Apresentação 7 fertirrigação profº adolfo

1.109 visualizações

Publicada em

fertlizaçao maracuja

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.109
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
53
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação 7 fertirrigação profº adolfo

  1. 1. Netafim Brasil Manejo de Fertirrigação em Fruticultura Adolfo Moura ; 22 / 05 / 12
  2. 2. Netafim Brasil Tendências do Crescimento Demográfico no Mundo Introdução SeguinteAntes Menu Dados Reais População População(milesdemillones) População Produção de grãos Fertilizantes Adubos orgânico Origem de nutrientes (estimação) Reservas de nutrientes no solo Produçãodegrãos(Tmha)
  3. 3. Netafim Brasil CONCEITO DE FERTIRRIGAÇÃO Os elementos nutritivos encontram-se dissolvidos na água do solo As plantas “bebem” os nutrientes FERTIRRIGAÇÃO •Os fertilizantes são fornecidos de acordo com a sugestão das análise de solo, folha e solução do solo. •São fornecidos em função da água de irrigação, se calculam em mgL-1, ou mmolL-1 e se quantificam globalmente como um valor de CE (dSm-1) Não deve separar a irrigação do adubo Para se adubar bem primeiro tem que se irrigar bem
  4. 4. Netafim Brasil Vantagens e Desvantagens da Fertirrigação Vantagens; Atendimento das necessidades nutricionais das plantas de acordo com a curva de absorção das mesmas. Aplicação de nutrientes restrito ao volume molhado onde se encontra a região de atividades das raizes. As quantidades e concentrações dos nutrientes podem ser adaptadas a necessidades da planta em função do estádio fenológico. Economia de mão-de-obra e redução de atividades de pessoas ou maquinas agrícolas na área de cultivo, evitando-se assim a compactação do solo.
  5. 5. Netafim Brasil Desvantagens da Fertirrigação Possibilidade de retorno do fluxo de solução a fonte de água. Possibilidade de entupimentos. Possibilidade de contaminação do manancial subsuperficial ou subterrâneo. Lavagem do fertilizante por lixiviação. Relação incorreta dos elementos nutricionais Difícil correlação com deficiência nutricional.
  6. 6. Netafim Brasil Fatores de Produtividade Fatores de produção Produtor Solo Clima Variedades Plantas invasoras Doenças Pragas
  7. 7. Netafim Brasil FERTILIZANTE ADUBAÇÃO = PLANTA – SOLO (SOLUÇÃO DO SOLO) Conceito de adubação PLANTA SOLO
  8. 8. Netafim Brasil minerais disolução precipitação adsorção superfícies solução de solo coloidais absorção humus e reservas planta absorção lavagem drenagem
  9. 9. Netafim Brasil Fertilidad de suelos y nutrición de plantas FASE DE RESERVA Complejos Orgánicos Minerales Primarios COLOIDES Arcillas Humus Otros Minerales Secundarios Fase Cambiable Ca2+ Mg2+ K+ Na+ NH4 + K+ Ca2+ Mg2+ Mg2+ Cl- SO4 2 - FASE LIQUIDA Mineralización Inmovilización Humificac ión Meteorización Fijación Meteorización Lixiviación Intercambio IónicoMeteorización Factor restitución Factor capacidad Factor intensidad NO3 -
