SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
Baixar para ler offline
Comportamento Organizacional
Curso: Preparação da Empresa para a Qualidade
Elsa Fernandes
Organização
[De organizar + acção.], S. f.
•
•

•
•

•

Acto ou efeito de organizar(-se).
Modo pelo qual um ser vivo é organizado;
estrutura.
Modo pelo qual se organiza um sistema.
Associação ou instituição com objectivos
definidos.
Planeamento, preparo.

Elsa Fernande

2
Organizar é…
• Constituir o organismo de; estabelecer as

bases de; ordenar, arranjar, dispor.
• Dar às partes (de um corpo) a disposição
necessária para as funções a que ele se
destina.
• Tornar definitiva uma organização; constituirse, formar-se.

Elsa Fernande

3
O estudo das organizações é
importante porque...
“Nascemos em organizações, somos educados
por organizações, e quase todos nós
passamos a vida a trabalhar para
organizações. Passamos muitas horas do
nosso tempo a pagar, jogar, brincar, rezar em
organizações…”
(Etzioni, 1967)

Elsa Fernande

4
A teoria das organizações é
recente...
Até final dos anos 40, o estudo das
organizações não era considerado como uma
área independente dentro da pesquisa
sociológica.
O estudo das organizações desenvolveu-se a
partir da tradução da obra de Max Weber
para o inglês, em 1946, em especial do
estudo “A Ética Protestante e o Pensamento
Capitalista”.
Elsa Fernande

5
Organizações podem ser
estudadas sob diversos aspectos:
• Psicológico, individual
• Social, colectivo
• Estrutural
• Processos, actividades
• Como colectividades (sectores da actividade

económica)

Elsa Fernande

6
Elementos de uma organização
ESTRUTURA SOCIAL

TECNOLOGIA

OBJECTIVOS

PARTICIPANTES

Elsa Fernande

AMBIENTE
7
Elementos de uma organização
Estrutura Social
•
•

Estrutura Normativa (valores, normas e papeis)
Estrutura de comportamento

Participantes
•

Todos aqueles que fazem contribuições para a
organização

Tecnologia
•
•

Elsa Fernande

Todas as técnicas utilizadas para a realização do
trabalho
Processos, máquinas, conhecimento, organização
(estrutura)
8
Elementos de uma Organização
Objectivos
Ambiente
•
•
•
•

Físico
Tecnológico
Cultural
Social

Elsa Fernande

9
Organizações podem
ser vistas como:
Sistemas Racionais
Sistemas Naturais
Sistemas Abertos
(Scott, 1995)

Elsa Fernande

10
Organização vs Instituição
Instituição:
•
•
•

Estabilidade estrutural
Significado especial
Complexo consagrado de normas

“As instituições são conjunto de normas sociais,
geralmente de carácter jurídico, que gozam
de reconhecimento social”
(Srour, 1988)
Elsa Fernande

11
Comportamento Organizacional
Campo de estudo que investiga o impacto que
indivíduos, grupos e a estrutura têm sobre o
comportamento dentro das organizações
com o propósito de aplicar este
conhecimento em prol do aprimoramento da
eficácia de uma organização.
(ROBBINS, 1999)

Elsa Fernande

12
Comportamento Organizacional (CO)
O CO está interessado:
ν
ν

no estudo do que as pessoas fazem numa
organização e
como este comportamento afecta o desempenho da
organização.

Comportamentos relacionados a:
ν
ν
ν
ν
ν
ν

cargos,
trabalhos,
absentismo,
rotatividade no emprego,
produtividade e
desempenho humano.

Elsa Fernande

13
Suposições sobre comportamentos
relacionados com o trabalho
• Trabalhadores felizes são trabalhadores produtivos.
• Todos os indivíduos são mais produtivos quando os
•

•
•

•

seus chefes são amigáveis, confiáveis e acessíveis.
Os melhores líderes são aqueles que têm um
comportamento constante, independentemente das
situações que enfrentem.
Todos querem um trabalho desafiador.
Uma vez que os objectivos específicos intimidam as
pessoas, os indivíduos trabalham melhor quando só
se pede que eles façam o melhor que puderem.
As equipas de trabalho mais eficazes estão livres de
conflitos

Elsa Fernande

14
Papéis de Gestão
Interpessoais:
Não são papeis que envolvam as operações que os gerentes
devem realizar para alcançarem os seus resultados, mas
relações com pessoas com as quais mantêm contacto.
de Informação:
Todos os gerentes, em algum grau, recolhem informações de
organizações e instituições diferentes da sua.
Decisórios:
Os gerentes estão constantemente a tomar decisões, quer
quando implementam um projecto, quando corrigem um
problema, quando afectam recursos ou quando negociam
com outras pessoas ou unidades de negócios.

