Andebol feminino apresentação 19º clinic aam

264 visualizações

Publicada em

Publicada em: Esportes
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
264
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Andebol feminino apresentação 19º clinic aam

  1. 1. ASSOCIAÇÃO DE ANDEBOL DA MADEIRAXIX CLINIC DE ANDEBOL24 DE ABRIL 2009ELDER CARDOSO
  2. 2. PROJECTO DE ANDEBOL FEMININO
  3. 3. O desporto sofre hoje a enorme e desigual concorrência da televisão, doscomputadores e outros meios de ocupação dos tempos livres com maior emais sustentado poder de penetração na população jovem.Torna-se assim fundamental transmitir e proporcionar aos jovensmensagens atraentes de actividades desportivas e neste caso para oandebol feminino
  4. 4. Melhoria da qualificação escolar e profissionalProcura doPrimeiroEmpregoEntradanaUniversidadeConstituiçãodeFamíliaNão podem ser vistos como os “inimigos” a abater
  5. 5. Bambis7 – 8 anosMinis9 – 10 anosInfantis11 – 12 anosIniciados13 – 14 anosJuvenis15 – 16 anosJuniores17 – 18 anos6 anos para formação de um atleta
  6. 6. Federação de Andebol
  7. 7. FederaçãoAssociações(24) » 21eClubes(255)
  8. 8. Operacionalizaçãode Fundospara alcançar esteobjectivoQuadro de ReferênciaEstratégico Nacional
  9. 9. “Em conformidade com a Resolução Nº 25/ 2006 – Nº 50 D. R. 10 deMarço de 2006, 1ª Série B – da Presidência do Conselho de Ministros, oRegulamento do Quadro de Referência Estratégico Nacional, naalínea c)c) Garantir a coesão social actuando, em particular, nosobjectivos do aumento de emprego e do reforço daempregabilidade e do empreendedorismo, da melhoria daqualificação escolar e profissional e assegurando a inclusãosocial, nomeadamente desenvolvendo o carácter inclusivo domercado de trabalho, promovendo a igualdade deoportunidades para todos e a igualdade de género, bemcomo reabilitação e reinserção social, a conciliação entre a vidasocial e profissional, e a valorização da saúde como factor deprodutividade e medida de inclusão social.”Programas Operacionais com Fundos Comunitáriosno financiamento das políticas de desenvolvimento
  10. 10. FederaçãoMarketingePublicidadeImagemPositivaApoios:FinanceirosProdutosServiços
  11. 11. GestãodeRelaçõesHumanasComunicação EficazInternetTVRádioJornais
  12. 12. DepartamentodeDefinição SocialDepartamentoClínicoSociólogo PsicólogoBem estarFamíliaQualificação escolarQualificação para o emprego
  13. 13. Observação do JogoAnálisedaprópriaequipaEstudo dasequipasadversárias
  14. 14. EstratégiaAdequadaConfiançaProbabilidadede Sucesso
  15. 15. País noAndebolFemininoDepartamentosN C SRAA RAM
  16. 16. SELECÇÕESNACIONAISJuvenisJunioresSenioresABCAfirmaçãoInternacionalSelecçõesRegionaisSelecções deDepartamentoCompetiçõesEstágiosIniciadosJuvenisJuniores
  17. 17. Departamentos(24 Sel. Reg.)N CSSELECÇÕES NACIONAISIniciados; Juvenis; Juniores;SenioresDepartamentos6 SelecçõesIniciadosJuvenisJuniores
  18. 18. Selecção Nacional de Seniores Campeonato Nacional da 1ª divisãoDez clubesCampeonato Nacional da 2ª divisãoDez clubesPlanificaçãode acordocomPlaneamentoInternacionalMelhorenquadramentodas CompetiçõesNac. e Internac.Selecção Nacionalmais forte
  19. 19. Competição Nacionalpor Clubes
  20. 20. C. N.IniciadosC. N.JuvenisFaseIntermédiaeFase FinalC. N.JunioresObjectivo:Competição RegularDez clubesInterrupções longas devido aos trabalhos da selecção séniorCriar competição alternativa motivadora e aliciante
  21. 21. FORMASDEAPOIO
  22. 22. Governo(IDP)€Federação€Associações€ClubesCritérios de apoio
  23. 23. - Totalidade de escalões etários com prática efectiva.- Maior número de atletas em actividade por escalãoetário- Altura das atletas (criar padrões de apoio)- Guarda-Redes- Mais de 2 jogadoras de campo- Atletas esquerdinas- Maior número de atletas mantidos ao longo de 4 anosconsecutivos(Permanência contínua em actividade)- Maior número de atletas nas selecções nacionais nosdiferentes escalões etários
