SlideShare uma empresa Scribd logo
Tendências da Poesia 
Contemporânea
Poesia 
Contemporânea 
 
- Chamamos de tendências contemporâneas todas 
as manifestações surgidas na literatura e nas artes 
em geral a partir da década de 60. 
- Segundo Faraco & Moura (1993), não há um estilo 
predominante, mas uma simultaneidade de 
tendências diferentes que convivem lado a lado. 
- Houve uma divisão em cinco tendências: o 
concretismo, a poesia de práxis, a poesia social, o 
poema/processo, a poesia marginal.
O Concretismo 
 
- Teve início nos anos 50, em São Paulo 
e firmou-se com a Exposição Nacional 
de Arte Concreta em 1956. 
- A comunicação entre a poesia e o 
leitor é mais visual. 
- Principais nomes concretistas: Haroldo 
de Campos, Augusto de Campos, 
Décio Pignatari, Ferreira Gullar.
Características 
 
1- Abolição dos versos: rompimento com 
a forma tradicional; 
2- Aproveitamento do espaço: o branco 
da folha e a própria distribuição das 
palavras no papel tem um significado; 
3- Exploração do significante: valorização 
do aspecto material, concreto da palavra, 
sua sonoridade, sua forma, como os 
poemas a seguir;
Desse dia de 
chuva 

Augusto de Campos, 1962 

Características 
(cont) 
 
4- Decomposição e montagem das 
palavras para reproduzir a ideia 
principal; 
5- Rejeição do lirismo do tema: o poema 
passa a ser ele mesmo, como uma obra de 
arte, é um objeto de apreciação; 
6- Possibilidade de leituras múltiplas: os 
poemas concretistas oferecem as 
possibilidades de leitura linear, de leitura 
vertical, de leitura diagonal .
Poema Concreto 

Augusto de 
Campos 

Millôr Fernandes Utilizou 
as características 
concretistas para criar os 
seus poemas. Ele utilizava 
humor ao produzi-los.
Millôr 
Fernandes
A Poesia-Práxis 
 
- Enquanto os concretistas levavam em 
consideração a palavra como objeto, os 
praxistas levavam em conta a palavra-energia. 
- Os paraxistas acreditavam na palavra 
viva, não aceitavam a ideia da palavra 
vítima passiva de um contexto. 
- Alguns autores reconhecidos da poesia-práxis 
são: Yone G. Fonseca, Arnaldo 
Saraiva, Carlos E. Brandão e Mario 
Chamie.
Mário Chamie 
AGIOTAGEM 
um 
dois 
três 
o juro:o prazo 
o pôr / o cento / o mês 
/ o ágio 
p o r c e n t a g i o. 
dez 
cem 
mil 
o lucro:o dízimo 
o ágio / a mora / a 
monta em péssimo 
e m p r é s t i m o. 
muito 
nada 
tudo 
a quebra:a sobra 
a monta / o pé / o 
cento / a quota 
h a j a n ota 
agiota.
Poesia Social 
 
- Foi uma reação contra os excesso da 
poesia concreta; 
- Buscava maior comunicação com o 
leitor; 
- Propunha a volta dos versos e uma 
temática voltada para os problemas 
sociais. 
- Seus mais conhecidos autores: Ferreira 
Gullar, Afonso Ávila, Thiago Mello.
Ferreira Gullar 
Não há vagas 
O preço do feijão 
não cabe no poema. O preço 
do arroz 
não cabe no poema. 
Não cabem no poema 
a luz o telefone 
a sonegação 
do leite 
da carne 
do açúcar 
do pão 
O funcionário público 
não cabe no poema 
com seu salário de fome 
sua vida fechada 
em arquivos. 
Como não cabe no poema 
o operário 
que esmerila seu dia de aço 
e carvão 
nas oficinas escuras 
- porque o poema, senhores, 
está fechado: 
"não há vagas" 
Só cabe no poema 
o homem sem estômago 
a mulher de nuvens 
a fruta sem preço 
O poema, senhores, 
não fede 
nem cheira. 
(Ferreira Gullar.Antologia 
Poética, Rio de Janeiro, 
O poema " Não há vagas", 
refere-se à poesia do 
passado e do presente, o 
texto, como andamento 
metalinguístico, discute a 
própria poesia. Está se 
discutindo a função da 
poesia e para que ela serve. 
Mensagem: a poesia não 
deve deixar de abordar 
questões sociais, nela sim 
"há vagas" para os dramas 
diários. 
Sentido real da poesia: o 
contrário do que nele é dito.
Poema Processo 
 
- É uma forma mais radical do poema 
concreto, pois utiliza sobretudo os 
signos visuais. 
- Explora as possibilidades poéticas dos 
signos não-verbais; 
- É feito mais para ser visto e não para 
ser lido; 
- Principais autores: Álvaro de Sá, 
Neide Sá, Moacy Cirne e Wlademir 
Dias-Pino.
Moacy Cirne. 

