SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
INTEGRAÇÃO LAR-ESCOLA: COMPROMISSO DA ESCOLA E COMPROMISSO
DA FAMILIA NA EDUCAÇÃO ESCOLAR DA CRIANÇA.

                                                                               *ELICIO GOMES LIMA

HOME-SCHOOL INTEGRATION: COMMITMENT OF SCHOOL                                           AND      FAMILY
COMMITMENT IN EDUCATION IN THE SCHOOL CHILD.

INICIO DE LA ESCUELA DE INTEGRACIÓN: COMPROMISO DE LA ESCUELA Y EL
COMPROMISO DE LA FAMILIA EN LA EDUCACIÓN EN LA ESCUELA DEL NIÑO.

Resumo:
Os desvios e erros na escola têm seu lugar, nas negociações sem envolvimento dos laços afetivos e/ou
ressentimentos ou frustrações de famílias mal resolvidas no processo dialógico. Essas duas realidades
sociais não podem ser confundidas e nem pode substituir-se uma a outra na tarefa edificativa, pois elas
representam diferentes fontes de possibilidades necessárias para a busca da suficiência da criança na
formação da percepção das diferentes realidades que a cerca. Dessa forma, ambas as relações (Família X
escola) podem estabelecer vínculos de cooperação no desenvolvimento do sujeito enquanto ser educando.
Palavras-chave: Criança, Família, Educação na escolar, Integração, criatividade.

Summary: Deviations and errors in school have their place in the negotiations without the involvement of
bonding and / or resentment or unresolved frustrations of families in the dialogical process. These two
social realities can not be confused and can not substitute for one another in building task, because they
represent different sources of necessary possibilities for the search of the sufficiency of the child in
shaping the perception of the different realities that surrounds it. Thus, both relations (Family X school)
can establish bonds of cooperation in the development of the subject while being educated. Keywords:
Child, Family, Education on school integration, creativity.


Resumen: Las desviaciones y errores en la escuela tienen su lugar en las negociaciones sin la
participación de la vinculación y / o el resentimiento o la frustración sin resolver de las familias en el
proceso de diálogo. Estas dos realidades sociales no pueden ser confundidos y no pueden sustituir unos
por otros en la tarea de construcción, ya que representan las diferentes fuentes de posibilidades necesarias
para la búsqueda de la suficiencia de los niños en la formación de la percepción de las diferentes
realidades que lo rodean. De este modo, tanto las relaciones (familia de la escuela X) se puede establecer
lazos de cooperación en el desarrollo de la asignatura al ser educado. Palabras clave: Niño, familia,
educación sobre la integración escolar, la creatividad.


Construção a parti de uma resenha analítica: texto resenhado: Azanha, José M. P. Educação:
Alguns escritos. São Paulo, Editora nacional, 1987.




                         *Mestre em Educação pela UNICAMP – Universidade Estadual de Campinas/SP.
                         Professor convidado do UNASP-EC – Centro Universitário Adventista de São
                         Paulo e docente efetivo da rede pública Estadual e Municipal de São Paulo.
                         Contato: elicio.lima@bol.com.br.
1. INTEGRAÇÃO LAR-ESCOLA: COMPROMISSO DA ESCOLA E COMPROMISSO
DA FAMILIA NA EDUCAÇÃO ESCOLAR DA CRIANÇA.




INTRODUÇÃO:

O autor analisando a obra de Alain faz descrição das relações pessoais no âmbito da
família e da escola desvelando os contrastes entre os dois grupos e as conseqüências que
decorrem para a educação.
Ele diz que a família é uma comunidade de sangue que desenvolve em seu seio afeições
inimitáveis, porém mal regradas, onde as diferenças de idades impõem um processo de
hierárquico em toda relação de poder no meio familiar.
No entanto, na escola a realidade psicológica é muito diferente em relação ao quadro
familiar, em casa (família) a criança é mimada, protegida, amparada e também cobrada
certas obrigações e é ainda marcada pelos ressentimentos dos seus desafetos.
Na escola a criança não é mais protegida e amada como na família, mas também não é
mais massacrada pelas obrigações. Assim, na escola a criança não depende das
imposições do sangue para ter a simpatia e aceitação de suas preferências.
Se por um lado a criança é menos desprotegida na escola, por outro ela é mais livre das
imposições dos laços da família. O espaço escolar possibilita escolhas, erros, e tomada
de iniciativa. Os desvios e erros na escola têm seu lugar, nas negociações sem
envolvimento dos laços afetivos e/ou ressentimentos ou frustrações de famílias mal
resolvidas no processo dialógico.
Essas duas realidades sociais não podem ser confundidas e nem pode substituir-se uma
a outra na tarefa edificativa, pois elas representam diferentes fontes de possibilidades
necessárias para a busca da suficiência da criança na formação da percepção das
diferentes realidades que a cerca.
Dessa forma, ambas as relações (Família X escola) podem estabelecer vínculos de
cooperação no desenvolvimento do sujeito enquanto ser educando.
2. CRIATIVIDADE COMO PROCESSO REFERENCIADO PELO ACERVO
       CULTURAL:


O autor em questão sustenta que a criatividade é um processo referenciado pelo acervo
cultural da humanidade. E a cultura, as criações humanas são frutos das necessidades de
homens que se referenciaram, na natureza, no meio, em outros homens e foram capazes
de superá-los em suas ações, feitos e construções simbólicas e diríamos-nos (enquanto
grupo de trabalho) uma viagem pelo imaginário na construção de realidades.
Portanto, segundo o texto ser criativo é ser divergente de um modelo de uma opinião e
de uma idéia já estabelecida por outros referenciais. Assim, constroem-se novos pontos
de referencias para as criações humanas que é um eterna busca do homem que tenta
imitar a natureza e o próprio homem, no processo da construção existencial.




