SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 44
Orando sem Cessar
O Povo de Deus
e a Guerra Contra as
Potestades
do Mal
Batalha Espiritual
1º Trimestre
Ano 2019
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não pode
ser subestimada
Lição 2 – A Natureza dos Anjos – A Beleza do Mundo
Espiritual
Lição 3 – A Natureza dos Demônios – Agentes da
Maldade no Mundo Espiritual
Lição 4 – Possessão Demoníaca e a Autoridade do
Nome de Jesus
Lição 5 – Um Inimigo que Precisa ser Resistido
Lição 6 – Quem Domina a sua Mente
Lição 7 – Tentação – A Batalha por nossas Escolhas e
Atitudes
Lição 8 – Nossa Luta não é contra Carne e Sangue
Lição 9 – Conhecendo a Armadura de Deus
Lição 10 – Poder do Alto contra as Hostes da Maldade
Lição 11 – Discernimento de Espíritos – Um Dom
imprescindível
Lição 12 – Vivendo em Constante Vigilância
Lição 13 – Orando sem Cessar
Objetivo Geral
Mostrar que a oração deve ser uma prática
contínua dos cristãos.
2 – Refletir a respeito da oração no
Sermão do Monte;
1 - Apresentar o conceito de
oração;
3 - Compreender o significado da
oração modelo do Pai-Nosso.
5 - E, quando orares, não sejas como os hipócritas, pois
se comprazem em orar em pé nas sinagogas e às
esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens. Em
verdade vos digo que já receberam o seu galardão.
6 - Mas tu, quando orares, entra no teu aposento e,
fechando a tua porta, ora a teu Pai, que vê o que está
oculto; e teu Pai, que vê o que está oculto, te
recompensará.
7 - E, orando, não useis de vãs repetições, como os
gentios, que pensam que, por muito falarem, serão
ouvidos.
8 - Não vos assemelheis, pois, a eles, porque vosso Pai
sabe o que vos é necessário antes de vós Iho pedirdes.
Mateus 6.5-13
9 – Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos
céus, santificado seja o teu nome.
10 - Venha o teu Reino. Seja feita a tua vontade, tanto na
terra como no céu.
11 - O pão nosso de cada dia dá-nos hoje.
12 - Perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós
perdoamos aos nossos devedores.
13 - E não nos induzas à tentação, mas livra-nos do mal;
porque teu é o Reino, e o poder, e a glória, para sempre.
Amém!
Mateus 6.5-13
"Orai sem cessar."
(1 Tessalonicenses 5.17)
O Novo Testamento nos
ensina que a oração deve ser
uma prática contínua dos
cristãos, desde a primeira até
a segunda vinda de Cristo.
Necessitamos
orar sem cessar.
A oração do Pai Nosso é conhecida também como a
Oração Dominical [ do latim Dominus, "Senhor“ ]
❶ A oração do Senhor é um
dos textos mais conhecidos da
Bíblia.
❷ Muitos livros, poesias e
hinos sobre esse tema já foram
produzidos ao longo da história
mostrando a importância da
oração no cristianismo.
Lutero mostra em sua obra
a importância da oração no
cristianismo.
A oração é a alma do cristianismo e expressa
a nossa total dependência de Deus.
Ela é tão antiga quanto à humanidade.
Jesus sendo Deus, se
dedicava à oração
particular e secreta.
Que exemplo!
O que não diremos nós,
com respeito à oração?
1 – Definição.
A Declaração de Fé das Assembleias de Deus
define oração como :
“O ato consciente, pelo qual a
pessoa dirige-se a Deus para se
comunicar com Ele e buscar a
sua ajuda por meio de palavra
ou pensamento".
1 – Definição.
A oração é central para a
vida cristã.
A postura física não
importa.
1 – Definição.
O importante na oração é a posição espiritual
diante de Deus, é orar com sinceridade e estar em
comunhão com o Senhor Jesus.
2 – Exemplos Bíblicos.
A Bíblia mostra a oração desde que Sete, filho de
Adão e Eva, nasceu: "Então, se começou a invocar o
nome do SENHOR" (Gn 4.26).
Essa prática continuou na vida
dos patriarcas do Gênesis,
Abraão, Isaque e Jacó
(Gn 20.17; 25.21; 32.9-12).
2 – Exemplos Bíblicos.
e dos reis piedosos como Ezequias.
A oração estava presente na vida de Moisés, dos
profetas Samuel e Elias, entre outros,
3 – Jesus e a prática da oração.
Jesus estava
também na
condição
humana e, como
tal, buscava a
dependência
do Pai.
Todos os Evangelhos mostram a oração individual
do Senhor (Mt 14.23; Mc 1.35; Lc 6.12).
Jesus é o Maior Exemplo de oração.
A oração é
indispensável para
uma vida de
comunhão com Deus.
O Senhor Jesus falou sobre o assunto no Sermão do
Monte para corrigir as distorções existentes na
época sobre a oração.
1 – Oração nas praças e nas sinagogas.
“E, quando orares, não sejas como os hipócritas, pois se
comprazem em orar em pé nas sinagogas e às esquinas das
ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo
que já receberam o seu galardão.” (Mt 6.5)
❶Jesus não estava proibindo orar nas ruas, praças ou nas
sinagogas.
❷Jesus falou isso porque alguns líderes religiosos da
época procuravam as esquinas e os locais movimentados
para mostrar uma imagem de alguém piedoso e temente a