Elsa Fernande

15
Habilidades de Gestão
Técnicas:
Compreendem a habilidade de aplicar um
conhecimento especializado ou perícia.
Humanas:
É a capacidade de trabalhar com outras pessoas,
entendê-las e motivá-las, tanto individualmente
quanto em grupos.
Conceptuais:
Os gestores devem ter a capacidade mental para
analisar e diagnosticar situações complexas,
processando e interpretando informações de
maneira racional.
Elsa Fernande

16
Habilidades de Gestão

Conceptuais
Humanas

Nível Gestão

Técnicas

Elsa Fernande

Nível Estratégico

Nível Operacional

17
Diversidade da Força de Trabalho
• São considerações a respeito das diferenças

entre pessoas dentro de um mesmo país, de
uma mesma organização.
• Heterogeneidade quanto ao género, raça e
etnia.
• Uma ideia antiga supunha que os diferentes
iriam querer se assemelhar aos demais.
• O pressuposto da homogeneidade está a ser
substituído pelo reconhecimento e
valorização das diferenças.
Elsa Fernande

18
Diversidade da Força de Trabalho
• Implicações:
• os gestores não podem tratar todos da mesma forma
• pode aumentar a criatividade e a inovação
• pode aprimorar as tomadas de decisões
• oferecer perspectivas diferentes para os problemas
• Quando não é bem administrada pode aumentar a

rotatividade de pessoal, dificultar a comunicação e
gerar os conflitos interpessoais.

Elsa Fernande

19
As variáveis do CO
• Variáveis dependentes
• Variáveis independentes
• (Variáveis situacionais)

Elsa Fernande

20
Variáveis Dependentes
Factores-chaves que queremos explicar ou prever e que são afectados
por outro factor:

Produtividade:
Uma organização é produtiva quando atinge os seus objectivos,
alcançando resultados a baixo custo.

Absentismo:
Uma organização tem dificuldades em funcionar de forma
equilibrada e atingir os seus objectivos se os empregados
faltam ao trabalho.

Rotatividade:
A saída constante de pessoas de uma organização gera altos
custos de recrutamento, selecção e formação.
Frequentemente, envolve a perda de pessoas que a
organização gostaria de manter.

Satisfação com o trabalho:
Elsa Fernande

Definida como a diferença entre a quantidade de recompensas
que os trabalhadores recebem e a quantidade que eles
acreditam que deveriam receber.

21
Variáveis Independentes
Factores que afectam outros factores.

Nível individual:
As pessoas entram nas organizações com algumas
características que influenciarão o seu comportamento no
trabalho.

Nível de grupo:
O comportamento das pessoas em grupo é mais do que a soma
total de todos os indivíduos agindo de forma individual.

Nível de sistemas de organização:
Da mesma forma que grupos são mais do que a soma dos seus
membros individuais, também as organizações são mais do
que a soma dos seus grupos de pessoas.

Elsa Fernande

22
Por uma antropologia da condição
humana nas organizações
Estudo do comportamento organizacional hoje:
•
•
•
•
•

Campo aberto para todo tipo de teorias
Centrado nos interesses de eficácia, desempenho,
produtividade e rendimento a curto prazo
Redução a técnicas de controle
Racionalidade instrumental e categorias económicas
rígidas
Homens e mulheres vistos como recursos, como
objectos equivalentes a ferramentas, equipamentos e
matéria-prima.

Elsa Fernande

23
Proposta
• Restituir a unidade e a especificidade ao ser

humano, reagrupando o conjunto de
conhecimentos existentes sobre ele.
• Perceber como a experiência humana é
vivida no universo organizacional.
• Reafirmar o papel do indivíduo, da
experiência, do simbólico nas organizações e
restitui-los aos seus quadros sócio-históricos.

Elsa Fernande

24
O ser humano
Uno e único enquanto espécie e
indivíduo
•

Ser genérico = carrega consigo o “formato
inteiro da humanidade” (da espécie)

•

Ser concreto, específico = numa situação de
facto, na realidade quotidiana

Elsa Fernande

25
O ser humano
Uno e único enquanto espécie e indivíduo (cont.)
•

Ser activo e reflexivo = aprendizagem
através da mobilização da linguagem e do
pensamento consciente, para a construção da
própria realidade social de cada um

•

Ser de palavra = pode expressar em palavras
a realidade, tanto interior quanto exterior,
acendendo ao mundo das significações –
compreensão do simbólico

Elsa Fernande

26
O ser humano
Uno e único enquanto espécie e indivíduo (cont.)

• Ser de desejo = é através do outro que o
indivíduo se constitui, se reconhece, sente
prazer e sofrimento, satisfaz ou não seus
desejos.
• Ser simbólico = produz representações
de mundo que lhe conferem significação
(signos, imagens, metáforas, emblemas,
símbolos, mitos, alegorias)
Elsa Fernande

27
O ser humano
Uno e único enquanto espécie e indivíduo (cont.)

• Ser espaço-temporal = define os quadros
geo-históricos da acção humana, reafirma
a identidade pessoal e colectiva
• Tempo: ritmos biológicos, psicológicos e
sociais que marcam as actividades individuais
e colectivas
• Espaço: geografia pessoal e social
(enraizamento espacial)

