Associação Nacional de Entidades de Produtores de Agregados para Construção Civil Importância Estratégica dos Agregados pa...
<ul><li>Índice </li></ul><ul><li>Objetivos </li></ul><ul><li>O Negócio Agregados </li></ul><ul><li>Comparativos </li></ul>...
1. Objetivo <ul><li>Analisar o setor, suas tendências e desafios;  </li></ul><ul><li>Apresentar  recomendações do setor de...
<ul><li>2.1. Definição </li></ul><ul><li>Agregados para construção civil são materiais minerais, sólidos inertes que, de a...
<ul><li>2.2. Caracterização </li></ul><ul><ul><ul><li>Propriedades físicas: </li></ul></ul></ul>2. O Negócio Agregados <ul...
<ul><li>2.2. Caracterização </li></ul><ul><ul><ul><li>Propriedades químicas </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>  </li...
<ul><li>2.2. Caracterização </li></ul><ul><ul><ul><li>Propriedades mecânicas </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Resistênc...
<ul><li>2.3.Tamanho  </li></ul><ul><li>Agregados no mundo: milhão t  22,3 </li></ul>2. O Negócio Agregados Fonte: Relatóri...
Principais  Players   Mundiais 2. O Negócio Agregados Fonte: Annual Reports Agregados 2005, 10 6  t Concreto Usinado 2005,...
Fonte: DNPM/Anuário Mineral Brasileiro 2006 / ajuste Anepac 2. O Negócio Agregados Agregados no Brasil: Estrutura da Miner...
Agregados no Brasil Principais Mercados Estaduais - 2006 2. O Negócio Agregados
2. O Negócio Agregados SP Itaquareia SP,PR,RJ,MG,DF, 6 Votorantim DF,GO 2 Ciplan  RS 5 Zandoná PE 1 Guarany MG 1 Fazenda d...
Preços <ul><li>Ampla variação dos preços CIF, posto obra, decorrente da logística; </li></ul><ul><li>Precificação atual em...
Custos Aumento de 79% no período de Janeiro de 2001 a Agosto de 2007. 2. O Negócio Agregados 3 3 Gestão ambiental 5 15 Out...
<ul><li>O setor realizou nos últimos 7 anos baixos investimentos, basicamente em equipamentos móveis; </li></ul><ul><li>In...
Fonte: USGS Comparativo entre Setores nos USA 3. Comparativos
Evolução da Produção nos USA Fonte: USGS 3. Comparativos
Uma medida da qualidade de vida de uma população é o seu consumo de agregados   Fontes: Minerals Commodities Summaries;UNP...
Fonte: DNPM/Anuário Mineral 2006 Agregados no Brasil: Comparativo Setorial (Em milhão tonelada) 3. Comparativos
Agregados no Brasil Consumo Per Capita por Estado t/habitante Ano: 2006 3. Comparativos
Cimento: 60% Participação  em Volume Participação  em Valor Areia: 40% Brita: 40% Cimento: 10% Aditivo: 2% Água: 8  % Adit...
O conceito de  estratégia   pode ser definido como o conjunto de metas e objetivos de  longo prazo  de empresas, instituiç...
Fonte:DNPM / Ajuste Anepac Agregados no Brasil: Evolução da Produção t.10 6 5. Evolução da Demanda de Agregados
Análise  1- Crescimento 2007: atingido 390 Mt de agregados 2008: crescimento estimado de 7%; 2009 e 2010: entre 5-6% aa; 2...
<ul><li>Pontos Fortes (S) </li></ul><ul><li>Recursos minerais </li></ul><ul><ul><ul><ul><li>Recursos abundantes, limitados...
<ul><ul><ul><li>Pontos Fracos ( W ) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Excesso de tributação:  a lta informalidade -> con...
<ul><li>Oportunidades (O) </li></ul><ul><li>Crescimento econômico do país; </li></ul><ul><ul><li>Investimentos em expansão...
Riscos (T) <ul><li>Planejamento </li></ul><ul><ul><li>Urbanização crescente -> esterilização de depósitos; </li></ul></ul>...