3. ENSINO RECREATIVO:




“Mas uma situação social sem normas é
naturalmente impossível; alguma norma ou regra
precisa sempre governar a conduta. Se o
professor não fornece essas regras ou normas, os
alunos o farão. Ótimo! diz ( professor)
permissivo”



                                         F. N. KERLINGER




É um equívoco transformar a escola numa extensão do grupo de brinquedo em nome da
autonomia do mundo da criança. Isso dilui completamente a distinção entre o brincar e
o estudar.
A recreação vincula-se ao instante (tempo) que pode ser interrompida quando se quer, e
é parte de um jogo, uma distração momentânea.
O estudo segundo o texto exige perseverança, analise retorno, não obstante o tédio.
Dessa forma, o estudo é aquilo que por excelência, deveria preparar a criança para o
mundo dos adultos e gradualmente para o mundo do trabalho.
Outra conseqüência danosa decorrente da idéia de que é preciso preservar a autonomia
do mundo infantil é obviamente, a convicção de que a presença da autoridade adulta
deve ser minimizada para evitar perturbações as crianças. Nessa linha de pensamento
exige o afastamento do professor e as crianças autogoverna-se. Porém, quanto às
crianças são deixadas a si mesmas, não elimina a autoridade, apenas substitui a fonte,
pela força tirânica da maioria.
Portanto, entregar a criança a si mesma em nome da autonomia é simplesmente
desastroso.


4. DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO COMO PRÁTICA DA LIBERDADE:


A democratização do ensino está fundamentada da liberdade do educando, tanto na
visão progressista quanto na visão conservadora. No entanto é um ideal simplista que
por si só não é capaz de forjar uma sociedade concebida num sentido político-social.
O processo político-social perpassa a democratização educacional, porque refere-se a
situação social, política, econômica e não se concretiza pela simples associação de
indivíduos democráticos.
O tom da liberdade na escola soa como liberdade da vontade para a formação da
personalidade dos sujeitos. Essa visão desconhece a liberdade como um fator político,
ou seja, a liberdade de existir no espaço público – o espaço público da participação
social dos direitos e das oportunidades. Nessa perspectiva a própria natureza das
finalidades escolares é inapta para reproduzir as condições da vida política. Além disso,
a prática da liberdade na escola não é capaz de formar sujeitos de espíritos
independentes e de opiniões próprias. A vida política é irreproduzível na escola.


5.   DEMOCRATIZAÇÃO               DO      ENSINO        COMO        EXPANSÃO           DE
OPORTUNIDADES:




Em seus discursos os educadores defendem a democratização do ensino, porém com a
maciça expansão das oportunidades educativas eles ficam perplexos e chocados pelo
zelo pedagógico, onde os seus argumentos contradizem os seus discursos.
Argumentam que a ampliação das vagas no ensino rebaixa a qualidade do mesmo, na
perspectiva do pedagógico. No entanto, essa visão repousa sobre dois equívocos: a
ilegitimidade da perspectiva pedagógica para o exame do assunto, e o fato da ampliação
de oportunidades decorrerem de uma intenção política. Nesse sentido, a extensão de
oportunidades educativas não é simplesmente, uma questão técnico-pedagogica. O
processo pedagógico de democratização no ensino é, sobretudo, uma medida política
como variável social e não puramente como variável pedagógica intramuros das escolas,
a qual concebe a democratização pedagógica apenas a uma parcela da sociedade, como
privilégio de alguns em detrimento de tantos – como na Grécia antiga.


                           REFERENCIAS BIBLIOGRÁFIAS


   BENJAMIN, Walter. Infância em Berlim por Volta de 1900. Obras escolhidas II. Rua de Mão
   única. 2.º ed. São Paulo. , pp 73-142. Brasiliense, 1985.

   FARACO, C. Alberto e TEZZA, Cristóvão. Práticas de Textos. 8.º ed. São Paulo. Vozes,2001.

   FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler. 30.º ed. São Paulo, Cortez, 1995FREIRE, Paulo.
   Pedagogia do Oprimido. 12.º ed. Rio de Janeiro. Paz e Terra, 1983.

   LIMA, Elicio Gomes. Reflexões Didáticas. São Paulo. Mimeo, 2000.

   LIMA, Elicio Gomes. Breve Excurso em Thompson e Walter Benjamin. São Paulo. Mimeo.
   2001.

   LIMA. Elicio Gomes. Iconografia no livro didático de história: leitura e percepções de alunos do
   ensino fundamental. – Pará de Minas, MG: Virtual Books, 2012. http://pt.scribd.com/doc/94199339

   LIMA. Elicio Gomes. Pesquisa sobre o livro didático de história: uma introdução ao tema. – Pará
   de Minas, MG: Virtual Books, 2011. http://pt.scribd.com/doc/94196969

   LIMA. Elicio Gomes. Para compreender o livro didático através da história da escrita e do
   livro.. – Pará de Minas, MG: Virtual Books, 2012. http://pt.scribd.com/doc/94198335

   LIMA. Elicio Gomes. Gestão          Escolar:     Desafios     da   organização   e   gestão   escolar.
   http://pt.scribd.com/doc/94971143

   LIMA. Elicio Gomes. Para compreender o livro didático como objeto de pesquisa. Educação e
   Fronteiras On-Line, Vol. 2, No 4 (2012).
   http://www.periodicos.ufgd.edu.br/index.php/educação/article/view/1563

   LIMA, Paulo Gomes. Formação de professores: por uma ressignificação do trabalho- Dourados,
   MS: Editora da UFGD, 2010.

