1          CADERNO DE NORMAS PARA FORMATAÇÃO DETRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCCs), DISSERTAÇÕES E TESES               ...
2                               Reitor                       Flávio D’Almeida Reis                      Pró-Reitora de Ens...
3      Este manual refere-se às normas da ABNT para apresentação gráfica de mo-nografias, incluindo resumo, sumário, citaç...
4                                                      SUMÁRIO1      INTRODUÇÃO..............................................
55.1.2 Capa ABNT ...................................................................................................... 32...
66.3.3 Citações de diversos autores em uma mesma publicação ........................ 526.3.4 Citação indireta ...............
77.12 MODELO DE REFERÊNCIA PARA CONSTITUIÇÕES ................................... 747.13 MODELO DE REFERÊNCIA PARA CÓDIGOS...
81   INTRODUÇÃO      A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o órgão responsávelpela normalização técnica no P...
9                                                                                              A2   TRABALHOS ACADÊMICOS  ...
10         As regras que determinam o encaminhamento dos trabalhos à Bibliotecaestão detalhadas na Resolução CONSEPE 004-2...
113   CONSIDERAÇÕES INICIAIS PARA A CONSTRUÇÃO DO TEXTO    MONOGRÁFICO       O levantamento bibliográfico é o ponto de par...
12       Cada parte da monografia deve cumprir seu propósito, apresentando textocondizente com a seção a que pertence (int...
13      Como os documentos eletrônicos rapidamente podem perder seu URL, utilizepara referenciá-los, sempre que possível, ...
144     APRESENTAÇÃO GRÁFICA         A NBR 14724 dispõe que o projeto gráfico da monografia é deresponsabilidade do autor ...
15Descrição                              Formatação                                       Fonte 12. Margem superior 11 cm ...
164.2    MARGENS         As folhas devem apresentar margem esquerda e superior 3 cm, direita einferior 2 cm. Trabalhos a s...
17meio em branco). A mudança de parágrafo deve ser indicada com o recuo de 1,25cm (1 tab).        As citações curtas consi...
18Modelo         A NBR 14724 não faz referência ao controle das linhas órfãs e viúvas. Entre-tanto, elas são consideradas ...
19         As indicações de volumes, páginas e edições não devem apresentar espaçosem branco, impedindo, dessa forma, que ...
20Modelo4.5   NUMERAÇÃO PROGRESSIVA         Para hierarquização do trabalho, deve-se utilizar numeração progressiva deacor...
21      a)    as divisões enumerativas devem ser indicadas por meio de alíneas;      b)    o trecho final anterior às alín...
22dados qualitativos. Na sua formatação, deve-se usar letra e entrelinha menor (fonte10, espaçamento simples).         Os ...
23ModeloFigura 4 – Velocidades e suas alterações na passadaFonte: MCDONALD, 20024.6.3 Esquemas         Esquema é uma figur...
24ModeloEsquema 1 – Estrutura interna do átomoFonte: Departamento de Física, UFSC4.6.4 Fluxogramas         Fluxograma é a ...
25ModeloFigura 5 - Sequência de passos para o removedor de sufixosFonte: ORENGO, 20054.6.5 Organogramas         Organogram...
26ModeloFigura 6 - Antigo organograma das Agências da Instituição Bancária analisadaFonte: SOUZA; SOUZA, 20054.6.6 Gráfico...
27ModeloGráfico 1: Gastos do governo brasileiro e do Banco Mundial em DST e AIDS (1997-2001)Fonte: THE WORLD BANK GROUP, 2...
28   c)    “zeros” devem ser utilizados quando o dado for menor que a metade da uni-         dade adotada para a expressão...
29ModeloTabela 3 – Área colhida e previsão de colheita de uvas na Região Metropolitana de Porto Alegre Cidade             ...
30permitido o uso de uma entrelinha maior que comporte seus elementos (expoentes,índices, entre outros).       X2 + y2 = z...
31       As porcentagens são sempre indicadas por algarismos, sucedidas do símbolopróprio: 5%, 70%, 128%, etc. O símbolo %...
325.1.1 Capa UniRitter           Os exemplares que serão encaminhados à banca deverão ter, além da capaprevista na norma N...
33   b)     nome do autor;   c)     título da monografia;   d)     local da Instituição (cidade);   e)     ano da entrega....
34   c)     natureza (monografia) e objetivo (grau pretendido); nome da instituição a          que é submetido; área de co...
35monografias de graduação e especialização. Caso deseje incluí-la em seu trabalho,solicite pelo e-mail da Biblioteca (bib...
36Modelo5.1.6 Folha de aprovação         Deve ser colocada logo após a folha de rosto e assinada pelos componentesda banca...
37Modelo5.1.7 Dedicatória, agradecimentos e epígrafe         Não são elementos obrigatórios, mas podem ser usados pelo aut...
38Modelos5.1.8 Resumo na língua vernácula      Monografias deverão utilizar resumos do tipo “informativo”, conforme a NBR6...
39Modelo5.1.9 Resumo em língua estrangeira         Trata-se da versão do resumo em idioma de divulgação internacional. Dev...
40Modelo5.1.10 Lista de ilustrações         A lista de ilustrações deve ser elaborada de acordo com a ordem em queaparece ...
41Modelo5.1.11 Lista de tabelas         A lista de tabelas deve ser elaborada de acordo com a ordem em que apareceno texto...
425.1.13 Lista de símbolos          A lista de símbolos deve ser elaborada de acordo com a ordem em queaparece no texto, c...
43os títulos e as páginas correspondentes dentro das colunas e linhas (cada seção em uma linha da tabela) >, após cadatítu...
445.2.1 Introdução      A introdução é a parte inicial do trabalho, é o momento de apresentarresumidamente os temas aborda...
45      A conclusão não deve apresentar citações ou interpretações de outrosautores. Um texto bem concluído deve evitar re...
465.3.2 Referências         Denomina-se “Referências” o conjunto de elementos que identificam as obrascitadas no texto. To...
475.3.3 Apêndices           O apêndice é um elemento opcional. Devem constar em apêndicedocumentos complementares e/ou com...
48Modelo5.3.5 Índice         O índice é a lista de entradas ordenadas segundo determinado critério,normalmente alfabético....
496      CITAÇÕES           A citação é a transposição, para o texto, de um trecho ou uma informaçãoextraída de outra font...
50Importante lembrar que plágio, que significa apresentar como seu o trabalhointelectual de outra pessoa, é tratado pela L...
51        Podemos definir a aprendizagem como “[...] uma mudança relativamente perma-nente no comportamento e o que ocorre...
52               6.3.3 Citações de diversos autores em uma mesma publicação                      No sistema autor-data na ...
53Letra minúscula                A consciência moral é moldada a partir da realização existencial da pessoa, defini-      ...
54chamada da citação deve ficar em destaque, alinhando-se todo o texto pela primeiraletra da primeira palavra.       No te...
55et seq. (seguinte ou que se segue): usado quando não se quer mencionar todas as páginasda obra referenciada. Nesse caso,...
56         Vale salientar que a jurisprudência deve ser citada preferencialmente a partirdos Tribunais ou de alguma revist...
576.4.3 Citação direta longa         A consciência moral é moldada a partir da realização existencial da pessoa.          ...
58       Quanto à incidência de IR sobre o rendimento de operações efetuadas com oouro, a Lei nº 7.766 deixa claro que:   ...
596.7   CITAÇÃO DE CITAÇÃO (APUD)      É aquela em que o autor do texto não tem acesso direto à obra citada,valendo-se de ...
60      Sistema autor-data      No texto:      A definição de pessoa para John Locke (apud SINGER, 2002, p.97) vem deencon...
61           Sistema notas de referência           No texto:           A definição de pessoa para John Locke vem de encont...
62          No texto:          Ainda refletindo sobre a importância do uso da cor, Rudolf Arnheim nos diz que“Strictly spe...
Caderno de normas_24_junho_2011
Caderno de normas_24_junho_2011
Caderno de normas_24_junho_2011
Caderno de normas_24_junho_2011
Caderno de normas_24_junho_2011
Caderno de normas_24_junho_2011
Caderno de normas_24_junho_2011
Caderno de normas_24_junho_2011
Caderno de normas_24_junho_2011
Caderno de normas_24_junho_2011
Caderno de normas_24_junho_2011
Caderno de normas_24_junho_2011
Caderno de normas_24_junho_2011
Caderno de normas_24_junho_2011
Caderno de normas_24_junho_2011
Caderno de normas_24_junho_2011
Caderno de normas_24_junho_2011
Caderno de normas_24_junho_2011
Caderno de normas_24_junho_2011
Caderno de normas_24_junho_2011
Caderno de normas_24_junho_2011
Caderno de normas_24_junho_2011
Caderno de normas_24_junho_2011
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Caderno de normas_24_junho_2011

2.539 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.539
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Caderno de normas_24_junho_2011

  1. 1. 1 CADERNO DE NORMAS PARA FORMATAÇÃO DETRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCCs), DISSERTAÇÕES E TESES PORTO ALEGRE 2011
  2. 2. 2 Reitor Flávio D’Almeida Reis Pró-Reitora de Ensino Laura Coradini Frantz Pró-Reitor de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão Sidnei Renato Silveira Diretora de Suporte Acadêmico Ivelone Nagel Reis Equipe responsável pela compilação e revisão Ana Glenyr de Godoy Bianca Bischoff de Oliveira Cláudio Maraschin Luciane Alves Santini Robson Ferrão Barcellos Consultoria sobre o Microsoft Word Renata de Souza Campus Porto Alegre: Rua Orfanotrófio, 555 – Alto Teresópolis Porto Alegre/RS – Fone: (51) 3230-3320 Campus Canoas: Rua Santos Dumont, 888 – Niterói Canoas/RS – Fone: (51) 3464-2045Site: www.uniritter.edu.br/biblioteca E-mail: biblioteca@uniritter.edu.br
  3. 3. 3 Este manual refere-se às normas da ABNT para apresentação gráfica de mo-nografias, incluindo resumo, sumário, citações, notas de rodapé e referências, apartir do estudo das NBRs 6023, 6024, 6027, 6028, 10520 e 14724, servindo comoexemplo para elaboração do projeto de TCC. Informações sobre capas, sobrecapas, encadernações, quantidade de cópiase forma de entrega dos Trabalhos de Conclusão de Curso, Dissertações e Tesesdevem ser obtidas diretamente com a Coordenação de cada curso. Certifique-se de que o trabalho a ser apresentado é em formato de “mo-nografia”. Caso seja um artigo, utilize o manual Como Elaborar um Artigo Científico:modelo, disponível no site da Biblioteca, no item “Trabalhos Acadêmicos”.
