SlideShare uma empresa Scribd logo
Visão global e estrutura
argumentativa no
Sermão de Santo
António (aos Peixes)
«[…] argumentar é uma prática discursiva intencional: aquele que
argumenta defende uma determinada posição, num jogo verbal
que pressupõe opiniões contrárias, visando convencer ou persuadir
o interlocutor […].»
Ana Cristina Macário Lopes e Susana Soares, Contributos para uma análise do ‘Sermão de
Santo António aos Peixes’
Visão global e estrutura argumentativa
O Sermão de Santo António (aos Peixes) é um discurso religioso
pregado por Padre António Vieira no Brasil, na cidade de São Luís do
Maranhão, a 13 de junho de 1654.
Visão global e estrutura argumentativa
Cumpre uma estrutura argumentativa, tendo como principal
objetivo espalhar a fé cristã e incutir no auditório princípios morais e
espirituais.
Através de alegorias, o Pregador apresenta os seus argumentos e
exemplos.
Este discurso alegórico tem como ponto de partida um conceito
predicável (texto bíblico que serve de tema a desenvolver, com a
intenção de alcançar uma demonstração de fé e verdade moral).
Visão global e estrutura argumentativa
Partindo do conceito predicável, o discurso de Padre António Vieira conta
com seis capítulos, que sustentam a premissa inicial (a metáfora do sal),
também justificativa da divisão do desenvolvimento (Exposição/Confirmação)
em duas grandes partes lógicas: louvores (em geral e em particular) e
repreensões aos peixes (em geral e em particular).
«Vos estis sal terrae» [Mateus 5, 13]
(Vós sois o sal da terra)
Estrutura interna
Exórdio (Parte inicial de um
discurso oratório, onde se
apresenta a matéria a
desenvolver)
Partes do sermão
Capítulo I
Capítulos
Visão global e estrutura argumentativa
Estrutura externa
Estrutura argumentativa
Apresentação do conceito predicável:
«Vos estis sal terrae» (citação bíblica e ponto de
partida que encerra a ideia principal a desenvolver no
sermão: as propriedades do sal);
Explicação do título do sermão (celebração do
aniversário da morte de Santo António, modelo de pregação, e
recuperação do seu exemplo: pregar aos peixes, já que os
homens não ouvem):
«[…] mas temos sobre ele a resolução do nosso grande
português Santo António, que hoje celebramos»;
«[…] quero hoje à imitação de Santo António voltar-me da
terra para o mar […]»;
Invocação a Maria:
«Maria quer dizer Domina maris: «Senhora do mar»; e
posto que o assunto seja tão desusado, espero que me não
falte com a costumada graça. Ave Maria.»
Estrutura interna
Exposição/Confirmação
(Parte de um discurso oratório, em que são expostos os
argumentos, confirmados com exemplos, sustentando o ponto de
vista defendido)
Partes do sermão
Capítulo II
Capítulos
Visão global e estrutura argumentativa
Estrutura externa Estrutura argumentativa
Louvores aos peixes em geral:
«Ao menos têm os peixes duas boas qualidades de
ouvintes: ouvem e não falam.»
Louvores aos peixes em particular:
(Peixe de Tobias; Rémora; Torpedo; Quatro-olhos)
«Descendo ao particular, infinita matéria fora, se houvera de
discorrer pelas virtudes, de que o Autor da Natureza a dotou,
e fez admirável em cada um de vós. De alguns somente farei
menção.»
Capítulo III
Estrutura interna
Exposição/Confirmação
(Parte de um discurso oratório, em que são expostos os argumentos,
confirmados com exemplos, sustentando o ponto de vista defendido)
Partes do sermão
Capítulo IV
Capítulos
Visão global e estrutura argumentativa
Estrutura externa Estrutura argumentativa
Repreensões aos peixes em geral:
«Antes porém que vos vades, assim como ouvistes os
vossos louvores, ouvi também agora as vossas
repreensões. Servir-vos-ão de confusão, já que não seja
de emenda.»
Repreensões aos peixes em particular:
(Roncador; Pegador; Voador; Polvo)
«Descendo ao particular, direi agora, peixes, o que tenho
contra alguns de vós.»
Capítulo V
Estrutura interna
Peroração
(Parte final de um discurso
oratório)
Partes do sermão
Capítulo VI
Capítulos
Visão global e estrutura argumentativa
Estrutura externa
Estrutura argumentativa
Retoma dos louvores aos peixes:
«Em tudo o que vos excedo, peixes, vos reconheço
muitas vantagens.»
Autocrítica do Pregador (por contraste com os
peixes):
«Vós fostes criados por Deus, para servir ao homem, e
conseguis o fim para que fostes criados: a mim criou-me
para O servir a Ele, e eu não consigo o fim para que me
criou.»
Apelo final aos peixes - louvem a Deus:
«Louvai, Peixes, a Deus, os grandes, e os pequenos,
e repartidos em dois coros tão inumeráveis, louvai-O
todos uniformemente.»
Consolide
Visão global e estrutura argumentativa
1. Selecione a única opção que apresenta a definição de «conceito predicável».
Solução
Texto bíblico da autoria de Padre António Vieira.
A
Introdução de um sermão religioso.
B
Texto bíblico que serve de tema para demonstração de fé e verdade moral.
C
Tema a desenvolver num texto de estrutura argumentativa.
D
Visão global e estrutura argumentativa
2. Assinale como verdadeiras (V) ou falsas (F) as seguintes afirmações.
Solução
O sermão foi pregado por Padre António Vieira.
A
Foi pregado em 1654, no Brasil.
B
Este discurso religioso tem uma natureza meramente expositiva.
C
Vos estis sal terrae significa «Vós tendes sal na terra».
D
O conceito predicável serve de ponto de partida para o desenvolvimento do sermão.
E
Verdadeira
Verdadeira
Falsa
Falsa
Verdadeira
Este sermão divide-se em cinco capítulos.
F
Falsa
Visão global e estrutura argumentativa
3. Selecione a única opção que apresenta todas as partes da estrutura interna do sermão.
Solução
Introdução/Exposição; Confirmação/Conclusão.
A
Introdução/Exórdio/Peroração.
B
Exórdio/Conclusão/Argumentação.
C
Exórdio/Exposição; Confirmação/Peroração.
D
Visão global e estrutura argumentativa
4. Associe os elementos da coluna A (capítulos) aos elementos da coluna B (assunto).
Coluna A Coluna B
Solução
Capítulo I
A
Capítulo II
B
Capítulo III
C
Capítulo IV
D
Louvores aos peixes em particular
1
Apresentação do assunto do sermão,
precedido do conceito predicável
2
Repreensões aos peixes em particular
3
Louvores aos peixes em geral
4
Capítulo V
E
Capítulo VI
F
Retoma de louvores aos peixes
5
Repreensões aos peixes em geral
6
E – 3
D – 6
C – 1
B – 4
A – 2 F – 5
Visão global e estrutura argumentativa

