Oração na Ótica Espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
Grupo Vagalumes – Novo Hamburgo
E-mail: epithan@bm.rs.gov.br
Facebook: f...
Oração – Referências Bibliográficas
 EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRTISMO, Allan kardec –
Cap XXV 5, Cap XXVII todo e Cap XXVII...
Nosso Lar - ORAÇÃO
E, quando as energias me faltaram de todo, quando me senti
absolutamente colado ao lodo da terra, sem f...
Oração - Conceito
Oração é um estado de atenção interna, uma
invocação, onde o espirito, encarnado ou
desencarnado, se col...
Se descêsseis ao fundo da vossa consciência, quase
sempre depararíeis, em vós mesmos, com o ponto de
partida dos males de ...
"A oração dentro da alma comprometida
em lutas na sombra, assemelha-se à
lâmpada que se acende numa casa
desarranjada; a p...
Evangelho Segundo o
Espiritismo
Oração – Jesus orienta
1. Quando fizerem sua oração, não façam como os hipócritas que
fingem orar, ficando em pé nas sinag...
Oração – Jesus orienta
3. Jesus também contou esta parábola para alguns que , tendo
confiança em si, se consideravam justo...
Resumo da Lei de Deus
O homem sofre sempre a consequência das suas faltas, e não
existe uma só infração à lei de Deus que ...
Oração – Qualidades da prece
 Discrição – Não se ponhais em evidência
 Sinceridade – Não são as palavras que tornam a or...
Ação da Prece – O que ela
propicia
Pela prece, obtém o homem o concurso dos bons
Espíritos que acorrem a sustentá-lo em su...
Atenção
Ao atender um pedido que lhe é dirigido, Deus procura
recompensar a intenção, o devotamento e a fé daquele que
ped...
Poder da prece
O poder da prece esta no pensamento. Assim, ela não
depende de palavras, nem do lugar, nem do momento e
mui...
Prece pelos mortos
Os espíritos sofredores pedem preces, pois elas lhes são
proveitosas.
Quando percebem que são lembrados...
C
O
M
O
O
R
A
R
“Nenhuma súplica aos céus se demora sem a
competente resposta. Certamente, nem sempre a
que se deseja receber, porém, a qu...
Livro dos Espíritos
Livro dos Espíritos
658. Agrada a Deus a prece?
“A prece é sempre agradável a Deus, quando ditada pelo
coração, pois, para...
Livro dos Espíritos
660. A prece torna melhor o homem?
“Sim, porquanto aquele que ora com fervor e confiança se
faz mais f...
Livro dos Espíritos
662. Pode-se, com utilidade, orar por outrem?
“O Espírito de quem ora atua pela sua vontade de pratica...
Livro dos Espíritos
663. Podem as preces, que por nós mesmos fizermos,
mudar a natureza das nossas provas e desviar-lhes o...
Livro dos Espíritos
523. Acontecendo que os pressentimentos e a voz do
instinto são sempre algum tanto vagos, que devemos ...
Missionários da Luz
(André Luiz por Chico Xavier)
“A oração é o mais eficiente antídoto do vampirismo. A prece não é
movim...
Entre o Céu e a Terra
(André Luiz por Chico Xavier)
“A prece, qualquer que ela seja, é ação provocando a
reação que lhe co...
Evolução em dois mundos
(André Luiz por Chico Xavier)
“Assim é que orar em nosso favor é atrair a Força Divina para a
rest...
Mecanismos da mediunidade
(André Luiz por Chico Xavier)
“Daí resulta o impositivo da vigilância sobre a nossa
própria orie...
Oração – Eficiência da prece
Infelizmente a maioria prefere ser socorrido por um
milagre ao ter que fazer algum esforço.
D...
Oração – Eficiência da prece
 É injusto acusar a Providência de não atender a todo
pedido que Lhe é feito, porque Ela sab...
