REVISTA MANCHETE

623 visualizações

Publicada em

Trabalho sobre história de revistas nacionais.

Publicada em: Marketing
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
623
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

REVISTA MANCHETE

  1. 1. Universidade Federal de Santa Maria – UFSM Comunicação Social – Produção Editorial Disciplina: Produção Editorial para Revistas Acadêmicos: Adriano Andrade, Edilaine Avila, Natália Beck e Marcos Marin
  2. 2. Com uma proposta bem mais moderna em sua composição gráfica, não demorou para que a Manchete passasse a ser a revista mais lida no Brasil. Em sua equipe de jornalistas e colaboradores, estavam nomes de peso como Carlos Drummond de Andrade, Henrique Pongetti, Rubem Braga, Fernando Sabino e Nelson Rodrigues. REVISTA MANCHETE A semanal Revista Manchete nasceu no dia 26 de abril de 1952, criada por Adolpho Bloch.
  3. 3. Era de ouro da revista ilustrada: produto dos avanços da época para a indústria gráfica e para o fotojornalismo. Nos EUA, existia a Life, na França a Paris Match e no Brasil a O Cruzeiro e a Manchete. Foi uma das primeiras revistas a trazer conteúdo científico e foi a revista que divulgou a construção da nova capital, Brasília. ANO E CONTEXTO HISTÓRICO A Manchete era fartamente ilustrada e trazia artigos de peso. Após sua criação, em 1952, no RJ, a Revista passou em pouco tempo a ser a mais lida do país, desbancando O Cruzeiro que estava na liderança desde 1928.
  4. 4. • O investimento inicial foi pequeno e o custo de produção era baixo. • No começo, as máquinas de tipografia da família eram ociosas e imprimiam semanalmente 200 mil exemplares da revista. • A lucratividade da empresa era surpreendente. • Foram adquiridas máquinas para imprimir 800 mil exemplares semanais e um terreno no subúrbio do RJ, onde se construiu o parque gráfico. • Inversamente à estratégia de O Cruzeiro de alardear tiragens inacreditáveis, a Manchete não revelava essa informação. A estimativa só pôde ser feita com base no relato de Adolpho Bloch sobre a capacidade das rotativas. EDITORA RESPONSÁVEL Adolph Bloch, imigrante russo naturalizado brasileiro, que aqui chegou com a família em 1922, fundou a Editora Bloch, a rede de TV e a Revista Manchete no Rio de Janeiro, com base nas experiências tipográficas da família. No auge de sua carreira, Bloch chegou a ter uma fábrica de tintas, duas gráficas, uma editora e distribuidora de livros e revistas, dezesseis emissoras de rádio, cinco de TV e um teatro.
  5. 5. • Publicação semanal, tinha como público-alvo a família tradicional brasileira. • Diferencial: a maioria das suas páginas tinham fotografias coloridas que ilustravam a reportagem já que a maioria dos programas televisivos eram transmitidos em preto e branco. • Politicamente, a revista se identificava com a corrente desenvolvimentista antiliberal e industrializante do pensamento econômico. • Adolpho Bloch era amigo e dedicava irrestrito apoio ao governo Juscelino Kubitschek, desde a campanha eleitoral. É de sua autoria o slogan "50 anos em 5", muito embora a sua revista fizesse críticas à política de saúde e educação em meados dos anos 50. OBJETIVOS E CARACTERÍSTICAS DA REVISTA Com uma equipe pequena, a Manchete foi lançada com apenas 40 páginas, bem menos do que a O Cruzeiro que tinha mais de 100 páginas. Dessas 40 páginas, 32 eram preto e branco, 4 eram a quatro cores e as outras 4 em duas cores.
  6. 6. • Com o declínio da concorrente O Cruzeiro e a transferência de 17 jornalistas para a Manchete, esta passou a dominar o mercado editorial por conta da sua qualidade gráfica e jornalística. • Num estilo próprio, a revista apropriou-se da linguagem e do discurso do fotojornalismo. As fotografias ocupavam em média 70% das páginas nas fotorreportagens, mas chegavam a ocupar páginas inteiras. • Os textos e legendas preenchiam as lacunas entre títulos e subtítulos, fotografias, gráficos, desenhos e quadros que eram inseridos para facilitar a compreensão dos leitores. No estilo literário da época e com um português primoroso, a linguagem dos textos era quase poética e se inspirava na fotografia principal da matéria. CONTRIBUIÇÕES DA PUBLICAÇÃO AO MERCADO EDITORIAL
  7. 7. • Sem perder de vista o caráter informativo e quase didático, as matérias traziam informações sobre a confirmação de fatos científicos e sobre novos artefatos e processos tecnológicos, tais como: medicamentos, vacinas e tratamentos de doenças; biografia de cientistas; atividades de pesquisadores; avanços tecnocientíficos; inauguração de institutos, laboratórios e instrumentos de pesquisa; congressos científicos e questões de saúde pública. CONTRIBUIÇÕES DA PUBLICAÇÃO AO MERCADO EDITORIAL
  8. 8.  O Cruzeiro chega ao fim em 1975, enquanto a Manchete e a Gráfica Bloch estão cada vez mais poderosas.  A gráfica chega a se tornar a maior gráfica da américa latina e, em 1983, Adolpho inaugura a Rede Manchete de Televisão que fica no ar até 1992.  Em 17 de novembro de 1995, Adolpho Bloch falece e, depois disso, o grupo fecha as portas devido a falência.  A criação da TV Manchete foi considerada um dos motivos que desencadeou uma grande dívida na marca. Os principais títulos da editora foram leiloados a Marcos Dvoskin que criou a Editora Manchete. As revista Pais&Filhos e EleEla ainda são publicadas mensalmente.

×