ESCOLAS DAS LARANJEIRAS                         AGRUPAMENTO DE                                                            ...
Página 2     JANELA                  A B E R TAA B IBLIOTECA             DA     E SCOLA     A nossa biblioteca            ...
Página 3      N EWSLETTER 1C URSO L IVRE         DE   LATIM                                                         Docent...
Página 4   JANELA                  A B E R TAC OMENIUS— A R T T RAVELERS   Em Janeiro de 2012                ordena      a...
Página 5N EWSLETTER 1escolha foi feita apartir de trabalhosdos alunos da es-cola EB1 das La-ranjeiras, inspiradosnas obras...
Página 6     JANELA                                   A B E R TAC ONCURSO “ CONTO                                    DE   ...
Página 7      N EWSLETTER 1OS    CÃES      Os cães são os meus         altura e de peso en-      abandonados que      anim...
Página 8     JANELA              A B E R TAP ALESTRA   SOBRE AS          ELEIÇÕES            NOS     EUA     À semelhança ...
Página 9   N EWSLETTER 1P RÍNCIPE PERFEITO   Cristina      Carvalho,      de invulgar que foi         lavras que transbor-...
Página 10     N EWSLETTER 1E SCOLA S ECUNDÁRIA D . P EDRO V                                                               ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Janela aberta outubro_2012_vf

351 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
351
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Janela aberta outubro_2012_vf

  1. 1. ESCOLAS DAS LARANJEIRAS AGRUPAMENTO DE N EWSLETTER 1 J A N E L A A B E RTA O UTUBRO 2012NESTA EDIÇÃO: J ANELA A BERTA?A B I BLIO TECA D AE S CO LA 2 O Ministério da Educa- do Agrupamento, com mos da contribuição ção anunciou, em 18 o intuito de dar a co- de toda a comunida-O S ME MBROS DOC L UB E DE L EI TUR A 2 de maio de 2012, a nhecer as várias ativi- de educativa. De iní- criação de agrega- dades a desenvolver e cio, iremos colocar oC U RSO L IVR E D EL A TI M 3 ção de escolas. Refe- unir as várias escolas Janela Aberta nos di-M Ê S DA S B IBLIO TE- riu, ainda, que uma num único documento. ferentes blogues exis- 3 das maiores agrega- tentes em cada biblio-C AS E S COL ARE S Assim, nasceu o Jane- ções - com mais de teca escolar.C O ME NIUS —ART 4 la Aberta, que esperaT R AVE LER S três mil alunos – seria ser o centro aglutina- De futuro…. a do AgrupamentoC O NC URSO 6 dor dos vários ciclos“C ONTO DE N ATAL ” Delfim Santos com a de ensino e uma jane- Equipa BECRE da ESDPV Escola Secundária D.P A I S NA B IBLIO TE- 6 la aberta para o novoCA Pedro V, com 3105 mundo que nos espe-A ME N INA Q UE alunos. 6 ra.CR ES CE U No dia 26 de setem-A C A ROC HIN HA E As cores predominan- 6 bro, as professoras bi-OS A N I MAI S tes, neste Boletim, são bliotecárias e respeti-O S C ÃE S 7 o branco, da flor de vas equipas do Agru- laranjeira, o verde, daA F A MÍLIA DO S pamento das Laranjei-G A TO S 7 árvore, e o laranja, da ras reuniram-se na Es- fruta.PALESTRA SOBRE AS 8 cola Prof. Delfim San- tos e decidiram, por Tentaremos publicar1º ANO NA B IBLIO- unanimidade, criar mensalmente um Bole-TECA DA EB1 F REI 8 uma N e wsle tte r tim. Mas, para que talL UÍS DE S OUSA (Boletim Informativo) seja possível, precisa-P R ÍN CIP E P E RF EITO 9JI N A B I B LIOTECADA EB1 F R E I L UÍS 9DE S OUSA C ONCURSO " MASCOTE PARA A BE"E S