SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Baixar para ler offline
Maria Cristina Canavarro
Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação
Universidade de Coimbra
Terapias Cognitivo-Comportamentais em Adultos II
Aulas Práticas
Avaliação Cognitivo-Comportamental
AvaliaçãoAvaliação
Formulação de
Caso
(hipóteses)
Formulação de
Caso
(hipóteses)
Protocolo
Terapêutico
Protocolo
Terapêutico
Momentos do processo terapêutico
Características Gerais
da
Avaliação
A avaliação é a base para a definição das estratégias de tratamento.
É um processo contínuo: a avaliação não termina com a implementação do
tratamento.
A linha existente entre avaliação e intervenção é muito ténue: ao avaliar o
terapeuta está também a intervir e, ao intervir, vai avaliar a resposta do
doente à intervenção realizada.
A avaliação é um processo complexo, contínuo e recursivo, sendo um dos
seus principais objectivos o de identificar, com rigor, o problema do doente.
Características Gerais
Ao longo do tratamento, o terapeuta vai
constantemente testando e refinando a sua
compreensão do doente, revendo a sua
conceptualização à medida que o doente muda,
testando a eficácias das intervenções realizadas e
monitorizando os progressos na terapia.
(Freeman et al., 1990)
Ao longo do tratamento, o terapeuta vai
constantemente testando e refinando a sua
compreensão do doente, revendo a sua
conceptualização à medida que o doente muda,
testando a eficácias das intervenções realizadas e
monitorizando os progressos na terapia.
(Freeman et al., 1990)
Características Gerais (cont.)
Uma avaliação cognitivo-comportamental pode ser definida pelos seguintes
parâmetros:
Avaliação multidimensional dos comportamentos, emoções e cognições;
Os comportamentos, emoções e cognições são uma amostra de um padrão
comportamental mais vasto;
Estabelecimento de relações funcionais entre o meio, os comportamentos, as
cognições e as emoções (análise funcional);
Estreita ligação entre a avaliação e o tratamento.
Objectivos da Avaliação
Objectivos
Identificar os comportamentos que integram um “problema” e as variáveis
que integram o seu aparecimento;
Estabelecer os objectivos que se pretendem alcançar com a intervenção
psicoterapêutica;
Obter informação relevante para a selecção das técnicas terapêuticas mais
apropriadas para cada caso;
Avaliar, de forma precisa, os resultados da intervenção, tanto à medida que
estes vão surgindo, como no final do processo terapêutico.
Objectivos
- Kendall, 1981
Estudar a relação existente entre fenómenos cobertos (internos) e a sua
relação com padrões de comportamento e diferentes formas de expressão de
emoções;
Estudar o papel dos processo cobertos (internos) no desenvolvimento de
distintas psicopatologias e os padrões de comportamento associados ao
coping;
Confirmar os efeitos dos tratamentos;
Avaliar estudos em que os factores cognitivos tenham sido manipuladas ou
implicados nos efeitos de manipulação.
O processo de
Avaliação Clínica
O Processo de Avaliação Clínica
AvaliaAvaliaçção Inicialão Inicial
O objectivo é obter informação específica acerca dos problemas do doente, do
seu passado e dos objectivos que este estabelece para a terapia para
elaborar uma conceptualização inicial do caso e formular um plano prévio de
tratamento.
É necessária a recolha de bastante informação num período limitado de
tempo geralmente através de uma entrevista estruturada ou semi-
estruturada, as quais podem ser complementadas com a utilização de outros
procedimentos de aaliação.
O terapeuta deve procurar manter activamente alguma estruturação na
entrevista inicial. Contudo, não se deve prender demasiado a uma entrevista
previamente estruturada, podendo parecer insensível e pouco empático.
Deve existir um equilíbrio entre estruturação e
flexibilidade!
O Processo de Avaliação Clínica
AvaliaAvaliaççãoão InicialInicial
A postura do terapeuta é fundamental nesta fase de avaliação, já que dela
pode depender o estabelecimento de uma relação terapêutica adequada.
O terapeuta deve evidenciar uma postura de aceitação incondicional
A própria postura corporal, enquanto comunicação não verbal, deve mostrar
que o terapeuta se interessa genuinamente pelo doente não deve adoptar
nem uma postura demasiado “relaxada” (pode ser interpretada como sinal de
desinteresse e de aborrecimento) nem uma postura demasiado rígida (poderá
intimidar o doente e impedi-lo de se expressar livremente).
Deve deixar claro que o seu papel não é o de julgar o
doente, mas sim o de o ouvir atentamente e trabalhar
com ele colaborativamente, no sentido de encontrar
soluções para os seus problemas.
O Processo de Avaliação Clínica
AvaliaAvaliaççãoão durantedurante o curso da terapiao curso da terapia
O objectivo é avaliar as respostas cognitivas, comportamentais e emocionais
do doente nas situações problemáticas.
Mais do que avaliar cognições, emoções e comportamentos isoladamente,
pretende-se obter uma compreensão da forma como estes vários aspectos se
relacionam entre si para dar origem aos problemas que o doente manifesta.
Esta avaliação deve ser suficientemente pormenorizada para permitir uma
conceptualização clara do problema e um planeamento estratégico das
intervenções.
O Processo de Avaliação Clínica
AvaliaAvaliaçção noão no finalfinal da terapiada terapia
Nesta fase o objectivo é avaliar até que ponto foram alcançados os objectivos
estabelecidos no início do processo terapêutico, ou seja, os ganhos
terapêuticos.
Para tal, contribuem:
Relatos subjectivos do doente
Dados objectivos obtidos a partir dos questionários de auto-resposta
no final da terapia e sua comparação com os resultados de momentos
anteriores.
Entrevista com outros significativos que, de algum modo, tenham
acompanhado o curso da terapia.
Métodos de Avaliação
Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental
Métodos de
Avaliação
Cognitivo-
Comportamental
Métodos de
Avaliação
Cognitivo-
Comportamental
Métodos Indirectos
Métodos Directos
Entrevista CC
Questionários e
Escalas
Observação
Directa
Auto-
Monitorização
Medidas Psicofisiológicas
Entrevista com outros
significativos
Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental
1. Entrevista Cl1. Entrevista Clíínicanica
A entrevista é uma parte integrante de toda a avaliação e processo
terapêutico
É um método privilegiado para a avaliação cognitivo-comportamental
O terapeuta solicita ao doente que descreva os pensamentos, sentimentos e
comportamentos que ocorrem na situação em que está a ser alvo de
discussão, esperando que este lhe forneça informação rigorosa contudo, o
doente nem sempre tem acesso às suas cognições, colocando em causa o
rigor da informação.
É nela que se estabelece a relação terapêutica, se recolhe
informação, se tomam decisões e estabelecem os
objectivos terapêuticos e prioridades.
Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental
1. Entrevista Cl1. Entrevista Clíínica (cont.)nica (cont.)
Um dos objectivos é estabelecer um diagnóstico, ou seja, identificar ou não
psicopatologia.
Para alcançar este objectivo, o terapeuta pode recorrer a entrevistas
estruturadas, elaboradas com base nos manuais de diagnóstico existentes.
Exemplos:
ADIS-R (Anxiety Disorders Interview Scedule - DiNardo e Barlow, 1988).
SCID I (Structured Clinical Interview for DSM-IV Axis I Disorders - First,
Spitzer, Gibbon e Williams, 1997)
SCID II (Structured Clinical Interview for DSM-IV Axis II Personality Disorders
– First, Gibbon, Spitzer, Williams e Benjamin, 1997).
Há uma estreita ligação entre os conteúdos pesquisados na
entrevista e a informação necessária para a elaboração da história
