PODER E DESVELO NA SALA DE AULAAND CARING POWER IN THE CLASSROOMY CUIDADO PODER EN EL AULAResumo:A mediação do relacioname...
1. PODER E DESVELO NA SALA DE AULAIntrodução:       O texto, cuja tradução está sendo apresentado na revista da Faculdade ...
construído e socialmente regitimado – poder e autoridade para fazer com que sua classefuncionasse.       Em relação a disc...
REFERENCIAS BIBLIOGRÁFIASBENJAMIN, Walter. Infância em Berlim por Volta de 1900. Obras escolhidas II. Rua de Mão única. 2....
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Poder e desvelo na sala de aula

752 visualizações

Publicada em

Resumo:
A mediação do relacionamento em professora e alunos o autor em questão, chama de relacionamento de desvelo,
caracterizado com recíproco e desigual, mas que beneficia ambas as partes de forma diferente e controla o que
não é bom e os comportamentos desajustados. Nesse relacionamento, o autor vê a professora agir com
autoridade moral para impor comportamentos socialmente aceitáveis, através do seu desejo de assumir
responsabilidade e compromisso pelo processo de aprendizagem dos alunos, com base num poder socialmente
construído e socialmente legitimado – poder e autoridade para fazer com que sua classe funcionasse.
Palavras- chave: autoridade, moral, ética, relação professor versus alunos.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
752
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Poder e desvelo na sala de aula