  4. 4. 4 SUMÁRIO1 INTRODUÇÃO.................................................................................................... 82 TRABALHOS ACADÊMICOS ............................................................................ 93 CONSIDERAÇÕES INICIAIS PARA A CONSTRUÇÃO DO TEXTO MONOGRÁFICO .............................................................................................. 114 APRESENTAÇÃO GRÁFICA........................................................................... 144.1 FORMATAÇÃO DO PAPEL E DA FONTE ....................................................... 144.2 MARGENS ........................................................................................................ 164.3 ESPAÇAMENTO E PARÁGRAFOS ................................................................. 164.4 PAGINAÇÃO..................................................................................................... 194.5 NUMERAÇÃO PROGRESSIVA........................................................................ 204.6 ILUSTRAÇÕES................................................................................................. 214.6.1 Quadros .......................................................................................................... 214.6.2 Figuras ............................................................................................................ 224.6.3 Esquemas ....................................................................................................... 234.6.4 Fluxogramas ................................................................................................... 244.6.5 Organogramas................................................................................................ 254.6.6 Gráficos........................................................................................................... 264.7 TABELAS .......................................................................................................... 274.8 ABREVIATURAS E OUTROS ELEMENTOS GRÁFICOS ................................ 294.8.1 Abreviaturas ................................................................................................... 294.8.2 Unidades de medidas e símbolos ................................................................. 294.8.3 Equações e fórmulas ..................................................................................... 294.8.4 Numerais ......................................................................................................... 304.8.5 Porcentagem ................................................................................................... 305 ESTRUTURA DO TRABALHO CIENTÍFICO ................................................... 315.1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS ......................................................................... 315.1.1 Capa UniRitter ................................................................................................ 32
  5. 5. 55.1.2 Capa ABNT ...................................................................................................... 325.1.3 Folha de rosto ................................................................................................. 335.1.4 Ficha catalográfica ......................................................................................... 345.1.5 Errata ............................................................................................................... 355.1.6 Folha de aprovação ........................................................................................ 365.1.7 Dedicatória, agradecimentos e epígrafe ...................................................... 375.1.8 Resumo na língua vernácula ......................................................................... 385.1.9 Resumo em língua estrangeira ..................................................................... 395.1.10 Lista de ilustrações ...................................................................................... 405.1.11 Lista de tabelas ............................................................................................. 415.1.12 Lista de abreviaturas e siglas ...................................................................... 415.1.13 Lista de símbolos ......................................................................................... 425.1.14 Sumário ......................................................................................................... 425.2 ELEMENTOS TEXTUAIS ................................................................................. 435.2.1 Introdução....................................................................................................... 445.2.2 Desenvolvimento ............................................................................................ 445.2.3 Conclusão ....................................................................................................... 445.3 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS......................................................................... 455.3.1 Glossário ......................................................................................................... 455.3.2 Referências..................................................................................................... 465.3.3 Apêndices ....................................................................................................... 475.3.4 Anexos ............................................................................................................ 475.3.5 Índice ............................................................................................................... 486 CITAÇÕES ....................................................................................................... 496.1 CITAÇÃO INDIRETA ........................................................................................ 496.2 CITAÇÃO DIRETA ............................................................................................ 506.3 SISTEMA AUTOR-DATA .................................................................................. 506.3.1 Sobrenomes iguais de autores diferentes ................................................... 516.3.2 Diversos documentos de mesma autoria ..................................................... 51
  6. 6. 66.3.3 Citações de diversos autores em uma mesma publicação ........................ 526.3.4 Citação indireta .............................................................................................. 526.3.5 Citação direta curta ........................................................................................ 526.3.6 Citação direta longa ....................................................................................... 536.4 SISTEMA DE NOTAS DE REFERÊNCIA (NOTAS DE RODAPÉ) ................... 536.4.1 Citação indireta .............................................................................................. 566.4.2 Citação direta curta ........................................................................................ 566.4.3 Citação direta longa ....................................................................................... 576.5 SUPRESSÕES ................................................................................................. 576.6 INTERPOLAÇÕES ........................................................................................... 586.7 CITAÇÃO DE CITAÇÃO (APUD) ...................................................................... 596.8 CITAÇÃO EM RODAPÉ ................................................................................... 616.9 TRADUÇÃO EM CITAÇÃO .............................................................................. 616.10 CITAÇÕES DE UMA IDEIA COMUM A VÁRIOS AUTORES ........................... 626.11 ERROS GRÁFICOS ......................................................................................... 637 APRESENTAÇÃO DAS REFERÊNCIAS ......................................................... 657.1 MODELO DE REFERÊNCIA PARA LIVROS.................................................... 697.2 MODELO DE REFERÊNCIA PARA CAPÍTULOS DE LIVROS ........................ 707.3 MODELO DE REFERÊNCIA PARA DISSERTAÇÕES E TESES..................... 707.4 MODELO DE REFERÊNCIA PARA ARTIGOS DE PERIÓDICOS ................... 717.5 MODELO DE REFERÊNCIA PARA ARTIGO DE JORNAL .............................. 717.6 MODELO DE REFERÊNCIA PARA ENTREVISTAS ........................................ 717.7 MODELO DE REFERÊNCIA PARA PALESTRAS ............................................ 727.8 MODELO DE REFERÊNCIA PARA ANOTAÇÕES DE AULA .......................... 727.9 MODELO DE REFERÊNCIA PARA CONGRESSOS E OUTROS EVENTOS CIENTÍFICOS CONSIDERADOS NO TODO.................................................... 737.10 MODELO DE REFERÊNCIA PARA TRABALHOS PUBLICADOS EM ANAIS DE EVENTOS ................................................................................................... 737.11 MODELO DE REFERÊNCIA PARA LEGISLAÇÃO .......................................... 73
  7. 7. 77.12 MODELO DE REFERÊNCIA PARA CONSTITUIÇÕES ................................... 747.13 MODELO DE REFERÊNCIA PARA CÓDIGOS ................................................ 747.14 MODELO DE REFERÊNCIA PARA VADE-MÉCUNS ...................................... 757.15 MODELO DE REFERÊNCIA PARA JURISPRUDÊNCIA ................................. 757.16 MODELO DE REFERÊNCIA PARA PORTARIAS ............................................ 767.17 MODELO DE REFERÊNCIA PARA PARECERES........................................... 767.18 MODELO DE REFERÊNCIA PARA TRATADOS INTERNACIONAIS .............. 777.19 MODELO DE REFERÊNCIA PARA COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO (CPI)............................................................................................. 777.20 MODELO DE REFERÊNCIA PARA VERBETES DE DICIONÁRIOS E ENCICLOPÉDIAS ............................................................................................. 777.21 MODELO DE REFERÊNCIA PARA FITAS DE VÍDEO / DVD / CD .................. 787.22 MODELO DE REFERÊNCIA PARA E-MAILS E LISTAS DE DISCUSSÃO ...... 787.23 MODELO DE REFERÊNCIA PARA DESENHOS TÉCNICOS ......................... 787.24 MODELO DE REFERÊNCIA PARA EXPOSIÇÕES, FEIRAS ARTÍSTICAS, CULTURAIS, E ARQUITETÔNICAS ................................................................ 787.25 MODELO DE REFERÊNCIA PARA PROJETOS DE ARQUITETURA ............. 797.26 MODELO DE REFERÊNCIA PARA MAPAS .................................................... 798 CONSIDERAÇÕES FINAIS.............................................................................. 80REFERÊNCIAS ......................................................................................................... 82APÊNDICE A- Atualizações da NBR 14724 ........................................................... 84
  8. 8. 81 INTRODUÇÃO A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o órgão responsávelpela normalização técnica no País, representando no Brasil a InternationalOrganization for Standardization (ISO). É reconhecido como único Foro Nacional deNormalização. As normas brasileiras que dizem respeito à documentação einformação, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros(ABNT/CB-14) e dos Organismos de Normalização Setorial (ONS), são elaboradaspor Comissões de Estudo (ABNT/CE-14:001.01 - Comissão de Estudo deDocumentação), formadas por representantes dos setores envolvidos, dos quaisfazem parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios eoutros). O objetivo maior da normalização é promover, através da redução davariedade de procedimentos, meios eficientes de troca de informações(ASSOCIAÇÃO, 2011). No que se refere aos textos acadêmico-científicos, oestabelecimento de padrões proporciona consistência à apresentação e, portanto,credibilidade, elementos imprescindíveis à divulgação do saber científico e suasocialização. Através deste manual, o Centro Universitário Ritter dos Reis buscaestabelecer um padrão de qualidade na elaboração e na apresentação da produçãointelectual, envolvendo as monografias (de graduação e especialização, lato estricto sensu) defendidas na Instituição, segundo os padrões oficiais denormalização e adequado à identidade própria do UniRitter. A questão da padronização dos trabalhos finais de cursos tem sido motivo dediscussão, e a importância da utilização de normas na apresentação dessestrabalhos nem sempre é vista de uma forma tranquila por parte dos docentesorientadores e alunos. Todavia, num mundo globalizado e interativo como este, cadavez mais se observa a necessidade dessa padronização para efetivar intercâmbios edivulgar trabalhos. Por outro lado, a padronização contribui para marcar a identidade institucionalpor meio da produção científica gerada, fortalecendo a imagem da Instituição juntoàs comunidades onde circulam suas publicações acadêmicas.
  9. 9. 9 A2 TRABALHOS ACADÊMICOS A NBR 14724 especifica princípios para a elaboração de trabalhosacadêmicos, visando a sua apresentação à Instituição (banca, comissãoexaminadora), podendo ser aplicada, ao que couber, aos trabalhos intra eextraclasse da graduação. Essa norma apresenta a seguinte definição para essetipo de trabalho: trabalho de conclusão de curso, trabalho de graduação interdisciplinar, trabalho de conclusão de curso de especialização e/ou aperfeiçoamento documento que apresenta o resultado de estudo, devendo expressar conhecimento do assunto escolhido, que deve ser obrigatoriamente emanado da disciplina, módulo, estudo independente, curso, programa e outros ministrados. Deve ser feito sob a coordenação de um orientador (ASSOCIAÇÃO, 2011, p.4) No UniRitter, cada curso adota um nome específico para as monografiasapresentadas como requisito parcial para a conclusão do curso. Verifique junto àCoordenação de seu curso qual denominação deverá ser utilizada. A referida norma também apresenta as seguintes definições para dissertaçãoe tese: dissertação documento que apresenta o resultado de um trabalho experimental ou exposição de um estudo científico retrospectivo, de tema único e bem delimitado em sua extensão, com o objetivo de reunir, analisar e interpretar informações. Deve evidenciar o conhecimento de literatura existente sobre o assunto e a capacidade de sistematização do candidato. É feito sob a coordenação de um orientador (doutor), visando a obtenção do título de mestre (ASSOCIAÇÃO, 2011, p.2) [...] tese documento que apresenta o resultado de um trabalho experimental ou exposição de um estudo científico de tema único e bem delimitado. Deve ser elaborado com base em investigação original, constituindo-se em real contribuição para a especialidade em questão. É feito sob a coordenação de um orientador (doutor) e visa a obtenção do título de doutor, ou similar (ASSOCIAÇÃO, 2011, p.4)
  10. 10. 10 As regras que determinam o encaminhamento dos trabalhos à Bibliotecaestão detalhadas na Resolução CONSEPE 004-20081.1 CENTRO UNIVERSITÁRIO RITTER DOS REIS (UNIRITTER). Resolução nº 04/2008. Porto Alegre, 2008. Disponível em: <http://tinyurl.com/64ytupb>. Acesso em: 28 abr. 2011.