Poema Processo 

Poesia Marginal 
 
- Recebeu o nome de marginal porque não 
era editada ou distibuída por editoras. 
- As cópias eram poucas e o material em 
que eram escritas era muito rústico; 
- A venda era de mão em mão pelo próprio 
autor ou por amigos dele em locais fixos 
como, porta de cinema, restaurantes, 
bares, nas portas dos teatros e das 
universidades. 
- Um dos autores mais conhecidos é Carlos 
Alberto Messeder Pereira.
- A linguagem é diversificada 
misturando prosa e verso. 
 
- Os temas relacionam-se com o 
cotidiano; 
- A linguagem é predominantemente 
coloquial; 
- Tem influência do poema concreto e 
do poema processo; 
- Ironiza e despreza o “bom gosto”.
Poesia Marginal 
 
 PEGA LADRÃO! 
Alguém tirou 
um pedaço 
do meu 
~ 
P O. 
( Kátia Bento) 
 Quem teve a 
mão decepada 
Levante o dedo. 
(Nicolas Behr)
Bibliografia 
 
Faraco, C. E e Moura, F. M. (2010). Literatura Brasileira. São 
Paulo: Ática 
Santiago, E. Poesia Concreta em: Infoescola Literatura - 
http://www.infoescola.com/literatura/poesia-concreta/ 
Rebouças, F. Poesia Marginal em: Infoescola Literatura 
http://www.infoescola.com/movimentos-literarios/poesia-marginal/ 
Gomes, C. Poesia Social em: Infoescola Literatura 
http://www.infoescola.com/movimentos-literarios/poesia-marginal/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modernismo iii fase(7)
Modernismo iii fase(7)Modernismo iii fase(7)
Modernismo iii fase(7)
claudia murta
 
1 coesão textual - referencial e sequencial
1   coesão textual - referencial e sequencial1   coesão textual - referencial e sequencial
1 coesão textual - referencial e sequencial
Luciene Gomes
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
Elza Silveira
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
fabrinnem
 
Questões sobre o alienista
Questões sobre o alienistaQuestões sobre o alienista
Questões sobre o alienista
ma.no.el.ne.ves
 

Mais procurados (20)

Realismo 2 ano
Realismo 2 anoRealismo 2 ano
Realismo 2 ano
 
Modernismo iii fase(7)
Modernismo iii fase(7)Modernismo iii fase(7)
Modernismo iii fase(7)
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
 
1 coesão textual - referencial e sequencial
1   coesão textual - referencial e sequencial1   coesão textual - referencial e sequencial
1 coesão textual - referencial e sequencial
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
 
Paralelismo sintático e semântico
Paralelismo sintático e semânticoParalelismo sintático e semântico
Paralelismo sintático e semântico
 
Gênero poesia
Gênero poesiaGênero poesia
Gênero poesia
 
Morte e vida severina
Morte e vida severinaMorte e vida severina
Morte e vida severina
 
G. Literários
G. LiteráriosG. Literários
G. Literários
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog
 
Questões sobre o alienista
Questões sobre o alienistaQuestões sobre o alienista
Questões sobre o alienista
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
Elementos da narrativa
Elementos da narrativaElementos da narrativa
Elementos da narrativa
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
 
Aula de ortografia
Aula de ortografiaAula de ortografia
Aula de ortografia
 
Português Enem
Português EnemPortuguês Enem
Português Enem
 
Regência nominal e verbal
Regência nominal e verbalRegência nominal e verbal
Regência nominal e verbal
 
Resumo de literatura
Resumo de literaturaResumo de literatura
Resumo de literatura
 

Destaque (6)

Teatro epico
Teatro epicoTeatro epico
Teatro epico
 
O teatro épico no Brasil: teatro e política nos anos 1960
O teatro épico no Brasil: teatro e política nos anos 1960O teatro épico no Brasil: teatro e política nos anos 1960
O teatro épico no Brasil: teatro e política nos anos 1960
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Corpo, gênero e sexualidade - Educando para a diversidade
Corpo, gênero e sexualidade - Educando para a diversidadeCorpo, gênero e sexualidade - Educando para a diversidade
Corpo, gênero e sexualidade - Educando para a diversidade
 
Relações de genero e divers sexual
Relações de genero e divers sexualRelações de genero e divers sexual
Relações de genero e divers sexual
 
