A santidade e a santificação do crente

803 visualizações

Publicada em

Estudo bíblico sobre santidade

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
803
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A santidade e a santificação do crente

  1. 1. A Santidade e a Santificação do Crente Hb 12.14 Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém vera o Senhor Ec 9.8 Em todo tempo sejam alvas as tuas vestes, e nunca falte o óleo sobre a tua cabeça A justificação efetuada por Deus para nos salvar (Tt 2.14), põe-nos em correto relacionamento com Ele. Já a santificação comprova a realidade da justificação, manifestando seus frutos em nós, em nossa vida. A salvação e a santificação devem andar juntas na vida do crente.  A santidade de Deus. A Bíblia diz que nosso Deus é santíssimo: “Santo, santo, santo e o Senhor dos Exércitos” (Is 6.3; Ap 4.8). A santidade de Deus é própria, absoluta e perfeita (Lv 19.2; Ap 15.4). É o atributo que mais expressa sua natureza. No crente, porém, a santificação não é um estado absoluto, é relativo assim como a lua, que, não tendo luz própria, reflete a luz do sol (cf. Hb 12.10; Lv 2I.8b). Deus é “santo” (Pv 9.10; Is 5.16), e, quem almeja andar com Ele, precisa viver em santidade, segundo as Escrituras.  O que NÃO é santificação. O próprio Pedro enganou-se a respeito da santificação (At 10.10-15). Vejamos o que não é a santificação bíblica. 1) Exterioridade Usos, práticas e costumes (Mt 23.25-28; I Sm 16.7). Estes últimos, quando bons, devem ser o efeito da santificação (Ef 2.10). 2) Maturidade crista. Não é pelo tempo que algo se torna limpo, mas pela ação continua da limpeza. A maturidade cristã varia, como se vê em I João 2.12,13: “Filhinhos”; “pais”; “mancebos”; “filhos”. 3) Batismo com o Espirito Santo e dons espirituais. O batismo com o Espirito Santo e os dons espirituais não testificam a integridade de nosso caráter, isso fica claro ao meditar sobre Sansão que casou com uma filisteia (Jz 14.1-9), coabitou com uma prostituta (Jz 16.1-3) mas continuava com a força concedida pelo Espírito; também sobre rei Saul, mesmo reprovado por Deus profetizou pelo Espírito (1Sm 19.18-24); veja também (Mt 7.15-23).  Santificar e Santificação Santificar é “pôr a parte, separar, consagrar ou dedicar uma coisa ou alguém para uso estritamente pessoal”. Santo é o crente que vive separado do pecado e das práticas mundanas pecaminosas, para o domínio e uso exclusivo de Deus. É exatamente o contrário do crente que se mistura com as coisas tenebrosas do pecado. A santificação do crente tem dois lados: I) sua separação do pecado, do erro, de todo e qualquer mal conhecido; e 2) se entregar em obediência e trabalho, fazendo o bem agradando a Deus. “A santificação comprova a realidade da justificação, manifestando seus frutos em nós, em nossa vida”
  2. 2.  Santificação de objetos, eventos, datas, pessoas, animais. Esse aspecto da santificação é comum em relação ao Tabernáculo e seus objetos, e seus oficiantes, os quais pertenciam somente a Deus, como vemos nos livros de Êxodo e Deuteronômio. Esse aspecto da santificação implica na posse de Deus, e a dedicação e separação desses elementos para servi-Lo. Alguns exemplos desses elementos santos: • Eventos e datas (Ex 20.8; Dt 5.12; Lv 25.10; 23.2). • O Templo (I Rs 9.3). • O altar dos holocaustos (Ex 29.37). • As vestes sacerdotais (Ex 28.2; 29.29; 40.13). • Pessoas (Ex 13.2,12; 28.41; 29.1,44; I Sm 16.5; I Cr 15.14; 2 Cr 29.5). • Animais (Nm 18.17; Ex I3.2b). Nesse sentido, os templos atuais, as igrejas, são santificados a Deus, bem como os objetos dedicados ao serviço dEle.  