A dieta do tipo sanguíneo peter j. d'adamo

23.766 visualizações

Publicada em

2 comentários
68 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
23.766
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
50
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.320
Comentários
2
Gostaram
68
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A dieta do tipo sanguíneo peter j. d'adamo

  1. 1. PETER J.D'ADÂMO com C a t h e r i n e W h i t n e y Nova edição revista e atualizada A Dieta do Tipo Sangüíneo TRADUÇÃO Sônia T. Mendes Costa REVISÃO TÉCNICA í ATUALIZAÇÃO Dr. Sérgio Augusto Teixeira Médico Especialista em Homeopatia, Nutrição e Medicina Ortomolecular ELSEVIER 11° EDIÇÃO C A M P U S
  2. 2. A memória de meu bom amigo, JOHN J. MOSKO (1919-1992) "Hoje é o dia da festa de Crispiniano: Aquele que sobreviver a esse dia e chegar em casa a salvo deve ficar na ponta dos pés quando essa data for mencionada, e levantar-se sempre que ouvir o nome de Crispiniano."
  3. 3. Agradecimentos HÁ MUITOS A QUEM AGRADECER, POIS NENHUMA PESQUISA CIENTÍFICA É SOLITÁRIA. Ao longo do caminho, fui orientado, inspirado e apoiado por todas as pessoas que confiaram em mim. Em particular, agradeço profundamente a minha esposa, Martha Mosko D'Adamo, por seu amor e sua amizade; a meus pais, Sr. james D'Adamo, naturopata, e Christiana, por me ensinarem a confiar em minha intui- ção; e a meu irmão, James D'Adamo Jr., por acreditar em mim. Não tenho palavras para expressar também minha gratidão a: Joseph Pizzorno, naturopata, por me estimular a confiar na ciência da medici- na natural. Catherine Whitney, minha redatora, que deu aos originais um estilo e uma organização característicos de um hábil escritor. Gail Winston, o editor que há muito tempo, inesperadamente, telefonou para mim e me perguntou se eu não queria escrever um livro sobre medicina natural. Minha agente literária, Janis Vaílely, que percebeu que meu trabalho era pro- missor e não permitiu que ele se perdesse em algum arquivo empoeirado. Amy Hertz, meu editor na Riverhead/Putnam, cuja visão transformou o ma- nuscrito no valioso e importante documento em que acredito ser este livro agora. Também sou grato a: Dorothy Mosko, por sua inestimável ajuda na preparação do primeiro manuscrito.
  4. 4. Scott Carlson, meu ex-assistente, que nunca esqueceu uma filmadora UPS. Carolyn Knight, enfermeira, minha mão direita, especialista em pegar veias. Jane Dystel, agente literária de Catherine, cujos conselhos foram sempre opor- tunos. Paul Krafin, que contribuiu com sua notável capacidade de escrever e editar no processo de revisão. Dina Khader, nutricionista, que ajudou a fazer as receitas e o planejamento das refeições. John Schuler, que desenhou as ilustrações. Gostaria de agradecer também à pesquisa dos residentes da Bastyr University, que selecionaram com perícia a extensa literatura médica relativa a tipo sangüíneo, ajudando a tornar este livro um relato tão completo quanto possível sobre o assunto. Por último, agradeço a todos os extraordinários pacientes, que, em sua busca de saúde e felicidade, honraram-me com sua confiança.
  5. 5. Sumário INTRODUÇÃO: O Trabalho de Duas Vidas 11 P A R T E I Sua Identidade Sangüínea /7 UM: Tipo Sangüíneo:^ Verdadeira Revolução Evolutiva 19 DOIS: Código Sangüíneo: 0 Mapa do Tipo de Sangue 30 TRÊS: O Tipo Sangüíneo: Um Mapa Rodoviário 44 P A R T E II Seu Plano de Tipo Sangüíneo 57 QUATRO: Plano do Tipo Sangüíneo O 59 CINCO: Plano do Tipo Sangüíneo A 93 SEIS: Plano do Tipo Sangüíneo B 130 SETE: Plano do Tipo Sangüíneo AB 162
  6. 6. P A R T E I I I A Saúde do Seu Tipo Sangüíneo 195 OITO: Estratégias Médicas: A Conexão com o Tipo Sangüíneo 191 NOVE: Tipo Sangüíneo: Um Poder contra a Doença 210 DEZ: Tipo Sangüíneo e Câncer: A Luta para se Curar 251 CONCLUSÃO: Um Sulco na Terra 216 POSFÁCIO: Uma Revolução Médica Definitiva 219 APÊNDICE A: Tabelas de Tipos de Sangue 283 APÊNDICE B: Dúvidas Comuns 288 APÊNDICE C: Glossário 300 APÊNDICE D: Notas sobre a Antropologia do Tipo Sangüíneo 304 APÊNDICE E: Subgrupos do Tipo Sangüíneo 311 APÊNDICE F: Referências: Como Obter Ajuda 315 APÊNDICE G: Bibliografia 318 APÊNDICE H: Pesquisa: Participe da Revolução do Tipo Sangüíneo 325
  7. 7. INTRODUÇÃO O Trabalho de Duas Vidas Creio que não há duas pessoas semelhantes na face da terra; não há duas pessoas que tenham as mesmas impressões digitais, labiais ou vocais. Não há duas folhas de árvore ou flocos de neve iguais. Como observo que os indivíduos diferem entre si, não acho lógico que comam os mesmos alimentos. Está claro para mim que, se cada qual habita um corpo único com suas forças, fraquezas e exigências nutricionais específicas, a única maneira de manter a saúde ou curar a doença é se adaptar às necessidades individuais de cada paciente. James D'Adamo, meu pai OTIPO SANGÜÍNEO É A CHAVE QUE ABRE A PORTA PARA OS MISTÉRIOS DA SAÚDE, doen- ça, longevidade, vigor físico e força emocional. E ele que determina a suscetibilidade à doença, o tipo de alimentos que se deve comer e quais os exercí- cios que são apropriados. Ele é um fator que influi em nosso nível de energia, na eficiência com que "queimamos" calorias, em nossa reação emocional ao estresse e talvez mesmo em nossa personalidade. A relação entre tipo sangüíneo e dieta pode parecer radical, mas não é. Sabe- mos há muito tempo que há um elo perdido em nossa compreensão do processo que leva tanto ao caminho do bem-estar quanto ao desvio da doença. Tem de haver uma razão para que haja tantos paradoxos nas pesquisas dietéticas e na per- sistência da doença. Tem de haver também uma explicação para o fato de alguns conseguirem perder peso com determinadas dietas e outros não; para o fato de uns conservarem a vitalidade até a idade avançada, enquanto outros sofrem uma deterioração física e mental. A análise do tipo sangüíneo nos tem fornecido um meio de explicar esses paradoxos. E quanto mais exploramos essa conexão, mais verdadeira ela se torna. Os tipos sangüíneos são fundamentais para a própria criação. Na magistral ló- gica da natureza, os tipos sangüíneos seguem uma trilha contínua desde os pri-
  8. 8. 1 2 A Dieta do Tipo Sangüíneo meiros momentos da criação humana até os dias atuais. Eles são a assinatura de nossos antigos ancestrais no indestrutível pergaminho da história. Começamos a descobrir atualmente uma maneira de usar o tipo de sangue como uma impressão digital celular que desvenda muitos dos principais mistérios que cercam nossa luta para ter uma boa saúde. Esta obra é uma extensão das recentes e revolucionárias pesquisas sobre o DNA humano. Nosso conhecimento sobre o tipo sangüíneo leva a genética a dar um passo à frente por estabelecer inequivocamente que cada ser humano é absolutamente único. Não há modo de vida ou dieta certos ou errados; o que há são escolhas certas ou erradas baseadas em nosso código genético individual. Como encontrei o elo perdido do tipo sangüíneo Meu trabalho no campo da análise do tipo de sangue é o coroamento de uma busca da vida toda - não somente minha, mas de meu pai também. Pertenço à segunda geração de médicos naturopatas. O Dr. James D'Adamo, meu pai, espe- cializou-se em naturopatia (um curso de pós-graduação de quatro anos) em 1957 e depois estudou na Europa em vários dos grandes spas. Ele observou que embora muitos pacientes se sentissem bem com dietas rigorosamente vegetarianas e po- bres em gorduras, que são a marca registrada da "cozinha de spa", certo número de pacientes não parecia ter proveito e alguns obtinham uma melhora medíocre ou até mesmo pioravam. Homem sensível, com grande poder de dedução e percep- ção, meu pai concluiu que deveria haver algum meio de determinar as diferentes necessidades dietéticas de seus pacientes. Como o sangue é a fonte fundamental de nutrição do corpo, ele pensou que talvez algum aspecto do sangue pudesse indicar essas diferenças. Pôs-se então a testar essa hipótese, analisando o tipo de sangue de seus pacientes e observando as reações individuais quando lhes eram receitadas diversas dietas. Ao longo dos anos e com inúmeros pacientes, um padrão começou a surgir. Ele notou que pacientes de tipo sangüíneo A pareciam não reagir muito bem a dietas ricas em proteínas que incluíam generosas porções de carne, mas se davam muito bem com proteínas vegetais como soja e tofu. Laticínios tendiam a produzir secre- ções abundantes nos condutos respiratórios e dos seios faciais em pessoas do Tipo A. Quando são levados a aumentar seus níveis de atividades e exercícios físicos, os indivíduos de Tipo A geralmente se sentem fatigados e indispostos; quando reali- zam exercícios mais leves, como os de ioga, sentem-se alertas e energizados. Por outro lado, pacientes de Tipo O dão-se muito bem com dietas ricas em proteínas e se sentem revigorados com intensas atividades físicas, tais como corri- das e exercícios aeróbicos. Quanto mais meu pai testou os diferentes tipos de
  9. 9. 1 2 A Dieta do Tipo Sangüíneo Esse era o elo que eu estava procurando. Havia uma base científica indubitável para as observações de meu pai. E assim começou minha contínua relação afetiva com a ciência e a antropologia dos tipos de sangue. Com o tempo, descobri que o trabalho inicial de meu pai sobre a correlação entre tipo sangüíneo, dieta e saúde era muito mais importante do que ele jamais imaginara. Quatro chaves simples para desvendar os mistérios da vida Nasci numa família em que predomina o sangue de Tipo A e, por causa do trabalho de meu pai, nossa dieta é basicamente vegetariana, que consiste em ali- mentos como tofu, vegetais cozidos a vapor e saladas. Quando criança muitas ve- zes fiquei embaraçado e me senti um pouco excluído porque nenhum de meus amigos comia alimentos diferentes como tofu. Ao contrário, eles eram felizes par- tidários de um outro tipo de "revolução dietética" que empolgava a década de 1950; sua dieta consistia em hambúrguer, cachorro-quente, gordurosas batatas fri- tas, doces, sorvetes e litros de refrigerantes. Hoje ainda me alimento do modo como o fazia quando criança, e gosto disso. Todo dia como alimentos de que meu sangue Tipo A necessita e isso é imensa- mente satisfatório. Neste livro, vou informá-lo sobre a fundamental relação entre seu tipo sangüíneo e as dietas e o modo de vida que irão ajudá-lo a viver em melhores condições. A essência da conexão com o tipo de sangue repousa nos seguintes fatos: • Seu tipo de sangue - O, A, B e AB - é uma forte impressão digital genética que identifica você tão bem quanto o DNA. • Quando você usa as características individuais de seu tipo de sangue como um guia para a alimentação e o modo de viver, você tem mais saúde, mantém seu peso ideai e retarda o processo de envelhecimento. • Seu tipo sangüíneo é um padrão mais confiável de sua identidade do que raça, cultura ou geografia. Ele é um mapa genético de quem você é, um guia para você viver com mais saúde. • A chave para o significado do tipo sangüíneo pode ser encontrada na história da evolução humana: o Tipo O é o mais antigo; o Tipo A evoluiu com a socie- dade agrária; o Tipo B surgiu quando os seres humanos migraram para o norte, penetrando em territórios mais frios e sombrios; e o Tipo AB foi uma adapta- ção totalmente moderna, um resultado da miscigenação de grupos diferentes. Essa evolução relaciona-se diretamente com as necessidades nutricionais de cada tipo de sangue atual.
