SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
IDADE MÉDIA
                  ALTA IDADE MÉDIA (SÉC V – X)
  1 – CARACTERÍSTICAS GERAIS:
  • Formação e apogeu do
  Feudalismo.
  • Período de constantes
  invasões e deslocamentos
  populacionais.
  • Síntese de elementos do
  antigo Império Romano +
  povos bárbaros + cristianismo.




iair@ p op .com .b r                             Prof. Iair
IDADE MÉDIA
                  ALTA IDADE MÉDIA (SÉC V – X)
       2 – OS POVOS BÁRBAROS:
       • Povos fora das fronteiras (sem cultura greco-romana).
       • Germânicos – principal grupo (suevos, lombardos, teutônicos, francos,
         godos, visigodos, ostrogodos, vândalos, burgúndios, anglos, saxões...).
       • Economia agropastoril.
       • Ausência de comércio e moeda.
       • Ausência de escrita.
       • Politeístas.
       • Inicialmente sem propriedade privada.
       • Poder político = casta de guerreiros.
       • Direito Consuetudinário (tradição).
       • COMITATUS (laços de dependência entre guerreiros).



iair@ p op .com .b r                                                     Prof. Iair
IDADE MÉDIA
                     ALTA IDADE MÉDIA (SÉC V – X)

   3 – O FEUDALISMO
   •   Economia: agrícola, auto-suficiente (subsistência), sem comércio e moeda.
   •   Unidade econômica básica: FEUDO (benefício).
        – MANSO SENHORIAL – castelo + melhores terras.
        – MANSO SERVIL – terras arrendadas (lotes = glebas ou tenências).
        – MANSO COMUNAL – bosques e pastos (uso comum)




       Visão interna da casa dos servos



iair@ p op .com .b r                                                        Prof. Iair
IDADE MÉDIA
                  ALTA IDADE MÉDIA (SÉC V – X)
     • Sociedade:
          – Estamental (posição social definida pelo nascimento).
          – Poder vinculado à posse e extensão da terra.
          – Laços de dependência pessoal:
               SUSERANIA e VASSALAGEM (entre nobres);
               SENHOR e SERVOS.


                 –CLERO: terra + poder político + poder ideológico (salvação)

                    –NOBREZA: terra + poder político (defesa)

                           –SERVOS: obrigações (corvéia, talha, banalidades,
                           tostão de Pedro, dízimo, mão-morta, capitação,
                           formariage...) e VILÕES: quase servos, porém com
                           menos obrigações


iair@ p op .com .b r                                                      Prof. Iair
IDADE MÉDIA
                   ALTA IDADE MÉDIA (SÉC V – X)
   • Política: descentralização;




   • Ideologia:
       –   Teocentrismo
       –   IGREJA: maior instituição (atuante em todos os setores)
       –   Conformismo, continuismo
       –   Ética paternalista cristã


iair@ p op .com .b r                                                 Prof. Iair
IDADE MÉDIA
                  ALTA IDADE MÉDIA (SÉC V – X)
    • Elementos feudais:

                ROMANOS                       GERMÂNICOS
     Clientela (dependência entre      Comitatus (dependência entre
     servos e senhores)                nobres – base da suserania e
                                       vassalagem)
     Colonato (fixação na terra –      Subsistência (ausência de
     origem da servidão)               comércio e moeda)
     Vilas (grandes propriedades rurais Economia agropastoril
     – origem dos feudos)
     Igreja                            Direito consuetudinário (tradição
                                       oral)


iair@ p op .com .b r                                               Prof. Iair
IDADE MÉDIA
                   ALTA IDADE MÉDIA (SÉC V – X)
   4 – O IMPÉRIO CAROLÍNGEO ou REINO CRISTÃO DOS
      FRANCOS
   • Atual França.
   • Único reino bárbaro relativamente duradouro.
   • Dinastia Merovíngea:
       – Clóvis (496) – conversão ao cristianismo.
       – Conquista da Gália.
       – Ruralização.
       – Distribuição de terras entre clero e nobreza.
            Fragmentação do poder.
       – Últimos reis da dinastia: Reis Indolentes (incompetência administrativa).
       – Poder de fato: Mordomos do Paço ou do Palácio (espécies de “prefeitos” ou
         primeiro ministro).
       – Carlos Martel (732) – Bloqueio aos árabes na França (Batalha de Poitiers).



iair@ p op .com .b r                                                          Prof. Iair
IDADE MÉDIA
                  ALTA IDADE MÉDIA (SÉC V – X)
 • Dinastia Carolíngea
     – Pepino, o Breve (751 – 768):
         Expulsão dos lombardos
           da Península Itálica.
         Doação para a Igreja
           (Patrimônio de São
           Pedro).
         Apoio da Igreja.
     – Carlos Magno (768 – 814):
         Auge.
         Guerras de conquista.
         Doações para nobres
        (laços de dependência).
         Centralização relativa.