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Maias Episódio Corrida no Hipódromo
Maias Episódio Corrida no HipódromoMaias Episódio Corrida no Hipódromo
Maias Episódio Corrida no Hipódromo
Pedro Oliveira
 
Os Maias Apresentação
Os Maias   Apresentação Os Maias   Apresentação
Os Maias Apresentação
joanana
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
António Fernandes
 
Frei Luís de Sousa - sistematização
Frei Luís de Sousa - sistematizaçãoFrei Luís de Sousa - sistematização
Frei Luís de Sousa - sistematização
António Fernandes
 
Mudam-se os tempos
Mudam-se os temposMudam-se os tempos
Mudam-se os tempos
Maria Góis
 
Deixis
DeixisDeixis
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Lurdes Augusto
 
Linguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeLinguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - Intertextualidade
Catarina Castro
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
Vanda Marques
 
Contextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoContextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - Sermão
Catarina Castro
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
David Caçador
 
Os maias
Os maiasOs maias
Os maias
Pedro Matos
 
Cap vi
Cap viCap vi
Episódio de inês de castro
Episódio de inês de castroEpisódio de inês de castro
Episódio de inês de castro
Quezia Neves
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
Helena Coutinho
 
Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia
Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologiaIlha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia
Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia
sin3stesia
 
Deixis e anafora_10o
Deixis e anafora_10oDeixis e anafora_10o
Deixis e anafora_10o
ameliapadrao
 
