SlideShare uma empresa Scribd logo
EMPRESA: XXXX
CNPJ: XXXXXXXXXXXXX
LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES
AMBIENTAIS DO TRABALHO
WWW.BLOGSEGURANCADOTRABALHO.COM.BR
ELABORAÇÃO:
DR. XXXXX
ENG. DE SEGURANÇA DO TRABALHO
CREA: XXXX
JULHO/2000
2
ÍNDICE
1. Laudo Técnico das Condições Ambientais do Trabalho – LTCAT .............................. 03
2. Empresa ..................................................................................................................... 03
3. Endereço .................................................................................................................... 04
4. Atividade da Empresa / Setores de Trabalho ............................................................... 04
4.1. Setor Administrativo ............................................................................................ 04
4.2. Setor Assistência Técnica .................................................................................... 05
4.3. Setor de Programação ......................................................................................... 06
4.4. Setor de Vendas .................................................................................................. 06
5. Avaliação Qualitativa e ou Quantitativa dos Riscos Físicos, Químicos e Biológicos......
06
5.1. Condições Ambientais do Local de Trabalho ........................................................ 07
5.1.1 Orientações ................................................................................................ 07
5.1.2 Níveis de Pressão Sonora (ruído) ................................................................ 07
5.1.3 Níveis de Iluminamento .............................................................................. 07
5.1.4 Agentes Biológicos ..................................................................................... 07
5.1.5 Agentes Químicos ....................................................................................... 08
5.1.6 Setor de Energia Elétrica ............................................................................ 08
6. Metodologia e Equipamentos Utilizados ..................................................................... 09
6.1. Níveis de Pressão Sonora ..................................................................................... 09
6.2. Níveis de Iluminamento ....................................................................................... 09
7. Anexos ....................................................................................................................... 10
7.1. Quadro de Conclusão .......................................................................................... 10
7.2. Concentração e Intensidade do Nível de Iluminamento.......................................... 11
7.3. Concentração e Intensidade do Nível de Pressão Sonora – Ruído ......................... 12
3
1. LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DO TRABALHO
- LTCAT
Este trabalho tem por meta realizar a análise quantitativa e/ou qualitativa dos
riscos físicos, químicos e biológicos, ergonômicos e de acidentes, existentes no ambiente de
trabalho da empresa XXXXXX LTDA e que possam causar danos à saúde de seus
trabalhadores. Os dados levantados e a análise efetuada referem-se à situação encontrada na
ocasião do levantamento. Sempre que houver modificação nas condições de trabalho, o
levantamento deverá ser refeito, pois as conclusões poderão ser alteradas.
O LTCAT tem por finalidade cumprir as exigências da legislação
previdenciária – Art. 58 da Lei n° 9.528 de 10.12.97, dar sustentabilidade técnica às condições
ambientais existentes na empresa e subsidiar o enquadramento de tais atividades no referente
ao recolhimento das denominadas Alíquotas Suplementares do Seguro de Acidente do
Trabalho (SAT) criadas pelo texto da Lei n° 9.732 de 11.12.98.
Este trabalho foi elaborado pelos Engenheiros de Segurança do Trabalho Eng.
XXXXXX CREA XX.XXX-X, e o Eng. XXXXXX CREA XX.XXX-X, no dia XX de julho
de 2000, na sede da empresa XXXXX LTDA., sendo acompanhado pelo Srta. XXXXXX,
representante da empresa nesta ocasião.
Este trabalho pode servir para:
 Assessorar a empresa na realização do documento base do PPRA, exigido pela NR-9;
 Assessorar o SESMT e/ou a CIPA da Empresa na confecção do Mapa de Risco;
 Viabilizar a prorrogação da jornada de trabalho, de acordo com o art. 60 da CLT;
 Atender notificações específicas da fiscalização da DRT;
 Atender necessidades específicas da empresa;
 Delimitar área de risco;
 Estipular quais operações são insalubres e ou perigosas, afim de que o empregador possa
pagar o adicional correto a seus empregados;
 Este documento deverá permanecer na empresa a disposição da previdência social.
2. EMPRESA
Nome Empresarial: XXXXXXXX XXXXX LTDA.
Atividade: XXXXXXXXXXXXXXXXX.
Código da Atividade: XX.XX-X-XX
Grau de Risco: 3 (Três)
Número de Funcionários: 100 (Cem)
CNPJ: XX.XXX.XXX / 0001-XX
4
3. ENDEREÇO
Rua: Rua XXXXXXX, nº 000.
Cidade: XXXXX / XX
Cep.: XX.XXX-XXX
Fone: (XX) XXXX-XXXX
4. ATIVIDADE DA EMPRESA / SETORES DE TRABALHO
A Empresa tem como atividade XXXXXX.
A edificação tem uso comercial e é de alvenaria, com dois pavimentos,
possuindo acréscimo de área em um pavimento. O teto do segundo pavimento bem como da
área acrescida é de forro de madeira, e todas as paredes são pintadas de branco. A iluminação
do ambiente é natural (através de aberturas como portas e janelas) e artificial (através de
lâmpadas fluorescentes nos ambientes de trabalho e lâmpadas incandescente em ambientes em
que a permanência não é contínua, como nas salas do arquivo morto, depósito, bwc). A
ventilação é natural (através das aberturas), e artificial com aparelhos condicionadores de ar.
A Empresa é constituída de Setor Administrativo, Assistência Técnica,
Programação e Vendas, sendo o Setor Administrativo constituído de Sócio Gerente, Auxiliar
de Escritório, Auxiliar de Serviço, Auxiliar de Limpeza, Auxiliar Financeiro. A Assistência
Técnica é formada por Auxiliar Técnico e Técnico em Eletrônica. O Setor de Programação
possui Assistente de Suprimento e Estagiário, e o setor de Vendas é formado pelos
Vendedores.
4.1 SETOR ADMINISTRATIVO
SÓCIO GERENTE: Zelar pelo bom funcionamento de todas as atividades,
cobrando resultados dos diversos setores, representar a Empresa internamente e externamente.
Horário de trabalho das 0:00 as 00:00 hs e 00:00 as 00:00 hs – segunda a sexta-
feira, e nos sábados das 8:00 às 12:00 hs.
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO: Executam serviços de apoio nas áreas de
recursos humanos, administração e logística; atendem fornecedores e clientes, fornecendo e
recebendo informações sobre produtos e serviços; tratam de documentos variados, cumprindo
todo o procedimento necessário referente aos mesmos; preparam relatórios e planilhas;
executam serviços gerais de escritórios.
Horário de trabalho das 0:00 as 00:00h e 00:00 as 00:00h – segunda a sexta-
feira, e nos sábados das 0:00 às 00:00 hs.
AUXILIAR FINANCEIRO: Executam serviços de apoio nas áreas de finanças;
preparam relatórios e planilhas.
5
Horário de trabalho das 0:00 as 00:00h e 00:00 as 00:00h – segunda a sexta-
feira, e nos sábados das 0:00 às 00:00 hs.
AUXILIAR DE SERVIÇO: Atender todos os clientes seja por telefone ou
pessoalmente, prestando-lhes informações. Coletam e entregam documentos, valores,
mercadorias e encomendas. Realizam serviços de pagamento e cobrança, roteirizam entregas e
coletas. Localizam e conferem destinatários e endereços, emitem e coletam recibos do
material transportado. Preenchem protocolos e conduzem motocicletas.
Horário de trabalho das 0:00 as 00:00h e 00:00 as 00:00h – segunda a sexta-
feira, e nos sábados das 0:00 às 00:00 hs.
AUXILIAR DE LIMPEZA: Encarregada da limpeza de sanitários, escritórios,
equipamentos para manutenção, etc.; utiliza produtos químicos tais como: detergentes
amoníacos para limpeza pesada (Nome do Produto), detergentes, desinfetantes, álcool e
demais produtos de limpeza (Nome do Produto), que se faz necessário.
Horário de trabalho das 0:00 as 00:00h e 00:00 as 00:00h – segunda a sexta-
feira, e nos sábados das 0:00 às 00:00 hs. (função terceirizada).
4.2 SETOR ASSISTÊNCIA TÉCNICA
AUXILIAR TÉCNICO: Auxiliam no serviço de reparação de equipamentos de
informática e preparam o local do reparo. Testam intensidade de corrente e resistência de
isolamento. Identificam as especificações, selecionando instrumentos e ferramentas,
desmontando, montando, substituindo, lubrificando e limpando peças e componentes e
verificando o funcionamento após o reparo. Fazem serviços externos e conduzem veículos.
Horário de trabalho das 0:00 as 00:00 hs e 00:00 as 00:00 hs – segunda a sexta-
feira, e nos sábados das 0:00 às 00:00 hs.
TÉCNICO EM ELETRÔNICA: Planejam o serviço de reparação de
equipamentos de informática e preparam o local do reparo. Testam intensidade de corrente e
resistência de isolamento. Reparam aparelhos de informática, identificando especificações,
selecionando instrumentos e ferramentas, desmontando, montando, substituindo, lubrificando
e limpando peças e componentes e verificando o funcionamento após o reparo. Fazem
serviços externos e conduzem veículos.
Horário de trabalho das 0:00 as 00:00h e 00:00 as 00:00h – segunda a sexta-
feira, e nos sábados das 0:00 às 00:00 hs.
TÉCNICO EM INFORMÁTICA: Desenvolvem sistemas e aplicações,
projetam, implantam e realizam manutenção de sistemas e aplicações; selecionam recursos de
trabalho, tais como metodologias de desenvolvimento de sistemas, linguagem de programação
6
e ferramentas de desenvolvimento. Planejam etapas e ações de trabalho. Fazem serviços
externos e conduzem veículos.
Horário de trabalho das 0:00 as 00:00h e 00:00 as 00:00h – segunda a sexta-
feira, e nos sábados das 0:00 às 00:00 hs.
4.3 SETOR DE PROGRAMAÇÃO
ASSISTENTE DE SUPRIMENTO: Elaboram processos computacionais,
validando, documentando, implementando e refinando modelos. Tratam dados e informações,
desenvolvem produtos e sistemas. Prestam consultorias técnicas.
Horário de trabalho das 0:00 as 00:00 hs e 00:00 as 00:00 hs – segunda a sexta-
feira, e nos sábados das 0:00 às 00:00 hs.
AUXILIAR DE ASSISTENTE (ESTAGIÁRIO): Auxiliam na elaboração dos
processos computacionais, validando, documentando, implementando e refinando modelos.
Tratam dados e informações, desenvolvem produtos e sistemas.
Horário de trabalho das 0:00 as 00:00h e 00:00 as 00:00h – segunda a sexta-
feira, e nos sábados das 0:00 às 00:00 hs.
4.4 SETOR DE VENDAS
VENDEDOR: Vendem mercadorias de informática, auxiliam os clientes na
escolha. Registram entrada e saída de mercadorias. Promovem a venda de mercadorias,
demonstrando seu funcionamento. Informam sobre suas qualidades e vantagens de aquisição.
Expõem mercadorias de forma atrativa, em pontos estratégicos de vendas, com etiquetas de
preço. Fazem inventário de mercadorias para reposição. Elaboram relatórios de vendas, de
promoções, de demonstrações e de pesquisa de preços. Fazem serviços externos e conduzem
veículos.
Horário de trabalho das 0:00 as 00:00 hs e 00:00 as 00:00 hs – segunda a sexta-
feira, e nos sábados das 0:00 às 00:00 hs.
