Aula 6 Mecanismo das Comunicações Mediúnicas

665 visualizações

Publicada em

AULA 6 Mecanismo das Comunicações Mediún

Publicada em: Espiritual
2 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
665
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
111
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
33
Comentários
2
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 6 Mecanismo das Comunicações Mediúnicas

  1. 1. • Vibrações e Sintonia • Perispírito • Centros de Força 2
  2. 2. A Capacitação Biológica da Mediunidade 3
  3. 3. • “A mente permanece na base de todos os fenômenos mediúnicos”. • “Em mediunidade não podemos olvidar o problema da sintonia”. 4
  4. 4. Efeitos Físicos e Efeitos Inteligentes 5
  5. 5. • O mecanismo básico da comunicação mediúnica envolve fluidos espirituais, o perispírito, a mente e os sistemas nervoso e endócrino. É importante estudarmos esses assuntos, ainda que de forma geral, tendo em vista os benefícios que a prática mediúnica produz e a necessidade de exercê-la com segurança. 6
  6. 6. Ação dos fluidos espirituais e do Perispírito • Nos momentos iniciais que antecedem a comunicação mediúnica, o médium é envolvido em fluidos ou energias do Espírito comunicante. • Este envolvimento é controlado por dedicados trabalhadores do plano espiritual, sobretudo quando se trata de comunicação de entidade necessitada. 7
  7. 7. Ação dos fluidos espirituais e do Perispírito (2) • Trata-se de uma medida de segurança que visa à preservação da saúde do medianeiro, considerando que o intercambio mediúnico movimenta diferentes tidos de energias que atuam sobre o carro fisiológico do médium, estimulando ou inibindo a produção de substancias na intimidade dos tecidos e dos órgãos. 8
  8. 8. • As irradiações energéticas da entidade comunicante atingem o perispírito do médium pelos centros de força, alcançando, imediatamente, o corpo físico onde são captadas pelos órgãos sensoriais sob a forma de sensações, agradáveis ou desagradáveis. 9
  9. 9. • Estas sensações produzem, por sua vez, sumarizações no veiculo físico do medianeiro, tais como: bem-estar ou mal-estar, geral ou localizado; tristeza ou alegria; irritação ou serenidade; sensação de fome, sede ou dor; medo, angustia ou solidão, etc. 10
  10. 10. • A ligação mental é também conhecida pela expressão “sintonia mediúnica”. Na fase inicial do intercambio a sintonia é mais leve, superficial, caracterizada pelo envolvimento fluídico que acontece entre o Espírito comunicante e o médium. 11
  11. 11. • A medida que se estreita essa ligação mental a sintonia se faz mais intensa e, conseqüentemente, maiores são as repercussões no corpo somático do médium. Por outro lado, o médium educado, que conhece com segurança o seu papel, lança boas energias e bons pensamentos ao comunicante, com quem se mantém unido dentro do circuito mediúnico. 12
  12. 12. • É possível então ao medianeiro captar maiores informações a respeito do Espírito que se manifesta: intenções, tipo de sofrimento, auxilio que solicita (“vontade-apelo”) e situação espiritual. Alguns detalhes só são percebidos neste instante: sexo, vestimenta, aspectos fisionômicos, nome, condições da desencarnação, etc. 13
  13. 13. • Durante o transe mediúnico, as ondas mentais emitidas pelo Espírito comunicante deslocam- se ao longo do córtex cerebral, em processo de varredura, até atingirem a região mediana do cérebro, onde estão localizadas estruturas nervosas diretamente envolvidas nas funções psíquicas do ser humano. 14
  14. 14. • Neste local, os impulsos mentais do desencarnado – que é mantido ligado à mente do intermediário encarnado, sob amparo dos orientadores espirituais - , podem acessar as memórias do médium, sob a concordância deste, de forma que seja possível, ao medianeiro, processar as idéias que lhe chegam ao mundo íntimo e acionar comandos psicomotores para que estas idéias sejam manifestadas. 15
  15. 15. • São exemplos de comando psicomotores: movimento da mão na psicografia; emissão verbal de palavras e frases na psicofonia; implementação das funções ópticas (visuais) e auditivas (óticas), de ocorrência na vidência e na audiência mediúnicas, respectivamente. 16
  16. 16. 17
  17. 17. • Os benfeitores espirituais não consideram os médiuns como simples máquinas ou aparelho, a serviço do trabalho de intercâmbio mediúnico. Contudo, não ignoram que os desgastes naturais acontecem, ainda que a prática mediúnica contínua e dedicada seja abençoada pela preponderância de fatores morais. Apóiam, assim, o médium que “[...] para ser fiel ao mandato superior, necessita clareza e serenidade, como espelho cristalino dum lago [...]” (2), a fim de que as vibrações desarmonizadas dos comunicantes espirituais não lhe perturbem o equilíbrio intimo. • Perante o envolvimento das emanações fluídicas de Espíritos que sofrem, é importante que o médium aja com equilíbrio e responsabilidade. 18
  18. 18. 19

×