clínica a avaliação segue os parâmetros da história clínica.
Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental
1. Entrevista Clínica (cont.)
Fases:
1) Avaliação Cognitivo-Comportamental (recolha de informação
relativamente aos parâmetros da história clínica);
2) Elaboração de hipóteses funcionais (formulação);
3) Estabelecimento de prioridades e definição de objectivos;
4) Selecção de procedimentos terapêuticos;
5) Intervenção terapêutica;
6) Avaliação dos resultados da intervenção.
Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental
2.2. Entrevista com outros significativos
Uma entrevista com um familiar ou outro significativo do doente pode ajudar
a recolher informação objectiva acerca dos problemas em questão.
Permite avaliar mais facilmente aspectos como:
Extensão dos problemas;
Situações específicas que determinam a ocorrência dos
problemas;
Grau em que a família mais próxima está envolvida e é
afectada.
É útil para averiguar o papel da família na manutenção dos problemas.
Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental
3. Registos de auto3. Registos de auto--monitorizamonitorizaççãoão
É uma técnica de aplicação simples, que permite avaliar:
as cognições e os comportamentos relevantes,
a sua frequência,
a sua duração,
emoções associadas,
e os determinantes situacionais.
Este procedimento pode assumir várias formas:
Diário
Gravações áudio
Questionários estruturados
Folhas de registo adaptadas ao caso
Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental
33. Registos de auto-monitorização (cont.)
Na terapia cognitiva, o registo de auto-monitorização dos pensamentos
automáticos negativos e emoções que lhes possam estar associadas é
muito utilizado. É também frequente a inclusão de uma coluna destinada à
produção, por parte do doente, de pensamentos alternativos mais
funcionais e respectiva intensidade das emoções, depois destes serem
elaborados.
Trata-se de um quadro que permite registar, por exemplo, informação
relativamente a:
Situação estímulo
Respostas emocionais
Cognições
Intensidade das emoções
Grau em que o doente acredita nos seus pensamentos
automáticos
Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental
33. Registos de auto-monitorização (cont.)
• Identificação de pensamentos automáticos (“O que me está a passar pela
cabeça neste momento?”)
• Compreensão da associação pensamentos emoções e comportamentos
• Formas de gerar pensamentos alternativos
Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental
• Como construir pensamentos alternativos?
(Através da formulação de perguntas a si próprio… Beck, 1995):
- “Que provas tenho de que este pensamento é verdadeiro?”
- “Que provas é que me permitem dizer que é falso?”
- “Existe alguma explicação alternativa?”
- “Qual a pior oisa que me poderia acontecer?”
- “Será que eu era capaz de a ultrapassar?”
- “ O que é que de melhor poderia aontecer?”
- “Qual é a consequência mais realista?”
-“Que efeito tem em mim acreditar no pensamento automático?”
- “Quais seriam as consequênias, se mudasse esta minha maneira de
pensar?”
- “O que é que eu posso fazer para tal?”
-” Se (amigo x) estivesse no meu lugar e tivesse este pensamento, o
que é que eu lhe diria?”
- “Como pensaria o (amigo y) se estivesse no meu lugar?”
-
Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental
4. Questionários de Auto-Resposta
Instrumentos de fácil administração;
São cotados através de sistemas numéricos que permitem uma rápida
interpretação das respostas;
A existência de dados normativos faculta a comparação dos resultados
obtidos pelos diferentes sujeitos;
A possibilidade de aplicação antes e depois de efectuado o tratamento
permite ao clínico avaliar a eficácia da intervenção;
Por apresentarem a vantagem da quantificação são muito utilizados na
investigação;
Existem questionários de auto-resposta específicos para os principais
quadros clínicos e outros mais gerais (e.g. SCL-90-R;BSI);
São um complemento importante da entrevista.
Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental
5. Observa5. Observaçção Directa (ão Directa (In Vivo/RoleIn Vivo/Role--Playing/TestesPlaying/Testes ComportamentaisComportamentais))
É um complemento na avaliação cognitivo-comportamental;
(A) In Vivo(A) In Vivo
Tem um papel importante nos casos em que o comportamento-alvo só ocorre
na presença de outros acontecimentos ou em locais que não podem ser
recriados no gabinete;
Tem a vantagem de permitir a recolha de dados acerca do comportamento-
alvo e interacções comportamento-ambiente, no seu setting natural;
Tem a desvantagem de exigir muito trabalho e de se tornar dispendioso.
Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental
5. Observa5. Observaçção Directa (ão Directa (In Vivo/RoleIn Vivo/Role--Playing/TestesPlaying/Testes ComportamentaisComportamentais))
(B) Role(B) Role--PlayingPlaying
A observação directa pode ser feita no gabinete, através do recurso a role-
playing;
Os role-play são utilizados sobretudo para avaliar o comportamento do doente
em situações de interacção social;
Técnica que envolve a criação de situações credíveis, nas quais o sujeito deve
responder de acordo com a sua forma habitual;
Coloca em prática situações problemáticas ou desencadeadoras de ansiedade
para o doente, e avalia as cognições presentes nessas situações. Permite
compreender a forma como o doente interage com os outros e avaliar os seus
ciclos interpessoais disfuncionais.
Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental
5. Observa5. Observaçção Directa (ão Directa (In Vivo/RoleIn Vivo/Role--Playing/TestesPlaying/Testes ComportamentaisComportamentais))
(C) Testes de Evitamento Comportamental(C) Testes de Evitamento Comportamental
Vários testes de evitamento comportamental têm sido utilizados para avaliar o
medo e o evitamento, sobretudo nos distúrbios mediados pela ansiedade;
Teste de Evitamento Comportamental de tarefa única (Taylor, 1998): o
terapeuta apresenta ao doente uma situação que encerra um estímulo temido
para si. Posteriormente, é pedido ao doente que se aproxime o mais possível
do objecto e que refira, em Unidades Subjectivas de Desconforto (0-100), o
valor sentido no momento da aproximação máxima. O comportamento de
evitamento é avaliado, por exemplo, através da distância a que ficou do
objecto ou da quantidade de tempo gasto na confrontação do mesmo.
Teste de Evitamento Comportamental de tarefas múltiplas (Rachman
et al.): o doente tem que completar um número de diferentes tarefas
relacionadas com o medo.
Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental
5. Observa5. Observaçção Directa (ão Directa (In Vivo/RoleIn Vivo/Role--Playing/TestesPlaying/Testes ComportamentaisComportamentais))
(C) Testes de Evitamento Comportamental (cont.)(C) Testes de Evitamento Comportamental (cont.)
Limitações:
Um dos problemas que poderá surgir com a sua utilização resulta do facto de
o medo e o evitamento poderem ser específicos de determinadas situações;
Quando um teste é realizado no gabinete poderá falhar por não ser capaz de
identificar a severidade do evitamento que ocorre no ambiente natural do
sujeito.
Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental
6. Medidas Psicofisiol6. Medidas Psicofisiolóógicasgicas
Permitem uma avaliação mais precisa.
Confrontação do doente entre aquilo que percepciona e aquilo que
verdadeiramente é.
Exemplo: auto-monitorização da frequência cardíaca numa situação
ansiógena.
Limitações:
Avaliação de uma situação emocional através de uma parcela
Meios dispendiosos
Exemplo: a frequência cardíaca é diferente da percepção da
frequência cardíaca