Maneira de Orar
 O dever primordial de toda criatura humana, o primeiro ato
que deve assinalar a sua volta à vida ativa d...
Ação da Prece
A prece é uma invocação, mediante a qual o homem entra,
pelo pensamento, em comunicação com o ser a quem se
...
Atenção
Ao atender um pedido que lhe é dirigido, Deus procura
recompensar a intenção, o devotamento e a fé daquele que
ped...
Poder da prece
O poder da prece esta no pensamento. Assim, ela não
depende de palavras, nem do lugar, nem do momento e
mui...
Livro dos Espíritos
664. Será útil que oremos pelos mortos e pelos Espíritos
sofredores? E, neste caso, como lhes podem as...
Oração na ótica espírita - Baseada nos obras básicas do espiritismo
Oração na ótica espírita - Baseada nos obras básicas do espiritismo
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Oração na ótica espírita - Baseada nos obras básicas do espiritismo

7.842 visualizações

Publicada em

Palestra estruturada por Eduardo Ottonelli Pithan sobre o tema oração na ótica espirita baseado nas obras básicas do espiritismo

Publicada em: Espiritual
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.842
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
318
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Oração na ótica espírita - Baseada nos obras básicas do espiritismo

  1. 1. Oração na Ótica Espírita Eduardo Ottonelli Pithan Grupo Vagalumes – Novo Hamburgo E-mail: epithan@bm.rs.gov.br Facebook: facebook.com/Eduardoo.pithan 82042277
  2. 2. Oração – Referências Bibliográficas  EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRTISMO, Allan kardec – Cap XXV 5, Cap XXVII todo e Cap XXVIII 4 e 5;  LIVRO DOS ESPIRITOS, Allan Kardec – Perguntas 658 a 666, 523, 531, 479 e 210;  O CONSOLADOR, Emmanuel por Chico Xavier – Pergunta 246  CONDUTA ESPIRITA, André Luiz por Waldo Vieira – Mensagem 26  MISSIONÁRIOS DA LUZ, André Luiz por Chico Xavier;  ENTRE O CÉU E A TERRA, André Luiz por Chico Xavier;  EVOLUÇÃO EM DOIS MUNDOS, André Luiz por Chico Xavier;  MECANISMOS DA MEDIUNIDADE, André Luiz por Chico Xavier;  CONTOS E APÓLOGOS, Irmão X, por Chico Xavier.
  3. 3. Nosso Lar - ORAÇÃO E, quando as energias me faltaram de todo, quando me senti absolutamente colado ao lodo da terra, sem forças para reerguer-me, pedi ao Supremo Autor da Natureza me estendesse mãos paternais, em tão amargurosa emergência. Quanto tempo durou a rogativa? Quantas horas consagrei a súplica, de mãos postas, imitando a criança aflita? Apenas sei que a chuva das lágrimas me lavou o rosto; que todos meus sentimentos se concentraram na prece dolorosa. (...) é necessário haver conhecido o remorso, a humilhação, a extrema desventura, para tomar com eficácia o sublime elixir de esperança. Foi nesse instante que as neblinas espessas se dissiparam e alguém surgiu, emissários dos céus. Um velhinho simpático me sorriu paternalmente. Inclinou-se fixou nos meus os grandes olhos lúcidos e falou: - Coragem meu filho! O Senhor não te desempara. (Livro Nosso Lar, de André Luiz por Chico Xavier, Capítulo 2)
  4. 4. Oração - Conceito Oração é um estado de atenção interna, uma invocação, onde o espirito, encarnado ou desencarnado, se coloca de forma consciente e intencional, buscando a conexão com a espiritualidade superior, através de sua mente e seu coração, seja para louvar, pedir e agradecer. Na mente esta nossa vontade e em nosso coração as razões.