CO LA S E C UND Á- 10 Precisamos de uma dades. Consulta o re- mascote nova para a gulamento na BE ouC INEMA NA BECRE 10 Biblioteca. Põe os teus fala com o teu Profes- neurónios a funcionar, sor de EV ou de ET daE Q UI P A TÉ C NI C A: a criatividade a esvoa- Escola Básica 2,3 Pro-Coordenação do projeto: çar e presenteia-nos fessor Delfim Santos.Equipa da BECRE da ESDPV com uma mascote Colabora com a tuaRevisão de artigos: que constará em to- Biblioteca preferidaEquipa da BECRE da ESDPV dos os documentos da até 7 de dezembro!!!Conceção e montagem Biblioteca e que anun-gráfica:Equipa da BECRE da ESDPV ciará as nossas ativi- Ana Correia, BE Delfim Santos
  2. 2. Página 2 JANELA A B E R TAA B IBLIOTECA DA E SCOLA A nossa biblioteca Nós temos um horá- tem livros, computa- rio para as turmas dores e outras coi- não fazerem confu- sas. Podemos fazer são. A professora desenhos, banda que está cá na sala desenhada e tam- chama-se Inácia e é bém ver filmes, muito simpática. quando a nossa pro- Na biblioteca há re- fessora deixa e gras: não podemos quando precisamos fazer muita confusão de fazer alguns tra- nem muito barulho e balhos. Também se só podem estar, no podem requisitar li- máximo, vinte alu- Eu gosto muito da vros para levar para Madalena Silva, 4ºA da nos. Não se pode biblioteca da esco- casa. EB1 Frei Luís de Sousa comer na BE. la.OS MEMBROS DO CLUBE DE L EITURA Leram… e recomendam: As Gémeas de Enid difíceis que temos “diferentes” e por Blyton de ultrapassar. Este último a paixão na Um livro é… uma livro tem muitas situa- adolescência. Estes descoberta de “Aprendemos mui- ções difíceis que se acontecimentos sentimentos , um tas coisas quer de resolvem.” são frequentes na amigo que nos leva a brincar, quer de es- Maria Madalena Vaz de Olivei- adolescência e este ra do 5.º E aventurar e a tudar. Fala muito livro de certa ma- “ e n c a r n a r ” sobre amizade, sin- neira ajuda, pois “Fala de que não personagens que nos ceridade e os pri- mostra como tudo devemos desistir fazem sonhar mais meiros capítulos fa- se resolve.” alto, ir mais além… dos nossos sonhos e lam sobretudo da Sílvia Rodrigues do 9.ºE Um livro é a se uma notícia má paciência, da acei- descoberta de novos aparecer não de- tação, da educa- Meninas Exempla- pontos de vista. vemos nunca pen- ção com os pais e res de Condessa sar no lado negati- professores e sobre Tatiana Ramos, 10.º 1, n.º 9 vo.” de Ségur o termo “mimado” Maria Inês Silveira do 9.ºE e ensina-nos o signi- “Explica regras de ficado. É engraça- “Quem gosta de boa educação e do e as aventuras futebol vai gostar aprendemos a ser emocionantes e às deste livro, porque melhores pessoas. vezes até um pouco aborda a forma co- Fala sobre o per- estranhas.” mo se deve conciliar dão e a sincerida- Maria Matilde Carreira do 5.º H os estudos e as ati- de e é muito cómi- Este ano letivo o vidades desporti- co e engraçado. As clube de leitura já Miguel nunca desis- vas (neste caso fu- suas aventuras são tem 50 membros e te de Margarida tebol). Também diferentes de todos até agora já realiza- Fonseca Santos fala das maldades os livros que já li e ram 90 fichas de que por vezes isso é uma coisa óti- leitura!!! “Fala de aventuras, acontecem entre os ma.” Parabéns a todos os de várias situações e s t u d a n t e s Maria Matilde Carreira do 5.º H leitores !!!