Elsa Fernande

28

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Comportamento organizacional
Comportamento organizacionalComportamento organizacional
Comportamento organizacionalBianca Carvalho
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalAdeildo Caboclo
 
Aula comportamento organizacional
Aula comportamento organizacionalAula comportamento organizacional
Aula comportamento organizacionalMarília Bogéa
 
Comportamento organizacional
Comportamento organizacionalComportamento organizacional
Comportamento organizacionalPatricia Ruiz
 
Comportamento humano nas organizações
Comportamento humano nas organizaçõesComportamento humano nas organizações
Comportamento humano nas organizaçõesMarco Coelho
 
Caderno - Comportamento organizacional
Caderno - Comportamento organizacionalCaderno - Comportamento organizacional
Caderno - Comportamento organizacionalCadernos PPT
 
Comportamento organizacional
Comportamento organizacionalComportamento organizacional
Comportamento organizacionalHanter Duarte
 
Comportamento organizacional
Comportamento organizacionalComportamento organizacional
Comportamento organizacionalLaura Malate
 
Comportamento organizacional debora
Comportamento organizacional deboraComportamento organizacional debora
Comportamento organizacional deboraMarlei88
 
6a aula REVISÃO GERAL comportamento organizacional mba rh 2014-1 - última aula
6a aula REVISÃO GERAL comportamento organizacional   mba rh 2014-1 - última aula6a aula REVISÃO GERAL comportamento organizacional   mba rh 2014-1 - última aula
6a aula REVISÃO GERAL comportamento organizacional mba rh 2014-1 - última aulaAna Gabriela Ribeiro Dezan
 
Comportamento organ v11-final
Comportamento organ v11-finalComportamento organ v11-final
Comportamento organ v11-finalSandra Oliveira
 
GESTÃO DO CONHECIMENTO EMPRESARIAL
GESTÃO DO CONHECIMENTO EMPRESARIALGESTÃO DO CONHECIMENTO EMPRESARIAL
GESTÃO DO CONHECIMENTO EMPRESARIALCarlos Benjoino Bidu
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalRui Loureiro
 
Aula 07 (1ºsem) 2013 comportamento humano nas organizações
Aula 07 (1ºsem) 2013   comportamento humano nas organizaçõesAula 07 (1ºsem) 2013   comportamento humano nas organizações
Aula 07 (1ºsem) 2013 comportamento humano nas organizaçõesadmunip2013
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalLuis Henrique
 
Aula01 comportamento organizac (1)
Aula01 comportamento organizac (1)Aula01 comportamento organizac (1)
Aula01 comportamento organizac (1)Vanessa Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
 
Comportamento organizacional
Comportamento organizacionalComportamento organizacional
Comportamento organizacional
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
 
Aula comportamento organizacional
Aula comportamento organizacionalAula comportamento organizacional
Aula comportamento organizacional
 
Comportamento organizacional
Comportamento organizacionalComportamento organizacional
Comportamento organizacional
 
Comportamento humano nas organizações
Comportamento humano nas organizaçõesComportamento humano nas organizações
Comportamento humano nas organizações
 
Caderno - Comportamento organizacional
Caderno - Comportamento organizacionalCaderno - Comportamento organizacional
Caderno - Comportamento organizacional
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
 
Comportamento organizacional
Comportamento organizacionalComportamento organizacional
Comportamento organizacional
 
Comportamento organizacional
Comportamento organizacionalComportamento organizacional
Comportamento organizacional
 
Comportamento organizacional
Comportamento organizacionalComportamento organizacional
Comportamento organizacional
 
Fundamentos do Comportamento
Fundamentos do ComportamentoFundamentos do Comportamento
Fundamentos do Comportamento
 
Comportamento organizacional debora
Comportamento organizacional deboraComportamento organizacional debora
Comportamento organizacional debora
 
6a aula REVISÃO GERAL comportamento organizacional mba rh 2014-1 - última aula
6a aula REVISÃO GERAL comportamento organizacional   mba rh 2014-1 - última aula6a aula REVISÃO GERAL comportamento organizacional   mba rh 2014-1 - última aula
6a aula REVISÃO GERAL comportamento organizacional mba rh 2014-1 - última aula
 
Comportamento organ v11-final
Comportamento organ v11-finalComportamento organ v11-final
Comportamento organ v11-final
 
GESTÃO DO CONHECIMENTO EMPRESARIAL
GESTÃO DO CONHECIMENTO EMPRESARIALGESTÃO DO CONHECIMENTO EMPRESARIAL
GESTÃO DO CONHECIMENTO EMPRESARIAL
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
 
Aula 07 (1ºsem) 2013 comportamento humano nas organizações
Aula 07 (1ºsem) 2013   comportamento humano nas organizaçõesAula 07 (1ºsem) 2013   comportamento humano nas organizações
Aula 07 (1ºsem) 2013 comportamento humano nas organizações
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
 
Aula01 comportamento organizac (1)
Aula01 comportamento organizac (1)Aula01 comportamento organizac (1)
Aula01 comportamento organizac (1)
 