   RIOS, Terezinha Azeredo. Ética e competência. 10.º ed. São Paulo, 2001.

   THOMPSON, E. P. A miséria da teoria. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1981.

   VIGOTSKI, Lev Semenovich. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos
   psicológicos superior. 6ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.



                                       São Paulo junho de 2012

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Em questão: o relacionamento entre pais e educadores
Em questão: o relacionamento entre pais e educadoresEm questão: o relacionamento entre pais e educadores
Em questão: o relacionamento entre pais e educadoresCarina
 
Livro de Conteúdo - GDE - Vol2.
Livro de Conteúdo - GDE - Vol2.Livro de Conteúdo - GDE - Vol2.
Livro de Conteúdo - GDE - Vol2.Fábio Fernandes
 
Construção social da identidade adolescente/juvenil.
Construção social da identidade adolescente/juvenil.Construção social da identidade adolescente/juvenil.
Construção social da identidade adolescente/juvenil.Fábio Fernandes
 
Projeto mestrado educação concluído
Projeto mestrado educação concluídoProjeto mestrado educação concluído
Projeto mestrado educação concluídoLiliane da Silva
 
Livro de Conteúdo - GDE - Vol1_Versão Final_08_2009
Livro de Conteúdo - GDE - Vol1_Versão Final_08_2009Livro de Conteúdo - GDE - Vol1_Versão Final_08_2009
Livro de Conteúdo - GDE - Vol1_Versão Final_08_2009Fábio Fernandes
 
Os jogos e as brincadeiras no pátio.
Os jogos e as brincadeiras no pátio.Os jogos e as brincadeiras no pátio.
Os jogos e as brincadeiras no pátio.Fábio Fernandes
 
A disciplina e o rendimento na sala de aula
A disciplina e o rendimento na sala de aulaA disciplina e o rendimento na sala de aula
A disciplina e o rendimento na sala de aulaFábio Fernandes
 
ESCOLA, EXCLUSÃO, DESIGUALDADES E DIFERENÇAS: COMO O AMBIENTE PEDAGÓGICO PODE...
ESCOLA, EXCLUSÃO, DESIGUALDADES E DIFERENÇAS: COMO O AMBIENTE PEDAGÓGICO PODE...ESCOLA, EXCLUSÃO, DESIGUALDADES E DIFERENÇAS: COMO O AMBIENTE PEDAGÓGICO PODE...
ESCOLA, EXCLUSÃO, DESIGUALDADES E DIFERENÇAS: COMO O AMBIENTE PEDAGÓGICO PODE...Wallace Melo Gonçalves Barbosa
 
Resenha documentário pro dia nascer feliz
Resenha documentário pro dia nascer felizResenha documentário pro dia nascer feliz
Resenha documentário pro dia nascer felizerika_cdias
 
GÊNERO E SEXUALIDADE NAS PEDAGOGIAS CULTURAIS: IMPLICAÇÕES PARA A EDUCAÇÃO IN...
GÊNERO E SEXUALIDADE NAS PEDAGOGIAS CULTURAIS: IMPLICAÇÕES PARA A EDUCAÇÃO IN...GÊNERO E SEXUALIDADE NAS PEDAGOGIAS CULTURAIS: IMPLICAÇÕES PARA A EDUCAÇÃO IN...
GÊNERO E SEXUALIDADE NAS PEDAGOGIAS CULTURAIS: IMPLICAÇÕES PARA A EDUCAÇÃO IN...Fábio Fernandes
 
Trabalho do filme para o dia nascer feliz
Trabalho do filme para o dia nascer felizTrabalho do filme para o dia nascer feliz
Trabalho do filme para o dia nascer felizMichel Iglicky
 
Que alternativas poderiam promover a integração da família na escola?
Que alternativas poderiam promover a integração da família na escola?Que alternativas poderiam promover a integração da família na escola?
Que alternativas poderiam promover a integração da família na escola?Elisandra Manfroi
 
O aprendizado da sexualidade e do gênero.
O aprendizado da sexualidade e do gênero.O aprendizado da sexualidade e do gênero.
O aprendizado da sexualidade e do gênero.Fábio Fernandes
 
A inclusao nas relacoes entre a familia e a escola monica
A inclusao nas relacoes entre a familia e a escola monicaA inclusao nas relacoes entre a familia e a escola monica
A inclusao nas relacoes entre a familia e a escola monicaTere Oliveira
 
A autoridade do professor e a função da escola (2)
A autoridade do professor e a função da escola (2)A autoridade do professor e a função da escola (2)
A autoridade do professor e a função da escola (2)Suellen87
 
Texto 1 por um ensino que deforme
Texto 1   por um ensino que deformeTexto 1   por um ensino que deforme
Texto 1 por um ensino que deformeJoão Carlos Borges
 

Mais procurados (19)

MAU ALUNO - BOA ALUNA
MAU ALUNO - BOA ALUNAMAU ALUNO - BOA ALUNA
MAU ALUNO - BOA ALUNA
 
Em questão: o relacionamento entre pais e educadores
Em questão: o relacionamento entre pais e educadoresEm questão: o relacionamento entre pais e educadores
Em questão: o relacionamento entre pais e educadores
 
Livro de Conteúdo - GDE - Vol2.
Livro de Conteúdo - GDE - Vol2.Livro de Conteúdo - GDE - Vol2.
Livro de Conteúdo - GDE - Vol2.
 