Três aspectos da Santificação 1) Santificação posicional (Hb 10.10; Cl 2.10; I Co 6.11). No seu aspecto posicional, a santificação é completa e perfeita, ou seja, o crente pela fé torna-se santo “em Cristo”. Deus nos vê em Cristo perfeitos (Ef 2.6; Cl 2.10). Quando estamos “em Cristo”, não há qualquer acusação contra nós (Rm 8.33,34), porque a santidade do Senhor passa a ser a nossa santidade (I Jo 4.17b). 2) Santificação progressiva. É a santificação prática, aplicada ao viver do crente. Nesse aspecto, a santificação do crente pode ser aperfeiçoada (2Co 7.1). Os crentes mencionados em Hebreus já aviam sidos santificados, e continuavam sendo santificados (Hb 10.10,14). 3) Santificação futura. “ E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo vosso espírito, e alma, e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo” (1Ts 5.23). Trata-se da santificação completa e final (1Jo 3.2). Ver também Ef 5.27 e 1Ts 3.13.  Revisão 1 - Qual a relação da santidade com a justificação? R: A santificação comprova a realidade da justificação, manifestando seus frutos em nós, em nossa vida. 2 – O que significa santificação progressiva? R É a santificação prática, aplicada ao viver do crente. Nesse aspecto, a santificação do crente pode ser aperfeiçoada 3 - Cite um exemplo e comente, o que não é sinônimo de santidade? R: 1) Exterioridade Usos, práticas e costumes 2) Maturidade crista. Não é pelo tempo que algo se torna limpo 3) Batismo com o Espirito Santo e dons espirituais. O batismo com o Espirito Santo e os dons espirituais não testificam a integridade de nosso caráter
  3. 3. A SANTIFICAÇÃO COMO UM PROCESSO 2Tm 2:20 Ora, numagrandecasa não somente há vasos de ouro e de prata, mas também de pau e de barro; uns para honra, outros, porém, para desonra. 21 De sorte que, se alguém se purificar destas coisas, será vaso para honra, santificado e idôneo para uso do Senhor, e preparado para toda a boa obra. 22 Foge também das paixões da mocidade; e segue a justiça, a fé, o amor, e a paz com os que, com um coração puro, invocam o Senhor. O cristão tem duas naturezas: uma humana, herdada de Adão, pela geração natural; e outra, divina, através da geração espiritual (I Pe 1.23). Daí a santificação do crente ter dois aspectos: um o lado Divino, e outro, o lado humano e do mundo (Hb 12.14). Essas duas naturezas do crente são vistas em Gálatas 5.17 e Romanos 6.8. Em Levítico 20.8 - “Eu sou o Senhor que vos santifica” – aparece o lado divino operando a santificação, mas, no versículo 7 - “Santificai-vos e sede santos” menciona-se a cooperação do crente. (cf. I Pe 1.15).  O lado divino da santificação progressiva (Levítico 20.8) São meios que o Senhor utiliza para santificar-nos em nosso viver diário. Esses recursos divinos são:  o sangue de Jesus Cristo (Hb 13.12; I Jo 1.7,9);  a Palavra de Deus (SI 12.6; 119.9; Jo 15.3; 17.17; Ef 5.26);  o Espirito Santo (Lv 20.8; Rm 1.4; IPe 1.2; 2Ts 2.13);  a gloria de Deus manifesta (Ex 29.43; 2Cr 5.13, 14); e  a nossa fé em Deus (At 26.18; Fp 3.9; Tg 2.23; Rm 4.11).  O lado humano da santificação progressiva. Deus é quem opera a santificação no crente, “guiando-o pelo caminho”, juntamente com a cooperação deste. Os meios coadjuvantes de santificação progressiva são: 1) O próprio crente. Sua atitude e proposito de ser santo, separado do mal para posse e serviço de Deus, são indispensáveis. E o crente tendo fome e sede de ser santo (Sl 51.10; Mt 5.6; 2Co 7.1; 2 Tm 2.21, 22; I Tm 5.22; 1Jo 3.3). 2) A consagração do crente a Deus. A rendição incondicional do crente a Deus tem efeito santificador nele (Lv 27.28b; Rm 12.1,2; 2Co 6.14-18). 