  3. 3. Página 3 N EWSLETTER 1C URSO L IVRE DE LATIM Docente: Alice Costa Nos dias de hoje não raízes da cultura oci- Destinatários Funcionamento é fácil encontrar al- dental. Alunos e docentes 50 minutos/semana guém que saiba fa- Saber latim é conhe- do agrupamento de lar Latim. De facto, Sala 2.03 cer de forma racio- escolas das Laranjei- esta língua deixou nal a língua portu- ras de ser uma língua de Horário guesa, mas é, tam- comunicação do Outros interessados bém, através da civi- dia-a-dia. Então, por- (familiares de alunos terça-feira lização e cultura que que estudamos La- 15 h e 10 m ela veicula, aceder e professores) tim? Que vantagens a um acervo cultural nos traz o estudo vastíssimo (história, desta língua? literatura, mitologia, O Latim representa tradições, costu- mais de dois mil anos mes...) que contribui de cultura. Até ao significativ am ente séc. XVIII foi a língua para recuperar o hu- em que o mundo manismo que uma ocidental produziu sociedade materia- grande parte da sua lista e tecnicista têm ciência, filosofia, ar- deteriorado... te, religião, história... A língua latina é a Objetivos do curso língua mãe das lín- guas rom ânicas Aquisição das estru- (entre elas o Portu- turas fundamentais guês), pelo que sa- da língua latina ber latim se traduz Aprofundamento do num conhecimento conhecimento da mais consciente e l í ng u a m a te r n a racional da língua (léxico, morfologia, portuguesa. É esta sintaxe...) língua que nos dá acesso à cultura e à Enriquecimento cul- civilização clássicas, turalMÊS DAS B IBLIOTECAS E SCOLARES De acordo com os Biblioteca escolar: nossa escola, para objetivos delinea- uma chave para o o 7º e 10º anos, visi- dos pela Internatio- passado, presente taram a BECRE, nal Association of e futuro. com o objetivo de School Librarianship, ficarem a conhecer Na ESDPV come- a Rede de Bibliote- o modus operandi morámos a semana cas Escolares de- da biblioteca, as com a formação clarou o dia 22 de suas potencialida- de utilizadores. outubro como o des e a localização "Dia da biblioteca Nesse sentido, to- dos documentos. Formação de utilizadores escolar", este ano dos os alunos que na BECRE da ESDPV dedicado ao tema entraram para a Equipa BECRE da ESDPV
  4. 4. Página 4 JANELA A B E R TAC OMENIUS— A R T T RAVELERS Em Janeiro de 2012 ordena a equipa os restantes. foi proposta, pelo por parte de Portu- Nesta perspetiva de Agrupamento Del- gal, além de esco- intercâmbio e ges- fim Santos, uma las dos restantes tão conjunta dos candidatura ao países participan- trabalhos a realizar, programa Come- tes – Espanha (que estão programadas nius sob a forma detém a coorde- visitas de trabalho, de um projeto de nação geral do para balanço, às educação pel a projeto), Itália, Rei- diferentes comuni- arte, que se intitu- no-Unido, Islândia dades educativas lou Art Travelers. A e Finlândia. dos respetivos paí- Agência Nacional O Comenius – Art ses e partilha de ta- PROALVT aprovou Travelers visa a refas . a p a r ti c i p a ç ã o abordagem, pelos portuguesa, após a Assim, nesta fase alunos até aos do- sua planificação e de arranque, reali- ze anos de idade, calendarização, zou-se a primeira das diferentes for- respetivos prazos, foram aferidos pro- cedim entos co- muns e foi realiza- da a distribuição das tarefas e res- ponsabilidades par- ticulares que ca- bem a cada país realizadas numa mas de arte, cen- reunião de trabalho no âmbito do pro- visita preparatória trando-se na ela- e coordenação na jeto. Pôde, igual- à Finlândia, em Fe- boração de traba- comunidade edu- mente, adiantar-se vereiro. lhos inspirados nos cativa de Begues - a escolha dos de- autores, obras e Barcelona, de 24 a senhos a figurar no Neste projecto es- expressões cultu- 26 de Outubro. calendário comum tão envolvidas as rais próprias de ca- Nesta visita foi a construir, caben- escolas do 1ºciclo da país, proporcio- ajustado o progra- do a cada país a e Jardins de Infân- nando a sua divul- ma a cumprir pelas entrega de dois cia e a EB 2,3 Del- gação entre todos várias equipas e exemplares. No ca- fim Santos que co- so de Portugal a
