áreas com cobertura vegetal, matéria orgânica abundante e muita umidade. São conhecidas pela sua importância no solo, pois cavam túneis e galerias, que permitem a penetração do ar e da água no solo, facilitando o desenvolvimento das raízes das plantas. Além de ingerirem material orgânico do solo e eliminarem fezes, contribuindo para a fertilidade da terra, com a produção do húmus.