O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Química

3.264 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Química

  1. 1. AUTORIA: FÁBIO ROBERTO BATISTA EDIÇÃO: JEFERSON FREITAS CRÉDITOS DAS IMAGENS DE ABERTURA: Glowimages/© Eye Ubiquitous/Eye Ubiquitous © Editora Positivo Ltda., 2013 1 Química
  2. 2. Introdução à química Para explicar a natureza e seus diferentes fenômenos, a Química se vale da experimentação. Dessa forma, tenta simular as condições de determinada situação, controlando o maior número possível de variáveis ©iStockphoto/AlexanderRaths
  3. 3. Principais áreas de estudo da Química e a experimentação ©Shutterstock/pryzmat Para explicar a natureza e seus diferentes fenômenos, a Química se vale da experimentação. Dessa forma, tenta simular as condições de determinada situação, controlando o maior número possível de variáveis
  4. 4. Principais áreas de estudo da Química e a experimentação ©Shutterstock/AlexanderRaths Análises químicas, em geral, são objeto de estudo da Química Analítica.
  5. 5. Principais áreas de estudo da Química e a experimentação ©Shutterstock/pryzmat Muitos compostos inorgânicos possuem aplicações na construção civil.
  6. 6. Principais áreas de estudo da Química e a experimentação LuisMoura,2009.Digital Representação esquemática, sem escala e em cores-fantasia de uma célula vegetal
  7. 7. Principais áreas de estudo da Química e a experimentação ©Shutterstock/Soleil A combustão de uma vela pode ser explicada pela Físico-química.
  8. 8. Normas de segurança no laboratório
  9. 9. Fonte: ANDRADE, Jailson Bittencourt de et al. A formação do químico. Química Nova, São Paulo, n. 2, p. 360, 2004.
  10. 10. a) Por que o personagem associou a palavra Química à cozinha e aos alimentos? b) No último quadrinho da tira, o personagem mistura vários ingredientes. Qual a relação entre o que é exposto nesse último quadro e a Química? GONSALES, Fernando. Bendito Cujo. Disponível em: <www.niquel.com.br>. Acesso em: 13 ago. 2010
  11. 11. Propriedades da matéria e suas transformações A Química, essencialmente, é a Ciência que estuda um mundo invisível que constitui a matéria e suas transformações. Trata das substâncias obtidas da natureza ou criadas em laboratório, dos elementos que a constituem, suas características e propriedades, dos processos de obtenção, suas aplicações e identificação. ©GlowImages/ArtBox
  12. 12. Atenção: não altere o conteúdo deste slide Para visualizar este conteúdo digital, é preciso ter instalado o plugin Slides de Aula, disponível no Livro Digital Conteúdo multimídia – Inserir o objeto digital Transformação química e física @QUI109
  13. 13. O ciclo da água na natureza Esquema do ciclo simplificado da água na natureza DivanzirPadilha,2010.Digital
  14. 14. Atenção: não altere o conteúdo deste slide Para visualizar este conteúdo digital, é preciso ter instalado o plugin Slides de Aula, disponível no Livro Digital Conteúdo multimídia – Inserir o objeto digital Os estados físicos da matéria @QUI107
  15. 15. Substância pura Gráfico de aquecimento da água, inicialmente no estado sólido
  16. 16. Densidade Os icebergs são formados por gelo e flutuam na água devido à diferença de densidade ©Shutterstock/VolodymyrGoinyk
  17. 17. Catação ©PulsarImagens/RogérioReis Seleção pré-reciclagem – separação dos diferentes materiais em uma usina de reciclagem
  18. 18. Peneiração Ao peneirar a areia, o pedreiro separa os grãos em função do tamanho ©IstockPhoto/DanischKhan
  19. 19. Separação da areia e da serragem com a utilização da água Flotação e levigação P.Imagens/Pith
  20. 20. Decantação e sifonação A primeira etapa do processo de tratamento de água destinada ao consumo humano é relacionada ao processo físico de separação, conhecido como decantação P.Imagens/EduardoFelixJustiniano
  21. 21. Decantação e sifonação O funil de decantação é usado para a separação de mistura de líquidos em laboratório ©Shutterstock/ThumChiaChie
  22. 22. Separação de misturas A centrifugação acelera a sedimentação dos sólidos não dissolvidos Centrifugação ©Shutterstock/MichaelSiegmund
  23. 23. Separação de misturas O funil de decantação é usado para a separação de mistura de líquidos em laboratório Separação magnética LatinStock/Photoresearchers/CharlesD.Winters
  24. 24. Separação de misturas O aspirador de pó permite a separação de partículas sólidas, que ficam retidas no filtro, de uma mistura gasosa Filtração ©Shutterstock/LuisSantos
  25. 25. Separação de misturas A preparação do café envolve dois processos físicos de separação: a dissolução fracionada e a filtração Dissolução fracionada P.Imagens/Pith
  26. 26. Separação de misturas O sal comum é extraído da água do mar por evaporação da água Evaporação ©PulsarImagens/JoãoPrudente
  27. 27. Separação de misturas Esquema representativo da destilação simples. Essa é uma técnica utilizada no laboratório para obter água pura (destilada) da água do mar Destilação DivanzirPadilha,2010.Digital.