  10. 10. Netafim Brasil Água Fertilizantes Características do solo Solução do solo
  11. 11. Netafim Brasil Necessidades de filtração Necessidades de irrigação Unidade SimSimpH SimSimdS/mConduc. Elec Simmeq/ltCloros SimSimmeq/ltSulfatos SimSimmeq/ltBicarbonatos SimSimmeq/ltCarbonatos Simmeq/ltSódio SimSimmeq/ltCálcio SimSimmeq/ltMagnésio Simmeq/ltAmônio Análise de água
  12. 12. Netafim Brasil Necessidades de filtração Necessidades de Irrrigação Unidade SimRAS SimppmBoro SimppmFerro Total SimppmMagnésio SimppmSulfato SimppmTSS 105 °C SimppmTSS 570 °C SimppmFerro Férrico SimppmFerro Ferroso
  13. 13. Netafim Brasil Dureza e Alcalinidade NÃO É NECESSÁRIO Estão presente na análise de água pH Cálcio Ca++ Magnésio Mg++ Sódio Na+ Bicarbonatos HCO3 _ Carbonatos CO3 -2
  14. 14. Netafim Brasil Water Quality Interpretation Chart. Water quality parameter None Degree of problem increasing Severe 1. Salinity EC (mmho/cm) 0.0 - 0.8 0.8 - 3.0 3.0 - + TDS (ppm) 0.0 - 500 500 - 2000 2000 - + 2. Permeability - Caused by Low Salt EC (mmho-cm) 0.5 - + 0.5 - 0.2 0.2 – 1.5 + TDS (ppm) 320 - + 320 - 400 400 + Permeability - Caused by Sodium SARa 0.0 - 6.0 6.0 - 9.0 9.0 - + 3. Toxicity Sodium (SARa) 0.0 - 3.0 3.0 - 9.0 9.0 - + Chloride (me/l) 0.0 - 0.4 0.4 - 10 10 - + (ppm) 0.0 - 140 140 - 350 350 - + Boron (ppm) 0.0 - 0.5 0.5 - 2.0 2.0 - + 4. Clogging Iron (ppm) 0.0 - 0.1 0.1 - 0.4 0.4 - + Manganese (ppm) 0.0 - 0.2 0.2 - 0.4 0.4 - + Sulfides (ppm) 0.0 - 0.1 0.1 - 0.2 0.2 - + Calcium Carbonate (ppm) no levels established
  15. 15. Netafim Brasil
  16. 16. Netafim Brasil UnidadesValor 8pH mS/cm0.85CE meq / lt3.82Cálcio meq / lt2.62Magnésio meq / lt3.77Sódio meq / lt0.10Potássio meq / lt1.87Cloro meq / lt5.24Bicarbonatos meq / lt0.94Carbonatos meq / lt2.57Sulfatos p p m0.25Boro 2.10Car.Sodico Residual 2.10R A S
  17. 17. Netafim Brasil Equival.Valência Peso mol. Elemento 20240Ca++Cálcio 12224Mg++Magnésio 23123Na+Sódio 39139K+Potássio 61161HCO3-Bicarbonatos 30260CO3=Carbonatos 35.5135.5Cl-Cloros 48296SO4=Sulfatos
  18. 18. Netafim Brasil C E calculado Coeficiente0.85C E 3.82Ca++ 2.62Mg++ 3.77Na+ 0.10K+ 1.0 0.86 10 12 10.31 Soma cátions 5.24HCO3- 0.94CO3= 1.87Cl- 2.57SO4= 1.0 0.88 10 12 10.62 Soma aniones
  19. 19. Netafim Brasil Cálculo da Quantidade de Cloro na água: Água tem = 6 meq Cl- 6meq Cl- x 35,7 (1 meq Cl) = 214 g Cl- /m3 Se o projeto tem 7 mm / dia = 70 m3/ha/dia =-Kg Cl214,0x70=-gr Cl214x70 litros1000/ha/dia /-Kg Cl15 Quando aplica K Cl Cl = 45% 100 Kg KCl solução X 0,45 = 45 Kg Cl- em calda
  20. 20. Netafim Brasil Salinidade do solo Salinidade = conc. de ions na solução do solo. Medição: conductividade elétrica da solução do solo em saturação. (pasta) Conduc. elétrica de pasta Conduc. elétrica de capacidade de campo EC pasta x 2 EC solução da capacidade de campo Influência da salinidade. a. Aumento do potêncial osmótico. b. Toxicidade de elementos (Na, B, Cl) c. Modificação estrutural do solo. Dispesão.