  11. 11. 113 CONSIDERAÇÕES INICIAIS PARA A CONSTRUÇÃO DO TEXTO MONOGRÁFICO O levantamento bibliográfico é o ponto de partida e uma importante etapa naelaboração de monografias. Durante a leitura, é fundamental anotar as principaisideias do autor, assim como os números das páginas onde estas estão descritas, afim de fazer citações diretas com todas as informações completas. Fichas com apon-tamentos de leitura são extremamente úteis, onde devem ser anotadas todas as re-ferências concernentes ao livro objeto de leitura: o conteúdo, as citações-chave,análise de juízo e observações (ECO, 2009, p.96). Ao selecionar a bibliografia, prefira sempre a utilização de textos originais, evi-tando a citação de citação (apud). Usa-se apud quando o autor referenciado por al-guém é muito importante e quando não se tem, efetivamente, acesso direto ao textodo autor, por se tratar de um livro esgotado ou raro. Em outras palavras, apud deveser uma exceção. Trabalhos escritos com muitos apuds denotam falta de qualidade,revisão bibliográfica malfeita e costumam ser rejeitados. O texto científico deve ser redigido de forma impessoal: na terceira pessoa dosingular e na voz passiva. Escrever é um ato social: escrevo para que o leitor aceite aquilo que lhe proponho. Quando muito deve-se procurar evitar o pronome pessoal recor- rendo a expressões mais impessoais, como “cabe, pois, concluir que”, “pa- rece acertado que”, “deverse-ia dizer que”, “é lícito supor que”, “conclui-se daí que”, “ao exame deste texto percebe-se que”, etc. (ECO, 2009, p.122) O parágrafo é a unidade do discurso. Em geral, ideias novas compreendemparágrafos diversos; assim, quando mudar de assunto, mude de parágrafo. O textodeve apresentar um encadeamento de palavras que façam sentido quando combi-nadas. A coesão é mantida pela escolha de conetivos adequados. Conectivos que podem ser usados para introduzir uma citação Na opinião de... ...exemplifica... ...explicita seus pressupostos... De acordo com... ...quando afirma... ...alega que... Afirma... ...conceitua... ...caracteriza... Para... Segundo... Como descrito por... Na visão de... Como caracteriza... Outro ensinamento de... Em...encontra-se o seguinte Do ponto de vista de... No dizer de... esclarecimento...
  12. 12. 12 Cada parte da monografia deve cumprir seu propósito, apresentando textocondizente com a seção a que pertence (introdução, desenvolvimento, conclusão).ERRADO CERTO2 ESTUDO COMPARATIVO 2 ESTUDO COMPARATIVO2.1 CASO BRASILEIRO Neste capítulo será tratado o caso brasileiro... 2.1 CASO BRASILEIRO Deve-se cuidar a numeração progressiva, evitando-se abrir subseções únicas,isto é, para ter uma subseção deve haver ao menos 2 divisões, por exemplo: 2.1passando direto para 3 sem ter uma divisão 2.2. ERRADO CERTO 2 2 2.1 2.1 2.1.1 2.2 3 3 Evite o uso excessivo de notas explicativas de rodapé, uma vez queinterrompem a sequência lógica da leitura. Caso necessário, que sejam sucintas. Tipos itálicos devem ser utilizados para nomes científicos e palavras ou ex-pressões em língua estrangeira que ainda não foram absorvidas pela língua verná-cula. O uso de negrito no texto é pouco recomendado e deve ser usado apenas paradar destaque a letras ou a palavras quando não for possível destacá-las pela reda-ção. Ao utilizar documentos eletrônicos, certifique-se da fidedignidade da fonte.Grande parte da informação disponibilizada na Internet não está sujeita a um dosprincipais mecanismos de validação utilizados pelas publicações tradicionais: a arbi-tragem formal por parte de pares (peer-review mechanism). Na medida em que aqualidade do material disponibilizado não é, nem deve ser, controlada centralmente,é evidente que coexistem, lado a lado, informações de variável teor, desde as maiscompletas e confiáveis até as deliberadamente enviesadas e/ou falsificadas.
  13. 13. 13 Como os documentos eletrônicos rapidamente podem perder seu URL, utilizepara referenciá-los, sempre que possível, o número do Digital Object Identifier (DOI)ao invés do endereço da página. A citação deve levar a conhecer de forma clara o local onde podemos verificara opinião transmitida. Portanto, cite de forma clara, não deixando margem para dú-vidas. As citações devem ser feitas na língua original e a tradução constar em notade rodapé com a indicação “tradução nossa” no final do texto. Suas opiniões pesso-ais devem ser claramente identificadas. Não use reticências ou pontos de exclamação. Evite repetições, ecos, cacófa-tos, adjetivos e advérbios. Seja preciso: expressões como "nem todos", "praticamen-te todos", "vários deles" podem ser interpretadas de formas diferentes e prejudicama compreensão das afirmações. Para o título na capa do trabalho, caso opte por não utilizar os dois-pontos pa-ra separá-lo do subtítulo, utilize, pelo menos, uma diferenciação tipográfica (título emnegrito, subtítulo sem negrito, por exemplo). A linguagem científica deve ser clara, objetiva, escrita em ordem direta e comfrases curtas. Lembre-se sempre que textos longos, complexos, com frases retóricase palavras incomuns, não demonstram erudição. Ao contrário, indicam que o autornão sabe escrever. Quanto ao número de folhas, não existe padrão definido. Colzani (2006, p.85)sugere: Monografias: entre 60 e 80 folhas Dissertações: entre 110 e 180 folhas Teses: entre 150 e 250 folhas
  14. 14. 144 APRESENTAÇÃO GRÁFICA A NBR 14724 dispõe que o projeto gráfico da monografia é deresponsabilidade do autor do trabalho, mas apresenta algumas regras quanto ao seuformato.4.1 FORMATAÇÃO DO PAPEL E DA FONTE Os textos devem ser apresentados em papel branco ou reciclado, formato A4(21 cm x 29,7 cm), em cor preta ou automática, podendo-se utilizar outras coressomente nos textos das ilustrações. A fonte utilizada deve ser Arial ou Times NewRoman. Os elementos textuais e pós-textuais podem ser impressos no verso eanverso das folhas.Dica Word (versão 2010) – Formate os títulos das seções utilizando o recurso “Estilos”.Selecione o título de uma seção secundária. Clique na aba Página inicial > Alterar Estilos, na pequena flecha abaixo.Coloque o cursor em cima do estilo “Seção 2”, por exemplo, e clique no pequeno botão à direita. Clique em “Modificar” epreencha com a formatação recomendada neste manual para as seções secundárias (caixa-alta, tamanho 12,alinhadas à esquerda).Ainda na tela “Modificar”, clique no botão “Formatar” e selecione “Numeração”. Clique em “Definir novo formato denúmero”. Digite um número que ocorra nas seções secundárias, como 1.1, por exemplo. Ok.Não se esqueça de marcar “Atualizar automaticamente” e “Apenas neste documento”. Ok.Repita essas operações para cada seção. Para as seções primárias, escolha o estilo “Seção 1”. Para as seçõesterciárias use “Seção 3” e assim por diante.Após defini-las, basta selecionar o texto e indicar o estilo correspondente àquela seção.
  15. 15. 15Descrição Formatação Fonte 12. Margem superior 11 cm e esquerda 5Capa padrão UniRitter* cm. Fonte 12. Texto centralizado.Capa Fonte 12. Texto centralizado. Nota alinhada doFolha de rosto meio da mancha para a margem direita. Fonte 12. Texto centralizado.Folha de aprovação Fonte 12. Espaço simples. Alinhado do meio daDedicatória mancha para a margem direita, junto à margem inferior da folha. Fonte 12. Espaço simples. Alinhado do meio daAgradecimentos mancha para a margem direita, junto à margem inferior da folha. Fonte 12. Espaço simples. Alinhado do meio daEpígrafe mancha para a margem direita, junto à margem inferior da folha. Fonte 12. Espaço simples. Parágrafo único justifi-Resumo cado. Título centralizado, não numerado. Fonte 12. Espaço 1,5 linha. Título centralizado,Lista de ilustrações e tabelas não numerado.Lista de abreviaturas, siglas E Fonte 12. Espaço 1,5 linha. Título centralizado,símbolos não numerado. Fonte 12. Espaço 1,5 linha. Título centralizado,Sumário não numerado. Fonte 12. Espaço 1,5 linha. Espaçamento entreCorpo do texto parágrafos simples ou 1,5 linha. Fonte 12. Alinhados à esquerda. Numerados a partir da introdução até a conclusão. IndicativoTítulos de capítulos numérico separado do texto por um espaço de caractere. Fonte 12. Inseridas no parágrafo. Citação diretaCitações curtas (até três linhas) entre aspas, citação indireta sem aspas.Citações longas (mais de três Fonte 10. Recuo 4 cm. Espaço simples. Sem as-linhas) pas.Legenda e fonte das ilustra- Fonte 10. Legenda na parte superior; identifica-ções ção da fonte na parte inferior. Fonte 10. Legenda na parte superior; identifica-Legenda e fonte das tabelas ção da fonte na parte inferior. Fonte 10. Espaço simples. Alinhadas somente àNotas de rodapé esquerda. Fonte 12. Espaço simples. Separadas por 1 es-Referências paço simples entre elas. Alinhadas somente à esquerda. Título centralizado, não numerado. Fonte 12. Identificados por letras. Título centrali-Apêndice/Anexo zado.* Solicite a capa padrão UniRitter na Secretaria Acadêmica.Fonte: NBR 14724
  16. 16. 164.2 MARGENS As folhas devem apresentar margem esquerda e superior 3 cm, direita einferior 2 cm. Trabalhos a serem encadernados em capa dura deverão prever 1 cmde medianiz. O espaço de digitação criado a partir da formatação das margens édenominado “mancha”.Dica Word (versão 2010) – Formate os espaçamentos da margem utilizando o recurso “Configurar Página” >“Margens”, colocando 3 cm na superior e esquerda e 2 cm na inferior e direita.Modelo4.3 ESPAÇAMENTO E PARÁGRAFOS O texto do corpo do trabalho deve ser alinhado à esquerda e à direita(justificado), digitado em espaço de 1,5 linha (um e meio), em fonte tamanho 12,sendo facultativo o uso do espaçamento diferenciado entre os parágrafos.Optando-se por esse espaçamento, sugere-se que seja de 1,5 linha (um espaço e
  17. 17. 17meio em branco). A mudança de parágrafo deve ser indicada com o recuo de 1,25cm (1 tab). As citações curtas consideram-se corpo do texto, devendo seguir a mesmaformatação deste. Citações longas, notas de rodapé, legendas e fontes deilustrações e tabelas devem ser apresentadas em espaço simples, em fontetamanho 10. As referências no final do trabalho devem ser alinhadas somente àmargem esquerda, separadas uma das outras por 1 (um) espaço simples; entre aslinhas da mesma referência deve ser usado espaço simples. Os títulos principais (seção primária) devem ser separados do texto por 1(um) espaço de 1,5 linha em branco. Títulos não numerados devem sercentralizados, títulos numerados devem ser alinhados à esquerda. A numeraçãodeve ser separada dos títulos ou subtítulos por um espaço de caractere (sem ponto). Os títulos principais devem ser alinhados pela margem superior da mancha,sendo apresentados sempre em nova página. Os subtítulos (seções secundárias,terciárias, etc.) devem aparecer na sequência do texto (sem iniciar nova página),separados do texto anterior e posterior por 1 (um) espaço de 1,5 linha em branco.Dica Word (versão 2010) – Altere o espaçamento entrelinhas em “Parágrafo” > “Espaçamento”, colocando antes edepois 0 cm e espaçamento entrelinhas “1,5 linha”. Para as citações diretas longas, siga o mesmo procedimento,colocando espaçamento entrelinhas “Simples”.