  10. 10. Introdução 15 O que é esse notável fator, o tipo sangüíneo? O tipo sangüíneo é uma das diversas variações reconhecidas pela medicina, tais como a cor do cabelo e dos olhos. Muitas dessas variações, como os padrões de impressão digital e a mais recente análise do DNA, são amplamente utilizadas por criminalistas e pesquisadores da medicina legal, assim como pelos que procuram as causas e curas das doenças. O tipo de sangue é tão importante como outras variações; em muitos casos, é um padrão mais útil. A análise do tipo sangüíneo é um sistema lógico. A informação é simples para aprender e fácil de seguir. Ensinei o sistema para numerosos doutores, os quais me disseram que obtiveram bons resultados com pacientes que seguiram suas diretrizes. Agora vou ensinar isso para você. Aprendendo os princípios da análise do tipo sangüíneo, você pode organizar a dieta ideai para você e os membros de sua família. Você pode identificar os ali- mentos que lhe fazem mal, contribuem para aumentar seu peso e provocam doen- ças crônicas. Cedo compreendi que a análise do tipo de sangue oferece um poderoso meio para interpretar as variações individuais em relação à saúde e à doença. Dada a quantidade de dados de pesquisa disponíveis, é surpreendente que os efeitos do tipo de sangue em nossa saúde não tenham recebido a atenção que merecem. Mas agora estou preparado para pôr essa informação à disposição - não somente de meus colegas e cientistas da comunidade médica, mas de você. A primeira vista, o estudo do tipo de sangue pode parecer complicado, mas lhe asseguro que é tão simples e básico como a própria vida. Vou falar-lhe sobre a antiga trilha da evolução dos tipos de sangue (tão fascinante quanto a história da humanidade) e desmitifícar o conhecimento do tipo sangüíneo para fornecer-lhe um plano simples que você possa seguir. Sei que essa é decerto uma idéia totalmente nova. Poucas pessoas já pensaram sobre as implicações de seu tipo sangüíneo, embora ele seja uma poderosa força genética. Você pode relutar em penetrar em território tão desconhecido, mesmo que os argumentos científicos sejam convincentes. Peço-lhe que faça apenas três coisas: fale com seu médico antes de começar, procure saber seu tipo de sangue se ainda não sabe e tente seguir a dieta do tipo de sangue durante, pelo menos, duas semanas. A maioria de meus pacientes sentiu alguns efeitos nesse período - maior energia, perda de peso, diminuição de complicações digestivas e melhoria de pro- blemas crônicos como asma, dor de cabeça e azia. Dê à sua dieta uma oportunidade de lhe trazer os benefícios que já tenho visto em mais de quatro mil pessoas a quem apliquei esse regime. Veja por você mesmo que o sangue não apenas fornece a seu corpo a nutrição mais vital, ele é também um veículo de seu futuro bem-estar.
  11. 11. UM Tipo Sangüíneo A Verdadeira Revolução Evolutiva OSANGUE É A PRÓPRIA VIDA. ELE É A FORÇA PRIMITIVA QUE ALIMENTA O p o d e r e O mistério do nascimento, os horrores da doença, da guerra e da morte violen- ta. Civilizações inteiras foram erguidas sobre os laços de sangue. Tribos, clãs e monarquias dependem deles. Não podemos existir sem o sangue - literal e meta- foricamente. O sangue é mágico. O sangue é místico. O sangue é alquímico, Ele se apresen- ta ao longo da história humana como um profundo símbolo cultural e religioso. Antigos povos misturavam e o bebiam para demonstrar unidade e Fidelidade. Des- de os tempos primitivos, caçadores realizavam rituais para apaziguar os espíritos dos animais que eles matavam oferecendo o sangue do animal e lambuzando seus rostos e corpos com ele. O sangue do cordeiro foi usado como uma marca para proteger os judeus escravizados no Egito, de modo que o Anjo da Morte passasse sem atingi-los. Diz-se que Moisés transformou as águas do Egito em sangue para exigir que seu povo fosse libertado. O simbólico sangue de Jesus Cristo tem sido, por mais de dois mil anos, fundamental para o mais sagrado rito da Cristandade. O sangue evoca tão rico e sagrado simbolismo porque ele é na verdade extraor- dinário. Não somente supre os complexos sistemas de distribuição e defesa que são essenciais para nossa existência, mas fornece uma chave para a humanidade- um espelho através do qual podemos seguir os apagados rastros de nossa jornada. Nos últimos quarenta anos aprendemos a usar marcadores biológicos tais como o tipo sangüíneo para mapear os deslocamentos e agrupamentos de nossos ances-
  12. 12. 1 2 A Dieta do Tipo Sangüíneo trais. Descobrindo como aqueles primitivos povos se adaptaram aos desafios impos- tos pelas constantes mudanças de clima, micróbios e dietas, estamos conhecendo a nós mesmos. A mudança de clima e a alimentação disponível produziu novos tipos de sangue. O tipo sangüíneo é o fio contínuo que nos liga uns aos outros. Finalmente, as diferenças dos tipos de sangue refletem a capacidade humana de se aclimatar aos diversos desafios ambientais. Para a maioria, esses desafios atingiram os sistemas digestivo e imunológico: um pedaço de carne estragada pode matá-lo; um corte ou arranhão pode transformar-se numa infecção mortal. Contu- do, a raça humana sobreviveu. E a história dessa sobrevivência está intrincadamente ligada a nossos sistemas digestivo e imunológico. E nessas duas áreas que se baseia a maior parte das distinções entre os tipos de sangue. A história da humanidade A história do homem é a história da sobrevivência. Mais especificamente, é a história dos lugares onde os seres humanos viveram e do que eles comeram lá. Ela gira em torno de alimentação - de procurar comida e deslocar-se para encontrá-la. Não sabemos ao certo quando a evolução humana começou. Os neandertalenses, os primeiros humanóides que pudemos identificar, parecem ter vivido há 500.000 anos. Talvez há mais tempo. Sabemos que a pré-história humana começou na África, onde evoluímos de criaturas humanóides. Ávida dos primitivos era curta, difícil e selvagem. Morria- se de milhares de causas diferentes - infecções oportunistas, parasitas, ataques de animais, ossos fraturados, parto — e morria-se jovem. Os primeiros seres humanos devem ter passado por muitas experiências an- gustiantes para sobreviver nesse ambiente selvagem. Seus dentes eram pequenos e pouco afiados - pouco adequados para atacar. Ao contrário da maioria de seus competidores na cadeia alimentar, não eram especialmente bem-dotados quanto à velocidade, força ou agilidade. Inicialmente, a principal qualidade que os huma- nos possuíam era uma esperteza inata, que mais tarde evoluiu para o pensamento racional. E provável que os neandertalenses ingerissem uma dieta de preferência crua à base de plantas silvestres, insetos e restos de animais mortos por seus predadores. Eles eram mais presas que predadores, sobretudo no que se refere a doenças in- fecciosas e parasitárias. (Muitos dos parasitas, vermes, fascíolas e microorganismos infecciosos encontrados na África não estimulam o sistema imunológico a produ- zir anticorpos específicos a eles, provavelmente devido ao fato de que os povos primitivos de Tipo O já possuíam proteção na forma de anticorpos que traziam desde o nascimento.)
  13. 13. 1 2 A Dieta do Tipo Sangüíneo 4 0 . 0 0 0 a.C. 3 0 . 0 0 0 a.C. 2 0 . 0 0 0 a.C. 40.000- 10.000- 3.500 a.C.- 5 0 0 a.C. 1 0 . 0 0 0 a.C. 3 . 5 0 0 a.C. 600 d.C. 9 0 0 A linha de tempo antropológica segundo o tipo sangüíneo. A começar dos tempos primitivos, o diagrama ressalta vários desenvolvimentos humanos em relação à introdução dos tipos sangüíneos. É interessante observar que as mudanças evolutivas no tipo de sangue apresentam uma estrutura temporal quase bíbli- ca. Quando todos tinham o Tipo O (o período de tempo mais longo) e viviam num espaço limitado, ingeriam o mesmo tipo de alimento e respiravam os mesmos organismos, nenhuma mudança de maior alcance foi necessária. Contudo, com o aumento da população e as migrações que se seguiram, a variação se acelerou. Os subseqüentes tipos sangüíneos A e B datam de não mais que 15.000 a 25.000 anos passados e o Tipo AB é bem mais recente. Por volta de 30.000 a.C., bandos de caçadores deslocavam-se cada vez para lugares mais distantes em busca de carne. Quando uma mudança no trajeto dos ventos ressecou o que tinha sido a fértil área de caça do Saara africano e as antes geladas regiões do norte tornaram-se mais quentes, eles começaram a migrar da África para a Europa e a Ásia. Esse movimento semeou o planeta com sua população básica, que era de Tipo O, o tipo sangüíneo predominante até hoje. Em torno de 20.000 a.C. os Cro-Magnons haviam percorrido toda a Europa e a Ásia, dizimando os vastos rebanhos de grandes cervos a tal ponto que foi preciso procurar outros alimentos. Na procura de qualquer coisa comestível em novas áreas, é provável que os carnívoros seres humanos rapidamente tenham-se torna- do onívoros, com a dieta mista de morangos, amoras, framboesas, larvas de insetos, frutas secas, raízes e pequenos animais. Populações floresceram também ao longo do litoral e de lagos e rios onde peixes e outros alimentos eram abundantes. Por volta de 10.000 a.C. os seres humanos ocupavam todos os continentes, com a ex- ceção da Austrália.
  14. 14. 1 2 A Dieta do Tipo Sangüíneo período Neolítico, ou Nova Idade da Pedra, que se seguiu à Antiga Idade da Pe- dra, ou período Paleolítico, dos caçadores Cro-Magnons. A agricultura e a domesticação dos animais foram os marcos de sua cultura. O cultivo de grãos e a criação de gado mudou tudo. Tendo condições de aban- donar pela primeira vez sua existência voltada unicamente para a luta pela sobre- vivência, os seres humanos fundaram comunidades estáveis e estruturas de vida permanentes. Esse estilo de vida radicalmente diferente, com importantes mu- danças na dieta e no ambiente, resultou numa inteiramente nova mutação no aparelho digestivo e no sistema imunológico das populações neolíticas - uma mutação que lhes permitiu tolerar melhor e absorver grãos cultivados e outros produtos agrícolas. O Tipo A nasceu. O estabelecimento em comunidades agrícolas permanentes trouxe novos de- safios para o desenvolvimento. As habilidades necessárias para caçar em grupo agora davam lugar a um diferente tipo de sociedade cooperativa. Pela primeira vez, determinada habilidade para fazer algo dependia das habili- dades de outros para fazer outras coisas. Por exemplo, o moleiro dependia do agri- cultor que trazia sua colheita; o agricultor dependia do moleiro que moía seu grão. Não se pensava mais em alimento apenas como uma fonte imediata de nutrição ou coisa semelhante. Os campos precisavam ser semeados e cultivados na expectati- va de futura recompensa. O planejamento e a troca de informações tornou-se a ordem do dia. Psicologicamente, essas são características em que os do Tipo Ase destacam - talvez uma adaptação ambiental. O gene do Tipo A começou a se desenvolver no início das sociedades agrárias. A mutação genética que produzi u o Tipo A a partir do Tipo O ocorreu rapidamen- t e - tão rapidamente que a velocidade da mutação foi equivalente a quatro vezes a da Drosophila, a comum mosca-das-frutas e atual detentora do recorde! Qual teria sido a razão para esse extraordinário ritmo da mutação humana do Tipo O para o Tipo A? Foi a sobrevivência. A sobrevivência do mais preparado numa sociedade com superpopulação. Devido ao fato de ser mais resistente às infecções comuns em áreas densamente povoadas, o Tipo A predominou rapida- mente nas sociedades urbanas, industrializadas. Até hoje, sobreviventes de pra- gas, cólera e varíola apresentam uma predominância do Tipo A sobre o Tipo O. Eventualmente, o gene do Tipo A espalhou-se pela Ásia e o Oriente Médio até a Europa ocidental, conduzido pelos indo-europeus, que penetraram profun- damente nas regiões de populações pré-neolíticas. As hordas indo-européias sur- giram originalmente no centro-sul da Rússia e entre 3.500 e 2.000 a.C. avançaram na direção sul até o extremo sudoeste da Ásia, dando origem às populações do Irã e do Afeganistão. Sempre se multiplicando, seguiram na direção oeste, penetran- do na Europa. A invasão indo-européia provocou realmente a primeira Revolução
  15. 15. 1 2 A Dieta do Tipo Sangüíneo zaram técnicas sofisticadas de irrigação e de cultivo que apresentaram uma im- pressionante mistura de criatividade, inteligência e engenho. O cisma entre as tribos guerreiras do norte e os pacíficos agricultores do sul foi profundo e seus vestígios existem ainda hoje na cozinha do sul da Ásia, que quase não usa laticínios. Para a mente asiática, os laticínios são comida de bárbaros, o que é uma pena, pois a dieta que eles adotaram não é muito apropriada para os de sangue Tipo B. De todos os tipos sangüíneos, o B apresenta a mais definida distribuição geo- gráfica. Estendendo-se como um grande cinturão através das planícies eurasianas e até o subcontinente indiano, o Tipo B é encontrado em números crescentes desde o Japão, Mongólia, China e índia até os montes Urais. Daí em direção ao oeste, as porcentagens caem até atingir o mínimo no extremo oeste da Europa. O pequeno número de Tipo B entre antigos europeus ocidentais representa a migração para o Ocidente de populações nômades asiáticas. Isso é melhor obser- vado entre habitantes da parte mais oriental da Europa ocidental, os alemães e os austríacos, que apresentam uma surpreendente incidência de sangue Tipo B em comparação com seus vizinhos do oeste. A maior ocorrência de sangue B entre os Origens e deslocamentos dos tipos A eB. A partir de suas origens na Ásia e no Oriente Médio o gene do Tipo A foi levado pelos indo-europeus para o oeste e o norte da Europa. Outras migrações conduziram o Tipo A para o norte da África, onde se espalhou pelo Saara. A partir de suas origens nas montanhas do Himalaia, o tipo de sangue B foi levado pelos mongóis para o sudeste da Ásia e para as planícies e estepes asiáticas. Uma migração separada de povos de Tipo B penetrou no leste europeu. Por essa época o nível do mar tinha subido, removendo a faixa de terra que unia a América do Norte e a Ásia. Isso impediu qualquer penetração do Tipo B na América do Norte, onde as populações primitivas continuam a ser exclusivamente de Tipo 0.
