Gin. de trampolim

995 visualizações

Publicada em

AV1

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Gin. de trampolim

  1. 1. 27-09-2013 1 GINÁSTICA DE TRAMPOLIM Profª Tatiana Rocha HISTÓRIA *O aparelho foi criado pelo americano George Nissen no sec. XX anos 30 *Primeira competição em 1941, Dallas, Texas, EUA. *1955 aparece pela primeira vez nos jogos Pan Americanos *O primeiro país a fundar uma federação foi a Escócia em 1958 *Em 1964 foi criada a Federação Internacional de Trampolim (FIT), em Frankfurt, Alemanha e no mesmo ano foi realizado o primeiro campeonato mundial. *1980, primeira edição da copa do mundo *1988, a FIT é reconhecida pelo COI *Em 1999 a FIT passa a integrar a FIG NO BRASIL *Introduzida no Brasil em 1970 pelo Prof. José martins Oliveira Filho, São Paulo. *1990 primeiro campeonato brasileiro na cidade de Mogi Mirim-SP, onde tambem foi fundada a Associação Brasileira de Trampolim Acrobático (ABRATA) *1995 instituida a Confederação Brasileira de Trampolim Acrobático, no ano seguinte foi incorporada a ginástica acrobática e a CBTA passa a chamar Confederação Brasileira de Trampolim e Esporte Acrobático (CBTEA). *Entre 1999 e 2000 a CBTEA passa a integrar a CBG DIMENSÕES OFICIAIS *Estrutura: bordas arredondadas nas medidas – Comprimento 5050 mm; Largura 2910 mm; Altura 1155 mm *Rede: confeccionadas com tiras ou cordas de cor clara, trançadas e fixadas de forma a não deslocar durante o uso – Rede de tiras: larguta 5,5 mm; distancia 16 mm; - rede de cordões: espessura 3 mm; distancia das tiras até 10 mm *Zona de salto: deve estar marcada em vermelho – comprimento 2150 mm; Largura 1080 mm *Cruz em azul no centro da rede com 700 mm de lado SEGURANÇA NA GT *Nenhum objeto deve estar abaixo das cordas *Verificar se não há correntes torcidas ou presas de forma incorreta *As molas devem estar com as pontas para baixo *Colocar colchões de proteção nas extremidades do trampolim *Não utilizar o aparelho usando ou portando brincos, relógios, pulseiras, chaves ou objetos nos bolsos
  2. 2. 27-09-2013 2 SEGURANÇA NO GT *Nunca se sentar ou permanecer na área do trampolim quando alguem estiver saltando *Nunca saltar mais de 20 a 30 segundos *Não xecutar salto que não tenham sido determinados pelo professor *Não conversar com os outros enquanto estiver saltando *Em caso de desequilíbrio, evitar o apoio das mãos na rede para amortecer a queda. Trazer os braços sempre para junto do tronco e procurar chegar de costas CONCEITOS TÉCNICOS FASES DOS SALTOS *Fase de impulsão: inicia-se no momento de distensão máxima da rede e se estende até que o saltador se desprende da mesma. *Fase de acrobacia: inicia-se na fase ascendente, após o descolamento da rede, e termina com a abertura do salto. *Fase de aterrissagem: inicia-se imediatamente após a abertura e se encerra no momento de distensão máxima da rede. *Em pé *Em posição sentada *Em decúbito dorçal e ventral CONCEITOS TÉCNICOS FORMAS DE ATERRISSAGEM *Grupada *Carpada *Semigrupada *Estendida *CONCEITOS TÉCNICOS *Composta por 10 elementos executados seguidamente *Antes de iniciar a série o atleta pode saltar de pé por até 1 min para tomada de implusão (caso ultrapasse o tempo é penalisado por 0,30 pt por cada arbitro de execução) * PROVAS *Trampolim *Trampolim sincronizado *Duplo mini trampolim *Tumbling
  3. 3. 27-09-2013 3 A série é interromida quando:  Não aterrisar com ambos os pés sobre a rede  Não aproveitar aelasticidade da rede na execução dos elementos  Tocar qualquer coisa que não seja a rede  Ser tocado por um auxiliar ou pelo colchão auxiliar  Abandonar o trampolim devido ao desequilíbrio  A finalização deve ser feita sobre controle, em posição em pé. Poderá executar um salto após a finalização *Execução: postura, amplitude, precisão, deslocamento sobre a rede *Dificuldade: calculado a partir do número de rotações sobre o eixo longitudinal e transversal A arbitragem é composta por um ARBITRO CHEFE, dois ARBITROS DE DIFICULDADE e cinco ARBITROS DE EXECUÇÃO. Bibliografia NUNOMURA, Myrian. TSUKAMOTO, Mariana. Fundamentos das Ginásticas. 1 ed. Jundiaí, SP: Fontoura, 2009.

×