Introdução à Investigação em Feridas ELCOS Cova da Beira 2010

2.139 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.139
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
206
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Introdução à Investigação em Feridas ELCOS Cova da Beira 2010

  1. 1. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas
  2. 2. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Observação Identificação do problema Reformulação da teoria Aplicação Prática Interpretação dos Dados Análise dos Dados Colheita de Dados Revisão da literatura Hipóteses Desenho do Estudo Conceitos… Variáveis… Metodologia de Investigação
  3. 3. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Observação Identificação do problema Reformulação da teoria Aplicação Prática Interpretação dos Dados Análise dos Dados Colheita de Dados Revisão da literatura Hipóteses Desenho do Estudo Conceitos… Variáveis… … processo de inquérito sistemático que visa fornecer informação para a resolução de um problema ou resposta a questões complexas.
  4. 4. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Observação Identificação do problema Reformulação da teoria Aplicação Prática Interpretação dos Dados Análise dos Dados Colheita de Dados Revisão da literatura Hipóteses Desenho do Estudo Conceitos… Variáveis… Características Objectivos e propósitos claros Rigor e transparência Resultados testáveis & replicáveis Objectividade e clareza Generalização Simplicidade
  5. 5. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Observação Identificação do problema Reformulação da teoria Aplicação Prática Interpretação dos Dados Análise dos Dados Colheita de Dados Revisão da literatura Hipóteses Desenho do Estudo Conceitos… Variáveis… http://www.ingestao.net/2009/12/08/3m-e-sua-cultura-de-inovacao/
  6. 6. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Observação Identificação do problema Reformulação da teoria Aplicação Prática Interpretação dos Dados Análise dos Dados Colheita de Dados Revisão da literatura Hipóteses Desenho do Estudo Conceitos… Variáveis…A curiosidade é mais importante que o conhecimento (Albert Einstein)
  7. 7. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 http://offthemark.com/ Observação
  8. 8. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Observação http://pequenasdecisoes.blogspot.com
  9. 9. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Observação Identificação do problema Reformulação da teoria Aplicação Prática Interpretação dos Dados Análise dos Dados Colheita de Dados Revisão da literatura Hipóteses Desenho do Estudo Conceitos… Variáveis…
  10. 10. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Identificação do problema O PROBLEMA É O COMANDANTE QUE ESTABELECE O RUMO DE TODA A INVESTIGAÇÃO «A ideia de investigação pressupõe que existam problemas, o objectivo da investigação exige que eles sejam formulados» (Grawitz, Methodes des sciences sociales, Paris, Dalloz, 1986, p. 610)
  11. 11. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Identificação do problema O PROBLEMA É O COMANDANTE QUE ESTABELECE O RUMO DE TODA A INVESTIGAÇÃO …UM PROBLEMA DE PESQUISA É UM FACTO, UM OBJECTO OU FENÓMENO, QUE POR NÃO ESTAR DEVIDAMENTE EXPLICADO, NEM POR UMA TEORIA, NEM PELA PRÁTICA, NOS MOTIVA REALIZAR O ESTUDO.
  12. 12. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Identificação do problema Toda a investigação deve resultar numa resposta precisa, suscitada por uma questão precisa. Questões demasiado gerais, demasiado globais não podem ser susceptíveis de uma investigação de carácter empírico ou experimental.
  13. 13. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Identificação do problema REGRAS PARA A FORMULAÇÃO DO PROBLEMA/Questão de Investigação Evitar dar opiniões, fazer suposições ou afirmações subjectivas e não provadas, bem como defini-lo de modo negativo (os conhecimentos, por serem insuficientes, não se traduzem em melhores formas de fazer…)
  14. 14. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Identificação do problema REGRAS PARA A FORMULAÇÃO DO PROBLEMA/Questão de Investigação Formular o problema/questão de modo positivo e interrogativo, como uma pergunta, precisando a questão e clarificando a interrogação. (Melhores conhecimentos traduzem-se na prática em melhores formas de fazer as coisas?)
  15. 15. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Identificação do problema REGRAS PARA A FORMULAÇÃO DO PROBLEMA/Questão de Investigação Escrever o problema/questão em modo curto, claro e completo: … poucas palavras…forma concisa… terminologia precisa, inequívoca… linguagem técnica sem ambiguidades e sem lacunas de informação…. (Mais conhecimentos traduzem-se em melhores práticas?)