PARQUE DO COSTA - Paraná
PARQUE DO COSTA - Paraná
RAIA OLÍMPICA - USP
ÓPERA DE ARAME PARQUE DAS PEDREIRAS Curitiba -  Paraná
 
 
 
 
 
 
 
1- Melhoria da qualidade de vida; 2- Importância do ordenamento territorial; 3- Revisão das Legislações Minerária, Ambient...
Fonte: Fipe/USP Consumo por Aplicação 7. Agregados e a Sociedade 100 t 1km Manutenção de ruas 3250 t 1km/10m Pavimentação ...
Segmentação do Mercado de Agregados 7. Agregados e a Sociedade 2 Outros 4 Brita (%)  Segmento  Areia (%) 32 Concreteiras 2...
Fonte: Construbusiness 2005 Déficit Habitacional 7. Agregados e a Sociedade
<ul><li>8.1. Estratégicas </li></ul><ul><li>Questões Percebidas pelos Produtores em 2007 </li></ul><ul><li>Concentração </...
<ul><li>8.2. Mercado ( competição por vendas ) </li></ul><ul><ul><li>Maior exigência por qualidade dos produtos; </li></ul...
<ul><li>8.3. Produção </li></ul><ul><ul><li>Qualidade </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>No processo produtivo e nos produ...
<ul><li>8.5. Relações com a sociedade </li></ul><ul><ul><li>Sustentabilidade  </li></ul></ul><ul><li>Como praticar o desen...
<ul><li>8.4. Recursos Humanos </li></ul><ul><li>Formação e retenção de pessoal </li></ul><ul><ul><li>Programa continuado d...
<ul><li>8.6. Relações governamentais </li></ul><ul><li>Regulação ambiental; </li></ul><ul><li>  Normas claras; </li></ul><...
<ul><li>Concluímos que há: </li></ul><ul><ul><ul><li>Cenário de restrições crescentes; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li...
<ul><li>Recomendamos:   </li></ul><ul><li>Alteração de visão dos setores de planejamento </li></ul><ul><ul><li>Destinação ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Fernando M. Valverde, Osvaldo Yutaka Tsuchiya, National Association of Aggregate Manufacturers for Construction, Strategic Importance of Aggregates for Construction

2.011 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.011
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
34
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • 1 da Mineração
  • Fernando M. Valverde, Osvaldo Yutaka Tsuchiya, National Association of Aggregate Manufacturers for Construction, Strategic Importance of Aggregates for Construction

    1. 1. Associação Nacional de Entidades de Produtores de Agregados para Construção Civil Importância Estratégica dos Agregados para a Construção Civil Fernando M. Valverde Osvaldo Yutaka Tsuchiya Brasília, outubro de 2008
    2. 2. <ul><li>Índice </li></ul><ul><li>Objetivos </li></ul><ul><li>O Negócio Agregados </li></ul><ul><li>Comparativos </li></ul><ul><li>O que é Estratégico </li></ul><ul><li>Evolução da Demanda por Agregados </li></ul><ul><li>Diagrama SWOT </li></ul><ul><li>Agregados e a Sociedade </li></ul><ul><li>Tendências e Desafios </li></ul><ul><li>Conclusões </li></ul><ul><li>Recomendações </li></ul>Associação Nacional de Entidades de Produtores de Agregados para Construção Civil
    3. 3. 1. Objetivo <ul><li>Analisar o setor, suas tendências e desafios; </li></ul><ul><li>Apresentar recomendações do setor de agregados; </li></ul><ul><li>Mostrar a importância estratégica da mineração de agregados e </li></ul><ul><li>sua vital necessidade para a sociedade. </li></ul>
    4. 4. <ul><li>2.1. Definição </li></ul><ul><li>Agregados para construção civil são materiais minerais, sólidos inertes que, de acordo com granulometrias adequadas, são utilizados para a fabricação de produtos artificiais resistentes mediante a mistura com materiais aglomerantes de ativação hidráulica ou com ligantes betuminosos. Também se enquadram os materiais granulares rochosos para pavimentos com ou sem adição de elementos ativos, lastro de ferrovias e enrocamentos para proteção à erosão hidráulica. </li></ul><ul><li>Agregados: areia, saibro, cascalho, rocha britada e reciclados: </li></ul><ul><ul><li>COM O CIMENTO Concreto usinado; </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Concreto “ virado na obra “; </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Pré-fabricados; </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><li>COM O ASFALTO Concreto asfáltico; </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Pavimentos; </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><li>“ IN NATURA” Gabiões, lastros ferroviários, enrocamentos, pisos e revestimentos, agricultura; </li></ul></ul>2. O Negócio Agregados