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
Teoria do Esquema - Cognitivo-ComportamentalTeoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
Teoria do Esquema - Cognitivo-ComportamentalNilson Dias Castelano
 
Anamnese psicopatologia diagn psiq
Anamnese psicopatologia diagn psiq   Anamnese psicopatologia diagn psiq
Anamnese psicopatologia diagn psiq Cláudio Costa
 
Documentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ PsicologiaDocumentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ PsicologiaCassia Dias
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaRita Cristiane Pavan
 
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicosIntrodução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicosCaio Maximino
 
Psicodiagnóstico infantil
Psicodiagnóstico infantilPsicodiagnóstico infantil
Psicodiagnóstico infantilJorge Bombeiro
 
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutasPsicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutasMarcelo da Rocha Carvalho
 
Aula 05 curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Aula 05   curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricasAula 05   curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Aula 05 curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricasLampsi
 
Fundamentos de psicopatologia
Fundamentos de psicopatologiaFundamentos de psicopatologia
Fundamentos de psicopatologiaUNICEP
 
Exercícios de Crenças
Exercícios de CrençasExercícios de Crenças
Exercícios de Crençaspsimais
 
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e CognitivaTratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e CognitivaMarcelo da Rocha Carvalho
 

Mais procurados (20)

Conceituação cognitiva
Conceituação cognitivaConceituação cognitiva
Conceituação cognitiva
 
Psicoterapias
PsicoterapiasPsicoterapias
Psicoterapias
 
TCC - Terapia Cognitivo Comportamental
TCC - Terapia Cognitivo ComportamentalTCC - Terapia Cognitivo Comportamental
TCC - Terapia Cognitivo Comportamental
 
A estrutura da Primeira Sessão Padrão na TCC
A estrutura da Primeira Sessão Padrão na TCCA estrutura da Primeira Sessão Padrão na TCC
A estrutura da Primeira Sessão Padrão na TCC
 
Teoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
Teoria do Esquema - Cognitivo-ComportamentalTeoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
Teoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
 
Gestalt-Terapia
Gestalt-TerapiaGestalt-Terapia
Gestalt-Terapia
 
Anamnese psicopatologia diagn psiq
Anamnese psicopatologia diagn psiq   Anamnese psicopatologia diagn psiq
Anamnese psicopatologia diagn psiq
 
Documentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ PsicologiaDocumentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ Psicologia
 
psicologia e psicopatologia
psicologia e psicopatologiapsicologia e psicopatologia
psicologia e psicopatologia
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
 
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicosIntrodução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
 
Conceitualização em Terapia Cognitiva
Conceitualização em Terapia CognitivaConceitualização em Terapia Cognitiva
Conceitualização em Terapia Cognitiva
 
Psicodiagnóstico infantil
Psicodiagnóstico infantilPsicodiagnóstico infantil
Psicodiagnóstico infantil
 
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutasPsicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
 
Sistêmica
SistêmicaSistêmica
Sistêmica
 
Aula 05 curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Aula 05   curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricasAula 05   curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Aula 05 curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
 
Fundamentos de psicopatologia
Fundamentos de psicopatologiaFundamentos de psicopatologia
Fundamentos de psicopatologia
 
Exercícios de Crenças
Exercícios de CrençasExercícios de Crenças
Exercícios de Crenças
 
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e CognitivaTratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
 
Seminário dsm v
Seminário dsm vSeminário dsm v
Seminário dsm v
 

Destaque

Eneagrama - Uma visão generalista
Eneagrama - Uma visão generalistaEneagrama - Uma visão generalista
Eneagrama - Uma visão generalistaDesperta
 
Formulação de Caso - TCC
Formulação de Caso - TCCFormulação de Caso - TCC
Formulação de Caso - TCCMichele Santos
 
Palestra a terapia cognitivo comportamental
Palestra   a terapia cognitivo comportamentalPalestra   a terapia cognitivo comportamental
Palestra a terapia cognitivo comportamentalErika Barreto
 
Seminario eneagrama-transpessoal-resumido
Seminario eneagrama-transpessoal-resumidoSeminario eneagrama-transpessoal-resumido
Seminario eneagrama-transpessoal-resumidoEdjard Mota
 
Coaching eneagrama t360º
Coaching   eneagrama t360ºCoaching   eneagrama t360º
Coaching eneagrama t360ºHelena Silva
 
Eneagrama do Caracter Humano 2015
Eneagrama do Caracter Humano 2015Eneagrama do Caracter Humano 2015
Eneagrama do Caracter Humano 2015Edjard Mota
 
Método Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
Método Socrático em Terapia Cognitiva-ComportamentalMétodo Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
Método Socrático em Terapia Cognitiva-ComportamentalMarcelo da Rocha Carvalho
 
Identificando e mudando as crenças intermediárias - TCC
Identificando e mudando as crenças intermediárias - TCCIdentificando e mudando as crenças intermediárias - TCC
Identificando e mudando as crenças intermediárias - TCCSarah Karenina
 

Destaque (14)

Eneagrama - Uma visão generalista
Eneagrama - Uma visão generalistaEneagrama - Uma visão generalista
Eneagrama - Uma visão generalista
 
Formulação de Caso - TCC
Formulação de Caso - TCCFormulação de Caso - TCC
Formulação de Caso - TCC
 
Dinamica eneagrama
Dinamica eneagramaDinamica eneagrama
Dinamica eneagrama
 
Palestra a terapia cognitivo comportamental
Palestra   a terapia cognitivo comportamentalPalestra   a terapia cognitivo comportamental
Palestra a terapia cognitivo comportamental
 
Teste Eneagrama
Teste EneagramaTeste Eneagrama
Teste Eneagrama
 
Seminario eneagrama-transpessoal-resumido
Seminario eneagrama-transpessoal-resumidoSeminario eneagrama-transpessoal-resumido
Seminario eneagrama-transpessoal-resumido
 
Apostila eneagrama
Apostila eneagramaApostila eneagrama
Apostila eneagrama
 
Coaching eneagrama t360º
Coaching   eneagrama t360ºCoaching   eneagrama t360º
Coaching eneagrama t360º
 
Elizangela
ElizangelaElizangela
Elizangela
 
Eneagrama
Eneagrama Eneagrama
Eneagrama
 
Eneagrama do Caracter Humano 2015
Eneagrama do Caracter Humano 2015Eneagrama do Caracter Humano 2015
Eneagrama do Caracter Humano 2015
 
Eneagrama
EneagramaEneagrama
Eneagrama
 
Método Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
Método Socrático em Terapia Cognitiva-ComportamentalMétodo Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
Método Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
 
Identificando e mudando as crenças intermediárias - TCC
Identificando e mudando as crenças intermediárias - TCCIdentificando e mudando as crenças intermediárias - TCC
Identificando e mudando as crenças intermediárias - TCC
 

Semelhante a Avaliação cognitivo comportamental

1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia
1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia
1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapianarasc
 
Principais Técnicas - TCC.pdf
Principais Técnicas - TCC.pdfPrincipais Técnicas - TCC.pdf
Principais Técnicas - TCC.pdfssmxmnx8gj
 
e-book cognitivo.pdf
e-book cognitivo.pdfe-book cognitivo.pdf
e-book cognitivo.pdfMarcio Amoedo
 
