Trabalho Ue

2.775 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.775
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho Ue

  1. 1. Escola secundária de Paços de Ferreira Efa-B3 Tema: Globalização Trabalho realizado por: Mário Lopes nº22 Micael Santos nº8 Ano lectivo:2009/2010
  2. 2. Escola secundária de Paços de Ferreira Efa-B3 Índice Tema: Globalização ............................................................................................................................1 Introdução ..............................................................................................................................................................3 Ambiente.....................................................................................................................................4 Educação ....................................................................................................................................5 Comércio externo........................................................................................................................6 Conclusão ........................................................................................................................................7 Bibiográfia.......................................................................................................................................8
  3. 3. Escola secundária de Paços de Ferreira Efa-B3 Introdução Neste trabalho vamos falar, como a União europeia pode ser considerada um factor impulsionador da globalização.
  4. 4. Escola secundária de Paços de Ferreira Efa-B3 Ambiente Água, produtos alimentares, oxigénio, energia e muito mais… O homem vai buscar ao ambiente elementos essenciais à vida. Tem a obrigação de preservar o ambiente e de o explorar racionalmente. Estão em causa a sua própria saúde e subsistência. A partir do início dos anos 70, a Europa comprometeu-se firmemente a defender o ambiente: a protecção da qualidade do ar e da água, a preservação dos recursos e da biodiversidade, a gestão dos resíduos e das actividades com impacto nefasto são alguns dos domínios da acção europeia, quer ao nível dos Estados-Membros quer ao nível internacional. Independentemente da forma que revista – quer se trate de medidas de correcção que se prendem com problemas ambientais específicos ou de medidas mais transversais ou integradas noutros domínios políticos - a política europeia do ambiente, fundada no artigo 174.º do Tratado que institui a Comunidade Europeia, tem por objectivo garantir o desenvolvimento sustentável do modelo de sociedade europeu. Alterações climáticas A água potável é um dos elementos de um ambiente de qualidade. As alterações climáticas são um dos desafios mais sérios que se colocam à humanidade. A UE está a esforçar-se para que seja possível chegar a um acordo mundial de redução das emissões de gases com efeito estufa e dá o exemplo adoptando ela própria medidas ousadas. Em Dezembro de 2008, os dirigentes da UE deram um passo decisivo com a aprovação de um ambicioso pacote de medidas que visa reduzir em, pelo menos, 20 % as emissões de gases com efeito estufa até 2020 (em comparação com níveis de 1990), aumentar a parte de mercado das energias renováveis para 20 % e fazer baixar em 20 % o consumo total de energia (em comparação com as tendências projectadas). Para fomentar uma maior utilização de energias renováveis, ficou igualmente acordado que os biocombustíveis, a electricidade e o hidrogénio deveriam representar 10% da energia utilizada nos transportes. Comércio de emissões O sistema de comércio de emissões foi introduzido em 2005 e constitui uma das bases da estratégia de luta contra as alterações climáticas da UE. O sistema abrange cerca de 12 000 fábricas e instalações que representam, aproximadamente, metade das emissões de CO2, o principal gás responsável pelo aquecimento global, recompensando as empresas que reduzem as suas emissões e penalizando as que excedem determinados limites. Com efeito, ao abrigo do sistema, os governos da UE determinam a quantidade de dióxido de carbono que as indústrias com consumo intensivo de energia, como a produção de electricidade, aço ou cimento, podem emitir e atribuem-lhes uma quantidade de licenças de emissão correspondente. As empresas que quiserem emitir uma quantidade de CO2 superior à autorizada têm de comprar licenças de emissão não utilizadas a empresas mais eficientes.