Deus. Eram exibições para serem elogiadas pelo público.
Congregação Cristã no Brasil
“E, quando orares, não sejas como os hipócritas, pois se
comprazem em orar em pé nas sinagogas e às esquinas das
ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo
que já receberam o seu galardão.” (Mt 6.5)
❶Jesus está ensinando que só
pode orar de joelhos. Onde
estiver, em qualquer lugar, a
oração só deve ser feita de
joelhos, e a mulher deve estar de
véu.
❷ São Proibidos trabalhos de
evangelização nas ruas e praças.
Interpretação deste texto
2 – Oração em Secreto
“Mas tu, quando orares, entra no teu aposento e, fechando a
tua porta, ora a teu Pai, que vê o que está oculto; e teu Pai,
que vê o que está oculto, te recompensará.” (Mt 6.6)
❶Jesus falou isso para proibir a ostentação e a hipocrisia,
não significa que Deus só aceita oração em secreto.
❷A oração num lugar secreto em uma das dependências
da residência, sem a comunhão com Deus, tampouco tem
a aprovação do Senhor.
3 – As vãs repetições.
“E, orando, não useis de vãs repetições,
como os gentios, que pensam que,
por muito falarem, serão ouvidos.” (Mt 6.7)
❶Há religiosos que levam horas orando e repetindo
palavras sagradas, pois acreditam que isso aumenta o seu
crédito no céu.
❷A eficácia da oração não está na sua extensão nem nas
repetições das palavras, pois oração é também comunhão
com Deus.
4 – Entendendo o Ensino de Jesus.
❶ A palavra vã significa "vazia" ou "inútil";
❷ Jesus está advertindo para não repetir frases sem valor
em nossas orações.
❸ Deus não se preocupa com a contagem de palavras,
Ele deseja a "verdade no íntimo" (Salmo 51:6).
❹ O Próprio Jesus repetiu as mesmas palavras três vezes
na oração (Mt 26.39,44).
❺ Jesus passou a noite orando no monte para escolher os
doze apóstolos; essa oração não foi curta (Lc 6.12).
O Mestre não está condenando a oração longa ou
repetitiva, mas as "vãs repetições".
Jesus não somente
orou, mas falou a
respeito da oração no
Sermão do Monte.
❶ Sobre o Deus que adoramos,
❷ Sobre as nossas necessidades,
❸ Sobre os nossos perigos.
Podemos dividir a oração do “Pai Nosso”
em três partes:
1 – O Nosso Deus.
E não o que
queremos orar.
O Pai Nosso é uma oração modelo, e isso pode ser
visto na linguagem usada por Jesus:
“Portanto, Vós orareis assim" (Mt 6.9).
1 – O Nosso Deus.
Jesus continua:
“ Pai nosso, que estás nos céus,
santificado seja o teu nome.” (Mt 6.9).
=
Essa forma de
se dirigir a
Deus é
peculiar ao
Novo
Testamento.
O Cristão tem o
privilégio
de chamar
Deus de “Pai”
ou de
1 – O Nosso Deus.
Jesus continua:
“ Pai nosso, que estás nos céus,
santificado seja o teu nome .” (Mt 6.9).
não significa tornar seu nome santo,
pois ele já é santo em sua essência e natureza, mas
é o nosso dever reconhecê-lo como tal.
2 – As nossas Necessidades.
“O pão nosso de cada dia dá-nos hoje.” (Mt 6.11).
inclui tudo
aquilo de que
o nosso corpo
necessita
Mas só hoje?
E o futuro?
Isso remete
também à confiança
na provisão de Deus
para a nossa vida
(Mt 6.25-34).
2 – As nossas Necessidades.
“Perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós
perdoamos aos nossos devedores.” (Mt 6.12).
Já fomos
perdoados e
já somos
filhos de
Deus.
Todavia, precisamos
também perdoar aos que
nos fazem o mal
(Mt 18.32-35).
3 – O Livramento dos Perigos.
“Não nos induzas à tentação, mas livra-nos do mal”
(Mt 6.13).
se refere aos perigos
diários a que estamos
expostos num mundo
sedutor e corrompido
(Fp 2.15).
Devemos pedir a
Deus que não permita
que voluntariamente
venhamos a nos
deparar com a
tentação.
3 – O Livramento dos Perigos.
“porque teu é o Reino, e o poder, e a glória, para
sempre” (Mt 6.13b).
Se trata de uma
“doxologia” ,ou seja,
uma fórmula de
louvor e glorificação
frequente no Antigo
Testamento
Neste caso é um
resumo de um trecho
da oração de Davi
(1 Cr 29.11-13)
O Pai-Nosso é a
oração modelo
ensinada
por Jesus.
Isso revela que a oração já era
hábito do povo israelita.
Jesus não está mandando ninguém orar no discurso
do Sermão do Monte. Ele disse:
"quando orares" (Mt 6.5).
A oração é a expressão mais íntima da vida cristã,
Por que, então, permanece tão negligenciada?
Reflexão Final
Como a Declaração de Fé das Assembleias de Deus
define a oração?
“O ato consciente, pelo qual a
pessoa dirige-se a Deus para se
comunicar com Ele e buscar a
sua ajuda por meio de palavra
ou pensamento".
Jesus
Quem é o nosso maior exemplo de oração?
Qual o modo de orar que Jesus condenou?
Jesus condenou as vãs repetições.
Qual a importância da oração do Pai Nosso?
Sua importância está no fato de ser
uma oração modelo.
Quantas e quais são as partes do
Pai Nosso em nossa lição?
Espada❶ Sobre o Deus que adoramos,
❷ Sobre as nossas necessidades,
❸ Sobre os nossos perigos.
Lição 1 - Tabernáculo
Um Lugar da Habitação de Deus
Deus Abençoe !