iair@ p op .com .b r                             Prof. Iair
IDADE MÉDIA
                  ALTA IDADE MÉDIA (SÉC V – X)
                      Apoio da Igreja (expansão do cristianismo).
                      Tentativa de reconstruir o Império Romano do Ocidente.
                      Divisão imperial em 300 partes (condados, ducados e
                        marcas).
                      Missi Dominici – funcionários imperiais (burocracia).
                      Capitulares – leis imperiais.
                      Renascimento carolíngeo – preservação de obras
CARLOS MAGNO            clássicas em escolas eclesiásticas.
                  – Luís, o Piedoso (814 – 841)
                      Enfraquecimento.
                      Agravamento da descentralização política.
                  – Disputas pela sucessão imperial após morte de Luís, o
                    Piedoso.



iair@ p op .com .b r                                                Prof. Iair
IDADE MÉDIA
                  ALTA IDADE MÉDIA (SÉC V – X)
     – Tratado de Verdum (843):
         Divisão do Império.
         OCIDENTE – Carlos, o
           Calvo (atual França);
         CENTRO – Lotário
           (atuais Itália e Suíça);
         ORIENTE – Luís, o
           Germânico (atual
           Alemanha).




iair@ p op .com .b r                             Prof. Iair

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade médiaEduard Henry
 
Civilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-ColombianasCivilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-Colombianasjoana71
 
REINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSREINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSElvisJohnR
 
Brasil Período Joanino
Brasil Período JoaninoBrasil Período Joanino
Brasil Período Joaninodmflores21
 
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)Nefer19
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaEdenilson Morais
 
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º AnoOs Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º AnoNefer19
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraNívia Sales
 
Imperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismoImperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismoPaulo Alexandre
 

Mais procurados (20)

Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
 
Civilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-ColombianasCivilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-Colombianas
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
REINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSREINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOS
 
Brasil Período Joanino
Brasil Período JoaninoBrasil Período Joanino
Brasil Período Joanino
 
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Revoltas Coloniais
Revoltas ColoniaisRevoltas Coloniais
Revoltas Coloniais
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
 
1° ano império romano - completo
1° ano    império romano - completo1° ano    império romano - completo
1° ano império romano - completo
 
A Revolução Inglesa
A Revolução InglesaA Revolução Inglesa
A Revolução Inglesa
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
 
Crise do sistema colonial
Crise do sistema colonialCrise do sistema colonial
Crise do sistema colonial
 
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º AnoOs Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
Imperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismoImperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismo
 

Semelhante a Idade média: Alta Idade Média (séc. v- x)

Semelhante a Idade média: Alta Idade Média (séc. v- x) (20)

05. aula de história geral - idade média parte 1 alta idade média
05. aula de história geral - idade média parte 1 alta idade média05. aula de história geral - idade média parte 1 alta idade média
05. aula de história geral - idade média parte 1 alta idade média
 
Idade media1
Idade media1Idade media1
Idade media1
 
Alta Idade Média
Alta Idade MédiaAlta Idade Média
Alta Idade Média
 
Feudalismo e Bárbaros
Feudalismo e BárbarosFeudalismo e Bárbaros
Feudalismo e Bárbaros
 
Idade média 1 ano
Idade média 1 anoIdade média 1 ano
Idade média 1 ano
 
Idade média 1 ano
Idade média 1 anoIdade média 1 ano
Idade média 1 ano
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
Idade media1
Idade media1Idade media1
Idade media1
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
3 Bimestre
3 Bimestre3 Bimestre
3 Bimestre
 
Idade media3
Idade media3Idade media3
Idade media3
 
Povos Barbaros
Povos BarbarosPovos Barbaros
Povos Barbaros
 
ALTA IDADE MÉDIA
ALTA IDADE MÉDIAALTA IDADE MÉDIA
ALTA IDADE MÉDIA
 
A idade média no ocidente
A idade média no ocidenteA idade média no ocidente
A idade média no ocidente
 
A idade média no ocidente
A idade média no ocidenteA idade média no ocidente
A idade média no ocidente
 
Feudalimo 3
Feudalimo 3Feudalimo 3
Feudalimo 3
 
Resumo alta idade média
Resumo   alta idade médiaResumo   alta idade média
Resumo alta idade média
 
Idade media
Idade mediaIdade media
Idade media
 
5
55
5
 
Os francos e o feudalismo
Os francos e o feudalismoOs francos e o feudalismo
Os francos e o feudalismo
 

Mais de Edenilson Morais

Simulado História do Brasil e do História do Maranhão
Simulado História do Brasil e do História do MaranhãoSimulado História do Brasil e do História do Maranhão
Simulado História do Brasil e do História do MaranhãoEdenilson Morais
 