  16. 16. 1 2 A Dieta do Tipo Sangüíneo O Tipo AB apresenta uma identidade sangüínea multifacetada e às vezes dú- bia. Ele foi o primeiro tipo de sangue a adotar um amálgama de características imunológicas, algumas das quais o tornam mais forte, e outras são conflituosas. Talvez o sangue Tipo AB seja a perfeita metáfora da vida moderna: complexo e instável. A base híbrida O tipo de sangue, a geografia e a raça se entrelaçam para formar nossa identi- dade humana. Podemos ter diferenças culturais, mas quando examinamos o tipo de sangue, vemos como são superficiais. Nosso tipo sangüíneo é tão antigo quanto nossa raça e mais fundamental do que nossa etnia. Os tipos de sangue não são uma ocorrência ocasional da atividade genética. Cada novo tipo de sangue foi uma res- posta evolutiva para uma série de reações cataclísmicas em cadeia, estendendo-se ao longo de séculos de mudanças e cataclismas ambientais. Embora as primeiras mudanças raciais pareçam ter ocorrido num mundo povoa- do quase exclusivamente por pessoas do Tipo O, as diversificações raciais - com- binadas com adaptações dietéticas, ambientais e geográficas - fizeram parte da engenhosidade evolutiva que finalmente produziu os tipos sangüíneos. Alguns antropólogos acreditam que classificar os seres humanos em raças leva a uma supersimplificação. O tipo de sangue é de longe mais importante para de- terminar a individualidade e a similaridade do que a raça. Por exemplo, um africa- no e um caucasiano de Tipo A podem trocar sangue e órgãos e têm as mesmas aptidões, funções digestivas e estruturas imunológicas - características que não podem compartilhar com um membro de sua própria raça que seja do Tipo B. As distinções raciais baseadas na cor da pele, costumes étnicos, lugar de nasci- mento ou raízes culturais não são válidas para distinguir as pessoas. Os membros da raça humana têm muito mais coisas em comum uns com os outros do que ja- mais suspeitamos. Somos todos potencialmente irmãos. No sangue. Atualmente, quando reexaminamos essa notável revolução evolutiva, fica cla- ro que nossos ancestrais tinham esquema biológico próprio que se adequava a seus ambientes. Essa é a lição que colhemos de nossos estudos sobre os tipos de san- gue, pois as características genéticas de nossos ancestrais permanecem em nosso sangue atual. • Tipo O: o mais antigo e mais básico tipo de sangue, sobrevivente do topo da cadeia alimentar, com um forte e agressivo sistema imunológico, capaz de des- truir qualquer um, amigo ou inimigo.
  17. 17. IIM: Tipo Sangüíneo 2 9 • Tipo A: os primeiros imigrantes, forçados pela necessidade de se deslocar e adaptar-se a dietas e modos de vida mais agrários, com uma personalidade mais cooperativa para sobreviver em comunidades superpopulosas. • Tipo B: o assimilador, que se adaptou a novos climas e à miscigenação de po- pulações; representa a demanda da natureza por uma força mais equilibrada entre as tensões da mente e as necessidades do sistema imunológico. • Tipo AB: o delicado produto de uma rara mistura entre o tolerante Tipo A e o anteriormente bárbaro porém mais equilibrado Tipo B. Nossos ancestrais deixaram a cada um de nós um legado especial, impresso em nosso tipo sangüíneo, Essa herança existe permanentemente nos núcleos de cada célula. E aí que a antropologia e a ciência de nosso sangue se encontram.
  18. 18. DOIS Código Sangüíneo O M a p a do T i p o de Sangue OSANGUE É UMA FORÇA DA NATUREZA, O ÉLAN VITAL QUE NOS SUSTENTA desde tem- pos imemoriais. Uma só gota de sangue, tão pequena que é invisível a olho nu, contém o código genético completo de um ser humano. O mapa do DNAestá intacto e se reproduz dentro de nós indefinidamente - por meio de nosso sangue. Nosso sangue também contém milhares de anos de memória genética - peda- ços de programação específica, transferidos desde nossos ancestrais, em códigos que ainda estamos tentando decifrar. Um desses códigos está contido em nosso tipo de sangue. Talvez esse seja o mais importante código que podemos decifrar em nossa tentativa de desvendar os mistérios do sangue e seu papel vital em nossa existência. A olho nu, o sangue é um líquido vermelho homogêneo. Contudo, ao micros- cópio, apresenta-se composto de muitos elementos diferentes. As abundantes células sangüíneas vermelhas contêm um tipo especial de ferro que é usado para conduzir oxigênio através de nosso corpo e dar a cor característica ao sangue. As células sangüíneas brancas, bem menos numerosas do que as vermelhas, percor- rem nossa corrente sangüínea como tropas sempre alertas, para proteger-nos con- tra infecções. Esse fluido complexo e vital também contém proteínas que liberam nutrien- tes para os tecidos, plaquetas que contribuem para sua coagulação e plasma que contém os guardiães de nosso sistema imunológico.
  19. 19. 1 2 A Dieta do Tipo Sangüíneo elemento suspeito (por exemplo, um antígeno estranho de uma bactéria) uma das primeiras coisas a que ele recorre é o antígeno do tipo de sangue para saber se o intruso é amigo ou inimigo. Cada tipo sangüíneo possui um antígeno diferente com sua estrutura química especial. Seu tipo de sangue é determinado pelo antígeno de tipo sangüíneo que você possui nas células vermelhas de seu sangue. VOCE POSSUI ESTE(S) ANTIGENO(S) SE VOCE TEM EIVI SUAS CÉLULAS SANGUE TIPO A SANGUE TIPO B B SANGUE TIPO AB AB SANGUE TIPO 0 NENHUM ANTÍGENO • Visualize a estrutura química dos tipos de sangue como antenas de vários ti- pos, que se projetam da superfície de nossas células para o espaço profundo. Essas antenas são constituídas de longas cadeias de um açúcar chamado fucose, que formam o mais simples dos tipos sangüíneos, o Tipo O. Os primeiros descobrido- res do tipo sangüíneo o chamaram de "O" para nos levar a associá-lo com a palavra "zero" ou "ausência de antígeno". Essa antena também serve como base para os outros tipos A, B e AB. * O sangue Tipo A é constituído do antígeno O, ou fucose, e mais um outro açúcar denominado N-acetil-galactosamina. Assim, fucose mais N-acetil- galactosamina é igual a sangue Tipo A. * O sangue Tipo B também se baseia no antígeno O ou fucose, com o acréscimo de um outro açúcar, chamado D-galactosamina. Assim, fucose mais D- galactosamina é igual a sangue Tipo B. * O sangue Tipo AB baseia-se no antígeno O, fucose, e mais dois açúcares, N- acetil-galactosamina e D-galactosamina. Portanto, fucose mais N-acetil- galactosamina e D-galactosamina é igual a sangue Tipo AB. A essa altura você deve estar querendo saber algo sobre outros identificadores, tais como os fatores positivo e negativo, ou secretor/não-secretor. Normalmente, quando uma pessoa informa qual é seu tipo sangüíneo ela diz "sou A positivo" ou
  20. 20. 3 4 12A Dieta do Tipo Sangüíneo minado antígeno estranho. Uma contínua bataíha se trava entre o sistema imunológico e invasores que tentam modificar ou provocar mutações em seus antígenos de modo que assumam uma nova forma que o corpo não reconheça. O sistema imunológico reage a essa ameaça com um sempre crescente estoque de anticorpos. Quando um anticorpo encontra o antígeno de um micróbio intruso, uma rea- ção chamada de aglutinação ocorre. O anticorpo ataca o antígeno virótico e o torna bem pegajoso. Quando as células, os vírus, os parasitas e as bactérias se aglutinam, elas colam umas às outras e formam um grumo, o que torna mais fácil o trabalho de expulsá-los. Como os micróbios confiam em seu astucioso poder de evasão, esse é um mecanismo de defesa muito poderoso. É como algemar os criminosos uns aos outros; eles se tornam bem menos perigosos do que quando podem se movimen- tar livremente. Varrendo o sistema de células estranhas, vírus, parasitas e bacté- rias, os anticorpos reúnem os indesejáveis para facilitara identificação e expulsão. O sistema de antígenos e anticorpos do tipo sangüíneo tem outras ramifica- ções além da detecção de micróbios e outros invasores. Há cerca de cem anos, o Dr. Karl Landsteiner, um brilhante médico e cientista austríaco, também desco- briu que os tipos de sangue produzem anticorpos para outros tipos de sangue. Sua revolucionária descoberta explicou por que podemos doar sangue para algumas pessoas e para outras não. Até a época do Dr. Landsteiner, as transfusões de san- gue dependiam do acaso. Algumas vezes davam certo e outras não, e ninguém sabia por quê. Graças ao Dr. Landsteiner, agora sabemos que os tipos de sangue são reconhecidos como amigos por outros tipos de sangue, ou como inimigos. O Dr. Landsteiner descobriu que: • O sangue Tipo A conduz anticorpos anti-B. O Tipo B é rejeitado pelo Tipo A. • O sangue Tipo B conduz anticorpos anti-A. O Tipo A é rejeitado pelo Tipo B. Assim, as pessoas de Tipo A e de Tipo B não podem doar sangue umas às outras. • O sangue Tipo AB não possui anticorpos. Receptor universal, ele aceita qual- quer outro tipo de sangue! Mas porque possui antígenos Ae B é rejeitado por todos os outros tipos de sangue. Assim, o Tipo AB recebe sangue de qualquer um, mas não pode doar sangue a ninguém, a não ser que seja também um Tipo AB, naturalmente. • O Tipo O possui anticorpos anti-A e anti-B. Os tipos A, B e AB são rejeitados. Assim, o Tipo O não pode receber sangue de nenhum outro tipo que não seja
  21. 21. 3 6 12A Dieta do Tipo Sangüíneo Sabemos disso devido a um fator chamado Íectina. As lectinas, abundantes e variadas proteínas encontradas nos alimentos, têm propriedades de aglutinação que afetam seu sangue. As lectinas são um poderoso meio de que dispõem os organismos da natureza para se unirem a outros organismos. Grandes quantidades de germes, e mesmo nosso próprio sistema imunológico, usam essa supercola em seu benefício. Por exemplo, as células dos duetos biliares de nosso fígado têm lectinas em suas superfícies para ajudá-las a capturar bactérias e parasitas. Bacté- rias e outros micróbios têm lectinas em suas superfícies também, que funcionam como ventosas, para que possam se fixar às escorregadias mucosas que revestem o corpo. Muitas vezes as lectinas utilizadas por vírus ou bactérias são próprias para um tipo de sangue, tornando-se uma persistente peste para pessoas com esse tipo sangüíneo. O mesmo acontece, também, com as lectinas dos alimentos. Em termos sim- ples, quando você come um alimento que contém lectinas protéicas incompatí- veis com o antígeno de seu tipo de sangue, as lectinas atingem um órgão ou siste- ma corporal (rins, fígado, cérebro, estômago etc.) e começam a aglutinar células sangüíneas nessa área. Muitas lectinas dos alimentos têm características que são bastante semelhan- tes ao antígeno de um certo tipo de sangue para torná-lo um "inimigo" de outro. Por exemplo, o leite tem qualidades semelhantes ao Tipo B; se uma pessoa com Tipo A o toma, seu sistema imediatamente inicia o processo de aglutinação para rejeitá-lo. Eis um exemplo de como uma íectina aglutina no corpo. Digamos que uma pessoa de Tipo A come um prato de feijão. O feijão é digerido no estômago por meio de um processo de hidrólise ácida. Contudo, a proteína lectínica resiste à hidrólise ácida. Não é digerida, permanece intacta e pode interagir diretamente com a membrana que reveste o estômago ou os intestinos, ou ser absorvida pela corrente sangüínea juntamente com os nutrientes digeridos do feijão. Lectinas diferentes atingem diferentes órgãos e sistemas do corpo. Uma vez que se estabelece em algum local do corpo, a proteína lectínica intacta produz um efeito magnético nas células dessa área. Ela aglutina essas células, que passam a ser alvo de destruição, como se também fossem invasores estranhos. Essa aglutinação pode causar síndrome de irritação intestinal ou cirrose hepática, ou bloquear o fluxo do sangue nos rins - para citar apenas alguns dos efeitos. Lectinas: Uma cola perigosa Em 1978, numa rua de Londres, ocorreu a estranha morte de Gyorgi Markov, assassinado por um agente do KGB soviético enquanto esperava um ônibus. Ini-