Destaque

Aula 1 - Introdução ao Comportamento Organizacional
Aula 1 - Introdução ao Comportamento OrganizacionalAula 1 - Introdução ao Comportamento Organizacional
Aula 1 - Introdução ao Comportamento OrganizacionalFelipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Além da quinta disciplina peter senge
Além da quinta disciplina peter sengeAlém da quinta disciplina peter senge
Além da quinta disciplina peter sengePriscila Alves
 
Capital Humano - O Ativo mais relevante de um Empreendimento
Capital Humano - O Ativo mais relevante de um EmpreendimentoCapital Humano - O Ativo mais relevante de um Empreendimento
Capital Humano - O Ativo mais relevante de um Empreendimentoronaldo_de_castro_1970
 
Domínio pessoal - A Quinta Disciplina
Domínio pessoal - A Quinta DisciplinaDomínio pessoal - A Quinta Disciplina
Domínio pessoal - A Quinta DisciplinaTenderly Vilar
 
A sociologia contemporânea e brasil
A sociologia contemporânea  e brasilA sociologia contemporânea  e brasil
A sociologia contemporânea e brasilIsaquel Silva
 
Aula 15 sociologia contemporânea
Aula 15   sociologia contemporâneaAula 15   sociologia contemporânea
Aula 15 sociologia contemporâneaprofessorleo1989
 
Entendendo o Comportamento humano - Por Julio Pascoal
Entendendo o Comportamento humano - Por Julio PascoalEntendendo o Comportamento humano - Por Julio Pascoal
Entendendo o Comportamento humano - Por Julio PascoalJulio Pascoal
 
Sociedade contemporanea e alienação
Sociedade contemporanea e alienaçãoSociedade contemporanea e alienação
Sociedade contemporanea e alienaçãoErica Frau
 
Aspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoas
Aspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoasAspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoas
Aspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoasTurma_do_Marketing
 
Educação na pós modernidade
Educação na pós modernidade Educação na pós modernidade
Educação na pós modernidade Silvânio Barcelos
 
1a aula comportamento organizacional mba rh 2014-1
1a aula comportamento organizacional   mba rh 2014-11a aula comportamento organizacional   mba rh 2014-1
1a aula comportamento organizacional mba rh 2014-1Ana Gabriela Ribeiro Dezan
 
Sociedade contemporânea
Sociedade contemporâneaSociedade contemporânea
Sociedade contemporâneaLuan Ismar
 
Aula modernidade pós modernidade
Aula modernidade pós modernidadeAula modernidade pós modernidade
Aula modernidade pós modernidadeFlavia Gabriela
 
Teorias contemporaneas em educacao
Teorias contemporaneas em educacao Teorias contemporaneas em educacao
Teorias contemporaneas em educacao João Alberto
 
Sociologia sociologia contemporanea
Sociologia   sociologia contemporaneaSociologia   sociologia contemporanea
Sociologia sociologia contemporaneaDaniele Rubim
 

Destaque (19)

Aula 1 - Introdução ao Comportamento Organizacional
Aula 1 - Introdução ao Comportamento OrganizacionalAula 1 - Introdução ao Comportamento Organizacional
Aula 1 - Introdução ao Comportamento Organizacional
 
Além da quinta disciplina peter senge
Além da quinta disciplina peter sengeAlém da quinta disciplina peter senge
Além da quinta disciplina peter senge
 
Aula 01 Capital Humano
Aula 01 Capital HumanoAula 01 Capital Humano
Aula 01 Capital Humano
 
Capital Humano - O Ativo mais relevante de um Empreendimento
Capital Humano - O Ativo mais relevante de um EmpreendimentoCapital Humano - O Ativo mais relevante de um Empreendimento
Capital Humano - O Ativo mais relevante de um Empreendimento
 
Domínio pessoal - A Quinta Disciplina
Domínio pessoal - A Quinta DisciplinaDomínio pessoal - A Quinta Disciplina
Domínio pessoal - A Quinta Disciplina
 
A sociologia contemporânea e brasil
A sociologia contemporânea  e brasilA sociologia contemporânea  e brasil
A sociologia contemporânea e brasil
 
Educação Corporativa
Educação CorporativaEducação Corporativa
Educação Corporativa
 
Aula 15 sociologia contemporânea
Aula 15   sociologia contemporâneaAula 15   sociologia contemporânea
Aula 15 sociologia contemporânea
 
Comportamento Organizacional 2
Comportamento Organizacional 2Comportamento Organizacional 2
Comportamento Organizacional 2
 
Entendendo o Comportamento humano - Por Julio Pascoal
Entendendo o Comportamento humano - Por Julio PascoalEntendendo o Comportamento humano - Por Julio Pascoal
Entendendo o Comportamento humano - Por Julio Pascoal
 
Sociedade contemporanea e alienação
Sociedade contemporanea e alienaçãoSociedade contemporanea e alienação
Sociedade contemporanea e alienação
 
Aspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoas
Aspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoasAspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoas
Aspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoas
 