  24. 24. - Maior número de clubes/equipas- Maior número de Provas/Jogos(valorização do quadro competitivo)- Maior número de árbitros em actividade- Maior número de técnicos de grau 3 a trabalharno andebol feminino nos diferentes escalões etários.- Classificação final nas competições de selecções e clubes
  25. 25. Documentos Orientadores
  26. 26. DOCUMENTOS ORIENTADORESDefinidos pelos Responsáveistécnicos da federaçãoLinhas de orientação para osdiferentes escalões etáriosCumprir com rigor asEtapasdeDesenvolvimento
  27. 27. EM LINHAS GERAIS:1ª ETAPA integrada no escalão de BAMBIS eMINIS, será denominada de DIVERTIMENTO, emque a criança na sua primeira fase de aprendizagem eantes de ter contacto com a modalidade, integraraformas jogadas na abordagem dos jogos pré -desportivos colectivos, possibilitando assim um“transfer” para as aquisições estruturais e funcionais doandebol.
  28. 28. 2ª ETAPA – ANIMAÇÃO – INFANTIS, é a decontacto inicial com a prática da modalidade e devivência primária das relações sócio – motoras por elaproporcionadas.3ª ETAPA – INICIAÇÃO – INICIADOS.Enriquecimento do repertório motor dos jovens e umaabordagem inicial aos fundamentos básicos doandebol.
  29. 29. 4ª ETAPA – Orientação – JUVENIS. Construçãodos diversos pré – requisitos fisiológicos necessários eao consequente aperfeiçoamento dos conteúdos técnico– tácticos específicos.5ª ETAPA – ESPECIALIZAÇÃO DESPORTIVA– JUNIORES. Compromisso com a procura dosprimeiros resultados desportivos criando ospressupostos para a obtenção de níveis de rendimento,tendo como ponto de referência (MODELO) a práticada modalidade ao ALTO NÍVEL – SENIORES
  30. 30. RegulamentosTécnico - Pedagógicos
  31. 31. Regulamentos Técnico - Pedagógicos
  32. 32. MADEIRA
  33. 33. Associação de Andebol da Madeira9AndebolFeminino13Clubes654atletas54Bambis7 – 8 anos133Minis9 – 10 anos159Infantis11 – 12 anos80Juvenis15 – 16 anos54Juniores17 – 18 anos146Iniciados13 – 14 anos28
  34. 34. 6111137 escolas33 escolas 33 escolas12 1112 2 183 3ClubesComAndebolFeminino89741350105411112141531ºCiclo 2ºCiclo3ºCiclo3321111IniciadosInfantisMinis e Bambis
  35. 35. Protocolos com escolasCriação de Projectos deDesenvolvimentoCriação de Centrosde FormaçãoPor proximidadegeográficaDocumentosOrientadoresAcompanhamentotécnico(AAM)Rigor no Processo de AprendizagemMais ClubesMais AtletasMais CompetiçãoMAIS ANDEBOL
  36. 36. Competição por ClubesEm todos os escalõesIniciadosSelecções RegionaisJuvenis JunioresParticipam nascompetições regionaisde juvenis de ClubesParticipam nascompetições regionaisde juniores de ClubesSelecções Regionais integram projecto nacionalParticipam nascompetições regionaisde seniores de Clubes
  37. 37. AtletasnasSelecçõesMais tempo de treinoMais jogos regionais enacionais
  38. 38. Apoio aos Clubes
  39. 39. - Totalidade de escalões etários com prática efectiva.- Maior número de atletas em actividade por escalãoetário- Altura das atletas (criar padrões de apoio)- Guarda-Redes- Mais de 2 jogadoras de campo- Atletas esquerdinas- Maior número de atletas mantidos ao longo de 4 anosconsecutivos(Permanência contínua em actividade)- Maior número de atletas nas selecções regionais nosdiferentes escalões etários- Maior número de técnicos de grau 3 a trabalharno andebol feminino nos diferentes escalões etários.
  40. 40. Incentivar a prática nosescalões juniores e seniores Sem CustosEscalão JúniorEscalão Sénior(atletas com – 25 anos)Escalão SéniorRedução de custos aos clubescom atletas até 30 anos
  41. 41. SESSÕES DE TREINOPOR ESCALÃO ETÁRIO2 3INICIADOSINFANTISMINIS E BAMBIS4755JUVENIS Juniores SENIORES
  42. 42. Muito Obrigado Pela Vossa Atenção

×