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula: A Oração do Servo de Deus (Tia Jady)
Aula: A Oração do Servo de Deus (Tia Jady)Aula: A Oração do Servo de Deus (Tia Jady)
Aula: A Oração do Servo de Deus (Tia Jady)
ellane_chaves
 
O fruto do espírito 02 - amor, aleria. paz
O fruto do espírito   02 - amor, aleria. pazO fruto do espírito   02 - amor, aleria. paz
O fruto do espírito 02 - amor, aleria. paz
Cleudson Corrêa
 

Mais procurados (20)

Soteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da SalvaçãoSoteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da Salvação
 
hamartiologia - Doutrina do pecado.
hamartiologia - Doutrina do pecado.hamartiologia - Doutrina do pecado.
hamartiologia - Doutrina do pecado.
 
Doutrina de deus
Doutrina de deusDoutrina de deus
Doutrina de deus
 
O desafio de ser um cristão contemporâneo,
O desafio de ser um cristão contemporâneo,O desafio de ser um cristão contemporâneo,
O desafio de ser um cristão contemporâneo,
 
Escatologia
EscatologiaEscatologia
Escatologia
 
Angelologia
AngelologiaAngelologia
Angelologia
 
Hamartiologia
HamartiologiaHamartiologia
Hamartiologia
 
Aula: A Oração do Servo de Deus (Tia Jady)
Aula: A Oração do Servo de Deus (Tia Jady)Aula: A Oração do Servo de Deus (Tia Jady)
Aula: A Oração do Servo de Deus (Tia Jady)
 
O verdadeiro cristão 01.02.2015
O verdadeiro cristão 01.02.2015O verdadeiro cristão 01.02.2015
O verdadeiro cristão 01.02.2015
 
estudo do evangelho de Mateus
estudo do evangelho de Mateusestudo do evangelho de Mateus
estudo do evangelho de Mateus
 
Treinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliaresTreinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliares
 
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser SuestimadaLição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
 
4. O Evangelho Segundo Marcos
4. O Evangelho Segundo Marcos4. O Evangelho Segundo Marcos
4. O Evangelho Segundo Marcos
 
Doutrinas Bíblicas - Soteriologia
Doutrinas Bíblicas - SoteriologiaDoutrinas Bíblicas - Soteriologia
Doutrinas Bíblicas - Soteriologia
 