5. AVALIAÇÃO QUALITATIVA E OU QUANTITATIVA DOS RISCOS
FÍSICOS, QUÍMICOS E BIOLÓGICOS.
Foram efetuadas medições dos níveis de intensidade sonora e dos níveis de
iluminância nos setores de trabalho. Os valores obtidos estão relacionados nos quadros
correspondentes, anexos no final deste relatório.
Com os valores das medidas quantitativas de intensidade do ruído e dos níveis
de iluminância, bem como as avaliações qualitativas efetuadas, elaborou-se o Quadro de
7
Conclusão, onde estão relacionados os setores, o agente avaliado, o enquadramento legal, o
adicional de insalubridade e ou periculosidade devido e as recomendações efetuadas.
No quadro de Conclusão, na coluna Adicional devido, o percentual citado
estará seguido de sigla SM quando se referir ao salário mínimo da região (adicional de
insalubridade) ou SE quando se referir ao Salário do Empregado, sem as gratificações
(adicional de periculosidade).
5.1 CONDIÇÕES AMBIENTAIS DO LOCAL DE TRABALHO
5.1.1 ORIENTAÇÕES
Os riscos ambientais poderão ser controlados, utilizando-se as medidas de
Proteção Coletiva (EPC) ou individual (EPI). As medidas de proteção coletivas sempre
deverão ser preferidas.
Além da entrega do EPI, que precisa ser adequado para a finalidade a que se
destina e possuir o CA (Certificado de Aprovação) do Ministério do Trabalho, o empregador
deverá providenciar a manutenção e higienização, o treinamento para uso adequado e motivar
os empregados para o uso dos mesmos.
Esta providência eliminará, reduzirá ou neutralizará a ação dos riscos
ambientais sobre os empregados. Uma vez suprimida a condição insalubre, o adicional
respectivo pode deixar de ser pago. Visando isso, propõem-se algumas medidas, cuja
viabilidade técnica e econômica poderá ser estudada pela empresa.
5.1.2 NÍVEIS DE PRESSÃO SONORA (RUÍDO)
Na empresa, não ocorreram níveis de ruído superiores aos limites de tolerância,
ditados pela tabela constante do Anexo 1, da NR-15. Porém o nível de ruído aceitável para
condições de conforto será de 65 dB(A), nos locais de trabalho onde são executadas atividades
que exijam solicitação intelectual e atenção constantes, tais como nos escritórios.
5.1.3 NÍVEIS DE ILUMINAMENTO
A boa iluminação dos locais de trabalho proporciona vantagens, tais como:
aumento de produção, melhor acabamento do trabalho, diminuição do desperdício de material,
redução do número de acidentes, diminuição da fadiga ocular e geral, maior rendimento dos
indivíduos idosos ou portadores de defeitos visuais e melhor supervisão dos trabalhos. Para
que os níveis de iluminância atendam aos limites, estabelecidos pela NBR 5413, e a portaria
no
3.751, de 23/11/1990 que altera a Norma Regulamentadora NR-17, sugere-se:
8
 Aumentar o número e ou potência das lâmpadas;
 Efetuar manutenção periódica das instalações, incluindo-se a substituição
das lâmpadas queimadas, a limpeza das lâmpadas, luminárias e janelas; e
 Aproximar as lâmpadas dos campos e trabalho.
 Posicionar as luminárias, adequadamente, sobre as máquinas ou postos de
trabalho.
5.1.4 AGENTES BIOLÓGICOS
Os serviços de limpeza e coleta de lixo, realizados pela Auxiliar de Limpeza,
em escritórios e banheiros são considerados como processos iniciais de coleta de lixo urbano,
bem como, as operações que envolvem lavação de pisos, paredes, sanitários, etc., determinam
contato com as sujidades encontradas nestes locais. Excrementos humanos, como fezes, urina,
escarro, podem fazer o contato do trabalhador com alguns agentes biológicos, dentre os quais
citamos os fungos, as bactérias, os vírus e os vibriões. Do contato podem surgir diversos
problemas de saúde.
Em virtude da impossibilidade de eliminação de tais agentes, os funcionários
deste setor devem laborar com equipamentos de proteção individuais adequados, tipo: Luva
de Látex ou PVC, Avental impermeável, botas de PVC ou Borracha, além da utilização de
bactericidas e germicidas comprovadamente capazes de inibir o crescimento de
microorganismos.
O anexo n° 14 da Norma Regulamentadora n° 15 estabelece a atividade de
coleta de lixo como insalubre em grau máximo (40% do salário mínimo da região).
5.1.5 AGENTES QUÍMICOS
Nos serviços de limpeza, realizados pela Auxiliar de Limpeza, são utilizados
produtos de limpeza (Nome do Produto) que além de ácidos graxos tem em sua composição
uma quantidade extra de sais alcalinos, que atuam sobre a pele e mucosas, tento ação irritante.
Os detergentes também são produtos de limpeza, tendo acrescidos os objetivos
de manutenção, conveniência e frescor. Tem como principal componente os sulfactantes que
podem ser aniônicos, catiônicos, não-catiônicos e incorporadores. Dependendo do tipo são
mais ou menos tóxicos e, também irritantes de pele e mucosas.
Em virtude da impossibilidade de eliminação de tais agentes, os funcionários
deste setor devem laborar com equipamentos de proteção individuais adequados, tipo: Luva
de Látex ou PVC, Avental impermeável, botas de PVC ou Borracha.
Tanto os sabões quanto os detergentes enquadram-se na categoria de álcalis
cáusticos.
9
O anexo n° 13 da Norma Regulamentadora n° 15 estabelece a atividade de
manuseio de álcalis cáusticos como insalubre em grau médio (20% do salário mínimo da
região).
5.1.6 SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA
O empregado que exerce atividade no setor de energia elétrica, em condições
de periculosidade, tem direito a uma remuneração adicional de trinta por cento sobre o salário
que perceber, conforme a Lei N° 7.369 de 20 de setembro de 1985.
O Decreto n° 93.412 de 14 de outubro de 1986 regulamenta a Lei n° 7.369 de
20 de setembro de 1985, que institui salário adicional para empregados do setor de energia
elétrica, em condições de periculosidade e dá outras providências. São atividades em
condições de periculosidade, as atividades de inspeção, testes, ensaios, calibração, medição e
reparos em equipamentos e materiais elétricos, eletrônicos, eletromecânicos e de segurança
individual e coletiva em sistemas elétricos de potência de alta e baixa tensão.
6. METODOLOGIA E EQUIPAMENTOS UTILIZADOS
6.1 NÍVEIS DE PRESSÃO SONORA (RUÍDO)
A Medição do Nível de Pressão sonora foi feita nos diversos setores e condições
encontradas na empresa, para verificação do ruído intermitente. Conforme Anexo I da NR 15
o medidor de Pressão Sonora foi regulado para o circuito de compensação “A” e circuito de
resposta Lenta “slow”.
Aparelho de medição utilizado: Medidor de nível de pressão sonora marca
XXXXX No 33 - 2050, leitura em resposta lenta (SLOW) e na circuito de compensação A. As
medições foram feitas sempre na altura do aparelho auditivo dos trabalhadores e nos vários
postos de trabalho. Procurou-se fazer as medições nas condições mais desfavoráveis.
6.2 NÍVEIS DE ILUMINAMENTO
As medições foram feitas nos locais de trabalho, ou a 75 cm do solo, quando os
campos de trabalho são indefinidos. Durante o dia a medição é feita com iluminação Natural e
Artificial.Aparelho de medição utilizado: Luxímetro marca XXXXX, modelo 170.
7. ANEXOS
7.1 QUADRO DE CONCLUSÃO
10
Setor/
Equipamento
Agente
Avaliado
Enquadramento Legal (NR) Adic.
Devido OrientaçãoQuantitativo Qualitativo
NR Anexo Dec. ou
NR
Anex
o
Todos os setores Ruído 15 1 - - 20%
SM
Não encontrados
valores acima do
limite de tolerância
Setores com
deficiência de
iluminância
Iluminação 17 - - - -
3) e 4)
Atividades da
Auxiliar de
Limpeza
Agente
Biológico - - 15 14 40%
SM
1)
Atividades da
Auxiliar de
Limpeza
Agente
Químico - - 15 13 20%
SM
2)
Função de Auxiliar
Técnico, Técnico
Eletrônica e
Técnico
informática
Energia
Elétrica
- -
Dec. N°
93.412
14.10.86 - 30%
SE
2)
Nos postos de trabalho também foi verificada a possibilidade de riscos
ergonômicos, devido à utilização de cadeiras e mesa inadequadas.
Observações:
1) Verificar itens 5.1.1 e 5.1.4 - Orientações deste Laudo Técnico.
2) Verificar itens 5.1.1 e 5.1.5 - Orientações deste Laudo Técnico.
3) Verificar item 5.1.3 Orientações deste Laudo quanto ao Nível de Iluminamento.
4) Ver quadro de valores de “Concentração e Intensidade do Nível de Iluminamento” item 7.2.
 NR- Norma Regulamentadora da Portaria 3.214 de 08.06.1978.
 SM - Salário Mínimo da Região.
 SE – Salário que o Empregado Perceber sem as gratificações.
 NR 15, Anexo 1 - Níveis de ruído contínuo ou intermitente superiores aos limites de tolerância.
 NR 15, Anexo 13 – Atividades ou operações, envolvendo agentes químicos, consideradas insalubres em
decorrência de inspeção realizada no local de trabalho.
 NR 15, Anexo 14 - Agentes Biológicos.
 NR 17 - Ergonomia.
 Dec. N° 93.412 regulamenta a Lei n° 7.369 de 20 de setembro de 1985, que institui salário adicional
para empregados do setor de energia elétrica, em condições de periculosidade.
7.2 CONCENTRAÇÃO E INTENSIDADE DO NÍVEL DE
ILUMINAMENTO
11
SETOR ATIVIDADE /
EQUIPAMENTO
VALOR
OBTIDO (LUX)
NÍVEL MÍNIMO
RECOMENDADO
(LUX)
OBS.
DIA NOITE
Assistência
Técnica /
Eletrônica (impres.
e monitor)
Bancada de Serviço 1
Bancada de Serviço 2
Bancada de Serviço 3
Geral
348
395
319
354
-
-
-
-
500
500
500
300
1) e 2)
1) e 2)
1) e 2)
1) e 2)
Assistência
Técnica
/Assistência
eletrônica micro
Bancada de Serviço 1
Bancada de Serviço 2
Bancada de Serviço 3
Geral
248
151
203
202
-
-
-
-
500
500
500
300
1) e 2)
1) e 2)
1) e 2)
1) e 2)
Assistência
Técnica /Gerência
assistência
Bancada de Serviço 1
Bancada de Serviço 2
Bancada de Serviço 3
Geral
346
245
265
285
-
-
-
-
500
500
500
300
1) e 2)
1) e 2)
1) e 2)
1) e 2)
Programação Mesa Diretor
Mesa Estagiário 1
Geral
508
489
388
-
-
-
500
500
300
1) e 2)
1) e 2)
1) e 2)
Assistência
Técnica /
Eletrônica (impres.
e monitor)
Bancada de Serviço 1
Bancada de Serviço 2
Bancada de Serviço 3
Geral
348
395
319
354
-
-
-
-
500
500
500
300
1) e 2)
1) e 2)
1) e 2)
1) e 2)
Administração /
Diretor
Mesa Diretor
Geral
502
478
-
-
500
300
1) e 2)
1) e 2)
Administração /
Financeiro
Mesa Dir Financeiro
Mesa 1
Geral
274
251
264
-
-
-
500
500
300
1) e 2)
1) e 2)
1) e 2)
Administração /
Caixa e recepção
Mesa recepção
Geral
2030
841
-
-
500
300
1)
1)
Vendas / Sala de
Vendas
Mesa de vendas
Geral
148
148
-
-
500
300
1)
1)
Vendas / Balcão
Atendimento
Balcão
Mesa Vendedor 1
Mesa Vendedor 2
Geral
214
187
151
241
-
-
-
-
500
500
500
300
1)
1)
1)
1)
Administrativo /
BWC
Bwc cliente 182 - 150 1)
Administrativo/
Limpeza
Tanque
Depósito
502
199
-
-
500
200
1)
1)
Vendas /
Vendedor externo
Sala vend. externo
Geral
548
304
-
-
500
300
1) e 2)
1) e 2)
Circulação
superior
Geral 115 - 100 1)
Depósito superior Geral 132 - 150 1)
Arquivo Morto Geral 120 - 150 1)
12
SETOR ATIVIDADE /
EQUIPAMENTO
VALOR
OBTIDO (LUX)
NÍVEL MÍNIMO
RECOMENDADO
(LUX)
OBS.
DIA NOITE
Escada Geral 410 - 100 1)
BWC funcionários BWC Funcionários 280 - 150 1)
1) Medição foi feita com iluminação Natural e Artificial.
2) Ventilação natural e artificial com aparelhos de Ar condicionado.
7.3 CONCENTRAÇÃO E INTENSIDADE DO NÍVEL DE PRESSÃO
SONORA - RUÍDO
SETOR NÍVEL DE RUÍDO EM (dB)
CIRCUITO DE COMPENSAÇÃO (A)
RESPOSTA LENTA (SLOW)
OBS
Todos os setores Menor que 65 Abaixo do Limite de
Tolerância
XXXX, 00 Julho de 2000.
___________________________
ENG. DE SEGURANÇA
CREA XX.XXX-X
___________________________
ENG. DE SEGURANÇA
CREA XX.XXX-X
Blog Segurança do Trabalho
WWW.BLOGSEGURANCADOTRABALHO.COM.BR