  21. 21. Netafim Brasil Nutrição de plantas Particula del suelo rodeado por filme de agua Pelos radiculares Agua disponible Para las plantas Aire Particula del suelo Pelos raiz (a) Agua del suelo (b) Capacidad de intercambio en suelo •A informação relacionada com a composição da solução do solo é essencial para o manejo adeguado da ferrtirrigação, devido ao vínculo entre a fase sólida e a zona de absorção das raízes
  22. 22. Netafim Brasil Nutriente soluvel em água Frações determinadas em analíses de solo de rotina Soluvel em ácidos fracos Soluvel em ácidos fortes Não disponivel Intercambil Nutriente aplicado - Soluvel em Água ANALISE DE FERTILIDADE EXTRATO DILUIDO/ SATURAÇÃO
  23. 23. Netafim Brasil A solução nutritiva com que estamos fertirrigando sofrerá mudanças ao interagir com a solução do solo. Por tanto será muito útil monitorar periódicamente as mudanças, na solução do solo, para estabelecer os ajustes necessários em um programa de fertirrigação. sonda de sucção da solução do solo
  24. 24. Netafim Brasil Métodos de extração: Água  Extração de solo com água destilada em diferentes proporções pequenas; 1:1 e 1:2 Extrato de solo com elementos não adsorvidos – em solução de solo  Elementos extraídos representam o fator INTENSIDADE
  25. 25. Netafim Brasil gotejo A função do solo em um sistema de fertirrigação Concentramos em um pequeno volume de solo, uma grande quantidade de raízes. Nestes bulbos a extração de água e nutrientes e muito elevada, esgotando-se sua reserva em pouco tempo. A capacidade do solo como reserva mineral diminui. (Rincón, 1982). Analise da Solução do solo, antes e durante o cultivo. Papaya Em Solução 10 oct . 08 meq/L 15 de May. 09 K+ 0.36 2.35 Ca++ 1.84 12.97 Mg++ 1.2 7.24 Na+ 2.1 4.05
  26. 26. Netafim Brasil As raízes absorvem os nutrientes da solução do solo. NO3 - Ca++ K+ Mg++ Os compomentes dos nutrientes da solução do solo como também a C.E. são dimanicos e varíam a fase fenológica muito notoriamente. SOLUÇÃO DE NUTRIENTES OH- H+ NO3 - K+
  27. 27. Netafim Brasil CORREÇÃO DE SOLOS SÓDICOS EMPREGO DO GESSO AGRÍCOLA
  28. 28. Netafim Brasil 4.2. CORREÇÃO DE SOLOS SÓDICOS 4. EMPREGO DO GESSO AGRÍCOLA ARGILA + CaSO4.2H2O  ARGILA Ca + Na2SO4 - - Na - Na Solo sódico Gesso Solo normal Lavagem Reação:
  29. 29. Netafim Brasil SOLOS TROPICAIS
  30. 30. Netafim Brasil pH solo = pH da solução do solo !!! pH solução do solo pH solução fertilizante pH água de irrigação disponibilidade de elementos absorção de elementos corroção do equipamento precipitação de sal toxicidade de Al e Mn Medição do pH do solo a. Medição de pH em água b. Medição de pH em suspensão KCl normal c. Medição de pH em suspensão CaCl2 0.01 Mol
  31. 31. Netafim Brasil 1.0 - 0.8 - 0.6 - 0.4 - 0.2 - 0.0 - MoleFraçãoofTotalP l l l l l l l l O 2 4 6 8 10 12 14 pH Efeito do pH sobre a distribução de ions de Ortofosfato em Solução * H3PO4 PO4 3 - H2PO4 - HPO4 2 - * Lindsay, 1979
  32. 32. Netafim Brasil Concentração de ions orthophosphatos a diferentes valores de pH da solução.
  33. 33. Netafim Brasil pH Fosfatos de Cálcio Fosfatos de Magnésio Carbonatos de Cálcio Carbonatos de Magnésio Problemas com quelatos EDTP Fosfatos de Alumínio Fosfatos de Ferro
  34. 34. Netafim Brasil Efeito na disponibilidade de nutrientes Efeito do pH na disponibilidade dos nutrientes e na solubilidade do alumínio (MALAVOLTA, 1979).
  35. 35. Netafim Brasil ABSORÇÃO: CONTATO ÍON - RAIZ
  36. 36. Netafim Brasil M adubo M parte aérea M sólido M solução M raiz M lixiviação M = nutriente 1 2 3 Dinâmica do Nutriente
  37. 37. Netafim Brasil Nutrientes x Raiz 99 4 30 70 37 96 71 15 10 5 20 94 66 15 40 60 80 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 N P K Ca Mg S B Cu Fe Mn Zn (%) Fluxo de Massa Difusão
  38. 38. Netafim Brasil Fluxo de massa (lixiviação) Cl- > H3BO3 > NO3 - > SO4 = Ca++ / Mg++ / K+ (parte) Difusão (Fixação no solo) H2PO4 - / Zn++ / Cu++ / Fe++ / Mn++ / MoO4 = K+ (parte)
  39. 39. Netafim Brasil N I T R O G Ê N I O Forma Fórmula Ads. Argila Lavado Evap. Nitrato NO3- não sim não Amônio NH4+ sim lento sim Amônia NH3 sim lento sim Uréia (CO) (NH2)2 não* * rápido sim
  40. 40. Netafim Brasil Fertilizantes Nitrogenados Fertilizante Fórmula % Conc.Peso Sulfato de Amônio (NH4)2SO4 21 Uréia (CO) (NH2)2 46 Nitrato de Amônio NH4 NO3 33.5 Solução de Uréia (CO) (NH2)2 21 Uréia + Nit. Amon. (CO)(NH2)2 + 32 NH4 NO3 Sol. Nit. Amônio NH4+ NO3 18/21
  41. 41. Netafim Brasil Produto pH água 1 gr/litro água destilada Aumento EC 1 gr/litro água destilada Concentração ppm Uréia 8.0 +- 0.5 0.003 460 ppm N Uran 32 6.2 0.8 320 ppm N Sulfato de Amônio 5.4 1.62 210 ppm N Nitrato de Amônio * < 6.5 0.87 210 ppm N Relações de Fertilizantes Nitrogenados.