  5. 5. Página 5N EWSLETTER 1escolha foi feita apartir de trabalhosdos alunos da es-cola EB1 das La-ranjeiras, inspiradosnas obras de Joséde Guimarães e deNadir Afonso.A visita permitiu,também, a trocade experiênciasentre todos os pro-fessores presentes,nomeadamentesobre os sistemaseducativos de ca-da país e as dife-rentes abordagens Begues proporcio- receberam todos enaltecer a amiza-curriculares e pe- nou todo o apoio os participantes de, a simpatia e adagógicas. Foi à visita durante a proporcionando, atenção de todos.muito frutuosa a estada no municí- para lá dos temposo b s e rv a ç ã o do Além do trabalho pio. de trabalho, umfuncionamento das real izado nestes programa culturalescolas e das tur- É de justiça referir dias, a equipa por- intenso e muito or-mas na comunida- a forma inexcedí- tuguesa está en- ganizado, ondede educativa que vel como os cole- carregada de pro- nunca é demaisnos recebeu e o gas da Catalunha ceder à constru-diálogo e o conví- ção do blogue evio com os profes- da página de fa-sores (maestras e cebook deste Co-maestros) que tra- menius - Art Trave-balham nas Escola lers, sendo tam-de San Cristóforo e bém responsávelno Instituto de Be- pela criação dogues, bem como hino do projeto.com a direção es- A equipa: Rosário Simõescolar da primeira. (Coordenadora), Amílcar Albu-O Ayuntamento de querque Santos, Maria da Luz Pignatelli
  6. 6. Página 6 JANELA A B E R TAC ONCURSO “ CONTO DE NATAL” Já está aberto o tar ao Professor de concurso "Conto de Língua Portuguesa. Natal" . Podem con- A apresentação dos correr todos os alu- trabalhos a concurso nos do Agrupamento deve ser feita até 30 desde o Jardim de de Novembro. Infância ao 12º ano. Podes consultar o Contamos com a regulamento na Bi- vossa participação! blioteca ou pergun- Ana Correia, BE Delfim SantosPAIS NA B IBLIOTECA Este ano resolvemos ressante para os Pais. Ilustração de Cláudia Navarro Nós gostámos convidar todos os Dê o exemplo! muito do livro “O Pais dos leitores da Acompanhe o seu pintor de sorrisos” BE a fazer requisição filho! Requisite tam- porque tem domiciliária em con- bém para si! junto com os seus m u i t o s Leia mais!!! sentimentos, filhos. Temos um fun- do documental inte- Ana Correia, BE Delfim Santos como o amor e a felicidade.A MENINA QUE CRESCEU Quem escreveu este livro foi Era uma vez uma com os pais. César Madureira menina que gostava Mas viveram felizes e quem ilustrou de brincar com a para sempre. foi André Letria. mãe e com o pai. Um dia aconteceu Leonor, Mariana e Isabelle Marta e Beatriz do 4ºB (história elaborada em tempo (em tempo de livre que ela ficou grande de livre acesso na BE) – 2º A da acesso) – EB1 Frei Luís de Sousa e deixou de brincar EB1 Frei Luís de SousaA C AROCHINHA E OS ANIMAIS Era uma vez uma Veio o Cão e disse: A seguir veio o Rato Carochinha que var- - Quero eu, quero que também queria ria a casa. eu. casar com a Caro- Entretanto, encon- A Carochinha disse chinha. trou uma moeda de que não. A seguir Ela aceitou casar 1 euro. vieram o Coelho e o com o Rato. Gato, que também A Carochinha foi à Casaram e viveram queriam casar com janela e começou a felizes para sempre. a Carochinha. Ela cantar: também respondeu João Iria – texto melhorado - Quem quer casar com a Carochinha? que não. com João Pereira 3º B da EB1 Frei Luís de Sousa
  7. 7. Página 7 N EWSLETTER 1OS CÃES Os cães são os meus altura e de peso en- abandonados que animais preferidos. tre 5 e 50 kg de peso. necessitam de cui- Há várias raças de Estes cães têm uma dados e de ser cães. A minha avó grande probabilida- adotados. Algumas tem 5 cães: 2 Beagles de do cão rafeiro ser pessoas que procu- e 3 rafeiros. forte, flexível no com- ram ter um cão, po- Os Beagles têm olhos portamento e de ter diam ir ao canil em castanhos, claros, pe- uma forte capacida- vez de gastarem le preta, branca e de de adaptação. dinheiro. Há várias castanha. Eles são O comportamento as so ci a çõe s de brincalhões. Não se