  16. 16. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Identificação do problema REGRAS PARA A FORMULAÇÃO DO PROBLEMA/Questão de Investigação Limitar o problema/questão a uma dimensão viável, precisando os limites do seu âmbito e fugir de formulações vagas… (Mais conhecimentos dos profissionais de saúde traduzem-se em melhores práticas no tratamento de feridas?)
  17. 17. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Identificação do problema REGRAS PARA A FORMULAÇÃO DO PROBLEMA/Questão de Investigação Definir com clareza as relações entre as variáveis. A variável dependente “melhores práticas” depende da variável “conhecimento” nos sujeitos “profissionais de saúde”.
  18. 18. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Identificação do problema http://www.cafecomnegocios.com/tag/problemas/
  19. 19. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Observação Identificação do problema Reformulação da teoria Aplicação Prática Interpretação dos Dados Análise dos Dados Colheita de Dados Revisão da literatura Hipóteses Desenho do Estudo Conceitos… Variáveis… http://www.uky.edu/DistanceLearning/online/libraries.php
  20. 20. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Revisão da literatura
  21. 21. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Revisão da literatura
  22. 22. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Revisão da literatura
  23. 23. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Revisão da literatura
  24. 24. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Revisão da literatura
  25. 25. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Revisão da literatura http://www.uky.edu/DistanceLearning/online/libraries.php
  26. 26. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Revisão da literatura http://www.uky.edu/DistanceLearning/online/libraries.php
  27. 27. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Revisão da literatura
  28. 28. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Revisão da literatura
  29. 29. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Revisão da literatura http://thesituationist.wordpress.com/2009/08/09/the-brain-sciences-and-criminal-law-abstract/ Dá suporte teórico a toda a investigação… Ajuda a melhor formular o problema e a escolher as hipóteses… Ajuda a escolher a melhor metodologia a usar na investigação…
  30. 30. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Observação Identificação do problema Reformulação da teoria Aplicação Prática Interpretação dos Dados Análise dos Dados Colheita de Dados Revisão da literatura Hipóteses Desenho do Estudo Conceitos… Variáveis…http://simonesupertram p.wordpress.com/
  31. 31. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Hipóteses … hipótese é uma coisa que não é, mas faz-se de conta que é, só para ver como seria se ela fosse… http://simonesupertramp.wordpress.com/
  32. 32. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Hipóteses … proposição que pode ser submetida a prova, para determinar sua validade… http://simonesupertramp.wordpress.com/
  33. 33. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Hipóteses … confirmando-a ou rejeitando-a. http://wwwimre.imre.oc.uh.cu/cmblog/?m=200807
  34. 34. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Hipóteses É a formulação de uma suposta relação entre duas ou mais características, aspectos, situações (variáveis…) Deve ser formulada de forma breve e fácil de compreender Tem que ser testável!
  35. 35. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Hipóteses As Hipóteses podem ser: NULAS (Não prevê nenhuma diferença ou relação entre as variáveis) Ex: “ O índice de cicatrização de uma ferida não depende da periodicidade da realização do penso”
  36. 36. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Hipóteses As Hipóteses podem ser: NÃO DIRECCIONAL (Prevê a diferença mas não prevê em que direcção existe a diferença…) Ex: “ O índice de cicatrização de uma ferida está relacionado com a periodicidade da realização do penso”
  37. 37. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Hipóteses As Hipóteses podem ser: DIRECCIONAL (Prevê a diferença e afirma uma relação específica entre as variáveis…) Ex: “ O índice de cicatrização de uma ferida aumenta quando a periodicidade da realização do penso diminui”
  38. 38. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Observação Identificação do problema Reformulação da teoria Aplicação Prática Interpretação dos Dados Análise dos Dados Colheita de Dados Revisão da literatura Hipóteses Desenho do Estudo Conceitos… Variáveis…
  39. 39. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Conceitos… Variáveis… As VARIÁVEIS são características ou atributos que podem assumir diferentes valores ou categorias… … podem assumir diferentes valores entre os membros de uma classe de sujeitos ou acontecimentos, MAS só têm um valor para um dado membro dessa classe num qualquer momento da observação/avaliação…
  40. 40. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Conceitos… Variáveis… Em função do papel que têm numa investigação, assim podem ser designadas de: Variável INDEPENDENTE Dimensão ou característica que o investigador manipula deliberadamente para conhecer o seu impacto noutra variável (a dependente…)
  41. 41. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Conceitos… Variáveis… Em função do papel que têm numa investigação, assim podem ser designadas de: Variável DEPENDENTE Característica que aparece ou muda quando o investigador manipula (aplica…suprime…aumenta…diminui…) a variável independente.
