Documentos internacionais sobre a dor

1.448 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.448
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
84
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Documentos internacionais sobre a dor

  1. 1. Documentos Internacionais sobre a Dor<br />Enf. João Dias (ELCOS)<br />
  2. 2. "Sharp Pain" by Baruch Elron<br />
  3. 3. Direcção-Geral de Saúde definiu a dor como o 5º sinal vital:<br />Circular Normativa em 14 de Junho de 2003 (nº 09/DGCG)<br />Cinco princípios orientadores: <br /><ul><li>Subjectividade da dor;
  4. 4. A dor como 5º sinal vital;
  5. 5. Direito ao controlo da dor;
  6. 6. Dever do controlo da dor e
  7. 7. Tratamento diferenciado da dor</li></li></ul><li><ul><li>Documento de posição – EWMA, 2002
  8. 8. Documento de consenso: Diminuição da dor nos tratamentos relacionados com mudança de pensos – WUWHS, 2003
  9. 9. WoundPainManagementModel - Coloplast, 2008.
  10. 10. Woundpainassessmenttool - WORLD WIDE WOUNDS, 2005</li></li></ul><li>Documento de posição EWMA<br />
  11. 11. Documento de posição EWMA<br /><ul><li>A dor e traumatismos nas feridas: Uma perspectiva internacional
  12. 12. A teoria da dor
  13. 13. A dor durante as mudanças de pensos: Uma guia de tratamento</li></li></ul><li>Documento de posição EWMA<br />A dor durante as mudanças de pensos: Uma guia de tratamento<br />O momento da retirada do penso, parece ser a etapa mais dolorosa…<br /><ul><li>Os métodos de tratamento da dor durante as trocas de pensos são subutilizadas pelos profissionais.
  14. 14.  A dor causada por lesões é multidimensional e os profissionais devem adoptar uma abordagem abrangente e integral ao tratamento.
  15. 15. É essencial que as pessoas recebam uma combinação de técnicas para ajudá-los a superar a dor durante os tratamentos, incluindo uma boa preparação, escolha adequada do penso e de analgesia.</li></li></ul><li>Documento de consenso: Diminuição da dor nos tratamentos relacionados com mudança de pensos WUWHS<br />
  16. 16. Documento de consenso: Diminuição da dor nos tratamentos relacionados com mudança de pensos WUWHS<br /><ul><li>Compreender os tipos de dor
  17. 17. Causas de dor
  18. 18. Avaliação da dor
  19. 19. Estratégias de avaliação da dor
  20. 20. Controlo da dor</li></li></ul><li>Documento de consenso: Diminuição da dor nos tratamentos relacionados com mudança de pensos WUWHS<br />Estratégias de avaliação da dor<br />Dor é o que a pessoa identifica como dor, mas às vezes não diz nada<br />Avaliação das características da dor mediante perguntas<br />Medir a intensidade da dor<br />Aspectos profissionais<br />Se uma pessoa tem dor intensa durante um tratamento relacionado com a mudança de penso, é considerada negligência repetida um tratamento sem ser aliviada a dor de forma adequada.<br />
  21. 21. Modelo de gestão da dor de ferida<br />
  22. 22. Modelo de gestão da dor de ferida<br />Fornece um quadro abrangente para controlar a dor:<br /><ul><li>Etiologia, 
  23. 23. Condição da ferida, e
  24. 24. Especificidades descritivas da dor. </li></ul>Especifica três tipos de tratamento para a dor em repouso:<br /><ul><li>Na remoção do penso, 
  25. 25. Na limpeza, e 
  26. 26. Durante o desbridamento. </li></ul>Categorias de tratamento incluem: <br /><ul><li> 1º - tratamento local (não-farmacológico ou activo) 
  27. 27. 2º - os aspectos psico-social do tratamento da dor de ferida.
  28. 28. 3º - o tratamento sistémico para a dor nociceptiva e neuropática </li></li></ul><li>Instrumento  de avaliação da dor de Ferida<br />
  29. 29. Instrumento  de avaliação da dor de Ferida<br />Oobjectivo é:<br /><ul><li>Estruturar o processo de avaliação da dor de ferida,
  30. 30. Permitir a avaliação precoce da dor de ferida
  31. 31.  Implementar as estratégias eficazes de gestão da dor </li></ul>Pode ser adaptado para responder às necessidades dos serviços<br />e associar-se àdocumentação existente <br />
  32. 32. Instrumento  de avaliação da dor de Ferida<br />Estrutura:<br /><ul><li>Tipos de dor
  33. 33. Actividades que exacerbam a dor
  34. 34. Actividades que reduzem a dor
  35. 35. A avaliação centrada na pessoa
  36. 36. Determinar a intensidade da dor</li></li></ul><li>Considerações finais<br />Dor da ferida pode ser dividida em dor persistente e dor de procedimentos dolorosos.<br />O momento de refazer o penso é o mais doloroso<br />O processo de cicatrização é influenciado pela dor<br />Devem ser utilizadas medidas de avaliação da dor centradas na pessoa<br /> O controlo da dor só pode ser alcançada através de uma abordagem estruturada para a avaliação da dor.<br />Presença e recurso a especialistas de tratamento de feridas e viabilidade tecidular!!??<br />
  37. 37. Considerações finais<br />Para quando!?!?<br />Presença e recurso a especialistas de tratamento de feridas e viabilidade tecidular!!??<br />
  38. 38. Grato pela atenção<br />

×