  22. 22. 1 2 A Dieta do Tipo Sangüíneo cortadas em fatias finas {bissel) e põe para fritar. Enquanto frita, a gordura derrete e se transforma num excelente e puro óleo de frango. Damos esse óleo para as crianças num pedaço de pão challah fresco com um pouco de sal. E tão gostoso que você morre de comer! Sim, sim, você poderia morrer mesmo, pensei sombriamente. - Então - continuou a filha do rabino - você pega algunsgribbenes (espécie de torresmo do frango), que é o que sobra quando se derrete a gordura. Eles são ótimos, escuros e tostados com as cebolas carameladas, para comer com o kasha. E mais gostoso do que batata frita. O rabino adora! A gordura de frango derretida é misturada ao kasha e ao macarrão. É uma delícia! Soube que esses são pratos hassídicos muito comuns e constituem a refeição típica do Sabbath. Mas não era apenas uma refeição ritual, uma vez por semana, para o rabino. Homem piedoso que passava a maior parte de seu tempo rezando, o rabino se preocupava muito pouco com o que comia e simplesmente repetia a mesma refeição duas vezes por dia, dia após dia. Embora fizesse parte de uma tradição centenária, a dieta do rabino não era uma boa escolha para pessoas de sangue Tipo B. As lectinas de alimentos como frango, trigo-sarraceno, feijão e milho (sem falar nosgribbenes!) estavam provocan- do a aglutinação de seu sangue e essa foi provavelmente a principal causa de sua crise. Essas lectinas em particular podem bloquear os efeitos da insulina, o que explica por que o diabetes do rabino Jacob tornou-se cada vez mais difícil de controlar. Sei que os judeus ortodoxos obedecem às leis do kashruth - kosher - antigos princípios dietéticos do Velho Testamento da Bíblia. De acordo com essas leis, certas comidas são proibidas e laticínios e carne nunca devem ser ingeridos na mesma refeição. De fato, há potes, panelas, pratos e talheres separados para laticí- nios e carnes nos lares kosher. E pias separadas para lavar esses utensílios, também. Assim, abordei o assunto da mudança de dieta cuidadosamente com as duas mulheres, não querendo romper o ritual religioso que significa tanto. Tive o cui- dado também de não sugerir alimentos considerados impuros por sua tradição. Felizmente, há substitutos disponíveis. Pedi à esposa do rabino Jacob para variar a dieta da família, restringindo os pratos típicos do rabino a uma refeição semanal no Sabbath. Para as outras refeições, pedi-lhe que preparasse cordeiro, peixe ou peru em vez de frango; arroz ou painço em vez de kasha e que variasse o tipo de feijão para fazer o cholent. Finalmente, prescrevi várias vitaminas e combi- nações de ervas para apressar sua recuperação. No decorrer daquele ano, o rabino conseguiu maravilhoso progresso. Dentro de oito semanas estava andando e fazendo exercícios moderados, que ajudaram muito a melhorar sua circulação. Ele apresentou notável vigor para um homem de
  23. 23. D O I S : Código Sangüíneo 4 3 sua idade e livrou-se dos efeitos de sua crise. Em seis meses estava mudando a terapia com insulina injetável para oral - um considerável avanço, uma vez que vinha tomando insulina injetável há anos. Não teve mais crises e seu diabetes finalmente ficou sob controle. O tratamento do rabino levou-me a considerar novamente como o conheci- mento sobre o tipo de sangue é antigo e fundamental. Ele mostrou também que a escolha de alimentos por razões religiosas ou culturais nem sempre é a mais saudá- vel para uma pessoa dessa cultura! Uma tradição com cinco ou seis mil anos de idade pode parecer digna de apreço pela antigüidade, mas muitas das característi- cas de nossos tipos sangüíneos são milhares de anos mais antigas. Quando você souber qual é sua dieta de tipo sangüíneo, aprenda uma lição com o rabino. Essas dietas não tentam impor-lhe um rígido modelo de regime, ou afastá-lo dos alimentos que são importantes para sua cultura. Ao contrário, elas são um meio para manter completamente sua identidade mais básica - para fazê-lo voltar às verdades essenciais que habitam em cada célula de seu corpo e ligá-lo a seus ancestrais.
  24. 24. T R Ê S O Tipo Sangüíneo U m M a p a Rodoviário SEU PLANO DE TIPO SANGÜÍNEO PERMITE-LHE AJUSTAR A INFORMAÇÃO SOBRE Saúde e nutrição a seu perfil biológico exato. Com essa nova informação você pode fazer opções sobre dieta, exercícios físicos e saúde em geral baseadas nas forças naturais dinâmicas dentro de seu próprio corpo. As próximas quatro seções deste livro fornecem dietas e programas de exercícios altamente especializados para cada um dos tipos sangüíneos. A essas seções segue-se, na Parte III, uma completa revolução das condições de saúde comuns, com os remédios e suscetibilidades próprios de seu tipo de sangue. Se seguir cuidadosamente seu plano de tipo sangüíneo, você pode: • Evitar muitas infecções e viroses comuns. • Perder peso, quando seu corpo se livrar de toxinas e gorduras. • Defender-se contra doenças mortais como câncer, doenças cardiovasculares, diabetes e cirrose hepática. • Evitar muitos outros fatores que causam a rápida deterioração celular retar- dando, assim, o processo de envelhecimento. O plano de tipo sangüíneo não é uma panacéia, mas um meio de restaurar as funções protetoras naturais de seu sistema imunológico, de acertar seu relógio metabólico e de limpar seu sangue de perigosas lectinas aglutinantes. Ele é lite- ralmente o melhor que você pode fazer para deter a rápida deterioração celular
  25. 25. 4 6 12A Dieta do Tipo Sangüíneo começaram a alterar mais ainda os alimentos e a afastá-los cada vez mais de seu estado natural. Por exemplo, o refino do arroz com as novas técnicas de moagem provocou na Ásia o flagelo da beribéri, uma doença causada pela deficiência de niacina, que acarretou milhares de mortes. Um exemplo mais atual foi a troca do leite materno pela alimentação artificial em mamadeira que ocorreu nos países em desenvolvimento do Terceiro Mundo. Essa mudança para uma fórmula altamente refinada e processada foi responsável por inúmeros casos de desnutrição e diarréia e uma diminuição dos fatores imunológicos naturais passados através do leite materno. Atualmente, é bem aceito que a nutrição - ou os alimentos que comemos - tem um impacto direto sobre o estado de nossa saúde e bem-estar geral. Mas informações confusas, e muitas vezes conflitantes, sobre nutrição criaram um vir- tual campo minado para os consumidores preocupados com a saúde. Como decidir sobre o que é melhor e qual é a dieta correta? A verdade é que a dieta certa não é uma opção nossa, assim como também não o é nossa cor de cabelo ou sexo. Ela já foi escolhida para nós há milhares de anos. Creio que muito da confusão é conseqüência de uma descuidada premissa de que "uma mesma dieta serve para todos". Embora tenhamos visto com nossos próprios olhos que certas pessoas reagem muito bem a determinadas dietas e ou- tras não, nunca nos empenhamos - científica ou nutricionalmente - em estudar as características particulares das populações ou indivíduos que possam explicar a variedade de respostas a determinada dieta. Temos estado tão ocupados em exa- minar as características dos alimentos que esquecemos de examinar as caracterís- ticas das pessoas. Sua dieta de tipo sangüíneo funciona porque você vai poder seguir um padrão dietético claro, lógico, cientificamente pesquisado e confirmado, baseado em seu perfil celular. Cada dieta de tipo sangüíneo inclui dezesseis grupos de alimentos: • Carnes e aves • Peixes e outros frutos do mar • Laticínios e ovos • Óleos • Frutas secas e sementes • Feijões e leguminosas • Cereais e farinhas • Hortaliças • Frutas • Sucos • Ervas, temperos e condimentos • Chás de ervas • Bebidas • Bolos, pães e massas Cada um desses grupos de alimentos está dividido em três categorias: ALTA- MENTE BENÉFICOS, NEUTROS e Nocivos. Pense nessas categorias do seguinte modo:
  26. 26. TRÊS: O Tipo Sangüíneo 4 7 • Altamente benéfico é um alimento que atua como um remédio. • Neutro é um alimento que atua como um alimento. • Nocivo é um alimento que atua como um veneno. Há uma ampla variedade de alimentos em cada dieta; portanto, não se preocu- pe com as restrições. Quando possível, prefira os altamente benéficos em vez dos neutros, mas sinta-se livre para apreciar os neutros que lhe agradam; eles não prejudicarão você do ponto de vista das lectinas e contêm nutrientes que são necessários para uma dieta balanceada. No alto de cada categoria alimentar, vê-se um quadro semelhante ao seguinte: Tipo de sangue 0 Semanalmente • Se seus ancestrais Alimento Porção Africanos Caucasianos Asiáticos Todos os frutos do mar 100-200g 1-4x 3-5x 4-6x As sugestões de porções de acordo com os ancestrais não devem ser levadas ao pé da letra. Minha intenção aqui é oferecer um meio de ajustar melhor ainda a dieta ao que sabemos sobre nossos ancestrais em particular. Embora pessoas de diferentes raças e culturas possam compartilhar um tipo de sangue, nem sempre apresentam a mesma freqüência de genes. Por exemplo, uma pessoa de Tipo A pode ser AA, ou seja, ter ambos os pais de Tipo A, ou AO, quando um dos pais é O. Em geral, as pessoas de ancestrais caucasianos tendem a ter genes AA; as pessoas de ancestrais africanos tendem a ter mais genes OO; e as pessoas de ancestrais asiáticos tendem a ter mais genes BB ou AA. Essa é uma das razões porque os descendentes de africanos têm intolerância à lactose, mesmo quando são do Tipo B (um tipo de sangue que se beneficia com dietas à base de laticínios).* Há também variações geográficas e culturais. Por exemplo, as pessoas com ancestrais asiáticos não foram tradicionalmente expostas a laticínios, de modo que os descendentes de asiáticos de Tipo B devem incorporar os laticínios mais lenta- mente em suas dietas para adaptar seu sistema a eles. Esses refinamentos também levam em conta as diferenças de peso e altura das diversas pessoas. Utilize esses refinamentos se achar que eles são úteis; ignore-os se concluir que não. De qualquer modo, tente formular seu próprio plano em relação ao tamanho das porções. * Notada Revisão Técnica: A cíassificação dos tipos de sangue pela genética acha-se no íivro A dieta que está no sangue, do Dr. Sérgio Teixeira, onde codas as receitas incluem a culinária brasileira adaptada a cada tipo de sangue.