  1. 1. PODER E DESVELO NA SALA DE AULAAND CARING POWER IN THE CLASSROOMY CUIDADO PODER EN EL AULAResumo:A mediação do relacionamento em professora e alunos o autor em questão, chama de relacionamento de desvelo,caracterizado com recíproco e desigual, mas que beneficia ambas as partes de forma diferente e controla o quenão é bom e os comportamentos desajustados. Nesse relacionamento, o autor vê a professora agir comautoridade moral para impor comportamentos socialmente aceitáveis, através do seu desejo de assumirresponsabilidade e compromisso pelo processo de aprendizagem dos alunos, com base num poder socialmenteconstruído e socialmente legitimado – poder e autoridade para fazer com que sua classe funcionasse.Palavras- chave: autoridade, moral, ética, relação professor versus alunos. *Elicio Gomes LimaSummary: The mediation of teacher and student relationship in the author in question, called the relationship ofcare, reciprocal and featured with uneven, but that benefits both parties differently and do not control what isgood and maladaptive behaviors. In this relationship, the author sees the teacher to act with moral authority toimpose socially acceptable behaviors, through its desire to take responsibility and commitment to the process oflearning, based on a power socially constructed and socially legitimate - power and authority to make your classwork. Keywords: authority, morality, ethics, relationship between teacher versus student.Resumen: La mediación del maestro y la relación de los estudiantes en el autor en cuestión, llamó a la relaciónde la atención, recíproca y contó con el uniforme, pero que beneficia a ambas partes de manera diferente y nocontrolamos lo que es el buen comportamiento y una mala adaptación. En esta relación, el autor considera que elprofesor actúe con autoridad moral para imponer conductas socialmente aceptables, a través de su deseo deasumir la responsabilidad y el compromiso con el proceso de aprendizaje, basado en un poder socialmenteconstruido y legitimidad social - el poder y autoridad para tomar la clase de trabajo. Palabras clave: autoridad, lamoral, la ética, la relación entre el profesor frente al alumno.Resenha analítica: Texto: Geore W. Nobi, da Univesity of north Carolina at chapel Hill.Tradução: Belmira Oliveira Bueno, da Faculdade de Educação da USP. *Mestre em Educação pela UNICAMP – Universidade Estadual de Campinas/SP. Professor convidado do UNASP-EC – Centro Universitário Adventista de São Paulo e docente efetivo da rede pública Estadual e Municipal de São Paulo. Contato: elicio.lima@bol.com.br. São Paulo junho 2012
  2. 2. 1. PODER E DESVELO NA SALA DE AULAIntrodução: O texto, cuja tradução está sendo apresentado na revista da Faculdade de Educação daUSP, traz o relato de um estudo etnográfico realizado em uma sala de aula de uma escolaelementar nos Estados Unidos. A tradutora chama a atenção dos leitores para a forma da escrita, um relato, um auto-testesmunho que o autor faz de sua pesquisa e da desconstrução de suas idéias no que se tratada relação de poder na sala de aula. Além disso, a tradutora destaca o envolvimento afetivo eemocional do pesquisador com seu objeto de estudo. Neste sentido, o texto define desvelocomo uma relação de ‘reciprocidade desigual’, construída pelo afeto, pelo amor, pelaresponsabilidade, e acima de tudo pelo uso “ético do poder’, que se converte à autoridademoral do professor como mediador do conhecimento. É nesse conjunto de conceito, que o autor vê o poder (autoridade moral) que umaprofessora tem para estabelecer e manter a ordem na sala de aula – estilo centrado no ensinode Pam que é a professora. O autor de texto no título, “A lição está no aprendiz” apresenta sua concepção depoder antes do aprofundamento de sua pesquisa: “ o poder, e a invariável ligação que delefaço com a opressão, tem sido o assunto sobre o qual tenho pensado, ensinado, pesquisado eescrito durante toda minha carreira”, e a partir daí ele descreve sua visão e sua base defundamentação, articulando com a concepção de Michel Foucault. Portanto, essa visão do autor vai sendo desconstruida, através de sua leitura dotrabalho em sala de aula da professora Pam, onde sua metodologia explora uma ética baseadano desvelo e o poder é usado a serviço moral dos outros. Assim, o poder é utilizado paraconfirmar e não para negar o outro, sustenta e promove o outro como sujeito. A mediação do relacionamento em professora e alunos o autor em questão, chama derelacionamento de desvelo, caracterizado com recíproco e desigual, mas que beneficia ambasas partes de forma diferente e controla o que não é bom e os comportamentos desajustados.Nesse relacionamento, o autor vê a professora agir com autoridade moral para imporcomportamentos socialmente aceitáveis, através do seu desejo de assumir responsabilidade ecompromisso pelo processo de aprendizagem dos alunos, com base num poder socialmente
  3. 3. construído e socialmente regitimado – poder e autoridade para fazer com que sua classefuncionasse. Em relação a disciplina na classe, o autor diz que não era problema os alunos aceitamsimplesmente, comportavam-se e faziam suas tarefas, as crianças sabiam o que se esperavamdelas. Para manter a disciplina a professora Pam, segundo o texto usa varias formas –estratégias, ela (Pam) estabelecia programas para aprender e ensinar conduzindo as criançasas respostas certas. George W. Nopblit, classifica o trabalho de Pam como mais centrado no professor queno aluno e que a sala funcionava muito bem, em termos de estabelecer relacionamento desolidariedade e centrado no coletivo. Junto a isso, ele destaca o carisma de Pam, as palavrasde incentivos aos alunos, o estimulo, a participação e o seu bom humor na sala de aula, alem,é claro dos rituais de rotina diária, ou seja, os mecanismos metodológicos para aprendizagem. George W. Nopblit, toma o trabalho da professora Pam como paradigma de autoridademoral, para a construção de continuidade, moralidade, autoridade e desvelo, desconstruindotoda sua visão anterior de relação de poder na sala de aula baseado na relação de opressor eoprimido, na supremacia, na dominância e na imposição de valores do mais forte sobre o maisfraco. E por fim, para ele depois da conclusão de sua pesquisa o desvelo é uma relaçãorecíproca e desigual que beneficia a cada parte de forma deferente, e o poder é usado paraconstruir o desvelo, poder esse caracterizado como autoridade moral.
  4. 4. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFIASBENJAMIN, Walter. Infância em Berlim por Volta de 1900. Obras escolhidas II. Rua de Mão única. 2.ºed. São Paulo. , pp 73-142. Brasiliense, 1985.FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler. 30.º ed. São Paulo, Cortez, 1995FREIRE, Paulo. Pedagogiado Oprimido. 12.º ed. Rio de Janeiro. Paz e Terra, 1983.LIMA, Elicio Gomes. Reflexões Didáticas. São Paulo. Mimeo, 2000.LIMA, Elicio Gomes. Breve Excurso em Thompson e Walter Benjamin. São Paulo. Mimeo.2001.LIMA. Elicio Gomes. Iconografia no livro didático de história: leitura e percepções de alunos do ensinofundamental. – Pará de Minas, MG: Virtual Books, 2012. http://pt.scribd.com/doc/94199339LIMA. Elicio Gomes. Pesquisa sobre o livro didático de história: uma introdução ao tema. – Pará deMinas, MG: Virtual Books, 2011. http://pt.scribd.com/doc/94196969LIMA. Elicio Gomes. Para compreender o livro didático através da história da escrita e do livro.. –Pará de Minas, MG: Virtual Books, 2012. http://pt.scribd.com/doc/94198335LIMA. Elicio Gomes. Gestão Escolar: Desafios da organização e gestão escolar.http://pt.scribd.com/doc/94971143LIMA. Elicio Gomes. Para compreender o livro didático como objeto de pesquisa. Educação e FronteirasOn-Line, Vol. 2, No 4 (2012).http://www.periodicos.ufgd.edu.br/index.php/educação/article/view/1563LIMA, Paulo Gomes. Formação de professores: por uma ressignificação do trabalho- Dourados, MS:Editora da UFGD, 2010.RIOS, Terezinha Azeredo. Ética e competência. 10.º ed. São Paulo, 2001.THOMPSON, E. P. A miséria da teoria. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1981.VIGOTSKI, Lev Semenovich. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicossuperior. 6ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000. São Paulo junho de 2012

×