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Treinamento NR-12
Treinamento NR-12Treinamento NR-12
Treinamento NR-12
Kaiton Andrade
 
Ltcat modelo
Ltcat   modeloLtcat   modelo
Ltcat modelo
Daniel Morais
 
Certificado nr 35 MODELO
Certificado  nr 35  MODELOCertificado  nr 35  MODELO
Certificado nr 35 MODELO
CENTRO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SMART
 
Modelo de PGR.pdf
Modelo de PGR.pdfModelo de PGR.pdf
Modelo de PGR.pdf
NelmaLeite1
 
NR - 18 Construção Civil (Oficial)
NR - 18 Construção Civil (Oficial)NR - 18 Construção Civil (Oficial)
NR - 18 Construção Civil (Oficial)
Claudio Cesar Pontes ن
 
Power+point+nr+35
Power+point+nr+35Power+point+nr+35
Power+point+nr+35
Gil Mendes
 
CERTIFICADO NR 06
CERTIFICADO NR 06 CERTIFICADO NR 06
CERTIFICADO NR 06
Ivson Barbosa
 
Ltcat esplanada do farol
Ltcat esplanada do farolLtcat esplanada do farol
Ltcat esplanada do farol
Gabriel Becker Da Silva
 
Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Nr 18 Segurança na Industria da Construção Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Ana Paula Santos de Jesus Souza
 
Treinamento nr34 trabalho a quente novo
Treinamento nr34 trabalho a quente novoTreinamento nr34 trabalho a quente novo
Treinamento nr34 trabalho a quente novo
Marciel Bernardes
 
Relatório de seguranca do trabalho
Relatório de seguranca do trabalhoRelatório de seguranca do trabalho
Relatório de seguranca do trabalho
Douglas Silva
 
NR 18 - Condições de Meio Ambiente e Trabalho na Industria da Construção
NR 18 - Condições de Meio Ambiente e Trabalho na Industria da ConstruçãoNR 18 - Condições de Meio Ambiente e Trabalho na Industria da Construção
NR 18 - Condições de Meio Ambiente e Trabalho na Industria da Construção
Willian Machado Moro dos Santos
 
NR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptxNR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptx
Leomir Borghardt
 
Pcmso cícero modelo
Pcmso cícero modeloPcmso cícero modelo
Pcmso cícero modelo
Dr. Cícero Martins da Silva
 
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRASMODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
Mateus Borges
 
TREINAMENTO NR 18
TREINAMENTO NR 18TREINAMENTO NR 18
TREINAMENTO NR 18
SURICATASoluesemSegu
 
Nr 12 canteiro de obras
Nr 12   canteiro de obrasNr 12   canteiro de obras
Nr 12 canteiro de obras
jhonatantst
 
Treinamento NR 18 .pptx
Treinamento NR 18  .pptxTreinamento NR 18  .pptx
Treinamento NR 18 .pptx
MarceloRodriguesdaLu2
 
MODELO DE PGR PRONTO E COMPLETO192518-convertido.docx
MODELO DE PGR PRONTO E COMPLETO192518-convertido.docxMODELO DE PGR PRONTO E COMPLETO192518-convertido.docx
MODELO DE PGR PRONTO E COMPLETO192518-convertido.docx
rosanavasconcelosdeo
 
NR 35
NR 35NR 35
NR 35
Gil Mendes
 

Mais procurados (20)

Treinamento NR-12
Treinamento NR-12Treinamento NR-12
Treinamento NR-12
 
Ltcat modelo
Ltcat   modeloLtcat   modelo
Ltcat modelo
 
Certificado nr 35 MODELO
Certificado  nr 35  MODELOCertificado  nr 35  MODELO
Certificado nr 35 MODELO
 