Aula+-+Estrutura+do+tratamento.pdf
Aula+-+Estrutura+do+tratamento.pdfAula+-+Estrutura+do+tratamento.pdf
Aula+-+Estrutura+do+tratamento.pdfJulianamarciafonseca
 
Perguntas de avaliação para responder parte teórica
Perguntas de avaliação para responder   parte teóricaPerguntas de avaliação para responder   parte teórica
Perguntas de avaliação para responder parte teóricaIsabel Alexandra
 
Diferenças de abordagens
Diferenças de abordagensDiferenças de abordagens
Diferenças de abordagensLuciana Freitas
 
Apresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
Apresentação Terapia de Aceitação e CompromissoApresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
Apresentação Terapia de Aceitação e Compromissopsicologiaestoi
 
Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptx
Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptxAula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptx
Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptxCarlaNishimura3
 
AULA J.BECK I - Profª Lina - 2010
AULA J.BECK I - Profª Lina - 2010AULA J.BECK I - Profª Lina - 2010
AULA J.BECK I - Profª Lina - 2010Lina Sue
 
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_12016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1Flora Couto
 
Psicologia cl+¡nica
Psicologia cl+¡nicaPsicologia cl+¡nica
Psicologia cl+¡nicaflamarandr
 
É possível sistematizar a formulação psicodinâmica de caso?
É possível sistematizar a formulação psicodinâmica de caso?É possível sistematizar a formulação psicodinâmica de caso?
É possível sistematizar a formulação psicodinâmica de caso?Bianca Giannotti
 
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresa
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresaPsicoterapia para funcionários a pedido da empresa
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresaMarcelo da Rocha Carvalho
 
Terapiacognitiva mod3
Terapiacognitiva mod3Terapiacognitiva mod3
Terapiacognitiva mod3eprpfsr
 
Terapias Cognitivas- compoortamentais
Terapias Cognitivas- compoortamentaisTerapias Cognitivas- compoortamentais
Terapias Cognitivas- compoortamentaisRodrigo Abreu
 
Aula 8 mecanismos de coping
Aula 8 mecanismos de copingAula 8 mecanismos de coping
Aula 8 mecanismos de copingFuturos Medicos
 

Semelhante a Avaliação cognitivo comportamental (20)

1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia
1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia
1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia
 
Principais Técnicas - TCC.pdf
Principais Técnicas - TCC.pdfPrincipais Técnicas - TCC.pdf
Principais Técnicas - TCC.pdf
 
e-book cognitivo.pdf
e-book cognitivo.pdfe-book cognitivo.pdf
e-book cognitivo.pdf
 
Etica em Psicoterapia
Etica em PsicoterapiaEtica em Psicoterapia
Etica em Psicoterapia
 
Aula+-+Estrutura+do+tratamento.pdf
Aula+-+Estrutura+do+tratamento.pdfAula+-+Estrutura+do+tratamento.pdf
Aula+-+Estrutura+do+tratamento.pdf
 
Perguntas de avaliação para responder parte teórica
Perguntas de avaliação para responder   parte teóricaPerguntas de avaliação para responder   parte teórica
Perguntas de avaliação para responder parte teórica
 
Diferenças de abordagens
Diferenças de abordagensDiferenças de abordagens
Diferenças de abordagens
 
Apresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
Apresentação Terapia de Aceitação e CompromissoApresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
Apresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
 
Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptx
Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptxAula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptx
Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptx
 
Acompanhamento Terapêutico
Acompanhamento TerapêuticoAcompanhamento Terapêutico
Acompanhamento Terapêutico
 
Entrevis
EntrevisEntrevis
Entrevis
 
AULA J.BECK I - Profª Lina - 2010
AULA J.BECK I - Profª Lina - 2010AULA J.BECK I - Profª Lina - 2010
AULA J.BECK I - Profª Lina - 2010
 
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_12016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
 
Psicologia cl+¡nica
Psicologia cl+¡nicaPsicologia cl+¡nica
Psicologia cl+¡nica
 
É possível sistematizar a formulação psicodinâmica de caso?
É possível sistematizar a formulação psicodinâmica de caso?É possível sistematizar a formulação psicodinâmica de caso?
É possível sistematizar a formulação psicodinâmica de caso?
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresa
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresaPsicoterapia para funcionários a pedido da empresa
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresa
 
Terapiacognitiva mod3
Terapiacognitiva mod3Terapiacognitiva mod3
Terapiacognitiva mod3
 
Terapias Cognitivas- compoortamentais
Terapias Cognitivas- compoortamentaisTerapias Cognitivas- compoortamentais
Terapias Cognitivas- compoortamentais
 
Aula 8 mecanismos de coping
Aula 8 mecanismos de copingAula 8 mecanismos de coping
Aula 8 mecanismos de coping
 

Mais de Elizabeth Barbosa

ANÁLISE FUNCIONAL DO COMPORTAMENTO.pdf
ANÁLISE FUNCIONAL DO COMPORTAMENTO.pdfANÁLISE FUNCIONAL DO COMPORTAMENTO.pdf
ANÁLISE FUNCIONAL DO COMPORTAMENTO.pdfElizabeth Barbosa
 
112990114-Escala-Alexitimia-Tas-20.pdf
112990114-Escala-Alexitimia-Tas-20.pdf112990114-Escala-Alexitimia-Tas-20.pdf
112990114-Escala-Alexitimia-Tas-20.pdfElizabeth Barbosa
 
Os bichos que voavam organizaram uma festa no céu e convidaram todos dos bich...
Os bichos que voavam organizaram uma festa no céu e convidaram todos dos bich...Os bichos que voavam organizaram uma festa no céu e convidaram todos dos bich...
Os bichos que voavam organizaram uma festa no céu e convidaram todos dos bich...Elizabeth Barbosa
 
