FONTES DE INFORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES<br />Elisa Corrêa<br />Biblioteca Pública do Estado de Santa Catarina<b...
História e ContextoAnos 80<br />Coleções : <br />visão administrativa<br />Waldomiro Vergueiro, Nice Figueiredo, Lancaster...
História e ContextoAnos 80<br />Fontes de Informação:<br />Migração do suporte em papel para o meio eletrônico<br />Posse ...
História e ContextoAnos 90<br />Coleções:<br />Discussões acerca de como adminsitrar o acervo a partir do “impacto” das NT...
História e ContextoSéculo XXI<br />Coleções:<br />Bibliotecas híbridas<br />Fontes:<br />Web 2.0 – textos fluídos de geraç...
HOJE<br />Coleções: Necessidade de repensar conceitos e práticas para sua formação e desenvolvimento<br />Fontes: Base das...
REVISÃO DE CONCEITOS<br />Formação e Desenvolvimento de Coleções<br />GESTÃO DE ESTOQUES INFORMACIONAIS<br />
GESTÃO<br />Pressupõe planejamento, acompanhamento, avaliação. Gerenciar significa mais que agrupar e conservar. Significa...
GESTÃO<br />Traçar metas de desenvolvimento e expansão do acervo, levando em consideração os objetivos da instituição, as ...
GESTÃO<br />Planejar atividades meio e fim, captando recursos humanos e financeiros suficientes para sua execução e para o...
GESTÃO<br />Pressupõe a existência de um Gestor: profissional responsável, qualificado para exercer liderança em todo o pr...
GESTOR<br />Habiliades e competências para realizar: “diagnósticos estratégicos (interno e externo); desenvolver planos de...
REVISANDO CONCEITOS<br />Coleções<br />ESTOQUES INFORMACIONAIS<br />
ESTOQUES INFORMACIONAIS<br />Estoques:<br />“Os estoques são recursos ociosos que possuem valor econômico.” Joseph G. Monk...
ESTOQUES INFORMACIONAIS<br />Estoques Informacionais, portanto, devem ser: <br />Dinâmicos, circular<br />Atrativos e dire...
ESTOQUES INFORMACIONAIS<br />Assim como os estoques de maneira geral, estes devem passar por revisões contínuas e periódic...
REVISANDO CONCEITOS<br />Usuários<br />CLIENTES, INTERAGENTES<br />
CLIENTE<br />Clientela da Informação:  A idéia de cliente ainda aponta para o receptor do produto ou serviço.  Mesmo assim...
INTERAGENTE<br />O Interagente da informação ultrapassa o papel de receptor e torna-se co-autor da informação. Interage co...
E A BIBLIOTECA PÚBLICA...<br />Pode e deve acompanhar os novos conceitos, através de:<br />1. Adaptar conceitos e atividad...
2. Pensar os estoques em termos de vantagem competitiva diante de outros tipos de Unidades de Informação: o que temos a of...
3.  Relacionar-se com seu público enquanto “clientela  interagente”: conhecê-lo  melhor (estudos de comunidade e de ‘usuár...
4. Diversificar seus estoques, através do contínuo aprendizado e conhecimento de fontes informacionais  em seu sentido mai...
5. Trabalhar em rede: estabelecer parcerias, buscar recursos externos, implantar cultura de colaboração e intercâmbio, con...
CONSIDERAÇÕES FINAIS<br />Gerenciar estoques informacionais tem como pré-requisito a gerência da própria biblioteca.<br />...
CONSIDERAÇÕES FINAIS<br />A oferta de fontes de informação é sempre maior do que a demanda<br />Critérios definidos para s...
CONSIDERAÇÕES FINAIS<br />Alguns bons exemplos: Projeto Perca um Livro; Semana do Troca, Leitor do Mês (Biblioteca de São ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Bpsc 2011