Modelo de PGR.pdf
Modelo de PGR.pdfModelo de PGR.pdf
Modelo de PGR.pdf
 
NR - 18 Construção Civil (Oficial)
NR - 18 Construção Civil (Oficial)NR - 18 Construção Civil (Oficial)
NR - 18 Construção Civil (Oficial)
 
Power+point+nr+35
Power+point+nr+35Power+point+nr+35
Power+point+nr+35
 
CERTIFICADO NR 06
CERTIFICADO NR 06 CERTIFICADO NR 06
CERTIFICADO NR 06
 
Ltcat esplanada do farol
Ltcat esplanada do farolLtcat esplanada do farol
Ltcat esplanada do farol
 
Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Nr 18 Segurança na Industria da Construção Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Nr 18 Segurança na Industria da Construção
 
Treinamento nr34 trabalho a quente novo
Treinamento nr34 trabalho a quente novoTreinamento nr34 trabalho a quente novo
Treinamento nr34 trabalho a quente novo
 
Relatório de seguranca do trabalho
Relatório de seguranca do trabalhoRelatório de seguranca do trabalho
Relatório de seguranca do trabalho
 
NR 18 - Condições de Meio Ambiente e Trabalho na Industria da Construção
NR 18 - Condições de Meio Ambiente e Trabalho na Industria da ConstruçãoNR 18 - Condições de Meio Ambiente e Trabalho na Industria da Construção
NR 18 - Condições de Meio Ambiente e Trabalho na Industria da Construção
 
NR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptxNR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptx
 
Pcmso cícero modelo
Pcmso cícero modeloPcmso cícero modelo
Pcmso cícero modelo
 
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRASMODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
 
TREINAMENTO NR 18
TREINAMENTO NR 18TREINAMENTO NR 18
TREINAMENTO NR 18
 
Nr 12 canteiro de obras
Nr 12   canteiro de obrasNr 12   canteiro de obras
Nr 12 canteiro de obras
 
Treinamento NR 18 .pptx
Treinamento NR 18  .pptxTreinamento NR 18  .pptx
Treinamento NR 18 .pptx
 
MODELO DE PGR PRONTO E COMPLETO192518-convertido.docx
MODELO DE PGR PRONTO E COMPLETO192518-convertido.docxMODELO DE PGR PRONTO E COMPLETO192518-convertido.docx
MODELO DE PGR PRONTO E COMPLETO192518-convertido.docx
 
NR 35
NR 35NR 35
NR 35
 

Destaque

Modelo do ltcat completo
Modelo do  ltcat completoModelo do  ltcat completo
Modelo do ltcat completo
Luiz Carneiro
 
Diferenças LTCAT PPRA Laudo de Insalubridade e Periculosidade
Diferenças LTCAT PPRA Laudo de Insalubridade e PericulosidadeDiferenças LTCAT PPRA Laudo de Insalubridade e Periculosidade
Diferenças LTCAT PPRA Laudo de Insalubridade e Periculosidade
MPL SanMed Segurança e Saúde do Trabalho
 
Laudo insalub pericul hosp santa maria
Laudo insalub pericul hosp santa mariaLaudo insalub pericul hosp santa maria
Laudo insalub pericul hosp santa maria
Paulo H Bueno
 
Modelo do ltcat completo
Modelo do  ltcat completoModelo do  ltcat completo
Modelo do ltcat completo
Carlos Demétrius Rolim Figueiredo
 
Laudo pericial insalubridade periculosidade soldador
Laudo pericial insalubridade periculosidade soldadorLaudo pericial insalubridade periculosidade soldador
Laudo pericial insalubridade periculosidade soldador
Paulo H Bueno
 
Laudo pericial insalubridade periculosidade
Laudo pericial insalubridade periculosidadeLaudo pericial insalubridade periculosidade
Laudo pericial insalubridade periculosidade
Paulo H Bueno
 
Modelo do ltcat completo
Modelo do  ltcat completoModelo do  ltcat completo
Modelo do ltcat completo
Eduardo Oliveira
 
Laudo insalub pericul pref. jacui
Laudo insalub pericul pref. jacuiLaudo insalub pericul pref. jacui
Laudo insalub pericul pref. jacui
Paulo H Bueno
 
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
Bruno Pires
 
Proposta de modelo de ltcat
Proposta de modelo de ltcatProposta de modelo de ltcat
Proposta de modelo de ltcat
FIRE SUL PROTECTION
 
Apostila cipa
Apostila cipaApostila cipa
Apostila cipa
Eliane Damião Alves
 
Os pedreiro
Os   pedreiroOs   pedreiro
Os pedreiro
Bor Ges
 
Pcmso
PcmsoPcmso
Prot. 0339 15 pl obrigatoriedade de certificado de manutenção e-ou limpeza ...
Prot. 0339 15   pl obrigatoriedade de certificado de manutenção e-ou limpeza ...Prot. 0339 15   pl obrigatoriedade de certificado de manutenção e-ou limpeza ...
Prot. 0339 15 pl obrigatoriedade de certificado de manutenção e-ou limpeza ...
Claudio Figueiredo
 
Pcmso
PcmsoPcmso
Os de pedreiro
Os de pedreiroOs de pedreiro
Os de pedreiro
Sandro Da Silva Santos
 
Empresa de call center
Empresa de call center Empresa de call center
Empresa de call center
Wallace Silva
 
Pcmso modelo.doc
Pcmso modelo.docPcmso modelo.doc
Pcmso modelo.doc
Luis Araujo
 
RELATÓRIO DO CREA/RS - INCÊNDIO DA BOATE KISS
RELATÓRIO DO CREA/RS  - INCÊNDIO DA BOATE KISSRELATÓRIO DO CREA/RS  - INCÊNDIO DA BOATE KISS
RELATÓRIO DO CREA/RS - INCÊNDIO DA BOATE KISS
FSBbr2012
 
Modelo de laudo pericial trabalhista
Modelo de laudo pericial trabalhistaModelo de laudo pericial trabalhista
Modelo de laudo pericial trabalhista
Celso Daví Rodrigues
 

Destaque (20)

Modelo do ltcat completo
Modelo do  ltcat completoModelo do  ltcat completo
Modelo do ltcat completo
 
Diferenças LTCAT PPRA Laudo de Insalubridade e Periculosidade
Diferenças LTCAT PPRA Laudo de Insalubridade e PericulosidadeDiferenças LTCAT PPRA Laudo de Insalubridade e Periculosidade
Diferenças LTCAT PPRA Laudo de Insalubridade e Periculosidade
 
Laudo insalub pericul hosp santa maria
Laudo insalub pericul hosp santa mariaLaudo insalub pericul hosp santa maria
Laudo insalub pericul hosp santa maria
 
Modelo do ltcat completo
Modelo do  ltcat completoModelo do  ltcat completo
Modelo do ltcat completo
 
Laudo pericial insalubridade periculosidade soldador
Laudo pericial insalubridade periculosidade soldadorLaudo pericial insalubridade periculosidade soldador
Laudo pericial insalubridade periculosidade soldador
 
Laudo pericial insalubridade periculosidade
Laudo pericial insalubridade periculosidadeLaudo pericial insalubridade periculosidade
Laudo pericial insalubridade periculosidade
 
Modelo do ltcat completo
Modelo do  ltcat completoModelo do  ltcat completo
Modelo do ltcat completo
 
Laudo insalub pericul pref. jacui
Laudo insalub pericul pref. jacuiLaudo insalub pericul pref. jacui
Laudo insalub pericul pref. jacui
 
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
 
Proposta de modelo de ltcat
Proposta de modelo de ltcatProposta de modelo de ltcat
Proposta de modelo de ltcat
 
Apostila cipa
Apostila cipaApostila cipa
Apostila cipa
 
Os pedreiro
Os   pedreiroOs   pedreiro
Os pedreiro
 
Pcmso
PcmsoPcmso
Pcmso
 
Prot. 0339 15 pl obrigatoriedade de certificado de manutenção e-ou limpeza ...
Prot. 0339 15   pl obrigatoriedade de certificado de manutenção e-ou limpeza ...Prot. 0339 15   pl obrigatoriedade de certificado de manutenção e-ou limpeza ...
Prot. 0339 15 pl obrigatoriedade de certificado de manutenção e-ou limpeza ...
 
Pcmso
PcmsoPcmso
Pcmso
 
Os de pedreiro
Os de pedreiroOs de pedreiro
Os de pedreiro
 
Empresa de call center
Empresa de call center Empresa de call center
Empresa de call center
 
Pcmso modelo.doc
Pcmso modelo.docPcmso modelo.doc
Pcmso modelo.doc
 
RELATÓRIO DO CREA/RS - INCÊNDIO DA BOATE KISS
RELATÓRIO DO CREA/RS  - INCÊNDIO DA BOATE KISSRELATÓRIO DO CREA/RS  - INCÊNDIO DA BOATE KISS
RELATÓRIO DO CREA/RS - INCÊNDIO DA BOATE KISS
 
Modelo de laudo pericial trabalhista
Modelo de laudo pericial trabalhistaModelo de laudo pericial trabalhista
Modelo de laudo pericial trabalhista
 

Semelhante a Modelo de LTCAT

17 41-03-ltcat+-+modelo
17 41-03-ltcat+-+modelo17 41-03-ltcat+-+modelo
17 41-03-ltcat+-+modelo
Eliseu Breda
 
17 41-03-ltcat+-+modelo
17 41-03-ltcat+-+modelo17 41-03-ltcat+-+modelo
17 41-03-ltcat+-+modelo
Gleydson Alberto Lopes Machado
 
LTCAT FUNENGE.docx
LTCAT FUNENGE.docxLTCAT FUNENGE.docx
LTCAT FUNENGE.docx
Roberto Junior
 