Educação na pós modernidade
Educação na pós modernidade Educação na pós modernidade
Educação na pós modernidade
 
1a aula comportamento organizacional mba rh 2014-1
1a aula comportamento organizacional   mba rh 2014-11a aula comportamento organizacional   mba rh 2014-1
1a aula comportamento organizacional mba rh 2014-1
 
Sociedade contemporânea
Sociedade contemporâneaSociedade contemporânea
Sociedade contemporânea
 
Aula modernidade pós modernidade
Aula modernidade pós modernidadeAula modernidade pós modernidade
Aula modernidade pós modernidade
 
Teorias contemporaneas em educacao
Teorias contemporaneas em educacao Teorias contemporaneas em educacao
Teorias contemporaneas em educacao
 
Imagens Da Organizacao De Gareth Morgan
Imagens Da Organizacao De Gareth MorganImagens Da Organizacao De Gareth Morgan
Imagens Da Organizacao De Gareth Morgan
 
Sociologia sociologia contemporanea
Sociologia   sociologia contemporaneaSociologia   sociologia contemporanea
Sociologia sociologia contemporanea
 

Semelhante a Comportamento Organizacional - Formação

Aula rodrigo estruturalismo - comportamentalismo
Aula rodrigo   estruturalismo - comportamentalismoAula rodrigo   estruturalismo - comportamentalismo
Aula rodrigo estruturalismo - comportamentalismoCassia da Silva
 
Comportamento e organização empresarial
Comportamento e organização empresarialComportamento e organização empresarial
Comportamento e organização empresarialJesse Costa
 
segunda aula gestao
 segunda aula gestao  segunda aula gestao
segunda aula gestao guest680ed0
 
Cultura organizacional- Conceito
Cultura organizacional- ConceitoCultura organizacional- Conceito
Cultura organizacional- ConceitoBolsista
 
Cultura organizacional
Cultura organizacionalCultura organizacional
Cultura organizacionalmfcorreia
 
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacaodigosdigos
 
Visão Humanística do Administrador Escolar
Visão Humanística do Administrador EscolarVisão Humanística do Administrador Escolar
Visão Humanística do Administrador EscolarDanielle Souza
 
Organizações que aprendem
Organizações que aprendemOrganizações que aprendem
Organizações que aprendemCelia Carvalho
 
Din mica de_grupo__apostila
Din mica de_grupo__apostilaDin mica de_grupo__apostila
Din mica de_grupo__apostilaSolange Montosa
 

Semelhante a Comportamento Organizacional - Formação (20)

Indivã­duo e a_organizaã§ã£o[1]
Indivã­duo e a_organizaã§ã£o[1]Indivã­duo e a_organizaã§ã£o[1]
Indivã­duo e a_organizaã§ã£o[1]
 
Organização Contemporânea 1
Organização Contemporânea 1Organização Contemporânea 1
Organização Contemporânea 1
 
Comportamento organizacional
Comportamento organizacionalComportamento organizacional
Comportamento organizacional
 
Co5
Co5Co5
Co5
 
Aula rodrigo estruturalismo - comportamentalismo
Aula rodrigo   estruturalismo - comportamentalismoAula rodrigo   estruturalismo - comportamentalismo
Aula rodrigo estruturalismo - comportamentalismo
 
Comportamento e organização empresarial
Comportamento e organização empresarialComportamento e organização empresarial
Comportamento e organização empresarial
 
segunda aula gestao
 segunda aula gestao  segunda aula gestao
segunda aula gestao
 
Cultura organizacional
Cultura organizacionalCultura organizacional
Cultura organizacional
 
Cultura organizacional- Conceito
Cultura organizacional- ConceitoCultura organizacional- Conceito
Cultura organizacional- Conceito
 
Cultura organizacional
Cultura organizacionalCultura organizacional
Cultura organizacional
 
Introdução ao comportamento organizacional
Introdução ao comportamento organizacionalIntrodução ao comportamento organizacional
Introdução ao comportamento organizacional
 
Comportamento Assertivo
Comportamento AssertivoComportamento Assertivo
Comportamento Assertivo
 
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
 
Personalidade valores e atitudes
Personalidade valores e atitudesPersonalidade valores e atitudes
Personalidade valores e atitudes
 
Visão Humanística do Administrador Escolar
Visão Humanística do Administrador EscolarVisão Humanística do Administrador Escolar
Visão Humanística do Administrador Escolar
 
Aumente a capacidade do seu Time com Team Building
Aumente a capacidade do seu Time com Team BuildingAumente a capacidade do seu Time com Team Building
Aumente a capacidade do seu Time com Team Building
 
Organizações que aprendem
Organizações que aprendemOrganizações que aprendem
Organizações que aprendem
 
Aula 11 fadm
Aula 11 fadmAula 11 fadm
Aula 11 fadm
 
Aula 01 recursos humano
Aula 01 recursos humanoAula 01 recursos humano
Aula 01 recursos humano
 
Din mica de_grupo__apostila
Din mica de_grupo__apostilaDin mica de_grupo__apostila
Din mica de_grupo__apostila
 