50 Estudos Para Celulas I
50 Estudos Para Celulas I50 Estudos Para Celulas I
50 Estudos Para Celulas I
 
Estudo biblico 22
Estudo biblico 22Estudo biblico 22
Estudo biblico 22
 
O fruto do espírito 02 - amor, aleria. paz
O fruto do espírito   02 - amor, aleria. pazO fruto do espírito   02 - amor, aleria. paz
O fruto do espírito 02 - amor, aleria. paz
 
Lição 3 – Conhecendo a Igreja a partir dos títulos e símbolos bíblicos
Lição 3 – Conhecendo a Igreja a partir dos títulos e símbolos bíblicosLição 3 – Conhecendo a Igreja a partir dos títulos e símbolos bíblicos
Lição 3 – Conhecendo a Igreja a partir dos títulos e símbolos bíblicos
 
Estudo sobre o evangelho de Marcos
Estudo sobre o evangelho de MarcosEstudo sobre o evangelho de Marcos
Estudo sobre o evangelho de Marcos
 
Lição 3 - A Santíssima Trindade: um só Deus em três pessoas
Lição 3 - A Santíssima Trindade: um só Deus em três pessoasLição 3 - A Santíssima Trindade: um só Deus em três pessoas
Lição 3 - A Santíssima Trindade: um só Deus em três pessoas
 

Semelhante a Lição 13 – Orando sem Cessar

Lição 13 - Orando sem Cessar
Lição 13 - Orando sem CessarLição 13 - Orando sem Cessar
Lição 13 - Orando sem Cessar
Hamilton Souza
 
LIÇÃO%2010%20-%20JOVENS%20A%20ORAÇÃO%20E%20O%20JEJUM.pptx
LIÇÃO%2010%20-%20JOVENS%20A%20ORAÇÃO%20E%20O%20JEJUM.pptxLIÇÃO%2010%20-%20JOVENS%20A%20ORAÇÃO%20E%20O%20JEJUM.pptx
LIÇÃO%2010%20-%20JOVENS%20A%20ORAÇÃO%20E%20O%20JEJUM.pptx
OsielGomes3
 
Oração: a força do reavivamento resumo 232013
Oração: a força do reavivamento resumo 232013Oração: a força do reavivamento resumo 232013
Oração: a força do reavivamento resumo 232013
Gerson G. Ramos
 
Oração:A chave da vitória que todo cristão tem que colocar em pratica
Oração:A chave da vitória que todo cristão tem que colocar em praticaOração:A chave da vitória que todo cristão tem que colocar em pratica
Oração:A chave da vitória que todo cristão tem que colocar em pratica
EnoqueReis5
 

Semelhante a Lição 13 – Orando sem Cessar (20)

Licao 13 - 1T - 2019 - CPAD 16x9.pptx
Licao 13 - 1T - 2019 - CPAD 16x9.pptxLicao 13 - 1T - 2019 - CPAD 16x9.pptx
Licao 13 - 1T - 2019 - CPAD 16x9.pptx
 
Lição 13 - Orando sem Cessar
Lição 13 - Orando sem CessarLição 13 - Orando sem Cessar
Lição 13 - Orando sem Cessar
 
Elementos para uma oraçao vitoriosa
Elementos para uma oraçao vitoriosaElementos para uma oraçao vitoriosa
Elementos para uma oraçao vitoriosa
 
LIÇÃO%2010%20-%20JOVENS%20A%20ORAÇÃO%20E%20O%20JEJUM.pptx
LIÇÃO%2010%20-%20JOVENS%20A%20ORAÇÃO%20E%20O%20JEJUM.pptxLIÇÃO%2010%20-%20JOVENS%20A%20ORAÇÃO%20E%20O%20JEJUM.pptx
LIÇÃO%2010%20-%20JOVENS%20A%20ORAÇÃO%20E%20O%20JEJUM.pptx
 
Slide - EBD ADEB 2022 Licao 09 2Trim.pptx
Slide - EBD ADEB 2022 Licao 09 2Trim.pptxSlide - EBD ADEB 2022 Licao 09 2Trim.pptx
Slide - EBD ADEB 2022 Licao 09 2Trim.pptx
 
Éder Tomé_Lição 8 o dever de orar sempre
Éder Tomé_Lição 8   o dever de orar sempreÉder Tomé_Lição 8   o dever de orar sempre
Éder Tomé_Lição 8 o dever de orar sempre
 
Dp16 a oracao
Dp16 a oracaoDp16 a oracao
Dp16 a oracao
 
ORAÇÃO DE AVIVAMENTO.ppt
ORAÇÃO DE AVIVAMENTO.pptORAÇÃO DE AVIVAMENTO.ppt
ORAÇÃO DE AVIVAMENTO.ppt
 
Oração: a força do reavivamento resumo 232013
Oração: a força do reavivamento resumo 232013Oração: a força do reavivamento resumo 232013
Oração: a força do reavivamento resumo 232013
 
JORMI - Jornal Missionário n° 58
JORMI - Jornal Missionário n° 58JORMI - Jornal Missionário n° 58
JORMI - Jornal Missionário n° 58
 
Propósito com a oração.
Propósito com a oração.Propósito com a oração.
Propósito com a oração.
 