    5. 5. <ul><li>2.2. Caracterização </li></ul><ul><ul><ul><li>Propriedades físicas: </li></ul></ul></ul>2. O Negócio Agregados <ul><ul><ul><ul><li>Condutividade elétrica; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Reflexão; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Brilho; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Cor; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Variação volumétrica por </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>umedecimento e secagem; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Resistência ao umedecimento </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>e à secagem; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Resistência ao congelamento </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>e degelo; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Substâncias deletérias. </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Formato da partícula; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Tamanho máximo da partícula; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Textura superficial; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Porosidade e estrutura dos poros; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Absorção; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Permeabilidade; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Peso específico; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Distribuição granulométrica; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Índice de vazio; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Variação termo-volumétrica; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Condutividade térmica; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Integridade por aquecimento; </li></ul></ul></ul></ul>
    6. 6. <ul><li>2.2. Caracterização </li></ul><ul><ul><ul><li>Propriedades químicas </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li> </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Solubilidade; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>“ Slacking”; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Troca catiônica; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Carga elétrica superficial; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Cobertura superficial; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Resistência ao ataque químico; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Reatividade química com “binder”; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Reatividade à oxidação e hidratação; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Reatividade a materiais orgânicos; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Cloro contido; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Reação álcali-agregado. </li></ul></ul></ul></ul>2. O Negócio Agregados
    7. 7. <ul><li>2.2. Caracterização </li></ul><ul><ul><ul><li>Propriedades mecânicas </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Resistência à tração e compressão da partícula </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Estabilidade de massa </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Resistência à deformação ( módulo de elasticidade ) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Resistência superficial ao uso </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Resistência à degradação </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Resistência à abrasão </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Módulo de resiliência </li></ul></ul></ul>2. O Negócio Agregados
