Iot

3.263 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.263
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
150
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Iot

  1. 1. Como eu faço?INTUBAÇÃO OROTRAQUEAL Geysa Câmara
  2. 2. O que é Intubação Traqueal? É a introdução de um tubo na luz da traquéia para assegurar a passagem de ar para as vias aéreas. Ela pode ser realizada através das narinas(via nasotraqueal), boca(via orotraqueal) ou abertura da parede da traquéia(transtraqueal).
  3. 3. “A manutenção de uma via aéreapérvea e a oxigenação adequada dostecidos são as primeiras preocupaçõesnas emergências. Para tanto énecessário conhecimento anatômico davia aérea e os principais métodos para amanutenção da mesma.”
  4. 4. Indicações Oxigenação inadequada Ventilação inadequada Cirurgias nas quais a intubação é obrigatória, entre elas: cirurgias de cabeça e pescoço, intratorácicas e intra- abdominais.
  5. 5. Anatomia
  6. 6. Anatomia
  7. 7. Avaliação Clínica Nível de consciência do paciente Abertura da boca Dimensões da língua Mobilidade da mandíbula Dentição Mobilidade atlanto-occipital Desvios da traquéia
  8. 8. Índices de MallampatiGrau I:Visualização do palato mole, úvula e pilaresGrau II:Visualização do palato mole e da úvulaGrau III:Visualização do palato mole e apenas base da úvula.Grau IV: Nem o palato mole é visualizado.
  9. 9. Índices de Cormack Grau I: Epiglote e cordas vocais bem visíveis Grau II: Somente a parte posterior da glote é bem visualizada. Grau III: Somente epiglote visível Grau IV: Visualização parcial ou nula da epiglote
  10. 10. Preparo Jejum prévio Aspiração e retirada de sonda gástrica(em pacientes previamente sondados) Pré-oxigenação Monitorização respiratória e hemodinâmica Na ausência de limitações de ordem clínica, a intubação faz-se sob anestesia geral Bloqueio neuromuscular
  11. 11. Equipamentos Laringoscópio: p/ visualização da glote Cabo do laringoscópio Lâmina de Macintosh Lâmina de Miller
  12. 12. Equipamentos Tubos endotraqueais: Em sua parte distal possuem um balonete que, ao ser inflado com o ar, se distende contra a parede da traquéia. O balonete se comunica com o exterior através de um fino manguito de insuflação. No terço proximal deste manguito localiza-se um balão piloto que tem a finalidade de indicar o grau de insuflação do balonete. Seu objetivo é evitar a aspiração pulmonar e promover uma vedação eficiente, facilitando a ventilação com pressão positiva. O balonete se comunica com o exterior através de um fino manguito de insuflação.
  13. 13. Equipamentos
  14. 14. Equipamentos Conector: peça que se adapta diretamente ao tubo endotraqueal servindo para conectá-lo à prótese ventilatória. Estilete: para facilitar a introdução de tubos flexíveis ou modificar a curvatura de tubos rígidos em intubações difíceis. Seringa: necessárias para inflar o balonete do tubo traqueal. Lubrificantes: para tubos e estiletes. Sondas de aspiração: para aspirar secreções da orofaringe
  15. 15. Equipamentos Unidade Ventilatória: pode ser auto-inflável ou não. AMBU
  16. 16. Equipamentos
  17. 17. Técnica 1) Posicionamento do pacientePosição olfativa: cabeça estendida e elevada – melhor alinhamento dos eixos oral, faríngeo e laríngeo. A cabeça ao ser elevada em “posição olfativa”, torna a visualização das estruturas laríngeas mais fácil.
  18. 18. Técnica II) Posicionamento do laringoscópio•A ponta da lâmina deve ser inserida na valécula (espaço acima daepiglote).•Tracionar o laringoscópio para cima e para trás realizando assim, aelevação da epiglote para que as cordas vocais sejam visualizadas---nãofazer movimentos de báscula com o laringoscópio, para evitar traumasdentários.
  19. 19. Técnica Em situações onde a laringoscopia for classe II, III ou IV é possível se obter uma melhora desta visualização através de manobras de compressão laríngea externa. Esta tática consiste no deslocamento para trás e para cima da cartilagem tireóide, osso hióide e/ ou cartilagem cricóide, facilitando assim a exposição da laringe. Uma variante desta manobra é conhecida pela sigla inglesa: “B.U.R.P.” (Backward –Upward – Right - Pressure),
  20. 20. Técnica III) Introdução do tubo orotraqueal Identificada a fenda glótica, o tubo é introduzido pelo canto direito da boca até que o balonete ultrapasse a glote. IV) A seguir, o laringoscópio é retirado e o balonete deve ser insuflado.
  21. 21. Técnica V) Verificação clínica do correto posicionamento do tubo na traquéia: Observar a expansibilidade de ambos os hemitórax e a presença de murmúrio vesicular uniformemente distribuído, audível com estetoscópio.
  22. 22. Complicações da IntubaçãoOrotraqueal Intubação esofágica, levando a hipóxia e morte. Indução ao vômito, levando a aspiração, hipóxia e morte. Luxação da mandíbula. Laceração de partes moles das vias aéreas, faringe posterior, epiglote e/ ou larínge. Fratura de dentes (causados por movimento de alavanca). Ruptura ou vazamento do balonete do tubo, resultando em perda de vedação durante a ventilação.
  23. 23. Obrigada!

×