FOTO 2016-04

1.245 visualizações

Publicada em

Aula 04 de Fotografia: Iluminação básica

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.245
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
730
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

FOTO 2016-04

  1. 1. CRP-422 FOTOGRAFIA
  2. 2. VOCÊSTarefas para hoje.
  3. 3. 1: captar baixas velocidades: motion blur TAG: MOVIMENTO
  4. 4. 2: captar baixas velocidades: movimento do fotógrafo TAG: MOVIMENTO
  5. 5. 3: captar baixas velocidades: movimento radial TAG: MOVIMENTO
  6. 6. 4: captar baixas velocidades: movimento composto TAG: MOVIMENTO
  7. 7. Cópias: 5,6. COPIE ESTA FOTO:
  8. 8. SEMPÁTRIA: Concurso de fotos Fotografe uma ideia de PÁTRIA,
 não de feriado nem do que
 você vai fazer nela. TAG: CONCURSO1
  9. 9. FOTOGRAFIA DIGITAL CRP-0420: Aula 04: Luz e iluminação.
  10. 10. LUZ Tema de hoje: e iluminação.
  11. 11. CONTROLE DA LUZ: Escolha de posição, enquadramento e hora do dia.
  12. 12. LUZ AMBIENTE OU LUZ NATURAL. É a luz preexistente,
 sem o acréscimo de lâmpadas ou flash.
  13. 13. FOTÔMETRO Toda câmara tem um para determinar a exposição. No modo automático ele controla
 todas as variáveis
 para facilitar a fotografia.
  14. 14. TV OU S Prioridade para o tempo de exposição:
 ajusta as outras variáveis e deixa o tempo de exposição sob o controle do fotógrafo.
  15. 15. MANUAL Em modo não há ajustes: todas as variáveis precisam ser controladas pelo fotógrafo.
  16. 16. MEDE Mas como ele a luz?
  17. 17. MEDIÇÃO: Modos de
  18. 18. COMUNS: Há quatro modos de medição de luz mais Matricial, Parcial,
 Ponderado ao Centro e Pontual.
  19. 19. MATRICIAL: Modo de medição (Multi-zone or Evaluative Metering) Tira a média da luz na cena. É o mais utilizado e confiável, mas pode falhar
 em grandes áreas de sombra
 ou de luz intensa.
  20. 20. PARCIAL: Modo de medição (Partial Metering) Praticamente igual ao anterior, 
 mas concentra a medição
 em torno do ponto de foco.
  21. 21. CENTRO: Modo de medição ponderado ao (Center-weighted average metering) Dá prioridade à luz que incide
 no centro da área fotografada. Bom para retratos
 ou planos fechados.
  22. 22. PONTUAL: Modo de medição (Spot Metering) faz a leitura junto ao ponto de foco.
 Muito eficaz para mensurar
 cenas de alto contraste.
  23. 23. 3D COLOR MATRIX Nikons ainda tem o que mede a luminosidade das cores fotografadas.
  24. 24. EXAMINAR É preciso A imagem.
  25. 25. UNIFORME Se a iluminação parece use o modo matricial.
  26. 26. LUZ FORTE Se houver uma fonte de por trás da pessoa
 ou objeto fotografado, use a medição ponderada ao centro.
  27. 27. MUITO GRANDE Se o contraste for ou a iluminação for crucial, use o modo pontual - e garanta que o motivo esteja em foco.
  28. 28. CONTRASTE Se a cena tem bastante é bem possível errar. Por isso é necessário priorizar.
  29. 29. PROFISSIONAIS Em fotômetros uma cúpula branca cobre a célula fotoelétrica para ler melhor a luz incidente.
  30. 30. CONTROLE DA LUZ NATURAL: Escolha de posição,
 enquadramento e hora do dia.
  31. 31. TEXTURA Cor, contraste e da luz durante o dia.
  32. 32. OBLÍQUO No amanhecer e entardecer, o sol está e a luz viaja através da atmosfera,
 que funciona como filtro dos menores comprimentos de onda (azuis)
 e se torna mais avermelhada.
  33. 33. ALARANJADA Ao fim do dia a luz muda a cada instante. Sua cor mais se deve às partículas em suspensão. Por isso que o pôr-do-sol em locais empoeirados, poluídos e úmidos
 é tão colorido.
  34. 34. IRREGULAR. Ao meio-dia a luz é e de alto contraste. Sombras fortes e verticais minimizam a textura dos objetos.
  35. 35. POUCO CONTRASTE Dias nublados tem por não ter sol nem sombras escuras.
  36. 36. PÔR DO SOL. Luz indireta não precisa ser o Ela pode ser conseguida com um toldo ou cobertura.
  37. 37. RELACIONADA A textura está diretamente
 
 à direção da luz.
  38. 38. ESTÚDIO. Luz artificial ou de
  39. 39. QUATRO FONTES: Uma boa forma de controlar a luz é dividi-la em Técnica chamada
 de iluminação de quatro pontos.
  40. 40. KEY LIGHT luz principal, a ilumina o objeto.
  41. 41. ENCHIMENTO Luz secundária ou de é usada para dar texturas
 e suavizar sombras. Rebatedores podem substituí-la.
  42. 42. BACKLIGHT Luz contrária ou cria um contorno
 que separa a figura do fundo.
  43. 43. FUNDO Jogar a luz no serve para identificá-lo
 e destacar o primeiro plano.
  44. 44. ÊNFASE. O cinema sempre usou
 a iluminação para
  45. 45. DRAMATIZA A LUZ O cinema e explora seu máximo, mesmo que seja irreal.
  46. 46. FIM.foto.eca.luli.com.br
  47. 47. PARA CASA: 6 FOTOS:
  48. 48. 1: Luz principal ou key light TAGS: LUZ, KEY
  49. 49. 2: Luz de enchimento TAGS: LUZ, FILL
  50. 50. 3: Contraluz ou backlight TAGS: LUZ, BACK
  51. 51. 4: Luz de fundo TAGS: LUZ, FUNDO
  52. 52. 5: Uma foto usando o flash. TAG: FLASH
  53. 53. INSTAMISSION: Paulista no Domingo. Fotografar e selecionar
 uma imagem para o INSTAGRAM. TAG: INSTA16 PRAZO MÁXIMO: 28/9

×