Mais de Elsa Fernandes

Patrimonio imaterial ajtg
Patrimonio imaterial ajtgPatrimonio imaterial ajtg
Patrimonio imaterial ajtgElsa Fernandes
 
Observatorio tradicoes ajtg
Observatorio tradicoes ajtgObservatorio tradicoes ajtg
Observatorio tradicoes ajtgElsa Fernandes
 
Não Julgue o Livro pela Capa
Não Julgue o Livro pela CapaNão Julgue o Livro pela Capa
Não Julgue o Livro pela CapaElsa Fernandes
 
25 Abril Textos Literarios
25 Abril Textos Literarios25 Abril Textos Literarios
25 Abril Textos LiterariosElsa Fernandes
 
Liceu Nacional da Guarda
Liceu Nacional da GuardaLiceu Nacional da Guarda
Liceu Nacional da GuardaElsa Fernandes
 
Roteiro gastronómico do Centro de Portugal
Roteiro gastronómico do Centro de Portugal Roteiro gastronómico do Centro de Portugal
Roteiro gastronómico do Centro de Portugal Elsa Fernandes
 
O livro negro dos esquemas e fraudes na net
O livro negro dos esquemas e fraudes na netO livro negro dos esquemas e fraudes na net
O livro negro dos esquemas e fraudes na netElsa Fernandes
 
Max & Moritz (alemão)
Max & Moritz (alemão)Max & Moritz (alemão)
Max & Moritz (alemão)Elsa Fernandes
 
Gerir bem a sua autarquia
Gerir bem a sua autarquiaGerir bem a sua autarquia
Gerir bem a sua autarquiaElsa Fernandes
 
Folheto sobre a Guarda
Folheto sobre a GuardaFolheto sobre a Guarda
Folheto sobre a GuardaElsa Fernandes
 
Revista Dirigir número 0
Revista Dirigir número 0Revista Dirigir número 0
Revista Dirigir número 0Elsa Fernandes
 
Dicionário de Expressões
Dicionário de ExpressõesDicionário de Expressões
Dicionário de ExpressõesElsa Fernandes
 
Convenção sobre o direito das pessoas com deficiência
Convenção sobre o direito das pessoas com deficiênciaConvenção sobre o direito das pessoas com deficiência
Convenção sobre o direito das pessoas com deficiênciaElsa Fernandes
 
Símbolos nacionais e das foraçs armadas
Símbolos nacionais e das foraçs armadasSímbolos nacionais e das foraçs armadas
Símbolos nacionais e das foraçs armadasElsa Fernandes
 

Mais de Elsa Fernandes (20)

Patrimonio imaterial ajtg
Patrimonio imaterial ajtgPatrimonio imaterial ajtg
Patrimonio imaterial ajtg
 
Observatorio tradicoes ajtg
Observatorio tradicoes ajtgObservatorio tradicoes ajtg
Observatorio tradicoes ajtg
 
Industria vinhonet
Industria vinhonetIndustria vinhonet
Industria vinhonet
 
Guarda city branding
Guarda city brandingGuarda city branding
Guarda city branding
 
Marketing
MarketingMarketing
Marketing
 
Não Julgue o Livro pela Capa
Não Julgue o Livro pela CapaNão Julgue o Livro pela Capa
Não Julgue o Livro pela Capa
 
Cancioneiro
CancioneiroCancioneiro
Cancioneiro
 
25 Abril Textos Literarios
25 Abril Textos Literarios25 Abril Textos Literarios
25 Abril Textos Literarios
 
Liceu Nacional da Guarda
Liceu Nacional da GuardaLiceu Nacional da Guarda
Liceu Nacional da Guarda
 
Roteiro gastronómico do Centro de Portugal
Roteiro gastronómico do Centro de Portugal Roteiro gastronómico do Centro de Portugal
Roteiro gastronómico do Centro de Portugal
 
O tempo não se gere
O tempo não se gereO tempo não se gere
O tempo não se gere
 
O livro negro dos esquemas e fraudes na net
O livro negro dos esquemas e fraudes na netO livro negro dos esquemas e fraudes na net
O livro negro dos esquemas e fraudes na net
 
Max & Moritz (alemão)
Max & Moritz (alemão)Max & Moritz (alemão)
Max & Moritz (alemão)
 
Gerir bem a sua autarquia
Gerir bem a sua autarquiaGerir bem a sua autarquia
Gerir bem a sua autarquia
 
Folheto sobre a Guarda
Folheto sobre a GuardaFolheto sobre a Guarda
Folheto sobre a Guarda
 
Revista Dirigir número 0
Revista Dirigir número 0Revista Dirigir número 0
Revista Dirigir número 0
 
Dicionário de Expressões
Dicionário de ExpressõesDicionário de Expressões
Dicionário de Expressões
 
Convenção sobre o direito das pessoas com deficiência
Convenção sobre o direito das pessoas com deficiênciaConvenção sobre o direito das pessoas com deficiência
Convenção sobre o direito das pessoas com deficiência
 