Proposta consultoria iuri vieira gomez - cópia
Proposta consultoria   iuri vieira gomez - cópiaProposta consultoria   iuri vieira gomez - cópia
Proposta consultoria iuri vieira gomez - cópia
Cleverson Roberto Gomes
 
Espaços confinados trabalho curso Técnico em Segurança do Trabalho
Espaços confinados trabalho curso Técnico em Segurança do TrabalhoEspaços confinados trabalho curso Técnico em Segurança do Trabalho
Espaços confinados trabalho curso Técnico em Segurança do Trabalho
Jaquiel26
 
Proposta manutenção do motor de bomba de lavagem centros de lavagem - manut...
Proposta manutenção do motor de bomba de lavagem   centros de lavagem - manut...Proposta manutenção do motor de bomba de lavagem   centros de lavagem - manut...
Proposta manutenção do motor de bomba de lavagem centros de lavagem - manut...
André Vinícius
 
Curriculum vitae Engº Elias 05-08-2017
Curriculum vitae   Engº  Elias 05-08-2017Curriculum vitae   Engº  Elias 05-08-2017
Curriculum vitae Engº Elias 05-08-2017
Universiy
 
E-BOOK_VIKON_NR_12_ANEXOS_Seguranca_em_Maquinas_e_Equipamentos_MTB.pdf
E-BOOK_VIKON_NR_12_ANEXOS_Seguranca_em_Maquinas_e_Equipamentos_MTB.pdfE-BOOK_VIKON_NR_12_ANEXOS_Seguranca_em_Maquinas_e_Equipamentos_MTB.pdf
E-BOOK_VIKON_NR_12_ANEXOS_Seguranca_em_Maquinas_e_Equipamentos_MTB.pdf
AgenildoAlvesSoares1
 
IBAPE MG NORMA CAUTELAR.pdf
IBAPE MG NORMA CAUTELAR.pdfIBAPE MG NORMA CAUTELAR.pdf
IBAPE MG NORMA CAUTELAR.pdf
Rômulo Sanzio Rodrigues Xavier
 
Segesp laudo técnico sistema elógica
Segesp   laudo técnico sistema elógicaSegesp   laudo técnico sistema elógica
Segesp laudo técnico sistema elógica
Adriano da Costa
 
LAUDO SISCOBRA LTDA ME 2021.pdf
LAUDO SISCOBRA LTDA ME 2021.pdfLAUDO SISCOBRA LTDA ME 2021.pdf
LAUDO SISCOBRA LTDA ME 2021.pdf
CleideHeidemann
 
Modelo de pcmat completo
Modelo de  pcmat completoModelo de  pcmat completo
Modelo de pcmat completo
Carlos Demétrius Rolim Figueiredo
 
Apresentação ute engenharia
Apresentação ute engenhariaApresentação ute engenharia
PCMAT
PCMAT PCMAT
PCMAT
DanielPina20
 
Apresentação Institucional'2015
Apresentação Institucional'2015Apresentação Institucional'2015
Apresentação Institucional'2015
Gilberto Gonçalves
 
Análise e melhoria dos processos orgão publico
Análise e melhoria dos processos  orgão publicoAnálise e melhoria dos processos  orgão publico
Análise e melhoria dos processos orgão publico
Marcelo Gandra Falcone
 
245521697 123529254-curso-microcontrolador-pic18f
245521697 123529254-curso-microcontrolador-pic18f245521697 123529254-curso-microcontrolador-pic18f
245521697 123529254-curso-microcontrolador-pic18f
Daniel Henrique
 
LTCAT J. FERNANDO PRONTO EM PDF.pdf
LTCAT J. FERNANDO PRONTO EM PDF.pdfLTCAT J. FERNANDO PRONTO EM PDF.pdf
LTCAT J. FERNANDO PRONTO EM PDF.pdf
AlvaroSArruda
 
Caderno de encargos rev.00
Caderno de encargos   rev.00Caderno de encargos   rev.00
Caderno de encargos rev.00
EdnaldoBL
 
Memorial descritivo do_creas (1)
Memorial descritivo do_creas (1)Memorial descritivo do_creas (1)
Memorial descritivo do_creas (1)
Raimundo Renato
 

Semelhante a Modelo de LTCAT (20)

17 41-03-ltcat+-+modelo
17 41-03-ltcat+-+modelo17 41-03-ltcat+-+modelo
17 41-03-ltcat+-+modelo
 
17 41-03-ltcat+-+modelo
17 41-03-ltcat+-+modelo17 41-03-ltcat+-+modelo
17 41-03-ltcat+-+modelo
 
LTCAT FUNENGE.docx
LTCAT FUNENGE.docxLTCAT FUNENGE.docx
LTCAT FUNENGE.docx
 
Proposta consultoria iuri vieira gomez - cópia
Proposta consultoria   iuri vieira gomez - cópiaProposta consultoria   iuri vieira gomez - cópia
Proposta consultoria iuri vieira gomez - cópia
 
Espaços confinados trabalho curso Técnico em Segurança do Trabalho
Espaços confinados trabalho curso Técnico em Segurança do TrabalhoEspaços confinados trabalho curso Técnico em Segurança do Trabalho
Espaços confinados trabalho curso Técnico em Segurança do Trabalho
 
Proposta manutenção do motor de bomba de lavagem centros de lavagem - manut...
Proposta manutenção do motor de bomba de lavagem   centros de lavagem - manut...Proposta manutenção do motor de bomba de lavagem   centros de lavagem - manut...
Proposta manutenção do motor de bomba de lavagem centros de lavagem - manut...
 
Curriculum vitae Engº Elias 05-08-2017
Curriculum vitae   Engº  Elias 05-08-2017Curriculum vitae   Engº  Elias 05-08-2017
Curriculum vitae Engº Elias 05-08-2017
 
E-BOOK_VIKON_NR_12_ANEXOS_Seguranca_em_Maquinas_e_Equipamentos_MTB.pdf
E-BOOK_VIKON_NR_12_ANEXOS_Seguranca_em_Maquinas_e_Equipamentos_MTB.pdfE-BOOK_VIKON_NR_12_ANEXOS_Seguranca_em_Maquinas_e_Equipamentos_MTB.pdf
E-BOOK_VIKON_NR_12_ANEXOS_Seguranca_em_Maquinas_e_Equipamentos_MTB.pdf
 
IBAPE MG NORMA CAUTELAR.pdf
IBAPE MG NORMA CAUTELAR.pdfIBAPE MG NORMA CAUTELAR.pdf
IBAPE MG NORMA CAUTELAR.pdf
 
Segesp laudo técnico sistema elógica
Segesp   laudo técnico sistema elógicaSegesp   laudo técnico sistema elógica
Segesp laudo técnico sistema elógica
 
LAUDO SISCOBRA LTDA ME 2021.pdf
LAUDO SISCOBRA LTDA ME 2021.pdfLAUDO SISCOBRA LTDA ME 2021.pdf
LAUDO SISCOBRA LTDA ME 2021.pdf
 
Modelo de pcmat completo
Modelo de  pcmat completoModelo de  pcmat completo
Modelo de pcmat completo
 
Apresentação ute engenharia
Apresentação ute engenhariaApresentação ute engenharia
Apresentação ute engenharia
 
PCMAT
PCMAT PCMAT
PCMAT
 
Apresentação Institucional'2015
Apresentação Institucional'2015Apresentação Institucional'2015
Apresentação Institucional'2015
 
Análise e melhoria dos processos orgão publico
Análise e melhoria dos processos  orgão publicoAnálise e melhoria dos processos  orgão publico
Análise e melhoria dos processos orgão publico
 
245521697 123529254-curso-microcontrolador-pic18f
245521697 123529254-curso-microcontrolador-pic18f245521697 123529254-curso-microcontrolador-pic18f
245521697 123529254-curso-microcontrolador-pic18f
 
LTCAT J. FERNANDO PRONTO EM PDF.pdf
LTCAT J. FERNANDO PRONTO EM PDF.pdfLTCAT J. FERNANDO PRONTO EM PDF.pdf
LTCAT J. FERNANDO PRONTO EM PDF.pdf
 
Caderno de encargos rev.00
Caderno de encargos   rev.00Caderno de encargos   rev.00
Caderno de encargos rev.00
 
Memorial descritivo do_creas (1)
Memorial descritivo do_creas (1)Memorial descritivo do_creas (1)
Memorial descritivo do_creas (1)
 

Mais de Eliane Damião Alves

Treinamento Percepção de Riscos.ppt
Treinamento Percepção de Riscos.pptTreinamento Percepção de Riscos.ppt
Treinamento Percepção de Riscos.ppt
Eliane Damião Alves
 
OUTUBRO ROSA.pptx
OUTUBRO ROSA.pptxOUTUBRO ROSA.pptx
OUTUBRO ROSA.pptx
Eliane Damião Alves
 
-trabalho-com-empilhadeira--1.ppt
-trabalho-com-empilhadeira--1.ppt-trabalho-com-empilhadeira--1.ppt
-trabalho-com-empilhadeira--1.ppt
Eliane Damião Alves
 
Treinamento EPI (2).pptx
Treinamento EPI (2).pptxTreinamento EPI (2).pptx
Treinamento EPI (2).pptx
Eliane Damião Alves
 
APR Solda e Corte (1).doc
APR Solda e Corte (1).docAPR Solda e Corte (1).doc
APR Solda e Corte (1).doc
Eliane Damião Alves
 
-Apr-Guindaste.pdf
-Apr-Guindaste.pdf-Apr-Guindaste.pdf
-Apr-Guindaste.pdf
Eliane Damião Alves
 