Cena Fidalgo
Cena FidalgoCena Fidalgo
Cena Fidalgo
Fernanda Soares
 
Visão global e estrutura argumentativa do Sermão de Santo António aos Peixes.ppt
Visão global e estrutura argumentativa do Sermão de Santo António aos Peixes.pptVisão global e estrutura argumentativa do Sermão de Santo António aos Peixes.ppt
Visão global e estrutura argumentativa do Sermão de Santo António aos Peixes.ppt
Cecília Gomes
 
Português " Os Maias"
Português " Os Maias"Português " Os Maias"
Português " Os Maias"
Catarina Sousa
 

Mais procurados (20)

Maias Episódio Corrida no Hipódromo
Maias Episódio Corrida no HipódromoMaias Episódio Corrida no Hipódromo
Maias Episódio Corrida no Hipódromo
 
Os Maias Apresentação
Os Maias   Apresentação Os Maias   Apresentação
Os Maias Apresentação
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
 
Frei Luís de Sousa - sistematização
Frei Luís de Sousa - sistematizaçãoFrei Luís de Sousa - sistematização
Frei Luís de Sousa - sistematização
 
Mudam-se os tempos
Mudam-se os temposMudam-se os tempos
Mudam-se os tempos
 
Deixis
DeixisDeixis
Deixis
 
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
 
Linguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeLinguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - Intertextualidade
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Contextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoContextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - Sermão
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Os maias
Os maiasOs maias
Os maias
 
Cap vi
Cap viCap vi
Cap vi
 
Episódio de inês de castro
Episódio de inês de castroEpisódio de inês de castro
Episódio de inês de castro
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia
Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologiaIlha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia
Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia
 
Deixis e anafora_10o
Deixis e anafora_10oDeixis e anafora_10o
Deixis e anafora_10o
 
Cena Fidalgo
Cena FidalgoCena Fidalgo
Cena Fidalgo
 
Visão global e estrutura argumentativa do Sermão de Santo António aos Peixes.ppt
Visão global e estrutura argumentativa do Sermão de Santo António aos Peixes.pptVisão global e estrutura argumentativa do Sermão de Santo António aos Peixes.ppt
Visão global e estrutura argumentativa do Sermão de Santo António aos Peixes.ppt
 
Português " Os Maias"
Português " Os Maias"Português " Os Maias"
Português " Os Maias"
 

Semelhante a Visão global e estrutura argumentativa no _Sermão de Santo António_.pptx

PPT 1-estrutura sermão.pptx
PPT 1-estrutura sermão.pptxPPT 1-estrutura sermão.pptx
PPT 1-estrutura sermão.pptx
Isabel Palmela
 
Sermão de Santo António aos Peixes- Resumos
Sermão de Santo António aos Peixes- ResumosSermão de Santo António aos Peixes- Resumos
Sermão de Santo António aos Peixes- Resumos
Nome Sobrenome
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
colegiomb
 
SSA_Síntese_22-23.ppsx
SSA_Síntese_22-23.ppsxSSA_Síntese_22-23.ppsx
SSA_Síntese_22-23.ppsx
LumaFigueiredo1
 
Cópia de sermão de Santo António aos peixes.pdf
Cópia de sermão de Santo António aos peixes.pdfCópia de sermão de Santo António aos peixes.pdf
Cópia de sermão de Santo António aos peixes.pdf
LibnioCarvalhais1
 
O sermão
O sermãoO sermão
Cap__I___analise.ppt
Cap__I___analise.pptCap__I___analise.ppt
Cap__I___analise.ppt
ssuser7869761
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
Margarida Rodrigues
 
30 homilética arte de preparar e pregar sermões
30 homilética   arte de preparar e pregar sermões30 homilética   arte de preparar e pregar sermões
30 homilética arte de preparar e pregar sermões
ssuser615052
 
Sermão Cap VI
Sermão Cap VISermão Cap VI
Sermão Cap VI
ClaudiaSacres
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
AnaGomes40
 
Homilética I Itaporanga
Homilética I ItaporangaHomilética I Itaporanga
Homilética I Itaporanga
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
007 homilética
007 homilética007 homilética
007 homilética
JASIEL SOUZA DE ARAUJO
 