Sexualidade e Gênero
Sexualidade e GêneroSexualidade e Gênero
Sexualidade e Gênero
 

Semelhante a Contemporaneidade

Carlos Drummond de andrade
Carlos Drummond de andradeCarlos Drummond de andrade
Carlos Drummond de andrade
Aline Almeida
 
Carlos drummond de andrade próprio
Carlos drummond de andrade   próprioCarlos drummond de andrade   próprio
Carlos drummond de andrade próprio
William Ferraz
 
Carlos drummond de andrade próprio
Carlos drummond de andrade   próprioCarlos drummond de andrade   próprio
Carlos drummond de andrade próprio
William Ferraz
 

Semelhante a Contemporaneidade (20)

Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
 
AULA DIGITAL L.P
AULA DIGITAL L.PAULA DIGITAL L.P
AULA DIGITAL L.P
 
Apresentação - Poesia Moderna.ppt
Apresentação - Poesia Moderna.pptApresentação - Poesia Moderna.ppt
Apresentação - Poesia Moderna.ppt
 
A literatura romântica.
A literatura romântica.A literatura romântica.
A literatura romântica.
 
A literatura romântica..ppt
A literatura romântica..pptA literatura romântica..ppt
A literatura romântica..ppt
 
A literatura romântica..ppt
A literatura romântica..pptA literatura romântica..ppt
A literatura romântica..ppt
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
 
Carlos Drummond de andrade
Carlos Drummond de andradeCarlos Drummond de andrade
Carlos Drummond de andrade
 
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptxANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
 
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptxANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
 
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo
Exrcícios de t rovadorismo e humanismoExrcícios de t rovadorismo e humanismo
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo
 
Modernismo e mail
Modernismo e mailModernismo e mail
Modernismo e mail
 
literatura-modernismobrasileiro1fase-120815151939-phpapp01.ppt
literatura-modernismobrasileiro1fase-120815151939-phpapp01.pptliteratura-modernismobrasileiro1fase-120815151939-phpapp01.ppt
literatura-modernismobrasileiro1fase-120815151939-phpapp01.ppt
 
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo II
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo IIExrcícios de t rovadorismo e humanismo II
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo II
 
Modernismo2
Modernismo2Modernismo2
Modernismo2
 
Carlos drummond de andrade próprio
Carlos drummond de andrade   próprioCarlos drummond de andrade   próprio
Carlos drummond de andrade próprio
 
Carlos drummond de andrade próprio
Carlos drummond de andrade   próprioCarlos drummond de andrade   próprio
Carlos drummond de andrade próprio
 
Poesia e modernismo
Poesia e modernismoPoesia e modernismo
Poesia e modernismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Caetano Veloso: "Língua"
Caetano Veloso: "Língua"Caetano Veloso: "Língua"
Caetano Veloso: "Língua"
 

Mais de Eliete Sampaio Farneda (8)

A prosa contempor_nea
A prosa contempor_neaA prosa contempor_nea
A prosa contempor_nea
 
Orações subordinadas
Orações subordinadasOrações subordinadas
Orações subordinadas
 
Diferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opiniãoDiferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opinião
 
Contemporaneidade (1)
Contemporaneidade (1)Contemporaneidade (1)
Contemporaneidade (1)
 
Poesias rima e metrica
Poesias rima e metricaPoesias rima e metrica
Poesias rima e metrica
 
Modernismo segunda fase
Modernismo segunda faseModernismo segunda fase
Modernismo segunda fase
 
Quinhentismo (século xvi)2
Quinhentismo (século xvi)2Quinhentismo (século xvi)2
Quinhentismo (século xvi)2
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 

Último

CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
EduardaMedeiros18
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
edjailmax
 

Último (20)

Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 

Contemporaneidade

  • 1. Tendências da Poesia Contemporânea
  • 2. Poesia Contemporânea  - Chamamos de tendências contemporâneas todas as manifestações surgidas na literatura e nas artes em geral a partir da década de 60. - Segundo Faraco & Moura (1993), não há um estilo predominante, mas uma simultaneidade de tendências diferentes que convivem lado a lado. - Houve uma divisão em cinco tendências: o concretismo, a poesia de práxis, a poesia social, o poema/processo, a poesia marginal.
  • 3. O Concretismo  - Teve início nos anos 50, em São Paulo e firmou-se com a Exposição Nacional de Arte Concreta em 1956. - A comunicação entre a poesia e o leitor é mais visual. - Principais nomes concretistas: Haroldo de Campos, Augusto de Campos, Décio Pignatari, Ferreira Gullar.
  • 4. Características  1- Abolição dos versos: rompimento com a forma tradicional; 2- Aproveitamento do espaço: o branco da folha e a própria distribuição das palavras no papel tem um significado; 3- Exploração do significante: valorização do aspecto material, concreto da palavra, sua sonoridade, sua forma, como os poemas a seguir;
  • 5. Desse dia de chuva 
  • 7. Características (cont)  4- Decomposição e montagem das palavras para reproduzir a ideia principal; 5- Rejeição do lirismo do tema: o poema passa a ser ele mesmo, como uma obra de arte, é um objeto de apreciação; 6- Possibilidade de leituras múltiplas: os poemas concretistas oferecem as possibilidades de leitura linear, de leitura vertical, de leitura diagonal .
  • 10. Millôr Fernandes Utilizou as características concretistas para criar os seus poemas. Ele utilizava humor ao produzi-los.
  • 12. A Poesia-Práxis  - Enquanto os concretistas levavam em consideração a palavra como objeto, os praxistas levavam em conta a palavra-energia. - Os paraxistas acreditavam na palavra viva, não aceitavam a ideia da palavra vítima passiva de um contexto. - Alguns autores reconhecidos da poesia-práxis são: Yone G. Fonseca, Arnaldo Saraiva, Carlos E. Brandão e Mario Chamie.
  • 13. Mário Chamie AGIOTAGEM um dois três o juro:o prazo o pôr / o cento / o mês / o ágio p o r c e n t a g i o. dez cem mil o lucro:o dízimo o ágio / a mora / a monta em péssimo e m p r é s t i m o. muito nada tudo a quebra:a sobra a monta / o pé / o cento / a quota h a j a n ota agiota.
  • 14. Poesia Social  - Foi uma reação contra os excesso da poesia concreta; - Buscava maior comunicação com o leitor; - Propunha a volta dos versos e uma temática voltada para os problemas sociais. - Seus mais conhecidos autores: Ferreira Gullar, Afonso Ávila, Thiago Mello.
  • 15. Ferreira Gullar Não há vagas O preço do feijão não cabe no poema. O preço do arroz não cabe no poema. Não cabem no poema a luz o telefone a sonegação do leite da carne do açúcar do pão O funcionário público não cabe no poema com seu salário de fome sua vida fechada em arquivos. Como não cabe no poema o operário que esmerila seu dia de aço e carvão nas oficinas escuras - porque o poema, senhores, está fechado: "não há vagas" Só cabe no poema o homem sem estômago a mulher de nuvens a fruta sem preço O poema, senhores, não fede nem cheira. (Ferreira Gullar.Antologia Poética, Rio de Janeiro, O poema " Não há vagas", refere-se à poesia do passado e do presente, o texto, como andamento metalinguístico, discute a própria poesia. Está se discutindo a função da poesia e para que ela serve. Mensagem: a poesia não deve deixar de abordar questões sociais, nela sim "há vagas" para os dramas diários. Sentido real da poesia: o contrário do que nele é dito.
  • 16. Poema Processo  - É uma forma mais radical do poema concreto, pois utiliza sobretudo os signos visuais. - Explora as possibilidades poéticas dos signos não-verbais; - É feito mais para ser visto e não para ser lido; - Principais autores: Álvaro de Sá, Neide Sá, Moacy Cirne e Wlademir Dias-Pino.
  • 19. Poesia Marginal  - Recebeu o nome de marginal porque não era editada ou distibuída por editoras. - As cópias eram poucas e o material em que eram escritas era muito rústico; - A venda era de mão em mão pelo próprio autor ou por amigos dele em locais fixos como, porta de cinema, restaurantes, bares, nas portas dos teatros e das universidades. - Um dos autores mais conhecidos é Carlos Alberto Messeder Pereira.
  • 20. - A linguagem é diversificada misturando prosa e verso.  - Os temas relacionam-se com o cotidiano; - A linguagem é predominantemente coloquial; - Tem influência do poema concreto e do poema processo; - Ironiza e despreza o “bom gosto”.
  • 21. Poesia Marginal   PEGA LADRÃO! Alguém tirou um pedaço do meu ~ P O. ( Kátia Bento)  Quem teve a mão decepada Levante o dedo. (Nicolas Behr)
  • 22. Bibliografia  Faraco, C. E e Moura, F. M. (2010). Literatura Brasileira. São Paulo: Ática Santiago, E. Poesia Concreta em: Infoescola Literatura - http://www.infoescola.com/literatura/poesia-concreta/ Rebouças, F. Poesia Marginal em: Infoescola Literatura http://www.infoescola.com/movimentos-literarios/poesia-marginal/ Gomes, C. Poesia Social em: Infoescola Literatura http://www.infoescola.com/movimentos-literarios/poesia-marginal/