  42. 42. Netafim Brasil Fertilizantes Fosforados Fertilizante Fórmula % N % P2O5 Superfosfato Ca(H2PO4)2 + CaSO4 21/23/46 Ácido Fosfórico H3PO4 61/54 Mono Amônio Fosfato NH4 H2PO4 12 61 Di Amônio Fosfato (NH4)2 HPO4 21 53 Polifosfatos -O-P-O- ** O OH
  43. 43. Netafim Brasil Produto pH 1 gr/litro água destilada Aumento EC 1 gr/litro água destilada Concentração ppm M A P 4.0 1 N 120 ppm P 265 ppm K H2PO4 4.5 - 5.0 0.75 K 280 ppm P 225 ppm H3 P O4 2.3 2.2 P 270 ppm Relações de Fertilizantes Fosforados.
  44. 44. Netafim Brasil % =HPO4 % - H2PO4 pH 2985 18826 67337 9738 Influência do pH em relação aos ions na solução
  45. 45. Netafim Brasil P- LÁBIL P- NÃO LÁBIL P-SOLUÇÃO P- PLANTA RELAÇÕES P-SOLO/PLANTA/ADUBO
  46. 46. Netafim Brasil Fertilizantes Potásicos Fertilizante Fórmula % N % K2O Cloreto de Potássio KCl (branco) 60 Sulfato de Potássio KSO4 50 Nitrato de Potássio KNO3 13 46
  47. 47. Netafim Brasil Produto pH 1 gr/litro água destilada Aumento EC 1 gr/litro água destilada Concentração ppm Sulfato de Potássio 3.4 1 K 420 ppm Nitrato de Potássio 8.5 – 9.0 1 K 380 ppm Cloreto de Potássio 6.5 1.85 K 500 ppm Relação de Fertilizantes Potásicos
  48. 48. Netafim Brasil ARGILA K+ K+ K+ K+ K+ K+ K+ +K K K K K+ K+K+K+K+ K+ K+ K+ K+ K+ K+ K+ K+ K+K+ K+ K+ K+ K+ K+ K+ K+ K+ Formas de Potássio no Solo KK
  49. 49. Netafim Brasil K K K K K K K K K K K K K K K K K K K K K K K K K KK K K K K K K K K K K K K K K K K K KK K K K K K K K K K K K+ K+ K+ K+ K+ K+ K+ COMO O POTÁSSIO SE MOVE DO SOLO PARAAS RAÍZES K+ entra por difusão K+ move apenas curtas distâncias: até 7 mm K+ pode ser exaurido próximo as raízes mesmo com alta concentração de K no solo 7 mm
  50. 50. Netafim Brasil FERTILIZANTES PARAFERTILIZANTES PARA FERTIRRIGAFERTIRRIGAÇÃÇÃOO • Solubilidade • Influência da temperatura • Formação de precipitado na água • Misturas de fertilizantes • Efeitos corrosivos sobre metais e plásticos • Volatibilidade
  51. 51. Netafim Brasil Sintomas de deficiência nutricional Nitrogênio (N)  amarelecimento generalizado folhas mais finos Fósforo (P)  redução no crescimento diminuição da produção sistema radicular menos desenvolvido Potássio (K)  folhas velhas secas menor teor de açúcar
  52. 52. Netafim Brasil Sintomas de deficiência nutricional na fruticultura Boro (B) - Manchas cloróticas nas folhas - estriadas Morte da gema terminal Aumenta a incidência de Fusário ( pontuações avermelhadas) Folhas do topo se amarram umas às outras e apresentam enrugamento Cobre (Cu) - Clorose nas folhas com pequenas manchas (ilhas) verde escuras - mosaico Folhas caídas
  53. 53. Netafim Brasil Zinco ( Zn) - Clorose nas nervuras das folhas mais novas Redução do crescimento das folhas Paralização do crescimento das plantas Manganês (Mn) - Estrias amarelas ao longo das nervuras Folhas mais finas Sintomas de deficiência nutricional na fruticultura