  5. 5. Se descêsseis ao fundo da vossa consciência, quase sempre depararíeis, em vós mesmos, com o ponto de partida dos males de que vos queixais. Pedi, pois, antes de tudo, que vos possais melhorar e vereis que torrente de graças e de consolações se derramará sobre vós. (Evangelho, segundo o Espiritismo. Cap. V, nº 4.)
  6. 6. "A oração dentro da alma comprometida em lutas na sombra, assemelha-se à lâmpada que se acende numa casa desarranjada; a presença da luz não altera a situação do ambiente desajustado e nem remove os detritos acumulados no recinto doméstico, entretanto, mostra sem alarde, o serviço que se deve fazer.“ Emmanuel, por Chico Xavier no Livro ESPERANÇA
  7. 7. Evangelho Segundo o Espiritismo
  8. 8. Oração – Jesus orienta 1. Quando fizerem sua oração, não façam como os hipócritas que fingem orar, ficando em pé nas sinagogas para serem vistos pelos homens. Em verdade Eu digo a vocês que eles já receberam sua recompensa. Quando quiserem orar, entrem para seu quarto, e com a porta fechada façam em segredo sua oração ao Pai, e Ele, vendo o que se passa em segredo, dará a vocês a recompensa. Procurem não falar muito em suas preces como fazem os pagãos, que pensam que é pela quantidade de palavras que serão atendidos. Não sejam semelhantes a eles, pois o Pai sabe da necessidade de Seus filhos, mesmo antes de fazerem o pedido. (S. MATEUS, cap. VI, vv., 5 a 8.); 2. Antes de iniciarem suas orações, se tiverem alguma coisa contra seu irmão, perdoem-no, para que o Pai que esta nos céus também possa perdoar os pecados que vocês cometem. Pois aqueles que não perdoam também não serão perdoados. (S. MARCOS, cap. XI, vv. 25 e 26.)
  9. 9. Oração – Jesus orienta 3. Jesus também contou esta parábola para alguns que , tendo confiança em si, se consideravam justos e desprezavam os outros. Dois homens subiram ao templo para rezar, um deles era fariseu e o outro publicano. O fariseu, de pé, rezava assim: “Meu Deus, eu Lhe agradeço por não ser como o resto dos homens, que são ladrões, injustos e adúlteros, como também é este publicano. Jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de tudo que possuo.” O publicano, ao contrário, ficou distante, e não ousava nem: “Meu Deus, tenha piedade de mim, pois sou um pecador.” Eu declaro a vocês que o publicano retornou para sua casa perdoado, e o fariseu não, pois aquele que se eleva será rebaixado, e todo aquele que se humilha será elevado. (Lucas, 18:9 a 14)
  10. 10. Resumo da Lei de Deus O homem sofre sempre a consequência das suas faltas, e não existe uma só infração à lei de Deus que não fique sem a correspondente punição. LEI DE JUSTIÇA. A severidade do castigo é proporcional a gravidade da falta. LEI DA AÇÃO E REAÇÃO ou LEI DE CAUSA E EFEITO. A duração do castigo para qualquer falta é indeterminada e fica subordinada ao arrependimento do culpado e o seu consequente retorno ao bem. “desde que o culpado clame por misericórdia, Deus o ouve e lhe concede a esperança. Mas o simples arrependimento não basta; é preciso a reparação da falta. Por essa razão o culpado é submetido a novas provas, onde poderá, pelo uso do seu livre-arbítrio, fazer o bem reparando o mal que praticou” Assim, o homem é constantemente o juiz da sua própria sorte. Pode abreviar o seu suplício ou prolongá-lo indefinidamente. Sua felicidade ou desgraça depende de sua vontade em fazer o bem. Na maioria das vezes, o que lhe falta e a vontade, a força e a coragem. Com nossas preces podemos lhe inspirar essa vontade, dando-lhe apoio e entusiasmo. Com nossos conselhos podemos transmitir a ele o conhecimento que lhe falta, com isso, estamos sendo instrumentos de outra lei: LEI DO AMOR E DA CARIDADE.