    8. 8. <ul><li>2.3.Tamanho </li></ul><ul><li>Agregados no mundo: milhão t 22,3 </li></ul>2. O Negócio Agregados Fonte: Relatório Freedonia Group
    9. 9. Principais Players Mundiais 2. O Negócio Agregados Fonte: Annual Reports Agregados 2005, 10 6 t Concreto Usinado 2005, 10 6 m³ Asfalto 2005, 10 6 t Heildelberg/Hanson 320 Cemex/Rinker 90 Colas 55 Cemex/Rinker 280 Heildelberg/Hanson 50 CRH 42 Vulcan 260 Lafarge 40 Vinci 40 Lafarge 240 Holcim 39 Ashland 31 CRH 230 Italcementi 20 Holcim 15 Martin Marietta 210 CRH 19 Heildelberg/H 12 Holcim 190 Buzzi 16 Eiffage 11 Colas 100 Boral 8 Vulcan 11 Lafarge 11
    10. 10. Fonte: DNPM/Anuário Mineral Brasileiro 2006 / ajuste Anepac 2. O Negócio Agregados Agregados no Brasil: Estrutura da Mineração Agregados – 2007 65.000 20.000 45.000 Empregos diretos Areia Brita Agregados Produção (t.10 6 ) 231 159 390 Per Capita 1,3 0,8 2,1 Empresas 2000 450 2450 Origem Leito de rios:70% Várzeas(cavas):30% Granito: 75% Basalto: 13% Calcário: 9% Outros: 3% Tamanho (t/mês /unidade) 60%: 1.500 - 10.000 35%: 10.000 - 25.000 5% >25.000 60%<20.000 30%: 20.000 – 40.000 10%>40.000 Valor bruto (R$ bilhão) 4,6 4,8 9,4
    11. 11. Agregados no Brasil Principais Mercados Estaduais - 2006 2. O Negócio Agregados
    12. 12. 2. O Negócio Agregados SP Itaquareia SP,PR,RJ,MG,DF, 6 Votorantim DF,GO 2 Ciplan RS 5 Zandoná PE 1 Guarany MG 1 Fazenda dos Borges MG TCL RJ 8 Oriente Viterbo Amavales APA P. Ar. Tubarão Min. Par. Sul Somar Smarja Areia RJ,ES SP,RJ.GO,MA,SE,PE,TO SP,RJ SP,RJ SP,GO,MS SP,ES SP,PR Mercado de atuação Brita Unidades Mercado de atuação Basalto 15 RS Embu 4 RS Serveng 5 SP Holcim 3 SP Lafarge 3 PR Anhanguera 10 SP Ibrata 3 SP
    13. 13. Preços <ul><li>Ampla variação dos preços CIF, posto obra, decorrente da logística; </li></ul><ul><li>Precificação atual em função de: </li></ul><ul><li>Demanda crescente da construção civil; </li></ul><ul><li>Oferta limitada por escassez de investimentos e restrições sócio- ambientais; </li></ul><ul><li>Exaustão de reservas próximas aos mercados; </li></ul><ul><li>Custos crescentes nos últimos 7 anos; </li></ul><ul><li>Análise de margens comerciais com base na combinação de: produto x segmentação x área geográfica </li></ul><ul><li>Areia </li></ul><ul><li>Estado de São Paulo: </li></ul><ul><li>Eixo da Castelo Branco: R$ 6,00 -7,00/t </li></ul><ul><li>Região Metropolitana: 18,00 -20,00/t </li></ul><ul><li>Vale do Paraíba: 12,00 -15,00/t Vale do Ribeira: 8,00 - 10,00/t </li></ul>2. O Negócio Agregados <ul><li>Brita </li></ul><ul><li>Estado do Acre e Mercados </li></ul><ul><li>da Amazônia : R$ 60,00 a R$ 90,00/t </li></ul><ul><li>R M de Belo Horizonte e Curitiba: </li></ul><ul><li>R$ 12,00 a R$ 20,00/t </li></ul>
    14. 14. Custos Aumento de 79% no período de Janeiro de 2001 a Agosto de 2007. 2. O Negócio Agregados 3 3 Gestão ambiental 5 15 Outros 17 12 Serviços de terceiros 20 15 Manutenção (materiais e serviços) 10 - Explosivos 7 5 Energia elétrica 15 20 Combustíveis e lubrificantes 23 30 Mão de obra Brita(%) Areia(%)
    15. 15. <ul><li>O setor realizou nos últimos 7 anos baixos investimentos, basicamente em equipamentos móveis; </li></ul><ul><li>Investimento de implantação por capacidade instalada anual: </li></ul><ul><li>Areia: R$ 5,00 a R$ 7,00/t de capacidade </li></ul><ul><ul><ul><li>Brita: R$ 15,00 a R$ 20,00/t de capacidade </li></ul></ul></ul><ul><li>Oportunidades de aquisição de empreendimentos: </li></ul><ul><li>De 6 a 9 vezes o EBITDA ( resultado ou lucro antes do IR, depreciação e amortização ) médio anual; </li></ul>Investimentos 2. O Negócio Agregados
    16. 16. Fonte: USGS Comparativo entre Setores nos USA 3. Comparativos
    17. 17. Evolução da Produção nos USA Fonte: USGS 3. Comparativos
