O slideshow foi denunciado.
Universidade Federal da Paraíba - UFPB
Campus IV – Litoral Norte
Centro de Ciências Aplicada e Educação
Departamento de Ci...
INTRODUÇÃO
• Prática docente crítica e construtiva
A prática docente tem que ser crítica no sentido de desenvolver sua
prá...
I – Fundamentos Pedagógicos da Prática docente
Um princípio político-social para a prática docente
• O trabalho docente
• ...
I – Fundamentos Pedagógicos da Prática docente
Desenvolvimento do educando
• Como acontece o desenvolvimento do educando
•...
I – Fundamentos Pedagógicos da Prática docente
Dinâmica da assimilação ativa dos conteúdos socioculturais e do
desenvolvim...
I – Fundamentos Pedagógicos da Prática docente
Dinâmica da assimilação ativa dos conteúdos socioculturais e do
desenvolvim...
II – Tarefas da prática docente
Planejamento
É um ato decisório político, científico e técnico. Político: define a
finalid...
II – Tarefas da prática docente
Avaliação dos resultados da aprendizagem
O planejamento define os resultados e os meios a ...
REFERÊNCIA
LUCKESI, Cipriano Carlos. Por uma prática docente crítica e
construtiva. In: LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliaçã...
Seminário 3 - Por uma prática docente crítica e construtiva
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Seminário 3 - Por uma prática docente crítica e construtiva

258 visualizações

Publicada em

Seminário 3 - Por uma prática docente crítica e construtiva

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Seminário 3 - Por uma prática docente crítica e construtiva

  1. 1. Universidade Federal da Paraíba - UFPB Campus IV – Litoral Norte Centro de Ciências Aplicada e Educação Departamento de Ciências Exatas Licenciatura em Matemática Avaliação da Aprendizagem Profº. Joseval Miranda 2013.2 Por uma prática docente crítica e construtiva Cosmo Matias Gomes Júlio Cézar Cipriano Carlos Luckesi
  2. 2. INTRODUÇÃO • Prática docente crítica e construtiva A prática docente tem que ser crítica no sentido de desenvolver sua prática nas determinações sociais. E tem que ser construtiva na medida em que usem os princípios científicos para a aprendizagem do aluno
  3. 3. I – Fundamentos Pedagógicos da Prática docente Um princípio político-social para a prática docente • O trabalho docente • Classe baixa e alta na educação • Exemplos da Grécia e do Brasil • A classe docente faz a diferença Colégio dos Jesuítas da Bahia (1858)
  4. 4. I – Fundamentos Pedagógicos da Prática docente Desenvolvimento do educando • Como acontece o desenvolvimento do educando • Conhecimentos adquiridos • Habilidades e hábitos Mediação para o desenvolvimento do educando • Conteúdos socioculturais Ensino e Aprendizagem intencionais: meios de desenvolvimento do educando • Aprendizagem espontânea • Aprendizagem intencional • Aprendizagem reflexa e aprendizagem ativa • A arte de ensinar • Ensino sistemático • Assimilação e Acomodação
  5. 5. I – Fundamentos Pedagógicos da Prática docente Dinâmica da assimilação ativa dos conteúdos socioculturais e do desenvolvimento das capacidades cognoscitivas do educando • Assimilação receptiva de conhecimentos, metodologias e visões de mundo: A assimilação receptiva é a recepção atenta e inteligível que o educando faz de um conhecimento, de um princípio, de um processo, de uma análise elaborada... O educando é receptivo, porém não passivo. • Exercitação dos conhecimento e metodologias: Habilidades e hábitos não se desenvolvem sem atividade construtiva. A exercitação é a forma pela qual o educando internaliza reprodutivamente os conteúdos e constrói suas capacidades. A exercitação é o caminho ativo pelo qual o educando faz a sua cultura recebida, tornando-se autônomo, autossuficiente, independente.
  6. 6. I – Fundamentos Pedagógicos da Prática docente Dinâmica da assimilação ativa dos conteúdos socioculturais e do desenvolvimento das capacidades cognoscitivas do educando • Aplicação de conhecimento e metodologias: É a utilização de conhecimentos que foram adquiridos para a solução de problemas semelhantes àquelas que foram solucionados com o conhecimento recebido e exercitado. • Inventividade: É uma ação criativa que soma a assimilação dos conteúdos socioculturais e a intuição, o insight, a espontaneidade, o risco. Para usar essa dinâmica da assimilação ativa dos conteúdos socioculturais e do desenvolvimento das capacidades cognoscitivas dos educandos, há que se ter “ciência e arte” de ensinar.
  7. 7. II – Tarefas da prática docente Planejamento É um ato decisório político, científico e técnico. Político: define a finalidade mais abrangente da ação. Toda ação depende de uma decisão filosófica-política. Essa decisão dá a direção para onde vai se conduzir a ação. Científico: pois necessitamos de conhecimentos científicos significativos para dar conta do objetivo político que temos. A ciência desvenda conexões objetivas da realidade e permite uma ação consistente. Técnico: se refere à construção dos modos operacionais que vão mediar a decisão política e a compreensão científica do processo de nossa ação. Execução Executar o planejamento é pôr em andamento as decisões de forma coerente e consistente. Executar, no caso da prática docente, é traduzir em prática cotidiana os princípios filosóficos e políticos estabelecidos, por meio da transmissão de assimilação ativa dos conteúdos escolares, chegando aos resultados esperados.
  8. 8. II – Tarefas da prática docente Avaliação dos resultados da aprendizagem O planejamento define os resultados e os meios a serem atingidos; a execução constrói os resultados e a avaliação serve de instrumento de verificação dos resultados planejados que estão sendo obtidos, assim como para fundamentar decisões que devem ser tomadas para que os resultados sejam construídos. A avaliação da aprendizagem é um mecanismo subsidiário do planejamento e da execução. Ela só faz sentido na medida em que serve para o diagnóstico da execução e dos resultados que estão sendo buscados e obtidos.
  9. 9. REFERÊNCIA LUCKESI, Cipriano Carlos. Por uma prática docente crítica e construtiva. In: LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 22. Ed. São Paulo: Cortez, 2011, p. 139-169

×