  11. 11. Oração – Qualidades da prece  Discrição – Não se ponhais em evidência  Sinceridade – Não são as palavras que tornam a oração especial, mas a sinceridade que elas carregam, são preferíveis as orações espontâneas.  Perdão aos outros antes da oração – Perdoai para que vossa oração seja agradável a Deus. Como pedir perdão se não perdoamos (PAI NOSSO)  Humildade – Esqueça o orgulho e a vaidade  Examinar apenas os nossos defeitos – Esqueça vossas qualidades  Compara-te apenas contigo mesmo – Procura comparar apenas contigo mesmo, esquece os demais
  12. 12. Ação da Prece – O que ela propicia Pela prece, obtém o homem o concurso dos bons Espíritos que acorrem a sustentá-lo em suas boas resoluções e a inspirar-lhe ideias sãs. Ele adquire, desse modo, a força moral necessária a vencer as dificuldades e a volver ao caminho reto, se deste se afastou.
  13. 13. Atenção Ao atender um pedido que lhe é dirigido, Deus procura recompensar a intenção, o devotamento e a fé daquele que pede. É por isso que a prece do homem de bem tem mais valor aos olhos de Deus e também maior eficiência. MERECIMENTO # MISERICÓRDIA
  14. 14. Poder da prece O poder da prece esta no pensamento. Assim, ela não depende de palavras, nem do lugar, nem do momento e muito menos da forma como é feita. Portanto, pode-se orar em qualquer lugar e a qualquer hora, sozinho ou em conjunto. A prece em conjunto tem uma ação mais poderosa quando todos aqueles que oram se associam de coração a um mesmo pensamento e possuem o mesmo objetivo. Ex. “Evangelho no lar”, Preces e irradiações nas casas espiritas, etc.
  15. 15. Prece pelos mortos Os espíritos sofredores pedem preces, pois elas lhes são proveitosas. Quando percebem que são lembrados, sentem-se menos abandonados e menos infelizes. Além disso, a prece tem sobre eles uma ação direta:  Reanima-lhes a coragem;  Estimula neles o desejo de se elevarem pelo arrependimento, pela reparação dos erros que cometeram; e,  Pode ajudar a desviar o pensamento do mal;
  16. 16. C O M O O R A R
  17. 17. “Nenhuma súplica aos céus se demora sem a competente resposta. Certamente, nem sempre a que se deseja receber, porém, a que traz melhores resultados e benefícios ao suplicante” ( livro “Do abismo as estrelas” de Divaldo Franco, pelo espirito Victor Hugo)
  18. 18. Livro dos Espíritos
  19. 19. Livro dos Espíritos 658. Agrada a Deus a prece? “A prece é sempre agradável a Deus, quando ditada pelo coração, pois, para Ele, a intenção é tudo. Assim, preferível Lhe é a prece do íntimo à prece lida, por muito bela que seja, se for lida mais com os lábios do que com o coração. Agrada-Lhe a prece, quando dita com fé, com fervor e sinceridade. Mas, não creias que O toque a do homem fútil, orgulhoso e egoísta, a menos que signifique, de sua parte, um ato de sincero arrependimento e de verdadeira humildade.” 659. Qual o caráter geral da prece? “A prece é um ato de adoração. Orar a Deus é pensar Nele; é aproximar-se Dele; é pôr-se em comunicação com Ele. A três coisas podemos propor-nos por meio da prece: louvar, pedir, agradecer.”
  20. 20. Livro dos Espíritos 660. A prece torna melhor o homem? “Sim, porquanto aquele que ora com fervor e confiança se faz mais forte contra as tentações do mal e Deus lhe envia bons Espíritos para assisti-lo. É este um socorro que jamais se lhe recusa, quando pedido com sinceridade.” 661. Poderemos utilmente pedir a Deus que perdoe as nossas faltas? “Deus sabe discernir o bem do mal; a prece não esconde as faltas. Aquele que a Deus pede perdão de suas faltas só o obtém mudando de proceder. As boas ações são a melhor prece, por isso que os atos valem mais que as palavras.”