    18. 18. Uma medida da qualidade de vida de uma população é o seu consumo de agregados Fontes: Minerals Commodities Summaries;UNPG;Anepac Comparativo de Consumo 3. Comparativos Ano 2006 USA EU Brasil Consumo 10 6 t 2.950 3.200 358 Per Capita 10,0 7,8 2,2
    19. 19. Fonte: DNPM/Anuário Mineral 2006 Agregados no Brasil: Comparativo Setorial (Em milhão tonelada) 3. Comparativos
    20. 20. Agregados no Brasil Consumo Per Capita por Estado t/habitante Ano: 2006 3. Comparativos
    21. 21. Cimento: 60% Participação em Volume Participação em Valor Areia: 40% Brita: 40% Cimento: 10% Aditivo: 2% Água: 8 % Aditivo: 5% Água: 2 % Brita: 18% Areia: 15% Volume X Valor 3. Comparativos
    22. 22. O conceito de estratégia pode ser definido como o conjunto de metas e objetivos de longo prazo de empresas, instituições, países e até de pessoas com a adoção de ações e alocação de recursos necessários à consecução destes fins. A condição de ser estratégico está vinculada à escassez, carência ou limitação de um bem ou qualidade com visão de longo prazo. 4. O que é estratégico
    23. 23. Fonte:DNPM / Ajuste Anepac Agregados no Brasil: Evolução da Produção t.10 6 5. Evolução da Demanda de Agregados
    24. 24. Análise 1- Crescimento 2007: atingido 390 Mt de agregados 2008: crescimento estimado de 7%; 2009 e 2010: entre 5-6% aa; 2011 e 2012: 4% aa; 2013 a 2015: 3,5% aa. 2- Capacidade instalada 1998 a 2004: decréscimo devido a falta de investimentos; 2005 a 2007: reposição de equipamentos com expansão e novas unidades; 2008: capacidade instalada estimada em 520 Mt; 2009: prevê-se atingir 85% da capacidade instalada,ou seja, uma produção de 439 Mt. 3- Ações Efetivo desenvolvimento do PAC Incentivos da Política de Desenvolvimento Produtivo ( PDP); Crescimento do setor imobiliário. 5. Evolução da Demanda de Agregados
    25. 25. <ul><li>Pontos Fortes (S) </li></ul><ul><li>Recursos minerais </li></ul><ul><ul><ul><ul><li>Recursos abundantes, limitados em determinados mercados; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Distribuição uniforme, exceto Amazônia; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Qualidade das rochas; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><li>Mercado </li></ul></ul><ul><ul><li>Alta demanda reprimida; </li></ul></ul><ul><ul><li>Insumos minerais vitais e economicamente de difícil substituição ; </li></ul></ul><ul><ul><li>Capacitação empresarial </li></ul></ul><ul><ul><li>Melhor qualificação do empresário. </li></ul></ul>6. Diagrama SWOT
    26. 26. <ul><ul><ul><li>Pontos Fracos ( W ) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Excesso de tributação: a lta informalidade -> concorrência desleal; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Baixo valor dos produtos; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Normas técnicas em execução; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Reduzida qualificação de pessoal; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Alta susceptibilidade a injunções políticas; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Fornecimento de insumos oligopolizados e controlados; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Logística ( sistema precário de distribuição nas regiões metropolitanas ). </li></ul></ul></ul>6. Diagrama SWOT
    27. 27. <ul><li>Oportunidades (O) </li></ul><ul><li>Crescimento econômico do país; </li></ul><ul><ul><li>Investimentos em expansão; </li></ul></ul><ul><ul><li>Verticalização ; </li></ul></ul><ul><ul><li>Meio ambiente </li></ul></ul><ul><ul><li>Reutilização das áreas no ambiente urbano; </li></ul></ul><ul><ul><li>Reciclagem; </li></ul></ul><ul><li>Investimentos </li></ul><ul><li>Formação de grupos de atuação nacional; </li></ul><ul><li>Reconhecimento do grau de importância pela sociedade </li></ul><ul><li>Melhoria da imagem pública do setor. </li></ul>6. Diagrama SWOT