Sermão da sexagésima análise
Sermão da sexagésima análiseSermão da sexagésima análise
Sermão da sexagésima análise
Helena Coutinho
 
PADRE ANT. VIEIRA.pptx
PADRE ANT. VIEIRA.pptxPADRE ANT. VIEIRA.pptx
PADRE ANT. VIEIRA.pptx
SharaMariaVenncioSil
 
Trabalho pronto erika
Trabalho pronto erikaTrabalho pronto erika
Trabalho pronto erika
Ivana Lucia Tenorio
 
sermaoest.ppt
sermaoest.pptsermaoest.ppt
sermaoest.ppt
José ferreira
 
Da interpretação a exposição úlitma aula 2017
Da interpretação a exposição   úlitma aula 2017Da interpretação a exposição   úlitma aula 2017
Da interpretação a exposição úlitma aula 2017
Ipabr Limesp
 
Pregação segmentada
Pregação segmentadaPregação segmentada
Aula 3 como preparar um sermão textual
Aula 3   como preparar um sermão textualAula 3   como preparar um sermão textual
Aula 3 como preparar um sermão textual
teologobrasil
 

Semelhante a Visão global e estrutura argumentativa no _Sermão de Santo António_.pptx (20)

PPT 1-estrutura sermão.pptx
PPT 1-estrutura sermão.pptxPPT 1-estrutura sermão.pptx
PPT 1-estrutura sermão.pptx
 
Sermão de Santo António aos Peixes- Resumos
Sermão de Santo António aos Peixes- ResumosSermão de Santo António aos Peixes- Resumos
Sermão de Santo António aos Peixes- Resumos
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
 
SSA_Síntese_22-23.ppsx
SSA_Síntese_22-23.ppsxSSA_Síntese_22-23.ppsx
SSA_Síntese_22-23.ppsx
 
Cópia de sermão de Santo António aos peixes.pdf
Cópia de sermão de Santo António aos peixes.pdfCópia de sermão de Santo António aos peixes.pdf
Cópia de sermão de Santo António aos peixes.pdf
 
O sermão
O sermãoO sermão
O sermão
 
Cap__I___analise.ppt
Cap__I___analise.pptCap__I___analise.ppt
Cap__I___analise.ppt
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
30 homilética arte de preparar e pregar sermões
30 homilética   arte de preparar e pregar sermões30 homilética   arte de preparar e pregar sermões
30 homilética arte de preparar e pregar sermões
 
Sermão Cap VI
Sermão Cap VISermão Cap VI
Sermão Cap VI
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Homilética I Itaporanga
Homilética I ItaporangaHomilética I Itaporanga
Homilética I Itaporanga
 
007 homilética
007 homilética007 homilética
007 homilética
 
Sermão da sexagésima análise
Sermão da sexagésima análiseSermão da sexagésima análise
Sermão da sexagésima análise
 
PADRE ANT. VIEIRA.pptx
PADRE ANT. VIEIRA.pptxPADRE ANT. VIEIRA.pptx
PADRE ANT. VIEIRA.pptx
 
Trabalho pronto erika
Trabalho pronto erikaTrabalho pronto erika
Trabalho pronto erika
 
sermaoest.ppt
sermaoest.pptsermaoest.ppt
sermaoest.ppt
 
Da interpretação a exposição úlitma aula 2017
Da interpretação a exposição   úlitma aula 2017Da interpretação a exposição   úlitma aula 2017
Da interpretação a exposição úlitma aula 2017
 
Pregação segmentada
Pregação segmentadaPregação segmentada
Pregação segmentada
 
Aula 3 como preparar um sermão textual
Aula 3   como preparar um sermão textualAula 3   como preparar um sermão textual
Aula 3 como preparar um sermão textual
 

Mais de Elsabastos

pronoms_relatifs.pptx
pronoms_relatifs.pptxpronoms_relatifs.pptx
pronoms_relatifs.pptx
Elsabastos
 
FUNCOES.pptx
FUNCOES.pptxFUNCOES.pptx
FUNCOES.pptx
Elsabastos
 
Modo conjuntivo.ppt
Modo conjuntivo.pptModo conjuntivo.ppt
Modo conjuntivo.ppt
Elsabastos
 