  21. 21. Livro dos Espíritos 662. Pode-se, com utilidade, orar por outrem? “O Espírito de quem ora atua pela sua vontade de praticar o bem. Atrai a si, mediante a prece, os bons Espíritos e estes se associam ao bem que deseje fazer.” O pensamento e a vontade representam em nós um poder de ação que alcança muito além dos limites da nossa esfera corporal. A prece que façamos por outrem é um ato dessa vontade. Se for ardente e sincera, pode chamar, em auxílio daquele por quem oramos, os bons Espíritos, que lhe virão sugerir bons pensamentos e dar a força de que necessitem seu corpo e sua alma. Mas, ainda aqui, a prece do coração é tudo, a dos lábios nada vale.
  22. 22. Livro dos Espíritos 663. Podem as preces, que por nós mesmos fizermos, mudar a natureza das nossas provas e desviar-lhes o curso? “As vossas provas estão nas mãos de Deus e algumas há que têm de ser suportadas até ao fim; mas, Deus sempre leva em conta a resignação. A prece traz para junto de vós os bons Espíritos e, dando-vos estes a força de suportá-las corajosamente, menos rudes elas vos parecem. (...) Ajuda-te a ti mesmo e o céu te ajudará, bem o sabes. (...) Além disso, de quantos males não se constitui o homem o próprio autor, pela sua imprevidência ou pelas suas faltas? Ele é punido naquilo em que pecou. Todavia, as súplicas justas são atendidas mais vezes do que supondes. Julgais, de ordinário, que Deus não vos ouviu, porque não fez a vosso favor um milagre, enquanto que vos assiste por meios tão naturais que vos parecem obra do acaso ou da força das coisas. Muitas vezes também, as mais das vezes mesmo, ele vos sugere a ideia que vos fará sair da dificuldade pelo vosso próprio esforço.”
  23. 23. Livro dos Espíritos 523. Acontecendo que os pressentimentos e a voz do instinto são sempre algum tanto vagos, que devemos fazer, na incerteza em que ficamos? “Quando te achares na incerteza, invoca o teu bom Espírito, ou ora a Deus, soberano senhor de todos, e Ele te enviará um de seus mensageiros, um de nós.” 531. Extingue-se lhes com a vida corpórea a malevolência dos seres que nos fizeram mal na Terra? “Muitas vezes reconhecem a injustiça com que procederam e o mal que causaram. Mas, também, não é raro que continuem a perseguir-vos, cheios de animosidade, se Deus o permitir, por ainda vos experimentar.” a) - Pode-se pôr termo a isso? Por que meio? “Podeis. Orando por eles e lhes retribuindo o mal com o bem, acabarão compreendendo a injustiça do proceder deles. Demais, se souberdes colocar-vos acima de suas maquinações, deixar-vos-ão, por verificarem que nada lucram.”
  24. 24. Missionários da Luz (André Luiz por Chico Xavier) “A oração é o mais eficiente antídoto do vampirismo. A prece não é movimento mecânico de lábios, nem disco de fácil repetição no aparelho da mente. É vibração, energia, poder. A criatura que ora, mobilizando as próprias forças, realiza trabalhos de inexprimível significação. Semelhante estado psíquico descortina forças ignoradas, revela a nossa origem divina e coloca-nos em contato com as fontes superiores. Dentro dessa realização, o Espírito, em qualquer forma, pode emitir raios de espantoso poder. Os raios divinos, expedidos pela oração santificadora, convertem-se em fatores adiantados de cooperação eficiente e definitiva na cura do corpo, na renovação da alma e iluminação da consciência. Toda prece elevada é manancial de magnetismo criador e vivificante e toda criatura que cultiva a oração, com o devido equilíbrio do sentimento, transforma-se gradativamente, em foco radiante de energias da Divindade”.