A oração do x.tão 2
A oração do x.tão 2A oração do x.tão 2
A oração do x.tão 2
 
O que é oração
O que é oraçãoO que é oração
O que é oração
 
Discipulado e oração_Respostas_312014
Discipulado e oração_Respostas_312014Discipulado e oração_Respostas_312014
Discipulado e oração_Respostas_312014
 
Oração:A chave da vitória que todo cristão tem que colocar em pratica
Oração:A chave da vitória que todo cristão tem que colocar em praticaOração:A chave da vitória que todo cristão tem que colocar em pratica
Oração:A chave da vitória que todo cristão tem que colocar em pratica
 
Revisão do discipulado
Revisão do discipuladoRevisão do discipulado
Revisão do discipulado
 
Meus esboços 1
Meus esboços 1Meus esboços 1
Meus esboços 1
 
O que acontece enquanto oramos
O que acontece enquanto oramosO que acontece enquanto oramos
O que acontece enquanto oramos
 
Lição 12 – Vivendo em Constante Vigilância
Lição 12 – Vivendo em Constante VigilânciaLição 12 – Vivendo em Constante Vigilância
Lição 12 – Vivendo em Constante Vigilância
 
Noções sobre oração!
Noções sobre oração!Noções sobre oração!
Noções sobre oração!
 

Mais de Éder Tomé

Lição 2 - Conhecendo os Atributos de Deus (Windscreen)
Lição 2 - Conhecendo os Atributos de Deus (Windscreen)Lição 2 - Conhecendo os Atributos de Deus (Windscreen)
Lição 2 - Conhecendo os Atributos de Deus (Windscreen)
Éder Tomé
 

Mais de Éder Tomé (20)

Lição 4 - Dons de Poder (Windscreen)
Lição 4 - Dons de Poder (Windscreen)Lição 4 - Dons de Poder (Windscreen)
Lição 4 - Dons de Poder (Windscreen)
 
Lição 4 - Dons de Poder
Lição 4 - Dons de Poder Lição 4 - Dons de Poder
Lição 4 - Dons de Poder
 
Lição 3 - O Deus Criador (Windscreen)
Lição 3 - O Deus Criador (Windscreen)Lição 3 - O Deus Criador (Windscreen)
Lição 3 - O Deus Criador (Windscreen)
 
Lição 3 - O Deus Criador
Lição 3 - O Deus CriadorLição 3 - O Deus Criador
Lição 3 - O Deus Criador
 
Lição 3 - Dons de Revelação (windscreen)
Lição 3 - Dons de Revelação (windscreen)Lição 3 - Dons de Revelação (windscreen)
Lição 3 - Dons de Revelação (windscreen)
 
Lição 3 - Dons de Revelação
Lição 3 - Dons de RevelaçãoLição 3 - Dons de Revelação
Lição 3 - Dons de Revelação
 
Lição 2 - Conhecendo os Atributos de Deus (Windscreen)
Lição 2 - Conhecendo os Atributos de Deus (Windscreen)Lição 2 - Conhecendo os Atributos de Deus (Windscreen)
Lição 2 - Conhecendo os Atributos de Deus (Windscreen)
 
Lição 2 - Conhecendo os Atributos de Deus
Lição 2 - Conhecendo os Atributos de DeusLição 2 - Conhecendo os Atributos de Deus
Lição 2 - Conhecendo os Atributos de Deus
 
Lição 2 - O Propósito dos Dons Espirituais (Windscreen)
Lição 2 - O Propósito dos Dons Espirituais (Windscreen)Lição 2 - O Propósito dos Dons Espirituais (Windscreen)
Lição 2 - O Propósito dos Dons Espirituais (Windscreen)
 
Lição 2 - O Propósito dos Dons Espirituais
Lição 2 - O Propósito dos Dons EspirituaisLição 2 - O Propósito dos Dons Espirituais
Lição 2 - O Propósito dos Dons Espirituais
 
Lição 1 - Deus se revelou à humanidade (windscreen)
Lição 1 - Deus se revelou à humanidade (windscreen)Lição 1 - Deus se revelou à humanidade (windscreen)
Lição 1 - Deus se revelou à humanidade (windscreen)
 