  42. 42. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Conceitos… Variáveis… No exemplo: “ A taxa de cicatrização de uma úlcera venosa aumenta com a terapia compressiva” Variável DEPENDENTE
  43. 43. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Conceitos… Variáveis… No exemplo: “ A taxa de cicatrização de uma úlcera venosa aumenta com a terapia compressiva” Variável DEPENDENTE ...é a taxa de cicatrização QUE DEPENDE da terapia compressiva….
  44. 44. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Conceitos… Variáveis… No exemplo: “ A taxa de cicatrização de uma úlcera venosa aumenta com a terapia compressiva” Variável INDEPENDENTE
  45. 45. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Conceitos… Variáveis… No exemplo: “ A taxa de cicatrização de uma úlcera venosa aumenta com a terapia compressiva” Variável INDEPENDENTE … é a terapia compressiva que SE MANIPULA para ver o seu impacto na taxa de cicatrização…
  46. 46. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Conceitos… Variáveis… Natureza das variáveis: Qualitativas
  47. 47. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Conceitos… Variáveis… Natureza das variáveis: Qualitativas - Dicotómicas (apenas duas categorias) - Politómicas (três ou mais categorias)
  48. 48. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Conceitos… Variáveis… Natureza das variáveis: Quantitativas
  49. 49. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Conceitos… Variáveis… Natureza das variáveis: Quantitativas - Discretas (apenas assumem valores inteiros) - Contínuas (assumem qualquer valor inteiro ou fraccionário)
  50. 50. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Observação Identificação do problema Reformulação da teoria Aplicação Prática Interpretação dos Dados Análise dos Dados Colheita de Dados Revisão da literatura Hipóteses Desenho do Estudo Conceitos… Variáveis…
  51. 51. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Observação Identificação do problema Reformulação da teoria Aplicação Prática Interpretação dos Dados Análise dos Dados Colheita de Dados Revisão da literatura Hipóteses Desenho do Estudo Conceitos… Variáveis…
  52. 52. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do Estudo Estudos Transversais Recolhe-se informação apenas numa única observação (ponto no tempo)
  53. 53. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do Estudo Estudos Transversais Podem servir para caracterizar a população em relação a determinados atributos: -Quanto a variáveis isoladas (ex: IPTB em doentes com úlcera de perna...) - Relação de variáveis (ex: relação entre o IPTB e o IMC...; relação entre a duração da úlcera de perna e a Qualidade de Vida...; relação entre a localização da ferida e a Dor...; etc..)
  54. 54. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do Estudo Estudos Longitudinais Recolhe-se informação ao longo do tempo (dois ou mais momentos de recolha de dados).
  55. 55. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do Estudo Estudos Longitudinais Para além dos objectivos dos Estudos Transversais permitem: -Analisar as mudanças ao longo do tempo... -Tentar descrever /explicar essas mudanças... - Detectar a eventual flutuação dos fenómenos de acordo com a manipulação das variáveis…
  56. 56. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do Estudo Estudos Longitudinais Podem ser: Estudos de Painel (A MESMA AMOSTRA é observada várias vezes no tempo) Estudos de Tendência (A MESMA POPULAÇÃO é observada várias vezes no tempo MAS em cada medição é seleccionada uma nova amostra)
  57. 57. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do Estudo Estudos Longitudinais Os estudos quasi-experimentais enquadram-se nos Estudos Longitudinais
  58. 58. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do Estudo Estudos Longitudinais Os estudos quasi-experimentais enquadram-se nos Estudos Longitudinais G. Experimental G. Controle
  59. 59. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do Estudo Estudos Longitudinais Os estudos quasi-experimentais enquadram-se nos Estudos Longitudinais G. Experimental G. Controle Observação1 Observação1
  60. 60. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do Estudo Estudos Longitudinais Os estudos quasi-experimentais enquadram-se nos Estudos Longitudinais G. Experimental G. Controle Observação1 Observação1 Manipulação Manipulação
  61. 61. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do Estudo Estudos Longitudinais Os estudos quasi-experimentais enquadram-se nos Estudos Longitudinais G. Experimental G. Controle Observação1 Observação1 Manipulação Manipulação Observação2 Observação2
  62. 62. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do Estudo Estudos Longitudinais Os estudos quasi-experimentais enquadram-se nos Estudos Longitudinais G. Experimental G. Controle Observação1 Observação1 Manipulação Manipulação Observação2 Observação2 Comparam-se os dados/resultados
  63. 63. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do Estudo Estudos Longitudinais Os estudos quasi-experimentais enquadram-se nos Estudos Longitudinais G. Experimental G. Controle Observação1 Observação1
  64. 64. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do Estudo Estudos Longitudinais Os estudos quasi-experimentais enquadram-se nos Estudos Longitudinais G. Experimental G. Controle Observação1 Observação1 Os grupos devem ser homogéneos em relação às variáveis mais importantes!!!