  25. 25. Entre o Céu e a Terra (André Luiz por Chico Xavier) “A prece, qualquer que ela seja, é ação provocando a reação que lhe corresponde. Conforme a sua natureza, paira na região em que foi emitida ou eleva-se mais, ou menos, recebendo a resposta imediata ou remota, segundo as finalidades a que se destina. Cada prece, tanto quanto cada emissão de força, se caracteriza por determinado potencial de frequência e todos estamos cercados por Inteligências capazes de sintonizar com o nosso apelo, à maneira de estações receptoras”.
  26. 26. Evolução em dois mundos (André Luiz por Chico Xavier) “Assim é que orar em nosso favor é atrair a Força Divina para a restauração de nossas forças humanas, e orar a benefício dos outros ou ajudá-los, através da energia magnética, à disposição de todos os espíritos que desejem realmente servir, será sempre assegurar-lhes as melhores possibilidades de auto- reajustamento, compreendendo-se, porém, que o amor consola, instrui, ameniza, levanta, recupera e redime, todos estamos condicionados à justiça a que voluntariamente nos rendemos, perante a Vida Eterna, justiça que preceitua, conforme os ensinamentos de Nosso Senhor Jesus-Cristo, seja dado isso ou aquilo a cada um segundo as suas próprias obras, cabendo-nos recordar que as obras felizes ou menos felizes podem ser fruto de nossa orientação todos os dias e, por isso mesmo, todos os dias será possível alterar o rumo de nosso próprio roteiro”.
  27. 27. Mecanismos da mediunidade (André Luiz por Chico Xavier) “Daí resulta o impositivo da vigilância sobre a nossa própria orientação, de vez que somente a conduta reta sustenta o reto pensamento e, de posse do reto pensamento, a oração, qualquer que seja o nosso grau de cultura intelectual, é o mais elevado toque de indução para que nos coloquemos, para logo, em regime de comunhão com as Esferas Superiores. A mente centralizada na oração pode ser comparada a uma flor estelar, aberta ante o Infinito, absorvendo-lhe o orvalho nutriente de vida e luz”.
  28. 28. Oração – Eficiência da prece Infelizmente a maioria prefere ser socorrido por um milagre ao ter que fazer algum esforço. Do ponto de vista moral, o que devemos pedir na prece: Pedi a luz que vos clareie o caminho e ela vos será dada; Pedi forças para resistirdes ao mal e as tereis; Pedi a assistência dos bons Espíritos e eles virão acompanhar- vos e vos guiarão; Pedi bons conselhos e eles não vos serão jamais recusados; mas, é preciso: Pedir sinceramente, com fé, confiança e fervor; apresentai-vos com humildade e não com arrogância, sem o que sereis abandonados às vossas próprias forças e as quedas que tiverdes serão o castigo do vosso orgulho. Tal o sentido das palavras: buscai e achareis; batei e abrir-se- vos-á.
  29. 29. Oração – Eficiência da prece  É injusto acusar a Providência de não atender a todo pedido que Lhe é feito, porque Ela sabe, melhor do que nós, aquilo que é para nosso bem.  Deus sempre concederá a coragem, a paciência e a resignação para aqueles que Lhe pedirem com confiança. Também concederá os meios para que se livrem, por si mesmos, das dificuldades, através das ideias que os bons espíritos irão sugerir, deixando- lhe assim o mérito da ação.  “Ajudem-se que o céu os ajudará”.