  18. 18. 18Modelo A NBR 14724 não faz referência ao controle das linhas órfãs e viúvas. Entre-tanto, elas são consideradas inaceitáveis na diagramação de qualquer publicação. Alinha órfã é a primeira linha de um parágrafo impressa sozinha na parte inferior deuma página. A linha viúva é a última linha de um parágrafo impressa sozinha na par-te superior de uma página. Se um parágrafo começar com uma única linha numa página (linha viúva), ocomeço do parágrafo é mudado para a próxima página e, se um parágrafo terminarcom uma única linha (linha órfã) na página seguinte ao seu começo, a penúltima li-nha é enviada para aquela página. A mesma regra serve para os títulos das subse-ções.Dica word (versão 2010) – Formatação de parágrafo > Quebras de linha e de página > Controle delinhas órfãs/viúvas.
  19. 19. 19 As indicações de volumes, páginas e edições não devem apresentar espaçosem branco, impedindo, dessa forma, que sejam separadas quando digitadas no finalda linha.ERRADO CERTOp. 15 / v. 5 / 2. ed. p.15 / v.5 / 2.ed.4.4 PAGINAÇÃO Todas as folhas do trabalho, a partir da folha de rosto, devem ser contadassequencialmente, mas nem todas são numeradas (cf. NBR 6029). A numeração écolocada a partir da primeira folha da parte textual (não devendo aparecer naspáginas de seção primária), em algarismos arábicos, em fonte 10. No verso da folha,o número de página é inserido dentro da margem esquerda superior. No anverso dafolha, o número é inserido na margem direita superior. Todo trabalho deverá sernumerado, incluindo apêndices e anexos. Utilize as ferramentas do Word através dorecurso “Inserir” > “Número de Páginas”. Oculte as numerações das folhas quecontêm seções primárias inserindo uma forma automática preenchida em branco ouutilizando o recurso de “quebra de seção”.Dica Word (versão 2010) – Para inserir número de página, utilize o recurso “Número de página” > “Formatar númerosde página”, colocando em “Iniciar em” o número 0, pois o trabalho inicia sua contagem na folha de rosto, e não na capa.Para inserir uma forma sobre o número a fim de escondê-lo nas páginas de seções primárias, deve-se clicar em “Inserir”> “Formas” >, selecionar um retângulo e desenhar sobre o número da página >, clicar com o botão direito sobre a formae selecionar “Formatar forma” >, preenchimento sólido na cor branca e sem cor de linha.
  20. 20. 20Modelo4.5 NUMERAÇÃO PROGRESSIVA Para hierarquização do trabalho, deve-se utilizar numeração progressiva deacordo com a NBR 6024, limitando-se a, no máximo, seções quinárias. Os títulosdas seções são destacados gradativamente, usando-se racionalmente os recursosde caixa-alta, negrito, itálico ou sublinhado.1 TÍTULO OU SEÇÃO PRIMÁRIA1.1 SUBTÍTULO OU SEÇÃO SECUNDÁRIA1.1.1 Subtítulo ou seção terciária1.1.1.1 Subtítulo ou seção quaternária1.1.1.1.1 Subtítulo ou seção quinária2 TÍTULO OU SEÇÃO PRIMÁRIA Sobre a utilização de alíneas:
  21. 21. 21 a) as divisões enumerativas devem ser indicadas por meio de alíneas; b) o trecho final anterior às alíneas termina com dois-pontos; c) as alíneas são ordenadas alfabeticamente; d) como alternativa ao sistema alfabético, pode-se utilizar os numerais romanos em letras minúsculas - x.: (i), (ii), (iii), (iv)...); e) as letras indicativas das alíneas são minúsculas, alinhadas na direção do pa- rágrafo, seguidas de sinal de fechamento de parênteses e terminam em pon- to e vírgula, exceto a última alínea que termina com ponto-final; f) o texto da alínea começa por letra minúscula (exceto os nomes próprios); g) a segunda e as seguintes linhas do texto da alínea começam na direção da primeira letra do texto da própria alínea, ou seja, são alinhadas sob a primei- ra letra do texto da alínea; h) as alíneas não comportam mais que um período sintático (não existe ponto- final no texto da alínea); i) as divisões de alíneas devem ser indicadas por meio de incisos ou subalí- neas com hífen; j) as alíneas possuem a mesma entrelinha do texto do trabalho.4.6 ILUSTRAÇÕES Consideram-se ilustrações: esquemas, fluxogramas, gráficos, figuras,quadros, organogramas, fotografias, plantas, mapas. Sua identificação aparece naparte superior, precedida da palavra designativa, seguida de seu número de ordemde ocorrência no texto, em algarismos arábicos. A fonte deve ser indicada na parteinferior, de forma abreviada caso conste na lista de referências ou de formacompleta caso refira-se exclusivamente à ilustração. A ilustração deve ser inserida o mais próximo possível do trecho ao qual serefere. Sua enumeração deve constar de lista pré-texto.4.6.1 Quadros Quadro pressupõe arranjo de palavras ou números dispostos em colunas elinhas, porém predominantemente preenchidos com palavras, sendo utilizado para
  22. 22. 22dados qualitativos. Na sua formatação, deve-se usar letra e entrelinha menor (fonte10, espaçamento simples). Os quadros devem ser alinhados às margens laterais do texto e, quandopequenos, centralizados. Usar linhas de delimitação no cabeçalho para definir aslaterais e o limite inferior do quadro.ModeloQuadro 1 – Pareceres do CFE e Resoluções do MEC para a área de Comunicação SocialFonte: MOURA, 20004.6.2 Figuras Figura é a ilustração gráfica por meio de imagens representadas pordesenhos ou gravuras.
  23. 23. 23ModeloFigura 4 – Velocidades e suas alterações na passadaFonte: MCDONALD, 20024.6.3 Esquemas Esquema é uma figura que dá uma representação muito simplificada efuncional de um objeto, um movimento, um processo, etc.
  24. 24. 24ModeloEsquema 1 – Estrutura interna do átomoFonte: Departamento de Física, UFSC4.6.4 Fluxogramas Fluxograma é a representação gráfica de um procedimento ou sistema, cujasetapas ou módulos são ilustrados de forma encadeada por meio de símbolosgeométricos interconectados. Os fluxogramas representam todas as etapas que compõem um processo,baseando-se no raciocínio lógico. Cada símbolo geométrico tem um significadopróprio dentro do processo e deve ser respeitado.
  25. 25. 25ModeloFigura 5 - Sequência de passos para o removedor de sufixosFonte: ORENGO, 20054.6.5 Organogramas Organograma é um tipo específico de gráfico de uma estrutura hierárquica deuma organização social complexa, que representa simultaneamente os diferenteselementos do grupo e suas ligações.
  26. 26. 26ModeloFigura 6 - Antigo organograma das Agências da Instituição Bancária analisadaFonte: SOUZA; SOUZA, 20054.6.6 Gráficos Depois de sintetizados em tabelas, os dados podem ser apresentados emgráficos com a finalidade de proporcionar uma visão rápida do comportamento dofenômeno analisado. Serve, pois, para apresentar uma tabela de maneira simples einteressante, tornando claros os fatos que poderiam passar despercebidos emdados apenas tabulados. Vários tipos de gráficos podem ser elaborados a partir do Excel, cada um parauma situação diferente. Se um gráfico for definido de forma incorreta, poderá ocorrera análise errada de uma situação, causando uma série de interpretações distorcidas.O uso correto das linhas deve obedecer: a) na linha horizontal (X) ou das abscissas, colocam-se os valores da variável (escores); b) na linha vertical (Y) ou das ordenadas, colocam-se as frequências observadas.
  27. 27. 27ModeloGráfico 1: Gastos do governo brasileiro e do Banco Mundial em DST e AIDS (1997-2001)Fonte: THE WORLD BANK GROUP, 2004Nota: dados trabalhados pelo autor4.7 TABELAS Tabela é uma forma não discursiva de apresentar informações, das quais odado numérico se destaca como informação central. A NBR 14724 indica, paraformatação das tabelas, o documento Normas de Apresentação Tabular, do IBGE(FUNDAÇÃO, 1993). O título deve ser colocado na parte superior, precedido da palavra Tabela ede seu número de ordem em algarismos arábicos. As fontes citadas na construçãode tabelas e notas eventuais aparecem no final da tabela, após o fio (linha) defechamento. As colunas externas devem aparecer abertas. Deve-se utilizar fios horizontais para separar os títulos das colunas nocabeçalho e fechá-las na parte inferior, evitando-se fios verticais para separar ascolunas e os fios horizontais para separar as linhas. Quando houver transformação dos dados numéricos obtidos na fonte, deve-se identificar o responsável pela operação em nota geral ou específica. Não devem figurar dados em branco: a) traço indica dado inexistente; b) reticências indicam dado desconhecido;
  28. 28. 28 c) “zeros” devem ser utilizados quando o dado for menor que a metade da uni- dade adotada para a expressão do dado. Anteriormente à apresentação, a tabela deve ser mencionada no texto atravésda palavra Tabela (com a inicial em maiúsculo), seguida do respectivo número emarábico. Quando muito extensas, as tabelas poderão ser apresentadas em apêndice(quando elaboradas pelo autor do texto) ou em anexo (quando extraídas dedocumento consultado pelo autor).ModeloTabela 1 – Distribuição de rendimento do trabalho e Índice de Gini – Brasil 1960/70/80Fonte: IBGE, 2004ModeloTabela 2 – Componentes da CTBB em 2005 (em R$ bilhões)Fonte: IBGE, 2007. Nota: dados trabalhados pelo autor.
