O JUIZ E A VIÚVA
Sobre o dever de sempre orar e não desanimar/ter medo
LUCAS 18:1-8
 1- Disse-lhes Jesus uma
parábola sobre o dever de orar
sempre e nunca esmorecer:
 2- Havia em certa cidade...
Durante sua última viagem a Jerusalém JESUS dá ensinos a seus
discípulos que seriam importantes para eles, quando fossem d...
A última viagem para Jerusalém
Esta passagem divide-se em três seções:
 Primeiro vem a introdução (v.1)
 Segundo, a parábola propriamente dita (vv. 2 -...
 Dois temas são interligados na passagem:
 A persistência em oração
 A iminência/demora da volta gloriosa de JESUS CRIS...
O AUDITÓRIO
 Os discípulos (Lucas 17:22)
 Provavelmente, os fariseus (Lucas 17:20)
 “A introdução reforça o tema de persistência em
oração. Ao mesmo tempo, a aplicação específica no
fim da parábola já é a...
 “Aqui, uma piedade simples expressa em uma
oração confiante é recomendada como solução para
o medo que rouba ao crente a...
OS PERSONAGENS
O JUIZ INÍQUO
A VIÚVA
DESAMPARADA
O JUIZ
“Havia em certa cidade
um juiz que não temia
a DEUS, nem
respeitava homem
algum.” Lucas 18:2
O JUIZ
 Em II Crônicas 19:6-7 Josafá escolhe juízes para a
terra e lhes diz:
...Vede o que fazeis, porque não julgais da ...
 Estas admoestações são sempre necessárias em
qualquer sociedade, e o Antigo Testamento continua
procurando estabelecer j...
 O Talmude (coleção de livros com comentários
rabínicos) fala de juízes de aldeia que estavam
dispostos a perverter a jus...
O JUIZ
 NÃO TEMIA A DEUS
 NEM RESPEITAVA HOMEM ALGUM
 “O problema desse juiz não é que ele não “respeita”
outras pessoas no sentido de respeitar alguém de
cultura ou de posiç...
 Uma das críticas mais agudas que se pode fazer a
um adulto numa aldeia do Oriente Médio é ‘ele não
tem vergonha’. (Baile...
A VIÚVA
“Havia também,
naquela mesma cidade,
uma viúva que vinha ter
com ele, dizendo: julga
a minha causa contra o
meu adversário...
A VIÚVA
 No Antigo Testamento a viúva é um símbolo típico
dos inocentes, impotentes e oprimidos (Isaías 1:17 e
23)
 “Em todas as épocas e lugares os ambiciosos têm
verificado que as viúvas são vulneráveis à opressão
e à injustiça, pois ...
A parábola apresenta três pressupostos:
1. A viúva está do lado do direito (e a justiça lhe está
sendo negada).
2. Por alg...
Bailey destaca um ponto interessante
sobre a mulher no Oriente Médio:
 As mulheres não vão a um tribunal. Uma mulher
sozi...
O LUGAR DAS MULHERES NO MINISTÉRIO
DE JESUS
 Jesus concedeu às mulheres dignidade e respeito
que eram praticamente descon...
“Ele, por algum tempo, não a quis
atender; mas, depois, disse
consigo: Bem que eu não temo a
DEUS, nem respeito a homem
al...
 “Para que ela não me dê dor de cabeça!”
(de acordo com algumas versões árabes)
 “Para que ela não continue a vir e a me...
 A viúva não tinha dinheiro, não tinha amigos ricos e
poderosos e vivia em um mundo “machista”. O juiz
era totalmente iní...
 Assim sendo, a idéia principal da parábola é a
persistência.
“Então, disse o Senhor:
Considerai no que diz este juiz
iníquo. Não fará Deus justiça aos
seus escolhidos, que a ele
clama...
 A parábola utiliza o princípio rabínico de “do mais
leve para o mais pesado”.
 Se as necessidades dessa mulher são supridas,
quanto mais as necessidades do crente que ora não
a um juiz iníquo, mas a ...
 “Quando o medo se apossa do coração do crente,
ele é desafiado a orar, e a orar continuamente em
face a todos os desânim...
 É preciso lembrar que Jesus está a caminho de
Jerusalém, para o grande martírio.
 O medo toma conta dos corações dos di...
 A resposta é: sim!
A resposta às orações não foi o livramento das
torturas e da morte de Cristo. A resposta foi a
RESSUR...
 Os discípulos aprenderam que não são prediletos
mimados da Providência divina, mas são
instrumentos para honra e glória ...
Para reflexão:
 A oração vence o medo.
 A persistência na oração é parte integrante da vida
do crente.
 Quando o crente...
 “A oração é a comunhão dos filhos de DEUS com o
seu Pai que está nos céus, e consiste em adoração,
ação de graças, confi...