Construção social da identidade adolescente/juvenil.
Construção social da identidade adolescente/juvenil.Construção social da identidade adolescente/juvenil.
Construção social da identidade adolescente/juvenil.
 
Projeto mestrado educação concluído
Projeto mestrado educação concluídoProjeto mestrado educação concluído
Projeto mestrado educação concluído
 
Livro de Conteúdo - GDE - Vol1_Versão Final_08_2009
Livro de Conteúdo - GDE - Vol1_Versão Final_08_2009Livro de Conteúdo - GDE - Vol1_Versão Final_08_2009
Livro de Conteúdo - GDE - Vol1_Versão Final_08_2009
 
Os jogos e as brincadeiras no pátio.
Os jogos e as brincadeiras no pátio.Os jogos e as brincadeiras no pátio.
Os jogos e as brincadeiras no pátio.
 
Familia e escola
Familia e escolaFamilia e escola
Familia e escola
 
A disciplina e o rendimento na sala de aula
A disciplina e o rendimento na sala de aulaA disciplina e o rendimento na sala de aula
A disciplina e o rendimento na sala de aula
 
ESCOLA, EXCLUSÃO, DESIGUALDADES E DIFERENÇAS: COMO O AMBIENTE PEDAGÓGICO PODE...
ESCOLA, EXCLUSÃO, DESIGUALDADES E DIFERENÇAS: COMO O AMBIENTE PEDAGÓGICO PODE...ESCOLA, EXCLUSÃO, DESIGUALDADES E DIFERENÇAS: COMO O AMBIENTE PEDAGÓGICO PODE...
ESCOLA, EXCLUSÃO, DESIGUALDADES E DIFERENÇAS: COMO O AMBIENTE PEDAGÓGICO PODE...
 
Resenha documentário pro dia nascer feliz
Resenha documentário pro dia nascer felizResenha documentário pro dia nascer feliz
Resenha documentário pro dia nascer feliz
 
GÊNERO E SEXUALIDADE NAS PEDAGOGIAS CULTURAIS: IMPLICAÇÕES PARA A EDUCAÇÃO IN...
GÊNERO E SEXUALIDADE NAS PEDAGOGIAS CULTURAIS: IMPLICAÇÕES PARA A EDUCAÇÃO IN...GÊNERO E SEXUALIDADE NAS PEDAGOGIAS CULTURAIS: IMPLICAÇÕES PARA A EDUCAÇÃO IN...
GÊNERO E SEXUALIDADE NAS PEDAGOGIAS CULTURAIS: IMPLICAÇÕES PARA A EDUCAÇÃO IN...
 
Trabalho do filme para o dia nascer feliz
Trabalho do filme para o dia nascer felizTrabalho do filme para o dia nascer feliz
Trabalho do filme para o dia nascer feliz
 
Que alternativas poderiam promover a integração da família na escola?
Que alternativas poderiam promover a integração da família na escola?Que alternativas poderiam promover a integração da família na escola?
Que alternativas poderiam promover a integração da família na escola?
 
O aprendizado da sexualidade e do gênero.
O aprendizado da sexualidade e do gênero.O aprendizado da sexualidade e do gênero.
O aprendizado da sexualidade e do gênero.
 
A inclusao nas relacoes entre a familia e a escola monica
A inclusao nas relacoes entre a familia e a escola monicaA inclusao nas relacoes entre a familia e a escola monica
A inclusao nas relacoes entre a familia e a escola monica
 
A autoridade do professor e a função da escola (2)
A autoridade do professor e a função da escola (2)A autoridade do professor e a função da escola (2)
A autoridade do professor e a função da escola (2)
 
Texto 1 por um ensino que deforme
Texto 1   por um ensino que deformeTexto 1   por um ensino que deforme
Texto 1 por um ensino que deforme
 
Artigo familia
Artigo familiaArtigo familia
Artigo familia
 

Semelhante a Integração lar escola compromisso da escola e compromisso da familia na educação escolar da criança.

Monografia Agda Pedagogia Itiúba 2012
Monografia Agda Pedagogia Itiúba 2012Monografia Agda Pedagogia Itiúba 2012
Monografia Agda Pedagogia Itiúba 2012Biblioteca Campus VII
 
O eterno conflito entre pais e educadores
O eterno conflito entre pais e educadoresO eterno conflito entre pais e educadores
O eterno conflito entre pais e educadoresSamantha de Sá
 
A problemática da falta de limites dos alunos artigo2 2
A problemática da falta de limites dos alunos artigo2 2A problemática da falta de limites dos alunos artigo2 2
A problemática da falta de limites dos alunos artigo2 2Alberto Silva
 
Importância da parceria família/escola no desenvolvimento e aprendizagem das ...
Importância da parceria família/escola no desenvolvimento e aprendizagem das ...Importância da parceria família/escola no desenvolvimento e aprendizagem das ...
Importância da parceria família/escola no desenvolvimento e aprendizagem das ...Elisandra Manfroi
 
A função Social da Escola
A função Social da EscolaA função Social da Escola
A função Social da EscolaSued Oliveira
 
