SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
Baixar para ler offline
Balantidium coli
Balantidium coli 
Classificação científica 
Reino:Protista 
Filo:Ciliophora 
Classe:Litostomatea 
Ordem:Vestibuliferida 
Família:Balantiididae 
Género:Balantidium 
Espécie:B. coli
Balantidium coli 
Ciliado causador da balantidiose, uma 
infecção do Intestino grosso do homem
Balantidium coli 
 o vive no intestino grosso humano, 
possui cílios 
 é o maior protozoário que pode 
parasitar o homem, pois mede 60 a 90 
μm de comprimento, por 50 a 60 μm de 
largura.
Balantidium coli 
Além do fato de ser grande, possui 
dois núcleos, que são chamados de 
micronúcleo e macronúcleo.
Reprodução: 
 Em geral, o parasito se multiplica na luz 
intestinal por divisão binária. 
 A multiplicação também leva à produção 
de cistos, que aparecem em grande número 
nas fezes formadas, apesar dos trofozoítos 
também serem eliminados. 
 A contaminação pela ingestão de cistos é a 
mais usual, visto que são mais resistentes às 
condições do meio externo.
Ciclo 
Trofozoítos unem -se temporariamente pelo processo denominado 
conjugação, com tempo suficiente para a troca de material genético 
cistos 
& trofozoítos 
cisto 
 
 
  
Importância 
 A distribuição da balantidíase é mundial, porém a prevalência 
é muito baixa (<1%) 
 A maioria dos casos humanos está entre os tratadores, 
criadores, comerciantes e abatedores de suínos 
 O parasito causa a balantidíase, uma infecção que acomete o 
intestino grosso humano. Os casos humanos se relacionam, 
em geral, com a presença de porcos infectados. 
 O quadro clínico pode: ser assintomático, ser do tipo crônico 
ou produzir diarréia ou disenteria (fezes com muco e sangue), 
sendo que na última situação o quadro é indistinguível daquele 
produzido pela amebíase. 

Sintomas: 
A infecção se manifesta com 
febre, 
anorexia, 
náuseas, 
vômitos 
e diarréia que pode evoluir com 
sintomas com muco, pus e sangue; 
Os casos graves manifestam-se com 
desidratação e hemorragias intestinais; 
A doença pode assumir forma crônica.
Diagnóstico: 
Feito pela visualização de trofozoitos e/ou 
cistos nas fezes 
Diagnóstico diferencial: 
 enterocolite amebiana
Prevenção: 
se faz pela 
higiene adequada, 
cozimento de alimentos, 
fervura da água, 
tratamento dos doentes 
e tratamento dos porcos 
(possíveis reservatórios do parasito). 
Engenharia sanitária: destino 
adequado dos dejetos dos suínos
Tratamento: 
é feito com tetraciclina, 30 a 50 mg/kg. por 
dia, por dez dias alternativamente e em 
crianças, metronidazol, 20 mg/kg por dia, por 
sete dias. 
Além do uso medicamentoso para atingir a 
cura da parasitose, recomenda-se fazer uma 
dieta láctea (muitas vezes apenas a dieta já 
cura o indivíduo), pois o Balantidium coli só 
se alimenta do amido.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Giardiase
GiardiaseGiardiase
Giardiase
 
Teníase
 Teníase Teníase
Teníase
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 
Teniase e cisticercose
Teniase e cisticercoseTeniase e cisticercose
Teniase e cisticercose
 
Malária [ETEC KK]
Malária [ETEC KK]Malária [ETEC KK]
Malária [ETEC KK]
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
 
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Aula n° 2
Aula n° 2  Aula n° 2
Aula n° 2
 
Leishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completoLeishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completo
 
Classificacao de helmintos
Classificacao de helmintosClassificacao de helmintos
Classificacao de helmintos
 
Aula 1 conceitos gerais de parasitologia
Aula 1 conceitos gerais de parasitologiaAula 1 conceitos gerais de parasitologia
Aula 1 conceitos gerais de parasitologia
 
Aula n° 6 toxoplasma
Aula n° 6   toxoplasmaAula n° 6   toxoplasma
Aula n° 6 toxoplasma
 
Geardíase
GeardíaseGeardíase
Geardíase
 
Giardia
GiardiaGiardia
Giardia
 
Aula 8 Trematódios
Aula 8 TrematódiosAula 8 Trematódios
Aula 8 Trematódios
 
Giardia
GiardiaGiardia
Giardia
 
Classe cestoda
Classe cestodaClasse cestoda
Classe cestoda
 

Destaque

Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaSafia Naser
 
Aula n° 3 tripanossoma
Aula n° 3   tripanossomaAula n° 3   tripanossoma
Aula n° 3 tripanossomaGildo Crispim
 
Parasitologia - Protozoários
Parasitologia - ProtozoáriosParasitologia - Protozoários
Parasitologia - ProtozoáriosJuliana Lima
 
Doença de chagas
Doença de chagas Doença de chagas
Doença de chagas certificado1
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagasKROLZITA
 
Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de ChagasITPAC PORTO
 

Destaque (8)

Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Apostila de parasitologia clínica
Apostila de parasitologia clínicaApostila de parasitologia clínica
Apostila de parasitologia clínica
 
Aula n° 3 tripanossoma
Aula n° 3   tripanossomaAula n° 3   tripanossoma
Aula n° 3 tripanossoma
 
Parasitologia - Protozoários
Parasitologia - ProtozoáriosParasitologia - Protozoários
Parasitologia - Protozoários
 
Doença de chagas
Doença de chagas Doença de chagas
Doença de chagas
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de Chagas
 

Semelhante a Parasitologia - Balantidium coli

Semelhante a Parasitologia - Balantidium coli (20)

Saneamento
SaneamentoSaneamento
Saneamento
 
Trab de biologia
Trab de biologiaTrab de biologia
Trab de biologia
 
Teníase e malária
Teníase e maláriaTeníase e malária
Teníase e malária
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).pptAMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
 
Trabalho de Biologia
Trabalho de BiologiaTrabalho de Biologia
Trabalho de Biologia
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Plano de aula 10
Plano de aula 10Plano de aula 10
Plano de aula 10
 
Trabalho pronto
Trabalho prontoTrabalho pronto
Trabalho pronto
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Doencas de Veiculacao Hidrica
Doencas de Veiculacao HidricaDoencas de Veiculacao Hidrica
Doencas de Veiculacao Hidrica
 
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdfInfecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
 
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdfInfecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Vibrio e Clostridium
Vibrio e ClostridiumVibrio e Clostridium
Vibrio e Clostridium
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
ARTIGO DOENÇAS DTAS DOENÇAS DE ORIGEM ALIMENTAR
ARTIGO DOENÇAS DTAS DOENÇAS DE ORIGEM ALIMENTARARTIGO DOENÇAS DTAS DOENÇAS DE ORIGEM ALIMENTAR
ARTIGO DOENÇAS DTAS DOENÇAS DE ORIGEM ALIMENTAR
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 

Último

Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimWashingtonSampaio5
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzAlexandrePereira818171
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 

Parasitologia - Balantidium coli

  • 2. Balantidium coli Classificação científica Reino:Protista Filo:Ciliophora Classe:Litostomatea Ordem:Vestibuliferida Família:Balantiididae Género:Balantidium Espécie:B. coli
  • 3. Balantidium coli Ciliado causador da balantidiose, uma infecção do Intestino grosso do homem
  • 4. Balantidium coli  o vive no intestino grosso humano, possui cílios  é o maior protozoário que pode parasitar o homem, pois mede 60 a 90 μm de comprimento, por 50 a 60 μm de largura.
  • 5. Balantidium coli Além do fato de ser grande, possui dois núcleos, que são chamados de micronúcleo e macronúcleo.
  • 6.
  • 7. Reprodução:  Em geral, o parasito se multiplica na luz intestinal por divisão binária.  A multiplicação também leva à produção de cistos, que aparecem em grande número nas fezes formadas, apesar dos trofozoítos também serem eliminados.  A contaminação pela ingestão de cistos é a mais usual, visto que são mais resistentes às condições do meio externo.
  • 8. Ciclo Trofozoítos unem -se temporariamente pelo processo denominado conjugação, com tempo suficiente para a troca de material genético cistos & trofozoítos cisto     
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13. Importância  A distribuição da balantidíase é mundial, porém a prevalência é muito baixa (<1%)  A maioria dos casos humanos está entre os tratadores, criadores, comerciantes e abatedores de suínos  O parasito causa a balantidíase, uma infecção que acomete o intestino grosso humano. Os casos humanos se relacionam, em geral, com a presença de porcos infectados.  O quadro clínico pode: ser assintomático, ser do tipo crônico ou produzir diarréia ou disenteria (fezes com muco e sangue), sendo que na última situação o quadro é indistinguível daquele produzido pela amebíase. 
  • 14. Sintomas: A infecção se manifesta com febre, anorexia, náuseas, vômitos e diarréia que pode evoluir com sintomas com muco, pus e sangue; Os casos graves manifestam-se com desidratação e hemorragias intestinais; A doença pode assumir forma crônica.
  • 15. Diagnóstico: Feito pela visualização de trofozoitos e/ou cistos nas fezes Diagnóstico diferencial:  enterocolite amebiana
  • 16. Prevenção: se faz pela higiene adequada, cozimento de alimentos, fervura da água, tratamento dos doentes e tratamento dos porcos (possíveis reservatórios do parasito). Engenharia sanitária: destino adequado dos dejetos dos suínos
  • 17. Tratamento: é feito com tetraciclina, 30 a 50 mg/kg. por dia, por dez dias alternativamente e em crianças, metronidazol, 20 mg/kg por dia, por sete dias. Além do uso medicamentoso para atingir a cura da parasitose, recomenda-se fazer uma dieta láctea (muitas vezes apenas a dieta já cura o indivíduo), pois o Balantidium coli só se alimenta do amido.