  27. 27. 4 8 12A Dieta do Tipo Sangüíneo No final de cada dieta de tipo sangüíneo há três exemplos de cardápios e várias receitas para lhe dar uma idéia de como incorporar a dieta em sua vida. O fator de perda de peso Ter excesso de peso era um anátema para nossos ancestrais, cujos corpos eram máquinas que ingeriam e gastavam o combustível de que necessitavam. Atualmen- te, a obesidade tornou-se um dos maiores problemas de saúde nas sociedades indus- trializadas. Por essa razão, perder peso passou a ser uma obsessão e naturalmente muitos dos pacientes estão interessados na questão de perda de peso em relação à dieta do tipo sangüíneo. Sempre lhes digo que essa dieta não foi formulada especifica- mente para diminuir o peso; ela foi feita com a intenção de otimizar o desempenho do organismo. Dito isto, acrescento que a perda de peso é uma das conseqüências natu- rais da restauração do corpo. Como a dieta do tipo sangüíneo é ajustada à composição celular de seu corpo (ao contrário das dietas que são genéricas, recomendadas para qualquer tipo), determinados alimentos podem lhe causar perda ou aumento de peso, mesmo quando têm efeito diferente numa pessoa com outro tipo de sangue. Meus pacientes geralmente me perguntam sobre as dietas que estão na moda. As últimas são as ricas em proteínas, que entraram em declínio recentemente. Por recomendar uma grande restrição de carboidratos, essas dietas forçam a queima de gorduras para obter energia e a produção de cetonas, que indicam um alto nível de atividade metabólica. Não me surpreende que os pacientes que me dizem terem perdido peso com a dieta rica em proteína são geralmente de Tipo O e B. Não há muitas pessoas de Tipo A dando-se bem com essa dieta; seu sistema não é biologicamente ajustado para metabolizar carnes tão eficientemente quanto as de Tipo O e B. As de Tipo AB também não costumam perder peso com dietas ricas em proteína, pois essas dietas não são equilibradas em relação aos alimentos pró- prios do Tipo A de que as pessoas de Tipo AB necessitam. Por outro lado, os princípios da dieta macrobiótica, que recomenda o consumo de alimentos naturais como hortaliças, arroz, todos os cereais, frutas e soja são bem adequados aos de Tipo A, desde que comam os cereais e leguminosas indica- dos para seu tipo. Orientação básica: toda vez que você se deparar com uma nova dieta que diz ser adequada a qualquer tipo de pessoa, desconfie. Preste atenção a seu tipo sangüíneo. Valorize sua individualidade. Falemos então sobre o potencial de cada dieta de tipo sangüíneo em relação à perda de peso. Na verdade, o maior problema da maioria de meus pacientes é que eles perdem peso rápido demais e tenho de fazer ajustes em suas dietas para dimi- nuir o ritmo dessa perda. Perda de peso exagerada pode parecer o menor dos pro-
  28. 28. Essa é uma outra área em que há uma grande confusão e desinformação. Tomar drágeas de vitaminas, minerais, preparados exóticos e tinturas de ervas tornou-se popular nos dias de hoje. É difícil não se deixar seduzir pelo amplo espectro de remédios expostos nas prateleiras de nossas drogarias. Prometendo energia, perda de peso, alívio de dor, potência sexual, vigor, longevidade e poder mental — ao lado da cura para dores de cabeça, resfriados, nervosismo, dor de estômago, artrite, fadiga crônica, doenças do coração, câncer e todas as outras enfermidades conhecidas - essas sedutoras panacéias parecem ser a resposta que sempre procuramos. Mas como os alimentos, os suplementos nutricionais não atuam do mesmo modo em todas as pessoas. Cada suplemento de vitamina, mineral e erva desem- penha um papel específico em seu corpo. O remédio milagroso que seu amigo de Tipo B elogia pode ser inerte ou mesmo nocivo para seu organismo de Tipo A. Pode ser perigoso automedicar-se de suplementos vitamínicos e minerais - muitos dos quais agem como drogas em seu corpo. Por exemplo, mesmo que pos- sam ser adquiridas facilmente, as vitaminas A, D, K e B^ (niacina) não devem ser tomadas sem controle médico. Contudo, há muitas substâncias naturais nas plantas, chamadas fitoquímicos, que são mais eficientes e menos prejudiciais que vitaminas e minerais. Seu plano de tipo sangüíneo recomenda regimes fitoquímicos individualizados para cada tipo de sangue. Você talvez estranhe o termofitoquímicos. A ciência moderna descobriu que mui- tos fitoquímicos, antes denominados "ervas", são fontes de altas concentrações de compostos biologicamente ativos. Esses compostos estão amplamente dissemina- dos em outras plantas, mas em muito menores quantidades. Muitos fitoquímicos - que prefiro considerar como concentrados alimentícios - são antioxidantes e vários deles muitas vezes mais poderosos do que as vitaminas. E interessante observar que esses antioxidantes fitoquímicos apresentam um notável grau de preferência por determinado tecido, o que não acontece com as vitaminas. Por exemplo, o cardo- mariano (Silybum marianum) e o açafrão-da-terra (Curcuma longa) têm ambos uma capacidade antioxidante centenas de vezes mais forte que a vitamina E e se deposi- tam de preferência no tecido hepático. Essas plantas são muito benéficas para doen- ças caracterizadas pela inflamação do fígado, como a hepatite e a cirrose. Seu programa particular de vitaminas, minerais e fitoquímicos vai completar o aspecto dietético de seu plano. A conexão estresse/exercício Não é somente a alimentação que determina seu bem-estar. Este depende também de que seu corpo utilize os nutrientes para o bem ou para o mal. E aqui
  29. 29. 1 2 A Dieta do Tipo Sangüíneo Se o que causou o estresse inicial continua, contudo, a capacidade de adapta- ção do corpo ao estresse se esgota. Não funciona. Ao contrário de nossos ancestrais, que enfrentavam estresses agudos intermi- tentes, como a ameaça dos predadores ou a fome, vivemos num mundo de altas pressões e ritmo acelerado que impõe estresse crônico e prolongado. Mesmo que nossa reação ao estresse seja menos acentuada que a de nossos ancestrais, o fato de acontecer continuamente pode tornar as conseqüências piores. Os especialis- tas geralmente concordam que os estresses da sociedade contemporânea e as doen- ças resultantes - no corpo, na mente e no espírito - são muito mais um produto de nossa cultura industrializada e de um estilo de vida artificial. As pressões artificiais e o estresse da sociedade tecnológica moderna exaurem nossos mecanismos adquiridos de sobrevivência e nos esmagam. Nós nos torna- mos social e culturalmente condicionados a suprimir e impedir a maioria de nossas reações naturais. Hormônios do estresse estão sendo liberados para nosso sangue em quantidades maiores do que podemos utilizar. Qual é o resultado? As disfunções relacionadas ao estresse causam 50 a 80 por cento de todas as enfermidades da vida moderna. Sabemos como é poderosa a influência que a mente exerce sobre o corpo e este sobre a mente. O alcance total dessas interações ainda está sendo investigado. Os problemas que se sabe serem exacerbados pelo estresse e a conexão mente-corpo são as úlceras, hipertensão arterial, doenças cardiovasculares, enxaquecas, artrite e outras doenças inflama- tórias, asma e outras doenças respiratórias, insônia e outros distúrbios do sono, anorexia nervosa e outros distúrbios da nutrição e uma variedade de problemas de pele que vão da urticária ao herpes, do eczema à psoríase. O estresse é desas- troso para o sistema imunológico, deixando o corpo exposto a milhares de enfer- midades oportunistas. No entanto, certos estresses, como a atividade física ou criativa, produzem estados emocionais agradáveis, que o corpo identifica como uma experiência mental ou física altamente prazerosa. Embora cada de um nós reaja ao estresse de um modo particular, ninguém está imune a seus efeitos, especialmente se são prolongados e indesejáveis. Muitas de nossas reações internas ao estresse são antigas adaptações despertadas por nosso corpo - os estresses ambientais que moldaram a evolução dos vários tipos de san- gue. As cataclísmicas mudanças de lugar, clima e dieta imprimiram esses padrões de estresse na memória genética de cada tipo sangüíneo e mesmo atualmente determinam sua resposta interna ao estresse. Meu pai. devotou os últimos trinta e cinco anos ao estudo dos padrões de estresse e dos níveis de energia natural dos diversos tipos de sangue, além de palnejar programas de exercícios especiais para cada tipo sangüíneo, que decorrem do per-
  30. 30. 1 2 A Dieta do Tipo Sangüíneo pantado quando vi as duas juntas. Eram mãe e fitha sem dúvida nenhuma. Possu- íam exatamente os mesmos maneirismos e sotaque (embora Beverly fosse nova- iorquina e sua filha californiana) e pareciam compartilhar o mesmo senso de hu- mor. Surpreendentemente, a Filha de Beverly escolhera a mesma profissão que sua mãe. Ambas eram gerentes de recursos humanos em suas empresas. Se jamais houve uma prova de uma conexão genética para a personalidade, ela estava senta- da em meu consultório. Naturalmente compreendo que essa prova é casual e não científica. A maioria das pesquisas sobre esse aspecto dos tipos sangüíneos é dessa natureza. Ainda assim, a conexão nos intriga porque faz sentido que haja uma relação causai entre o que ocorre no nível celular de nosso ser e nossas tendências mentais, físicas e emocionais quando expressas por nosso tipo de sangue. Mudanças evolutivas alteraram o sistema imunológico e o aparelho digestivo dos seres humanos, resultando no desenvolvimento dos tipos sangüíneos. Mas os sistemas de reação mental e emocional foram também alterados pelas mudanças evolutivas, e, com essa alteração, comportamentos e padrões psicológicos muito diferentes emergiram. Cada tipo de sangue travou uma difícil e bem distinta batalha por sua existên- cia há muitos anos. O intensamente individualista Tipo O fracassou lamentavel- mente no ordeiro e cooperativo ambiente do Tipo A - um forte motivo para a adaptação do tipo sangüíneo no primeiro lugar. Pode ser surpreendente descobrir muitas dessas características ocultas em alguma área recôndita de nossa psique? A crença de que a personalidade é determinada pelo tipo de sangue é tida em alto conceito no Japão. Denominado ketsu-eki-gata, a análise de tipo sangüíneo é um negócio sério nesse país. Gerentes de empresas levam em consideração o tipo de sangue para contratar empregados, pesquisadores de mercado usam-no para prever hábitos de consumo e a maioria das pessoas o utiliza para escolher amigos, parceiros amorosos e cônjuges para toda a vida. Máquinas que realizam análise de tipo sangüíneo instantânea estão espalhadas pelas estações de trem, lojas, restau- rantes e outros lugares públicos. Há mesmo uma organização altamente conceitua- da, a Sociedade ABO, dedicada a ajudar os indivíduos e as organizações a tomarem as decisões certas, de acordo com o tipo sangüíneo. O maior defensor da conexão tipo sangüíneo-personalidade é um homem cha- mado Toshitaka Nomi, cujo pai foi o primeiro a defender essa teoria. Em 1980, Nomi e Alexander Besher escreveram um livro intitulado You are your blood type, que teve mais de 6 milhões de exemplares vendidos no Japão. Ele contém perfis de personalidade e sugestões para os vários tipos sangüíneos — o que você deve fazer para viver bem, com quem deve casar e as calamitosas conseqüências da desobediência a esses conselhos.
  31. 31. 1 2 A Dieta do Tipo Sangüíneo Talvez daqui a algum tempo sejamos finalmente capazes de examinar algum plano diretor; um mapa que nos mostrará como ir de um lugar a outro dentro de nós mesmos. Mas talvez não. Há tantas coisas que não entendemos, e outras que nunca chegaremos a entender. Mas podemos especular, refletir e considerar mui- tas possibilidades. Foi por isso que nós, como uma espécie, desenvolvemos inteli- gência tão aguda. Esses elementos - dieta, controle de peso, suplementação dietética, controle de estresse e qualidades pessoais - constituem os elementos essenciais de seu plano de tipo sangüíneo. Consulte-os com freqüência quando começar a se fami- liarizar com as características específicas de seu tipo sangüíneo. Mas antes que você vá mais longe, sugiro que faça mais uma coisa: procure saber qual é seu tipo de sangue!
  32. 32. Q U A T R O Plano do Tipo Sangüíneo T i p o O : O Caçador • Carnívoro • Aparelho digestivo forte • Sistema imunológico superativo • Intolerância a adaptações dietéticas e ambientais • Reage melhor ao estresse com intensa atividade física • Requer um metabolismo eficiente para permanecer magro e vigoroso A dieta para o Tipo O As pessoas de sangue Tipo O se dão bem com exercícios intensos físicos e proteína animal. O aparelho digestivo de todos os que têm sangue Tipo O conser- va a memória dos tempos antigos. A dieta rica em proteínas de caçador-coletor e as enormes demandas físicas do sistema dos primitivos seres humanos de Tipo O provavelmente manteve a maioria deles em um brando estado de cetose - uma condição em que o metabolismo do corpo fica alterado. A cetose é o resultado de uma dieta rica em proteína e em gordura que inclui poucos carboidratos. O corpo metaboliza as proteínas e gorduras em cetoses, que são usadas em lugar dos açúca- res numa tentativa de manter os níveis de glicose estáveis. A combinação de cetose, falta de calorias e constante atividade física produziu uma magra e moderada má- quina caçadora - a chave da sobrevivência da raça humana. O
  33. 33. 1 2 A Dieta do Tipo Sangüíneo As recomendações dietéticas atuais geralmente desencorajam o consumo de muita proteína animal, porque está provado que gorduras saturadas são um fator de risco para doenças do coração e câncer. Naturalmente, a maior parte dos consu- midores de carne atuais são gordos e estão intoxicados pelo uso indiscriminado de hormônios e antibióticos. "Você é aquilo que você come" pode assumir um signi- ficado ameaçador quando se está falando sobre o moderno suprimento alimentar de carne. Felizmente, carnes orgânicas e de animais alimentados em pasto natural estão cada vez mais disponíveis. O sucesso da Dieta Tipo O depende do uso de carnes de gado, aves e peixes magros, livres de produtos químicos. As pessoas de Tipo O não digerem tão facilmente os laticínios e cereais quan- to as dos outros tipos de sangue porque seu sistema digestivo ainda não está ple- namente adaptado a eles. Afinal, você não precisa caçar e matar uma tigela de trigo ou um copo de leite! Esses alimentos só se tornaram importantes na dieta humana num período muito tardio do curso de nossa evolução. O fator de perda de peso Você perde peso inicialmente na Dieta Tipo O pela restrição do consumo de cereais, pães, leguminosas e feijões. O fator principal de aumento de peso para pessoas de Tipo O é o glúten encontrado no germe de trigo e em todos os produ- tos derivados do trigo. Ele atua no metabolismo para criar o estado exatamente oposto ao de cetose. Em vez de os manter magros e em estado de alto vigor, as lectinas do glúten inibem o metabolismo da insulina, interferindo no uso eficien- te das calorias para produzir energia. Comer glúten 6 como pôr o tipo errado de aditivo em seu carro. Em vez de alimentar a máquina, ele a emperra. (Em menor extensão o milho tem o mesmo efeito, embora não exerça tanta influência no aumento de peso dos de Tipo O quanto o trigo.) Tenho visto pessoas gordas de Tipo O, que até então não haviam obtido sucesso com outros regimes, perderem rapidamente peso apenas eliminando o trigo de suas dietas. Outros fatores contribuem para os de Tipo O aumentarem de peso. Certos feijões e leguminosas, especialmente lentilhas e feijão-muiatinho, contêm lectinas que se depositam nos tecidos musculares, tornando-os mais alcalinos e menos "carregados" para atividades físicas. As pessoas de Tipo O são mais magras quando seus tecidos musculares permanecem num estado de leve acidez metabólica. Nesse estado, as calorias são utilizadas mais rapidamente. (Antes que faça extrapolações para outros tipos sangüíneos, lembre-se de que cada tipo de sangue tem uma série particular de fatores, A acidez metabólica não é boa para todo mundo.)