Anexo 2 check list trabalho em altura
Anexo 2 check list trabalho em alturaAnexo 2 check list trabalho em altura
Anexo 2 check list trabalho em altura
Eliane Damião Alves
 
Pgr
PgrPgr
Pgr
PgrPgr
Seguranca na operacao de pontes rolantes
Seguranca na operacao de pontes rolantesSeguranca na operacao de pontes rolantes
Seguranca na operacao de pontes rolantes
Eliane Damião Alves
 
0002
00020002
Garrafa pet
Garrafa petGarrafa pet
Cartilha seguranca trabalho pcmat
Cartilha seguranca trabalho pcmatCartilha seguranca trabalho pcmat
Cartilha seguranca trabalho pcmat
Eliane Damião Alves
 
Apt industrial-37-trabalho-com-empilhadeira
Apt industrial-37-trabalho-com-empilhadeiraApt industrial-37-trabalho-com-empilhadeira
Apt industrial-37-trabalho-com-empilhadeira
Eliane Damião Alves
 
Direito ambiental
Direito ambientalDireito ambiental
Direito ambiental
Eliane Damião Alves
 
Espaço Confinado
Espaço ConfinadoEspaço Confinado
Espaço Confinado
Eliane Damião Alves
 
Direção defensiva1
Direção defensiva1Direção defensiva1
Direção defensiva1
Eliane Damião Alves
 
Treinamento combate incendios
Treinamento combate incendiosTreinamento combate incendios
Treinamento combate incendios
Eliane Damião Alves
 
Cartilha residuos solidos_furb[1]
Cartilha residuos solidos_furb[1]Cartilha residuos solidos_furb[1]
Cartilha residuos solidos_furb[1]
Eliane Damião Alves
 
Fotos tiradas por um surfista
Fotos tiradas por um surfistaFotos tiradas por um surfista
Fotos tiradas por um surfista
Eliane Damião Alves
 

Mais de Eliane Damião Alves (20)

Treinamento Percepção de Riscos.ppt
Treinamento Percepção de Riscos.pptTreinamento Percepção de Riscos.ppt
Treinamento Percepção de Riscos.ppt
 
OUTUBRO ROSA.pptx
OUTUBRO ROSA.pptxOUTUBRO ROSA.pptx
OUTUBRO ROSA.pptx
 
-trabalho-com-empilhadeira--1.ppt
-trabalho-com-empilhadeira--1.ppt-trabalho-com-empilhadeira--1.ppt
-trabalho-com-empilhadeira--1.ppt
 
Treinamento EPI (2).pptx
Treinamento EPI (2).pptxTreinamento EPI (2).pptx
Treinamento EPI (2).pptx
 
APR Solda e Corte (1).doc
APR Solda e Corte (1).docAPR Solda e Corte (1).doc
APR Solda e Corte (1).doc
 
-Apr-Guindaste.pdf
-Apr-Guindaste.pdf-Apr-Guindaste.pdf
-Apr-Guindaste.pdf
 
Anexo 2 check list trabalho em altura
Anexo 2 check list trabalho em alturaAnexo 2 check list trabalho em altura
Anexo 2 check list trabalho em altura
 
Pgr
PgrPgr
Pgr
 
Pgr
PgrPgr
Pgr
 
Seguranca na operacao de pontes rolantes
Seguranca na operacao de pontes rolantesSeguranca na operacao de pontes rolantes
Seguranca na operacao de pontes rolantes
 
0002
00020002
0002
 
Garrafa pet
Garrafa petGarrafa pet
Garrafa pet
 
Cartilha seguranca trabalho pcmat
Cartilha seguranca trabalho pcmatCartilha seguranca trabalho pcmat
Cartilha seguranca trabalho pcmat
 
Apt industrial-37-trabalho-com-empilhadeira
Apt industrial-37-trabalho-com-empilhadeiraApt industrial-37-trabalho-com-empilhadeira
Apt industrial-37-trabalho-com-empilhadeira
 
Direito ambiental
Direito ambientalDireito ambiental
Direito ambiental
 
Espaço Confinado
Espaço ConfinadoEspaço Confinado
Espaço Confinado
 
Direção defensiva1
Direção defensiva1Direção defensiva1
Direção defensiva1
 
Treinamento combate incendios
Treinamento combate incendiosTreinamento combate incendios
Treinamento combate incendios
 
Cartilha residuos solidos_furb[1]
Cartilha residuos solidos_furb[1]Cartilha residuos solidos_furb[1]
Cartilha residuos solidos_furb[1]
 
Fotos tiradas por um surfista
Fotos tiradas por um surfistaFotos tiradas por um surfista
Fotos tiradas por um surfista
 