855 visualizações

Publicada em

Palestra na BPSC em 02 de junho de 2011

  • Seja o primeiro a comentar

Bpsc 2011

  1. 1. FONTES DE INFORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES<br />Elisa Corrêa<br />Biblioteca Pública do Estado de Santa Catarina<br />02 de junho de 2011<br />
  2. 2. História e ContextoAnos 80<br />Coleções : <br />visão administrativa<br />Waldomiro Vergueiro, Nice Figueiredo, Lancaster<br />Menos “romance”, mais planejamento<br />
  3. 3. História e ContextoAnos 80<br />Fontes de Informação:<br />Migração do suporte em papel para o meio eletrônico<br />Posse x Acesso<br />
  4. 4. História e ContextoAnos 90<br />Coleções:<br />Discussões acerca de como adminsitrar o acervo a partir do “impacto” das NTICs<br />Fontes:<br />Boom da microinformática e expansão da Rede Internet: Hipertexto <br />
  5. 5. História e ContextoSéculo XXI<br />Coleções:<br />Bibliotecas híbridas<br />Fontes:<br />Web 2.0 – textos fluídos de geração colaborativa<br />
  6. 6. HOJE<br />Coleções: Necessidade de repensar conceitos e práticas para sua formação e desenvolvimento<br />Fontes: Base das coleções, em constante mudança.<br />Convivência entre suportes físicos e eletrônicos, <br />tendência para a inclusão e participação cada vez maior do público leitor enquanto autor. <br />
  7. 7. REVISÃO DE CONCEITOS<br />Formação e Desenvolvimento de Coleções<br />GESTÃO DE ESTOQUES INFORMACIONAIS<br />
  8. 8. GESTÃO<br />Pressupõe planejamento, acompanhamento, avaliação. Gerenciar significa mais que agrupar e conservar. Significa:<br />Definir e aplicar critérios de seleção, aquisição, avaliação e preservação para disponibilização, buscando atingir níveis de excelência;<br />
  9. 9. GESTÃO<br />Traçar metas de desenvolvimento e expansão do acervo, levando em consideração os objetivos da instituição, as demandas informacionais existentes e a serem criadas, o contexto político, social e econômico local, nacional e mundial<br />
  10. 10. GESTÃO<br />Planejar atividades meio e fim, captando recursos humanos e financeiros suficientes para sua execução e para o atingimento das metas propostas<br />Lembrar que o lucro é sempre uma meta a ser atingida, mesmo que não corresponda necessariamente a valores financeiros.<br />
  11. 11. GESTÃO<br />Pressupõe a existência de um Gestor: profissional responsável, qualificado para exercer liderança em todo o processo envolvendo os recursos e políticas administrativas mencionadas<br />
  12. 12. GESTOR<br />Habiliades e competências para realizar: “diagnósticos estratégicos (interno e externo); desenvolver planos de ações espelhados nos resultados de tais diagnósticos; identificar investimentos prioritários (principalmente em competências essenciais); ser eterno vigilante das forças competitivas e ativos internos, tendo capacidade para identificar e minimizar as vulnerabilidades, antecipar, ou, mesmo, reconfigurar-se, alocando rapidamente recursos estratégicos visando responder e adaptar-se às novas oportunidades em constante mutação” (MEDEIROS, 2007)<br />
  13. 13. REVISANDO CONCEITOS<br />Coleções<br />ESTOQUES INFORMACIONAIS<br />
  14. 14. ESTOQUES INFORMACIONAIS<br />Estoques:<br />“Os estoques são recursos ociosos que possuem valor econômico.” Joseph G. Monks: Administração da Produção<br />“Entende-se por estoque quaisquer quantidades de bens físicos que sejam conservados, de forma improdutiva, por algum intervalo de tempo.” Daniel Moreira: Administração da Produção e Operações<br />