3) As orações de confissão. A oração contrita, constante e sincera tem efeito santificador (Lc 18.13-14; SI 32.6; 51.10). 4) O santo ministério. Os obreiros do Senhor têm o dever de cooperar para a santificação dos crentes (Ex 19.10,14; Mt 5.16; Ef 4.11,12). 5) Pais que andam com Deus. Assim como Jó (Jó 1.5), os pais devem cooperar para a santificação dos filhos. Eunice, por exemplo, colaborou para a integridade de Timóteo, seu filho (2Tm 1.5; 3.15). Por outro lado, pais descuidados podem influenciar negativamente seus filhos, como no caso de Herodias que influenciou a Salomé (Mc 6.22-24). Sl 119:9 Com que purificará o jovem o seu caminho? Observando-o conforme a tua palavra.
  4. 4.  Estorvos a santificação do crente. Estorvos são embaraços que impedem o cristão de viver em santidade, tais como: 1) Desobediência. Desobedecer de modo consciente, continuo e obstinadamente a conhecida vontade do Senhor (Ex 19.5,6). 2) Comunhão com as trevas. Comungar com as obras infrutíferas das trevas (Rm 13.12); com os ímpios, seus costumes mundanos e suas falsas doutrinas (Ef 5.3; 2Co 6.14-17). 3) Áreas da vida não santificadas. Alguns aspectos reservados da vida do crente que não foram consagrados a Deus. Exemplo, mente, pensamento, apetites e desejos, linguagem, vontade, hábitos, temperamento, sentimento (Mt 6.22,23).  A necessidade de santificar-se (1 Tessalonicenses 4.7) 1) A Bíblia ordena. A Bíblia afirma que temos dentro de nós a “lei do pecado” (Rm 7.23: 8.2). Daí ela ordenar que sejamos santos (I Pe I.I6; Lv 11.44, *Ap 22.11); o Senhor habita somente em lugar santo (Is 57.15; I Co 3.17). 2) Só os santos serão arrebatados. O Senhor Jesus vira buscar os que são consagrados a Ele (ITs 3.13; 5.23; 2Ts I.IO; Hb 12.14) 3) A santidade revelada de Deus. A santidade de Deus, em parte, é revelada através do procedimento justo e da vida santificada do crente (Lv 10.3; Nm 20.12) 4) Ataques do Diabo. O Inimigo centraliza seus ataques na santificação do crente. E a principal tática que o Adversário emprega para corromper a santidade, é o pecado da mistura (Ex 8.25), o que abrange mistura da igreja com o mundanismo; da doutrina do Senhor com as heresias; da adoração com as músicas profanas; etc.  Conclusão A santificação consiste na transformação de nossa natureza moral segundo a natureza de Cristo, não só afastar-se do mal, mas também servir ao Senhor com toda sua vida, e essa transformação nos torna participantes da natureza divina (Rom. 8:29; 2Cor. 3:18 e 2Ped. I:4), a saber, da "total plenitude de Deus" (Ef. 3:19). Esse é o alvo culminante da santificação. O crescimento do crente “em santificação” ocorre à medida que o Espirito o rege, e o crente, por sua vez, o busca, em cooperação com Deus (I Pe I.15; Rm 12.1-2).  Revisão 1 – Quantas “naturezas” o cristão tem, e quais são? R: duas naturezas: uma humana, herdada de Adão, pela geração natural; e outra, divina, através da geração espiritual 2 – Comente sobre um dos meios coadjuvantes da santificação? R: 1) O próprio crente. Sua atitude e proposito de ser santo ; 2) A consagração do crente a Deus. A rendição ; 3) As orações de confissão. A oração contrita, constante e sincera tem efeito santificador ; 4) O santo ministério. Os obreiros do Senhor têm o dever de cooperar para a santificação dos crentes ; 5) Pais que andam com Deus. os pais devem cooperar para a santificação dos filhos 3 – Qual a principal tática que o Adversário emprega para corromper a santidade? R: é o pecado da mistura, mundanismo, heresias, etc.

×