deles é diferente en- cães abandonados pode deixar estes tre eles, mas pode que se podem con- cães muito tempo aproximar-se mais do sultar na internet. sozinhos senão uivam. comportamento das Os rafeiros podem ter mães. Alice Dias (em tempo de livre Um livro é… um acesso) - 4ºC da EB1 Frei Luís de entre 10 e 70 cm de Há bastantes cães Sousa portal para um mundo onde aA FAMÍLIA DOS G ATOS imaginação é o limite e cada Era uma vez um gato Os gatos decidiram As donas eram ricas, palavra esconde que tinha olhos azuis, casar, mas a Marta mas quando vieram uma emoção que boca com dentes estava um bocadi- os filhos dos gatos nos transporta afiados, pelo bran- nho indecisa porque começaram a ficar co, chamava-se Fofi- não queria, mas de- muito pobres porque para o despertar nho e tinha dois pois pensou que se- eles davam muita d o n o s s o anos. ria muito bom casar despesa. subconsciente. porque podia ter fi- Ele encontrou uma Os gatos foram cres- lhos. Marta Cruz, 10.º 9, n.º 20 amiga na rua. Era cendo e começa- uma gata que se Casaram e tiveram ram a trabalhar. En- chamava Marta, ti- uma filha chamada tão a Madalena e a nha os olhos verdes, Sara que tinha o pe- Inês voltaram a ser ESTA HISTÓRIA DEU ORIGEM a boca grande, os lo preto, a boca pe- ricas. A UM LIVRO, QUE JÁ SE dentes afiados, o quena, os dentes Madalena e Inês (em tempo pelo branco e tinha afiados, as unhas de livre acesso na BE) – 3ºA da ENCONTRA À DISPOSIÇÃO três anos. amarelas porque ti- EB1 Frei Luís de Sousa DE TODOS NA BE As donas eram a Inês nha uma doença. e a Madalena. Cui- Então as donas foram davam muito bem com ela ao veteriná- do gatinho e da ga- rio e ele deu-lhe me- tinha. As guloseimas dicamentos para to- eram a ração dos mar. gatos. Mais tarde nasceu Tinham uma cama um gatinho que era cor-de-rosa, tinham perfeito. Chamava-se um sofá preto por- Luís, tinha o pelo que as meninas gos- branco igual ao da tavam muito de pre- mãe, a boca peque- to, que era a cor na, mas sem os den- mais bela do mundo. tes afiados.
  8. 8. Página 8 JANELA A B E R TAP ALESTRA SOBRE AS ELEIÇÕES NOS EUA À semelhança do presidenciais e uma que sucedeu em No- "votação" com os vembro de 2008, a presentes no Auditó- Embaixada dos EUA rio Chaves Santos, enviou no dia 24/10 sobre os dois candi- dois funcionários à datos à Casa Bran- ESDPV, a fim de faze- ca. rem uma palestra sobre as eleições Ana Rocha, ESDPVAS DUAS TURMAS DO 1º ANO NA BIBLIOTECA DA EB1 FREI LUÍS DE SOUSA As duas turmas do 1.º ano também já ouvi- ram ler várias histórias na BE, a partir das quais produziram di- versos trabalhos. A pri- meira, “Mais uma ove- lha?”, de Mij Kelly, deu origem a dois carta- zes, expostos na Biblio- teca, onde se organi- zaram os desenhos das crianças com o registo das suas falas. Seguiram-se dois livros de Manue- A partir da leitura la Castro Neves. O primeiro deles, do livro “Um ele- “Uma cadela amarela e vários fante diferente”, amigos dela”, recentemente edi- as crianças foram tado, deu origem a um livro, em cada turma, com os desenhos convidadas a es- dos animais da história feitos pe- crever na Bibliote- las crianças. ca, em grupos de Inácia Santana, EB1 Frei Luís de Sousa seis alunos, histó- rias com animais diferentes. Já te- mos algumas his- tórias, organizadas em livros, disponí- veis na BE. Inácia Santana, EB1 Frei Luís de Sousa
  9. 9. Página 9 N EWSLETTER 1P RÍNCIPE PERFEITO Cristina Carvalho, de invulgar que foi lavras que transbor- autora de cerca de Rómulo de Carvalho, dam das folhas deste uma dezena de ro- mas também pela livro. Mas o que é que mances, alguns dos escrita de Cristina se pode dizer de um quais incluídos no Carvalho, transbor- homem que [disse...] Plano Nacional de dante de ternura, de Tudo fiz por amor, a Leitura, e filha de Ró- emoção e de infinita única força poderosa mulo de Carvalho, admiração intelectual capaz de congraçar presenteou-nos re- pelo pedagogo, pro- as pessoas e as coisas centemente com fessor, cientista, histo- numa felicidade pos- este magnífico livro: riador e poeta que sível. Rómulo de Carvalho/ seu Pai foi. António Gedeão – Atravessei a existên- Da “Nota prévia” da Príncipe Perfeito. In- cia sempre com a Um livro é… um autora se transcre- conjunto de teligente e sóbria, surpresa nos olhos, a vem estas palavras: sentimentos esta biografia do ci- amargura no rosto, a «Talvez estranhem, tristeza no íntimo. expostos numa entista/poeta consti- senhores, tanto elo- folha tui leitura obrigató- É meu dever dar-vos ria, não só pelo que gio, tanta admira- esta informação.» Joana Fonseca , nos dá a conhecer ção, tanto entusias- 10.