Lição 1 - Deus se revelou à humanidade
Lição 1 - Deus se revelou à humanidadeLição 1 - Deus se revelou à humanidade
Lição 1 - Deus se revelou à humanidade
 
Lição 1 - E deu Dons aos Homens (windscreen)
Lição 1 - E deu Dons aos Homens (windscreen)Lição 1 - E deu Dons aos Homens (windscreen)
Lição 1 - E deu Dons aos Homens (windscreen)
 
Lição 1 - E deu Dons aos Homens
Lição 1 - E deu Dons aos HomensLição 1 - E deu Dons aos Homens
Lição 1 - E deu Dons aos Homens
 
Lição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita Esperança (windscreen)
Lição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita Esperança (windscreen)Lição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita Esperança (windscreen)
Lição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita Esperança (windscreen)
 
Lição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita Esperança
Lição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita EsperançaLição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita Esperança
Lição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita Esperança
 
Lição 13 - Uma serva de coragem (windscreen)
Lição 13 - Uma serva de coragem (windscreen)Lição 13 - Uma serva de coragem (windscreen)
Lição 13 - Uma serva de coragem (windscreen)
 
Lição 13 - Uma serva de coragem
Lição 13 - Uma serva de coragemLição 13 - Uma serva de coragem
Lição 13 - Uma serva de coragem
 
Lição 12 - Testemunhando a grandeza de Deus (windscreen)
Lição 12 - Testemunhando a grandeza de Deus (windscreen)Lição 12 - Testemunhando a grandeza de Deus (windscreen)
Lição 12 - Testemunhando a grandeza de Deus (windscreen)
 
Lição 12 - Testemunhando a grandeza de Deus
Lição 12 - Testemunhando a grandeza de DeusLição 12 - Testemunhando a grandeza de Deus
Lição 12 - Testemunhando a grandeza de Deus
 

Último

Último (8)

ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
 
Lição 7 - O Perigo da Murmuração - EBD.pptx
Lição 7 - O Perigo da Murmuração - EBD.pptxLição 7 - O Perigo da Murmuração - EBD.pptx
Lição 7 - O Perigo da Murmuração - EBD.pptx
 
projeto semestral IAD departamento infantil(1).pptx
projeto semestral IAD departamento infantil(1).pptxprojeto semestral IAD departamento infantil(1).pptx
projeto semestral IAD departamento infantil(1).pptx
 
O CRISTÃO E O MEIO AMBIENTE: o homem como jardineiro
O CRISTÃO E O MEIO AMBIENTE: o homem como jardineiroO CRISTÃO E O MEIO AMBIENTE: o homem como jardineiro
O CRISTÃO E O MEIO AMBIENTE: o homem como jardineiro
 
Livro sobre a Defesa espiritual - treino da mente.pdf
Livro sobre a Defesa espiritual - treino da mente.pdfLivro sobre a Defesa espiritual - treino da mente.pdf
Livro sobre a Defesa espiritual - treino da mente.pdf
 
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
 
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
 
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfLeandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
 