  28. 28. 2 Química
  29. 29. Evolução dos modelos atômicos Modelo atômico proposto por Dalton: esférico, maciço e indivisível. {Representação esquemática, sem escala e em cor-fantasia
  30. 30. Evolução dos modelos atômicos Modelo atômico proposto por Thomson: os elétrons estariam incrustados em uma massa positiva. {Representação esquemática, sem escala e em cor-fantasia}
  31. 31. Evolução dos modelos atômicos Modelo proposto por Rutherford: os elétrons giram ao redor de um pequeno núcleo positivo. {Representação esquemática, sem escala e em cor-fantasia}
  32. 32. Evolução dos modelos atômicos Modelo de Bohr: as orbitas eram perfeitamente esféricas. {Representação esquemática, sem escala e em cor-fantasia}
  33. 33. Eletrosfera do átomo Modelo atômico de Bohr com algumas correções propostas por outros pesquisadores. {Representação esquemática, sem escalas e em cores-fantasia}
  34. 34. Representação dos elementos químicos
  35. 35. Os subníveis de energia
  36. 36. Radioatividade Desde a descoberta da radioatividade, muitos cientistas buscavam aplicações para essa nova fonte de energia. Porém, a conversão de energia atômica em energia elétrica, nas usinas nucleares, só foi possível com o processo de fissão nuclear ©iStockphoto/MichaelUtech
  37. 37. Emissões radioativas Esquema que representa a capacidade de penetração dos principais tipos de radiação emitida por elementos radioativos JackArt,2010.Digital
  38. 38. Meia-vida
  39. 39. Meia-vida Esquema do decaimento do Tc-95
  40. 40. Meia-vida Representação gráfica do decaimento do Si-32
  41. 41. © Shutterstock/skyhawk © Wikimedia Commons/Rodrigo Soldon © Wikipedia Commons © Glow Images/Good Stock Photos © Wikimedia Commons/Federal Government of the United States Aplicações da radioatividade
  42. 42. Fissão nuclear
  43. 43. Fusão nuclear A energia produzida no Sol e nas estrelas deve-se ao fenômeno de fusão nuclear
  44. 44. Esquema de funcionamento de uma usina nuclear JackArt,2010.Digital
  45. 45. Atenção: não altere o conteúdo deste slide Para visualizar este conteúdo digital, é preciso ter instalado o plugin Slides de Aula, disponível no Livro Digital Conteúdo multimídia – Inserir o objeto digital Funcionamento de uma usina nuclear @QUI123
  46. 46. Tabela periódica Dmitri Mendeleiev ficou conhecido por seu estado de concentração quando iniciava qualquer trabalho e pela sua letra ilegível Ordenação dos elementos químicos
  47. 47. Ordenação dos elementos químicos Tabela periódica uma versão da tabela periódica proposta por Mendeleiev, em 1869
  48. 48. Atenção: não altere o conteúdo deste slide Para visualizar este conteúdo digital, é preciso ter instalado o plugin Slides de Aula, disponível no Livro Digital Conteúdo multimídia – Inserir o objeto digital Tabela periódica interativa @QUI121
  49. 49. Raio atômico Energia de ionização Propriedades periódicas
  50. 50. Afinidade eletrônica Eletronegatividade Caráter metálico Propriedades periódicas
  51. 51. Ligações químicas
  52. 52. Ligação iônica Retículo cristalino do KBr. {Representação esquemática, sem escala e em cores-fantasia}
  53. 53. Ligação covalente