Modelo de LTCAT

  • 1. EMPRESA: XXXX CNPJ: XXXXXXXXXXXXX LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DO TRABALHO WWW.BLOGSEGURANCADOTRABALHO.COM.BR ELABORAÇÃO: DR. XXXXX ENG. DE SEGURANÇA DO TRABALHO CREA: XXXX JULHO/2000
  • 2. 2 ÍNDICE 1. Laudo Técnico das Condições Ambientais do Trabalho – LTCAT .............................. 03 2. Empresa ..................................................................................................................... 03 3. Endereço .................................................................................................................... 04 4. Atividade da Empresa / Setores de Trabalho ............................................................... 04 4.1. Setor Administrativo ............................................................................................ 04 4.2. Setor Assistência Técnica .................................................................................... 05 4.3. Setor de Programação ......................................................................................... 06 4.4. Setor de Vendas .................................................................................................. 06 5. Avaliação Qualitativa e ou Quantitativa dos Riscos Físicos, Químicos e Biológicos...... 06 5.1. Condições Ambientais do Local de Trabalho ........................................................ 07 5.1.1 Orientações ................................................................................................ 07 5.1.2 Níveis de Pressão Sonora (ruído) ................................................................ 07 5.1.3 Níveis de Iluminamento .............................................................................. 07 5.1.4 Agentes Biológicos ..................................................................................... 07 5.1.5 Agentes Químicos ....................................................................................... 08 5.1.6 Setor de Energia Elétrica ............................................................................ 08 6. Metodologia e Equipamentos Utilizados ..................................................................... 09 6.1. Níveis de Pressão Sonora ..................................................................................... 09 6.2. Níveis de Iluminamento ....................................................................................... 09 7. Anexos ....................................................................................................................... 10 7.1. Quadro de Conclusão .......................................................................................... 10 7.2. Concentração e Intensidade do Nível de Iluminamento.......................................... 11 7.3. Concentração e Intensidade do Nível de Pressão Sonora – Ruído ......................... 12
  • 3. 3 1. LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DO TRABALHO - LTCAT Este trabalho tem por meta realizar a análise quantitativa e/ou qualitativa dos riscos físicos, químicos e biológicos, ergonômicos e de acidentes, existentes no ambiente de trabalho da empresa XXXXXX LTDA e que possam causar danos à saúde de seus trabalhadores. Os dados levantados e a análise efetuada referem-se à situação encontrada na ocasião do levantamento. Sempre que houver modificação nas condições de trabalho, o levantamento deverá ser refeito, pois as conclusões poderão ser alteradas. O LTCAT tem por finalidade cumprir as exigências da legislação previdenciária – Art. 58 da Lei n° 9.528 de 10.12.97, dar sustentabilidade técnica às condições ambientais existentes na empresa e subsidiar o enquadramento de tais atividades no referente ao recolhimento das denominadas Alíquotas Suplementares do Seguro de Acidente do Trabalho (SAT) criadas pelo texto da Lei n° 9.732 de 11.12.98. Este trabalho foi elaborado pelos Engenheiros de Segurança do Trabalho Eng. XXXXXX CREA XX.XXX-X, e o Eng. XXXXXX CREA XX.XXX-X, no dia XX de julho de 2000, na sede da empresa XXXXX LTDA., sendo acompanhado pelo Srta. XXXXXX, representante da empresa nesta ocasião. Este trabalho pode servir para:  Assessorar a empresa na realização do documento base do PPRA, exigido pela NR-9;  Assessorar o SESMT e/ou a CIPA da Empresa na confecção do Mapa de Risco;  Viabilizar a prorrogação da jornada de trabalho, de acordo com o art. 60 da CLT;  Atender notificações específicas da fiscalização da DRT;  Atender necessidades específicas da empresa;  Delimitar área de risco;  Estipular quais operações são insalubres e ou perigosas, afim de que o empregador possa pagar o adicional correto a seus empregados;  Este documento deverá permanecer na empresa a disposição da previdência social. 2. EMPRESA Nome Empresarial: XXXXXXXX XXXXX LTDA. Atividade: XXXXXXXXXXXXXXXXX. Código da Atividade: XX.XX-X-XX Grau de Risco: 3 (Três) Número de Funcionários: 100 (Cem) CNPJ: XX.XXX.XXX / 0001-XX
  • 4. 4 3. ENDEREÇO Rua: Rua XXXXXXX, nº 000. Cidade: XXXXX / XX Cep.: XX.XXX-XXX Fone: (XX) XXXX-XXXX 4. ATIVIDADE DA EMPRESA / SETORES DE TRABALHO A Empresa tem como atividade XXXXXX. A edificação tem uso comercial e é de alvenaria, com dois pavimentos, possuindo acréscimo de área em um pavimento. O teto do segundo pavimento bem como da área acrescida é de forro de madeira, e todas as paredes são pintadas de branco. A iluminação do ambiente é natural (através de aberturas como portas e janelas) e artificial (através de lâmpadas fluorescentes nos ambientes de trabalho e lâmpadas incandescente em ambientes em que a permanência não é contínua, como nas salas do arquivo morto, depósito, bwc). A ventilação é natural (através das aberturas), e artificial com aparelhos condicionadores de ar. A Empresa é constituída de Setor Administrativo, Assistência Técnica, Programação e Vendas, sendo o Setor Administrativo constituído de Sócio Gerente, Auxiliar de Escritório, Auxiliar de Serviço, Auxiliar de Limpeza, Auxiliar Financeiro. A Assistência Técnica é formada por Auxiliar Técnico e Técnico em Eletrônica. O Setor de Programação possui Assistente de Suprimento e Estagiário, e o setor de Vendas é formado pelos Vendedores. 4.1 SETOR ADMINISTRATIVO SÓCIO GERENTE: Zelar pelo bom funcionamento de todas as atividades, cobrando resultados dos diversos setores, representar a Empresa internamente e externamente. Horário de trabalho das 0:00 as 00:00 hs e 00:00 as 00:00 hs – segunda a sexta- feira, e nos sábados das 8:00 às 12:00 hs. AUXILIAR DE ESCRITÓRIO: Executam serviços de apoio nas áreas de recursos humanos, administração e logística; atendem fornecedores e clientes, fornecendo e recebendo informações sobre produtos e serviços; tratam de documentos variados, cumprindo todo o procedimento necessário referente aos mesmos; preparam relatórios e planilhas; executam serviços gerais de escritórios. Horário de trabalho das 0:00 as 00:00h e 00:00 as 00:00h – segunda a sexta- feira, e nos sábados das 0:00 às 00:00 hs. AUXILIAR FINANCEIRO: Executam serviços de apoio nas áreas de finanças; preparam relatórios e planilhas.
  • 5. 5 Horário de trabalho das 0:00 as 00:00h e 00:00 as 00:00h – segunda a sexta- feira, e nos sábados das 0:00 às 00:00 hs. AUXILIAR DE SERVIÇO: Atender todos os clientes seja por telefone ou pessoalmente, prestando-lhes informações. Coletam e entregam documentos, valores, mercadorias e encomendas. Realizam serviços de pagamento e cobrança, roteirizam entregas e coletas. Localizam e conferem destinatários e endereços, emitem e coletam recibos do material transportado. Preenchem protocolos e conduzem motocicletas. Horário de trabalho das 0:00 as 00:00h e 00:00 as 00:00h – segunda a sexta- feira, e nos sábados das 0:00 às 00:00 hs. AUXILIAR DE LIMPEZA: Encarregada da limpeza de sanitários, escritórios, equipamentos para manutenção, etc.; utiliza produtos químicos tais como: detergentes amoníacos para limpeza pesada (Nome do Produto), detergentes, desinfetantes, álcool e demais produtos de limpeza (Nome do Produto), que se faz necessário. Horário de trabalho das 0:00 as 00:00h e 00:00 as 00:00h – segunda a sexta- feira, e nos sábados das 0:00 às 00:00 hs. (função terceirizada). 4.2 SETOR ASSISTÊNCIA TÉCNICA AUXILIAR TÉCNICO: Auxiliam no serviço de reparação de equipamentos de informática e preparam o local do reparo. Testam intensidade de corrente e resistência de isolamento. Identificam as especificações, selecionando instrumentos e ferramentas, desmontando, montando, substituindo, lubrificando e limpando peças e componentes e verificando o funcionamento após o reparo. Fazem serviços externos e conduzem veículos. Horário de trabalho das 0:00 as 00:00 hs e 00:00 as 00:00 hs – segunda a sexta- feira, e nos sábados das 0:00 às 00:00 hs. TÉCNICO EM ELETRÔNICA: Planejam o serviço de reparação de equipamentos de informática e preparam o local do reparo. Testam intensidade de corrente e resistência de isolamento. Reparam aparelhos de informática, identificando especificações, selecionando instrumentos e ferramentas, desmontando, montando, substituindo, lubrificando e limpando peças e componentes e verificando o funcionamento após o reparo. Fazem serviços externos e conduzem veículos. Horário de trabalho das 0:00 as 00:00h e 00:00 as 00:00h – segunda a sexta- feira, e nos sábados das 0:00 às 00:00 hs. TÉCNICO EM INFORMÁTICA: Desenvolvem sistemas e aplicações, projetam, implantam e realizam manutenção de sistemas e aplicações; selecionam recursos de trabalho, tais como metodologias de desenvolvimento de sistemas, linguagem de programação
  • 6. 6 e ferramentas de desenvolvimento. Planejam etapas e ações de trabalho. Fazem serviços externos e conduzem veículos. Horário de trabalho das 0:00 as 00:00h e 00:00 as 00:00h – segunda a sexta- feira, e nos sábados das 0:00 às 00:00 hs. 4.3 SETOR DE PROGRAMAÇÃO ASSISTENTE DE SUPRIMENTO: Elaboram processos computacionais, validando, documentando, implementando e refinando modelos. Tratam dados e informações, desenvolvem produtos e sistemas. Prestam consultorias técnicas. Horário de trabalho das 0:00 as 00:00 hs e 00:00 as 00:00 hs – segunda a sexta- feira, e nos sábados das 0:00 às 00:00 hs. AUXILIAR DE ASSISTENTE (ESTAGIÁRIO): Auxiliam na elaboração dos processos computacionais, validando, documentando, implementando e refinando modelos. Tratam dados e informações, desenvolvem produtos e sistemas. Horário de trabalho das 0:00 as 00:00h e 00:00 as 00:00h – segunda a sexta- feira, e nos sábados das 0:00 às 00:00 hs. 4.4 SETOR DE VENDAS VENDEDOR: Vendem mercadorias de informática, auxiliam os clientes na escolha. Registram entrada e saída de mercadorias. Promovem a venda de mercadorias, demonstrando seu funcionamento. Informam sobre suas qualidades e vantagens de aquisição. Expõem mercadorias de forma atrativa, em pontos estratégicos de vendas, com etiquetas de preço. Fazem inventário de mercadorias para reposição. Elaboram relatórios de vendas, de promoções, de demonstrações e de pesquisa de preços. Fazem serviços externos e conduzem veículos. Horário de trabalho das 0:00 as 00:00 hs e 00:00 as 00:00 hs – segunda a sexta- feira, e nos sábados das 0:00 às 00:00 hs. 5. AVALIAÇÃO QUALITATIVA E OU QUANTITATIVA DOS RISCOS FÍSICOS, QUÍMICOS E BIOLÓGICOS. Foram efetuadas medições dos níveis de intensidade sonora e dos níveis de iluminância nos setores de trabalho. Os valores obtidos estão relacionados nos quadros correspondentes, anexos no final deste relatório. Com os valores das medidas quantitativas de intensidade do ruído e dos níveis de iluminância, bem como as avaliações qualitativas efetuadas, elaborou-se o Quadro de