Lição 13 – Orando sem Cessar

  • 2. O Povo de Deus e a Guerra Contra as Potestades do Mal Batalha Espiritual 1º Trimestre Ano 2019
  • 3. Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não pode ser subestimada Lição 2 – A Natureza dos Anjos – A Beleza do Mundo Espiritual Lição 3 – A Natureza dos Demônios – Agentes da Maldade no Mundo Espiritual Lição 4 – Possessão Demoníaca e a Autoridade do Nome de Jesus Lição 5 – Um Inimigo que Precisa ser Resistido Lição 6 – Quem Domina a sua Mente Lição 7 – Tentação – A Batalha por nossas Escolhas e Atitudes Lição 8 – Nossa Luta não é contra Carne e Sangue Lição 9 – Conhecendo a Armadura de Deus Lição 10 – Poder do Alto contra as Hostes da Maldade Lição 11 – Discernimento de Espíritos – Um Dom imprescindível Lição 12 – Vivendo em Constante Vigilância Lição 13 – Orando sem Cessar
  • 4. Objetivo Geral Mostrar que a oração deve ser uma prática contínua dos cristãos. 2 – Refletir a respeito da oração no Sermão do Monte; 1 - Apresentar o conceito de oração; 3 - Compreender o significado da oração modelo do Pai-Nosso.
  • 5. 5 - E, quando orares, não sejas como os hipócritas, pois se comprazem em orar em pé nas sinagogas e às esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão. 6 - Mas tu, quando orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta, ora a teu Pai, que vê o que está oculto; e teu Pai, que vê o que está oculto, te recompensará. 7 - E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios, que pensam que, por muito falarem, serão ouvidos. 8 - Não vos assemelheis, pois, a eles, porque vosso Pai sabe o que vos é necessário antes de vós Iho pedirdes. Mateus 6.5-13
  • 6. 9 – Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome. 10 - Venha o teu Reino. Seja feita a tua vontade, tanto na terra como no céu. 11 - O pão nosso de cada dia dá-nos hoje. 12 - Perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores. 13 - E não nos induzas à tentação, mas livra-nos do mal; porque teu é o Reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém! Mateus 6.5-13
  • 7. "Orai sem cessar." (1 Tessalonicenses 5.17)
  • 8. O Novo Testamento nos ensina que a oração deve ser uma prática contínua dos cristãos, desde a primeira até a segunda vinda de Cristo.
  • 10. A oração do Pai Nosso é conhecida também como a Oração Dominical [ do latim Dominus, "Senhor“ ] ❶ A oração do Senhor é um dos textos mais conhecidos da Bíblia. ❷ Muitos livros, poesias e hinos sobre esse tema já foram produzidos ao longo da história mostrando a importância da oração no cristianismo.
  • 11. Lutero mostra em sua obra a importância da oração no cristianismo.
  • 12. A oração é a alma do cristianismo e expressa a nossa total dependência de Deus. Ela é tão antiga quanto à humanidade. Jesus sendo Deus, se dedicava à oração particular e secreta. Que exemplo! O que não diremos nós, com respeito à oração?
  • 13. 1 – Definição. A Declaração de Fé das Assembleias de Deus define oração como : “O ato consciente, pelo qual a pessoa dirige-se a Deus para se comunicar com Ele e buscar a sua ajuda por meio de palavra ou pensamento".
  • 14. 1 – Definição. A oração é central para a vida cristã. A postura física não importa.
  • 15. 1 – Definição. O importante na oração é a posição espiritual diante de Deus, é orar com sinceridade e estar em comunhão com o Senhor Jesus.
  • 16. 2 – Exemplos Bíblicos. A Bíblia mostra a oração desde que Sete, filho de Adão e Eva, nasceu: "Então, se começou a invocar o nome do SENHOR" (Gn 4.26). Essa prática continuou na vida dos patriarcas do Gênesis, Abraão, Isaque e Jacó (Gn 20.17; 25.21; 32.9-12).
  • 17. 2 – Exemplos Bíblicos. e dos reis piedosos como Ezequias. A oração estava presente na vida de Moisés, dos profetas Samuel e Elias, entre outros,
  • 18. 3 – Jesus e a prática da oração. Jesus estava também na condição humana e, como tal, buscava a dependência do Pai. Todos os Evangelhos mostram a oração individual do Senhor (Mt 14.23; Mc 1.35; Lc 6.12). Jesus é o Maior Exemplo de oração.
  • 19. A oração é indispensável para uma vida de comunhão com Deus.
  • 20. O Senhor Jesus falou sobre o assunto no Sermão do Monte para corrigir as distorções existentes na época sobre a oração.
  • 21. 1 – Oração nas praças e nas sinagogas. “E, quando orares, não sejas como os hipócritas, pois se comprazem em orar em pé nas sinagogas e às esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão.” (Mt 6.5) ❶Jesus não estava proibindo orar nas ruas, praças ou nas sinagogas. ❷Jesus falou isso porque alguns líderes religiosos da época procuravam as esquinas e os locais movimentados para mostrar uma imagem de alguém piedoso e temente a Deus. Eram exibições para serem elogiadas pelo público.