    28. 28. Riscos (T) <ul><li>Planejamento </li></ul><ul><ul><li>Urbanização crescente -> esterilização de depósitos; </li></ul></ul><ul><ul><li>Incerteza nos investimentos ->visão de curto prazo; </li></ul></ul><ul><li>Excesso de burocracia </li></ul><ul><ul><li>Enfatiza normas e processos em prejuízo de resultados; </li></ul></ul><ul><ul><li>Emaranhado legislativo e normativo; </li></ul></ul><ul><ul><li>Multiplicidade de órgãos com pareceres e atitudes conflitantes; </li></ul></ul><ul><li>Restrições ambientais </li></ul><ul><ul><li>Legislação ambiental cada vez mais restritiva; </li></ul></ul><ul><ul><li>Dificuldades de obtenção e renovação de licenças; </li></ul></ul><ul><li>Segurança jurídica </li></ul><ul><li>Fragilidade legal. </li></ul>6. Diagrama SWOT
    29. 29. PARQUE DO COSTA - Paraná
    30. 30. PARQUE DO COSTA - Paraná
    31. 31. RAIA OLÍMPICA - USP
    32. 32. ÓPERA DE ARAME PARQUE DAS PEDREIRAS Curitiba - Paraná
    33. 40. 1- Melhoria da qualidade de vida; 2- Importância do ordenamento territorial; 3- Revisão das Legislações Minerária, Ambiental e Tributária; 4- Sustentabilidade; 5- Construção da imagem pública. 7. Agregados e a Sociedade
    34. 41. Fonte: Fipe/USP Consumo por Aplicação 7. Agregados e a Sociedade 100 t 1km Manutenção de ruas 3250 t 1km/10m Pavimentação urbana 1675 t 1120 m² Obra padrão Aplicação Dimensão Consumo Auto-construção 35 m² 21 t Habitação popular 50 m² 68 t Edifício 1000 m² 1360 t Estrada pavimentada 1km 9800 t Manutenção de Estradas 1km 3000 t Metrô 1 km 50.000 t
    35. 42. Segmentação do Mercado de Agregados 7. Agregados e a Sociedade 2 Outros 4 Brita (%) Segmento Areia (%) 32 Concreteiras 20 24 Construtoras 15 14 Indústrias de pré-fabricados 10 10 Revendedores/Lojas 10 9 Pavimentadoras / Usinas de asfalto 5 7 Órgãos públicos 3 ___ Argamassa 35
    36. 43. Fonte: Construbusiness 2005 Déficit Habitacional 7. Agregados e a Sociedade
    37. 44. <ul><li>8.1. Estratégicas </li></ul><ul><li>Questões Percebidas pelos Produtores em 2007 </li></ul><ul><li>Concentração </li></ul><ul><ul><ul><li>Aquisição e fusões; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Maior competitividade; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Maior participação em micro-mercados e ampliação da área; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ampliação do fornecimento e aumento da participação nos canais; </li></ul></ul></ul><ul><li>Verticalização </li></ul><ul><ul><ul><li>Necessidade de agregar valor; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Garantia de escoamento com participação em segmentos de consumo; </li></ul></ul></ul><ul><li>Tecnologia de Informação </li></ul><ul><ul><ul><li>Quantidade de informação; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Maior capacidade de processamento; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Agilidade para tomada de posição; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Gestão para controle de atividades e resultados; </li></ul></ul></ul><ul><li>Logística </li></ul><ul><ul><li>Redução de risco na capacidade de atendimento; </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Maior competitividade. </li></ul></ul></ul>8. Tendências e Desafios
    38. 45. <ul><li>8.2. Mercado ( competição por vendas ) </li></ul><ul><ul><li>Maior exigência por qualidade dos produtos; </li></ul></ul><ul><ul><li>Ênfase em serviços; </li></ul></ul><ul><ul><li>Capacidade de fornecimento; </li></ul></ul><ul><ul><li>Abertura de novos mercados com novos produtos e nichos; </li></ul></ul><ul><ul><li>Informação bastante antecipada; </li></ul></ul><ul><ul><li>Market intelligence. </li></ul></ul>8. Tendências e Desafios