  29. 29. 29ModeloTabela 3 – Área colhida e previsão de colheita de uvas na Região Metropolitana de Porto Alegre Cidade Área em hectares em 2010 Área em hectares para 2011 Porto Alegre 7.610 8.500 Viamão 15.621 17.000 Canoas 4.874 5.400Fonte: dados coletados pelo autor4.8 ABREVIATURAS E OUTROS ELEMENTOS GRÁFICOS Devem ser utilizados de maneira padronizada e consistente ao longo do texto.4.8.1 Abreviaturas Na primeira vez em que forem mencionadas no texto, as abreviaturas devemaparecer entre parênteses, precedidas de sua forma por extenso. A partir destaprimeira inserção, poderá ser utilizada apenas a forma abreviada. Deverão constar em lista pré-texto. No texto: Organização Mundial da Saúde (OMS) Na lista: OMS - Organização Mundial da Saúde4.8.2 Unidades de medidas e símbolos Devem restringir-se apenas àqueles usados convencionalmente ousancionados pelo uso. Deverão constar em lista pré-texto.4.8.3 Equações e fórmulas Devem ser destacadas no texto e, se necessário, numeradas com algarismosarábicos entre parênteses, alinhados à direita. Na sequencia normal do texto, é
  30. 30. 30permitido o uso de uma entrelinha maior que comporte seus elementos (expoentes,índices, entre outros). X2 + y2 = z2 (x2 + y2) / 5 = n4.8.4 Numerais Os numerais se escrevem, normalmente, com algarismos arábicos, mas porextenso nos seguintes casos: a) de zero a nove: oito livros, cinco mil, três milhões, etc.; b) as dezenas e centenas redondas: trinta, noventa, vinte mil, sessenta milhões, etc.; c) os números ordinais recebem o mesmo tratamento: segundo, quinto, sexto, etc. Em todos os casos só se usam palavras quando não houver nada nas ordensou classes inferiores: 13 mil, mas 13 700 e não 13 mil e setecentos; 247 320 e não247 mil e trezentos e vinte. Acima do milhar, todavia, é possível recorrer a doisprocedimentos: a) aproximação do número fracionário, como em 23,6 milhões; b) desdobramento dos dois termos numéricos, como em 23 milhões e 635 mil. Números acima de 999 não se separam com ponto. Eles devem ser divididospor um espaço em branco entre cada três dígitos (ex.: 1 750 livros), exceto no usode anos e de numeração de páginas (ex.: ano de 2003; página 1091). Artigos 1º ao 9º, do décimo em diante usar art. 10, art. 11. (BRASIL, 1999).4.8.5 Porcentagem
  31. 31. 31 As porcentagens são sempre indicadas por algarismos, sucedidas do símbolopróprio: 5%, 70%, 128%, etc. O símbolo % deve figurar junto dos algarismos.5 ESTRUTURA DO TRABALHO CIENTÍFICO A NBR 14724 especifica os princípios gerais para a elaboração de trabalhosacadêmicos. O quadro abaixo apresenta os elementos de uma monografia:Estrutura Elemento CaráterPré-textuais Capa Obrigatório Folha de rosto Obrigatório Ficha catalográfica Opcional Errata Opcional Folha de aprovação Opcional Dedicatória(s) Opcional Agradecimento(s) Opcional Epígrafe Opcional Resumo na língua vernácula Obrigatório Resumo em língua estrangeira Opcional Lista de ilustrações Opcional Lista de tabelas Opcional Lista de abreviaturas e siglas Opcional Lista de símbolos Opcional Sumário ObrigatórioTextuais Introdução Obrigatório Desenvolvimento Obrigatório Conclusão ObrigatórioPós-textuais Referências Obrigatório Glossário Opcional Apêndice(s) Opcional Anexo(s) Opcional Índice(s) Opcional5.1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS Elementos pré-textuais são aqueles que antecedem o texto. Contêminformações que permitem a identificação do trabalho, não devendo constar nosumário (uma vez que aparecem antes deste) nem receber indicativo de seção (i.e.não são numerados). Quando couber título, este deverá ser centralizado no topo dafolha, respeitando a margem superior de 3 cm, ou seja, deverá ser inserido na partesuperior da mancha.
  32. 32. 325.1.1 Capa UniRitter Os exemplares que serão encaminhados à banca deverão ter, além da capaprevista na norma NBR 14724, uma capa adicional, conforme o tipo do trabalho: a) Trabalhos de Conclusão de Curso de Graduação: sobrecapa de cartão (padrão UniRitter) – nesta capa, deverão constar os seguintes dados: título da monografia, nome do graduando, nome do orientador, ano e semestre. Para fazer com que os dados apareçam na “janela” do cartão (solicite a capa padrão na Secretaria Acadêmica), deve-se formatar as margens da seguinte forma: superior 11 cm, direita e esquerda 5 cm. A capa padrão UniRitter é um documento à parte, não sendo contada ou paginada no trabalho. Dica Word (versão 2010) – Formate os espaçamentos da margem utilizando o recurso “Configurar Página” > “Margens”, colocando 11 cm na superior e 5 cm na esquerda e na direita. b) Teses, Dissertações e Trabalhos de Conclusão de Curso de Especialização – encadernação em capa dura, na cor preta; nesta encadernação deverão constar os seguintes dados: nome da instituição, nome do programa de pós-graduação, área de concentração2, nome do pós-graduando, título e subtítulo (se houver) do trabalho, cidade e ano.5.1.2 Capa ABNT A capa a qual se refere a NBR 14724 deve ser impressa em papel A4, sendoparte integrante do trabalho. Nela devem estar impressos: a) logo da Instituição3;2 Os logos com o nome da instituição, nome do programa de pós-graduação e a área de concentração podem ser usados na encadernação. Alguns estão disponíveis para download no site do UniRitter, na seção Comunicação > Identidade Visual > menu à esquerda. Também podem ser solicitados nas coordenações dos cursos.3 O logo da Instituição encontra-se disponibilizado para download no site do UniRitter, na seção Comunicação > Identidade Visual.
  33. 33. 33 b) nome do autor; c) título da monografia; d) local da Instituição (cidade); e) ano da entrega.Modelo5.1.3 Folha de rosto A folha de rosto é um elemento de identificação obrigatório. Deve conter osseguintes elementos essenciais, impressos em uma única face do papel: a) nome do autor; b) título da monografia;
  34. 34. 34 c) natureza (monografia) e objetivo (grau pretendido); nome da instituição a que é submetido; área de concentração; d) nome do professor que orientou o trabalho, com sua respectiva titulação; e) local da Instituição (cidade); f) ano da entrega.Modelo5.1.4 Ficha catalográfica A ficha catalográfica é a representação de um cartão que traz as informaçõesfundamentais do documento. Seu objetivo é permitir que a monografia se identifiquepor si mesma, visando a sua armazenagem adequada na biblioteca. Deve constarno verso da folha de rosto, de acordo com a NBR 12899, sendo elaboradaobrigatoriamente por um bibliotecário. No UniRitter, é elemento opcional para as
  35. 35. 35monografias de graduação e especialização. Caso deseje incluí-la em seu trabalho,solicite pelo e-mail da Biblioteca (biblioteca@uniritter.edu.br), enviando a folha derosto, o sumário e o resumo, indicando como assunto Ficha catalográfica – Curso –Campus (Porto Alegre ou Canoas).Modelo5.1.5 Errata A errata é um elemento opcional, condicionado à necessidade de retificaralgum aspecto da redação do trabalho. Deve ser utilizada como último recurso,uma vez que demonstra falta de cuidado na revisão do trabalho. Não são admitidaserratas para erros como acentuação, pontuação, sumário ou citações malelaboradas. Deve ser encartada após a folha de rosto. É constituída pela referência dotrabalho e seguida de uma tabela contendo a folha e a linha onde o erro aparece, otermo errado e o termo corrigido.
  36. 36. 36Modelo5.1.6 Folha de aprovação Deve ser colocada logo após a folha de rosto e assinada pelos componentesda banca examinadora. Trata-se de um elemento obrigatório para as Teses eDissertações, mas opcional para os TCCs (uma vez que, na maioria das vezes, oaluno não possui informações sobre a composição da banca). Nesta folha devem constar: a) nome do autor; b) título por extenso (e subtítulo, se houver); c) local e data de aprovação; d) nome dos membros componentes da banca examinadora e de suas respectivas instituições.
  37. 37. 37Modelo5.1.7 Dedicatória, agradecimentos e epígrafe Não são elementos obrigatórios, mas podem ser usados pelo autor caso hajao desejo de dedicar o trabalho a alguém, fazer algum agradecimento a pessoas quecontribuíram de maneira relevante com o trabalho ou adicionar alguma epígrafeantes do início do trabalho. A epígrafe demonstra erudição do autor, devendo haver ligação entre opensamento e o conteúdo de sua obra. (NEGRA; NEGRA, 2004, p.77). Deveráobedecer à NBR 10520, formato autor-data.
  38. 38. 38Modelos5.1.8 Resumo na língua vernácula Monografias deverão utilizar resumos do tipo “informativo”, conforme a NBR6028. Este tipo de resumo fornece informações suficientes para que o leitor possadecidir sobre a conveniência da leitura do texto. O resumo deve expor as finalidades, a metodologia, os resultados e asconclusões. A mesma norma recomenda que para monografias o resumo tenhaextensão de 150 a 500 palavras.. A NBR 6028 recomenda a utilização de parágrafoúnico sem recuo e justificado. Dependendo do tamanho do resumo, recomenda-seusar o espaçamento simples entrelinhas com o objetivo de manter todo o texto emuma única página. Deve-se utilizar o verbo na voz ativa e na terceira pessoa do singular.Resumos não devem conter citações. No final do resumo, separado por um espaçode 1,5 linha em branco, devem constar as palavras-chave representativas doconteúdo do trabalho, separadas entre si por um ponto. Sugere-se o número mínimode três e o máximo de cinco palavras, retiradas preferencialmente do título ou doresumo. Ao escolher as palavras-chave, lembre-se que elas são fundamentais naindexação e, portanto, na recuperação do trabalho nas bibliotecas.
  39. 39. 39Modelo5.1.9 Resumo em língua estrangeira Trata-se da versão do resumo em idioma de divulgação internacional. Deveser a tradução literal do resumo em português e apresentar palavras-chave logoabaixo do texto. Deverá ser escolhida apenas uma das seguintes línguas paraelaboração do resumo em língua estrangeira: inglês, espanhol ou francês. Para as monografias de graduação, o resumo em língua estrangeira éopcional. Desejando incluí-lo, apresente um texto adequadamente redigido, jamaisutilize traduções automáticas.