  • 22. Congregação Cristã no Brasil “E, quando orares, não sejas como os hipócritas, pois se comprazem em orar em pé nas sinagogas e às esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão.” (Mt 6.5) ❶Jesus está ensinando que só pode orar de joelhos. Onde estiver, em qualquer lugar, a oração só deve ser feita de joelhos, e a mulher deve estar de véu. ❷ São Proibidos trabalhos de evangelização nas ruas e praças. Interpretação deste texto
  • 23. 2 – Oração em Secreto “Mas tu, quando orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta, ora a teu Pai, que vê o que está oculto; e teu Pai, que vê o que está oculto, te recompensará.” (Mt 6.6) ❶Jesus falou isso para proibir a ostentação e a hipocrisia, não significa que Deus só aceita oração em secreto. ❷A oração num lugar secreto em uma das dependências da residência, sem a comunhão com Deus, tampouco tem a aprovação do Senhor.
  • 24. 3 – As vãs repetições. “E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios, que pensam que, por muito falarem, serão ouvidos.” (Mt 6.7) ❶Há religiosos que levam horas orando e repetindo palavras sagradas, pois acreditam que isso aumenta o seu crédito no céu. ❷A eficácia da oração não está na sua extensão nem nas repetições das palavras, pois oração é também comunhão com Deus.
  • 25. 4 – Entendendo o Ensino de Jesus. ❶ A palavra vã significa "vazia" ou "inútil"; ❷ Jesus está advertindo para não repetir frases sem valor em nossas orações. ❸ Deus não se preocupa com a contagem de palavras, Ele deseja a "verdade no íntimo" (Salmo 51:6). ❹ O Próprio Jesus repetiu as mesmas palavras três vezes na oração (Mt 26.39,44). ❺ Jesus passou a noite orando no monte para escolher os doze apóstolos; essa oração não foi curta (Lc 6.12). O Mestre não está condenando a oração longa ou repetitiva, mas as "vãs repetições".
  • 26. Jesus não somente orou, mas falou a respeito da oração no Sermão do Monte.
  • 27. ❶ Sobre o Deus que adoramos, ❷ Sobre as nossas necessidades, ❸ Sobre os nossos perigos. Podemos dividir a oração do “Pai Nosso” em três partes:
  • 28. 1 – O Nosso Deus. E não o que queremos orar. O Pai Nosso é uma oração modelo, e isso pode ser visto na linguagem usada por Jesus: “Portanto, Vós orareis assim" (Mt 6.9).
  • 29. 1 – O Nosso Deus. Jesus continua: “ Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome.” (Mt 6.9). = Essa forma de se dirigir a Deus é peculiar ao Novo Testamento. O Cristão tem o privilégio de chamar Deus de “Pai” ou de
  • 30. 1 – O Nosso Deus. Jesus continua: “ Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome .” (Mt 6.9). não significa tornar seu nome santo, pois ele já é santo em sua essência e natureza, mas é o nosso dever reconhecê-lo como tal.
  • 31. 2 – As nossas Necessidades. “O pão nosso de cada dia dá-nos hoje.” (Mt 6.11). inclui tudo aquilo de que o nosso corpo necessita Mas só hoje? E o futuro? Isso remete também à confiança na provisão de Deus para a nossa vida (Mt 6.25-34).
  • 32. 2 – As nossas Necessidades. “Perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores.” (Mt 6.12). Já fomos perdoados e já somos filhos de Deus. Todavia, precisamos também perdoar aos que nos fazem o mal (Mt 18.32-35).
  • 33. 3 – O Livramento dos Perigos. “Não nos induzas à tentação, mas livra-nos do mal” (Mt 6.13). se refere aos perigos diários a que estamos expostos num mundo sedutor e corrompido (Fp 2.15). Devemos pedir a Deus que não permita que voluntariamente venhamos a nos deparar com a tentação.
  • 34. 3 – O Livramento dos Perigos. “porque teu é o Reino, e o poder, e a glória, para sempre” (Mt 6.13b). Se trata de uma “doxologia” ,ou seja, uma fórmula de louvor e glorificação frequente no Antigo Testamento Neste caso é um resumo de um trecho da oração de Davi (1 Cr 29.11-13)
  • 35. O Pai-Nosso é a oração modelo ensinada por Jesus.
  • 36. Isso revela que a oração já era hábito do povo israelita. Jesus não está mandando ninguém orar no discurso do Sermão do Monte. Ele disse: "quando orares" (Mt 6.5). A oração é a expressão mais íntima da vida cristã, Por que, então, permanece tão negligenciada? Reflexão Final
  • 37. Como a Declaração de Fé das Assembleias de Deus define a oração? “O ato consciente, pelo qual a pessoa dirige-se a Deus para se comunicar com Ele e buscar a sua ajuda por meio de palavra ou pensamento".
  • 38. Jesus Quem é o nosso maior exemplo de oração?
  • 39. Qual o modo de orar que Jesus condenou? Jesus condenou as vãs repetições.
  • 40. Qual a importância da oração do Pai Nosso? Sua importância está no fato de ser uma oração modelo.
  • 41. Quantas e quais são as partes do Pai Nosso em nossa lição? Espada❶ Sobre o Deus que adoramos, ❷ Sobre as nossas necessidades, ❸ Sobre os nossos perigos.
  • 42. Lição 1 - Tabernáculo Um Lugar da Habitação de Deus
  • 43.