  54. 54. Atenção: não altere o conteúdo deste slide Para visualizar este conteúdo digital, é preciso ter instalado o plugin Slides de Aula, disponível no Livro Digital Conteúdo multimídia – Inserir o objeto digital Tipos de ligações @QUI103
  55. 55. Ligações Ligações de hidrogênio
  56. 56. Ligações Interações dipolo-dipolo
  57. 57. Ligações Interações íon-dipolo
  58. 58. Ligações Interações dipolo permanente-dipolo induzido
  59. 59. Ligações Interações dipolo instantâneo-dipolo induzido
  60. 60. 3 Química
  61. 61. A dissociação iônica é associada a compostos formados pela ligação entre cátions e ânions A ionização explica o comportamento dos compostos moleculares, pois esse fenômeno consiste em uma reação com água, produzindo íons no meio. HCℓ(g) + H2O(ℓ)→ H3O+ (aq) + Cℓ− (aq) Composto molecular NaCℓ(s) → Na+ (aq) + Cℓ− (aq) composto iônico H2O Funções inorgânicas Svant Arrhenius ganhou o Prêmio Nobel de Química, em 1903, pela Teoria da Dissociação Eletrolítica
  62. 62. Baseado no modelo de dissociação de Arrhenius, pode-se propor a estrutura geral de um ácido genérico representada por HA, em que H é o hidrogênio que se ioniza e A um ânion; a reação de ionização desde ácido é: HCℓ(g) + H2O(ℓ) → H3O+ (aq) + Cℓ− (aq) (ácido clorídrico) HNO3(ℓ) + H2O(ℓ) → H3O+ (aq) + NO3 − (aq) (ácido nítrico) H2SO4(ℓ) + H2O(ℓ) → H3O+ (aq) + HSO4 − (aq) (ácido sulfúrico) HX(ℓ) + H2O(ℓ) → H3O+ (aq) + X− (aq) Ácidos
  63. 63. Bases, ou hidróxidos são compostos químicos que, em solução aquosa, sofrem dissociação eletrolítica e produzem o ânion OH− , também chamado de ânion hidróxido. NaOH(s) → Na+ (aq)+ OH − (aq) Ba(OH)2(s) → Ba2+ (aq) + 2 OH− (aq) Aℓ(OH)3(s) → Aℓ3+ -(aq) + 3 OH− (aq) NH4OH(s) → NH4 + (aq) + OH− (aq) Bases
  64. 64. Os indicadores são substâncias geralmente orgânicas que, dependendo do meio em que estão inseridas, modificam suas propriedades. Os indicadores mais comuns são os colorimétricos, ou seja, aqueles que modificam sua cor, dependendo das propriedades ácidas ou básicas do meio. Indicadores ácido-base
  65. 65. Uma reação ou equação química é a linguagem química usada para expressar um fenômeno em que houve alguma alteração nas substâncias inicialmente presentes. Trata-se de um recurso que por meio dela, podemos tirar várias informações. Sua representação geral é: Reação química REAGENTES → PRODUTOS Gráfico do comportamento da quantidade de reagentes e produtos em uma reação química
  66. 66. Como os ácidos têm como cátion o íon H+ e as bases têm o íon OH− , a reação entre essas substâncias resultaria em um produto neutro, a água. Exemplos: Reação de neutralização ácido-base
  67. 67. São compostos binários, ou seja, formados por dois elementos diferentes, em que o oxigênio é o mais eletronegativo. Exemplos: Na2O, SrO, Fe2O3, CoO, CO2, H2O, NO2, N2O5, SO3 Óxidos A diversidade de cores em um mesmo mineral é atribuída à presença de pequenas quantidades de diferentes elementos, denominados elementos-traço ©Shutterstock/Gow27
  68. 68. Atenção: não altere o conteúdo deste slide Para visualizar este conteúdo digital, é preciso ter instalado o plugin Slides de Aula, disponível no Livro Digital Conteúdo multimídia – Inserir o objeto digital Reações químicas @QUI111