  34. 34. 6 2 12A Dieta do Tipo Sangüíneo C A R N E V E R M E L H A E S P I N A F R E , B R Ó C O L T S . aumenta a eficiência do metabolismo aumentam a eficiência do metabolismo *É preferível obter o iodo defontes comofrutos do mar e algas, pois o sódio pode contribuir para aumentara pressão sangüínea e a retenção de água. INCORPORE ESSA ORIENTAÇÃO NO QUADRO TOTAL DA DIETA DO TIPO 0',' QUE SE SEGUE. Tipo de sangue 0 Alimento Carnes vermelhas magras • ——; CARNES E AVES Semâííaiíhettié * Se sèifs ancestrais são Africanos : Caucasianos Asiáticos 5-7x " J'1 -1 !'"i ÍWx 3-5x 2-3x i 10-17Dg (homens) 60-140g {mulheres o crianças) , 110-170g (homens) 1-2x 1400 (mulheres e crianças) * ds recomendações de porções são apenas uma orientação que pode ajudar no aperfeiçomento de sua dieta, de acordo com as tendências ancestrais. Coma carne magra de gado, cordeiro, peru e frango magros ou os peixes reco- mendados tão freqüentemente quanto desejar. Quanto mais estressante for seu trabalho ou maior o esforço exigido por seus exercícios físicos, maior será o teor de proteínas que você precisa ingerir. Mas tome cuidado com o tamanho das porções. Nossos ancestrais não se banqueteavam com bifes de meio quilo; a carne é muito preciosa e escassa para isso. Tente consumir não mais que 170 gramas em cada refeição. Os de Tipo O podem digerir e metabolizar eficientemente carnes porque ten- dem a possuir elevada quantidade de ácido estomacal. Este foi um componente essencial para a sobrevivência dos primitivos de Tipo O. Contudo, você deve ter o cuidado de equilibrar o consumo de proteínas de carnes com o de hortaliças e frutas apropriadas para evitar a superacidificação, que pode causar úlceras e irritação da mucosa estomacal. Observação: se você é um Tipo O de origem africana, dê preferência a caças e carnes vermelhas magras em vez de opções mais domésticas e com maior teor de
  35. 35. — - CINCO-. Plano de Tipo Sangüíneo A 6 3 gorduras como cordeiro ou frango. O gene para o Tipo O desenvolveu-se na África e seus ancestrais foram os Tipo O originais. Você será beneficiado se der preferên- cia ao consumo de variedades de carnes que eram disponíveis a seus ancestrais africanos. ALTAMENTE BENÉFICOS Carne de boi, búfalo, carneiro, cordeiro, vitela, vísceras (fígado, coração, timo) NEUTROS Carne de avestruz, cabrito, cavalo, chester, coelho, faisão, frango, galinha- d'angola, ganso, pato, perdiz, peru, pombo NOCIVOS Carnes defumadas e embutidas, carne de porco e derivados (bacon, lingüiça, presunto, salame, salsicha etc.) PEIXES E FRUTOS DO M A R Tipo de sangue 0 Seraanialmenifi • S& seus ancestrais são Alimento Porção • Africanos Caucasianos Asiáticos Todos os frutos do mar 110-170g 1-1 :< 3-5x 4-6x Os frutos do mar, as segundas entre as mais concentradas proteínas animais, são mais adequados para os de Tipo O de origem asiática ou européia, uma vez que eram produtos básicos da dieta de seus ancestrais do litoral. Peixes de água fria ricos em óleo, como o bacalhau, o arenque e a cavala, são excelentes para os de Tipo O. Certos fatores de coagulação do sangue desenvolve- ram-se quando os seres humanos se adaptaram às mudanças ambientais e não eram inerentes ao sangue dos primitivos de Tipo O. Por essa razão, os de Tipo O geral- mente têm o sangue "fino", resistente à coagulação. Mesmo que tendam a tornar o sangue mais fino, os óleos de peixe são muito benéficos para os de Tipo O. Suspeito que isso se dá porque o modo como os genes de seu tipo sangüíneo influenciam a "espessura" de seu sangue (por meio dos fatores de coagulação) é diferente do modo como os óleos de peixe influenciam a viscosidade do sangue (por meio da adesão das plaquetas). Os óleos de peixe podem também ser muito
  36. 36. 1 2 A Dieta do Tipo Sangüíneo eficazes no tratamento de inflamações intestinais, como a colite ou a doença de Crohn, para as quais os de Tipo O são suscetíveis. Muitos frutos do mar são tam- bém excelentes fontes de iodo, que regula a função da tiróide. Os de Tipo O têm funções tiroidianas instáveis, o que causa problemas metabólicos e aumento de peso. Os frutos do mar devem ser um dos principais componentes da Dieta de Tipo O. ALTAMENTE BENÉFICOS Arenque, bacalhau, badejo, cavala, esturjão, linguado-branco, lúcio, merluza, namorado, perca-amarela, perca-branca, robalo, salmão, sardinha, vermelho NEUTROS Agulhão-bandeira, albacora (espécie de atum), camarão, caranguejo, enguia, eperlano (espécie de salmão), escargot, frade, hadoque, haliote (molusco), lagos- ta, lagostim, linguado-cinzento, lula, mariscos, mexilhões, olhete, ostras, pampo, pargo, perca-oceânica, perca-prateada, pescada, truta (rioe mar), vieira NOCIVOS* Arenque em conserva, atum, bagre, barracuda, búzio, cação, carpa, caviar, en- chova, espadarte, garoupa, golfinho, halibute, ova de salmão, peixe-espada, pesca- da-polaca, polvo, rã, salmão defumado, savelha, solha (espécie de linguado), tarta- ruga, tilápia LATICÍNIOS E O V O S Tipo de sangue 0 Semanalmente * Se seus ancestrais são ; ' " * ~— v " •— ' " .••"" Alimento Porção Africanos Caueasianos - ..... , ,. • , _• - = : • .. .;. ..- • . Ovos 1 ovo 0 Queijos 5Qg : 0 Iogurte 10ü-150g 0 Leite 100-150a 0• ; • • * Vários destes peixes, apesar de serem adequados para o Tipo O, podem ter sofrido contaminações diversas, tais como mercúrio ou pesticidas: atum, bagre, cação, carpa, enchova, espadarte, garoupa, golfinho, halibute, savelha, solha (espécie de linguado) e tilápia.
  37. 37. 1 2 A Dieta do Tipo Sangüíneo Ó L E O S Tipo de sangue 0 Semanalmente • Se seus ancestrais são Alimento Porção Africanos Caucasianos Asiáticos Óleos Colher de sopa 1-5x 4-8x 3-7x Os de Tipo O reagem bem aos óleos, os quais podem ser uma importante fonte de nutrição e uma ajuda para a eliminação. Você pode aumentar o valor deles para seu organismo se limitar seu consumo aos monossaturados, como os óleos de oliva e de linhaça. Esses óleos são benéficos para o coração e as artérias e podem até ajudar a reduzir o colesterol. ALTAMENTE BENÉFICOS Azeite de oliveira extravirgem, óleo de linhaça NEUTROS Óleos de amêndoa, borragem, canola, fígado de bacalhau, gergelim, nozes NOCIVOS Óleos de açafrão, algodão, amendoim, coco, germe de trigo, girassol, milho, prímula, rícino, soja FRUTAS SECAS E SEMENTES Tipo de sangue 0 Semanalmente • Se seus ancestrais sao Alimento Porção Africanos Caucasianos Asiáticos Frutas secas e sementes 8-8 frutas secas 2-5x 3-4x 2-3x Pastas de frutas secas Colher de sopa 3-4x 3-7x 2-4x Os de Tipo O podem obter uma boa fonte suplementar de proteína vegetal em algumas variedades de frutas secas e sementes. Contudo, esses alimentos não devem de modo algum substituir carnes ricas em proteínas. Você com certeza não precisa deles em sua dieta e deve consumi-los com muita moderação, pois são ricos em gordura. Se pretende emagrecer, deve evitá-los. Uma vez que as frutas secas às vezes causam problemas digestivos, procure mastigá-las bem, ou use pastas de frutas secas, que são de mais fácil digestão,
  38. 38. CINCO-. Plano de Tipo Sangüíneo A 6 7 especialmente se tem problemas no cólon, mais freqüentes em pessoas de Tipo O, ALTAMENTE BENÉFICOS Nozes-de-natal, sementes de abóbora-moranga e de linhaça NEUTROS Amêndoas, avelãs, noz-hicória, noz-macadâmia, noz-pecã, pastas de amêndoas, de gergelim (tahini) e de pecã, pinhão, sementes de açafrão e gergelim NOCIVOS Amendoim, castanha-do-pará, castanha-de-caju, castanha-portuguesa, faia, lechia, pasta de amendoim e de semente de girassol, pistache, de girassol e de papoula FEIJÕES E LEGUMINOSAS Tipo ds sangue 0 Semanalmente • Se seus ancestrais são Alimento Porção Africanos Caucasianos Asiáticos Todos os tipos de feijões e leguminosas 1 xícara, secos 1-2x 1-2x 2-6x . li- As pessoas de Tipo O não assimilam os feijões particularmente bem, embora os que têm ancestrais asiáticos o façam melhor por serem culturalmente aclimatados a eles. Em geral, os feijões inibem o metabolismo de outros nutrientes mais im- portantes, como os encontrados na carne. Eles tendem também a tornar os teci- dos musculares menos ácidos e os de Tipo O geralmente têm melhor desempe- nho quando os tecidos musculares são um pouco mais ácidos. Não se deve confun- dir isso com a reação ácido-alcalina que ocorre no estômago. Nesse caso, os poucos feijões altamente benéficos são exceções. Eles promovem o fortalecimento do aparelho digestivo e a cura de ulceraçoes - um problema das pessoas de Tipo O provocado pelos altos níveis de acidez estomacal. Mesmo assim, coma feijões com moderação, como um prato ocasional. ALTAMENTE BENÉFICOS Feijão-azuki, feijão-fradinho, feijão-rajadinho
  39. 39. 1 2 A Dieta do Tipo Sangüíneo NEUTROS Ervilhas em geral, favas, feijão-branco graúdo, feijão-de-corda, feijão-de-sojae derivados (carne de soja, flocos de soja, leite de soja, missô, tempé, tofu), feijão- jicama, feijão-manteiga, feijão-preto, feijão-tamarindo, feijão-verde, feijão-verme- lho, grão-de-bico, tremoços, vagens NOCIVOS Feijão-branco miúdo, feijão-mulatinho, feijão-roxinho, lentilhas em geral CEREAIS E FARINHAS tipo de santoiíe D &aípnaimfirite • Se seus antestós são _ : Alimento Porção Africanos Caueasianos Asiáticos , ! I Todos os tipos de cereais i xícara, secos 2-3x 2-3x 2-4x ! I I M i • I : : Os de Tipo O não toleram os produtos de trigo integral e devem eliminá-los completamente de sua dieta. Esses alimentos contêm lectinas que reagem contra seu tipo sangüíneo, dificultam a atividade de seu aparelho digestivo e interferem na absorção apropriada dos alimentos benéficos. Os alimentos à base de trigo são um dos principais culpados pelo aumento de peso nas pessoas de Tipo O. Os glútens do germe de trigo interferem nos processos metabólicos dos indivíduos de Tipo O. O metabolismo lento ou deficiente faz com que o alimento se converta em energia mais lentamente e assim seja armazenado como gordura. ALTAMENTE BENÉFICOS Trigo germinado (pouco encontrado no Brasil) NEUTROS Amaranto (cereal pouco usado no Brasil), arroz em geral exceto arroz selva- gem, farelo e farinha de arroz, de aveia e de centeio, espelta, kamut, painço, pão de farinha de soja, quinoa (arroz miúdo do Peru), trigo-sarraceno e derivados como o kasha (mingau de trigo-sarraceno) NOCIVOS Arroz selvagem, cevada, farinha de trigo branca e integral, farelo e germe de trigo, granola, glúten, malte, musli, milho (e derivados inclusive flocos de milho, fubá, maisena, óleo de milho, pipoca, polenta), semolina, sorgo