Tu tens direitos
Tu tens direitosTu tens direitos
Tu tens direitos
 
Símbolos nacionais e das foraçs armadas
Símbolos nacionais e das foraçs armadasSímbolos nacionais e das foraçs armadas
Símbolos nacionais e das foraçs armadas
 

Último

Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasCasa Ciências
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfdottoor
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 

Último (20)

treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 

Comportamento Organizacional - Formação

  • 1. Comportamento Organizacional Curso: Preparação da Empresa para a Qualidade Elsa Fernandes
  • 2. Organização [De organizar + acção.], S. f. • • • • • Acto ou efeito de organizar(-se). Modo pelo qual um ser vivo é organizado; estrutura. Modo pelo qual se organiza um sistema. Associação ou instituição com objectivos definidos. Planeamento, preparo. Elsa Fernande 2
  • 3. Organizar é… • Constituir o organismo de; estabelecer as bases de; ordenar, arranjar, dispor. • Dar às partes (de um corpo) a disposição necessária para as funções a que ele se destina. • Tornar definitiva uma organização; constituirse, formar-se. Elsa Fernande 3
  • 4. O estudo das organizações é importante porque... “Nascemos em organizações, somos educados por organizações, e quase todos nós passamos a vida a trabalhar para organizações. Passamos muitas horas do nosso tempo a pagar, jogar, brincar, rezar em organizações…” (Etzioni, 1967) Elsa Fernande 4
  • 5. A teoria das organizações é recente... Até final dos anos 40, o estudo das organizações não era considerado como uma área independente dentro da pesquisa sociológica. O estudo das organizações desenvolveu-se a partir da tradução da obra de Max Weber para o inglês, em 1946, em especial do estudo “A Ética Protestante e o Pensamento Capitalista”. Elsa Fernande 5
  • 6. Organizações podem ser estudadas sob diversos aspectos: • Psicológico, individual • Social, colectivo • Estrutural • Processos, actividades • Como colectividades (sectores da actividade económica) Elsa Fernande 6
  • 7. Elementos de uma organização ESTRUTURA SOCIAL TECNOLOGIA OBJECTIVOS PARTICIPANTES Elsa Fernande AMBIENTE 7
  • 8. Elementos de uma organização Estrutura Social • • Estrutura Normativa (valores, normas e papeis) Estrutura de comportamento Participantes • Todos aqueles que fazem contribuições para a organização Tecnologia • • Elsa Fernande Todas as técnicas utilizadas para a realização do trabalho Processos, máquinas, conhecimento, organização (estrutura) 8
  • 9. Elementos de uma Organização Objectivos Ambiente • • • • Físico Tecnológico Cultural Social Elsa Fernande 9
  • 10. Organizações podem ser vistas como: Sistemas Racionais Sistemas Naturais Sistemas Abertos (Scott, 1995) Elsa Fernande 10
  • 11. Organização vs Instituição Instituição: • • • Estabilidade estrutural Significado especial Complexo consagrado de normas “As instituições são conjunto de normas sociais, geralmente de carácter jurídico, que gozam de reconhecimento social” (Srour, 1988) Elsa Fernande 11
  • 12. Comportamento Organizacional Campo de estudo que investiga o impacto que indivíduos, grupos e a estrutura têm sobre o comportamento dentro das organizações com o propósito de aplicar este conhecimento em prol do aprimoramento da eficácia de uma organização. (ROBBINS, 1999) Elsa Fernande 12
  • 13. Comportamento Organizacional (CO) O CO está interessado: ν ν no estudo do que as pessoas fazem numa organização e como este comportamento afecta o desempenho da organização. Comportamentos relacionados a: ν ν ν ν ν ν cargos, trabalhos, absentismo, rotatividade no emprego, produtividade e desempenho humano. Elsa Fernande 13
  • 14. Suposições sobre comportamentos relacionados com o trabalho • Trabalhadores felizes são trabalhadores produtivos. • Todos os indivíduos são mais produtivos quando os • • • • seus chefes são amigáveis, confiáveis e acessíveis. Os melhores líderes são aqueles que têm um comportamento constante, independentemente das situações que enfrentem. Todos querem um trabalho desafiador. Uma vez que os objectivos específicos intimidam as pessoas, os indivíduos trabalham melhor quando só se pede que eles façam o melhor que puderem. As equipas de trabalho mais eficazes estão livres de conflitos Elsa Fernande 14
  • 15. Papéis de Gestão Interpessoais: Não são papeis que envolvam as operações que os gerentes devem realizar para alcançarem os seus resultados, mas relações com pessoas com as quais mantêm contacto. de Informação: Todos os gerentes, em algum grau, recolhem informações de organizações e instituições diferentes da sua. Decisórios: Os gerentes estão constantemente a tomar decisões, quer quando implementam um projecto, quando corrigem um problema, quando afectam recursos ou quando negociam com outras pessoas ou unidades de negócios. Elsa Fernande 15