  • 7. 7 Conclusão, onde estão relacionados os setores, o agente avaliado, o enquadramento legal, o adicional de insalubridade e ou periculosidade devido e as recomendações efetuadas. No quadro de Conclusão, na coluna Adicional devido, o percentual citado estará seguido de sigla SM quando se referir ao salário mínimo da região (adicional de insalubridade) ou SE quando se referir ao Salário do Empregado, sem as gratificações (adicional de periculosidade). 5.1 CONDIÇÕES AMBIENTAIS DO LOCAL DE TRABALHO 5.1.1 ORIENTAÇÕES Os riscos ambientais poderão ser controlados, utilizando-se as medidas de Proteção Coletiva (EPC) ou individual (EPI). As medidas de proteção coletivas sempre deverão ser preferidas. Além da entrega do EPI, que precisa ser adequado para a finalidade a que se destina e possuir o CA (Certificado de Aprovação) do Ministério do Trabalho, o empregador deverá providenciar a manutenção e higienização, o treinamento para uso adequado e motivar os empregados para o uso dos mesmos. Esta providência eliminará, reduzirá ou neutralizará a ação dos riscos ambientais sobre os empregados. Uma vez suprimida a condição insalubre, o adicional respectivo pode deixar de ser pago. Visando isso, propõem-se algumas medidas, cuja viabilidade técnica e econômica poderá ser estudada pela empresa. 5.1.2 NÍVEIS DE PRESSÃO SONORA (RUÍDO) Na empresa, não ocorreram níveis de ruído superiores aos limites de tolerância, ditados pela tabela constante do Anexo 1, da NR-15. Porém o nível de ruído aceitável para condições de conforto será de 65 dB(A), nos locais de trabalho onde são executadas atividades que exijam solicitação intelectual e atenção constantes, tais como nos escritórios. 5.1.3 NÍVEIS DE ILUMINAMENTO A boa iluminação dos locais de trabalho proporciona vantagens, tais como: aumento de produção, melhor acabamento do trabalho, diminuição do desperdício de material, redução do número de acidentes, diminuição da fadiga ocular e geral, maior rendimento dos indivíduos idosos ou portadores de defeitos visuais e melhor supervisão dos trabalhos. Para que os níveis de iluminância atendam aos limites, estabelecidos pela NBR 5413, e a portaria no 3.751, de 23/11/1990 que altera a Norma Regulamentadora NR-17, sugere-se:
  • 8. 8  Aumentar o número e ou potência das lâmpadas;  Efetuar manutenção periódica das instalações, incluindo-se a substituição das lâmpadas queimadas, a limpeza das lâmpadas, luminárias e janelas; e  Aproximar as lâmpadas dos campos e trabalho.  Posicionar as luminárias, adequadamente, sobre as máquinas ou postos de trabalho. 5.1.4 AGENTES BIOLÓGICOS Os serviços de limpeza e coleta de lixo, realizados pela Auxiliar de Limpeza, em escritórios e banheiros são considerados como processos iniciais de coleta de lixo urbano, bem como, as operações que envolvem lavação de pisos, paredes, sanitários, etc., determinam contato com as sujidades encontradas nestes locais. Excrementos humanos, como fezes, urina, escarro, podem fazer o contato do trabalhador com alguns agentes biológicos, dentre os quais citamos os fungos, as bactérias, os vírus e os vibriões. Do contato podem surgir diversos problemas de saúde. Em virtude da impossibilidade de eliminação de tais agentes, os funcionários deste setor devem laborar com equipamentos de proteção individuais adequados, tipo: Luva de Látex ou PVC, Avental impermeável, botas de PVC ou Borracha, além da utilização de bactericidas e germicidas comprovadamente capazes de inibir o crescimento de microorganismos. O anexo n° 14 da Norma Regulamentadora n° 15 estabelece a atividade de coleta de lixo como insalubre em grau máximo (40% do salário mínimo da região). 5.1.5 AGENTES QUÍMICOS Nos serviços de limpeza, realizados pela Auxiliar de Limpeza, são utilizados produtos de limpeza (Nome do Produto) que além de ácidos graxos tem em sua composição uma quantidade extra de sais alcalinos, que atuam sobre a pele e mucosas, tento ação irritante. Os detergentes também são produtos de limpeza, tendo acrescidos os objetivos de manutenção, conveniência e frescor. Tem como principal componente os sulfactantes que podem ser aniônicos, catiônicos, não-catiônicos e incorporadores. Dependendo do tipo são mais ou menos tóxicos e, também irritantes de pele e mucosas. Em virtude da impossibilidade de eliminação de tais agentes, os funcionários deste setor devem laborar com equipamentos de proteção individuais adequados, tipo: Luva de Látex ou PVC, Avental impermeável, botas de PVC ou Borracha. Tanto os sabões quanto os detergentes enquadram-se na categoria de álcalis cáusticos.
  • 9. 9 O anexo n° 13 da Norma Regulamentadora n° 15 estabelece a atividade de manuseio de álcalis cáusticos como insalubre em grau médio (20% do salário mínimo da região). 5.1.6 SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA O empregado que exerce atividade no setor de energia elétrica, em condições de periculosidade, tem direito a uma remuneração adicional de trinta por cento sobre o salário que perceber, conforme a Lei N° 7.369 de 20 de setembro de 1985. O Decreto n° 93.412 de 14 de outubro de 1986 regulamenta a Lei n° 7.369 de 20 de setembro de 1985, que institui salário adicional para empregados do setor de energia elétrica, em condições de periculosidade e dá outras providências. São atividades em condições de periculosidade, as atividades de inspeção, testes, ensaios, calibração, medição e reparos em equipamentos e materiais elétricos, eletrônicos, eletromecânicos e de segurança individual e coletiva em sistemas elétricos de potência de alta e baixa tensão. 6. METODOLOGIA E EQUIPAMENTOS UTILIZADOS 6.1 NÍVEIS DE PRESSÃO SONORA (RUÍDO) A Medição do Nível de Pressão sonora foi feita nos diversos setores e condições encontradas na empresa, para verificação do ruído intermitente. Conforme Anexo I da NR 15 o medidor de Pressão Sonora foi regulado para o circuito de compensação “A” e circuito de resposta Lenta “slow”. Aparelho de medição utilizado: Medidor de nível de pressão sonora marca XXXXX No 33 - 2050, leitura em resposta lenta (SLOW) e na circuito de compensação A. As medições foram feitas sempre na altura do aparelho auditivo dos trabalhadores e nos vários postos de trabalho. Procurou-se fazer as medições nas condições mais desfavoráveis. 6.2 NÍVEIS DE ILUMINAMENTO As medições foram feitas nos locais de trabalho, ou a 75 cm do solo, quando os campos de trabalho são indefinidos. Durante o dia a medição é feita com iluminação Natural e Artificial.Aparelho de medição utilizado: Luxímetro marca XXXXX, modelo 170. 7. ANEXOS 7.1 QUADRO DE CONCLUSÃO
  • 10. 10 Setor/ Equipamento Agente Avaliado Enquadramento Legal (NR) Adic. Devido OrientaçãoQuantitativo Qualitativo NR Anexo Dec. ou NR Anex o Todos os setores Ruído 15 1 - - 20% SM Não encontrados valores acima do limite de tolerância Setores com deficiência de iluminância Iluminação 17 - - - - 3) e 4) Atividades da Auxiliar de Limpeza Agente Biológico - - 15 14 40% SM 1) Atividades da Auxiliar de Limpeza Agente Químico - - 15 13 20% SM 2) Função de Auxiliar Técnico, Técnico Eletrônica e Técnico informática Energia Elétrica - - Dec. N° 93.412 14.10.86 - 30% SE 2) Nos postos de trabalho também foi verificada a possibilidade de riscos ergonômicos, devido à utilização de cadeiras e mesa inadequadas. Observações: 1) Verificar itens 5.1.1 e 5.1.4 - Orientações deste Laudo Técnico. 2) Verificar itens 5.1.1 e 5.1.5 - Orientações deste Laudo Técnico. 3) Verificar item 5.1.3 Orientações deste Laudo quanto ao Nível de Iluminamento. 4) Ver quadro de valores de “Concentração e Intensidade do Nível de Iluminamento” item 7.2.  NR- Norma Regulamentadora da Portaria 3.214 de 08.06.1978.  SM - Salário Mínimo da Região.  SE – Salário que o Empregado Perceber sem as gratificações.  NR 15, Anexo 1 - Níveis de ruído contínuo ou intermitente superiores aos limites de tolerância.  NR 15, Anexo 13 – Atividades ou operações, envolvendo agentes químicos, consideradas insalubres em decorrência de inspeção realizada no local de trabalho.  NR 15, Anexo 14 - Agentes Biológicos.  NR 17 - Ergonomia.  Dec. N° 93.412 regulamenta a Lei n° 7.369 de 20 de setembro de 1985, que institui salário adicional para empregados do setor de energia elétrica, em condições de periculosidade. 7.2 CONCENTRAÇÃO E INTENSIDADE DO NÍVEL DE ILUMINAMENTO
  • 11. 11 SETOR ATIVIDADE / EQUIPAMENTO VALOR OBTIDO (LUX) NÍVEL MÍNIMO RECOMENDADO (LUX) OBS. DIA NOITE Assistência Técnica / Eletrônica (impres. e monitor) Bancada de Serviço 1 Bancada de Serviço 2 Bancada de Serviço 3 Geral 348 395 319 354 - - - - 500 500 500 300 1) e 2) 1) e 2) 1) e 2) 1) e 2) Assistência Técnica /Assistência eletrônica micro Bancada de Serviço 1 Bancada de Serviço 2 Bancada de Serviço 3 Geral 248 151 203 202 - - - - 500 500 500 300 1) e 2) 1) e 2) 1) e 2) 1) e 2) Assistência Técnica /Gerência assistência Bancada de Serviço 1 Bancada de Serviço 2 Bancada de Serviço 3 Geral 346 245 265 285 - - - - 500 500 500 300 1) e 2) 1) e 2) 1) e 2) 1) e 2) Programação Mesa Diretor Mesa Estagiário 1 Geral 508 489 388 - - - 500 500 300 1) e 2) 1) e 2) 1) e 2) Assistência Técnica / Eletrônica (impres. e monitor) Bancada de Serviço 1 Bancada de Serviço 2 Bancada de Serviço 3 Geral 348 395 319 354 - - - - 500 500 500 300 1) e 2) 1) e 2) 1) e 2) 1) e 2) Administração / Diretor Mesa Diretor Geral 502 478 - - 500 300 1) e 2) 1) e 2) Administração / Financeiro Mesa Dir Financeiro Mesa 1 Geral 274 251 264 - - - 500 500 300 1) e 2) 1) e 2) 1) e 2) Administração / Caixa e recepção Mesa recepção Geral 2030 841 - - 500 300 1) 1) Vendas / Sala de Vendas Mesa de vendas Geral 148 148 - - 500 300 1) 1) Vendas / Balcão Atendimento Balcão Mesa Vendedor 1 Mesa Vendedor 2 Geral 214 187 151 241 - - - - 500 500 500 300 1) 1) 1) 1) Administrativo / BWC Bwc cliente 182 - 150 1) Administrativo/ Limpeza Tanque Depósito 502 199 - - 500 200 1) 1) Vendas / Vendedor externo Sala vend. externo Geral 548 304 - - 500 300 1) e 2) 1) e 2) Circulação superior Geral 115 - 100 1) Depósito superior Geral 132 - 150 1) Arquivo Morto Geral 120 - 150 1)
  • 12. 12 SETOR ATIVIDADE / EQUIPAMENTO VALOR OBTIDO (LUX) NÍVEL MÍNIMO RECOMENDADO (LUX) OBS. DIA NOITE Escada Geral 410 - 100 1) BWC funcionários BWC Funcionários 280 - 150 1) 1) Medição foi feita com iluminação Natural e Artificial. 2) Ventilação natural e artificial com aparelhos de Ar condicionado. 7.3 CONCENTRAÇÃO E INTENSIDADE DO NÍVEL DE PRESSÃO SONORA - RUÍDO SETOR NÍVEL DE RUÍDO EM (dB) CIRCUITO DE COMPENSAÇÃO (A) RESPOSTA LENTA (SLOW) OBS Todos os setores Menor que 65 Abaixo do Limite de Tolerância XXXX, 00 Julho de 2000. ___________________________ ENG. DE SEGURANÇA CREA XX.XXX-X ___________________________ ENG. DE SEGURANÇA CREA XX.XXX-X Blog Segurança do Trabalho WWW.BLOGSEGURANCADOTRABALHO.COM.BR