  40. 40. CINCO-. Plano de Tipo Sangüíneo A 6 9 BOLOS, MASSAS E PÃES Tipo de sangue 0 Semanalmente • Se seus ancestrais são Alimento Porção Africanos Caucasianos Asiáticos Pães, bolachas 1 fatia 0-4x 0-2x 0-4x Bolos 1 fatia 0-2x 0-1x ojjx Obviamente pães e bolos são uma fonte de problemas para os de Tipo O, uma vez que a maior parte deles é à base de trigo. A princípio pode ser difícil eliminar pães, bolos e sanduíches da dieta; eles costumam ser itens básicos das refeições diárias. Mesmo pães que não são feitos de trigo podem causar problemas para os de Tipo O se eles os comem com muita freqüência; sua estrutura genética não é adequada para a assimilação de grãos. Constituem exceções o pão-essênio e o pão-de-ezequiel, feitos de grãos ger- minados, que são assimilados pelos de Tipo O porque as lectinas do glúten (en- contradas principalmente na casca das sementes) são destruídas pelo processo de germinação. A diferença dos pães de grãos germinados produzidos comercialmen- te, o pão-essênio e o pão-de-ezequiel são alimentos naturais com muitas enzimas benéficas intactas. ALTAMENTE BENÉFICOS Pão-essênio e pão-de-ezequiel (pães de trigo germinado pouco encontrados no Brasil) NEUTROS Bolos, biscoitos, massas e pães de aveia, centeio, espelta, soja e trigo-sarraceno; pão sem glúten NOCIVOS Bolos, biscoitos, massas e pães de farinha de trigo branca e integral, farinha de milho, flocos de milho, bolo inglês, pão ázimo (matzo), pão de multicereais, pão de trigo duro, semolina, cevada, farelo de trigo, germe de trigo, glúten, malte
  41. 41. 7 0 12A Dieta do Tipo Sangüíneo HORTALIÇAS Tipo de s a n p e D Dia/temente • I M o s ajjgtipos ds ancas trais Alimento Porção . Cru Cozido , ••• f xfcara/temperádo 3-fex • - , 1 xícara, t o g a d o 3-5x Há um grande número de hortaliças adequadas para as pessoas de Tipo O e elas são um importante componente da dieta. Você não deve, porém, simples- mente comer todas as hortaliças indiscriminadamente. Várias espécies delas cau- sam grandes problemas aos de Tipo O. Por exemplo, algumas hortaliças da família das crucíferas - repolho, couve-de-bruxelas, couve-flor e mostarda - podem inibir a função da tiróide, que já é um tanto deficiente nos de Tipo O. Hortaliças ricas em vitamina K, como algumas variedades de couve, alface ro- mana, brócolis e espinafre são muito boas para os de Tipo O. Essa vitamina tem uma única finalidade - ajudar na coagulação do sangue. As pessoas de Tipo O, como já dissemos, possuem vários fatores de coagulação diminuídos e precisam de vitamina K para auxiliar nesse processo. A atfafa contém componentes que, por irritarem o aparelho digestivo, podem agravar problemas de hipersensibilidade nas pessoas de Tipo O. Os fungos de certas variedades de cogumelos, bem como as azeitonas, tendem a provocar rea- ções alérgicas nas pessoas de Tipo O. Todos esses alimentos são estranhos ao orga- nismo de Tipo O, que não foi adaptado para digeri-los. As solanáceas, como a berinjela e a batata-inglesa, podem causar artrite nos indivíduos de Tipo O porque suas lectinas se depositam nos tecidos próximos das articulações. As lectinas do milho afetam a produção de insulina, provocando freqüentemente diabetes ou obesidade. Todas as pessoas de Tipo O devem evitar o milho - espe- cialmente se há problema de excesso de peso ou de diabetes na família. O tomate é um caso especial. Suas poderosas lectinas, chamadas pan- hemaglutinantes (o que significa que elas aglutinam todos os tipos de sangue), são prejudiciais ao aparelho digestivo das pessoas de sangue Tipo A e B. As de Tipo O, no entanto, podem comer tomates. Estes se tornam neutros em seu organismo. ALTAMENTE BENÉFICOS Abóbora-moranga, acelga, alcachofra, alface-romana, algas marinhas, batata- doce, beterraba (folhas), brócolis, cebolas brancas e vermelhas, chicória, couve,
  42. 42. CINCO-. Plano de Tipo Sangüíneo A 7 1 dente-de-leão, escarola, espinafre, nabo, pastinaca, pimenta-de-caiena, pimenta- malagueta, quiabo, raiz-forte, salsa NEUTROS Abóbora-doce, abobrinha, ágar, agrião, aipo, aipo-rábano, alecrim, alface (exceto romana), alho, aspargos, azeitonas (verdes), berinjela, beterraba, broto de bambu, castanha-d'água, cerefólio, chucrute, coentro, cogumelos em geral (exceto champignon e shiitake), couve-de-bruxelas, couve-nabo, endívia, ervilha, funcho, gengibre, inhame, pimentões em geral, rabanete, repolhos em geral, rúcula, toma- te, vagem NOCIVOS Alcaparra, alho-poró, azeitona preta, babosa, batata-inglesa, broto de alfafa, champignon, cogumelo shiitake, couve-flor, junípero (zimbro), mostarda (folhas), pepino, picles em salmoura ou no vinagre, ruibarbo, taioba FRUTAS Tipo de sangue 0 Diariamente • Todos os tipos de ancestrais Alimento Porção Todos os tipos de frutas__j 1 fruta ou 100-150g 3-4x Muitas frutas maravilhosas são adequadas para os de Tipo O. As frutas consti- tuem não somente uma importante fonte de Fibras, vitaminas e minerais, mas também uma excelente alternativa para pães e massas. Se você come um pedaço de fruta em vez de uma fatia de pão, seu organismo é melhor alimentado - e ao mesmo tempo você mantém seu regime de emagrecimento. Você pode ficar surpreso ao encontrar algumas de suas frutas favoritas na lista dos alimentos nocivos e algumas opções estranhas na dos altamente benéficos, A razão por que ameixas frescas e secas e figos são tão benéficos a seu tipo de sangue é que a maior parte das frutas de cor vermelha escura, azul e roxa tende a provocar uma reação alcalina em vez de ácida em seu aparelho digestivo. O aparelho diges- tivo das pessoas de Tipo O tem alto nível de acidez e precisa equilibrar a alcalini- dade para reduzir úlceras e irritações da mucosa estomacal. Contudo, o fato de uma fruta ser alcalina não significa que ela seja benéfica para você. Os melões também são alcalinos, mas contêm um alto índice de fungos, a que os de Tipo O
  43. 43. 1 2 A Dieta do Tipo Sangüíneo são comprovadamente sensíveis. A maior parte dos melões deve ser consumida com moderação e as variedades amarelo cantalupo e devem ser totalmente evitadas. Laranjas, tangerinas e morangos devem ser evitados devido a seu alto teor de ácido. A toranja (grapefruit) também é muito ácida, mas você pode comê-la com moderação por suas propriedades alcalinas depois da digestão. A maioria das frutas da família do morango (amoras, framboesas etc.) é benéfica, mas evite a amora- negra, que contém uma lectina que perturba a digestão dos de Tipo O. Estes têm também extrema sensibilidade ao coco e produtos que o contenham. Evite-os e examine sempre o rótulo dos alimentos industrializados para ter certeza de que não está consumindo óleo de coco. Esse óleo é rico em gordura saturada e pouco nutritivo. ALTAMENTE BENÉFICOS Ameixas em geral (frescas ou secas), bananas (exceto banana-da-terra), figos (frescos ou secos), goiaba, jaca, manga NEUTROS Abacaxi, amora-silvestre, bagas de sabugueiro, caqui, carambola, cerejas em geral, damasco, framboesa, fruta-pão, grapefruit, groselha, kumquat, lima, limão, maçã, mamão, melancia, melões em geral (exceto amarelo e cantalupo), mirtilo, nectarina, opúncia, pêra, pêssego, romã, tâmara, uvas (frescas e passas), vacínio NOCIVOS Abacate, amora-negra, banana-da-terra, coco e derivados, kiwi, laranja, maracujá, melão amarelo, melão cantalupo, morango, pêra-asiática, ruibarbo, tangerina Sucos Tipo de sangue 0 Diariamente • Todos os tipos de ancestrais Alimento :. -ÍB-""JJ.^- í . -aS f,r • P Porção. i S í l f l f c j i f í Todos os tipos de sucos Água 250g 250g 2-3x 4-7x Devido a sua alcalinidade, sucos de hortaliças são mais indicados para os de Tipo O que sucos de frutas. Se for tomar suco de fruta, escolha uma variedade pobre em sacarose. Evite sucos ricos em açúcar como o de maçã ou a cidra.
  44. 44. 1 2 A Dieta do Tipo Sangüíneo N O C I V O S Bebidas destiladas em geral (cachaça, conhaque, rum, vodca, uísque etc.), café normal e descafeinado, refrigerantes (dietéticos ou não) O planejamento de refeições para o Tipo O O asterisco (*) indica que a receita vem em seguida. Os exemplos de cardápios e receitas que se seguem dão uma idéia de uma típica dieta benéfica para as pessoas de Tipo O. Foram organizados por Dina Khader, nutricionista com mestrado em ciências, que usou com sucesso a dieta do tipo de sangue com seus pacientes. Esses cardápios são moderados em calorias e balanceados para a eficiência metabólica dos organismos de Tipo O. A pessoa incluída na média deve ser capaz de manter um peso norma! e mesmo perder peso seguindo essas sugestões. Contu- do, opções alternativas de alimentos são oferecidas se você prefere comida mais leve ou deseja limitar sua ingestão de calorias e ainda consumir uma dieta balanceada, satisfatória. (O alimento alternativo é relacionado ao lado do que ele substitui.) Ocasionalmente você vai encontrar um ingrediente de uma receita que apare- ce em sua lista de nocivos. Se é um ingrediente usado em pequena quantidade (como uma pitada de pimenta), você pode ser capaz de tolerá-lo, dependendo de sua condição e de você estar seguindo estritamente a dieta. Contudo, a seleção de refeições e receitas foi feita para se adequar em geral muito bem às pessoas de Tipo O. Quando você estiver mais familiarizado com as recomendações para os de Tipo O, certamente terá facilidade em criar seu próprio cardápio e ajustar receitas favo- ritas às exigências de seu tipo sangüíneo. O Grupo Editorial Elsevier Campus recomenda para os leitores brasileiros o livro de receitas A dieta que está no sangue, do Dr. Sérgio Teixeira, no qual os pratos típicos da cozinha brasileira foram adaptados às necessidades de cada tipo sangüíneo.
  45. 45. 1 2 A Dieta do Tipo Sangüíneo As recomendações que se seguem enfatizam os suplementos que ajudam a atingir essas metas e também advertem contra os suplementos que podem ser contraprodutivos ou perigosos para os organismos de Tipo O. Certos minerais e vitaminas comuns são tão abundantes nos alimentos das pessoas de Tipo O que normalmente não há necessidade de complementação. Isso inclui a vitamina G e o ferro - embora não faça mal tomar um suplemento de 500mg de vitamina G por dia. Não é preciso tomar suplemento de vitamina D. Muitos alimentos são ricos nessa vitamina e sua melhor fonte de todas é a luz do sol. Todas essas recomendações são indicadas para quem aderiu à Dieta Tipo O. BENÉFICOS V I T A M I N A B Meu pai descobriu que as pessoas de Tipo O se dão bem com um alto nível de vitaminas do complexo B. Há uma boa razão para isso. Os de Tipo O têm metabo- lismo lento - uma herança dos esforços de seus ancestrais para conservar a energia durante períodos em que o alimento não estava imediatamente disponível. Os indivíduos de Tipo O dos tempos modernos, por viverem em condições diferen- tes, não têm necessidade dessa estratégia de conservação, mas esta continua na memória de seu tipo sangüíneo. As vitaminas do complexo B podem superativar seus processos metabólicos. As pessoas de Tipo O que têm uma dieta correta quase nunca precisam de uma suplementação especial de vitamina Bl2 ou ácido fólico. Tenho, porém, trata- do com sucesso depressão, hiperatividade e déficit de atenção em muitos pacien- tes de Tipo O usando altas doses de ácido fólico e vitamina B , além da Dieta Tipo O e exercícios. Essas vitaminas são responsáveis pelo desenvolvimento do DNA. Se você pretende tomar um suplemento de vitaminas do complexo B, certifi- que-se de que elas não são preparadas com substâncias prejudiciais. Se as pílulas são comprimidas ou aglutinadas de forma incorreta podem dificultar a absorção por seu organismo. Evite também o uso de fórmulas que contêm levedura ou ger- me de trigo. Finalmente, coma muitos alimentos ricos em vitaminas B.