INDISCIPLINA ESCOLAR NO CONTEXTO FAMILIAR
INDISCIPLINA ESCOLAR NO CONTEXTO FAMILIARINDISCIPLINA ESCOLAR NO CONTEXTO FAMILIAR
INDISCIPLINA ESCOLAR NO CONTEXTO FAMILIARchristianceapcursos
 
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...christianceapcursos
 
A afetividade nas relaçes professor aluno um estudo na educao de jovens e adu...
A afetividade nas relaçes professor aluno um estudo na educao de jovens e adu...A afetividade nas relaçes professor aluno um estudo na educao de jovens e adu...
A afetividade nas relaçes professor aluno um estudo na educao de jovens e adu...Beatriz EAloísio
 
Alfabetização tem conteúdos?
Alfabetização tem conteúdos?Alfabetização tem conteúdos?
Alfabetização tem conteúdos?Amanda Freitas
 
Artigo sobre alfabetização maravilhoso
Artigo sobre alfabetização maravilhosoArtigo sobre alfabetização maravilhoso
Artigo sobre alfabetização maravilhosoSheila Santos
 
A escola como espaço relacional
A escola como espaço relacionalA escola como espaço relacional
A escola como espaço relacionalFilipe Simão Kembo
 
A importância da afetividade entre aluno e professor
A importância da afetividade entre aluno e professorA importância da afetividade entre aluno e professor
A importância da afetividade entre aluno e professorchristianceapcursos
 

Semelhante a Integração lar escola compromisso da escola e compromisso da familia na educação escolar da criança. (20)

Monografia Agda Pedagogia Itiúba 2012
Monografia Agda Pedagogia Itiúba 2012Monografia Agda Pedagogia Itiúba 2012
Monografia Agda Pedagogia Itiúba 2012
 
O eterno conflito entre pais e educadores
O eterno conflito entre pais e educadoresO eterno conflito entre pais e educadores
O eterno conflito entre pais e educadores
 
Monografia João Pedagogia 2012
Monografia João Pedagogia 2012Monografia João Pedagogia 2012
Monografia João Pedagogia 2012
 
A criança na fase inicial da escrita
A criança na fase inicial da escritaA criança na fase inicial da escrita
A criança na fase inicial da escrita
 
A problemática da falta de limites dos alunos artigo2 2
A problemática da falta de limites dos alunos artigo2 2A problemática da falta de limites dos alunos artigo2 2
A problemática da falta de limites dos alunos artigo2 2
 
Importância da parceria família/escola no desenvolvimento e aprendizagem das ...
Importância da parceria família/escola no desenvolvimento e aprendizagem das ...Importância da parceria família/escola no desenvolvimento e aprendizagem das ...
Importância da parceria família/escola no desenvolvimento e aprendizagem das ...
 
A função Social da Escola
A função Social da EscolaA função Social da Escola
A função Social da Escola
 
INDISCIPLINA ESCOLAR NO CONTEXTO FAMILIAR
INDISCIPLINA ESCOLAR NO CONTEXTO FAMILIARINDISCIPLINA ESCOLAR NO CONTEXTO FAMILIAR
INDISCIPLINA ESCOLAR NO CONTEXTO FAMILIAR
 
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
 
ARQUIVO Claudete menegatt
ARQUIVO Claudete menegattARQUIVO Claudete menegatt
ARQUIVO Claudete menegatt
 
Indisciplina na sala de aula
Indisciplina na sala de aulaIndisciplina na sala de aula
Indisciplina na sala de aula
 
A afetividade nas relaçes professor aluno um estudo na educao de jovens e adu...
A afetividade nas relaçes professor aluno um estudo na educao de jovens e adu...A afetividade nas relaçes professor aluno um estudo na educao de jovens e adu...
A afetividade nas relaçes professor aluno um estudo na educao de jovens e adu...
 
Alfabetização tem conteúdos?
Alfabetização tem conteúdos?Alfabetização tem conteúdos?
Alfabetização tem conteúdos?
 
Artigo sobre alfabetização maravilhoso
Artigo sobre alfabetização maravilhosoArtigo sobre alfabetização maravilhoso
Artigo sobre alfabetização maravilhoso
 
INP-Aula 12.pptx
INP-Aula 12.pptxINP-Aula 12.pptx
INP-Aula 12.pptx
 
A escola
A escolaA escola
A escola
 
A escola como espaço relacional
A escola como espaço relacionalA escola como espaço relacional
A escola como espaço relacional
 
A importância da afetividade entre aluno e professor
A importância da afetividade entre aluno e professorA importância da afetividade entre aluno e professor
A importância da afetividade entre aluno e professor
 
Ana carla gisela
Ana carla giselaAna carla gisela
Ana carla gisela
 
Escola e Família
Escola e FamíliaEscola e Família
Escola e Família
 

Mais de Elicio Lima

Conceito de poder e autoridade
Conceito de poder e autoridadeConceito de poder e autoridade
Conceito de poder e autoridadeElicio Lima
 
ABORDAGENS TEÓRICAS E METODOLÓGICAS: Tendencias educacionais
 ABORDAGENS  TEÓRICAS E METODOLÓGICAS: Tendencias educacionais ABORDAGENS  TEÓRICAS E METODOLÓGICAS: Tendencias educacionais
ABORDAGENS TEÓRICAS E METODOLÓGICAS: Tendencias educacionaisElicio Lima
 
TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS: Conceitos e Terminologias
TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS: Conceitos e TerminologiasTENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS: Conceitos e Terminologias
TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS: Conceitos e TerminologiasElicio Lima
 