Portanto, precisamos confiar
e ser firmes na oração.
SALMO 116:1-2
 Na definição do Dicionário da Bíblia, citada a pouco,
sobre oração, observamos “a ação de graças” como
um dos aspectos d...
Jornalista egípcia-americana Mona Eltahawy
(publicado no site de “Carta Capital” em abril/2012)
 “Ela cita, por exemplo, ...
Reportagem realizada pelo “Fantástico” em
junho/2014
 O Líbano, por exemplo, uma sociedade moderna convive com
costumes m...
CRÉDITOS - continuação
 Bibliografia
 BAILEY, Kenneth. AS PARÁBOLAS DE LUCAS;
tradução Adiel Almeida de Oliveira; Vida N...
CRÉDITOS
 Produzido por:
 Zilrene Alcantara Miguel
 Imagens
 Slide 2: www.google.com.br/imagens
 Slide 3: Bíblia Digi...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O JUIZ E A VI

478 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

O JUIZ E A VI

  1. 1. O JUIZ E A VIÚVA Sobre o dever de sempre orar e não desanimar/ter medo
  2. 2. LUCAS 18:1-8  1- Disse-lhes Jesus uma parábola sobre o dever de orar sempre e nunca esmorecer:  2- Havia em certa cidade um juiz que não temia a Deus, nem respeitava homem algum.  3- Havia também, naquela mesma cidade, uma viúva que vinha ter com ele, dizendo: Julga a minha causa contra o meu adversário.  4- Ele, por algum tempo, não a quis atender; mas, depois, disse consigo: Bem que eu não temo a Deus, nem respeito a homem algum;  5- todavia, como esta viúva me importuna, julgarei a sua causa, para não suceder que, por fim, venha a molestar-me.  6- Então, disse o Senhor: Considerai no que diz este juiz iníquo.  7- Não fará Deus justiça aos seus escolhidos, que a ele clamam dia e noite, embora pareça demorado em defendê- los?  8- Digo-vos que, depressa, lhes fará justiça. Contudo, quando vier o Filho do Homem, achará, porventura, fé na terra?
  3. 3. Durante sua última viagem a Jerusalém JESUS dá ensinos a seus discípulos que seriam importantes para eles, quando fossem deixados a prosseguir como líderes cristãos, sem a sua presença física.
  4. 4. A última viagem para Jerusalém
  5. 5. Esta passagem divide-se em três seções:  Primeiro vem a introdução (v.1)  Segundo, a parábola propriamente dita (vv. 2 -5)  Finalmente a aplicação dominical* da parábola (vv. 6-8) *Dominical = relativo ao SENHOR.
  6. 6.  Dois temas são interligados na passagem:  A persistência em oração  A iminência/demora da volta gloriosa de JESUS CRISTO.
  7. 7. O AUDITÓRIO  Os discípulos (Lucas 17:22)  Provavelmente, os fariseus (Lucas 17:20)
  8. 8.  “A introdução reforça o tema de persistência em oração. Ao mesmo tempo, a aplicação específica no fim da parábola já é aludida nesta introdução. Os fiéis devem ser persistentes na oração não apenas em relação à intervenção decisiva de DEUS na história, mas eles devem buscá-LO sempre que Ele parecer distante e a confiança dos crentes vacilar. A solução para o medo é a oração.” (Bailey, p. 310).
  9. 9.  “Aqui, uma piedade simples expressa em uma oração confiante é recomendada como solução para o medo que rouba ao crente a sua tranquilidade, e assim ele suportará tudo. Jesus e o seu pequeno grupo de seguidores enfrentam rejeição e hostilidade intensificadas de todos os lados. Certamente esta introdução/interpretação generalizada da parábola pode ser considerada como autêntica em relação à situação que Jesus enfrentava, bem como uma introdução apropriada à parábola em estágio posterior da vida da igreja primitiva.” (Bailey, p.310)
  10. 10. OS PERSONAGENS O JUIZ INÍQUO A VIÚVA DESAMPARADA
  11. 11. O JUIZ
  12. 12. “Havia em certa cidade um juiz que não temia a DEUS, nem respeitava homem algum.” Lucas 18:2
  13. 13. O JUIZ  Em II Crônicas 19:6-7 Josafá escolhe juízes para a terra e lhes diz: ...Vede o que fazeis, porque não julgais da parte do homem, e sim, da parte do Senhor, e no julgardes Ele será convosco. Agora, pois, seja o temor do Senhor convosco; tomai cuidado, e fazei-o; porque não há no Senhor nosso Deus injustiça, nem parcialidade, nem aceita ele suborno.
