ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL - Cap. 4 – Ética e o Método Científico

847 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL - Cap. 4 – Ética e o Método Científico

  1. 1. Ética Geral e Profissional Prof. Elvis Magnohttp://www.4shared.com/get/7zAam0P0/livro_-_antologia_ilustrada_da.html;jsessionid=27926C21A
  2. 2. Cap. 2 – Ética e o Pensar É impossível Deve-se ter um Deve-se ter um Aplicação do Aplicação doTodos tem Todos tem conhecer alguma método que garanta método que garanta método método lógos lógos coisa sem a legitimidade dos a legitimidade dos científico aos científico aos Tudo flui Tudo flui reconhecer a resultados resultados problemas problemas própria ignorância filosóficos filosóficos Não julgues a doutrina Não julgues a doutrina Todo conhecimento é Todo conhecimento é A mente humana é, A mente humana é, do ser com base em do ser com base em uma recordação uma recordação ao nascer, um papel ao nascer, um papel sensação, mas, sim com sensação, mas, sim com em branco em branco base na lógica racional base na lógica racional
  3. 3. Cap. 3 – Ética e o Significado de Conhecer exclui a exclui a O engano muitas o verdadeiro o verdadeiro hipótese de hipótese de vezes é decorrência princípio de todo princípio de todoque as ideias que as ideias da presença,de saber reside na saber reside naderivam dos derivam dos uma série de autoconsciência autoconsciência sentidos sentidos crenças Todo conhecimento Todo conhecimento Os esquemas mentais já Os esquemas mentais já Tudo o que sabemos Tudo o que sabemos humano reduz-se à humano reduz-se à presentes na mente que presentes na mente que do mundo é puro do mundo é puro simples sensação simples sensação determinam o que determinam o que fenômeno, ou seja, fenômeno, ou seja, podemos conhecer do podemos conhecer do aparência, ilusão, aparência, ilusão, objeto objeto fantasia fantasia
  4. 4. Cap. 4 – Ética e o MétodoCientífico4.1 Aristóteles: Ciência é conhecer as quatro causas. Problema: Quais são as causas do devir (mudança constante)? Tese: Um evento nunca é produzido por uma única causa. 1) causa material; 2) causa eficiente (talento/capacidade); 3) causa formal (burocrática); 4) causa final (de finalidade, objetivo). Ex.: Fui de carro para uma reunião e não cheguei. 1) causa material – o carro quebrou; 2) causa eficiente – eu não detinha conhecimento para consertar; 3) causa formal – tive problemas e não pude ir; 4) causa final – a reunião não era o mais importante, não fiz de tudo para estar lá, podia ter pego taxi, motoboy e depois chamar o guincho.
  5. 5. Cap. 4 – Ética e o MétodoCientífico4.1 Aristóteles: Ciência é conhecer as quatro causas. Proposições:  Deve haver uma hierarquia das causas;  Causa é a essência do método científico;  As causas formais e finais devem ser analisadas em profundidade;  Causas materiais e eficientes podem ser facilmente identificadas;  As causas finais devem se sobrepor as demais (ser a mais importante).
  6. 6. Cap. 4 – Ética e o MétodoCientífico4.2 Galileu: Crítica a Aristóteles. Problema: O que induz muitos indivíduos a negar a evidência? Tese: Critério da verificação experimental. A negação da evidência, o fechar os olhos diante de uma prova são comportamentos reais, explicáveis por uma psique humana (ideias da própria mente do homem).
  7. 7. Cap. 4 – Ética e o MétodoCientífico4.2 Galileu: Crítica a Aristóteles. Proposições:  Segundo Galileu, os nervos nascem no cérebro, para Aristóteles, no coração;  Na mentalidade pré-científica, o parecer de uma autoridade ilustre cona mais do que a experiência;  Pode-se negar o significado de uma experiência somente com outra experiência;  Se Aristóteles dispusesse de telescópio, teria modificado a sua teoria astronômica. Pode-se estimar Aristóteles e criticar os aristotélicos.  Há a tendência de acreditar mais em um grande autor do que em uma experiência direta.
  8. 8. Cap. 4 – Ética e o MétodoCientífico4.3 Descartes: Quando os raciocínios são concatenados (ligados). Problema: O que significa raciocinar? Como se deve processar o saber cientifico? Tese: O método para produzir um conhecimento inopinável é a dedução (obter com coerência novas verdades a partir de proposições absolutamente certas – verdadeiramente evidentes).
  9. 9. Cap. 4 – Ética e o MétodoCientífico4.3 Descartes: Quando os raciocínios são concatenados (ligados). Proposições:  Encontrar postulados evidentes, de onde possam partir as cadeias consequenciais;  Um modelo a ser seguido é a geometria euclidiana.
  10. 10. Cap. 4 – Ética e o MétodoCientífico4.4 Hume: Observação. Problema: Quais são os limites do conhecimento experimental? A causalidade é somente um esquema mental? Tese: O princípio basilar de todo pensamento científico é o de causa-efeito. Determinados eventos podem ser previstos como consequência necessária das causas que os produziram.
  11. 11. Cap. 4 – Ética e o MétodoCientífico4.4 Hume: Observação. Proposições:  Observamos o choque entre duas bolas de bilhar. Continuidade espacial é efetivamente observável;  Nota-se uma constância nos fenômenos físicos;  A relação causa-efeito pode ser entendida por inferência;  A previsão de determinadas causas baseia-se em experiências passadas;  A previsão dos efeitos baseia-se no hábito;  A experiência ilumina o passado, mas não diz nada do futuro.
  12. 12. Cap. 4 – Ética e o MétodoCientífico4.5 Kant: A diferença entre juízos analíticos e sintéticos. Problema: É possível construir uma tipologia dos juízos cognitivos? Tese: Os juízos analíticos são típicos da tradição racionalista cartesiana que construía a ciência como explicação dedutiva a partir de algumas verdades evidentes.
  13. 13. Cap. 4 – Ética e o MétodoCientífico4.5 Kant: A diferença entre juízos analíticos e sintéticos. Proposições:  O processo analítico é explicativo, desenvolve um conteúdo já conhecido;  Um aumento dos conhecimentos pode derivar somente de juízos sintéticos;  Há substancial diferença entre os juízos analíticos e os juízos sintéticos.
  14. 14. Cap. 4 – Ética e o Método Científico Um evento Um evento O método para O princípio basilar de O princípio basilar de nunca é nunca é produzir um todo pensamento todo pensamentoproduzido por produzido por conhecimento científico é o de causa- científico é o de causa- uma única uma única inopinável é a efeito efeito causa causa dedução o fechar os olhos diante o fechar os olhos diante juízos analíticos e juízos analíticos e de uma prova são de uma prova são sintéticos sintéticos comportamentos reais comportamentos reais

×