Artigo_texto de opinião.pptx
Artigo_texto de opinião.pptxArtigo_texto de opinião.pptx
Artigo_texto de opinião.pptx
Elsabastos
 
O drama romântico em _Frei Luís de Sousapptx
O drama romântico em _Frei Luís de SousapptxO drama romântico em _Frei Luís de Sousapptx
O drama romântico em _Frei Luís de Sousapptx
Elsabastos
 
les_comparatifs.pptx
les_comparatifs.pptxles_comparatifs.pptx
les_comparatifs.pptx
Elsabastos
 
ppt-Padre-António-Vieira
ppt-Padre-António-Vieirappt-Padre-António-Vieira
ppt-Padre-António-Vieira
Elsabastos
 
Vida e obra de Gil Vicente (1).ppt
Vida e obra de Gil Vicente (1).pptVida e obra de Gil Vicente (1).ppt
Vida e obra de Gil Vicente (1).ppt
Elsabastos
 
portugues-texto expositivo.ppt
portugues-texto expositivo.pptportugues-texto expositivo.ppt
portugues-texto expositivo.ppt
Elsabastos
 
poema-tenho tanto sentimento.ppt
poema-tenho tanto sentimento.pptpoema-tenho tanto sentimento.ppt
poema-tenho tanto sentimento.ppt
Elsabastos
 
diaporama_oeuvres_art.pptx
diaporama_oeuvres_art.pptxdiaporama_oeuvres_art.pptx
diaporama_oeuvres_art.pptx
Elsabastos
 
nationalites_genre_et_nombre.pptx
nationalites_genre_et_nombre.pptxnationalites_genre_et_nombre.pptx
nationalites_genre_et_nombre.pptx
Elsabastos
 
negation_ne_pas_ne_jamais.pptx
negation_ne_pas_ne_jamais.pptxnegation_ne_pas_ne_jamais.pptx
negation_ne_pas_ne_jamais.pptx
Elsabastos
 
nombres_cardinaux.pptx
nombres_cardinaux.pptxnombres_cardinaux.pptx
nombres_cardinaux.pptx
Elsabastos
 
_alphabet_epeler.pptx
_alphabet_epeler.pptx_alphabet_epeler.pptx
_alphabet_epeler.pptx
Elsabastos
 
7_verbe_etre.pptx
7_verbe_etre.pptx7_verbe_etre.pptx
7_verbe_etre.pptx
Elsabastos
 
7_verbe_avoir.pptx
7_verbe_avoir.pptx7_verbe_avoir.pptx
7_verbe_avoir.pptx
Elsabastos
 
port_teatro_gil_vicente.ppt
port_teatro_gil_vicente.pptport_teatro_gil_vicente.ppt
port_teatro_gil_vicente.ppt
Elsabastos
 

Mais de Elsabastos (18)

pronoms_relatifs.pptx
pronoms_relatifs.pptxpronoms_relatifs.pptx
pronoms_relatifs.pptx
 
FUNCOES.pptx
FUNCOES.pptxFUNCOES.pptx
FUNCOES.pptx
 
Modo conjuntivo.ppt
Modo conjuntivo.pptModo conjuntivo.ppt
Modo conjuntivo.ppt
 
Artigo_texto de opinião.pptx
Artigo_texto de opinião.pptxArtigo_texto de opinião.pptx
Artigo_texto de opinião.pptx
 
O drama romântico em _Frei Luís de Sousapptx
O drama romântico em _Frei Luís de SousapptxO drama romântico em _Frei Luís de Sousapptx
O drama romântico em _Frei Luís de Sousapptx
 
les_comparatifs.pptx
les_comparatifs.pptxles_comparatifs.pptx
les_comparatifs.pptx
 
ppt-Padre-António-Vieira
ppt-Padre-António-Vieirappt-Padre-António-Vieira
ppt-Padre-António-Vieira
 