  54. 54. Netafim Brasil Compatibilidade entre Produtos Uréia Nit.Amônia Sulf.Amônia Nit.Cálcio Nit.Potássio Cl.Potássio Sulf.Potássio DAP MAP Sulf.Magnésio Ác.Fosfórico Ác.Sulfúrico Ác.Nítrico Sulf.Fe,Zn,CueMn QuelatoFe,Zn,CueMn Uréia Nit. Amônia Sulf. Amônia Nit. Cálcio Nit. Potássio Cl. Potássio Sulf. Potássio DAP MAP Sulf. Magnésio Ác. Fosfórico Ác. Sulfúrico Ác. Nítrico Sulf. Fe,Zn,Cu e Mn Quelato Fe,Zn,Cu e Mn c c c c c c c c c c c c c c c c c c c c c c c c c c c c c I c c c c c c c c c c c c c I c c I I I I c I c I c c c c c c c c c R c R c R c c c c c c c c c R c R c R c c c c I c c c c R c R c R c c c c I c c c c I c c c I R c c c I c c c c I c c c I R c c c I R R R I I c c c c c c c c c c c c c c c c c I R c c c I R R R c c c c c c c c c c c c c c c c c c c c I c c c I R R R I I c I c c c c c c c c c R R c R c I c
  55. 55. Netafim Brasil
  56. 56. Netafim Brasil Avaliação do estado nutricional das plantas: Diagnose Foliar Diagnose visual Análise de solo Folha adequada; Época e no. certo Amostragem de folhas critérios de amostragem Produção Preparo do Material Laboratório p/ análise Resultados da Análise química Adubação (Recomendação ou ajustes Dose x Produção; Produção x teor foliar; Teor foliar x produção Nível crítico Tabelas c/ teores adequados Pesquisa Interpretação Deficiente/adequado/excessivo ESTADO NUTRICIONAL DAS PLANTAS
  57. 57. Netafim Brasil Diagnose visual Redução da velocidade dos processos metabólicos Paralisação/desarranjo dos processos biológicos Nível molecular Alteração de membranas, parede celular, organelas Nível subcelular Alteração/deformação das células Nível celular Alteração dos tecidos Nível de tecido = sintoma (clorose/necrose) Seqüência de eventos biológicos em plantas deficientes de nutriente.
  58. 58. Netafim Brasil Diagnose foliar
  59. 59. Netafim Brasil Diagnose foliar Cultura: GOIABA árvores.30de folhas:on Tipo de folha: 3.o par de folhas, completamente desenvolvidas, de ramos com frutos terminais. nutriente N P K Ca Mg S g/kg 13-16 1,4-1,6 13-16 9-15 2,4-4,0 - nutriente B Cu Fe Mn Mo Zn mg/kg 25 40 150 250 - 35
  60. 60. Netafim Brasil Diagnose foliar Cultura: MANGA /árvore) por talhão4(80de folhas:on homogêneo. época: florescimento. tipo de folha: folhas do meio do último fluxo de vegetação, de ramos com flores na extremidade. nutriente N P K Ca Mg S g/kg 12-14 0,8-1,6 5-10 20-35 2,5-5,0 0,8-1,8 nutriente B Cu Fe Mn Mo Zn mg/kg 50-100 10-50 50-200 50-100 - 20-40
  61. 61. Netafim Brasil Diagnose foliar Cultura: BANANA plantas.30de folhas:on Retirar 5-10 cm centrais da 3a folha a partir da inflorescência, eliminando-se a nervura central e metades periféricas. nutriente N P K Ca Mg S g/kg 27-36 1,8-2,7 35-54 3-12 3-6 2,5-8,0 nutriente B Cu Fe Mn Mo Zn mg/kg 10-25 6-30 80-360 200-2000 - 20-50
  62. 62. Netafim Brasil Diagnose foliar Cultura: MAMÃO amostra: coletar 15 pecíolos de folhas jovens, totalmente expandidas e maduras (17.a a 20.a folhas a partir do ápice), com uma flor visível na axila. nutriente N P K Ca Mg S g/kg 10-25 2,2-4,0 33-55 10-30 4,0-12,0 - nutriente B Cu Fe Mn Mo Zn mg/kg 20-30 4-10 25-100 20-150 - 15-40