    39. 46. <ul><li>8.3. Produção </li></ul><ul><ul><li>Qualidade </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>No processo produtivo e nos produtos; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Na aparência da planta; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><li>Tecnologia </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Automação; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Finos; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Britagem móvel; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><li>Gestão de Custos e Produtividade (disponibilidade e rendimento da planta) </li></ul></ul><ul><ul><li>Areia Manufaturada; </li></ul></ul><ul><ul><li>Gestão Ambiental; </li></ul></ul><ul><ul><li>Tamanho do empreendimento. </li></ul></ul>8. Tendências e Desafios Questões Percebidas pelos Produtores em 2007
    40. 47. <ul><li>8.5. Relações com a sociedade </li></ul><ul><ul><li>Sustentabilidade </li></ul></ul><ul><li>Como praticar o desenvolvimento sustentável? </li></ul><ul><li>Uso racional e socialmente responsável; </li></ul><ul><li>Ampliação da vida útil das minas; </li></ul><ul><li>Utilização de subprodutos e rejeitos; </li></ul><ul><li>Reciclagem; </li></ul><ul><li>Substituição; </li></ul><ul><li>Escória de alto forno, plásticos,borracha; </li></ul><ul><li>Imagem pública. </li></ul>8. Tendências e Desafios Questões Percebidas pelos Produtores em 2007
    41. 48. <ul><li>8.4. Recursos Humanos </li></ul><ul><li>Formação e retenção de pessoal </li></ul><ul><ul><li>Programa continuado de treinamento e capacitação </li></ul></ul><ul><ul><li>Plano de cargos e salários com remuneração variável </li></ul></ul><ul><ul><li>Qualidade da comunicação interna </li></ul></ul><ul><li>Saúde e Segurança do Trabalho </li></ul><ul><ul><li>Treinamento e capacitação </li></ul></ul><ul><ul><li>Implantação de procedimentos </li></ul></ul><ul><ul><li>Estatísticas confiáveis </li></ul></ul><ul><ul><li>Meta de zero acidente </li></ul></ul>8. Tendências e Desafios Questões Percebidas pelos Produtores em 2007
    42. 49. <ul><li>8.6. Relações governamentais </li></ul><ul><li>Regulação ambiental; </li></ul><ul><li> Normas claras; </li></ul><ul><ul><li>Interpretações comuns; </li></ul></ul><ul><ul><li>Foco nos resultados; </li></ul></ul><ul><li>Direitos Minerários; </li></ul><ul><li>Legislação tributária; </li></ul><ul><li>Ordenamento territorial; </li></ul><ul><li> Ausência de planejamento. </li></ul>8. Tendências e Desafios Questões Percebidas pelos Produtores em 2007
    43. 50. <ul><li>Concluímos que há: </li></ul><ul><ul><ul><li>Cenário de restrições crescentes; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Demanda reprimida muito forte; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Setor disperso; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Mercado emergente, porém inconsolidado; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ausência de planejamento governamental; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Falta de legítima articulação política; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Postura reativa face às exigências. </li></ul></ul></ul>9. Conclusões
    44. 51. <ul><li>Recomendamos: </li></ul><ul><li>Alteração de visão dos setores de planejamento </li></ul><ul><ul><li>Destinação das áreas para garantia de suprimento futuro; </li></ul></ul><ul><ul><li>Definição de uso futuro do espaço criado; </li></ul></ul><ul><ul><li>Disciplinamento da ocupação do entorno; </li></ul></ul><ul><li>Modificação do entendimento da sociedade </li></ul><ul><ul><li>Absoluta necessidade de extração de areia e brita; </li></ul></ul><ul><ul><li>Possibilidade de convivência harmônica; </li></ul></ul><ul><ul><li>Dimensionamento social da atividade; </li></ul></ul><ul><li>Mudança de comportamento do setor empresarial </li></ul><ul><ul><li>Atitude pró-ativa com os legisladores; </li></ul></ul><ul><ul><li>Boas práticas em governança corporativa; </li></ul></ul><ul><ul><li>Envolvimento com as comunidades locais; </li></ul></ul><ul><ul><li>Participação em comitês, conselhos e câmaras, etc; </li></ul></ul><ul><ul><li>Metas de zero dano aos funcionários; </li></ul></ul><ul><ul><li>Fortalecimento das entidades de classe; </li></ul></ul><ul><ul><li>Relações com a mídia; </li></ul></ul><ul><ul><li>Educar. </li></ul></ul>10- Recomendações

    ×