  40. 40. 40Modelo5.1.10 Lista de ilustrações A lista de ilustrações deve ser elaborada de acordo com a ordem em queaparece no texto, com cada item designado por seu nome específico, acompanhadodo respectivo número da página. Consideram-se ilustrações: esquemas,fluxogramas, gráficos, figuras, quadros, organogramas, fotografias, plantas e mapas.Recomenda-se a elaboração de uma lista para cada tipo de ilustração. A lista deilustrações torna-se elemento obrigatório quando o trabalho apresentar númeroconsiderável de ilustrações (mais de três).Dois gráficos Sem lista de gráficosUm gráfico e um quadro Sem lista de ilustraçõesUm gráfico, um quadro e um organograma LISTA DE ILUSTRAÇÕESTrês gráficos LISTA DE GRÁFICOSDois gráficos, uma fotografia e uma planta LISTA DE ILUSTRAÇÕESTrês gráficos, uma fotografia e uma planta LISTA DE ILUSTRAÇÕESTrês gráficos, três fotografias e três plantas LISTA DE GRÁFICOS, LISTA DE FOTOGRAFIAS, LISTA DE PLANTASSete mapas, três fotografias e 14 plantas LISTA DE MAPAS, LISTA DE FOTOGRAFIAS, LISTA DE PLANTAS
  41. 41. 41Modelo5.1.11 Lista de tabelas A lista de tabelas deve ser elaborada de acordo com a ordem em que apareceno texto, com cada item designado por seu nome específico, seguido do respectivonúmero da página. A lista de tabelas torna-se elemento obrigatório quando otrabalho apresentar número considerável de tabelas (mais de três).5.1.12 Lista de abreviaturas e siglas Consiste na relação alfabética das abreviaturas e siglas usadas no texto,seguidas das palavras ou expressões correspondentes, por extenso. A lista deabreviaturas e siglas torna-se elemento obrigatório quando o trabalho apresentarnúmero considerável de siglas ou abreviaturas (mais de três).
  42. 42. 425.1.13 Lista de símbolos A lista de símbolos deve ser elaborada de acordo com a ordem em queaparece no texto, com o devido significado. Torna-se elemento obrigatório quando otrabalho apresentar número considerável de símbolos (mais de três).5.1.14 Sumário O sumário consiste na enumeração das divisões e subdivisões de umtrabalho, apresentada na mesma ordem e grafia em que os temas sucedem-se(NBR 6027). Não se deve confundir sumário com índice, pois o índice é a lista deentradas ordenadas seguindo determinado critério (NBR 6034), normalmentealfabético4. Para hierarquização do trabalho e, portanto, do sumário, deve-se utilizarnumeração progressiva, de acordo com a NBR 6024, limitando-se a, no máximo,seções quinárias. Os títulos das seções são destacados gradativamente, usando-seracionalmente os recursos de caixa-alta/baixa, negrito, itálico ou sublinhado. A mesma estrutura de seções e subseções apresentada no decorrer dotrabalho deverá estar contemplada no sumário, que deverá apresentar-se,preferencialmente, em uma única página. Os elementos pré-textuais não devem constar no sumário. Já os elementospós-textuais devem constar no sumário.Dica Word (versão 2010) – Sugere-se a formatação do sumário através da utilização do recurso “Estilos” para os títulosdas seções e, após, a ferramenta “Referências” > “Sumário”.Dica Word (versão 2010) 2 – Caso não utilize a criação de estilos, o Sumário pode ser inserido criando-se uma tabela.“Inserir” > “Tabela” > criar duas colunas e o número necessário de linhas >, utilizar a régua para ajustar as colunas deforma que a coluna da direita (onde vão as páginas) fique bem menor que a da esquerda (onde vão os títulos) >, digitar4 Segundo o prof. Antônio Houaiss, "índices, stricto sensu, são sempre alfabéticos, enquanto as tábuas [sumário] só serão por acaso, porque o princípio que as informa é o da estruturação orgânica da obra". HOUAISS, A. Elementos de bibliologia. Rio de Janeiro: INL, 1967. p.xvii.
  43. 43. 43os títulos e as páginas correspondentes dentro das colunas e linhas (cada seção em uma linha da tabela) >, após cadatítulo, dê um espaço e insira o pontilhado até o limite final da coluna, encostando na coluna da página > no final, para queas linhas da tabela não apareçam, clique com o botão direito sobre ela e acesse “Bordas e sombreamento” > “Bordas” >marque “Nenhuma” borda.Modelo5.2 ELEMENTOS TEXTUAIS São considerados elementos textuais pela NBR 14724 a introdução, odesenvolvimento e a conclusão. As seções relativas aos elementos textuais deverãoser numeradas, sendo a introdução a primeira da numeração progressiva que guiaráo restante do trabalho.
  44. 44. 445.2.1 Introdução A introdução é a parte inicial do trabalho, é o momento de apresentarresumidamente os temas abordados ao longo do texto. Sugere-se que a introduçãoocupe em torno de 1/5 do texto e que apresente os objetivos do trabalho e as razõesde sua elaboração, bem como a relação com outros trabalhos existentes. O texto da introdução não deve repetir ou parafrasear o resumo nemantecipar as conclusões, mas pode apresentar a natureza do trabalho, a justificativa,os objetivos, o tema proposto e outros elementos para situar o trabalho.5.2.2 Desenvolvimento O desenvolvimento compreende a revisão da literatura, a metodologia e aexposição da pesquisa. A revisão de literatura apresenta a evolução do tema, com ideias dediferentes autores sobre o assunto. Deve conter citações textuais ou livres, comindicação dos autores, conforme norma NBR 10520. Os procedimentosmetodológicos empregados para o levantamento de dados e sua análise devemestar claramente apresentados. Os argumentos para a exposição da pesquisadevem ser adequados, apresentando prova matemática, exemplos, equações,análises estatísticas, padrões/tendências observadas, opiniões e ideias, além darelação de números coletados e tabelados. É importante que apresente comparações com resultados obtidos por outrospesquisadores, caso existam, bem como sugestão de aplicações para o trabalho.5.2.3 Conclusão É o espaço destinado à discussão dos resultados obtidos na pesquisa, ondese verificam as observações pessoais do autor. Poderá também apresentarsugestões de novas linhas de estudo. A conclusão será o somatório de umaexpressão inicial mais a reafirmação do tópico que originou a pesquisa, seguido deuma observação final.
  45. 45. 45 A conclusão não deve apresentar citações ou interpretações de outrosautores. Um texto bem concluído deve evitar repetir argumentos já utilizados. Assim,devem ser evitadas expressões como “Portanto, como já dissemos antes...” ou“Então, como já vimos...”. O caráter de fechamento da conclusão deve ficar evidente na clareza e forçade argumentos do autor. Portanto, é desnecessário e pouco elegante escrever“Concluindo que...”, “em conclusão...”.Exemplos de expressões iniciais a serem usadas numa conclusão: Dessa forma... Sendo assim... Em vista dos argumentos apresentados... Em virtude do que foi mencionado... Assim... Levando-se em conta o que foi observado... Por todas essas ideias apresentadas... Tendo em vista os aspectos observados... Por tudo isso... Dado o exposto... Proporcionalmente, o tamanho da conclusão deve ser equivalente ao daintrodução, sugerindo-se que ocupe 1/5 do texto.5.3 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS Os elementos pós-textuais complementam o trabalho sem, contudo, integrá-los. Os títulos dos elementos pós-textuais não são numerados, devem ser escritosem letras maiúsculas, fonte tamanho 12, negritados e centralizados, devendoaparecer no Sumário.5.3.1 Glossário Consiste numa relação de palavras de uso restrito empregadas no texto, emordem alfabética, acompanhadas das respectivas definições. Tem como objetivoesclarecer ao leitor sobre o significado de termos ou expressões poucos usuais oude sentido controverso.
  46. 46. 465.3.2 Referências Denomina-se “Referências” o conjunto de elementos que identificam as obrascitadas no texto. Toda obra citada deverá ser referenciada, assim como toda obrareferenciada deverá ter sido citada no texto. A NBR 6023 orienta a confecção destalista. Devido à importância deste elemento na confecção do trabalho, dedicamos aele todo o capítulo 7 onde se apresenta detalhadamente as possibilidades deelaboração das referências para cada tipo de obra.Modelo
  47. 47. 475.3.3 Apêndices O apêndice é um elemento opcional. Devem constar em apêndicedocumentos complementares e/ou comprobatórios do trabalho, elaborados pelopróprio autor. Esses devem trazer informações esclarecedoras que não se incluamno texto para não prejudicar a sequência lógica da leitura. Os apêndices sãoidentificados por letras maiúsculas consecutivas, travessão e pelos respectivostítulos.Modelo5.3.4 Anexos Os anexos representam a documentação suplementar abonadora do texto,não elaborada pelo autor. São identificados através de letras maiúsculasconsecutivas, travessão e pelos respectivos títulos.
  48. 48. 48Modelo5.3.5 Índice O índice é a lista de entradas ordenadas segundo determinado critério,normalmente alfabético. É elemento opcional. Deve ser confeccionado segundo aNBR 6034.ModeloÍNDICEAacessibilidade, 20, 21, 68, 79automóvel, 24, 25, 44, 46, 126, 131Bbicicleta, 120- bicicletários, 121- ciclovias, 121- faixas exclusivas, 121bilhetagem automática (ver tarifa coleta), 55bilhete magnético, cartão magnético e cartão inteligente (ver tarifa coleta), 55
  49. 49. 496 CITAÇÕES A citação é a transposição, para o texto, de um trecho ou uma informaçãoextraída de outra fonte, normalmente de outro texto. As citações são normatizadaspela NBR 10520 e podem aparecer no texto ou em nota de rodapé. Podem serdiretas, indiretas ou citação de citação. As citações devem ser usadas como apoio às afirmações feitas no texto;devem ser citadas as obras críticas e não os argumentos de autoridades paraafirmativas genéricas ou amplamente conhecidas. A indicação da fonte das citações deverá seguir um destes sistemas: autor-data ou notas de referência, os quais são excludentes, ou seja, ao adotar umdesses métodos, ele deve ser utilizado consistentemente ao longo de todo otrabalho. Ambos os métodos não excluem a necessidade de apresentação dareferência completa que deverá constar na lista de referências ao final do trabalho.Todas as citações devem ser referenciadas, ou seja, todos os autores e obrascitadas devem obrigatoriamente aparecer na lista de referências. Citações em língua estrangeira podem ser utilizadas, mas por questões de elegância, afinal de contas o texto está sendo publicado para o seu leitor e deve primar pela clareza, após a citação faça a tradução e indique ao final da mesma a expressão “tradução nossa”. (MEDEIROS, 2007, p.28, grifo do autor)6.1 CITAÇÃO INDIRETA Citação indireta é a transcrição livre do texto consultado, também chamada deparáfrase5. O tema deve ser reescrito e reestruturado sintaticamente (e não umasimples troca das palavras originais do texto por sinônimos). A indicação do ano de publicação é obrigatória; não é obrigatório, masrecomendável, indicar as páginas. Deve-se ter cuidado ao utilizar esse tipo de citação para não ser confundidocom plágio. Portanto, o autor deve explicitar a intenção deixando clara a fonte.5 Paráfrase representa uma reescritura do texto original com novas palavras, sem que o sentido seja modificado. Portanto, parafrasear consiste em transcrever, com novas palavras, as ideias centrais de um texto.