Abordagens pedagógicas
Abordagens pedagógicasAbordagens pedagógicas
Abordagens pedagógicasElicio Lima
 
O que é conhecimento?
O que é conhecimento?O que é conhecimento?
O que é conhecimento?Elicio Lima
 
Geografia regional
Geografia regional Geografia regional
Geografia regional Elicio Lima
 
Conceito de projetos
Conceito de projetosConceito de projetos
Conceito de projetosElicio Lima
 
Avaliação ensino médio. professor elicio
Avaliação ensino médio. professor elicioAvaliação ensino médio. professor elicio
Avaliação ensino médio. professor elicioElicio Lima
 
Formação de professores:O que é formação?
Formação de professores:O que é formação?Formação de professores:O que é formação?
Formação de professores:O que é formação?Elicio Lima
 
Formação docente e os valores de sustentação
Formação docente e os valores de sustentaçãoFormação docente e os valores de sustentação
Formação docente e os valores de sustentaçãoElicio Lima
 
Educação: tecnologia da informação e da comunicação na realidade brasileira
Educação: tecnologia da informação e da comunicação na realidade brasileiraEducação: tecnologia da informação e da comunicação na realidade brasileira
Educação: tecnologia da informação e da comunicação na realidade brasileiraElicio Lima
 
Revolta estrutural
Revolta estruturalRevolta estrutural
Revolta estruturalElicio Lima
 
Mobilização social 2013
Mobilização social 2013Mobilização social 2013
Mobilização social 2013Elicio Lima
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opiniãoElicio Lima
 
Alfabetização tecnologica
Alfabetização tecnologicaAlfabetização tecnologica
Alfabetização tecnologicaElicio Lima
 
Para que avaliação da aprendizagem disciplinar ou transformar
Para que avaliação da aprendizagem disciplinar ou transformarPara que avaliação da aprendizagem disciplinar ou transformar
Para que avaliação da aprendizagem disciplinar ou transformarElicio Lima
 
Entre a doutrina e o slogan
Entre a doutrina e o sloganEntre a doutrina e o slogan
Entre a doutrina e o sloganElicio Lima
 
Modelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógicoModelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógicoElicio Lima
 
Modelo para elaboração de memorial descritivo
Modelo para elaboração de memorial descritivoModelo para elaboração de memorial descritivo
Modelo para elaboração de memorial descritivoElicio Lima
 

Mais de Elicio Lima (20)

Conceito de poder e autoridade
Conceito de poder e autoridadeConceito de poder e autoridade
Conceito de poder e autoridade
 
ABORDAGENS TEÓRICAS E METODOLÓGICAS: Tendencias educacionais
 ABORDAGENS  TEÓRICAS E METODOLÓGICAS: Tendencias educacionais ABORDAGENS  TEÓRICAS E METODOLÓGICAS: Tendencias educacionais
ABORDAGENS TEÓRICAS E METODOLÓGICAS: Tendencias educacionais
 
TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS: Conceitos e Terminologias
TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS: Conceitos e TerminologiasTENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS: Conceitos e Terminologias
TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS: Conceitos e Terminologias
 
Abordagens pedagógicas
Abordagens pedagógicasAbordagens pedagógicas
Abordagens pedagógicas
 
O que é conhecimento?
O que é conhecimento?O que é conhecimento?
O que é conhecimento?
 
Geografia regional
Geografia regional Geografia regional
Geografia regional
 
Conceito de projetos
Conceito de projetosConceito de projetos
Conceito de projetos
 
Avaliação ensino médio. professor elicio
Avaliação ensino médio. professor elicioAvaliação ensino médio. professor elicio
Avaliação ensino médio. professor elicio
 
Formação de professores:O que é formação?
Formação de professores:O que é formação?Formação de professores:O que é formação?
Formação de professores:O que é formação?
 
Formação docente e os valores de sustentação
Formação docente e os valores de sustentaçãoFormação docente e os valores de sustentação
Formação docente e os valores de sustentação
 
Educação: tecnologia da informação e da comunicação na realidade brasileira
Educação: tecnologia da informação e da comunicação na realidade brasileiraEducação: tecnologia da informação e da comunicação na realidade brasileira
Educação: tecnologia da informação e da comunicação na realidade brasileira
 
Revolta estrutural
Revolta estruturalRevolta estrutural
Revolta estrutural
 
Mobilização social 2013
Mobilização social 2013Mobilização social 2013
Mobilização social 2013
 
Palco da vida
Palco da vidaPalco da vida
Palco da vida
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
 
Alfabetização tecnologica
Alfabetização tecnologicaAlfabetização tecnologica
Alfabetização tecnologica
 
Para que avaliação da aprendizagem disciplinar ou transformar
Para que avaliação da aprendizagem disciplinar ou transformarPara que avaliação da aprendizagem disciplinar ou transformar
Para que avaliação da aprendizagem disciplinar ou transformar
 
Entre a doutrina e o slogan
Entre a doutrina e o sloganEntre a doutrina e o slogan
Entre a doutrina e o slogan
 
Modelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógicoModelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógico
 
Modelo para elaboração de memorial descritivo
Modelo para elaboração de memorial descritivoModelo para elaboração de memorial descritivo
Modelo para elaboração de memorial descritivo
 

Último

19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 

Último (20)

19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 

Integração lar escola compromisso da escola e compromisso da familia na educação escolar da criança.

