Sistemas Meteorológicos
Tropicais
El Niño La Niña
1. Cumulus Individual
2. Sistema em Mesoescala
3. Agrupamento de Nuvens
4. Pertubações de Ondas de Escala Sinótica
5. Onda...
 Ciclones Tropicais
 Furacões
 Depressoes Monçônicas
 Ondas dos Ventos de Leste
 Sistemas Lineares
Sistemas Determina...
 São fenômenos meteorológicos altamente localizados.
 Variação de uma á duas horas, desenvolvem- se onde há
massas de ar...
EL NIÑO E LA NIÑA
El Niño
 Os fenômenos El Niño são alterações significativas de curta
duração (12 a 18 meses) na distribuição da temperatu...
 Quando acontece um El Niño, que ocorre irregularmente em
intervalos de 2 a 7 anos, com uma média de 3 a 4 anos, os
vento...
 Outra consequência de um El Niño é a alteração do clima em todo o
Pacífico equatorial: as massas de ar quentes e úmidas ...
 (Oregon, Washington, Colúmbia Britânica)
têm um inverno mais seco. Os verões
excepcionalmente quentes na Europa e as
sec...
No Brasil a variação no volume
de chuvas depende de cada região e
da intensidade do fenômeno. A
temperatura aumenta na mai...
 Região Norte e Nordeste: Diminuição de
chuvas causando secas, se agrava a situação
no Sertão nordestino e aumentam as ch...
 Região Sudeste: Aumento da temperatura média.
 Região Sul: Aumento da temperatura média e
da precipitação, principalmen...
 Corresponde ao resfriamento anômalo das águas superficiais
do Oceano Pacífico Equatorial Central e Oriental formando uma...
 Numa faixa de largura de cerca de 10 graus de latitude ao longo
do Equador desde a costa peruana até aproximadamente 180...
 Região Sul: Secas severas;
 Região Nordeste: aumento das precipitações;
 Região Centro Oeste: Área com baixa
previsibi...
 Em geral, um episódio La Niña começa a desenvolver-se
em um certo ano, atinge sua intensidade máxima no
final daquele an...
• Entre os meses de Dezembro e Fevereiro:
-Aumento das chuvas na região nordeste do Brasil; principalmente no
setor norte,...
 sistemas meteorológicos- climatologia
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

sistemas meteorológicos- climatologia

335 visualizações

Publicada em

apresentação da matéria de climatologia #de uns 3 anos atrás. kk

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
335
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
32
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