  • 16. Habilidades de Gestão Técnicas: Compreendem a habilidade de aplicar um conhecimento especializado ou perícia. Humanas: É a capacidade de trabalhar com outras pessoas, entendê-las e motivá-las, tanto individualmente quanto em grupos. Conceptuais: Os gestores devem ter a capacidade mental para analisar e diagnosticar situações complexas, processando e interpretando informações de maneira racional. Elsa Fernande 16
  • 17. Habilidades de Gestão Conceptuais Humanas Nível Gestão Técnicas Elsa Fernande Nível Estratégico Nível Operacional 17
  • 18. Diversidade da Força de Trabalho • São considerações a respeito das diferenças entre pessoas dentro de um mesmo país, de uma mesma organização. • Heterogeneidade quanto ao género, raça e etnia. • Uma ideia antiga supunha que os diferentes iriam querer se assemelhar aos demais. • O pressuposto da homogeneidade está a ser substituído pelo reconhecimento e valorização das diferenças. Elsa Fernande 18
  • 19. Diversidade da Força de Trabalho • Implicações: • os gestores não podem tratar todos da mesma forma • pode aumentar a criatividade e a inovação • pode aprimorar as tomadas de decisões • oferecer perspectivas diferentes para os problemas • Quando não é bem administrada pode aumentar a rotatividade de pessoal, dificultar a comunicação e gerar os conflitos interpessoais. Elsa Fernande 19
  • 20. As variáveis do CO • Variáveis dependentes • Variáveis independentes • (Variáveis situacionais) Elsa Fernande 20
  • 21. Variáveis Dependentes Factores-chaves que queremos explicar ou prever e que são afectados por outro factor: Produtividade: Uma organização é produtiva quando atinge os seus objectivos, alcançando resultados a baixo custo. Absentismo: Uma organização tem dificuldades em funcionar de forma equilibrada e atingir os seus objectivos se os empregados faltam ao trabalho. Rotatividade: A saída constante de pessoas de uma organização gera altos custos de recrutamento, selecção e formação. Frequentemente, envolve a perda de pessoas que a organização gostaria de manter. Satisfação com o trabalho: Elsa Fernande Definida como a diferença entre a quantidade de recompensas que os trabalhadores recebem e a quantidade que eles acreditam que deveriam receber. 21
  • 22. Variáveis Independentes Factores que afectam outros factores. Nível individual: As pessoas entram nas organizações com algumas características que influenciarão o seu comportamento no trabalho. Nível de grupo: O comportamento das pessoas em grupo é mais do que a soma total de todos os indivíduos agindo de forma individual. Nível de sistemas de organização: Da mesma forma que grupos são mais do que a soma dos seus membros individuais, também as organizações são mais do que a soma dos seus grupos de pessoas. Elsa Fernande 22
  • 23. Por uma antropologia da condição humana nas organizações Estudo do comportamento organizacional hoje: • • • • • Campo aberto para todo tipo de teorias Centrado nos interesses de eficácia, desempenho, produtividade e rendimento a curto prazo Redução a técnicas de controle Racionalidade instrumental e categorias económicas rígidas Homens e mulheres vistos como recursos, como objectos equivalentes a ferramentas, equipamentos e matéria-prima. Elsa Fernande 23
  • 24. Proposta • Restituir a unidade e a especificidade ao ser humano, reagrupando o conjunto de conhecimentos existentes sobre ele. • Perceber como a experiência humana é vivida no universo organizacional. • Reafirmar o papel do indivíduo, da experiência, do simbólico nas organizações e restitui-los aos seus quadros sócio-históricos. Elsa Fernande 24
  • 25. O ser humano Uno e único enquanto espécie e indivíduo • Ser genérico = carrega consigo o “formato inteiro da humanidade” (da espécie) • Ser concreto, específico = numa situação de facto, na realidade quotidiana Elsa Fernande 25
  • 26. O ser humano Uno e único enquanto espécie e indivíduo (cont.) • Ser activo e reflexivo = aprendizagem através da mobilização da linguagem e do pensamento consciente, para a construção da própria realidade social de cada um • Ser de palavra = pode expressar em palavras a realidade, tanto interior quanto exterior, acendendo ao mundo das significações – compreensão do simbólico Elsa Fernande 26
  • 27. O ser humano Uno e único enquanto espécie e indivíduo (cont.) • Ser de desejo = é através do outro que o indivíduo se constitui, se reconhece, sente prazer e sofrimento, satisfaz ou não seus desejos. • Ser simbólico = produz representações de mundo que lhe conferem significação (signos, imagens, metáforas, emblemas, símbolos, mitos, alegorias) Elsa Fernande 27
  • 28. O ser humano Uno e único enquanto espécie e indivíduo (cont.) • Ser espaço-temporal = define os quadros geo-históricos da acção humana, reafirma a identidade pessoal e colectiva • Tempo: ritmos biológicos, psicológicos e sociais que marcam as actividades individuais e colectivas • Espaço: geografia pessoal e social (enraizamento espacial) Elsa Fernande 28