  65. 65. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Estudos Longitudinais Desenho do Estudo
  66. 66. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do Estudo Estudos Longitudinais Se não é possível ter grupo de controle, opta-se pelos estudos pré- experimentais G. Experimental G. Controle Observação1 Observação1 Manipulação Manipulação Observação2 Observação2 Comparam-se os dados/resultados
  67. 67. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do Estudo Em feridas… Investigação-acção Metodologia indicada para a resolução de um problema ou para a obtenção de informação que conduza à sua resolução;
  68. 68. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do Estudo Em feridas… Investigação-acção Processo interactivo e recorrente (vários ciclos de investigação-acção- resultados-investigação-acção-resultados...) Envolvimento no processo de TODOS os agentes envolvidos no problema ou na sua resolução;
  69. 69. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do Estudo Em feridas… Investigação-acção Ciclo de Investigação-Acção, segundo Whitehead ) http://faadsaze.com.sapo.pt/11_modelos.htm)
  70. 70. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Observação Identificação do problema Reformulação da teoria Aplicação Prática Interpretação dos Dados Análise dos Dados Colheita de Dados Revisão da literatura Hipóteses Desenho do Estudo Conceitos… Variáveis… http://www.corbisimages.com/Enlargement/42-22631774.html
  71. 71. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do EstudoColheita de Dados Meio pelo qual a informação sobre as variáveis é colhida http://potenginainternet.blogspot.com «O coxo que toma o caminho certo ultrapassa o corredor rápido que toma o mau caminho» (Bacon, The New Organon, Indianáoplis, Bobbs-Merril, 1981, Book 1: LXI.)
  72. 72. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do EstudoColheita de Dados Meio pelo qual a informação sobre as variáveis é colhida http://potenginainternet.blogspot.com Entrevistas Administrando instrumentos (questionários, escalas de atitudes, testes) Observação Exame de documentos, materiais e artefatos …
  73. 73. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do EstudoColheita de Dados Meio pelo qual a informação sobre as variáveis é colhida Entrevistas O entrevistador, habitualmente treinado, faz perguntas ao entrevistado (telefone, por email , ou numa situação "frente a frente“). As respostas são registradas num plano de entrevista previamente preparado. http://potenginainternet.blogspot.com
  74. 74. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do EstudoColheita de Dados Meio pelo qual a informação sobre as variáveis é colhida Administrando instrumentos (questionários, escalas de atitudes, testes …) O investigador dá instrumentos (questionários, escalas de atitudes, testes …) ao sujeito e colhe depois do que o sujeito respondeu (auto-preenchimento). Em algumas situações o contato entre o investigador e o sujeito é mínimo. http://potenginainternet.blogspot.com
  75. 75. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do EstudoColheita de Dados Meio pelo qual a informação sobre as variáveis é colhida Administrando instrumentos (questionários, escalas de atitudes, testes …) http://potenginainternet.blogspot.com
  76. 76. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do EstudoColheita de Dados Meio pelo qual a informação sobre as variáveis é colhida Observação Colhe-se informações de forma observacional, formal ou informalmente, de indivíduos ou grupos num determinado ambiente sobre determinados factos ou situações.. A observação pode ser direta - realizada pelo próprio pesquisador sem a interferência de terceiros. A observação pode se indireta - realizada por terceiros, desde que treinados para processar a observação. http://potenginainternet.blogspot.com
  77. 77. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do EstudoColheita de Dados Meio pelo qual a informação sobre as variáveis é colhida Observação http://potenginainternet.blogspot.com
  78. 78. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do EstudoColheita de Dados Meio pelo qual a informação sobre as variáveis é colhida Observação http://potenginainternet.blogspot.com