  14. 14.  Estas admoestações são sempre necessárias em qualquer sociedade, e o Antigo Testamento continua procurando estabelecer justiça às portas. Amós, em particular, ficou irado com a corrupção dos juízes. (Amós 2:6).
  15. 15.  O Talmude (coleção de livros com comentários rabínicos) fala de juízes de aldeia que estavam dispostos a perverter a justiça por um prato de comida.
  16. 16. O JUIZ  NÃO TEMIA A DEUS  NEM RESPEITAVA HOMEM ALGUM
  17. 17.  “O problema desse juiz não é que ele não “respeita” outras pessoas no sentido de respeitar alguém de cultura ou de posição elevada. Ao contrário, é um caso de incapacidade de sentir a maldade de suas ações na presença de alguém que possa fazê-lo ficar envergonhado. Neste caso ele está ferindo uma viúva desamparada. Ele devia sentir-se envergonhado. Mas o mundo inteiro pode gritar: “Que vergonha!” mas isto não causará nenhuma impressão sobre ele.” (Bailey, p. 312).
  18. 18.  Uma das críticas mais agudas que se pode fazer a um adulto numa aldeia do Oriente Médio é ‘ele não tem vergonha’. (Bailey, adaptado).  O juiz não tinha “vergonha”; era desavergonhado. Ele era o que popularmente chamamos “sem vergonha”.  Certamente, a única maneira de conseguir alguma coisa com um juiz assim era através da corrupção e de propinas.
  19. 19. A VIÚVA
  20. 20. “Havia também, naquela mesma cidade, uma viúva que vinha ter com ele, dizendo: julga a minha causa contra o meu adversário.” Lucas 18:3
  21. 21. A VIÚVA  No Antigo Testamento a viúva é um símbolo típico dos inocentes, impotentes e oprimidos (Isaías 1:17 e 23)
  22. 22.  “Em todas as épocas e lugares os ambiciosos têm verificado que as viúvas são vulneráveis à opressão e à injustiça, pois elas não têm alguém para protegê-las. Por isso DEUS ordena que os juízes lhes dêem especial consideração, Jer. 22:3.” (Bailey, p.313)
  23. 23. A parábola apresenta três pressupostos: 1. A viúva está do lado do direito (e a justiça lhe está sendo negada). 2. Por alguma razão, o juiz não deseja servi-la (ela não pagou o suborno?). 3. O juiz prefere favorecer o adversário dela. (O adversário dela tem influência, ou pagou suborno?)
  24. 24. Bailey destaca um ponto interessante sobre a mulher no Oriente Médio:  As mulheres não vão a um tribunal. Uma mulher sozinha em um tribunal demonstra que ela é desamparada, ou seja, não tem um homem para defendê-la.
  25. 25. O LUGAR DAS MULHERES NO MINISTÉRIO DE JESUS  Jesus concedeu às mulheres dignidade e respeito que eram praticamente desconhecidos entre os rabinos da época.Todos os evangelhos registram como Jesus se agradava da presença das mulheres entre seus seguidores, mas Lucas dá especial atenção a este fato. Esta parábola é um exemplo da atenção de Jesus a todas as mulheres de seu tempo.
  26. 26. “Ele, por algum tempo, não a quis atender; mas, depois, disse consigo: Bem que eu não temo a DEUS, nem respeito a homem algum; todavia, como esta viúva me importuna, julgarei a sua causa, para não suceder que, por fim, venha a molestar-me.” Lucas 18:4-5
  27. 27.  “Para que ela não me dê dor de cabeça!” (de acordo com algumas versões árabes)  “Para que ela não continue a vir e a me molestar para sempre.” (de acordo com versões gregas)
  28. 28.  A viúva não tinha dinheiro, não tinha amigos ricos e poderosos e vivia em um mundo “machista”. O juiz era totalmente iníquo. Ainda assim, a viúva conseguiu uma audiência e teve a causa decidida a seu favor.
  29. 29.  Assim sendo, a idéia principal da parábola é a persistência.
  30. 30. “Então, disse o Senhor: Considerai no que diz este juiz iníquo. Não fará Deus justiça aos seus escolhidos, que a ele clamam dia e noite, embora pareça demorado em defendê- los? Digo-vos que, depressa, lhes fará justiça.” Lucas 18:6-8a
  31. 31.  A parábola utiliza o princípio rabínico de “do mais leve para o mais pesado”.
  32. 32.  Se as necessidades dessa mulher são supridas, quanto mais as necessidades do crente que ora não a um juiz iníquo, mas a DEUS. “ Se mesmo um juiz injusto (v.6) fará aquilo que é direito, quanto mais DEUS?” (Bíblia de Genebra, p. 1212) O crente pode ficar certo de que as suas petições são ouvidas e atendidas.