  • 1. INTEGRAÇÃO LAR-ESCOLA: COMPROMISSO DA ESCOLA E COMPROMISSO DA FAMILIA NA EDUCAÇÃO ESCOLAR DA CRIANÇA. *ELICIO GOMES LIMA HOME-SCHOOL INTEGRATION: COMMITMENT OF SCHOOL AND FAMILY COMMITMENT IN EDUCATION IN THE SCHOOL CHILD. INICIO DE LA ESCUELA DE INTEGRACIÓN: COMPROMISO DE LA ESCUELA Y EL COMPROMISO DE LA FAMILIA EN LA EDUCACIÓN EN LA ESCUELA DEL NIÑO. Resumo: Os desvios e erros na escola têm seu lugar, nas negociações sem envolvimento dos laços afetivos e/ou ressentimentos ou frustrações de famílias mal resolvidas no processo dialógico. Essas duas realidades sociais não podem ser confundidas e nem pode substituir-se uma a outra na tarefa edificativa, pois elas representam diferentes fontes de possibilidades necessárias para a busca da suficiência da criança na formação da percepção das diferentes realidades que a cerca. Dessa forma, ambas as relações (Família X escola) podem estabelecer vínculos de cooperação no desenvolvimento do sujeito enquanto ser educando. Palavras-chave: Criança, Família, Educação na escolar, Integração, criatividade. Summary: Deviations and errors in school have their place in the negotiations without the involvement of bonding and / or resentment or unresolved frustrations of families in the dialogical process. These two social realities can not be confused and can not substitute for one another in building task, because they represent different sources of necessary possibilities for the search of the sufficiency of the child in shaping the perception of the different realities that surrounds it. Thus, both relations (Family X school) can establish bonds of cooperation in the development of the subject while being educated. Keywords: Child, Family, Education on school integration, creativity. Resumen: Las desviaciones y errores en la escuela tienen su lugar en las negociaciones sin la participación de la vinculación y / o el resentimiento o la frustración sin resolver de las familias en el proceso de diálogo. Estas dos realidades sociales no pueden ser confundidos y no pueden sustituir unos por otros en la tarea de construcción, ya que representan las diferentes fuentes de posibilidades necesarias para la búsqueda de la suficiencia de los niños en la formación de la percepción de las diferentes realidades que lo rodean. De este modo, tanto las relaciones (familia de la escuela X) se puede establecer lazos de cooperación en el desarrollo de la asignatura al ser educado. Palabras clave: Niño, familia, educación sobre la integración escolar, la creatividad. Construção a parti de uma resenha analítica: texto resenhado: Azanha, José M. P. Educação: Alguns escritos. São Paulo, Editora nacional, 1987. *Mestre em Educação pela UNICAMP – Universidade Estadual de Campinas/SP. Professor convidado do UNASP-EC – Centro Universitário Adventista de São Paulo e docente efetivo da rede pública Estadual e Municipal de São Paulo. Contato: elicio.lima@bol.com.br.
  • 2. 1. INTEGRAÇÃO LAR-ESCOLA: COMPROMISSO DA ESCOLA E COMPROMISSO DA FAMILIA NA EDUCAÇÃO ESCOLAR DA CRIANÇA. INTRODUÇÃO: O autor analisando a obra de Alain faz descrição das relações pessoais no âmbito da família e da escola desvelando os contrastes entre os dois grupos e as conseqüências que decorrem para a educação. Ele diz que a família é uma comunidade de sangue que desenvolve em seu seio afeições inimitáveis, porém mal regradas, onde as diferenças de idades impõem um processo de hierárquico em toda relação de poder no meio familiar. No entanto, na escola a realidade psicológica é muito diferente em relação ao quadro familiar, em casa (família) a criança é mimada, protegida, amparada e também cobrada certas obrigações e é ainda marcada pelos ressentimentos dos seus desafetos. Na escola a criança não é mais protegida e amada como na família, mas também não é mais massacrada pelas obrigações. Assim, na escola a criança não depende das imposições do sangue para ter a simpatia e aceitação de suas preferências. Se por um lado a criança é menos desprotegida na escola, por outro ela é mais livre das imposições dos laços da família. O espaço escolar possibilita escolhas, erros, e tomada de iniciativa. Os desvios e erros na escola têm seu lugar, nas negociações sem envolvimento dos laços afetivos e/ou ressentimentos ou frustrações de famílias mal resolvidas no processo dialógico. Essas duas realidades sociais não podem ser confundidas e nem pode substituir-se uma a outra na tarefa edificativa, pois elas representam diferentes fontes de possibilidades necessárias para a busca da suficiência da criança na formação da percepção das diferentes realidades que a cerca. Dessa forma, ambas as relações (Família X escola) podem estabelecer vínculos de cooperação no desenvolvimento do sujeito enquanto ser educando.