  79. 79. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do EstudoColheita de Dados Meio pelo qual a informação sobre as variáveis é colhida Exame de documentos, materiais e artefatos … Método de colheita de dados no qual o investigador examina e registra características de fenômenos já ocorridos (por exemplo a consulta de processos clínicos, arquivados ou não, para fazer estudos de prevalência de úlceras de pressão…). http://potenginainternet.blogspot.com
  80. 80. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do EstudoColheita de Dados Meio pelo qual a informação sobre as variáveis é colhida http://potenginainternet.blogspot.com
  81. 81. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Observação Identificação do problema Reformulação da teoria Aplicação Prática Interpretação dos Dados Análise dos Dados Colheita de Dados Revisão da literatura Hipóteses Desenho do Estudo Conceitos… Variáveis…http://www.manualescolar2.0.sebenta.pt/projectos/mat5/posts/110
  82. 82. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Análise dos Dados Interpretar e organizar informação através da construção de tabelas e gráficos …
  83. 83. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Análise dos Dados Fazer inferências e previsões baseadas na análise de dados.
  84. 84. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Análise dos Dados Fazer bom uso da estatística. http://www.anossaescola.com/cr/tesouro_id.asp?tesouroID=311
  85. 85. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Observação Identificação do problema Reformulação da teoria Aplicação Prática Interpretação dos Dados Análise dos Dados Colheita de Dados Revisão da literatura Hipóteses Desenho do Estudo Conceitos… Variáveis…
  86. 86. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do Estudo Interpretação dos Dados Não torturar os dados até eles “confessarem” o que nós queremos
  87. 87. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do Estudo Interpretação dos Dados Não “forçar” o significado dos resultados com interpretações convenientes
  88. 88. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do Estudo Interpretação dos Dados Manter o bom senso durante a análise dos dados…
  89. 89. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do Estudo Interpretação dos Dados O (bom) senso comum diz-nos que um dos indivíduos bebeu 6 garrafas de vinho (e está ébrio de certeza…) e o outro indivíduo não bebeu nenhuma garrafa ( e provavelmente está sóbrio…)
  90. 90. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do Estudo Interpretação dos Dados Média ponderada = = 6 2 3=
  91. 91. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do Estudo Interpretação dos Dados A estatística diz-nos que cada indivíduo bebeu 3 garrafas de vinho e provavelmente estão os dois ébrios…..
  92. 92. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do Estudo Interpretação dos Dados Não usar medidas estatísticas desadequadas
  93. 93. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do Estudo Interpretação dos Dados Não usar medidas estatísticas desadequadas A média da cor do cabelo é…castanho?!?!
  94. 94. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do Estudo Interpretação dos Dados Não usar medidas estatísticas desadequadas … os utentes atendidos no serviço X têm em média 4,36 feridas …. … cada casal tinha, em média, dois filhos e meio….
  95. 95. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Observação Identificação do problema Reformulação da teoria Aplicação Prática Interpretação dos Dados Análise dos Dados Colheita de Dados Revisão da literatura Hipóteses Desenho do Estudo Conceitos… Variáveis…http://www.ingestao.net/2009/12/08/3m-e-sua-cultura-de-inovacao/
  96. 96. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Desenho do Estudo Reformulação da teoria Aplicação Prática
  97. 97. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas PG 2010 Observação Identificação do problema Reformulação da teoria Aplicação Prática Interpretação dos Dados Análise dos Dados Colheita de Dados Revisão da literatura Hipóteses Desenho do Estudo Conceitos… Variáveis… http://www.ingestao.net/2009/12/08/3m-e-sua-cultura-de-inovacao/
  98. 98. INTRODUÇÃO À INVESTIGAÇÃO EM FERIDAS Curso Avançado de feridas crónicas Obrigado

×