  50. 50. 50Importante lembrar que plágio, que significa apresentar como seu o trabalhointelectual de outra pessoa, é tratado pela Lei de Direitos Autorais (9.610/98) comouma questão ética e criminal, sujeitando o plagiador às sanções legais. Érecomendável que se recorra aos orientadores em caso de dúvidas e/ou utilizem oapoio institucional (cursos e plantões de metodologia), bem como o serviço dereferência oferecido pela biblioteca.6.2 CITAÇÃO DIRETA Citação direta é a transcrição exata de palavras ou trechos de textos de umautor, respeitando-se rigorosamente a redação, a ortografia e a pontuação. Citações até três linhas são consideradas curtas devendo ser inseridas notexto. São reproduzidas entre aspas duplas, indicando-se o nome do autor antes ouapós a citação. Caso o texto original já possua aspas, estas serão substituídas poraspas simples. Citações longas, com mais de três linhas, devem constituir um parágrafoindependente, recuado 4 cm da margem esquerda, com letra menor que a do texto(sugere-se tamanho 10), espaçamento simples e sem aspas. Citações longasadmitem o uso de parágrafo normalmente. (MEDEIROS, 2002, p.197).6.3 SISTEMA AUTOR-DATA Neste sistema, a indicação da fonte é feita entre parênteses, após a citação,com o sobrenome de cada autor ou o nome de cada entidade responsável, em letrasmaiúsculas, seguido de vírgula e da data de publicação e do número das páginas dacitação. Quando o sobrenome do autor está citado na frase fora do parêntese, segueo padrão gráfico da redação do texto (minúsculo). Helgard (1977, p.270) tratam a questão da aprendizagem relacionando-a commudanças comportamentais. Quando o sobrenome do autor está dentro do parêntese, usam-se letrasmaiúsculas.
  51. 51. 51 Podemos definir a aprendizagem como “[...] uma mudança relativamente perma-nente no comportamento e o que ocorre como resultado de prática.” (HELGARD; 1977,p.270). Notas de rodapé apenas serão utilizadas no sistema autor-data quando tratar-se de notas explicativas ou quando forem endereços eletrônicos com indicações desites, instituições, entre outros, que não constituírem o referencial teórico dotrabalho. O guia de alimentação saudável para modelos1 possui orientações sobrealimentação, dieta e manutenção do peso e é orientado por nutricionistas e uma médicapsiquiatra.___________________¹ Coma bem e sem culpa. Disponível em: <http://ffw.com.br/noticias/files/cartilha-dieta-modelos.pdf>. Acesso em: 15 nov. 2010.6.3.1 Sobrenomes iguais de autores diferentes No sistema autor-data, quando houver coincidência de sobrenomes deautores, acrescentam-se as iniciais de seus prenomes, se mesmo assim existircoincidência colocam-se os prenomes por extenso. (BARBOSA, C., 1958) (BARBOSA, Cássio, 2003) (BARBOSA, C., 1959) (BARBOSA, Celso, 1988)6.3.2 Diversos documentos de mesma autoria No sistema autor-data, quando existirem diversas citações de documentos demesma autoria, publicados no mesmo ano, são distinguidas pelo acréscimo de letrasminúsculas, em ordem alfabética, depois da data e sem espacejamento, conforme aordem na lista de referências. De acordo com Rezende (2001a) (REZENDE, 2001a)Ainda de acordo com Rezende (2001b) (REZENDE, 2001b)
  52. 52. 52 6.3.3 Citações de diversos autores em uma mesma publicação No sistema autor-data na citação da mesma publicação com dois autores, separam-se os autores conforme os exemplos abaixo: Podemos definir a aprendizagem como “[...] uma mudança relativamente permanente no comportamento e que ocorre como resultado de prática.” (HELGARD; ATKINSON, 1979, p.270). A aprendizagem ainda pode ser definida [...] como... Helgard e Atkinson (1979, p.270) tratam a questão da aprendizagem relacionando- a com mudanças comportamentais. Se houver mais de 3 autores usa-se o sobrenome do primeiro autor acompanhado da expressão latina et al. Podemos dizer que o uso das normas para documentação acadêmica são a garantia do desenvolvimento adequado da produção docente institucional (OLIVEIRA et al., 2011, p.12-13). 6.3.4 Citação indireta Segundo Clóvis do Couto e Silva (1998), o grau de proximidade ou distância das relações entre indivíduos é dado juridicamente relevante. O grau mínimo de contato é a pertinência ao mesmo grupo social. 6.3.5 Citação direta curtaLetra maiús-cula A consciência moral é moldada a partir da realização existencial da pessoa. “Pes- soa é o ser humano capaz de viver uma vida ética, tendo sempre como seus constitutivos essenciais a subsistência e a manifestação.” (LIMA VAZ, 2000, p.234). Ponto dentro das aspas
  53. 53. 53Letra minúscula A consciência moral é moldada a partir da realização existencial da pessoa, defini- da por Lima Vaz (2000, p.234) “pessoa é o ser humano capaz de viver uma vida ética, tendo sempre como seus constitutivos essenciais a subsistência e a manifestação”. Ponto fora das aspas 6.3.6 Citação direta longa A consciência moral é moldada a partir da realização existencial da pessoa. Pessoa é o ser humano capaz de viver uma vida ética, tendo sempre como seus constitutivos essenciais a subsistência e a manifestação. O existir como pessoa, fundamento de todos os predicados que formam a singularidade do ser humano, é o que o distingue de todos os demais se- res vivos. (LIMA VAZ, 2000, p.234). Dica Word (versão 2010) – Altere o espaçamento entrelinhas em “Parágrafo” > “Espaçamento”, colocando “Antes” e “Depois” 0 pt (zero ponto) e espaçamento entrelinhas “Simples”. 6.4 SISTEMA DE NOTAS DE REFERÊNCIA (NOTAS DE RODAPÉ) As notas de referência são notas que indicam as fontes consultadas ou que remetem a outras partes da obra em que o assunto foi abordado. Devem estar localizadas na margem inferior da mesma página, onde ocorre a chamada numérica recebida no texto. São separadas do texto por um traço contínuo de 4 cm e digitadas em espaço simples, fonte tamanho 10. Para fazer a chamada das notas de rodapé, use algarismos arábicos sobrescritos em sequência única e consecutiva para todo o trabalho. Dica Word (versão 2010) – Para inserir notas de rodapé, utilize o recurso “Referências” > “Inserir nota de rodapé” com o cursor no ponto do texto onde ocorre a citação. Isso garantirá que as notas não se percam, caso haja mudança de página, e que a numeração das notas seja contínua, além de criar automaticamente a linha e a numeração sobrescrita no pé da página. No corpo do trabalho, o número da nota aparece sempre após o sinal de pontuação que fecha a citação (MEDEIROS, 2004, p.197). No rodapé, o número de
  54. 54. 54chamada da citação deve ficar em destaque, alinhando-se todo o texto pela primeiraletra da primeira palavra. No texto: Por tal razão, inclusive, nossa jurisprudência não vinha aceitando apossibilidade de pessoas separadas de fato manterem união estável com terceiros.Nesse sentido, cumpre transcrever: Para que a companheira participe da sucessão do seu companheiro, tendo direito ao usufruto da quarta parte dos bens deste é preciso que tenham convivido por mais de cinco anos ou que da união tenha havido prole.¹ No rodapé_____________________¹ SÃO PAULO. Tribunal de Justiça. Apelação n. 544.013-00/99, Relator: Des. Manuel Ramos, 1999. No rodapé, sempre que se cita uma obra pela primeira vez, deve-se fazer suareferência completa, a não ser que seja de legis as citações subsequentes podemser referenciadas utilizando-se as expressões latinas (NBR 10520), desde que nomesmo rodapé. Na citação subsequente de uma obra já citada no trabalho, porém em outrorodapé, deverá constar, novamente, a referência completa. Seguem instruções sobre o uso das expressões latinas:Ibidem ou Ibid. (na mesma obra): só deve ser utilizado quando forem realizadas váriascitações de um mesmo documento, variando apenas as páginas das quais se extraíram ostrechos citados.Idem ou Id. (do mesmo autor): substitui o nome, quando se tratar de citação de diferentesobras do mesmo autor.Op. cit. ou opus citatum, opere citato (na obra citada): utilizado em seguida ao nome doautor, referindo-se à obra citada anteriormente, na mesma página, quando houverintercalação de outras notas.Loc. cit. ou loco citato (no lugar citado): empregado para mencionar a mesma página deuma obra já citada, quando houver intercalação de outras notas de indicação bibliográfica. Outras expressões latinas podem ser utilizadas para otimizar as referênciasde citações no rodapé:
  55. 55. 55et seq. (seguinte ou que se segue): usado quando não se quer mencionar todas as páginasda obra referenciada. Nesse caso, indica-se a primeira página, seguida da expressão.passim (aqui e ali; em vários trechos): utilizado quando se faz referência a diversaspáginas de onde tenham sido compiladas as ideias do autor, evitando-se a indicaçãorepetitiva dessas páginas. Menciona-se a página inicial e a final do trecho que contém asdefinições ou conceitos utilizados.cf. (confira): usualmente empregado para fazer referência a trabalhos de outros autoresque não fazem parte do referencial teórico.et al. (e outros): utilizado sempre que houverem mais de 3 autores.e.g. (por exemplo): (“...dele não existe um exemplar, e.g., um selo...”).i.e. (isto é): usado como nota explicativa (“Emprazar, i.e., dar um prazo”). Poderão ser inseridas no mesmo rodapé as notas de citação e as notasexplicativas, numeradas sequencialmente.Expressão Significado Exemplo no rodapéIbidem* Do mesmo __________Ibid. autor, na ¹ GOMES, Luiz Antônio Vidal de Negreiros. mesma obra Criatividade: projeto, desenho, produto. Santa Maria: Schds, 2004. p.85. ² Ibidem, p.93.Idem* Mesmo autor, __________Id. mas em outra ¹ GOMES, Luiz Antônio Vidal de Negreiros. obra Criatividade: projeto, desenho, produto. Santa Maria: Schds, 2004. p.85. ² Idem. Desenhismo. Santa Maria: Ed. UFSM, 1996. p.47.Opus citatum* Obra citada __________Opere citato ¹ SHAKESPEARE, William. O mercador de Veneza.op. cit. Rio de Janeiro: Lacerda, 1999. p.29. ² SCHOPENHAUER, Arthur. Como vencer um debate sem precisar ter razão. Rio de Janeiro: Topbooks, 2003. p.258. ³ SHAKESPEARE, op. cit., p.31.Loco citato* No lugar citado __________loc. cit. (mesmo autor, ¹ SARAMAGO, José. A caverna. São Paulo: mesma obra, Companhia das Letras, 2003. p.350-353. mesma página) ² SARAMAGO, loc. cit.Sequentia Seguinte __________et seq. Que se segue ¹ GUIMARÃES, Isaac Sabbá. Nova lei antidrogas comentada. Curitiba: Juruá, 2006. p.301 et seq.Passim Aqui e ali __________ Em diversas ¹ FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Estado de páginas direito e constituição. 3.ed. São Paulo: Saraiva, 2004. passim.* Expressões que só podem ser usadas na mesma página ou na folha da citação a que se referem. Ao trocar depágina, volta-se a usar a forma de referência completa.