Era uma vez uma menina chamada Barbara.docx
Era uma vez uma menina chamada Barbara.docxEra uma vez uma menina chamada Barbara.docx
Era uma vez uma menina chamada Barbara.docxElizabeth Barbosa
 
Dislexia e tcc_uma_proposta_de_tratamento
Dislexia e tcc_uma_proposta_de_tratamentoDislexia e tcc_uma_proposta_de_tratamento
Dislexia e tcc_uma_proposta_de_tratamentoElizabeth Barbosa
 

Mais de Elizabeth Barbosa (9)

ANÁLISE FUNCIONAL DO COMPORTAMENTO.pdf
ANÁLISE FUNCIONAL DO COMPORTAMENTO.pdfANÁLISE FUNCIONAL DO COMPORTAMENTO.pdf
ANÁLISE FUNCIONAL DO COMPORTAMENTO.pdf
 
112990114-Escala-Alexitimia-Tas-20.pdf
112990114-Escala-Alexitimia-Tas-20.pdf112990114-Escala-Alexitimia-Tas-20.pdf
112990114-Escala-Alexitimia-Tas-20.pdf
 
Os bichos que voavam organizaram uma festa no céu e convidaram todos dos bich...
Os bichos que voavam organizaram uma festa no céu e convidaram todos dos bich...Os bichos que voavam organizaram uma festa no céu e convidaram todos dos bich...
Os bichos que voavam organizaram uma festa no céu e convidaram todos dos bich...
 
Era uma vez uma menina chamada Barbara.docx
Era uma vez uma menina chamada Barbara.docxEra uma vez uma menina chamada Barbara.docx
Era uma vez uma menina chamada Barbara.docx
 
a princesa e a ervilha.docx
a princesa e a ervilha.docxa princesa e a ervilha.docx
a princesa e a ervilha.docx
 
Dislexia e tcc_uma_proposta_de_tratamento
Dislexia e tcc_uma_proposta_de_tratamentoDislexia e tcc_uma_proposta_de_tratamento
Dislexia e tcc_uma_proposta_de_tratamento
 
prevalencia de sobrepeso...
prevalencia de sobrepeso...prevalencia de sobrepeso...
prevalencia de sobrepeso...
 
Entrevista estruturada.
Entrevista estruturada.Entrevista estruturada.
Entrevista estruturada.
 
Inventário de depressão
Inventário de depressãoInventário de depressão
Inventário de depressão
 