Vida e obra de Gil Vicente (1).ppt
Vida e obra de Gil Vicente (1).pptVida e obra de Gil Vicente (1).ppt
Vida e obra de Gil Vicente (1).ppt
 
portugues-texto expositivo.ppt
portugues-texto expositivo.pptportugues-texto expositivo.ppt
portugues-texto expositivo.ppt
 
poema-tenho tanto sentimento.ppt
poema-tenho tanto sentimento.pptpoema-tenho tanto sentimento.ppt
poema-tenho tanto sentimento.ppt
 
diaporama_oeuvres_art.pptx
diaporama_oeuvres_art.pptxdiaporama_oeuvres_art.pptx
diaporama_oeuvres_art.pptx
 
nationalites_genre_et_nombre.pptx
nationalites_genre_et_nombre.pptxnationalites_genre_et_nombre.pptx
nationalites_genre_et_nombre.pptx
 
negation_ne_pas_ne_jamais.pptx
negation_ne_pas_ne_jamais.pptxnegation_ne_pas_ne_jamais.pptx
negation_ne_pas_ne_jamais.pptx
 
nombres_cardinaux.pptx
nombres_cardinaux.pptxnombres_cardinaux.pptx
nombres_cardinaux.pptx
 
_alphabet_epeler.pptx
_alphabet_epeler.pptx_alphabet_epeler.pptx
_alphabet_epeler.pptx
 
7_verbe_etre.pptx
7_verbe_etre.pptx7_verbe_etre.pptx
7_verbe_etre.pptx
 
7_verbe_avoir.pptx
7_verbe_avoir.pptx7_verbe_avoir.pptx
7_verbe_avoir.pptx
 
port_teatro_gil_vicente.ppt
port_teatro_gil_vicente.pptport_teatro_gil_vicente.ppt
port_teatro_gil_vicente.ppt
 

Último

Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 

Último (20)

Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 

Visão global e estrutura argumentativa no _Sermão de Santo António_.pptx

  • 1. Visão global e estrutura argumentativa no Sermão de Santo António (aos Peixes)
  • 2. «[…] argumentar é uma prática discursiva intencional: aquele que argumenta defende uma determinada posição, num jogo verbal que pressupõe opiniões contrárias, visando convencer ou persuadir o interlocutor […].» Ana Cristina Macário Lopes e Susana Soares, Contributos para uma análise do ‘Sermão de Santo António aos Peixes’ Visão global e estrutura argumentativa
  • 3. O Sermão de Santo António (aos Peixes) é um discurso religioso pregado por Padre António Vieira no Brasil, na cidade de São Luís do Maranhão, a 13 de junho de 1654. Visão global e estrutura argumentativa Cumpre uma estrutura argumentativa, tendo como principal objetivo espalhar a fé cristã e incutir no auditório princípios morais e espirituais. Através de alegorias, o Pregador apresenta os seus argumentos e exemplos.
  • 4. Este discurso alegórico tem como ponto de partida um conceito predicável (texto bíblico que serve de tema a desenvolver, com a intenção de alcançar uma demonstração de fé e verdade moral). Visão global e estrutura argumentativa Partindo do conceito predicável, o discurso de Padre António Vieira conta com seis capítulos, que sustentam a premissa inicial (a metáfora do sal), também justificativa da divisão do desenvolvimento (Exposição/Confirmação) em duas grandes partes lógicas: louvores (em geral e em particular) e repreensões aos peixes (em geral e em particular). «Vos estis sal terrae» [Mateus 5, 13] (Vós sois o sal da terra)
  • 5. Estrutura interna Exórdio (Parte inicial de um discurso oratório, onde se apresenta a matéria a desenvolver) Partes do sermão Capítulo I Capítulos Visão global e estrutura argumentativa Estrutura externa Estrutura argumentativa Apresentação do conceito predicável: «Vos estis sal terrae» (citação bíblica e ponto de partida que encerra a ideia principal a desenvolver no sermão: as propriedades do sal); Explicação do título do sermão (celebração do aniversário da morte de Santo António, modelo de pregação, e recuperação do seu exemplo: pregar aos peixes, já que os homens não ouvem): «[…] mas temos sobre ele a resolução do nosso grande português Santo António, que hoje celebramos»; «[…] quero hoje à imitação de Santo António voltar-me da terra para o mar […]»; Invocação a Maria: «Maria quer dizer Domina maris: «Senhora do mar»; e posto que o assunto seja tão desusado, espero que me não falte com a costumada graça. Ave Maria.»
  • 6. Estrutura interna Exposição/Confirmação (Parte de um discurso oratório, em que são expostos os argumentos, confirmados com exemplos, sustentando o ponto de vista defendido) Partes do sermão Capítulo II Capítulos Visão global e estrutura argumentativa Estrutura externa Estrutura argumentativa Louvores aos peixes em geral: «Ao menos têm os peixes duas boas qualidades de ouvintes: ouvem e não falam.» Louvores aos peixes em particular: (Peixe de Tobias; Rémora; Torpedo; Quatro-olhos) «Descendo ao particular, infinita matéria fora, se houvera de discorrer pelas virtudes, de que o Autor da Natureza a dotou, e fez admirável em cada um de vós. De alguns somente farei menção.» Capítulo III
  • 7. Estrutura interna Exposição/Confirmação (Parte de um discurso oratório, em que são expostos os argumentos, confirmados com exemplos, sustentando o ponto de vista defendido) Partes do sermão Capítulo IV Capítulos Visão global e estrutura argumentativa Estrutura externa Estrutura argumentativa Repreensões aos peixes em geral: «Antes porém que vos vades, assim como ouvistes os vossos louvores, ouvi também agora as vossas repreensões. Servir-vos-ão de confusão, já que não seja de emenda.» Repreensões aos peixes em particular: (Roncador; Pegador; Voador; Polvo) «Descendo ao particular, direi agora, peixes, o que tenho contra alguns de vós.» Capítulo V
  • 8. Estrutura interna Peroração (Parte final de um discurso oratório) Partes do sermão Capítulo VI Capítulos Visão global e estrutura argumentativa Estrutura externa Estrutura argumentativa Retoma dos louvores aos peixes: «Em tudo o que vos excedo, peixes, vos reconheço muitas vantagens.» Autocrítica do Pregador (por contraste com os peixes): «Vós fostes criados por Deus, para servir ao homem, e conseguis o fim para que fostes criados: a mim criou-me para O servir a Ele, e eu não consigo o fim para que me criou.» Apelo final aos peixes - louvem a Deus: «Louvai, Peixes, a Deus, os grandes, e os pequenos, e repartidos em dois coros tão inumeráveis, louvai-O todos uniformemente.»
  • 9. Consolide Visão global e estrutura argumentativa
  • 10. 1. Selecione a única opção que apresenta a definição de «conceito predicável». Solução Texto bíblico da autoria de Padre António Vieira. A Introdução de um sermão religioso. B Texto bíblico que serve de tema para demonstração de fé e verdade moral. C Tema a desenvolver num texto de estrutura argumentativa. D Visão global e estrutura argumentativa
  • 11. 2. Assinale como verdadeiras (V) ou falsas (F) as seguintes afirmações. Solução O sermão foi pregado por Padre António Vieira. A Foi pregado em 1654, no Brasil. B Este discurso religioso tem uma natureza meramente expositiva. C Vos estis sal terrae significa «Vós tendes sal na terra». D O conceito predicável serve de ponto de partida para o desenvolvimento do sermão. E Verdadeira Verdadeira Falsa Falsa Verdadeira Este sermão divide-se em cinco capítulos. F Falsa Visão global e estrutura argumentativa
  • 12. 3. Selecione a única opção que apresenta todas as partes da estrutura interna do sermão. Solução Introdução/Exposição; Confirmação/Conclusão. A Introdução/Exórdio/Peroração. B Exórdio/Conclusão/Argumentação. C Exórdio/Exposição; Confirmação/Peroração. D Visão global e estrutura argumentativa
  • 13. 4. Associe os elementos da coluna A (capítulos) aos elementos da coluna B (assunto). Coluna A Coluna B Solução Capítulo I A Capítulo II B Capítulo III C Capítulo IV D Louvores aos peixes em particular 1 Apresentação do assunto do sermão, precedido do conceito predicável 2 Repreensões aos peixes em particular 3 Louvores aos peixes em geral 4 Capítulo V E Capítulo VI F Retoma de louvores aos peixes 5 Repreensões aos peixes em geral 6 E – 3 D – 6 C – 1 B – 4 A – 2 F – 5 Visão global e estrutura argumentativa