Soluções para otimização de resultados no enem
Soluções para otimização de resultados no enem Soluções para otimização de resultados no enem
Soluções para otimização de resultados no enem Edenilson Morais
 
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)Edenilson Morais
 
História do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade cultural
História do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade culturalHistória do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade cultural
História do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade culturalEdenilson Morais
 
História de mato grosso período colonial
História de mato grosso   período colonialHistória de mato grosso   período colonial
História de mato grosso período colonialEdenilson Morais
 
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)Edenilson Morais
 
Sociologia - Michel Foucalt
Sociologia - Michel FoucaltSociologia - Michel Foucalt
Sociologia - Michel FoucaltEdenilson Morais
 
Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Aulão de história regional - UNEMAT 2014Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Aulão de história regional - UNEMAT 2014Edenilson Morais
 
As origens do totalitarismo de hannah arendt
As origens do totalitarismo de hannah arendtAs origens do totalitarismo de hannah arendt
As origens do totalitarismo de hannah arendtEdenilson Morais
 
A crise feudal e a ascensão dos estados modernos
A crise feudal e a ascensão dos estados modernosA crise feudal e a ascensão dos estados modernos
A crise feudal e a ascensão dos estados modernosEdenilson Morais
 
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociais
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociaisSociologia aula16 os novos_movimentos_sociais
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociaisEdenilson Morais
 
Artigos de história da sexualidade
Artigos de história da sexualidadeArtigos de história da sexualidade
Artigos de história da sexualidadeEdenilson Morais
 

Mais de Edenilson Morais (20)

Simulado História do Brasil e do História do Maranhão
Simulado História do Brasil e do História do MaranhãoSimulado História do Brasil e do História do Maranhão
Simulado História do Brasil e do História do Maranhão
 
Soluções para otimização de resultados no enem
Soluções para otimização de resultados no enem Soluções para otimização de resultados no enem
Soluções para otimização de resultados no enem
 
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
 
História do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade cultural
História do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade culturalHistória do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade cultural
História do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade cultural
 
História de mato grosso período colonial
História de mato grosso   período colonialHistória de mato grosso   período colonial
História de mato grosso período colonial
 
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
 
Sociologia - Michel Foucalt
Sociologia - Michel FoucaltSociologia - Michel Foucalt
Sociologia - Michel Foucalt
 
A nova historia cultural
A nova historia culturalA nova historia cultural
A nova historia cultural
 
Guerraspunicas
GuerraspunicasGuerraspunicas
Guerraspunicas
 
Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Aulão de história regional - UNEMAT 2014Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Aulão de história regional - UNEMAT 2014
 
As origens do totalitarismo de hannah arendt
As origens do totalitarismo de hannah arendtAs origens do totalitarismo de hannah arendt
As origens do totalitarismo de hannah arendt
 
Durkheim suicidio
Durkheim suicidioDurkheim suicidio
Durkheim suicidio
 
A crise feudal e a ascensão dos estados modernos
A crise feudal e a ascensão dos estados modernosA crise feudal e a ascensão dos estados modernos
A crise feudal e a ascensão dos estados modernos
 
Sociologia globalização
Sociologia globalizaçãoSociologia globalização
Sociologia globalização
 
A visão da afro
A visão da afroA visão da afro
A visão da afro
 
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociais
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociaisSociologia aula16 os novos_movimentos_sociais
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociais
 
Cartazes da 1ª guerra
Cartazes da 1ª guerraCartazes da 1ª guerra
Cartazes da 1ª guerra
 
Sociologia resumo
Sociologia resumoSociologia resumo
Sociologia resumo
 
Artigos de história da sexualidade
Artigos de história da sexualidadeArtigos de história da sexualidade
Artigos de história da sexualidade
 
Weber e o capitalismo
Weber e o capitalismoWeber e o capitalismo
Weber e o capitalismo
 

Último

Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxpatriciapedroso82
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdfAntonio Barros
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfAntonio Barros
 

Último (20)

Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 

Idade média: Alta Idade Média (séc. v- x)