º 9 sobre a personalida- mo, tantas são as pa- Alice Costa, ESDPVJARDIM DE INFÂNCIA NA B IBLIOTECA DA E B 1 F REI L UÍS DE SOUSA O Jardim de Infância para ouvir ler uma fessora lhes escrever da EB1 Frei Luís de história. A seguir, as o que dizem. Sousa frequenta a crianças são convi- Biblioteca com a sua dadas a desenhar e Já foram lidos os se- Educadora todas as a falar sobre o seu guintes livros: quintas feiras à tarde desenho, para a pro- “A lagartinha muito comilona”, de Eric Carle “A casinha de cho- colate” (História tra- dicional) “A Gata Borralhei- ra” (História tradicio- nal) Inácia Santana, EB1 Frei Luís de Sousa
  10. 10. Página 10 N EWSLETTER 1E SCOLA S ECUNDÁRIA D . P EDRO V Esta expressão «Leitura», há cem A Escola Secundária Lar anjeir as/Se te - mento populacio- anos, sugeria logo a imagem de uma li- D. Pedro V foi inau- Rios, a sua área de nal registado, nesta vraria silenciosa, com gurada no ano leti- influência tem sido, época, na zona de bustos de Platão e vo de 69/70 com sobretudo, a fre- Benfica. de Séneca, uma am- uma população de guesia de S. Domin- pla poltrona almofa- Foi intervencionada dada, uma janela 360 alunos e 60 pro- gos de Benfica. pela Parque Escolar aberta sobre os aro- fessores, inauguran- Com efeito, a sua entre 2007 e 2009. mas de um jardim: e do também, em Lis- construção neste neste retiro austero Em 2012, agregou-se boa, o modelo pe- local, fruto da doa- de paz estudiosa, um ao Agrupamento de dagógico de ensino ção de uma quinta homem fino, erudito, Escolas Delfim San- misto. Implantada ao Ministério da saboreando linha a tos, formando o linha o seu livro, num na freguesia de N.ª Educação para es- Agrupamento das recolhimento quase Sr.ª de Fátima, num se fim, obedeceu à Laranjeiras. amoroso. A ideia da ponto do Bairro San- necessidade de res- leitura, hoje, lembra tos confinante com ponder ao cresci- Equipa BECRE da ESDPV apenas uma turba folheando páginas à pressa, no rumor deC INEMA NA BECRE uma praça. Eça de Queirós No dia 09/10/2012 Vieira. Michael Cera e Oli- passámos o filme A via Thirlby. É um filme Quem não lê, não Missão do realizador No dia 20 de novem- que trata de proble- quer saber; quem Roland Joffé. Estive- bro, às 8h10m, pas- mas da adolescên- não quer saber, quer ram presentes 18 alu- saremos o filme Ju- cia e adequado aos errar. nos do 11º ano. Este no, realizado por Ja- tempos de hoje. Padre António Vieira filme foi uma motiva- son Reitmane com Convidamos toda a ção para o estudo Jennifer Garner, Alli- comunidade escolar Ver muito e ler muito son Janney, Jason para o evento e de- aviva o engenho do do Sermão de Santo bate posterior. homem. António aos Peixes, Bateman, J.K. Sim- Cervantes do Padre António mons, Ellen Page, Equipa BECRE da ESDPV A G R U PA M E N T O D E E S C O L A S D A S L A R A N J E I R A SEscola Secundária D. Pedro V Estrada das Laranjeira, 122 1600-136 Lisboa direccao@dpedrov.edu.ptEscola Básica 2. 3. Prof. Delfim Santos Rua Maestro Frederico Freitas 1500-400 Lisboa eb23delfimsantos@mail.telepac.ptEscola Básica 1. Frei Luís de Sousa Rua Raul Carapinha 1500-042 Lisboa escola.freiluis49@gmail.comEscola Básica 1. António Nobre Rua António Nobre, 49 1500-046 Lisboa eb1antonionobre@gmail.comEscola Básica 1. das Laranjeiras Rua Virgílio Correia, 30 1600-224 Lisboa eb1daslaranjeiras@gmail.comJardim Infância S. Domingos de Benfica Rua António Nobre, 2 1500-047 LisboaJardim Infância B.º S. João Estrada da Luz 1600- Lisboa

×