Erros Alimentares TâNia

1.683 visualizações

Publicada em

Trabalhos realizados pela turma EFA - Ano Lectivo 2006/2008 -
Escola Básica 2, 3 de São Vicente - Vila do Bispo

Publicada em: Turismo, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.683
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
16
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Erros Alimentares TâNia

  1. 1. Erros Alimentares EFA/B3 TIC Tânia
  2. 3. Consumo de sal em excesso <ul><li>“ Em Portugal comemos tudo muito salgado”, comenta Nuno Nunes, que associa a esta tendência à ocorrência de doenças como hipertensão, AVC- Acidentes vasculares cerebrais (tromboses, embolias cerebrais) nos quais “somos o campeão da Europa” e aos acidentes cardiovasculares (enfartes…). Segundo a recomendaçao da Organização Mundial de Saúde (OMS), cada pessoa deve consumir, por dia, no máximo 5 gramas de sal. Em Portugal “estamos a comer cerca do triplo, à volta de quinze gramas por dia”, sublinha o nutricionista. </li></ul>
  3. 5. Elevado consumo de álcool. <ul><li>Os portugueses continuam a ser um dos maiores consumidores mundiais de álcool per capita, o que, para Nuno Nunes, “tem repercussões directas quer na nossa saúde individual e colectiva, quer na sinistralidade rodoviária e no local de trabalho, no baixo rendimento, na deterioração das relações interpessoais, etc.. </li></ul>
  4. 7. Elevado consumo de gorduras, <ul><li>Principalmente gorduras de má qualidade, gorduras saturadas, hidrogenadas, sobreaquecidas e de múltipla utilização. Do ponto de vista calórico, um grama de gordura tem cerca de nove calorias, contrapondo às quatro calorias conferidas por um grama de hidratos de carbono (pão, arroz, etc.). </li></ul>
  5. 9. Saltar refeições . <ul><li>Estar muitas horas sem comer cria uma maior sensação de fome, que leva a pessoa a fazer posteriormente refeições demasiado pesadas. Aliás, a carência alimentar (manifestada como hipoglicémia – baixa da glicose no sangue) é responsável pela quebra de rendimento intelectual, tanto na escola como no trabalho. </li></ul>
  6. 11. Comer demais. <ul><li>Refeições muito volumosas, aliadas a uma vida cada vez mais sedentária, provocam o aumento de peso. “O excesso de peso é hoje um grave problema de saúde pública”, alerta o nutricionista. “Calcula-se que quase 50% da população nacional tem excesso de peso e, dentro destes, muitos são obesos”. Tal como estar muitas horas sem comer (resultando em hipoglicémia), comer demais também é prejudicial. “A maior parte dos acidentes de trabalho ocorre imediatamente antes ou imediatamente após a hora do almoço. No primeiro caso por carência alimentar, se come demais há uma chamada de sangue ao tubo digestivo, diminuindo a oxigenação cerebral, o que induz um aumento da sonolência e dificuldade de concentração e na execução de tarefas”. </li></ul>
  7. 13. Baixo consumo de legumes e produtos hortícolas. <ul><li>Para Nuno Nunes, é importante “recuperar o papel tradicional da sopa”, como forma de comer mais legumes e hortaliças. Muitas pessoas só comem alimentos de origem vegetais nas saladas, quando a melhor forma de o fazer é cozidos na sopa, uma vez que são mais facilmente digeridos e conservam todos os nutrientes na água da sopa. </li></ul>
  8. 15. Baixo consumo de leite e derivados. <ul><li>A osteoporose ainda é uma doença de elevada prevalência em Portugal. A carência destes alimentos leva a uma grande falta de cálcio na infância, adolescência e início da idade adulta. “Só pensamos na osteoporose após a menopausa, o que é um erro”, adianta o especialista, que recomenda o tratamento precoce “com uma ingestão continuada e ao longo de toda a vida de alimentos ricos em cálcio”. </li></ul>
  9. 17. Elevado consumo de açúcar. <ul><li>O açúcar também faz parte de uma dieta saudável, mas não se deve exagerar na quantidade. “Não só porque ingerimos calorias a mais, mas também porque obrigamos o nosso pâncreas a um desgaste enorme”, explica Nuno Nunes. Quando o pâncreas é demasiado estimulado, “gasta a sua capacidade de produzir insulina”, o que, associado à obesidade, contribui ao longo dos anos, para o aparecimento da diabetes. </li></ul>
  10. 19. A minha opinião <ul><li>Ao realizar este trabalho tive mais noção do excesso alimentar que cometo diariamente. </li></ul><ul><li>A partir de agora vou tentar ter uma alimentação mais equilibrada. Para conseguir um nível de vida mais saudável. </li></ul>

×