  • 1. IDADE MÉDIA ALTA IDADE MÉDIA (SÉC V – X) 1 – CARACTERÍSTICAS GERAIS: • Formação e apogeu do Feudalismo. • Período de constantes invasões e deslocamentos populacionais. • Síntese de elementos do antigo Império Romano + povos bárbaros + cristianismo. iair@ p op .com .b r Prof. Iair
  • 2. IDADE MÉDIA ALTA IDADE MÉDIA (SÉC V – X) 2 – OS POVOS BÁRBAROS: • Povos fora das fronteiras (sem cultura greco-romana). • Germânicos – principal grupo (suevos, lombardos, teutônicos, francos, godos, visigodos, ostrogodos, vândalos, burgúndios, anglos, saxões...). • Economia agropastoril. • Ausência de comércio e moeda. • Ausência de escrita. • Politeístas. • Inicialmente sem propriedade privada. • Poder político = casta de guerreiros. • Direito Consuetudinário (tradição). • COMITATUS (laços de dependência entre guerreiros). iair@ p op .com .b r Prof. Iair
  • 3. IDADE MÉDIA ALTA IDADE MÉDIA (SÉC V – X) 3 – O FEUDALISMO • Economia: agrícola, auto-suficiente (subsistência), sem comércio e moeda. • Unidade econômica básica: FEUDO (benefício). – MANSO SENHORIAL – castelo + melhores terras. – MANSO SERVIL – terras arrendadas (lotes = glebas ou tenências). – MANSO COMUNAL – bosques e pastos (uso comum) Visão interna da casa dos servos iair@ p op .com .b r Prof. Iair
  • 4. IDADE MÉDIA ALTA IDADE MÉDIA (SÉC V – X) • Sociedade: – Estamental (posição social definida pelo nascimento). – Poder vinculado à posse e extensão da terra. – Laços de dependência pessoal:  SUSERANIA e VASSALAGEM (entre nobres);  SENHOR e SERVOS. –CLERO: terra + poder político + poder ideológico (salvação) –NOBREZA: terra + poder político (defesa) –SERVOS: obrigações (corvéia, talha, banalidades, tostão de Pedro, dízimo, mão-morta, capitação, formariage...) e VILÕES: quase servos, porém com menos obrigações iair@ p op .com .b r Prof. Iair
  • 5. IDADE MÉDIA ALTA IDADE MÉDIA (SÉC V – X) • Política: descentralização; • Ideologia: – Teocentrismo – IGREJA: maior instituição (atuante em todos os setores) – Conformismo, continuismo – Ética paternalista cristã iair@ p op .com .b r Prof. Iair
  • 6. IDADE MÉDIA ALTA IDADE MÉDIA (SÉC V – X) • Elementos feudais: ROMANOS GERMÂNICOS Clientela (dependência entre Comitatus (dependência entre servos e senhores) nobres – base da suserania e vassalagem) Colonato (fixação na terra – Subsistência (ausência de origem da servidão) comércio e moeda) Vilas (grandes propriedades rurais Economia agropastoril – origem dos feudos) Igreja Direito consuetudinário (tradição oral) iair@ p op .com .b r Prof. Iair
  • 7. IDADE MÉDIA ALTA IDADE MÉDIA (SÉC V – X) 4 – O IMPÉRIO CAROLÍNGEO ou REINO CRISTÃO DOS FRANCOS • Atual França. • Único reino bárbaro relativamente duradouro. • Dinastia Merovíngea: – Clóvis (496) – conversão ao cristianismo. – Conquista da Gália. – Ruralização. – Distribuição de terras entre clero e nobreza.  Fragmentação do poder. – Últimos reis da dinastia: Reis Indolentes (incompetência administrativa). – Poder de fato: Mordomos do Paço ou do Palácio (espécies de “prefeitos” ou primeiro ministro). – Carlos Martel (732) – Bloqueio aos árabes na França (Batalha de Poitiers). iair@ p op .com .b r Prof. Iair
  • 8. IDADE MÉDIA ALTA IDADE MÉDIA (SÉC V – X) • Dinastia Carolíngea – Pepino, o Breve (751 – 768):  Expulsão dos lombardos da Península Itálica.  Doação para a Igreja (Patrimônio de São Pedro).  Apoio da Igreja. – Carlos Magno (768 – 814):  Auge.  Guerras de conquista.  Doações para nobres (laços de dependência).  Centralização relativa. iair@ p op .com .b r Prof. Iair
  • 9. IDADE MÉDIA ALTA IDADE MÉDIA (SÉC V – X)  Apoio da Igreja (expansão do cristianismo).  Tentativa de reconstruir o Império Romano do Ocidente.  Divisão imperial em 300 partes (condados, ducados e marcas).  Missi Dominici – funcionários imperiais (burocracia).  Capitulares – leis imperiais.  Renascimento carolíngeo – preservação de obras CARLOS MAGNO clássicas em escolas eclesiásticas. – Luís, o Piedoso (814 – 841)  Enfraquecimento.  Agravamento da descentralização política. – Disputas pela sucessão imperial após morte de Luís, o Piedoso. iair@ p op .com .b r Prof. Iair
  • 10. IDADE MÉDIA ALTA IDADE MÉDIA (SÉC V – X) – Tratado de Verdum (843):  Divisão do Império.  OCIDENTE – Carlos, o Calvo (atual França);  CENTRO – Lotário (atuais Itália e Suíça);  ORIENTE – Luís, o Germânico (atual Alemanha). iair@ p op .com .b r Prof. Iair