  63. 63. Netafim Brasil Diagnose foliar Cultura: LARANJA 100de folhas:on (4 folhas/árvore), para cada talhão homogêneo. tipo de folha: 3a folha a partir do fruto, gerada na primavera, com 6 meses de idade, em ramos com frutos de 2 a 4 cm de diâmetro. nutriente N P K Ca Mg S g/kg 23-27 1,2-1,6 10-15 35-45 2,5-4,0 2,0-3,0 nutriente B Cu Fe Mn Mo Zn mg/kg 36-100 4-10 50-120 35-300 0,1-1,0 25,100
  64. 64. Netafim Brasil Diagnose foliar Cultura: MARACUJÁ .20de folhas:on época: outono. tipo de folha: 3.a ou 4.a folha, a partir do ápice de ramos não sombreados. (Alternativamente, coletar a folha com botão floral na axila, prestes a se abrir). nutriente N P K Ca Mg S g/kg 43-55(33-43) 2,3-2,7(1,2-2,1) 20-30(22-27) 9-25(12-16) 1,9-2,4(2,5-3,1) 3,2-4,0 nutriente B Cu Fe Mn Mo Zn mg/kg 40-100 10-15 120-200 40-250 1,0-1,2 25-60
  65. 65. Netafim Brasil Cultura: UVA .100de folhas:on tipo de folha: recém-madura mais nova, contada a partir do ápice dos ramos. nutriente N P K Ca Mg S g/kg 30-35 2,4-2,9 15-20 13-18 4,8-5,3 3,3-3,8 nutriente B Cu Fe Mn Mo Zn mg/kg 45-53 18-22 97-105 67-73 - 30-35 Diagnose foliar
  66. 66. Netafim Brasil Solubilidade de fertilizantes grs. fertilizante/ litro água Temperatura C Fertilizante 0 5 10 20 25 30 Sulfato Amônio 700 715 730 750 770 780 Uréia 680 780 850 1060 1200 1330 Cloreto Potássio 280 300 310 340 355 370 Sulfato Potássio 70 80 90 110 120 130 Nitrato Potássio 130 170 210 320 370 460 Mono Amônio Fosfato 227 255 295 374 410 464 Bifosfato de Potássio 110 180 230 250 300
  67. 67. Netafim Brasil CONCLUSCONCLUSÃÃOO • SOLUBILIDADE • GRAU DE IMPUREZAS • COMPATIBILIDADE DA MISTURAS • COMPATIBILIDADE NA FERTIRRIGAÇÃO • CORROSIVIDADE • ARMAZENAMENTO • SEGURANÇA
  68. 68. Netafim Brasil  10 – 12 meq/lt = 1 mmlos / cm(constante)  1 gr N / 1 m3 H2O = ppm Dados para cálculos de Salinidade; Meq/l ou meg/m3 N = 366 gr/m3 _ = 26 = 2,60 14 (peso atômico) 10 gr/m3 = meq/lts = ppm = 2,60 ms/cm (salinidade) 7 mm/dia = 70 m3 / dia/ha (somar com a CE da água)
  69. 69. Netafim Brasil Valores de pH do solo depois da aplicação de Uréia
  70. 70. Netafim Brasil Tempo de “avanço” T1 : Do cabeçal de bombeamento a válvula. T2 : Da válvula até o final da linha secundária. T3 : Lavagem da último linha lateral. Tempo de avanço = T1 + T2 + T3
  71. 71. Netafim Brasil Metros Tempo em minutos % acumulado do tempo total Tempo de cada 25 metros/minutos % do tempo total 25 / 150 0.57 3.2 % 0.57 3.2 % 50 / 150 1.26 7.2 % 0.69 4 % 75 / 150 2.16 12.3 % 0.9 5.1 % 100 / 150 3.48 20 % 1.32 7.5 % 125 / 150 5.57 31.5 % 2.09 12 % 150 / 150 17.5 100 % 12 68.5 % Tempo de “avanço” Dados: Vazão do gotejo 1.6 lt / hora Distância entre gotejos 50 cm. Comprimento lateral 150 metros
  72. 72. Netafim Brasil
  73. 73. Netafim Brasil ANÁLISES DE SOLO KITS PARA MONITORAMIENTO NUTRICIONAL meter pH meter EC Extrator de Solução do Solo
  74. 74. Netafim Brasil Estação em Citros • 2 Extratores de Solução do Solo (ESS) • 2 Tensiômetros