  56. 56. 56 Vale salientar que a jurisprudência deve ser citada preferencialmente a partirdos Tribunais ou de alguma revista científica, nunca de sites aleatórios da Internet.Também a legislação deve ser citada a partir do site do SICON (Senado Federal),Presidência da República ou dos Diários Oficiais, não utilizando os Vade-Mécunsnem sites aleatórios da Internet. Deve-se, portanto, buscar as informações nasfontes primárias sempre que possível. A consulta de legislação e jurisprudência deveser realizada em sites próprios para sua divulgação. Por serem longas, as referências em rodapé de legislação e jurisprudência,podem ser apresentadas em formato reduzido já na primeira vez em que ocorrem notexto.6.4.1 Citação indireta A consciência moral é moldada a partir da realização existencial da pessoa.Pessoa é o ser humano capaz de viver uma vida ética, tendo sempre como seusconstitutivos a subsistência e a manifestação.¹___________________¹ LIMA VAZ, Henrique C. de. Escritos de filosofia. São Paulo: Loyola, 2000. p.234.6.4.2 Citação direta curta A consciência moral é moldada a partir da realização existencial da pessoa.“Pessoa é o ser humano capaz de viver uma vida ética, tendo sempre como seusconstitutivos essenciais a subsistência e a manifestação.”¹___________________¹ LIMA VAZ, Henrique C. de. Escritos de filosofia. São Paulo: Loyola, 2000. p.234.
  57. 57. 576.4.3 Citação direta longa A consciência moral é moldada a partir da realização existencial da pessoa. Pessoa é o ser humano capaz de viver uma vida ética, tendo sempre co- mo seus constitutivos essenciais a subsistência e a manifestação. O exis- tir como pessoa, fundamento de todos os predicados que formam a sin- gularidade do ser humano, é o que o distingue de todos os demais seres vivos.¹___________________¹ LIMA VAZ, Henrique C. de. Escritos de filosofia. São Paulo: Loyola, 2000. p.234.Dica Word (versão 2010) – Altere o espaçamento entrelinhas em “Parágrafo” > “Espaçamento”, colocando “Antes” e“Depois” com 0 pt (zero ponto) e espaçamento entrelinhas “Simples”.6.5 SUPRESSÕES A supressão é a eliminação de uma parte do trecho que se está citando. Usa-se o colchete com reticências, no início, no meio ou no final de uma citação paramarcar onde ocorre a supressão. A supressão de parágrafo(s) inteiro(s) é indicadapor linha pontilhada. (MEDEIROS, 2002, p.196) Exemplo sistema autor-data: Meyr parte de uma passagem da crônica de “14 de maio”, de A Semana: “Houve sol, naquele domingo de 1888, em que o Senado votou a lei, que a re- gente sancionou [...]”. (ASSIS, 1994, v.3, p.583). Numa citação longa de legislação poderão ser inseridos os artigos eparágrafos exatamente como constam no documento original, indicando-se asupressão de algum deles por uma linha pontilhada.
  58. 58. 58 Quanto à incidência de IR sobre o rendimento de operações efetuadas com oouro, a Lei nº 7.766 deixa claro que: Art. 4º O ouro destinado ao mercado financeiro sujeita-se, desde sua extração inclusive, exclusivamente à incidência do imposto sobre operações de crédito, câmbio e seguro, ou relativas a títulos ou valores mobiliários. .......................................................................................................................... Art. 8º O fato gerador do imposto é a primeira aquisição do ouro, ativo financeiro, efetuada por instituição autorizada, integrante do Sistema Financeiro Nacional. .......................................................................................................................... Art. 13º Os rendimentos e ganhos de capital decorrentes de operações com ouro, ativo financeiro, sujeitam-se às mesmas normas de incidência do imposto de renda aplicáveis aos demais rendimentos e ganhos de capital 1 resultantes de operações no mercado financeiro._________________¹ BRASIL. Lei nº 7.766, de 11 de maio de 1989.6.6 INTERPOLAÇÕES A interpolação é a inserção de comentários ou observações que o redator dotrabalho acadêmico faz na citação para facilitar a leitura, salientando ou explicandoalguma expressão do trecho. Quando usados, os colchetes devem aparecer semreticências, junto à citação. Afirma-se, então, o “[...] desejo de criar uma literatura independente, diversa,[a exemplo do que se verificava em outros países à época] aparecendo o classicis-mo como manifestação de passado colonial”. (CÂNDIDO, 1993, p.12, grifo nosso) Sônia Felipe, ao comentar Singer, nos diz: “Os interesses devem constituir onovo parâmetro ético [apresentado e defendido por Singer], e para ter interessesbasta sentir dor, sofrer ou sentir prazer, e consequentemente, empreendermovimentos no sentido de evitar aquela e alcançar este.”1. [grifo nosso].____________________¹ FELIPE, Sônia T. Natureza e moralidade. Igualdade antropomórfica, antropocêntrica, ou ética? Revista Philosophica, n.25, p.43-75, 2004.
  59. 59. 596.7 CITAÇÃO DE CITAÇÃO (APUD) É aquela em que o autor do texto não tem acesso direto à obra citada,valendo-se de citação constante em outra obra, ou seja, é a menção de umdocumento ao qual não se teve acesso, mas do qual se tomou conhecimento por tersido citado em outro trabalho. Deve-se primar pelo acesso à fonte primária, isto é,pela utilização da obra em que se encontra, em primeira mão, a informação que sedeseja utilizar. Porém, se isso não for possível, faz-se a citação de citação, ou seja,a citação de um texto que se teve acesso a partir de outro documento. No trabalho, deve ser indicado o sobrenome do(s) autor(es) da fonte primária,não consultada, seguido da expressão “apud”, que significa “citado por, conforme” eo sobrenome do autor do documento consultado. Na lista de referências, ao final dotrabalho, deverá aparecer somente a referência completa do documentoconsultado, não mais aparecendo o autor da citação indicada por apud. Sistema autor-data No texto: Marinho (1980 apud MARCONI; LAKATOS, 1982) apresenta a formulação doproblema como uma fase de pesquisa que, sendo bem delimitado, simplifica efacilita a maneira de conduzir a investigação. Nas Referências (a obra em mãos):MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1982.
  60. 60. 60 Sistema autor-data No texto: A definição de pessoa para John Locke (apud SINGER, 2002, p.97) vem deencontro a uma quebra de paradigmas das sociedades contemporâneas na questãoda individualidade do ser e de seus êxitos, como sendo “um ser pensante e inteli-gente dotado de razão e reflexão, que pode ver-se como tal, a mesma coisa pen-sante, em tempos e lugares diferentes”. Nas Referências (a obra em mãos): SINGER, Peter. Ética prática. 3.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002. Sistema notas de referência No texto: Marinho apresenta a formulação do problema como uma fase de pesquisaque, sendo bem delimitado, simplifica e facilita a maneira de conduzir ainvestigação.1. No rodapé:___________________1 MARINHO, 1980 apud MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa. São Paulo:Atlas, 1982. Nas Referências (a obra em mãos):MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1982.
  61. 61. 61 Sistema notas de referência No texto: A definição de pessoa para John Locke vem de encontro a uma quebra de paradigmas das sociedades contemporâneas na questão da individualidade do ser e de seus êxitos, como sendo “um ser pensante e inteligente dotado de ra- zão e reflexão, que pode ver-se como tal, a mesma coisa pensante, em tempos e lugares diferentes.”1 No rodapé: _________________ 1 LOCKE apud SINGER, Peter. Ética prática. São Paulo: Martins Fontes, 2002. p.97.6.8 CITAÇÃO EM RODAPÉ “Deve vir sempre entre aspas, independentemente de sua extensão.” (BRA-SIL, 1999, p.32) No texto: Num primeiro momento, reafirma a versão oficial de que o exército naquelaocasião, como de costume, apenas patrulhou a cidade. Sem qualquer amparo do-cumental1, vê-se vencida pelas evidências levantadas em pesquisa posterior. No rodapé:________________1 Sua única fonte comprobatória é a seguinte: “Várias pessoas que moravam em Francisco Beltrão, na época, afirmaram isso, inclusive Walter Pecoils e Luiz Prolo, que eram da comissão”. (GOMES, 1986, p.104.)6.9 TRADUÇÃO EM CITAÇÃO Quando citados textos em língua estrangeira devem constar no trabalho otrecho na língua original e a tradução do mesmo. A tradução pode ser feita em notade rodapé com a indicação “tradução nossa”. O inverso também pode ocorrer.
  62. 62. 62 No texto: Ainda refletindo sobre a importância do uso da cor, Rudolf Arnheim nos diz que“Strictly speaking, all visual appearance owes its existence to brightness and color.” 1(1974, p.332) No rodapé:________________1 Estritamente falando, toda aparência visual deve sua existência ao brilho e à cor. (ARNHEIM, 1974, p.332, tradução nossa).Ou No texto: Ainda refletindo sobre a importância do uso da cor, Rudolf Arnheim nos diz que“Estritamente falando, toda aparência visual deve sua existência ao brilho e à cor.” 1(1974, p.332, tradução nossa) No rodapé:________________1 “Strictly speaking, all visual appearance owes its existence to brightness and color.” (ARNHEIM, 1974, p.332)6.10 CITAÇÕES DE UMA IDEIA COMUM A VÁRIOS AUTORES Quando se quer referir, numa única citação, ideias de vários autores,defendidas em diversas publicações, mencionadas simultaneamente, deve-serespeitar a ordem cronológica, elencando as referências da mais antiga para a maisrecente (para trabalhos do mesmo ano, adota-se o critério da ordenação alfabética apartir do último sobrenome do autor).

×