sistemas meteorológicos- climatologia

  1. 1. Sistemas Meteorológicos Tropicais El Niño La Niña
  2. 2. 1. Cumulus Individual 2. Sistema em Mesoescala 3. Agrupamento de Nuvens 4. Pertubações de Ondas de Escala Sinótica 5. Onda Planetária Classifcação
  3. 3.  Ciclones Tropicais  Furacões  Depressoes Monçônicas  Ondas dos Ventos de Leste  Sistemas Lineares Sistemas Determinantes do Tempo nos Trópicos
  4. 4.  São fenômenos meteorológicos altamente localizados.  Variação de uma á duas horas, desenvolvem- se onde há massas de ar úmidas, quentes e instáveis.  Ocorrem em todos os lugares do globo, sendo mais frequentes nos trópicos.  A intensidade das tempestades tropicais é maior que a das médias latitudes. Tempestades
  5. 5. EL NIÑO E LA NIÑA
  6. 6. El Niño  Os fenômenos El Niño são alterações significativas de curta duração (12 a 18 meses) na distribuição da temperatura da superfície da água do Oceano Pacífico, com profundos efeitos no clima. Estes eventos modificam um sistema de flutuação das temperaturas daquele oceano chamado Oscilação Sul e, por essa razão, são referidos muitas vezes como OSEN (Oscilação Sul-El Niño), Seu papel no aquecimento e arrefecimento global é uma área de intensa pesquisa, ainda sem um consenso.
  7. 7.  Quando acontece um El Niño, que ocorre irregularmente em intervalos de 2 a 7 anos, com uma média de 3 a 4 anos, os ventos sopram com menos força em todo o centro do Oceano Pacífico, resultando numa diminuição da ressurgência de águas profundas e na acumulação de água mais quente que o normal na costa oeste da América do Sul e, consequentemente, na diminuição da produtividade primária e das populações de peixe.
  8. 8.  Outra consequência de um El Niño é a alteração do clima em todo o Pacífico equatorial: as massas de ar quentes e úmidas acompanham a água mais quente, provocando chuvas excepcionais na costa oeste da América do Sul e secas na Indonésia e Austrália. Pensa-se que este fenômeno é acompanhado pela deslocação de massas de ar a nível global, provocando alterações do clima em todo o mundo. Por exemplo, durante um ano com El Niño, o inverno é mais quente que a média nos estados centrais dos Estados Unidos, enquanto que nos do sul há mais chuva; por outro lado, os estados do noroeste do Pacífico
  9. 9.  (Oregon, Washington, Colúmbia Britânica) têm um inverno mais seco. Os verões excepcionalmente quentes na Europa e as secas em África parecem estar igualmente relacionadas com o aparecimento do El Niño.
  10. 10. No Brasil a variação no volume de chuvas depende de cada região e da intensidade do fenômeno. A temperatura aumenta na maioria das regiões Efeitos do El Niño no Brasil
  11. 11.  Região Norte e Nordeste: Diminuição de chuvas causando secas, se agrava a situação no Sertão nordestino e aumentam as chances de incêndios florestais na Amazônia;
  12. 12.  Região Sudeste: Aumento da temperatura média.  Região Sul: Aumento da temperatura média e da precipitação, principalmente na primavera e no período entre Maio e Julho.
  13. 13.  Corresponde ao resfriamento anômalo das águas superficiais do Oceano Pacífico Equatorial Central e Oriental formando uma “piscina de águas frias” nesse oceano. À semelhança do El Niño, porém apresentando uma maior variabilidade do que este, trata- se de um fenômeno natural que produz fortes mudanças na dinâmica geral da atmosfera, alterando o comportamento climático. Nele, os ventos alísios mostram-se mais intensos que o habitual (média climatológica) e as águas mais frias, que caracterizam o fenômeno, estendem-se La Niña
  14. 14.  Numa faixa de largura de cerca de 10 graus de latitude ao longo do Equador desde a costa peruana até aproximadamente 180 graus de longitude no Pacífico Central. Observa-se, ainda, uma intensificação da pressão atmosférica no Pacífico Central e Oriental em relação à pressão no Pacífico Ocidental  Outros nomes como "El Viejo" ou "anti-El Niño" também foram usados para se referir a este resfriamento, mas o termo La Niña ganhou mais popularidade.
  15. 15.  Região Sul: Secas severas;  Região Nordeste: aumento das precipitações;  Região Centro Oeste: Área com baixa previsibilidade;  Região Sudeste: Aumento da precipitação;  Região Sul: Secas severas. Efeitos da La Niña no Brasil
  16. 16.  Em geral, um episódio La Niña começa a desenvolver-se em um certo ano, atinge sua intensidade máxima no final daquele ano, vindo a dissipar-se em meados do ano seguinte. Ele pode, no entanto, durar até dois anos.
  17. 17. • Entre os meses de Dezembro e Fevereiro: -Aumento das chuvas na região nordeste do Brasil; principalmente no setor norte, a qual corresponde os estados do Maranhão, Piauí, Ceará e oeste do Rio Grande do Norte -Temperaturas abaixo do normal para o verão, na região sudeste do Brasil. • Entre os meses de Junho e Agosto: -Inverno árido na região sul e sudeste do Brasil; Conseqüências

×