Travas e Vedantes 
Prof. Elton Ricardo
Conceito 
• As travas e vedantes químicos são 
componentes que auxiliam nas operações 
de manutenção que envolvem recupera...
Introdução 
• É um processo de recuperação de 
elementos mecânicos ; 
• São produtos anaeróbicos utilizados na 
vedação e ...
Aplicação 
• Resinas anaeróbicas que endurecem na 
ausência de Oxigênio; 
• Apresentam vários níveis de viscosidade e 
res...
Trava Química 
• Devido á esforços de contração térmica, 
vibração, dilatação e impactos quando estão 
em funcionamento os...
Aplicação
Processo de Aplicação 
1. Limpeza das roscas, tanto do parafuso 
como da porca ou furo roscado; 
2. Seleção da trava de ro...
Recuperação de roscas
Considerações Importantes 
A quantidade de graxa aplicada deve 
ser suficiente para preencher todos os 
espaços vazios. 
P...
Desmontagem 
Ferramenta utilizada 
para a montagem. 
Se necessário aplicar 
calor localizado por 
cerca de cinco minutos. ...
Vedação de Roscas 
Os tipos mais comuns de vedantes de 
roscas são as fitas de teflon, sisal e massas 
vedantes. 
Não prop...
Aplicação
Vedação de Superfícies 
Planas
Vedação de Superfícies 
Planas 
O vedante utilizado permite uma 
perfeita adaptação à conformação das 
superfícies, que fi...
Fixação Anaeróbica 
Bastante utilizado para a fixação de 
rolamentos que ficam com folga no mancal ou 
na sede. 
Este proc...
Observações 
Também aplicado na montagem de 
engrenagens, rolamentos, buchas em 
eixos e sedes, substituindo métodos 
mecâ...
Observações
Desmontagem com 
fixação anaeróbica 
Utilização de componentes usuais 
(saca-polias, saca-rolamentos). 
Se necessário apli...
Travas e Vedantes
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Travas e Vedantes

3.653 visualizações

Publicada em

Elementos de Fixação

Publicada em: Educação
1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.653
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
631
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
167
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Travas e Vedantes

  1. 1. Travas e Vedantes Prof. Elton Ricardo
  2. 2. Conceito • As travas e vedantes químicos são componentes que auxiliam nas operações de manutenção que envolvem recuperação e montagem de peças de máquinas; • promovem uma rápida e eficiente fixação, sendo seguros, confiáveis e fáceis de aplicar; • auxiliam serviços de manutenção, em termos de reparos, tornam-se melhores e mais rápidos.
  3. 3. Introdução • É um processo de recuperação de elementos mecânicos ; • São produtos anaeróbicos utilizados na vedação e fixação de componentes mecânicos.
  4. 4. Aplicação • Resinas anaeróbicas que endurecem na ausência de Oxigênio; • Apresentam vários níveis de viscosidade e resistência sendo que na sua fabricação são empregadas tecnologias avançadas; • Aplicações: – travamento anaeróbico de parafusos; – adesão anaeróbica de estruturas; – vedação anaeróbica; – vedação anaeróbica de superfícies planas; – adesão anaeróbica instantânea.
  5. 5. Trava Química • Devido á esforços de contração térmica, vibração, dilatação e impactos quando estão em funcionamento os elementos de maquinas podem se afrouxar, e por isso pode ocorrer danos nos componentes fixados por estes; • Uma das soluções é a utilização de trava química anaeróbica; • O produto ocupa os espaços vagos e se solidifica na ausência do ar, transformando-se numa película plástica proporcionando o travamento.
  6. 6. Aplicação
  7. 7. Processo de Aplicação 1. Limpeza das roscas, tanto do parafuso como da porca ou furo roscado; 2. Seleção da trava de rosca apropriada, de acordo com a resistência exigida; 3. Aplicação de diversas gotas de trava na região da rosca do parafuso e na região da rosca onde ele será fixado; 4. Colocação do parafuso ou da porca, roscando até atingir o torque (aperto) desejado.
  8. 8. Recuperação de roscas
  9. 9. Considerações Importantes A quantidade de graxa aplicada deve ser suficiente para preencher todos os espaços vazios. Permitem a reconstituição de roscas espanadas, pois ocupando o espaço entre a rosca e o parafuso cria uma nova rosca permitindo o reaproveitamento da peça.
  10. 10. Desmontagem Ferramenta utilizada para a montagem. Se necessário aplicar calor localizado por cerca de cinco minutos. Temperatura em cerca de 200º C e a desmontagem deve ser feita com o conjunto ainda quente.
  11. 11. Vedação de Roscas Os tipos mais comuns de vedantes de roscas são as fitas de teflon, sisal e massas vedantes. Não propiciam preenchimento total dos espaços vazios causando posicionamento impreciso de peças unidas, bem como necessidades de reapertos e altos torques (podem causar avarias nas peças e causar contaminação da peça caso ocorra de partículas do vedante adentrem no material.
  12. 12. Aplicação
  13. 13. Vedação de Superfícies Planas
  14. 14. Vedação de Superfícies Planas O vedante utilizado permite uma perfeita adaptação à conformação das superfícies, que ficarão em contato sem a necessidade de interpor outros materiais, obtendo assim, uma vedação perfeita resistente e insolúvel. Com uma folga acima de 0,25mm, se faz necessário a utilização de uma junta espaçadora em conjunto com o vedante anaeróbico.
  15. 15. Fixação Anaeróbica Bastante utilizado para a fixação de rolamentos que ficam com folga no mancal ou na sede. Este processo evita usinagem do mancal ou sede e confecção de bucha, e por ser um processo mas rápido se torna mais econômico e ágil obtendo resultados satisfatórios. Possui aplicação simples, o liquido ocupa os espaços entre as peças e se solidifica devido a ausência de ar, formando uma película sólida que fixa os elementos.
  16. 16. Observações Também aplicado na montagem de engrenagens, rolamentos, buchas em eixos e sedes, substituindo métodos mecânicos como o emprego de chavetas, montagem com interferência (prensagem, dilatação ou contração térmica), pois o produto utilizado na fixação preenche todos os micro espaços existentes entre os componentes.
  17. 17. Observações
  18. 18. Desmontagem com fixação anaeróbica Utilização de componentes usuais (saca-polias, saca-rolamentos). Se necessário aplicar calor numa temperatura de 200ºC durante 5 minutos. Executar desmontagem com o conjunto ainda quente.

×