  46. 46. CINCO-. Plano de Tipo Sangüíneo A 8 5 MELHORES ALIMENTOS RICOS EM VITAMINAS B PARA O T I P O O carne fígado, rins, músculo *ovos nozes hortaliças verde-escuras frutas peixe * Com moderação. V I T A M I N A K As pessoas de Tipo O têm baixos níveis de vários fatores de coagulação sangüínea, o que pode ocasionar hemorragias. Certifique-se de que sua dieta é rica em vitamina K. Uma vez que ela não é normalmente recomendada como su- plemento, preste atenção para os alimentos que come e escolha aqueles que são ricos nesse nutriente essencial para os de Tipo O. fígado gema de ovo hortaliças verdes: brócolis, espinafre e acelga C Á L C I O As pessoas de Tipo O devem suplementar continuamente sua dieta com cálcio, uma vez que a Dieta Tipo O não inclui laticínios, que são as melhores fontes desse mineral. Devido à tendência das pessoas de Tipo O para ter proble- mas de inflamações nas juntas e artrites, a necessidade de uma suplementação de cálcio é evidente. A suplementação de cálcio em altas doses (600-1. lOOmg de cálcio puro) pro- vavelmente é necessária para todas as pessoas de Tipo O, mas é especialmente indicada para as crianças com esse tipo de sangue durante os períodos de cresci- mento (dos dois aos cinco anos e dos nove aos dezesseis), e para mulheres após a menopausa. Embora as fontes de cálcio que não são laticínios não sejam tão benéficas, as pessoas de Tipo O podem utilizá-las como complemento de suas dietas. MELHORES ALIMENTOS RICOS EM VITAMINA K PARA O TIPO O
  47. 47. CINCO-. Plano de Tipo Sangüíneo A 8 9 elevada auto-estima. As pessoas de Tipo O reagem bem a exercícios pesados - de quase todos os tipos. As pessoas de Tipo O que desejam perder peso devem praticar exercícios físi- cos intensos. Isto porque esse tipo de exercício torna o tecido muscular mais ácido e intensifica a queima de gorduras no organismo. A acidez do tecido muscular é um resultado da cetose, que, como vimos, era a chave do sucesso de nossos ances- trais de Tipo O. Aposto que não houve um só Cro-Magnon gordo no planeta! As pessoas de Tipo O que não expressam sua natureza física com atividade apropriada em resposta ao estresse acabam sendo esmagadas durante o estágio de exaustão da reação ao estresse. Esse estágio de exaustão caracteriza-se por várias manifestações psicológicas causadas pela diminuição do ritmo do metabolismo, tais como a depressão, a fadiga ou a insônia. Se não há mudança, você pode deixar seu organismo vulnerável a numerosas doenças inflamatórias e auto-imunes como a artrite e a asma, bem como a um significativo aumento de peso e a uma eventual obesidade. Os exercícios a seguir são recomendados para as pessoas de Tipo O. Dê espe- cial atenção à duração das sessões. Para alcançar um efeito metabólico significati- vo, você tem de elevar o ritmo de seu coração. Você pode combinar alguns desses exercícios, mas tenha o cuidado de fazer um ou vários deles pelo menos quatro vezes por semana para obter os melhores resultados.
  48. 48. CINCO Plano do Tipo Sangüíneo T i p o A : O Cultivador • O Primeiro Vegetariano • Colhe o que Semeia • Aparelho Digestivo Sensível • Sistema Imunológico Tolerante • Adapta-se Bem às Condições Dietéticas e Ambientais Sedentárias • Reage Melhor ao Estresse com Atividade Relaxante • Requer Dieta Vegetariana para Permanecer Magro e Produtivo A dieta para o Tipo A As pessoas de sangue Tipo A se dão bem com dietas vegetarianas - herança de seus ancestrais agricultores, mais sedentários e menos guerreiros. Se você mora nos Estados Unidos e tem sangue Tipo A, deve achar que é uma mudança muito grande passar de sua alimentação à base de carne e batata para proteínas de soja, cereais e hortaliças. Do mesmo modo, deve achar difícil eliminar alimentos exces- sivamente processados e refinados, uma vez que nossas dietas civilizadas são cada vez mais compostas de toxinas acondicionadas em belas embalagens. Contudo, é muito importante que as pessoas de Tipo A consumam seus alimentos em estado o mais natural possível: frescos, puros e orgânicos. A
  49. 49. C I N C O - . Plano de Tipo Sangüíneo A 9 5 alimentar em particular é um bom exemplo de como diferentes alimentos reagem de diferentes modos de acordo com seu tipo sangüíneo. O trigo é alcalino nos organismos de Tipo O e ácido nos de Tipo A. Além de comer uma ampla variedade de cereais e hortaliças saudáveis, po- bres em gordura e balanceados, as pessoas de Tipo A devem dar preferência a certos alimentos por seus efeitos benéficos e medicinais. Aqui vai uma rápida orientação: • Alimentos que estimulam o aumento de peso CARNE VERMELHA difícil de digerir armazenada como gordura aumentam as toxinas digestivas inibem o metabolismo dos nutrientes interfere na ação das enzimas digestivas diminui o ritmo metabólico interfere na ação das enzimas digestivas diminui o ritmo metabólico inibe a eficiência da insulina reduz a utilização das calorias LATICÍNIOS FEIJAO-MULATINHO FEIJAO-MANTEIGA TRIGO (em excesso) • Alimentos que estimulam a perda de peso ÓLEOS VEGETAIS estimulam a digestão evitam a retenção de líquidos estimulam adigestão aceleram o metabolismo estimulam a digestão aumentam a mobilidade intestinal aumenta a utilização das calorias aumenta a mobilidade intestinal ALIMENTOS FEITOS DE SOJA HORTALIÇAS ABACAXI INCORPORE ESSA ORIENTAÇÃO NO PLANO GERAL DA DIETA T I P O A , QUE SE SEGUE.
  50. 50. C I N C O - . Plano de Tipo Sangüíneo A 9 7 PEIXES E FRUTOS DO M A R Tipo de sangue A Semanalmente • Se seus ancestrais são Alimento Porção Africanos Caucasianos Asiáticos Todos os frutos do mar recomendados 100g-170g Q-3x 1-4x 1-4x As pessoas de Tipo A podem comer moderadas quantidades de frutos do mar três ou quatro vezes por semana, mas devem evitar peixes de carne branca, como os peixes da família do linguado. Eles contêm uma lectina que pode irritar o tubo digestivo do Tipo A. Se você é uma mulher de sangue Tipo A com uma tendência familiar para câncer no pulmão, considere a possibilidade de introduzir escargots em sua dieta. O escargot comestível Helixpomatia contém uma lectina poderosa que aglutina especificamente as células do Tipo A que sofreram mutação para duas das mais comuns formas de câncer pulmonar, como se verá no Capítulo 10. Essa é uma espécie positiva de aglutinação; essa lectina controla as células doentes. Os frutos do mar devem ser assados, cozidos ou escaldados para atingirem o máximo de seu valor nutritivo. ALTAMENTE BENÉFICOS Bacalhau, cavala, cherne, escargot, merluza, mero, perca-dourada, perca-pra- teada, salmão, sardinha, truta arco-íris, vermelho NEUTROS Agulhão-bandeira, bacalhau-novo, bodião, caranha, eperlano, esturjão, gunelo, haliote (molusco), lúcio, olhete, ova de salmão, pampo, pargo, peixe-lua, perca- branca, perca (oceano), pescada, piraúna, rêmora, tainha, truta (rio e mar) NOCIVOS* Arenque (fresco e em conserva), atum, badejo, bagre, barracuda, beluga (es- pécie de esturjão), búzio, cação, camarão, caranguejo, carpa, caviar, enchova, espa- darte, enguia, garoupa, golfinho, hadoque, halibute, lagosta, lagostim, linguados * Várias destes peixes, apesar de serem adequados para o Tipo A, podem ter sofrido contaminações diversas, tais como mercúrio ou pesticidas: atum, bagre, cação, carpa, enchova, espadarte, garoupa, golfinho, halibute, saveiha, solha (espécie de iinguado) e tilápia.
  51. 51. 1 2 A Dieta do Tipo Sangüíneo de todos os tipos, lula, mariscos, mexilhões, ostras, polvo, rã, salmão defumado, sável, savelha, solha (espécie de linguado), vieira, tartaruga, tilápia LATICÍNIOS E O V O S Típfl de sangue A Scmanatrçtènte * Se seus ancestrais são Alimento Porção * Africanos Cauúasianos Asiáticos: Ovos Queijos, Iogurte Leite 1 ovo : SOg 10üg-170g 100g-170g 1-3x > 1-3x ^ - 1-3x Tf 0-4x 1 -3x 0 0-3x nu As pessoas de Tipo A toleram pequenas quantidades de laticínios fermenta- dos, mas devem evitar qualquer produto feito com leite integral e também limitar o consumo de ovos. Isso vai exigir algum planejamento, uma vez que a dieta oci- dental é baseada em ovo, manteiga e creme - bolos, tortas, biscoitos e sorvete são os favoritos. As opções para o Tipo A são iogurte, coalhada e creme azedo desnatado. O leite de cabra é um bom substituto para o leite de vaca. E, naturalmente, o leite e os queijos de soja são excelentes alternativas e muito benéficos para as pessoas de Tipo A. A maior parte dos laticínios não é digerível para os organismos de Tipo A - pela simples razão de que o sangue Tipo A cria anticorpos para o açúcar principal do leite integral - D-galactosamina. Como vimos no Capítulo 2, a D-galactosamina é um açúcar essencial que, juntamente com a fucose, forma o antígeno Tipo B. Uma vez que o sistema imunológico do Tipo A rejeita qualquer coisa semelhante ao Tipo B, os anticorpos que ele cria para repelir os antígenos B também rejeitarão os produtos de leite integral. Se você é um Tipo A que sofre de alergias ou de problemas respiratórios, lem- bre-se de que os laticínios aumentam muito a quantidade de muco que seu orga- nismo secreta. As pessoas de Tipo A normalmente produzem mais muco do que as de outros tipos de sangue, provavelmente porque necessitam da proteção extra que o muco proporciona para seu sistema imunológico demasiadamente toleran- te. Contudo, excesso de muco pode ser prejudicial, pois várias bactérias tendem a se alimentar dele. Uma superabundância de muco leva inevitavelmente a reações alérgicas, infecções e problemas respiratórios. Essa é uma outra boa razão para limitar seu consumo de laticínios.
  52. 52. 99 ALTAMENTE BENÉFICOS Leite de soja,* queijo de soja (tofu)* NEUTROS Iogurte, leite de amêndoas, leite de cabra, manteiga de leite de búfala, ovos de codorna, galinha, gansa e pata, quefir, queijo de cabra, queijo feta, mussarela, ricota NOCIVOS Caseína, creme de leite, leite de vaca integral e desnatado, manteiga, margari- na, queijos em geral (americano, blue cheese, brie, camembert, cheddar, colby, cottage, edam, emmenthal, gouda, gruyère, jarlsberg, monterey jack, minas, munster, neufchatel, parmesão, prato, provolone, roquefort, suíço), requeijão, soro de leite, sorbet, sorvetes cremosos Ó L E O S Tipo de sangue  Semanalmente • Se seus ancestrais s30 Alimento / orção Africanos Caucasianos Asiáticos Óleos 1 colher de sopa 3-8x 2-6x 2-6x Os organismos de Tipo A precisam de muito pouca gordura para funcionar bem, mas uma colher de sopa de azeite de oliveira em saladas ou verduras no vapor todo dia facilitará a digestão e a eliminação. Como uma gordura monossaturada, o azeite de oliva também produz um efeito positivo em seu cora- ção e pode reduzir o colesterol. As lectinas de óleos como o de milho e o de açafrão causam problemas ao aparelho digestivo de Tipo A - efeito exatamente oposto ao dos óleos benéficos. Assim, dos óleos que são altamente benéficos, o de oliveira é mais saboroso e mais adequado para cozinhar que o de linhaça. * Laticínios alternativos.

×