Avaliação cognitivo comportamental

  • 1. Maria Cristina Canavarro Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade de Coimbra Terapias Cognitivo-Comportamentais em Adultos II Aulas Práticas Avaliação Cognitivo-Comportamental
  • 4. A avaliação é a base para a definição das estratégias de tratamento. É um processo contínuo: a avaliação não termina com a implementação do tratamento. A linha existente entre avaliação e intervenção é muito ténue: ao avaliar o terapeuta está também a intervir e, ao intervir, vai avaliar a resposta do doente à intervenção realizada. A avaliação é um processo complexo, contínuo e recursivo, sendo um dos seus principais objectivos o de identificar, com rigor, o problema do doente. Características Gerais Ao longo do tratamento, o terapeuta vai constantemente testando e refinando a sua compreensão do doente, revendo a sua conceptualização à medida que o doente muda, testando a eficácias das intervenções realizadas e monitorizando os progressos na terapia. (Freeman et al., 1990) Ao longo do tratamento, o terapeuta vai constantemente testando e refinando a sua compreensão do doente, revendo a sua conceptualização à medida que o doente muda, testando a eficácias das intervenções realizadas e monitorizando os progressos na terapia. (Freeman et al., 1990)
  • 5. Características Gerais (cont.) Uma avaliação cognitivo-comportamental pode ser definida pelos seguintes parâmetros: Avaliação multidimensional dos comportamentos, emoções e cognições; Os comportamentos, emoções e cognições são uma amostra de um padrão comportamental mais vasto; Estabelecimento de relações funcionais entre o meio, os comportamentos, as cognições e as emoções (análise funcional); Estreita ligação entre a avaliação e o tratamento.
  • 7. Objectivos Identificar os comportamentos que integram um “problema” e as variáveis que integram o seu aparecimento; Estabelecer os objectivos que se pretendem alcançar com a intervenção psicoterapêutica; Obter informação relevante para a selecção das técnicas terapêuticas mais apropriadas para cada caso; Avaliar, de forma precisa, os resultados da intervenção, tanto à medida que estes vão surgindo, como no final do processo terapêutico.
  • 8. Objectivos - Kendall, 1981 Estudar a relação existente entre fenómenos cobertos (internos) e a sua relação com padrões de comportamento e diferentes formas de expressão de emoções; Estudar o papel dos processo cobertos (internos) no desenvolvimento de distintas psicopatologias e os padrões de comportamento associados ao coping; Confirmar os efeitos dos tratamentos; Avaliar estudos em que os factores cognitivos tenham sido manipuladas ou implicados nos efeitos de manipulação.
  • 10. O Processo de Avaliação Clínica AvaliaAvaliaçção Inicialão Inicial O objectivo é obter informação específica acerca dos problemas do doente, do seu passado e dos objectivos que este estabelece para a terapia para elaborar uma conceptualização inicial do caso e formular um plano prévio de tratamento. É necessária a recolha de bastante informação num período limitado de tempo geralmente através de uma entrevista estruturada ou semi- estruturada, as quais podem ser complementadas com a utilização de outros procedimentos de aaliação. O terapeuta deve procurar manter activamente alguma estruturação na entrevista inicial. Contudo, não se deve prender demasiado a uma entrevista previamente estruturada, podendo parecer insensível e pouco empático. Deve existir um equilíbrio entre estruturação e flexibilidade!
  • 11. O Processo de Avaliação Clínica AvaliaAvaliaççãoão InicialInicial A postura do terapeuta é fundamental nesta fase de avaliação, já que dela pode depender o estabelecimento de uma relação terapêutica adequada. O terapeuta deve evidenciar uma postura de aceitação incondicional A própria postura corporal, enquanto comunicação não verbal, deve mostrar que o terapeuta se interessa genuinamente pelo doente não deve adoptar nem uma postura demasiado “relaxada” (pode ser interpretada como sinal de desinteresse e de aborrecimento) nem uma postura demasiado rígida (poderá intimidar o doente e impedi-lo de se expressar livremente). Deve deixar claro que o seu papel não é o de julgar o doente, mas sim o de o ouvir atentamente e trabalhar com ele colaborativamente, no sentido de encontrar soluções para os seus problemas.
  • 12. O Processo de Avaliação Clínica AvaliaAvaliaççãoão durantedurante o curso da terapiao curso da terapia O objectivo é avaliar as respostas cognitivas, comportamentais e emocionais do doente nas situações problemáticas. Mais do que avaliar cognições, emoções e comportamentos isoladamente, pretende-se obter uma compreensão da forma como estes vários aspectos se relacionam entre si para dar origem aos problemas que o doente manifesta. Esta avaliação deve ser suficientemente pormenorizada para permitir uma conceptualização clara do problema e um planeamento estratégico das intervenções.
  • 13. O Processo de Avaliação Clínica AvaliaAvaliaçção noão no finalfinal da terapiada terapia Nesta fase o objectivo é avaliar até que ponto foram alcançados os objectivos estabelecidos no início do processo terapêutico, ou seja, os ganhos terapêuticos. Para tal, contribuem: Relatos subjectivos do doente Dados objectivos obtidos a partir dos questionários de auto-resposta no final da terapia e sua comparação com os resultados de momentos anteriores. Entrevista com outros significativos que, de algum modo, tenham acompanhado o curso da terapia.
  • 15. Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental Métodos de Avaliação Cognitivo- Comportamental Métodos de Avaliação Cognitivo- Comportamental Métodos Indirectos Métodos Directos Entrevista CC Questionários e Escalas Observação Directa Auto- Monitorização Medidas Psicofisiológicas Entrevista com outros significativos
  • 16. Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental 1. Entrevista Cl1. Entrevista Clíínicanica A entrevista é uma parte integrante de toda a avaliação e processo terapêutico É um método privilegiado para a avaliação cognitivo-comportamental O terapeuta solicita ao doente que descreva os pensamentos, sentimentos e comportamentos que ocorrem na situação em que está a ser alvo de discussão, esperando que este lhe forneça informação rigorosa contudo, o doente nem sempre tem acesso às suas cognições, colocando em causa o rigor da informação. É nela que se estabelece a relação terapêutica, se recolhe informação, se tomam decisões e estabelecem os objectivos terapêuticos e prioridades.
  • 17. Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental 1. Entrevista Cl1. Entrevista Clíínica (cont.)nica (cont.) Um dos objectivos é estabelecer um diagnóstico, ou seja, identificar ou não psicopatologia. Para alcançar este objectivo, o terapeuta pode recorrer a entrevistas estruturadas, elaboradas com base nos manuais de diagnóstico existentes. Exemplos: ADIS-R (Anxiety Disorders Interview Scedule - DiNardo e Barlow, 1988). SCID I (Structured Clinical Interview for DSM-IV Axis I Disorders - First, Spitzer, Gibbon e Williams, 1997) SCID II (Structured Clinical Interview for DSM-IV Axis II Personality Disorders – First, Gibbon, Spitzer, Williams e Benjamin, 1997). Há uma estreita ligação entre os conteúdos pesquisados na entrevista e a informação necessária para a elaboração da história clínica a avaliação segue os parâmetros da história clínica.