  5. 5. Escola secundária de Paços de Ferreira Efa-B3 No futuro, mais empresas serão obrigadas a respeitar os limites, incluindo as companhias aéreas e as petroquímicas. Os países da UE também poderão compensar as emissões comprando créditos a projectos de redução de CO2 no resto do mundo. Educação A educação, a formação e a juventude desempenham um papel capital numa economia baseada no conhecimento, já que sustentam o crescimento e o emprego, propiciando o aparecimento de uma população altamente qualificada e adaptável. Consolidam, além disso, a coesão social e a cidadania activa na União Europeia. Através dos programas que beneficiam a educação, a formação e a juventude, a União desenvolve a dimensão europeia, incentiva a mobilidade e promove a cooperação, apoiando e completando a acção dos Estados-Membros em conformidade com os artigos 149.º e 150.º do Tratado que institui a Comunidade Europeia. Reforçar as oportunidades para os jovens As políticas orientadas para os jovens não se limitam ao domínio da educação. O Pacto Europeu para a Juventude estabelece princípios comuns relativamente à criação de oportunidades para os jovens, reconhecendo o seu direito à igualdade de oportunidades de elevada participação na sociedade a todos os níveis: educação e formação de qualidade, procura de postos de trabalho, postos de trabalho adequados às qualificações, prestações de segurança social e habitação. O programa comunitário Juventude em Acção promove uma participação activa dos jovens na comunidade e apoia vários projectos destinados a reforçar o sentimento de cidadania europeia dos jovens. Por exemplo, a UE possibilita experiências de trabalho de voluntariado noutros países através do Serviço Voluntário Europeu. A UE atribuiu a estas actividades um montante total de 900 milhões de euros para o período de 2007 a 2013. Participação de estudantes de países terceiros Muitos destes programas estão abertos à participação de estudantes, professores e estabelecimentos de ensino de outros países, nomeadamente de países vizinhos da UE ou de países candidatos à adesão. Através de outros programas e de acordos de cooperação, a UE também incentiva cursos sobre a integração europeia e intercâmbios entre cerca de 80 países de todo mundo, da Mongólia ao México e da Argélia à Austrália.
  6. 6. Escola secundária de Paços de Ferreira Efa-B3 Comércio externo A política comercial comum constitui um pilar das relações externas da União Europeia. Assenta num conjunto de normas uniformes decorrentes da União Aduaneira e da Pauta Aduaneira Comum e regula as relações comerciais dos Estados-Membros com os países terceiros. Os instrumentos de defesa comercial e de acesso aos mercados visam, em especial, proteger as empresas europeias contra os obstáculos ao comércio. A União evoluiu com a globalização, perseguindo o objectivo de assegurar o desenvolvimento harmonioso do comércio mundial e promovendo o seu carácter equitativo e sustentável. Incentiva activamente a liberalização dos mercados e o desenvolvimento das trocas comerciais no quadro multilateral da Organização Mundial do Comércio (OMC), apoiando ao mesmo tempo os países e as regiões em desenvolvimento, no contexto das suas relações bilaterais, a fim de os integrar no comércio mundial por meio de medidas preferenciais. As exportações da UE destinam-se aos quatro cantos do mundo. As trocas comerciais incentivam o crescimento mundial em benefício de todos. Os consumidores têm ao seu dispor uma gama mais vasta de produtos. A concorrência com os produtos importados faz baixar os preços e aumentar a qualidade dos produtos. A liberalização do comércio permite que as empresas europeias mais eficazes operem em condições de concorrência leal com empresas rivais de outros países. Para ajudar os países em desenvolvimento, a União Europeia está disposta a abrir-lhes o seu mercado, mesmo se esses países não puderem oferecer-lhe condições semelhantes. A supressão dos entraves ao comércio na União Europeia contribuiu em grande medida para a sua prosperidade e reforçou o seu empenhamento na liberalização do comércio mundial. Além de eliminarem os direitos aduaneiros aplicáveis ao comércio entre si, os países da União Europeia uniformizaram os direitos aduaneiros sobre as mercadorias importadas, o que significa que os produtos passaram a pagar sempre o mesmo direito, independentemente de entrarem na União Europeia através do porto de Génova ou de Hamburgo. Por conseguinte, um automóvel originário do Japão e sujeito a direitos de importação à sua chegada à Alemanha pode ser expedido para a Bélgica ou para a Polónia e aí ser vendido da mesma forma que um automóvel alemão, sem serem cobrados outros direitos.
  7. 7. Escola secundária de Paços de Ferreira Efa-B3 Conclusão Concluímos, que a união europeia de facto é um factor impulsionador da globalização.
  8. 8. Escola secundária de Paços de Ferreira Efa-B3 Bibliografia www.europa.eu.int/index_pt.htm www.google.com

×