  • 3. 2. CRIATIVIDADE COMO PROCESSO REFERENCIADO PELO ACERVO CULTURAL: O autor em questão sustenta que a criatividade é um processo referenciado pelo acervo cultural da humanidade. E a cultura, as criações humanas são frutos das necessidades de homens que se referenciaram, na natureza, no meio, em outros homens e foram capazes de superá-los em suas ações, feitos e construções simbólicas e diríamos-nos (enquanto grupo de trabalho) uma viagem pelo imaginário na construção de realidades. Portanto, segundo o texto ser criativo é ser divergente de um modelo de uma opinião e de uma idéia já estabelecida por outros referenciais. Assim, constroem-se novos pontos de referencias para as criações humanas que é um eterna busca do homem que tenta imitar a natureza e o próprio homem, no processo da construção existencial. 3. ENSINO RECREATIVO: “Mas uma situação social sem normas é naturalmente impossível; alguma norma ou regra precisa sempre governar a conduta. Se o professor não fornece essas regras ou normas, os alunos o farão. Ótimo! diz ( professor) permissivo” F. N. KERLINGER É um equívoco transformar a escola numa extensão do grupo de brinquedo em nome da autonomia do mundo da criança. Isso dilui completamente a distinção entre o brincar e o estudar. A recreação vincula-se ao instante (tempo) que pode ser interrompida quando se quer, e é parte de um jogo, uma distração momentânea. O estudo segundo o texto exige perseverança, analise retorno, não obstante o tédio. Dessa forma, o estudo é aquilo que por excelência, deveria preparar a criança para o mundo dos adultos e gradualmente para o mundo do trabalho.
  • 4. Outra conseqüência danosa decorrente da idéia de que é preciso preservar a autonomia do mundo infantil é obviamente, a convicção de que a presença da autoridade adulta deve ser minimizada para evitar perturbações as crianças. Nessa linha de pensamento exige o afastamento do professor e as crianças autogoverna-se. Porém, quanto às crianças são deixadas a si mesmas, não elimina a autoridade, apenas substitui a fonte, pela força tirânica da maioria. Portanto, entregar a criança a si mesma em nome da autonomia é simplesmente desastroso. 4. DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO COMO PRÁTICA DA LIBERDADE: A democratização do ensino está fundamentada da liberdade do educando, tanto na visão progressista quanto na visão conservadora. No entanto é um ideal simplista que por si só não é capaz de forjar uma sociedade concebida num sentido político-social. O processo político-social perpassa a democratização educacional, porque refere-se a situação social, política, econômica e não se concretiza pela simples associação de indivíduos democráticos. O tom da liberdade na escola soa como liberdade da vontade para a formação da personalidade dos sujeitos. Essa visão desconhece a liberdade como um fator político, ou seja, a liberdade de existir no espaço público – o espaço público da participação social dos direitos e das oportunidades. Nessa perspectiva a própria natureza das finalidades escolares é inapta para reproduzir as condições da vida política. Além disso, a prática da liberdade na escola não é capaz de formar sujeitos de espíritos independentes e de opiniões próprias. A vida política é irreproduzível na escola. 5. DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO COMO EXPANSÃO DE OPORTUNIDADES: Em seus discursos os educadores defendem a democratização do ensino, porém com a maciça expansão das oportunidades educativas eles ficam perplexos e chocados pelo zelo pedagógico, onde os seus argumentos contradizem os seus discursos. Argumentam que a ampliação das vagas no ensino rebaixa a qualidade do mesmo, na perspectiva do pedagógico. No entanto, essa visão repousa sobre dois equívocos: a
  • 5. ilegitimidade da perspectiva pedagógica para o exame do assunto, e o fato da ampliação de oportunidades decorrerem de uma intenção política. Nesse sentido, a extensão de oportunidades educativas não é simplesmente, uma questão técnico-pedagogica. O processo pedagógico de democratização no ensino é, sobretudo, uma medida política como variável social e não puramente como variável pedagógica intramuros das escolas, a qual concebe a democratização pedagógica apenas a uma parcela da sociedade, como privilégio de alguns em detrimento de tantos – como na Grécia antiga. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFIAS BENJAMIN, Walter. Infância em Berlim por Volta de 1900. Obras escolhidas II. Rua de Mão única. 2.º ed. São Paulo. , pp 73-142. Brasiliense, 1985. FARACO, C. Alberto e TEZZA, Cristóvão. Práticas de Textos. 8.º ed. São Paulo. Vozes,2001. FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler. 30.º ed. São Paulo, Cortez, 1995FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 12.º ed. Rio de Janeiro. Paz e Terra, 1983. LIMA, Elicio Gomes. Reflexões Didáticas. São Paulo. Mimeo, 2000. LIMA, Elicio Gomes. Breve Excurso em Thompson e Walter Benjamin. São Paulo. Mimeo. 2001. LIMA. Elicio Gomes. Iconografia no livro didático de história: leitura e percepções de alunos do ensino fundamental. – Pará de Minas, MG: Virtual Books, 2012. http://pt.scribd.com/doc/94199339 LIMA. Elicio Gomes. Pesquisa sobre o livro didático de história: uma introdução ao tema. – Pará de Minas, MG: Virtual Books, 2011. http://pt.scribd.com/doc/94196969 LIMA. Elicio Gomes. Para compreender o livro didático através da história da escrita e do livro.. – Pará de Minas, MG: Virtual Books, 2012. http://pt.scribd.com/doc/94198335 LIMA. Elicio Gomes. Gestão Escolar: Desafios da organização e gestão escolar. http://pt.scribd.com/doc/94971143 LIMA. Elicio Gomes. Para compreender o livro didático como objeto de pesquisa. Educação e Fronteiras On-Line, Vol. 2, No 4 (2012). http://www.periodicos.ufgd.edu.br/index.php/educação/article/view/1563 LIMA, Paulo Gomes. Formação de professores: por uma ressignificação do trabalho- Dourados, MS: Editora da UFGD, 2010. RIOS, Terezinha Azeredo. Ética e competência. 10.º ed. São Paulo, 2001. THOMPSON, E. P. A miséria da teoria. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1981. VIGOTSKI, Lev Semenovich. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superior. 6ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000. São Paulo junho de 2012