  • 18. Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental 1. Entrevista Clínica (cont.) Fases: 1) Avaliação Cognitivo-Comportamental (recolha de informação relativamente aos parâmetros da história clínica); 2) Elaboração de hipóteses funcionais (formulação); 3) Estabelecimento de prioridades e definição de objectivos; 4) Selecção de procedimentos terapêuticos; 5) Intervenção terapêutica; 6) Avaliação dos resultados da intervenção.
  • 19. Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental 2.2. Entrevista com outros significativos Uma entrevista com um familiar ou outro significativo do doente pode ajudar a recolher informação objectiva acerca dos problemas em questão. Permite avaliar mais facilmente aspectos como: Extensão dos problemas; Situações específicas que determinam a ocorrência dos problemas; Grau em que a família mais próxima está envolvida e é afectada. É útil para averiguar o papel da família na manutenção dos problemas.
  • 20. Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental 3. Registos de auto3. Registos de auto--monitorizamonitorizaççãoão É uma técnica de aplicação simples, que permite avaliar: as cognições e os comportamentos relevantes, a sua frequência, a sua duração, emoções associadas, e os determinantes situacionais. Este procedimento pode assumir várias formas: Diário Gravações áudio Questionários estruturados Folhas de registo adaptadas ao caso
  • 21. Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental 33. Registos de auto-monitorização (cont.) Na terapia cognitiva, o registo de auto-monitorização dos pensamentos automáticos negativos e emoções que lhes possam estar associadas é muito utilizado. É também frequente a inclusão de uma coluna destinada à produção, por parte do doente, de pensamentos alternativos mais funcionais e respectiva intensidade das emoções, depois destes serem elaborados. Trata-se de um quadro que permite registar, por exemplo, informação relativamente a: Situação estímulo Respostas emocionais Cognições Intensidade das emoções Grau em que o doente acredita nos seus pensamentos automáticos
  • 22. Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental 33. Registos de auto-monitorização (cont.) • Identificação de pensamentos automáticos (“O que me está a passar pela cabeça neste momento?”) • Compreensão da associação pensamentos emoções e comportamentos • Formas de gerar pensamentos alternativos
  • 23. Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental • Como construir pensamentos alternativos? (Através da formulação de perguntas a si próprio… Beck, 1995): - “Que provas tenho de que este pensamento é verdadeiro?” - “Que provas é que me permitem dizer que é falso?” - “Existe alguma explicação alternativa?” - “Qual a pior oisa que me poderia acontecer?” - “Será que eu era capaz de a ultrapassar?” - “ O que é que de melhor poderia aontecer?” - “Qual é a consequência mais realista?” -“Que efeito tem em mim acreditar no pensamento automático?” - “Quais seriam as consequênias, se mudasse esta minha maneira de pensar?” - “O que é que eu posso fazer para tal?” -” Se (amigo x) estivesse no meu lugar e tivesse este pensamento, o que é que eu lhe diria?” - “Como pensaria o (amigo y) se estivesse no meu lugar?” -
  • 24. Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental 4. Questionários de Auto-Resposta Instrumentos de fácil administração; São cotados através de sistemas numéricos que permitem uma rápida interpretação das respostas; A existência de dados normativos faculta a comparação dos resultados obtidos pelos diferentes sujeitos; A possibilidade de aplicação antes e depois de efectuado o tratamento permite ao clínico avaliar a eficácia da intervenção; Por apresentarem a vantagem da quantificação são muito utilizados na investigação; Existem questionários de auto-resposta específicos para os principais quadros clínicos e outros mais gerais (e.g. SCL-90-R;BSI); São um complemento importante da entrevista.
  • 25. Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental 5. Observa5. Observaçção Directa (ão Directa (In Vivo/RoleIn Vivo/Role--Playing/TestesPlaying/Testes ComportamentaisComportamentais)) É um complemento na avaliação cognitivo-comportamental; (A) In Vivo(A) In Vivo Tem um papel importante nos casos em que o comportamento-alvo só ocorre na presença de outros acontecimentos ou em locais que não podem ser recriados no gabinete; Tem a vantagem de permitir a recolha de dados acerca do comportamento- alvo e interacções comportamento-ambiente, no seu setting natural; Tem a desvantagem de exigir muito trabalho e de se tornar dispendioso.
  • 26. Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental 5. Observa5. Observaçção Directa (ão Directa (In Vivo/RoleIn Vivo/Role--Playing/TestesPlaying/Testes ComportamentaisComportamentais)) (B) Role(B) Role--PlayingPlaying A observação directa pode ser feita no gabinete, através do recurso a role- playing; Os role-play são utilizados sobretudo para avaliar o comportamento do doente em situações de interacção social; Técnica que envolve a criação de situações credíveis, nas quais o sujeito deve responder de acordo com a sua forma habitual; Coloca em prática situações problemáticas ou desencadeadoras de ansiedade para o doente, e avalia as cognições presentes nessas situações. Permite compreender a forma como o doente interage com os outros e avaliar os seus ciclos interpessoais disfuncionais.
  • 27. Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental 5. Observa5. Observaçção Directa (ão Directa (In Vivo/RoleIn Vivo/Role--Playing/TestesPlaying/Testes ComportamentaisComportamentais)) (C) Testes de Evitamento Comportamental(C) Testes de Evitamento Comportamental Vários testes de evitamento comportamental têm sido utilizados para avaliar o medo e o evitamento, sobretudo nos distúrbios mediados pela ansiedade; Teste de Evitamento Comportamental de tarefa única (Taylor, 1998): o terapeuta apresenta ao doente uma situação que encerra um estímulo temido para si. Posteriormente, é pedido ao doente que se aproxime o mais possível do objecto e que refira, em Unidades Subjectivas de Desconforto (0-100), o valor sentido no momento da aproximação máxima. O comportamento de evitamento é avaliado, por exemplo, através da distância a que ficou do objecto ou da quantidade de tempo gasto na confrontação do mesmo. Teste de Evitamento Comportamental de tarefas múltiplas (Rachman et al.): o doente tem que completar um número de diferentes tarefas relacionadas com o medo.
  • 28. Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental 5. Observa5. Observaçção Directa (ão Directa (In Vivo/RoleIn Vivo/Role--Playing/TestesPlaying/Testes ComportamentaisComportamentais)) (C) Testes de Evitamento Comportamental (cont.)(C) Testes de Evitamento Comportamental (cont.) Limitações: Um dos problemas que poderá surgir com a sua utilização resulta do facto de o medo e o evitamento poderem ser específicos de determinadas situações; Quando um teste é realizado no gabinete poderá falhar por não ser capaz de identificar a severidade do evitamento que ocorre no ambiente natural do sujeito.
  • 29. Métodos de Avaliação Cognitivo-Comportamental 6. Medidas Psicofisiol6. Medidas Psicofisiolóógicasgicas Permitem uma avaliação mais precisa. Confrontação do doente entre aquilo que percepciona e aquilo que verdadeiramente é. Exemplo: auto-monitorização da frequência cardíaca numa situação ansiógena. Limitações: Avaliação de uma situação emocional através de uma parcela Meios dispendiosos Exemplo: a frequência cardíaca é diferente da percepção da frequência cardíaca