  30. 30. Maneira de Orar  O dever primordial de toda criatura humana, o primeiro ato que deve assinalar a sua volta à vida ativa de cada dia, é a prece.  Quase todos vós orais, mas quão poucos são os que sabem orar!  Deve ela subir humilde aos pés do Senhor, para lhe recomendar a vossa fraqueza, para lhe suplicar amparo, indulgência e misericórdia. Deve ser profunda, A vossa prece deve conter o pedido das graças de que necessitais, mas de que necessitais em realidade. Inútil, portanto, pedir ao Senhor que vos abrevie as provas, que vos dê alegrias e riquezas. Rogai-lhe que vos conceda os bens mais preciosos da paciência, da resignação e da fé.  Não digais, como o fazem muitos: "Não vale a pena orar, porquanto Deus não me atende." Que é o que, na maioria dos casos, pedis a Deus? Já vos tendes lembrado de pedir- lhe a vossa melhoria moral?
  31. 31. Ação da Prece A prece é uma invocação, mediante a qual o homem entra, pelo pensamento, em comunicação com o ser a quem se dirige. Pode ter por objeto um pedido, um agradecimento, ou uma glorificação. Podemos orar por nós mesmos ou por outrem, pelos vivos ou pelos mortos. As preces feitas a Deus escutam-nas os Espíritos incumbidos da execução de suas vontades; as que se dirigem aos bons Espíritos são reportadas a Deus. Quando alguém ora a outros seres que não a Deus, fá-lo recorrendo a intermediários, a intercessores, porquanto nada sucede sem a vontade de Deus. Pela prece, obtém o homem o concurso dos bons Espíritos que acorrem a sustentá-lo em suas boas resoluções e a inspirar-lhe ideias sãs. Ele adquire, desse modo, a força moral necessária a vencer as dificuldades e a volver ao caminho reto, se deste se afastou.
  32. 32. Atenção Ao atender um pedido que lhe é dirigido, Deus procura recompensar a intenção, o devotamento e a fé daquele que pede. É por isso que a prece do homem de bem tem mais valor aos olhos de Deus e também maior eficiência. O homem vicioso e mau não consegue orar com fervor e confiança, pois ele não possui o sentimento da verdadeira piedade. Os espíritos, pela ação fluídica que exercem sobre os homens, suprem, quando necessário, a insuficiência daquele que ora, seja através de uma ação direta em seu nome, seja dando-lhe no momento da oração uma força extra, desde que o julguem merecedor desse auxílio. MERECIMENTO # MISERICÓRDIA
  33. 33. Poder da prece O poder da prece esta no pensamento. Assim, ela não depende de palavras, nem do lugar, nem do momento e muito menos da forma como é feita. Portanto, pode-se orar em qualquer lugar e a qualquer hora, sozinho ou em conjunto. O lugar e o tempo de duração da prece são importantes apenas quando a pessoa encontra-se em um estado de recolhimento. A prece em conjunto tem uma ação mais poderosa quando todos aqueles que oram se associam de coração a um mesmo pensamento e possuem o mesmo objetivo. Ex. “Evangelho no lar”, Preces e irradiações nas casas espiritas, etc.
  34. 34. Livro dos Espíritos 664. Será útil que oremos pelos mortos e pelos Espíritos sofredores? E, neste caso, como lhes podem as nossas preces proporcionar alívio e abreviar os sofrimentos? Têm elas o poder de abrandar a justiça de Deus? “A prece não pode ter por efeito mudar os desígnios de Deus, mas a alma por quem se ora experimenta alívio, porque recebe assim um testemunho do interesse que inspira àquele que por ela pede e também porque o desgraçado sente sempre um refrigério, quando encontra almas caridosas que se compadecem de suas dores. Por outro lado, mediante a prece, aquele que ora concita o desgraçado ao arrependimento e ao desejo de fazer o que é necessário para ser feliz. Neste sentido é que se lhe pode abreviar a pena, se, por sua parte, ele secunda a prece com a boa-vontade. O desejo de melhorar-se, despertado pela prece, atrai para junto do Espírito sofredor Espíritos melhores, que o vão esclarecer, consolar e dar-lhe esperanças. Jesus orava pelas ovelhas desgarradas, mostrando-vos, desse modo, que culpados vos tornaríeis, se não fizésseis o mesmo pelos que mais necessitam das vossas preces.”

×