  15. 15. ESTOQUES INFORMACIONAIS<br />Estoques Informacionais, portanto, devem ser: <br />Dinâmicos, circular<br />Atrativos e direcionados a atender e criar demandas de informação<br />Fatores de lucro dentro das bibliotecas e unidades de informação<br />
  16. 16. ESTOQUES INFORMACIONAIS<br />Assim como os estoques de maneira geral, estes devem passar por revisões contínuas e periódicas, pois tem como finalidade última o atendimento à sua clientela específica.<br />
  17. 17. REVISANDO CONCEITOS<br />Usuários<br />CLIENTES, INTERAGENTES<br />
  18. 18. CLIENTE<br />Clientela da Informação: A idéia de cliente ainda aponta para o receptor do produto ou serviço. Mesmo assim, aponta para uma visão mais especializada deste, com demandas e necessidades específicas que precisam ser conhecidas e atendidas pela Unidade de Informação<br />
  19. 19. INTERAGENTE<br />O Interagente da informação ultrapassa o papel de receptor e torna-se co-autor da informação. Interage com ela e em seus processos: wiki, folksonomia (exemplos).<br />
  20. 20. E A BIBLIOTECA PÚBLICA...<br />Pode e deve acompanhar os novos conceitos, através de:<br />1. Adaptar conceitos e atividades de gestão estratégica voltada ao seu estoque informacional. Planejamento estratégico com base na Política de Coleções , indicando: estratégias, ações, responsáveis, prazos, recursos necessários (humanos e financeiros – indicando a fonte destes), parcerias de apoio e acompanhamento do status de cada ação. <br />
  21. 21. 2. Pensar os estoques em termos de vantagem competitiva diante de outros tipos de Unidades de Informação: o que temos a oferecer? O que mais podemos oferecer? Como oferecemos? Como divulgamos? Quanto circula nosso estoque e porque? Que metas podemos atingir para desenvolver e incrementar a qualidade da oferta e aumentar a demanda?<br />
  22. 22. 3. Relacionar-se com seu público enquanto “clientela interagente”: conhecê-lo melhor (estudos de comunidade e de ‘usuários’), criar estratégias de alcance de novos grupos de clientes (extensão), buscar participação nos processos de seleção, aquisição e avaliação dos estoques, criar ambiente favorável para a comunicação com os gestores – saber lidar com críticas, elogios e sugestões.<br />
  23. 23. 4. Diversificar seus estoques, através do contínuo aprendizado e conhecimento de fontes informacionais em seu sentido mais amplo: pessoas, instituições, livros, revistas, periódicos, obras de referência, multimídia. Prover acesso fisico e eletrônico às fontes relevantes à sua clientela: crianças, adolescentes, jovens e adultos.<br />
  24. 24. 5. Trabalhar em rede: estabelecer parcerias, buscar recursos externos, implantar cultura de colaboração e intercâmbio, conhecer e integrar-se a redes e mídias sociais, conhecer e utilizar ferramentas como o crowdsourcing e crowdfunding, socializar seus cases de sucesso e aprender com relatos de experiência de outras instituições (benchmarking)<br />
  25. 25. CONSIDERAÇÕES FINAIS<br />Gerenciar estoques informacionais tem como pré-requisito a gerência da própria biblioteca.<br />Missões e objetivos definidos institucionalmente devem nortear a gestão dos estoques.<br />Conceitos devem ser incorporados na prática para mudança efetiva<br />
  26. 26. CONSIDERAÇÕES FINAIS<br />A oferta de fontes de informação é sempre maior do que a demanda<br />Critérios definidos para seleção, aquisição e manutenção baseados nos objetivos na Biblioteca e no conhecimento de sua clientela de interagentes – parcerias internas e externas<br />
  27. 27. CONSIDERAÇÕES FINAIS<br />Alguns bons exemplos: Projeto Perca um Livro; Semana do Troca, Leitor do Mês (Biblioteca de São Paulo); Blog LC (arquivo de tweets)...<br />

×