  33. 33.  “Quando o medo se apossa do coração do crente, ele é desafiado a orar, e a orar continuamente em face a todos os desânimos, com plena consciência de que DEUS agirá tendo em vista os seus melhores interesses”. Bailey, p.318
  34. 34.  É preciso lembrar que Jesus está a caminho de Jerusalém, para o grande martírio.  O medo toma conta dos corações dos discípulos: o E agora? DEUS vai defendê-los? o DEUS vai livrar Jesus dos sofrimentos e da morte? o Suas orações serão respondidas?
  35. 35.  A resposta é: sim! A resposta às orações não foi o livramento das torturas e da morte de Cristo. A resposta foi a RESSURREIÇÃO.
  36. 36.  Os discípulos aprenderam que não são prediletos mimados da Providência divina, mas são instrumentos para honra e glória do SENHOR. Portanto, as suas orações deveriam ser feitas com a mesma disposição da viúva, buscando incessantemente a glória de DEUS.
  37. 37. Para reflexão:  A oração vence o medo.  A persistência na oração é parte integrante da vida do crente.  Quando o crente ora, ele se dirige a um DEUS amoroso e justo.  DEUS vai cumprir os seus objetivos e responde todas as orações de seus servos.
  38. 38.  “A oração é a comunhão dos filhos de DEUS com o seu Pai que está nos céus, e consiste em adoração, ação de graças, confissão de pecados e petições...” (Dicionário da Bíblia, John D. Davis, p.432)
  39. 39. Portanto, precisamos confiar e ser firmes na oração. SALMO 116:1-2
  40. 40.  Na definição do Dicionário da Bíblia, citada a pouco, sobre oração, observamos “a ação de graças” como um dos aspectos da oração.  Aprendemos também que nós não somos prediletas mimadas da Providência divina.
  41. 41. Jornalista egípcia-americana Mona Eltahawy (publicado no site de “Carta Capital” em abril/2012)  “Ela cita, por exemplo, a proibição de as mulheres dirigirem na Arábia Saudita. Debate leis de países coniventes com violência doméstica contra as mulheres em “casos especiais”, e lembra que o assédio sexual é uma prática endêmica na região. Mona cita outras violações ainda mais atrozes, como a mutilação genital, proibida, mas ainda muito comum no Egito; os “testes de virgindade”, também realizados no Egito; as permissões de casamentos entre homens adultos e meninas de 10 ou 11 anos no Iêmen e na Arábia Saudita; ou de casamentos entre vítimas de estupros e seus algozes. Todos esses fatos, sem dúvida terríveis, servem para provar como é lastimável a situação de muitas mulheres no Oriente Médio,...”  http://www.cartacapital.com.br/internacional/a-primavera- arabe-vai-promover-os-direitos-das-mulheres/
  42. 42. Reportagem realizada pelo “Fantástico” em junho/2014  O Líbano, por exemplo, uma sociedade moderna convive com costumes medievais. Lá, as mulheres, depois do casamento, passam a ser propriedade dos maridos e podem ser agredidas, presas e até estupradas sem ter a quem recorrer. ...  Segregação, maus tratos, mutilação de órgãos genitais, estupros, tortura dentro de casa, divórcios desejados pelas mulheres, mas dificilmente alcançados e crimes de honra em que o marido assassino sai praticamente impune. ...  Um estudo da ONU, de março deste ano, fez um ranking dos países muçulmanos que mais desrespeitam os direitos das mulheres. O Líbano aparece na posição 14 entre 47 países. No Egito, segundo a ONU, mais de 27 milhões de mulheres tiveram os órgãos genitais mutilados. No Iraque, mulheres são vendidas e estupradas.  http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2014/06/mulheres-sao- vistas-como-propriedades-dos-homens-no-libano.html
  43. 43. CRÉDITOS - continuação  Bibliografia  BAILEY, Kenneth. AS PARÁBOLAS DE LUCAS; tradução Adiel Almeida de Oliveira; Vida Nova; São Paulo; 1995.  DAVIS, John D. DICIONÁRO DA BÍBLIA; tradução do Rev. J.R. Carvalho Braga; Juerp; Rio de Janeiro; 1990.  ELWELL,Walter A. e YARBROUGH, Robert W. DESCOBRINDO O NOVO TESTAMENTO – UMA PERSPECTIVA HISTÓRICA E TEOLÓGICA; tradução Lúcia Kerr Jóia; Cultura Cristã; São Paulo; 2002.  Bíblia de Estudo de Genebra. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, São Paulo e Barueri, 1999.
  44. 44. CRÉDITOS  Produzido por:  Zilrene Alcantara Miguel  Imagens  Slide 2: www.google.com.br/imagens  Slide 3: Bíblia Digital ILÚMINA GOLD – Sociedade Bíblica do Brasil.  Slide 17: www.google.com.br/imagens

×