  75. 75. Netafim Brasil Extrator de Solução do Solo O produtor extrai a solução do solo diretamente da área ao redor das raízes e a analisa imediatamente no lugar
  76. 76. Netafim Brasil Objetivos * Controle nutricional de cultivos sobre irrigação baixo volume * Minimizar o impacto ambiental * Otimização de Lixiviados * Otimização da nutrição com fertilizantes e requerimentos hídricos Controle do Sistema Enfoque Produção Controlada Objetivo Aumentar rendimento Maximizar qualidade QUALIDADE
  77. 77. Netafim Brasil
  78. 78. Netafim Brasil Plano Geral de Amostras Águas de Irrigação Solução com Fertilizante real Solução de Solo “real” Análises de Tecido Vegetal
  79. 79. Interpretación y Diagnóstico de Perfiles Rancho 1 Frutales PC:88.1, fase 1, P14 (Tp) Rancho 2 Frutales Balsa2, 1584 (Td) 1.- Verificación de Solución Fertilizante2.- Gradiente Hídrico. Variación C.E.3.- Iones Móviles
  80. 80. Interpretación y Diagnóstico de Perfiles Rancho 1 Frutales PC:88.1, fase 1, P14 (Tp) Rancho 2 Frutales Balsa2, 1584 (Td) 3.- Iones Móviles Absorción Radicular de iones requeridos
  81. 81. Interpretación y Diagnóstico de Perfiles Finca 1 PAPAYA PC:88.1, fase 1, P14 (Tp) Finca 2 PAPAYA Balsa2, 1584 (Td) 3.- Iones Móviles Absorción Radicular de iones requeridos Aprovechamiento Nutricional Aprovechamiento Hídrico Reconcentración de iones no requeridos
  82. 82. Interpretación y Diagnóstico de Perfiles Rancho 1 Frutales PC:88.1, fase 1, P14 (Tp) Rancho 2 Frutales Balsa2, 1584 (Td) 4.- Iones de Movilidad Baja • Precipitación/Solubilización •Intercambios Iónicos
  83. 83. Interpretación y Diagnóstico de Perfiles Rancho 1 Frutales PC:88.1, fase 1, P14 (Tp) Rancho 2 Frutales Balsa2, 1584 (Td) 5.- Relaciones entre iones. Antagonismos * Ca/Mg * Ca/Na * NO3-/Cl * K/Na
  84. 84. Netafim Brasil Importancia da Normatização. Normas de succão de solução. Lugar. Distância do gotejo Areia............ 5 - 10 cms. Franco..........15 - 20 cms. Argila...........20 cms. Tempo para fazer o vácuo. Horas despois do término da irrigação. Areia...........2 horas Franco..........3 horas Argila...........4 horas Tempo para extrair a amostra. Horas depois de fazer o vácuo Areia............1 a 2 hora 90 % Arena Franco..........3 - 4 horas. Argila...........6 horas.
  85. 85. Netafim Brasil Parâmetros Para Avaliar a Fertirrigação •Análise completa da solução do solo •Análise do solo •Análise foliar •Desenvolvimento: Tamanho (largura, altura) das plantas e tronco •Produção - Caixa/planta, peso e diâmetro da fruta, no de frutas •Qualidade - (Brix, suco, SS, etc..)
  86. 86. Netafim Brasil Válvula N. F com Solonóide Cabo elétrico Medidor de vazão do fertilizante Injetor venturi Tanque de Armazenamento P Válvula Manual Computador de Irrigação C. E. pH A B C D Tanque de Diluição Tanque de Armazenamento N Armazenamento de K Tanque de Injeção A C B D E E
  87. 87. Netafim Brasil
  88. 88. Adolfo Moura OBRIGADO ADOLFO MOURA adolfo.moura13@hotmail.com

×