  69. 69. Formação de gás NaHCO3(s) + HCℓ(aq) → NaCℓ(aq) + H2O(ℓ) + CO2(g) Formação de precipitado FeCℓ3(aq) + 3 NaOH(aq) → 3 NaCℓ(aq) + Fe(OH)3(s) Dissolução de um precipitado Fe(OH)3(s) + 3 HCℓ(aq) → FeCℓ3(aq) + 3 H2O(ℓ) Evidências de uma reação química FeCℓ3(aq) NaOH(aq) NaCℓ(aq) + Fe(OH)3(s) ©Shutterstock/MarkusGann P.Imagens/Pith
  70. 70. Aquecimento ou resfriamento do sistema Reações endotérmicas: Ba(OH)2(aq) + 2 NH4SCN(aq) + calor → Ba(SCN)2(aq) + 2 NH4OH(aq) Reações exotérmicas: H2SO4 (aq) + 2 NaOH(aq) → Na2SO4(aq) + 2 H2O(ℓ) + calor Mudança de cor FeCℓ3(aq) + NH4SCN(aq) → Fe(SCN)3(aq) + NH4Cℓ(aq) amarelo incolor vermelho incolor Evidências de uma reação química ©iStockphoto.com/erwo1
  71. 71. Reação de adição ou síntese N2(g) + 3 H2(g) → 2 NH3(g) 2 H2(g) + O2(g) → 2 H2O(ℓ) Classificação das reações inorgânicas A água pode ser sintetizada em laboratório, tendo como reagentes os gases hidrogênio e oxigênio P.Imagens/Pith
  72. 72. Reação de decomposição ou análise 2 Fe2O3(s) → 4 Fe(s) + 3 O2(g) NH4OH(aq) → NH3(g) + H2O(ℓ) Classificação das reações inorgânicas O minério de ferro pode ser decomposto para se obter o metal puro ©Shutterstock/DenisSelivanov
  73. 73. Reação de simples troca ou deslocamento Zn(s) + CuSO4(aq)→ ZnSO4(aq)+ Cu(s) 2 Na(s) + 2 H2O(ℓ) → 2 NaOH(aq) + H2(g) Classificação das reações inorgânicas O zinco metálico reage com o íon cobre em uma reação de simples troca P.Imagens/Pith CuSO4(aq) Zn(s) ZnSO4(aq) + Cu(s)
  74. 74. Reação de dupla troca Classificação das reações inorgânicas A reação de formação do Co(OH)2 é um exemplo de dupla troca, a qual é evidenciada pela formação de um precipitado P.Imagens/Pith CoCℓ2(aq) NaOH(aq) NaCℓ(aq) + Co(OH)2(s)
  75. 75. Atenção: não altere o conteúdo deste slide Para visualizar este conteúdo digital, é preciso ter instalado o plugin Slides de Aula, disponível no Livro Digital Conteúdo multimídia – Inserir o objeto digital Quantidade de matéria @QUI101
  76. 76. O balanceamento de uma equação é feito com base apenas nas quantidades das substâncias presentes. Ou seja, não é possível alterar essas substâncias na equação química. Balanceamento de equações
  77. 77. Com a equação corretamente balanceada, calculam-se as massas moleculares de cada uma das substâncias presentes para estabelecer as relações. Exemplo: N2+ 3 H2→ 2 NH3 Relação massa x massa
  78. 78. Reagente em excesso e reagente limitante Excesso e limitante em uma reação de lanches JackArt,2010.Digital.
  79. 79. ► O gás é constituído por um número muito grande de moléculas em movimento desordenado; ► O volume próprio das moléculas é desprezível frente ao volume do recipiente; ► As forças intermoleculares são desprezíveis, exceto nas colisões mútuas e com as paredes do recipiente; ► As colisões são perfeitamente elásticas, ou seja, não resultam na perda de energia cinética. Teoria Cinética dos Gases Modelo cinético para um gás ideal JackArt,2010.Digital
  80. 80. A expressão matemática da Lei de Boyle pode ser escrita da seguinte forma: Transformação isotérmica JackArt,2010.Digital
  81. 81. A expressão matemática da Lei de Charles pode ser escrita da seguinte forma: Transformação isobárica JackArt,2010.Digital
  82. 82. A expressão matemática da Lei de Gay-Lussac pode ser escrita da seguinte forma: Transformação isovolumétrica JackArt,2010.Digital

×